Os Tambores de Outono

Os Tambores de Outono Diana Gabaldon




Resenhas - Os Tambores de Outono - 1ª Parte


55 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4


Luciana 05/08/2019

Sem novidades.
Esse é o quarto livro da série, e é a primeira parte do quarto livro, já que a edição brasileira foi dividida em dois tomos, então é de se esperar que não traga grandes acontecimentos. Alguns personagens novos surgiram e a rotina dos personagens que acompanhamos desde o início mudou um pouco, mas sem grandes acontecimentos. A autora certamente está fazendo uma grande introdução para os acontecimentos mais marcantes que ela costuma colocar mais para o final dos livros.
comentários(0)comente



Emanuel 25/05/2019

esse livro é um pouco diferente dos outros. Estamos acostumados com livros cheios de ação, de guerras e complicações e esse, se compararmos com os anteriores é uma verdadeira calmaria. Ao menos nessa primeira parte. Minha leitura foi mais lenta, porém não deixou de ser envolvente e prazerosa. Não tem como não se encantar com a escrita da Diana, mesmo ela sendo bastante prolixa. Os detalhes, mesmo em abundância em determinados momentos, não são cansativos. Isso é um dom e é por isso que sou tão fã dessa autora.
Em Tambores do Outono conhecemos um pouco mais de Brianna e Roger e cada vez fico mais encantada por esse casal. Roger é bem parecido com Jamie e só isso já é suficiente pra eu me apaixonar por ele. É lindo ver o nascimento de um amor que parece ser tão forte quanto o de Jamie e Claire.
comentários(0)comente



Michelle Trevisani 24/03/2019

Uma série que continuo apaixonada!
Oi pessoal! Tudo belezinha? Hoje trago a resenha do quarto livro da série Outlander. Já disse aqui o quanto sou apaixonada por essa série né? Sim, eu amo com todas as minhas forças. Não é um livro fácil de ler, porque todos eles são bastante extensos, mas a história te envolve tanto que fica difícil parar. Mas não aquele livro que você mata em um ou dois dias. Ele é mais intenso, vai exigir mais da nossa capacidade de leitor, e mesmo assim não deixa de ser instigante e delicioso de se ler.

Como eu amo a série, estou colecionando a sequência toda com as capas da série, mas também tem opções de capas diferentes. A editora Arqueiro está lançando nas duas versões de capas os livros, então depois dá uma olhadinha e veja qual capa você gosta mais.

A maior parte de "Os tambores de Outono" irá acontecer na América, mais precisamente nos Estados Unidos. E essa reconstrução histórica que a autora nos traz, é maravilhosa, rica e cheia de detalhes. Claire, depois de deixar sua filha no tempo presente e resolver viajar no tempo novamente para encontrar no passado Jaime, seu amor da vida inteira, resolve permanecer e continuar se arriscando para viver ao lado do homem que ama. Mas as escolhas que fez não são fáceis. Claire pensa constantemente na filha e reflete muito mais agora nas suas perdas. Seu medo de perder Jaime está mais presente e começo da vida dos dois nesse livro só a faz ficar mais insegura.

Durante seu trajeto de busca por um lugar para chamar de casa, são saqueados, ficando com quase nada de posses. Ainda há os sobrinhos de Jaime, que estão presentes e dos quais são responsáveis. Claire percebe que a vida nas Américas não será fácil. Até que surge uma tia de Jaime, irmã de sua mãe bastante abastada, a senhora Jocasta, e que resolve dar abrigo aos viajantes em sua casa. Mas essa tia tem escravos, e Claire que já viveu em outro século vai bater de frente diversas vezes com ela, deixando assim instável a relação das duas.
Então o que era para ser uma permanência longa na mansão de Jocasta, acaba sendo mais breve e logo Jaime e Claire estão procurando outros lugares para fixar morada. Como estão sempre metidos em entraves políticos, isso também não será fácil para os dois. E Claire sabe o futuro, ela sabe que dependendo do que fizer no passado perderá prematuramente o amor de sua vida. E ela sabe no que dará os desdobramentos políticos aos quais começam a fazer parte se não tomar uma postura mais decisiva e urgente.

Paralela à história de Jaime e Claire, vamos acompanhar também trechos entre Brianna e Roger. Surge entre eles algo difícil de controlar, e depois que Brianna volta para casa, Roger não consegue tirá-la da cabeça. Eles voltam a se encontrar e apesar de tudo estar um pouco tenso ainda entre os dois, uma fagulha de algo maior começa a brotar. Mas Roger tem um segredo e esse segredo pode ser a chave que Brianna está procurando para voltar a ver a mãe. Será que ele vai ser bem sucedido na arte de escondê-lo de Brianna?

Leia o restante da resenha no meu blog: LIVRO DOCE LIVRO

site: https://meulivrodocelivro.blogspot.com/2019/03/resenha-outlander-os-tambores-do-outono.html
comentários(0)comente



Fabi.Filippo 06/03/2019

Amando
Livro muito bem escrito, muito emocionante. Narra o início do estabelecimento da família Fraser na América.
Após um companheiro ser enforcado, serem roubados e recusarem a oferta da Tia Jocasta para ficar em River Run, o casal acompanhados de Ian partem para as terras que aceitaram do governador , a fim de torná-las produtivas e continuar com a colonização de terras americanas.
Um começo difícil, de trabalho duro e algumas aventuras e emoções inesperadas. Ataque de urso foi uma delas, Claire ao se perder na floresta em outra ocasião passa a noite com um fantasma.
E o que dizer da chegada não anunciada de Lord Grey e Willian ?
Uma epidemia de sarampo acaba com uma tribo indígena.
E a autora já começa a dar pista de que Ian está maravilhado com a cultura indígena, ele vive visitando os índios e passa longos períodos com eles.
E nos anos 70, Brianna e Roger buscam por pistas do paradeiro de Claire e do que pode ter acontecido com ela, desde que voltou ao passado. Mas ambos não sabem do outro.
Ainda não se acertaram, mas se amam.
Eu ainda não cai de amores pelo casal. Vamos ver o que acontecerá na segunda parte do livro.
Registrei varias impressões ao longo da leitura, se alguém quiser ler.
comentários(0)comente



Nayara 05/02/2019

Tempestade de sentimentos disfarçada de monotonia
Os Tambores do Outono começa e permanece mais calmo do que o habitual, em comparação com os volumes anteriores. Mas não é porque está calmo, que é sem encanto. Há muitos encantos nesse livro, principalmente relacionados ao casal principal, Claire e Jaime. Me pareceu que a relação deles alcançou outro patamar, um companheirismo e uma necessidade entre eles muito maior do que antes, preocupações mais intensas, e olha que essa relação sempre foi intensa. Claire deixa transparecer e expõe seu medo de perder Jamie, tanto para ele quanto para nós leitores. Foi nesse livro que surgiu uma das conversas mais verdadeiras e intensas que eles já tiveram, onde o medo, o cuidado, a preocupação e a delicadeza aparecem, quando se sentem presos em um futuro cheio de dúvidas, e confiando um no outro tentam superar tudo isso e tomam algumas decisões sobre a permanência deles em Carolina do Norte.

" -- Seu rosto é meu coração, Sassenach -- sussurrou --, e o seu amor é a minha alma. Mas você tem razão. Você não pode ser a minha consciência.”

A história pende para o cotidiano, explora mais os sentimentos, reflexão interior e diálogos, às vezes comoventes, às vezes simples, mas não deixa de ter uma pitada de ação e emoção, tanto que, partindo para o final dessa primeira parte, reaparece um personagem um tanto querido e carismático, e sua presença (e o que vem com ela) afeta todos.

A relação de Roger e Brianna apareceu de modo pontual na história e de início fiquei bastante empolgada, porém, apesar de achar que eles combinam muito e entender algumas das justificativas de Roger para ficar com Brianna, ele foi precipitado, imprudente e um pouco machista em dizer certas coisas a ela, em querer dar um “ultimato”, principalmente por ela ainda estar um pouco abalada pela partida de sua mãe para outra época, e pelas dúvidas que ela tem quanto a manter um relacionamento para sempre, custe o que custar. E Roger está disposto a esconder até algo muito importante de Brianna, para protegê-la e não perdê-la.

Acredito que a continuação desse volume continuará a contar fatos do dia-a-dia e terá um pouco mais de ação, sem perder a intensidade e delicadeza ganhadas até aqui.
comentários(0)comente



Simone 31/01/2019

Uma sequência instigante!
Com uma trama recheada de aventuras (marca registrada da autora), somos conduzidos a um Novo Mundo, onde Jamie e Claire tecem essa teia de sabores e dissabores.

OUTLANDER, OS TAMBORES DO OUTONO é uma sequência intrigante, onde o momento auge da trama é nada menos que o encontro de pai e filha, isto é, Brianna e Jamie. E, além deste encontro, temos o reencontro de Claire com a filha, além dos novos percalços (alguns destes dolorosos demais), pelos quais a garota passa e que acabam por envolver a todos. Nesse cenário, entre escravocratas e indígenas, há momentos cáusticos de sobrevivência, além da esperança para essas novas oportunidades/ou Novo Mundo. Roger, affair de Brianna, também é de grande importância na trama, pois é impulsionado pelo amor, e, por tal motivo, atravessa o tempo e vive grandes e perturbadoras tribulações. Em suma, com a família completa e um vilão e tanto — o pirata Stephen Bonnett — nos deleitamos na solidificação de amor entre Claire e Jamie, e novos rumos para/com Brianna e Roger. Novos a antigos personagens aparecem na história, dando um tempero especial a trama. Eu não posso dizer mais, pois soltarei spoilers importantes. O final é instigante, deixando Jamie entre a cruz e a espada. Por fim, essa é a solidificação da família Fraser.

P.S.: Confira a resenha completa no link abaixo.

site: https://simonepesci.blogspot.com/2019/01/falando-em-outlander-os-tambores-do.html
comentários(0)comente



Carolina DC 30/01/2019

“Os tambores de outono” é o quarto livro da série Outlander e dá continuidade a história atemporal de amor entre Claire e Jamie. Após descobrir que seu amado não morreu, Claire decidiu arriscar tudo e voltar mais uma vez no tempo. Os dois agora estão juntos novamente e uma nova aventura surge no horizonte.
Por conta da imprevisibilidade da mãe-natureza, o navio onde os protagonistas se encontram desviou o seu curso e foi parar na América. Inicialmente, os dois acreditam serem os únicos sobreviventes, mas logo irão descobrir que estão enganados. As adversidades para sobreviver são imensas, mas os protagonistas são resilientes e não vão desistir.

"Jamie pegou minha mão direita, passando o polegar devagar pela aliança prateada de casamento. - Talvez, um dia, eu possa cobri-la com rendas e joias - disse ele suavemente. - Nunca consegui lhe dar muita coisa, exceto esta aliança de prata e as pérolas da minha mãe.
- Você me deu muito mais do que isso - disse. Envolvi seu polegar com meus dedos e apertei. - Brianna, para começar."

Apesar do começo difícil, o destino decide dar uma mãozinha e é aí que o leitor conhece Jocasta, irmã mais velha da mãe de Jamie. Jocasta é uma senhora idosa financeiramente abastada e com um bom status social. Suas plantações são prósperas e a mão de obra escrava é uma vantagem que ela não abre mão. Porém, a escravidão é algo que Claire não vai tolerar e será um grande ponto de atrito entre as personagens.
A opção é procurar um novo local para se fixar, a Fraser's Rigde, mas o casal se vê envolvido em mais conflitos sociais e políticos. Sabendo do futuro, Claire precisa decidir junto com o amado se irá mergulhar de cabeça e assumir a liderança de um caldeirão prestes a implodir.
Como muitos sabem, a autora trabalha arduamente em mesclar a ficção com os fatos históricos da época. E não decepciona. Os leitores conseguem ver o início de uma grande revolução e o impacto que isso causa nos habitantes das colônias.
Em paralelo, temos a história de Brianna, que se encontra sozinha no futuro. Após a revelação sobre o seu pai biológico e o abandono por parte de mãe, ela pesquisa arduamente, com a ajuda de Roger, o que aconteceu com os seus pais no passado.
Em ambas as histórias (a de Jamie e Claire e a de Brianna e Roger) existe um lindo romance se desenvolvendo em meio ao enredo principal.

"- Você não vai me deixar? - perguntei por fim. - Não vai morrer?
Ele balançou a cabeça e apertou minha mão com força.
- Você é minha coragem, assim como eu sou sua consciência - sussurrou ele. - Você é meu coração, e eu, sua compaixão. Sozinhos, não somos inteiros. Você não sabe disso, Sassenach?
comentários(0)comente



Dandara 16/01/2019

Tambores do Outono é o quarto livro da série Outlander, escrito por Diana Galdaldon. Nesse livro, conhecemos mais sobre a história dos Estados Unidos nos anos 1700, da cultura indígena à escravidão, não necessariamente nessa ordem. Sobre a escravidão, o livro três também retratou, mas em Tambores ficou mais retratada a crueldade da escravização de pessoas. Os laços paternais também têm forte apelo neste primeiro volume. Senti falta de Fergus e Marsali, ela apenas mencionada na narração da Claire. Pensei que a história deles se desenvolveria de forma mais presente na série. Mas ainda assim, Outlander sempre me encanta. Que venha o segundo volume.
comentários(0)comente



Vic 09/01/2019

Mais uma aventura incrível de Jamie e Claire!
Dessa vez, eles vão parar na América á procura de um refugio, de um novo lar depois de tantas aventuras.
Em comparação aos outros livros anteriores tem menos ação, mas ainda assim, não deixa de ser incrível e viciante.
Muitas coisas surpreendentes acontecem e visitas do passado de Jamie e Claire ressurgem.
comentários(0)comente



Amiga Leitora 27/12/2018

A solidificação da família Fraser
'Outlander: Os Tambores de Outono' é o quarto livro da série Outlander, por tanto, essa resenha pode conter SPOILER para aqueles que não leram os livros anteriores a ele.

É no retorno da quase idílica aventura na África que a vida de Jamie e Claire mais uma vez sofre uma transformação drástica. Acometidos por um furacão, o barco deles sofre um naufrágio, e quando finalmente Jamie e Claire encontram uma superfície terrestre, completamente sozinhos e acreditando que todos os outros companheiros de viagem morreram, que eles se dão conta que não estão na costa de uma das ilhas caribenhas e sim na costa das colônias inglesas. Jamie e Claire chegaram à América.

Os dias seguintes ao naufrágio são marcados pelo instinto de sobrevivência assim como pelo conhecimento de que todos que estavam no barco junto à eles sobreviveram. Como usual na vida do casal, Jamie e Claire enfrentam algumas dificuldades nesse meio tempo, mas algum conforto também, e o conforto vem através de um membro da família. Jocasta, uma a irmã mais velha da mãe de Jamie se estabeleceu em solo americano e tem uma certa estabilidade tanto financeira quanto social. Jamie e Claire por inúmeros fatores acabam chegando ao acordo de que o melhor seria eles permanecerem na América e construírem ali um lar.

A princípio a percepção de que Jamie seria o herdeiro possível de Jocasta, uma vez que ela não tem filhos, levanta a possibilidade deles se fixarem ali. Mas Jocasta é dona de plantações e tem vários escravos ao seu serviço, o que gera grandes conflitos entre ela e Claire. Decidindo que a vida com a tia não daria certo, o casal procuram novas terras para se estabelecerem, é assim que surge a Fraser's Rigde. Mas entre os conflitos sociais e a construção da base daquilo que será o futuro deles, ambos novamente se verá envolvido em questões políticas com a coroa Inglesa.

Claire conhece o futuro e as consequências de tentar alterá-lo, terá ela e Jamie a coragem de arriscarem mais uma vez ?

Antes de ler o sexto livro da série, 'Os Tambores de Outono' era meu livro favorito da autora, uma vez que esse livro, na minha opinião, é o ponto de virada para todo o resto da série, e todos os plots seguintes. Apesar de ter caído para o posto de segundo lugar, eu amo imensamente esse livro.

Um dos pontos que eu mais amo nesse livro é a construção da Fraser's Rigde, a construção dessa terra que de certa forma trás a ideia da solidificação da família Fraser. É muito interessante vê que agora que estão mais velhos os conflitos de Jamie e Claire, perpassam outros pontos e não mais a ideia de se vão ou não ficar juntos.

Diana também constrói um plot nesse livro quatro, ainda nesse aspecto familiar, que explodiu minha mente, foi bem tudo o que eu queria ver e digamos que para os padrões da autora, isso meio que trouxe um final 'Disney' para história. O que me intrigou bastante, uma vez, que isso não é o comum dela.

Chovendo no molhado, mais uma vez pontuo a excelência dela enquanto narradora, o domínio sobre a história e sobre a escrita sobressaltam as páginas do livro. Aos amantes tanto da série quanto do livro, fica aqui minha máxima recomendação desse livro, pois como disse antes, ele é maravilhoso.

* RESENHADO POR ANA LUISA DO BLOG AMIGA DA LEITORA *

site: http://www.amigadaleitora.com/2018/12/resenha-outlander-os-tambores-de-outono.html
comentários(0)comente



Angelica.Leandro 26/12/2018

Que livro maravilhosos
Amei cada página do começo ao fim acheu interessante linda e muito envolvente a história parece que eu estava no século 18
comentários(0)comente



Angelica.Leandro 21/12/2018

Amei
Amei cada página agora vou iniciar o próximo volume da série muito surpreeandente o livro e Barras pelo pontos de vista de Claire e narrativa em terceira pessoa de briana quero saber o que vai acontecer acontecer .
comentários(0)comente



Thai Zavadzki (@meowbooksblog) 25/11/2018

Pois bem, a primeira parte é dividida entre a óptica de Claire, no século XVIII e Brianna junto de Roger, no século XX. Na parte da Claire nós vemos como está sendo a adaptação dela e Jamie nas novas terras, na América.

Eu gostei muito desse livro, uma das coisas que mais amo na Diana Gabaldon é a consistência histórica que ela dá às suas obras. Toda vez que leio esses livros é como se realmente estivesse vivendo na época junto dos personagens e acredito que essa sensação é uma das melhores coisas na vida de um leitor, pois traz credibilidade à história que se está lendo.

É mostrado como o nosso casal principal lida com a nova vida, agora com Jamie livre e os dois finalmente juntos sem vigentes ameaças, também nos é apresentado os índios nativos e diversas tramas relacionadas ao “novo mundo”, o que volta naquilo que eu estava falando da consistência.

Além de ser intrigante acompanhar essa época, que é desconhecida para nós, também é legal ver como Jamie e Claire reconstroem sua relação, afinal, em O Resgate no Mar eles não tem muito tempo para focar no relacionamento. Eles estão mais velhos, ficaram anos separados, é claro que precisariam de um revival e é muito bonito ver como o amor dos dois é resistente. [...]

CONTINUA NO LINK

site: https://meowbookblog.wordpress.com/2018/11/16/resenha-os-tambores-do-outono-parte-1-e-2/
comentários(0)comente



Ana Carol 08/10/2018

"Aonde quer que tu fores irei eu, e aonde quer que pousares, ali pousarei eu; o teu povo é o meu povo, o teu Deus é o meu Deus; onde quer que morreres morrerei eu, e ali serei sepultada." Seja nos montes escoceses ou na floresta do sul. "Faça o que tiver que fazer; eu estarei com você."
comentários(0)comente



gabis 14/08/2018

Um dos livros mais lentos da série - porém um ritmo necessário, que deu mais riqueza à história
Creio que para representar melhor esse livro seria a expressão "preparando terreno". O livro foi um prelúdio do que está por vir e um desenvolvimento tamanho para a história de Jamie e Claire.
O casal, agora na América, busca um lar no Novo Mundo, e o assentamento desses na Cordilheira dos Fraser se deu de forma graduada, mas não menos interessante. Achei bem corajoso da parte da autora fazer os personagens contruírem sua vida do zero em um terreno totalmente novo - não me refiro aos EUA, mas sim à terra que eles escolheram para montar sua fazenda, posteriormente sua casa e assentamento. Essa parte do livro me fez ainda mais ter certeza de quão fantástica é a escrita de Diana Gabaldon. Nunca vi uma autora que dê tanta riqueza de detalhes que faz dar vida às palavras. O ambiente está totalmente construído na minha mente e tudo o que ocorreu durante o livro se desmembra em imagens nítidas, como se tivessem de fato acontecido. Fico boba ao lembrar.
Sobre a história, não há muito o que comentar - todos os acontecimentos interligados, intrigantes e envolventes, em conjunto com o carisma dos protagonistas, fizeram a leitura ser prazerosa, paciente e calma, como senti em todos os outros livros. Não houve urgência durante a leitura, somente uma familiaridade tão grande com os personagens fez tudo fluir. Li demoradamente, mas pude aproveitar cada segundo da leitura segundo o ritmo do livro.
comentários(0)comente



55 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4