Os Tambores de Outono - Parte 1

Os Tambores de Outono - Parte 1 Diana Gabaldon




Resenhas - Os Tambores de Outono - 1ª Parte


38 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3


Lili 17/01/2010

"Tambores de Outono" é o quarto livro da autora Diana Gabaldon da série Outlander. A autora realmente nos surpreende por sua capacidade em contar histórias. "Tambores de Outono" com certeza não vai decepcionar os fãs da série. Caso você não tenha lido os três romances anteriores, eu recomendo que o faça antes de começar este livro, pois acho que seria muito confuso apreciá-lo cuidadosamente, sem ter lido a história e o drama pessoal de seus personagens que a autora meticulosamente detalha tão bem em seus livros anteriores.

A história desta vez não se passa como pano de fundo nas highlands da Escócia. Jamie e Claire concordam que não havia qualquer possibilidade de construir uma vida para si, na Escócia. Os clãs tinham sido forçados a emigrar, devido a fome e a pobreza extrema. Então, os Frasers juntamente com alguns amigos e o sobrinho Ian, atravessaam o Atlântico e vão para a Carolina do Norte refazer suas vidas... Em um tempo paralelo, Brianna no século XX e seu amado escocês Roger descobrem algumas informações sobre o que vai acontecer com Claire e Jamie no 'passado'. Então, devido essas informações surpreendentes e terríveis, Brianna está determinada a alcançar os seus pais e avisá-los de alguma maneira esses próximos eventos, na esperança de mudar o futuro...

A primeira parte do livro confesso que não me agradou muito, achei um tanto cansativo. Mas, a segunda parte devorei em dois dias as suas 500 e tantas páginas! Muitas coisas acontecem...
Diana Gabaldon detalha muito bem a vida do século XVIII na Carolina do Norte, de forma clara e precisa, minuciando todos os detalhes da época. Claire e Jamie como personagens crescem consideravelmente, assim como o amor e a intimidade entre eles. Novos personagens são introduzidos, bem como um vilão bastante viril, e, em típico estilo Gabaldon, estas novas pessoas são retratadas com muito realismo, complexidade e humor... Briana e Roger estão adoráveis!

Os livros desta série estão entre meus favoritos com certeza! Os personagens são tão reais que o leitor acaba se envolvendo com eles, pelo menos com Jamie e Claire, de uma forma comovente. Pois, seguimos as suas vidas e observamos o seu crescimento como seres humanos, as suas experiências tanto na alegria como na tristeza, e como interagem uns com os outros em seu dia a dia, bem como em meio a grandes aventuras. Pelas páginas vão se passando a sua história e muitas vezes devido a ela choramos a distância por eles.

Veja esta e outras resenhas aqui http://nossosromances.blogspot.com/
Semiramis 01/07/2010minha estante
Lili, sua resenha me deu forças para continuar o primeiro livro. Realmente, está um pouco cansativo e estou muuuiiitooo devagar. rsrs
Mas depois de ler seus comentários, e por ter amado os primeiros livros da série, vou voltar a ler com mais ânimo.
bjs
;)




Claire Scorzi 13/03/2009

Jamie e Claire no Novo Mundo...
Comparado a "O Resgate no Mar", este volume da série equilibra melhor ação/ introspecção dos personagens. Há aqui também um gostinho de romance antigo no uso que Diana Gabaldon faz de contar uma história dentro de outra história (Dickens, gênio da Literatura Inglesa no século XIX, era mestre nisso). Tanto Claire quanto Jamie 'contam histórias' em algum momento da narrativa (Claire, por sinal, está contando um clássico do próprio Dickens!). Saboroso e cheio da já conhecida empatia que a autora estabelece entre esse seu casal maravilhoso e nós leitores.
comentários(0)comente



Caroline 18/10/2014

Uma excelente história, mas que decepcionou na forma em que foi contada
Ou meu humor não anda nada bem ou esse livro me decepcionou, o que é duro de admitir, já que aprendi a amar essa série com todo meu coração. Fanatismos à parte, senti falta da Diana impactante dos livros anteriores, da Diana que me deixava ora com raiva ora suspirando, da Diana que me roubava o ar e me fazia ter vontade de jogar o livro na parede, da Diana da paixão avassaladora, das surpresas e da ansiedade. Parece que ela só acordou na segunda metade do livro, ainda assim, um pouco sonolenta.

Pensei ser praticamente impossível falar desse livro sem entregar seus segredos, e qual não foi minha surpresa quando li a sinopse ao término da leitura e constatei que está tudo ali. Tudo. Claire e Jamie resolvem, depois de algum tempo, que vão tentar a vida na América e se fixam em uma propriedade concedida pelo Governador. Do outro "lado do tempo", no "futuro", acompanhamos um pouco do relacionamento de Roger e Brianna e suas descobertas sobre a vida de Jamie e Claire. Falarei menos que a sinopse, e se você não a leu aconselho que não o faça. Os dois jovens descobrem algo importante que vai mudar (e movimentar) o rumo da história.

Parte I - Dói um pouco ter que admitir que as partes sobre Jamie e Claire na primeira metade do livro não eram as mais interessantes. Roger e Brianna roubaram a cena, mesmo que elas tenham sido pontuais. A autora escreve, escreve, escreve, e não diz muita coisa. Diana É prolixa, mas aqui ela exagerou.

Parte II - "Ufa, Diana acordou", pensei. De fato, a história cresce significativamente e tem seus momentos dignos de aplausos. Há um encontro super emocionante e incrivelmente bem escrito, que é, para mim, o ponto alto de todas as mais de mil páginas. A história que se desenrola nessa segunda metade é muitíssimo interessante, mas mal aproveitada. Uma simples falta de diálogo - que não deveria ser comum entre Jamie e Claire e sua evidente maturidade - teve uma consequência que se arrastou até quase o final do livro.

Se gostei do livro? Sim, gostei. Citarei uma frase que a autora usa para descrever um acontecimento do livro e serve bem para resumir minhas impressões sobre ele. "É como no beisebol - assegurei a ela. - Longos períodos de tédio, pontuados por curtos períodos de intensa atividade."

Deixo claro que não tenho problema com livros longos, gosto tanto dos enredos quanto das palavras e seus jogos, mas não gosto quando as páginas e os pensamentos se repetem em demasia. Talvez tenha sido esse o problema em Os Tambores de Outono, mas, esperançosa de reencontrar a autora que me encantou, seguirei firme na série, especialmente porque, além de Jamie e Claire, agora existe a figura de Roger, que muito me agradou. A teimosia de Brianna me impediu de morrer de amores por ela, mas, verei o que me aguarda.

Em suma, uma excelente história, mas que decepcionou na forma em que foi contada.

4/5 Estrelas
4/5 Corações


*** SPOILER ABAIXO ***

Minha maior birra foi o estupro, definitivamente. Por que todos os personagens têm que sofrer algum abuso sexual? Acontecera com Jamie, com Fergus, com Ian e com Mary. Com Claire não foi estupro, mas ela "vendera" seu corpo como moeda de troca. E aqui em "Tambores" mais um. E um que me incomodou bastante, não pelo fato em si, mas pela tara da autora pelo assunto. Ficou caricato, passou do limite. Espero, sinceramente, que ela não o extrapole ainda mais nos próximos livros.

Mari Siqueira 13/05/2016minha estante
Acho que é impossível contar uma história sobre o século XVII e XVIII sem envolver muito estupro. Infelizmente, esta atrocidade fez (e infelizmente ainda faz) parte da História e escrever ou não sobre ela não faz com que ela deixe de existir. Desculpa, mas dizer que Diana tem uma "tara" pelo assunto é absurdo.




Verdenia 10/07/2011

Rumo ao novo mundo, América!
Um friozinho na barriga ao recomeçar a viajar com estes personagens que amo!
Na América de 1767 os perigos naturais de uma terra pouco habitada instiga o leitor a caminhar e navegar um pouco mais com Jamie Frazer e Claire. Enquanto isto, na mesma América, porém no ano de 1969 os caminhos de Briann e Roger voltam a se cruzar, provocando em Bri uma séria de emoções.
comentários(0)comente



mariioliva 18/04/2016

Os Tambores do Outono parte 1
"- Você não vai me deixar? - perguntei por fim. - Não vai morrer?
Ele balançou a cabeça e apertou minha mão com força.
- Você é minha coragem, assim como eu sou sua consciência - sussurrou ele. - Você é meu coração, e eu, sua compaixão. Sozinhos, não somos inteiros. Você não sabe disso, Sassenach?"

"Os Tambores do Outono Parte I" é a primeira parte do quarto volume da série Outlander. Precedido de O Resgate no Mar, o quarto livro vai nos contar como Claire e Jamie Fraser, o casal protagonista lindo e maravilhoso, começam a construir suas vidas juntos nas colônias da América do Norte do século XVIII, mais precisamente em 1767. Ao mesmo tempo, em 1969, vamos saber como a filha do casal, Brianna Randall, está se sentindo com a partida da mãe, a descoberta do verdadeiro pai e o início do primeiro amor por Roger Wakefield, filho adotivo do Reverendo Wakefield e descendente do clã MacKenzie.

É meio complicado resenhar essa série sem soltar alguns spoilers dos livros anteriores. A própria sinopse dos livros já contam detalhes dos seus predecessores. Mas vou tentar diminuir o máximo que puder. Para quem quiser conhecer um pouco mais dos anteriores antes de saber sobre Os Tambores do Outono, deixo as resenhas de A Viajante do Tempo, A Libélula no Âmbar, O Resgate no Mar Parte I e O Resgate no Mar Parte II.

Em O Resgate no Mar vimos como Claire descobriu o paradeiro de Jamie, depois dos 20 anos que ficaram separados, e resolveu voltar ao passado para se encontrar com ele e finalmente terem o seu final feliz. Coitada, mal sabia ela que esse final feliz ainda está longe de acontecer. Os dois acabam por viajar para as Índias Ocidentais (as ilhas do Caribe, atualmente) no Novo Mundo, com a finalidade de resgatarem seu sobrinho Ian que fora sequestrado por um navio pirata. Depois de muitos perrengues tanto em alto mar quanto em terra firme, o casal finalmente recupera o sobrinho e acabam naufragando (sim, naufragando, a "sorte" desses dois é incrível) na costa da Carolina do Norte.

Lá, decidem por ficar na colônia americana em vez de retornar para a Escócia, e tentar construir um novo lar para eles, além de redescobrir como conviverem juntos, afinal, foram 20 anos separados. O amor nunca deixou de existir, mas a convivência e a confiança precisa se restabelecer. Com a ajuda de uma tia de Jamie, Jocasta Cameron - irmã dos MacKenzie - o casal, o sonhador sobrinho Ian e seu fiel escudeiro Rollo (uma mistura de cão e lobo), o filho adotivo Fergus, e o amigo Duncan, tentam sobreviver nesse Novo Mundo cheio de aventuras, de animais selvagens, de nativos lutando pelas suas vidas e suas terras, de negros sendo escravizados e torturados, de europeus com sede de riqueza e fortuna desbravando essa selva braba e passando por cima de quem precisar passar.

"Jamie pegou minha mão direita, passando o polegar devagar pela aliança prateada de casamento. - Talvez, um dia, eu possa cobri-la com rendas e joias - disse ele suavemente. - Nunca consegui lhe dar muita coisa, exceto esta aliança de prata e as pérolas da minha mãe.
- Você me deu muito mais do que isso - disse. Envolvi seu polegar com meus dedos e apertei. - Brianna, para começar."

Enquanto isso, em 1969, vemos Brianna e Roger começarem sua história de amor. Um começo um tanto quanto conturbado, pois a moça está sofrendo: acabou de se separar da mãe, Claire, que voltou ao passado para ficar com seu grande amor, Jamie, seu verdadeiro pai e que ela acabou de descobrir que existia, logo depois de perder o homem que a criou como filha, Frank Randall, primeiro marido da mãe. Quanto vai e vem não é mesmo? Eu também ficaria maluca com tanta informação. Brianna sente-se culpada por querer saber mais sobre o verdadeiro pai, achando que isso fere a memória do homem que a criou. Tem medo de se apaixonar por Roger e logo depois conhecer outra pessoa, como aconteceu com sua mãe, que um dia havia amado Frank, mas depois que conheceu Jamie, esse amor deixou de existir, sendo capaz de abandonar tudo por ele. Porém Roger tem certeza de seus sentimentos e pretende lutar pelo coração da garota, luta essa que não será nada fácil, principalmente depois que ela descobre uma informação nada agradável sobre seus pais no século XVIII.

Preciso confessar que senti falta de alguma coisa nessa primeira parte do livro. Não me entenda mal, assim como todos os outros, eu adorei. Mas faltou alguma coisa nele que me prendesse tanto quanto os anteriores. Espero que a segunda parte tenha essa pitada a mais que faltou na primeira. O livro tem sim ação, aventuras e problemas - esse casal tem um imã para perigos que vou te contar - mas acho que faltou acontecer mais dessas coisas como nos anteriores. Não sei se é por causa da divisão do livro em partes 1 e 2, deixando a parte 2 com mais aventuras para nos surpreender. Eu não tenho nada contra a divisão, até porque é melhor ler um livro com 500 páginas (o que já é muito) do que um livro com quase 1000 páginas, como foi com A Libélula no Âmbar. Espero que a Arqueiro não atrase o lançamento da segunda parte, prevista para maio, estou aguardando ansiosíssima para ler a continuação! Enquanto isso, já temos a segunda temporada da adaptação de Outlander para TV que já lançou dois episódios arrasadores. Boa leitura!

Para mais resenhas acesse www.amadoslivros.blogspot.com.br

site: http://amadoslivros.blogspot.com.br/2016/04/livro-os-tambores-do-outono-parte-i.html
comentários(0)comente



SakuraUchiha 08/05/2015

Diana, a rainha de ficção histórica.
Eu amo essa série. Você tem que começar desde o início e lê-los em ordem. Este livro não foi o meu favorito da série, mas definitivamente vale a pena ler e ver as novas aventuras que Jamie e Claire se metem. Eu acho que eu leria qualquer coisa que Jamie Fraser estivesse, eu amo este personagem.
Qualquer coisa com romance, mistério e suspense vale a pena o meu tempo, e deixe-me dizer-lhe, Diana Gabaldon nos oferece isso e muito, muito mais. Ela brilhantemente nos pinta um quadro, tão real de seus personagens que eles parecem pessoas que conhecemos intimamente e que nós os reconheceria na rua.
Eu recomendo esta série para qualquer um que ama romance histórico, romance escocês ou da ficção científica de romance. Esta série tem tudo isso e este livro não decepciona.
comentários(0)comente



Rascunho com Café 03/05/2017

Uma nova fase para Jamie e Claire
Finalmente o quarto livro da série Outlander foi lançado, e agora com uma novidade: pela Editora Arqueiro. Nada que mereça a preocupação do leitor, afinal a Saída de Emergência era um selo fantasia da Arqueiro, portanto, podem respirar aliviados, o projeto gráfico foi mantido, garantindo nossa coleção na estante intacta.

Depois de tanta emoção e aventura em “Resgate no Mar” (resenha aqui), nós temos um livro mais calmo. Jamie e Claire planejam se estabelecer nas Américas, assim nos deparamos com a construção de um tempo de esperança para o casal: onde Claire sonha em viver em um lar ao lado de seu marido; enquanto Jamie, finalmente tem a oportunidade ser o senhor de suas terras.

Mas veja bem, a história é mais calma que a anterior, mas não é monótona, estamos falando de uma América inexplorada do século XVIII e claro, de Diana Gabaldon, e ela nunca nos deixa totalmente sossegados. Jamie e Claire enfrentam perigos sim, mas é o dia a dia deles na nova terra que vamos conhecer, com direito a situações do cotidiano, como Jamie consertando telhado e Claire enfrentando uma porca enfurecida parindo seus rebentos em plena despensa.

O cenário da história é riquíssimo: Escravos trabalhando em fazendas, índios nativos americanos em conflito com colonos, fora os perigos de um território virgem. Há muitos percalços para nosso casal preferido enfrentar, mas acima de tudo isso, dois assuntos que tiram o sono dos leitores e respectivamente de Claire e Brianna: Aquele túmulo de Jamie Fraser na Escócia e uma notícia de jornal com a informação de uma tragédia (Diana sendo Diana). Respostas abertas para a segunda parte do quarto livro.

Ainda temos na história o acréscimo da tia de Jamie, Jocasta, um personagem muito interessante que vive nas Américas e um pouco mais do relacionamento de Brianna e Roger, personagens de outro arco que vivem nos anos 1960 e possuem um capítulo realmente adorável com a descrição da chegada do homem na lua.

Portanto, depois de tantas emoções em “Resgate no mar”, é ótimo um pouco de relativo descanso em “Os tambores de Outono”.

site: http://www.rascunhocomcafe.com/2016/04/os-tambores-de-outono-uma-nova-fase.html#.WQnuAxMrLIU
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



Clara 08/01/2015

Resenha Outlander: Os Tambores de Outono
“Tambores de Outono” é o quarto livro da coleção Outlander da autora Diana Gabaldon. Como no ultimo livro este também foi dividido em duas partes.

A primeira parte, temos Jamie, Claire e o Jovem Ian construindo literalmente uma nova vida na América, mas precisamente na Carolina do Norte, na América colonial em 1767. Somos apresentados a uma nova realidade mostrando a vida dura das colônias americanas. Vemos nativos lutando por sua sobrevivência, negros escravizados e europeus em busca de fortuna desbravando essa terra selvagem.

A narrativa continua muito bem detalhada e como sempre os personagens continuam crescendo. Uma coisa que gosto muito é que nenhum personagem se perde pelo caminho. Cada uma deles tem o seu propósito na trama e vai se desenvolvendo. Até aqueles que não dávamos nada por eles.

Em 1969 acompanhamos o relacionamento da Brianna – filha da Claire e do Jamie – com o Roger Wakefield – descendente do clã dos MacKenzie. Sabe todas aquelas duvidas e medos de inicio de namoro. Até que ponto se entregar. É interessante ver o desenrolar e o amadurecimento dos dois no decorrer das duas partes. Ambos têm muito carinho um pelo outro, mas agem com muita cautela.

Brianna está sofrendo muito com a “perda” da mãe, fora toda a curiosidade em relação ao pai que nunca conheceu. É um sentimento bem complicado, né? Pois ela se pega achando que querer conhecer seu verdadeiro pai pode de alguma forma estar traindo a memória do outro, no caso o Frank Randall, aquele que a criou como filha. Ao mesmo tempo se privar de conhecer o Jamie seria uma atitude muito extremista, visto que ele é o amor da vida da Claire e ela abandonou tudo e viajou no tempo novamente para ficar com ele. Então há muito ainda para a Brianna conhecer e entender.

Após ler um velho recorte sobre a morte prematura de seus pais em um incêndio, Brianna decidiu ir sozinha para o circulo de pedras e tentar salvá-los mudado o curso da história. Só que ninguém contava que Roger fosse descobrir e ir atrás dela.

A segunda parte conta as aventuras de Brianna e Roger no passado. A leitura flui muito rápido, pois ficamos na expectativa do reencontro dos dois e finalmente do encontro do pai com a filha. Que por sinal foi bem emocionante.

Quem eu amo de paixão é o Lorde John. É um personagem irônico, carinhoso, complexo e que a cada livro ganha um espaço maior. Gostei muito de ver a interação dele com a Brianna, diálogos divertidos e situações bem atribuladas. Dona Diana, quase me matou do coração! Falo nada!

Diana Gabaldon de forma memorável continua descrevendo muito bem as indumentárias, os costumes e culturas e as paisagens locais dos períodos, nota-se um grande trabalho de pesquisa, até mesmo sobre os fatos históricos, pois em alguns momentos nos vemos em países distintos e com localidades muito adversas.

É um livro repleto de encontros e desencontros, enganos e reviravoltas com uma narrativa muito envolvente. Recomendo a leitura.

site: http://nomeumundo.com/2015/01/08/resenha-outlander-tambores-de-outono/
comentários(0)comente



Patty 24/01/2012

Encantador
Nesse 4º livro da série Outlander, Diana Gabaldon nos mostra através dos personagens Jamie e Claire um pouco da vida na América do século XVIII. Um local pouco habitado, com uma natureza selvagem e índios como vizinhos. E paralelamente nos mostra a vida de Brianna na mesma América, porém no século XX. Pode-se dizer que nesse livro os personagens estão mais introspectivos, apresentam mais reflexões sobre a vida de si mesmos, mas Diana sabe como manter a história atraente e interessante o tempo todo, nos fazendo entrar de fato na história.
comentários(0)comente



Nana 04/08/2012

OTIMO,OTIMO ADOREI
comentários(0)comente



Nathy 13/09/2016

Outlander: Os Tambores do Outono (Parte I) – Diana Gabaldon – #Resenha
Eu gosto bastante dessa série de livros. Inclusive estou curtindo muito a adaptação na tv. Que já está na sua segunda temporada. Estava muito empolgada esperando a continuação da história. Já estava preparando o coração para o sofrimento. Porque algo sempre tem que acontecer com a Claire e o Jamie. Não conseguem ser felizes todos os momentos. Isso é bom porque gera aquela tensão no decorrer do livro. Porém, essa primeira parte não conseguiu me envolver tanto. Parecia que a história não estava caminhando para nenhum lugar. Era apenas os dois vivendo o seu dia a dia. E não foi muito interessante para a minha pessoa.

Em Outlander: Os Tambores do Outono Claire e Jamie estão tentando se estabelecer na América. Querendo deixar todo aquele passado sofrido para trás. Começar uma nova vida. Para isso contam com a ajuda de Jocasta Cameron – tia de Jamie. Que não se encontravam por muitos anos. Enquanto, Jamie tem seus planos em mente. Jocasta tem outros que podem colocar novamente a vida do rapaz em perigo. Ainda mais nesse novo mundo. Para Claire a situação é ainda mais complicada. Mesmo estando feliz ao lado do homem que ama. Sente uma saudade imensa de sua filha. Brianna ficou no futuro. A saudade que sente de sua filha é muito grande. O que ela não sabe é que Brianna se sente da mesma forma. Por isso busca consolo nos livros e na história. Isso até descobrir Roger descobrir que seus pais podem morrer em um incêndio. Deixando o rapaz confuso sobre o que deve fazer. Contar para a mulher que roubou seu coração e vê-la sofrer. Ou apagar para sempre os indícios dos dois na história.

A escrita da autora é muito boa. Por mais que descreva cada passo dos personagens não deixa cansativo. Acaba envolvendo o leitor de uma maneira maravilhosa. Instigando a saber o que mais pode acontecer. Quando finalizei a leitura fiquei com aquela sensação de vazio. Precisando muito saber o que mais eles vão aprontar. Se terá um final feliz ou se vou me acabar em lágrimas. Ainda mais porque tem muitos outros livros. A narrativa é feita em primeira pessoa nos momentos que está focado em Claire e Jamie. E em terceira pessoa quando está focando em Brianna e Roger. Gostei muito disso porque assim não ficava confusa nos momentos da história. Se tudo fosse em primeira pessoa ia achar que tudo era a Claire de algum jeito.

Eu senti, de uma vez, muito vulnerável e ainda totalmente segura. Mas sempre me senti assim com Jamie Fraser.

Continuo gostando muito do jeito da Claire. Ela aparenta ser uma mulher fria e tudo mais. Porém, eu acho que ela tem um coração enorme. Sempre preocupada com as pessoas ao seu redor. Mesmo com aquelas que não gosta. Ajudando a salvar a vida daqueles que precisam. Uma mulher muito determinada e forte. Tem seus problemas com a época por causa de onde veio. O que é totalmente compreensível. Tinha amigos negros que podiam fazer o que desejar em uma época. E na outra são tratados como animais. Compreendo totalmente a sua revolta. Gosto do modo como enfrenta os costumes deles. Inclusive o Jamie quando quer controlar a sua vida. Entende que ele apenas quer protegê-la. No entanto, é uma mulher independente.

Continue lendo a resenha no link abaixo:

site: http://www.oblogdamari.com/2016/04/outlander-o-resgate-no-mar-parte-i-diana-gabaldon-resenha-2.html
comentários(0)comente



Carol 02/09/2016

Após resgatarem o jovem Ian de sua captora, Jamie e Claire, chegam as Colonias, um lugar que lhes parece a oportunidade de um futuro feliz. Assim seguem rumo a Carolina do Norte, onde reside Jocasta Cameron, tia de Jamie e uma mulher cheia de mistérios. A oportunidade de se instalarem em um local onde poderia construir um futuro para sua esposa e sua família, é um tanto quanto tentadora para James Fraser.

Eu sou apaixonada pela Escócia e adoro os momentos passados nas Terras Altas, mas a oportunidade de conhecer melhor novas terras e uma nova cultura foi incrível.

O EUA no século XVIII, a América Colonial, é uma terra um tanto desconhecida, cheia de histórias sobre os índios selvagens e animais perigosos, uma nova aventura para esse casal que ultrapassa qualquer dificuldade. Eu simplesmente amei demais essa história! Assim como os livros anteriores é cheio de reviravoltas mas sempre com momentos descontraídos e divertidos, além dos momentos românticos que são cada vez mais lindos e emocionantes.

Como eu havia mencionado na resenha do terceiro livro, é muito evidente na narrativa o quanto os personagens principais amadurecem e as diferenças deles de vinte anos antes é muito perceptível, e alguém ainda comentou que no próximo livro isso seria mais evidente e eu concordo com o comentário.

Em Tambores do Outono, os Frasers estão em um ambiente totalmente desconhecido e hostil e precisam aprender juntos como lidar com as adversidades, agora não apenas eles, mas toda uma comunidade que deles depende. Como sempre Claire e Jamie parecem atrair desastres, mas juntos eles conseguem sobreviver a muitas coisas, além de também encontrarem suporte em pessoas totalmente diferentes de si e fazem amizades com pessoas de culturas totalmente distintas das que estão acostumados.

A narrativa é em primeira pessoa pelo ponto de vista de Claire, assim como nos livros anteriores, e apenas em alguns capítulos, quando Claire não está presente, como é o caso dos capítulos sobre Brianna e Roger, ou quando Jamie está longe, que a narrativa muda para terceira pessoa. Mas é sempre bom ler a história pelo ponto de vista da Claire, uma personagem surpreendente e perceptiva, o que torna a leitura mais fluida e cativante pela riqueza de detalhes.

Para quem já acompanha a saga é imperdível, para quem nunca leu, não sabe o que está perdendo, apesar de ser livros extensos a história é tão cativante que o tamanho nem incomoda. Por ser um livro dividido em duas partes, possui um final abrupto, e não vejo a hora de começar a ler o Parte 2, então aconselho a começar a ler já tendo ambos na estante.

A edição está impecável como sempre, a revisão está muito bem feita, não achei nenhum erro durante a leitura. A diagramação ótima e essa capa é linda! Acho que essa é a minha capa favorita até o momento, todas são lindas, mas essa me cativou, adorei os tons. A cada livro o amor só aumenta.

site: http://aventurandosenoslivros.blogspot.com.br/
comentários(0)comente



klau 22/05/2016



"Vá para baixo", disse ela, "e diga -les que os MacKenzies estão aqui."

Eu sei que muita gente desistiu desta serie maravilhosa pelo tamanho dos livros, como leitora eu digo faça um esforço, pois por mais que tenha uma serie de tv, o livro sempre vai ter uma descrição mais detalhada e muito mais emoção. Eu não consegui dividir em dois por isso vai uma unica resenha sobre minhas impressões. Resumindo UAU... claramente neste livro temos mais da Brianna , alem dela ter de salvar Claire e Jamie , o que não é uma tarefa nem um pouco facil.

"Você é a minha coragem, como eu sou sua consciência", ele sussurrou. "Você é meu coração e eu sua compaixão. Nós não somos nem de nós todo, sozinho. Não sabeis vós que, Sassenach? "

Aqui vai uma coisa que eu não esperava amei o presonagem do Lord John, não esperava mesmo pois no livro três eu meio que o detestava. e agora se tornou meu herói. Chocante, eu sei, considerando o quanto eu não gostava dele no último livro. Ele é charmoso, espirituoso, e muito doce nesta história, e eu amo a relação entre ele e Bree. Seus personagens tiveram tamanha química. Me diverti muito .



"Eu te amo", ele murmurou. "Oh, Bree, eu te amo." Ela não respondeu, mas uma mão flutuou da escuridão e se deitou ao longo de sua bochecha, gentil como uma mecha de algas. Ela manteve-o lá enquanto ele a levou, aberto colocado em confiança, enquanto a outra mão segurou seu coração batendo. "

site: http://musicwithbook.blogspot.com.br/
comentários(0)comente



ELB 31/01/2017

Every Little Book
As resenhas dos outros livros da série Outlander você pode encontrar AQUI. Essa resenha pode conter alguns spoilers dos outros livros.


Li o livro 3 da série Outlander divido em duas partes, com um intervalo de meses entre essas partes. Não gostei da experiência, a história ficou 'quebrada', e alguns detalhes me escaparam, já escrita da Diana é muito rica, e extremamente bem costurada, coisas pequenas que ocorrem no começo do livro geralmente ganham grande importância no decorrer da história. Achei melhor não repetir a experiência. Decidi esperar as duas partes saírem e então lê-las e resenhá-las de uma vez, afinal é um livro só.

E gente, que livro foi esse?!?

A série Outlander, como vocês puderem perceber se leram as resenhas anteriores, está entre as minhas favoritas de todos os tempos. A intensidade e a riqueza dessa narrativa me conquistaram no primeiro livro, e eu continuo me surpreendendo em como tudo aumenta a cada continuação.

A história se expandiu muito, já não é mais apenas sobre a Claire e o Jamie. O livro começa com dois arcos distintos: Claire e Jamie no século XVIII, e Brianna e Roger no século XX.

Claire e Jamie estão na América agora, desbravando o Novo Mundo e tentando construir uma vida nova. É um cenário completamente novo, muito mais selvagem que a Escócia, lugar onde tudo começou, com uma gama completamente nova de conflitos, e novos personagens: temos escravos, imigrantes tentando ganhar a vida e, é claro, índios nativo americanos. No entanto, mesmo nesse ambiente praticamente hostil, esses dois se saem muito bem. Ao longo do livro, Jamie constrói um assentamento na Carolina Do Norte, a Cordilheira Fraser, e vai se tornando um homem influente.

O outro arco segue a perspectiva de Roger e Brianna, ela tentando superar a 'perda' da mãe e o começo do relacionamento entre os dois. Confesso que gostei muito do arco, até ficava meio ansiosa pelos capítulos deles. Adoro as partes românticas e as declarações épicas que acontecem entre Claire e Jamie, mas esse novo casal tão apaixonante me conquistou. A trajetória desses dois foi tão tocante e épica quanto a dos pais de Bree.

" - Eu... Amo... Você. - Disse ela entre dentes. - Entendeu?
-Sim, entendi. - Segurou o rosto dela muito delicadamente e a puxou para baixo. Ela acompanhou, os braços tremendo, cedendo.
- Tem certeza? - perguntou ele.
- Sim. O que nós vamos fazer? - perguntou ela, e começou a chorar.
- Nós. - Ela dissera nós. Dissera ter certeza.
Roger estava deitado na terra da rua, machucado, sujo, faminto, com uma mulher tremendo e chorando contra seu peito, batendo no peito dele de vez em quando com o punho pequeno. Ele nunca se sentira mais feliz na vida."

Acredito que o ponto alto do livro tenha sido o encontro de Brianna e Jamie. Foram muitos sentimentos e emoções conflitantes da parte dos dois, e algumas lágrimas da parte da leitora aqui. Uma cena inusitada e linda em sua simplicidade. Era um momento muito esperado pelos leitores da série e Diana não decepcionou.

No geral, o livro foi tão emocionante e intenso quanto os anteriores. Intenso. Está aí a palavra que define toda a narrativa construída por Diana Gabaldon, ela realmente nos leva a outra época, nos faz rir e chorar, nos envolve fazendo um uso magnânimo das palavras. Os novos personagens que foram apresentados durante o livro são bem construídos e complexos, temos sentimentos profundos por eles, amor por alguns e ódio por outros, e os conflitos continuam surpreendentes e agonizantes, ninguém consegue apertar mais meu pobre coraçãozinho do que essa mulher. Mais um belo livro dessa série incrível.

A única coisa que tenho a apontar, é que a editora Arqueiro adquiriu essa série que era publicada anteriormente pela Saída De Emergência, e ao fazer isso decidiu fazer uso de outro tradutor. Na nova tradução de Os Tambores do Outono encontramos desde alguns erros simples, que não deveriam ter passado na revisão, até alguns erros graves na tradução de provérbios e a criações de anacronismos. Mas tirando as falhas na tradução, o livro continua impecável, e a história continua rica.

site: http://www.everylittlebook.com.br/2016/06/resenha-os-tambores-do-outono-parte-1-e.html
comentários(0)comente



38 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3