Espíritos de Gelo

Espíritos de Gelo Raphael Draccon




Resenhas - Espíritos de Gelo


81 encontrados | exibindo 1 a 16
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6


Felipe 14/01/2021

Perdoai a quem nos tem ofendido.
O livro apresenta uma boa proposta de leitura, mas sabe quando você vai percebendo que nem o autor sabe exatamente o que está escrevendo? Então, este livro possui essa característica. Referências bem mal colocadas, diálogos desnecessários que claramente foram pra encher linguiça. Não recomendo a compra e muito menos a leitura. Porém, se você tiver apreço por livros toscos e mal elaborados, pode ler sem medo, que você vai amar.
comentários(0)comente



Kel Arteira 07/10/2020

Interessante.
Gostei. Mas tinha potencial de ser melhor . Leitura pesada cheia de sensualidade e mistério.
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



Thiago de Andrade 21/06/2020

Problemático.
Em "Espíritos de Gelo", conhecemos a história de um homem que ao acordar acorrentado em um cativeiro é interrogado por 3 capangas, na intenção de extrair a confissão do que lhe aconteceu para que fosse achado desacordado em uma banheira com gelo. Dentre eles, quem toma a frente nessa investigação é um baixinho com camiseta do Black Sabbath, que tenta arrancar a informação de como ele foi parar nessa situação por meio de torturas, já que o homem diz não se lembrar de como tudo aconteceu.

Antes de debater sobre alguns aspectos, vale lembrar que Espíritos de Gelo faz parte de uma coleção luso-brasileira que explora alguns mitos urbanos em histórias mais curtas (média de 160 páginas em formato de livro juvenil e letras maiores do que o normal). Tendo isso em vista, não se pode esperar personagens e ambientações tão bem desenvolvidas e aprofundadas. É preciso compreensão de que os assuntos abordados, inclusive os mais interessantes, sirvam apenas como condutores complementares que ligam a jornada a resolução de seu caso central. Entretanto, apenas isso não isenta o autor e sua obra de críticas.

O protagonista é um dos maiores defeitos. Por mais que a literatura não seja feita apenas de personagens corretos, o machismo, as imaturidades e preconceitos pontuais e a petulância frente a sua situação torna-o intragável em vários momentos, ainda que isso dependa dos olhos de cada leitor.

Mas é na escrita de Draccon que está o ponto mais problemático. Ao decorrer das páginas somos soterrados de referências da cultura contemporânea, em sua maiorias rasas, sendo que algumas até se repetem. Em determinado ponto da leitura temos a impressão que algo só será descrito se nela tiver a oportunidade de fazer menção a alguma música, filme ou personagem, na tentativa de cativar pela memória afetiva do leitor. O estranho é que, ao mesmo tempo que nosso personagem-narrador desdenha e se mostra completamente oposto a qualquer coisa "nerd", usa um vasto conhecimento sobre o assunto para essas referências, deixando, no mínimo, em dúvida se quem da a voz ativa da narração é seu protagonista ou o próprio autor. Contudo, quando o homem acorrentado e o torturador traçam um paralelo sobre o ocultismo entre a história contada e os simbolismos de bandas de rock, temos alguns dos diálogos mais interessantes.

O livro é dividido entre capítulos curtos que intercalam o presente/cativeiro, onde encontramos a maioria das críticas citadas, e as lembranças dos acontecimentos anteriores narradas pelo personagem principal conforme ele vai se lembrando, onde a história é mais fluída e interessante, principalmente a partir da inserção da personagem Mariana, onde nos surpreendemos com a mudança de rumo dos acontecimentos. Nesse ponto o mistério prometido na contracapa enfim se faz realmente presente e interessante, a ponto de me fazer parar a leitura para pesquisar um pouco mais a respeito sobre o tema abordado, antes mesmo da breve explicação dada páginas depois.

O final faz jus ao que foi construído do meio para o fim da tragetória. Dificilmente decepcionará ou surpreenderá, mas encerra bem o enredo que é crescentemente interessante e fluído, embora sofra com conturbados personagens e escrita.

A nota mais condizente seria 2,5 pra ser exatamente na média.
comentários(0)comente



eduardadferraz 22/03/2020

Se for atravessar o limite, necessita ter fôlego.
Desde o princípio, o livro demonstra que vai mexer com o seu psicológico de cabo a rabo. Demora um pouco para engatar na história, porém é um livro muito fácil de desenvolver a leitura. Apenas indicaria para os que gostam de livros com cenas quentes e que estejam preparados para uma super reviravolta.
comentários(0)comente



Juninho 07/11/2019

Textos
o livro mostra textos sexuais
comentários(0)comente



Paulo Silas 06/10/2019

Com uma trama de suspense que se desenvolve de maneira própria, "Espíritos de Gelo" coloca o leitor em dois ambientes que são e não são (ou estão) ao mesmo tempo - o tempo e lugar em que o protagonista se situa e o tempo e lugar que lhe chega (e é contado ao leitor) por meio de suas lembranças. Assim, a história contém aquela característica particular dos livros que oscilam alternadamente entre cenários através da própria divisão dos capítulos, produzindo então aquele efeito de avanço gradual da trama que amplia o efeito de suspense da obra, uma vez que as informações, sequer lembradas pelo protagonista (que aqui funciona como narrador), vão sendo aos poucos reveladas e transmitidas em tom próprio.

O livro traz a história de um homem que acorda acorrentado com poucas lembranças. Pelo menos a informação mais importante de que precisa simplesmente apagou de sua mente. Naquela mesma sala estão três pessoas dispostas a ajudá-lo a recordar daquilo que precisa. Os métodos de incentivo, porém, são um tanto quanto peculiares. O interrogador e outros dois "capangas" se utilizam das mais escabrosas formas de tortura para forçar as lembranças do acorrentado. A informação que ali se busca, útil e necessária - por mais não se saiba a razão, é a de que modo o homem acorrentado foi parar dentro de um banheira cheia de gelo. Como a lembrança parece ter sido suprimida, os torturadores criam um novo trauma (a tortura) para que o possível trauma anterior seja sobreposto, "liberando" então as recordações anteriores, bloqueadas pelo inconsciente, que contêm a informação necessária que ali naquela sala se busca. É a partir disso que a história se desenvolve.

O livro é bem escrito. A narrativa flui e agrada os olhos do leitor ao considerar o modo concatenado de exposição da trama. Peca um pouco, talvez, pelo excesso de abordagens com referências culturais contemporâneas (filmes, séries, jogos e afins), dando a impressão de que o autor possui uma necessidade não justificada de ficar frisando, a todo o instante, que conhece ou que faz parte desse universo. O desenrolar final da história também é confuso. O mistério se desenvolve bem até o final do livro, mas justamente no "momento da revelação", parece que a coisa toda se perde um pouco, acarretando num final não tão bom quanto o resto da história. Enfim, mesmo com alguns percalços, o resultado final é um bom livro que faz jus ao gênero e merece a leitura!
comentários(0)comente



Luma.Lage 24/09/2019

Eu juro que estou pensando em como contar a vocês sobre esse livro e não estou conseguindo escrever nada sobre ele. Eu amei o livro. Não leio muito do gênero terror, mas esse livro.... Me surpreendeu a cada capítulo. É um livro que indico muito. Ah não ser que você não goste de cenas de torturas e sexo bem detalhadas. Vou tentar falar um pouco sobre ele sem dar spoiler para você se surpreender assim como eu.



Um homem, cujo o nome nunca é revelado, acorda acorrentado em uma sala de tortura e sem um rim. A última coisa que ele se lembra é de ter ido para em um hospital depois de acordar em uma banheira de gelo sem um rim e com um bilhete: "Ligue para a emergência imediatamente ou você morrerá". Mas ao acordar tudo o que ele encontra é um baixinho usando uma camisa do Black Sabbath e dois capangas - "dois sujeitos vestidos com roupas de couro apertadas, compradas em algum sex shop de baixa qualidade para simular o mais próximo possível de um clube sadomasoquista" - dispostos a tortura-lo até que ele se lembrasse de tudo o que aconteceu antes.



“Se você não se lembrar do que aconteceu nas últimas horas, nós faremos com que sofra ainda mais, como se estivesse em um dos nove círculos do Inferno...

Foi o que eles disseram antes do terceiro eletrochoque.

Essa nem foi uma das piores partes.”



O homem aos poucos começa a contar a história de sua vida, que mudou completamente desde que o pai morreu e ele praticamente foi expulso da empresa do mesmo. Um detalhe, tudo o que ele conta é importante. Logo depois ele tenta se suicidar e é quando ele conhece a Mariana, que em seguida vai se tornar a mulher de sua vida, e também a mulher que vai apresenta-lo a uma seita. É quando tudo muda.







O livro é narrado pelo tal homem, o que deixa o livro emocionante. Acompanhamos sua dor e todo o esforço que ele faz para se lembrar do que aconteceu antes. Vou deixar você se surpreender assim como eu me surpreendi. Dou apenas um aviso. A narrativa do livro é um pouco pesada para quem não curte o gênero. Tanto as cenas de torturas, quanto as de sexo são detalhadas.



Raphael Draccon também faz muitas referências a filmes, livros, autores e bandas de rock, ouvi pessoas falarem que acharam bem exageradas, mas sinceramente, achei muito legal, eu gosto muito dessas coisas, que de certa forma fazem parte de nossos dia-a-dia.
comentários(0)comente



Ruan Soares 02/05/2019

Um livro raso...
Se trata do tipo de livro sem compromisso que você lê quando não resta nenhuma opção. Aqui o autor mostra uma parte de seu conhecimento esbanjando referencias por todas as direções incluindo música, filmes, literatura, internet... a cada paragrafo você esbarra com uma. Quanto a história, embora seja rasa, tem um ponto que se deve ressaltar, mas nada que salve o livro. O final é bem interessante não pelos pequenos plots e sim pela ideia sobre toda essa maldita situação que, ao abrir o livro, nos damos de cara.
comentários(0)comente



Milena | @aspaceforbooks 20/07/2017

Imagine acordar em uma banheira cheia de gelo e não se lembrar de nada?
E então ser acorrentado e torturado por um baixinho com uma camiseta do Black Sabbath, e seus dois comparsas sadorquistas?
Até que você lembre de tudo?
-
"Existem perguntas que nunca deveriam ser feitas."
-
É assim que nosso protagonista se encontra, e nós vamos acompanhar tudo.
Viajar por todas as suas lembranças, conhecer sua vida e vários personagens.
-
" Se você não se lembrar do que aconteceu nas últimas horas, nos faremos com que sofra ainda mais, como se estivesse em um dos Nove Círculos do Inferno..."
-
É um livro cheio de sarcasmo, violência, referências a grandes ídolos do rock e sexo em meio a vida de um jovem rapaz rico.

A escrita do autor é rápida e ótima, nos sentimos na pele do protagonistas e ficamos ávidos por suas lembranças, simplesmente precisamos saber como chegamos ali.
Os debates e a forma como tudo é contando nos prende, criando uma trama surpreendente.
E seu desfecho, nossa, eu nunca imaginária algo assim.

Admito ser uma pessoa suspeita para falar do Draccon, pois sou simplesmente apaixonada por sua escrita, todos os livros que li dele estão favoritados. Esse livro não é uma exceção.

Se você gosta de livros com uma pegada mais dark e gosta de rock, certamente vai adorar esse livro.
.
☢️ Aviso: o livro é pesado e trás cenas de sexo, tortura e palavrões, então +18, galera.

site: https://www.instagram.com/p/BVqHCjdAPEv/
comentários(0)comente



Verônica 16/05/2017

Espíritos de Gelo - Por Pensamento Literário
Essa foi a minha primeira experiência com o autor e embora o mesmo já tenha outras obras publicadas com o gênero de fantasia, esse livro não me cativou, mesmo contendo poucas páginas, o exemplar consegue ser maçante e demasiadamente chato.
Não recordo do por que comprei a obra, mas sei que a sinopse em nada condiz com o enredo. Raphael Draccon escreve muito bem e essa questão não é questionável, todavia a teia na qual se constrói a estória é bem rasa e dedutível. Mesmo com todo o suspense que permeia a narrativa, da metade da trama tudo se torna previsível. Além disso, o protagonista é arrogante, machista e metido a “playboy”.
No começo dessa estória repleta de mistério somos apresentados há um personagem que não recorda do passado, e para ativar as suas lembranças, ele está em um cativeiro sendo torturado por três pessoas que o obrigam a procurar em suas memórias a razão dele estar preso. Toda essa incógnita perpassa os limites éticos e morais da sociedade, entretanto esse não é o problema ou a trave contida na ficção. O autor para deixar um clima mais assustador inseriu uma religião suspeita, como se fosse um culto ao corpo, onde o prazer utilizado de forma adequada prolongava o ápice sexual, satisfazendo a todos os membros. E mesmo que o “script” girasse em torno dessa seita, o final não tem nada a ver com esse clima surreal, e creio que mesmo que o autor seguisse por essas vertentes não conseguiria me agradar.
Por fim, todo o ar sombrio que a capa apresenta não condiz em nada com o que está sendo contado, ou seja, a leitura é cansativa e a insanidade em nada é atrativa. Claro, que talvez você discorde da minha opinião, mas não consegui ser “sugada” para esse lado sombrio, e mesmo com tantos detalhes para impactar o leitor acaba por surgir um efeito contrário. Enfim, indicado para quem gosta de um suspense com um final antecipado, sexo explicito e violência

site: http://pensaliterario.blogspot.com.br/2017/05/resenha-espiritos-de-gelo.html#.WRt1rOsrLIU
comentários(0)comente



Noronha 16/05/2017

Maçante e chato
Depois de ler varias resenhas positivas deste livro eu resolvi compra-lo. Fiquei dias esperando ele chegar (comprei na internet) e quando comecei a leitura me encantei com o que ia lendo, principalmente pelas referencias a bandas de rock e suas lendas, mas de repente o livro começou a dar voltar e mais voltas, indo e vindo e me deixando perdido em varios momentos da leitura. O livro começa a ficar bem dramatico e pesado, principalmente depois que você começa a entende-lo. Gostei das referencias trabalhadas em cima da Magia Negra, Satanismo e coisas relacionadas. Muitos que leram se surpreenderam com o final, mas da metade para frente você ja tem mais ou menos uma ideia do que vai acontecer, bem, não vou dizer que não me surpreendi, mas tambem não foi lá o ''ooooooohhhhhh''.
Enfim, este livro passa longe de uma história de terror, longe de uma história que te prende e não é tão surpreendente assim, me pareceu mais um livro escrito apenas por escrever. Mas é bonzinho.
comentários(0)comente



Felippe.Paiiva 26/04/2017

...
O começo da história é misterioso demais, nosso protagonista aparece do nada no 'Cativeiro'. Ele está sem memórias, e para suas memórias retornarem, ele tem que passar por alguns tormentos e torturas, com tempo ele vai se lembrando um pouco sobre já vida, como era ela, o que ele fazia, sobre seus pais, e é assim que conhecemos um pouco mais sobre ele.
O livro então, acompanha o personagem em 2 momentos, em seu passado, e no presente com ele no Cativeiro. É no passado que está a melhor personagem da narrativa: a namorada do casa, Mariana. Eles se conhecem num momento inusitada, o personagem tentou se suicidar e a menina o ajudou a não fazer isso, porém não temos um flash de memória de como eles começaram a sair juntos.
Em dado momento da história, Mariana leva o protagonista para uma seita religiosa/sexual e é aqui que temos as melhores passagens do livros, com altas performances de sexo (não explicito).

O personagem principal, é um horror, o tipo de cara que corro para não ter amizade, porque? Bem, porque ele é meio machista, riquinho e mimado e não gosto de gente assim, na verdade, os personagens, tirando Mariana, não me cativaram em nada. Acho que faltou um pouco de detalhes, para gostar mais deles. Falando em detalhes, esse não foi o forte de Rafael nessa narrativa, o cara não colocou nem nome no protagonista!!!

A narrativa é muito boa, e misteriosa.
No meio do livro, a história, começa a ir para um rumo totalmente diferente do que eu esperava, vai para um lado erótico, e foi um surpresa enorme isso.
Mas se a história me surpreendeu no meio do livro, o final me decepcionou, pois ele foi meio óbvio, durante a leitura fui percebendo quem poderia ter levado o personagem para esse 'Cativeiro' e no final foi realmente isso, que estava pensando, que aconteceu.

A escrita de Rafael é bem atual, ele utiliza muitas referências (me senti o Capitão em vários momentos do livro), e gostei bastante dela, estou curioso para ler outros trabalhos do autor.
....

site: Resenha do blog: http://livroslapiseafins.blogspot.com.br/2017/04/terminei-de-ler-espiritos-de-gelo.html
comentários(0)comente



Taverna 42 24/04/2017

Eu acredito que todo leitor, em algum momento da sua vida, passa por uma fase em que a leitura empaca e ele não consegue ir pra frente com nenhum livro. Parece que a leitura não flui e cada página nova, um peso sendo acrescentado em uma barra de levantamento, que já não consegue mais erguer. Eu já estava assim há tempos, e foi quando ao acaso eu encontrei Espíritos de Gelo no meio dos livros na minha estante. Eu nem sequer lembrava que tinha comprado este livro e assim que eu encontrei a sensação de “agora vai” tomou conta de mim.
Espíritos de Gelo é o livro do autor brasileiro Raphael Draccon, mais conhecido pela sua trilogia “Dragões de Éter”, e a história é sobre um homem que acorda acorrentado com os braços pra cima em uma sala masoquista, com dois torturadores ao lado dele e um baixinho usando uma camiseta do Black Sabbath. O homem acorrentado é informado que acordou em uma banheira sem um rim, e sofreu um choque amnésico, que o impede de lembrar os detalhes do que aconteceu, e assim eles partem do princípio de que outros choques traumáticos irão fazer com que ele se lembre.

O livro é curto, são 176 páginas de uma leitura rápida e fluida, porém intensa e cheia de referências que fariam o Capitão América sentir muito orgulho. A maior referência de todas, é claro, é a lenda urbana do homem que acorda em uma banheira cheia de gelo e sem um rim, pois o livro foi baseado nela, mas além disso, é recheado de referências da cultura pop, música, filmes, séries, e também conta com uma pegada que puxa o personagem para um lado místico. Outro ponto interessante do livro, é que ele alterna entre o presente e o passado, de modo com que as histórias se unam ao final.

É importante ressaltar aqui, que o livro tem uma temática adulta, com descrições explícitas de sexo e tortura (não ao mesmo tempo), diálogos informais e muitas vezes repletos de palavrões, e é preciso ter a mente bem aberta para compreender a essência do livro, em especial o final que é surpreende e diferente de tudo aquilo que eu havia imaginado tentando entender o título do livro e a motivação dos torturadores durante a leitura. Mas não deixou a desejar em momento algum.

Terminei a leitura me perguntando o motivo desse livro ter passado tanto tempo despercebido na minha estante, e eu o recomendo para todos aqueles que estão buscando por uma leitura dinâmica e descontraída, além de ser uma ótima oportunidade para conhecer a obra de um incrível autor brasileiro. Venha descobrir quais são os limites físicos e psicológicos de um ser humano, e o que ele é capaz de suportar.

Pra finalizar, deixo meu muito obrigada ao Raphael Draccon, que com Espíritos de Gelo foi capaz de me salvar do meu ócio literário.

site: https://taverna42.wordpress.com
comentários(0)comente



Daniel Vieira 02/04/2017

Sem pé nem cabeça
Livro sem graça, sem sentido e cheio de referências desnecessárias. A impressão que eu tive é que na verdade o Raphael queria escrever as refêrencias e fez uma historia de pano de fundo só para inclui-las. O livro é pequeno mas é cansativo a historia tenta passar uma profundidade que nao existe. O ar sombrio que é vendido pela capa e pela sinopse some totalmente quando você começa a ler, e mesmo eu gostando de Rock, Stephen King, Bernard Cornwell e outras referências, achei a maioria sem graça. Este é o primeiro livro que leio do autor e apesar da impressão negativa, irei ler dragões do Éter para ver se foi apenas uma impressão ruim ou se realmente eu nao gosto da escrita dele.
comentários(0)comente



81 encontrados | exibindo 1 a 16
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6