Anna e o Beijo Francês

Anna e o Beijo Francês Stephanie Perkins




Resenhas - Anna e o Beijo Francês


1214 encontrados | exibindo 1 a 16
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 |


Thay (@apilhadathay) 17/02/2014

Fantástico. E Real!
- "Quanto mais você sabe quem é e o que quer, menos você deixa que as coisas te chateiem." (Citação do filme Lost in translation, pág.268)

Ao fim de toda leitura, para decidir se um livro é Bom ou Ótimo, costumo fazer a seguinte pergunta: ele me arrancou lágrimas porque a história me emocionou muito... ou porque ela acabou? Se escolho a segunda opção, pode ter certeza de que vou reler o livro em breve e indicá-lo para todas as pessoas que eu encontrar. Felizmente, é o caso de Anna e o Beijo Francês - romance de estreia da estilosa Stephanie Perkins, autora que muito me surpreendeu com um livro que eu já amara pela capa. Esta é a história mais perfeita para ler na semana dos Namorados; antes e depois dela também!

A norte-americana Anna Oliphant ("Banana" apenas para os muito-íntimos) é uma figura: inteligente, engraçada e amiga. Na sua cidade natal [Atlanta], ela não tem apenas um lar para chamar de seu: conta sempre com a sua melhor amiga [Bridge], tem um emprego legal no que ela mais ama, o cinema; e está em um relacionamento em potencial com seu colega Toph. Com tanto a viver na "America", a garota não aceita de cara a decisão do pai - um famoso romancista americano - de que ela iria estudar em Paris durante um ano. Sentiu-se jogada no colégio novo, numa cidade estranha, e com a leve impressão de que os pais não a queriam perto. O que ela não sabia era que Paris não reservava apenas aborrecimentos e problemas com o idioma.

Entre vários amigos incríveis, Anna conhece Étienne St. Clair, que é o Imperfeito mais Perfeito do mundo! Perfeito porque até pelos defeitos dele somos capazes de nos apaixonar; alguns são muito engraçados e fofos: vão arrancar suspiros e boas risadas! Imperfeito porque ele tem uma namorada e parece gostar dela de verdade. Porém Anna também tem sua dose de charme americano e laça corações na cidade-luz. Será que algum desses corações enamorados acabará sendo seu?

- "É possível que lar seja uma pessoa e não um lugar?" (pág.195)

Com um texto leve, engraçado, original e sem chavões, Stephanie faz pertinazes críticas literárias e de cinema; apresenta-nos a cidade mais linda e romântica do mundo (nem sempre piegas); discute sobre as atuais relações de família de forma muito viva e real; e ainda nos guia sobre uma discussão mais velha do que consigo contar: O que fazer quando a gente se apaixona pelo melhor amigo?!

Quanto mais Anna e St. Clair se aproximam e se conhecem [com coisas bem interessantes e apimentadas acontecendo aqui e ali], mais o clima entre eles vai do casual e amigável ao super esquisito. É simplesmente verdadeiro. O livro tem muitas reviravoltas e não se concentra no romance adolescente [mesmo que seja importante e atravesse crises, como outros momentos da história]. Diria que a obra é muito madura em vários aspectos. Foi escrita por uma pessoa experiente, viajada, crível.

Namoradas,
Estejam ou não apaixonadas pelo seu melhor amigo, este é um livro para ser lido em qualquer momento do ano. Delicioso, rápido e viciante - separem um tempo só seu, porque não vão conseguir parar de ler.

Namorados,
Se não sabiam o que dar de presente às suas amadas, esta é uma dica valiosa. Só há um pequeno risco... Que elas se apaixonem profundamente pelos defeitos perfeitos de Étienne St. Clair!

Aposto neste livro como o melhor lançamento internacional de 2011.
Espero que o filme seja lançado muito em breve, porque quero ver no cinema, em homenagem a Anna e às melhores comédias românticas!

site: www.instagram.com/apilhadathay
Marezinha 30/06/2011minha estante
preciso de spoilers =/


Mylena 27/07/2011minha estante
Chegando no final eu passei a ler o livro beeem devagar. Simplesmente porque eu não queria que acabasse mas eu não conseguia parar de ler. Quando finalmente acabei, acho que meus olhos brilhavam e uma certa tristeza também incomodava. EU PRECISO DE MAIS! Eu QUERO mais! Enfim, né, sua resenha está tãããão digna! Amei! :)


Lene 06/01/2012minha estante
Incrível historia adorei entrei de corpo e alma nela , não queria parar de ler ,mais também não queria que acabasse adoreiiiiii....


Thay (@apilhadathay) 07/01/2012minha estante
Obrigada pelos comentários, meninas!

* Mare... ele vale muito a pena ser lido, amiga. Isso, eu garanto


Paula 23/01/2012minha estante
This, a resenha está muito boa. Pena que não senti essa mesma empolgação ao final do livro.
A história realmente é fofa, mas senti falta de detalhes e de páginas no livro =/


Lilian 29/01/2012minha estante
Amei o livro tambem, tão fofo e tão lindinho. Mas achei o título meio destoante da história, pois dá a entender que a Anna nunca tinha tido um namorado ou beijado alguem e não é o caso.. Mas o livro é uma graça de qualquer jeito...


Gi 28/12/2012minha estante
QUE FOFURA DE RESENHA, MEU DEUS. Já tinha visto bastante gente falando desse livro, agora então já era, vou assaltar uma livraria, -snq.


Thay (@apilhadathay) 29/12/2012minha estante
Oi, Gi! Obrigada pelo comentário *.*
Não precisa assaltar a livraria, hehehe, mas realmente recomendo a leitura para qualquer hora. Deste e do novo de Steph, "Lola e o Garoto da Casa ao Lado".

Abraços!


Camila 29/12/2012minha estante
Sua resenha me convenceu a ler. E olha que eu não sou fã de romance! xD


Thay (@apilhadathay) 02/01/2013minha estante
Oi, C. Elric! Obrigada pelo comentário o//
Sou apaixonada por esse livro (dizendo pela 1095830495ª vez) e pela escrita de Stephanie. Uma autora jovem, que me surpreendeu de forma super positiva. Espero que curta \o/


Thay (@apilhadathay) 28/02/2013minha estante
E, boas novas, pessoal! O novo de Stephanie, "Lola e o garoto da casa ao lado" é tão delicioso quanto "Anna and the french kiss"! Recomendo!

Minha resenha aqui:
http://www.skoob.com.br/estante/resenha/21272841


Isabela 17/05/2013minha estante
Li e não me entusiasmei muito. Confesso que achei bem fofo, mas nada muito diferente do que comecei a imaginar la pelo meio do livro. Me lembrou muito os filmes colegiais americanos e fiquei com a impressão de que a história não condizia com a idade das personagens. Apesar de tudo, foi inevitável não me encantar com o St. Clair.


Wivi 07/09/2013minha estante
Eu simplesmente amo Anna e o Beijo Francês,fiquei com uma terrível depressão pós leitura!!


Thay (@apilhadathay) 09/09/2013minha estante
Obrigada, Wivi!
Eu também. Já o reli para matar as saudades. Étienne St. Clair é o poço do charme e esse romance é maravilhoso *.*


Tenyle 20/11/2013minha estante
Comprei essa semana! Gostei muito da resenha! Parabéns!


Thay (@apilhadathay) 21/11/2013minha estante
Oi, Tenyle!
Obrigada pelo comentário! Tenha um ótimo fim de semana o//


Alana 07/12/2013minha estante
desculpem, mas foi um dos piores livros que já li


Aline 20/01/2014minha estante
Acabei de ler e confesso que gostei, achei sim um livro rápido, fofo, é gostoso de ler, vc saboreia o romance como um doce, devagar p fazer com que dure mais, e ao mesmo tempo voraz pq quer saber como acaba.
gostei de sua resenha.


Thay (@apilhadathay) 20/01/2014minha estante
Ah, Alana, que pena que não gostou.
Ele continua sendo um dos meus favoritos, nos vários momentos em que o li ^^


Thay (@apilhadathay) 20/01/2014minha estante
Oi, Aline!!
Que bom que curtiu, flor. O livro é delicioso. Não me canso dele, e do charme de St. Clair. Você vai querer ler Lola e o Garoto da Casa ao lado, pra matar um pouco da saudade desses personagens lindos, de Anna.


Andressa 11/02/2014minha estante
Eu li esse livro em dois dias! Concordo com a sua resenha, não é uma história tão de ficção assim, é algo que pode acontecer com todo mundo! Mesmo que alguém nunca tenha se apaixonado pelo melhor amigo, um dia já se apaixonou por alguém comprometido. Ao ler, eu me sentia na pele da Anna, o frio na barriga e tudo mais. É uma fofura de livro!


Luisa 16/02/2014minha estante
Amei resenha! E eu já li o livro, concordo em tudo que você falou. A gente se apaixona até pelas imperfeições do Étienne ! OMG,esse livro tá entre os meus favoritos.


Thay (@apilhadathay) 17/02/2014minha estante
Ola, Andressa e Lulubs!
Obrigada pelos comentários, lindas. De fato, um livro memorável. Amo


Erica 28/04/2014minha estante
Realmente, esse livro é viciante. Li em três dias!
Fico feliz de saber que vai ter o filme, quero só ver quem é o ator que dará vida ao St. Clair. Gostei muito da sua resenha, ela traduz muito bem toda a história, e dá até vontade de ler o livro de novo.


Thay (@apilhadathay) 03/08/2014minha estante
Olá, Érica!
Não foi confirmado o filme! Porém é um desejo profundo meu, porque o livro é apaixonante. Obrigada pelo comentário!


Emanuelle 13/08/2014minha estante
Um dos meus livros favoritos, espero que algum dia Stephanie faça uma continuação. Ele é apaixonante, amável, de uma forma simples e bonita. Uma leitura calma, que recomendaria a todos que puder.


Thay (@apilhadathay) 05/07/2015minha estante
Emanuelle, Eu também cheguei a pensar em uma sequel, porque prefiro sagas, mas... Creio que um dos pontos mais especiais do livro é sua singularidade, é o fato de apresentar um recorte perfeito no tempo de Anna. Recomendo a todo tipo de leitor!


Mah corazza 13/12/2018minha estante
Comprei esse livro com altas espectativas, certa de que ia amar mais a escrita da autora não me agradou e os personagens tambem não infelizmente não foi pra mim.


Souza 26/02/2020minha estante
eu amei d+ esse livro




Bárbara 30/05/2012

Tradução horrorosa - o livro é fofo!
Olha, não vou dizer muito sobre o livro: eu achei ele fofinho, cumpre o que promete, é rápido de ler. Pelo menos eu acho que é isso que ele promete huauhah. Não diria que foi o que mais gostei desse gênero, mas gostei bastante. Mas por favor, alguém pelo menos leia todas as minhas reclamações e me diga se estou louca! =(

O que me motivou a escrever essa resenha foi pra falar da tradução/revisão do livro. Que péssima!!! Várias expressões que soavam fora de contexto me chamavam a atenção pra erros de tradução. Como sei inglês, eu já conseguia até deduzir qual seria a expressão no original, que sim, foi traduzida literalmente pela tradutora (ou pelo google, sei lá, né, é o que parece). Eu baixei o original em inglês só pra poder comparar, e não deu outra. Os erros eram óbvios demais.

Como quando logo no começo eu li um "Não posso perder isso", num momento em que a personagem dizia sobre ter que manter a calma. A expressão é "I can't lose it", mas traduzida literalmente não faz sentido algum para nós. Perder isso o quê? No mínimo teria que ser "Não posso perder a calma" ou "Não posso perder o controle", se é pra tentar conservar a expressão (o que não acho que seja necessário, mas vá lá).
Outro exemplo de que me lembro agora é quando ela diz algo como "Satisfeita, são cinemas pequenos", o que não faz o menor sentido. Eu fui ver no original e - transcrevo de memória - tá escrito algo como "Granted, these are small movie theates". O significado pretendido, na minha interpretação era algo do tipo "Tá, eram cinemas pequenos. Mas eram três cinemas". Ou sei lá, pra ficar mais próximo poderia ser "Claro, eram cinemas pequenos". Enfim. Tudo menos "satisfeita". Tipo, wtf?

Fora outros erros do tipo: não traduzir nomes de filmes e livros, que aliás, foram todos publicados no Brasil, os citados, com as devidas traduções. Custava fazer uma pesquisa? O mais engraçado é que o único nome que ela traduziu, ela traduziu do jeito dela - "Balzac e a pequena costureira chinesa" -, quando aqui saiu como "Balzac e a costureirinha chinesa". Tipo, manooo? Custava? E o pior é que ela só traduziu uma vez, das outras ficou tudo em inglês. Nem o livro mais citado da história é traduzido, o "Como água para chocolate", que ficou "Like water for chocolate" o livro inteiro.

O que me leva a outro ponto. Total falta de padrão entre as siglas usadas ou não, nomes traduzidos ou não. A escola uma hora é SOAP. Outra hora é EAP. Outra hora dizem "School of America", outras dizem "Escola Americana de Paris". Decidam-se. E o pior é quando fazem uma piada em relação à sigla "SOAP" (que quer dizer sabão), e a tradutora deixa por isso mesmo, sem nem pôr pelo menos um aterisco explicando "A sigla, em inglês, quer dizer sabão, daí o trocadilho da narradora", sei lá, na falta de tradução apropriada. Todo mundo é obrigado agora a saber inglês?

Mas o pior, pra mim, foi na hora em que a amiga de Anna, Bridge, escreveu um e-mail a ela, acho que o primeiro dos e-mails. Daí a Anna no final fala tipo "calypgian" (não lembro como escreve, e obviamente o termo não foi traduzido), e fica "isso é a cara de Bridge", e começa a falar sobre a mania da amiga de comprar dicionários. E eu fiquei tipo wtf? Que calypgkdkjf o quê? Aonde tinha isso no e-mail? E claro que não tinha: a amiga deve ter usado uma palavra difícil pra bumbum malhado ou sei lá, a tradutora passou pro português na expressão mais comum, depois enfiou aquele termo não traduzido quando era pra ser uma palavra difícil. Tipo, oi? Nem parece que tava lendo o que traduzia, pra dizer o mínimo.
Outro deslize desse tipo foi quando o Étienne (que nomezinho, não? hahua) disse alguma palavra muito antiquada, acho, pra querer dizer que algo era "ruim" e a tradutora traduziu como "ruim", que para nós é totalmente normal de dizer. E por isso não faz sentido algum ele ter que explicar o que quer dizer ruim, muito menos a Anna pensar "Ruim? Que gracinha!". Enfim... custava, Brasil?? Cuidar dessa tradução?

E sim, eu sou chata mesmo. E vou acrescentar mais uma coisinha que me incomodou: o apelido da Meredith. A tradutora, imagino, optou por não traduzir, deixando como "Mer". Mas mano, toda vez eu que eu lia "Mer", minha mente completava com "Da". Mer-da. Desculpem, isso pode ser encheção de saco minha, mas pra mim foi mal pensado pro público brasileiro. Poderia ter sido "Mê" que taria bem melhor e bem mais normal. Quem aqui diria "Mer" como apelido? Nunca, acho! Nem sai natural esse som pro português, na minha opinião.

Enfim, são muitos errinhos como esses que me fazem pensar que vale MUITO mais a pena ler esse livro em inglês, eu fiquei tão incomodada com essas coisas que fui perdendo a fé no que tava lendo. Não parece ter havido esforço nenhum nessa tradução, muito menos uma revisão apropriada dela. Tipo, tradutor de inglês NÃO é difícil de encontrar, tem montes por aí perfeitamente capazes de fazer uma tradução boa. Não é, sei lá, russo ou húngaro, né?
Carol Mainardi 14/05/2012minha estante
Concordo com você quanto a tradução! Se a história não fosse muito fofa, não tinha continuado a leitura. A imprecisão na hora de dizer quem dizia o que durante os diálogos é irritante também.


Bárbara 15/05/2012minha estante
Então, Carol, essa indefinição tbm me incomodou mto!! Mas é assim no original tbm, então menos mal. Mas seria bem melhor se organizassem do modo mais comum por aqui, com travessões e tal. Obrigada pelo comentário!


Beatriz 30/05/2012minha estante
Ri litros lendo a sua resenha! Me identifiquei porque também passei por essas mesmas situações. Ainda demorei a compreender as primeiras cartas de Bridge, quando Anna mencionava as palavras e elas não apareciam em lugar algum, até eu me tocar que elas estavam ali, mas em português e com um significado mais simples. Acho que esses são cuidados que as editoras devem ter pra não estragar a essência de um livro, perdi totalmente o interesse quando notei a frequência com que esses erros apareciam.


Elisa 13/08/2012minha estante
Exatamente! Acabei de terminar o livro e fiquei MUITO perdida em cada parte que você citou. tradução PÉSSIMA! ainda bem que a história em si valeu a pena


Nathalia 05/09/2012minha estante
De fato, a PIOR tradução que eu já vi. Ridícula de verdade. Fiquei irritada diversas vezes com a tradutora.

Mas quanto ao livro em si... ah, só amor.


Leticia 03/04/2013minha estante
Realmente, a tradução que fizeram foi horrível, não sei no original como é, mas tem pontos do livro que pensamentos são misturados com falas e você acaba se atrapalhando toda... Porém, ignorando os erros e falhas de tradução, o livro é muito perfeito e fez eu ler e reler em 2 dias. Eu gostei, assim como teve pessoas que não gostaram, afinal gosto é gosto né e não se discute


Tamy 14/06/2013minha estante
Vc trancreveu tudo o que me incomodou, mas o pior para mim foi esperar um romance que não aconteceu! Como assim as coisas se resolverm eles fazem as pazes e acaba? Eles estão em paris! e o romance prometido?! sei la, eu esperava mais!


Brenda L. 22/07/2013minha estante
Eu li esse livro por meio de um pdf que uma amiga minha me enviou, mas não tenho nada do que reclamar, pois no arquivo, tinha toooodos esses detalhes, como o Calypgian, que foi explicado em uma nota de rodapé, e o nome dos livros citados tmb foram corretamente traduzidos e o nome da escola ficou SOAP, e a piada com sabão tmb foi devidamente explicada. Só o tal apelido, "Mer" que eu achei estranho, realmente nos lembra Mer-Da


Amanda 07/12/2013minha estante
Também fiquei com raiva desses errinhos de tradução. Em algumas partes eu até fiquei "WTF?", mas depois eu pensei em como seria em inglês e dizia: "Ah, agora faz sentido."
Uma coisa que eu também percebi, além destes que você citou, foi: " Os andares são de carvalho polido", ao invés de "O chão". Tipo, "cara, floor não significa apenas andar".


Janaina 07/01/2014minha estante
Também detestei a tradução em algumas partes do livro. Mas, gostei muito da historia e dos personagens. Achei mesmo adolescente sabe, mas ñ menos fofo.
"É possível que lar seja uma pessoa e não um lugar?" (pág.195)


Andressa 11/02/2014minha estante
Tbm achei a tradução terrível! Eu não sou fluente em inglês, mas entendo umas coisas. Tinha partes do livro que eu achava que o problema era eu, e não ele. Achava que eu não estava entendendo o contexto ou coisa parecida. Depois fui procurar resenhas tanto em escrito, quanto em vídeos sobre o livro e vi muita gente falando mal tbm. Em partes, fiquei aliviada por o problema não ser comigo.


Bruna Karoline 15/03/2014minha estante
Verdade sobre a tradução. Horrível.


Carol 07/07/2014minha estante
Olha, eu li em pdf e a pessoa q traduziu, ao meu ver, foi mt cuidadosa.tinha varias notas explicando de trocadilhos a informações sobre filmes. Essa foi uma das melhores traduções de livros que já li.


Bárbara 08/07/2014minha estante
carol, certamente vc leu uma edição atualizada da tradução ou mesmo uma outra tradução inteira. pelo que vi a editora se deu ao trabalho de mudar tudo nas edições mais recentes do livro :)


Franciele 25/07/2014minha estante
Tinham partes que eu lia e relia e mesmo assim não faziam sentido!! A parte em que a Anna está trocando e-mails com o St. Clair, ela responde um com titulo: "Re: ceia de natal", mas perai ele não tinha enviado nenhum e-mail com esse assunto anteriormente!!! Realmente fiquei perdida.


Maria Berenguer 04/05/2015minha estante
Acabei de ler o livro e gostei da história, porém concordo quanto a tradução, em um momento a narradora faz uma alusão ao filme "A Little Princess", baseado no livro de Frances Hodgson Burnett, ambos traduzidos no Brasil como "A princesinha", e nesse livro ele é mencionado como "Uma Pequena Princesa".


Pri 17/03/2016minha estante
Concordo totalmente! Além dos erros de tradução, há também erros de digitação e o que mais me incomodou: do nada era outro personagem quem estava falando e eu ficava totalmente perdida. Tive que reler várias vezes alguns dos diálogos para tentar entender pq que na mesma frase já era outro personagem falando... :\




Pah Aleksandra 31/05/2011

O livro Anna e o Beijo Francês (Stephanie Perkins) conta a estória de Anna, uma jovem de 17 anos, fascinada por cinema e que sonha em ser uma reconhecida crítica de filmes. Sua vida em Atlanta está tranquila, com uma melhor amiga, um quase namorado e um emprego no cinema, tudo que ela achava que sempre quis, até que seu pai, um escritor de romances, resolve que por causa do seu novo status como autor de “best-sellers” ela deve receber uma educação melhor, por isso, matricula Anna, contra a sua vontade, em um internato altamente seletivo em Paris, na França, a cidade do amor.

Quando ela chega na School of America, uma escola fundada por americanos na França, ela se sente deslocada, além de ser novata e de não conhecer ninguém, fica óbvio que o local não é nenhum pouco parecido com as escolas que ela estava acostumada a frequentar, no início é difícil para ela se adaptar com os poucos alunos, com a estrutura ampla e requintada e principalmente com a língua - o Francês – Anna não dominar o idioma, e também possui dificuldades para aprendê-lo, o que para ela, é um grande inibidor de sua adaptação ao local. Contudo, logo no seu primeiro dia de aula Anna conhece a super simpática Meredith, e aos poucos vai se enturmando com o grupo de amigos dela, o talentoso Josh, a esquentadinha da Rashimi e o encantador e envolvente Francês-Americano-Inglês, Étienne, chamado por todos, de St. Clair.
Eles apresentam a escola e a cidade para Anna, e não demora muito para ela se sentir parte do grupo, a amizade entre eles cresce, principalmente com Étienne, com quem ela acaba criando um laço de compreensão e união muito forte, um laço que desperta nela sentimentos que vão além da amizade, sentimentos proibidos aos dois, afinal o St. Clair possui uma namorada, Ellie, a melhor amiga de Meredith e Rashimi que acabou de se formar na School of America e ir para a faculdade.

No inicio Anna se sente somente atraída por Étienne, nada mais que isso, pois ele tem Ellie, e ela também tem alguém a esperando em Atlanta, por isso ela foge desse sentimento, deixando-o de lado e focando somente na amizade que existe entre eles, uma amizade forte, movida a muitas tardes de conversas e passeios, ele um amante de história e ela fascinada por cinema, perdem a noção do tempo conversando sobre suas preferências e gostos, o fato é que, eles passam muito tempo juntos, o que aumenta muito mais do que a amizade entre eles. Não demora muito para que eles percebam que o que sentem um pelo outro não é só amizade, nem muito menos só atração, mas na circunstância em que se encontram o que eles podem fazer com esse sentimento tão forte? Eles correm o risco de se magoar, e magoar também aqueles a sua volta... Simplesmente existem coisas que não são para acontecer, mesmo que o universo colabore a favor delas.

Será que eles vão lutar por esse amor? Mesmo correndo o risco de machucar as pessoas ao seu redor. Ou será que eles vão perceber que não se pode ter tudo e que a amizade é o suficiente para eles? Bem, só lendo para saber, eu confesso que no início achei o livro um pouco confuso, era muita informação, nomes, lugares e eu me perdi um pouco, mas logo o livro me envolveu, eu não consegui parar de lê-lo, a forma com que a autora narra os fatos é envolvente, de forma que ficamos ansiosos para descobrir o final da estória. O que mais gostei de tudo foi o desenvolvimento dos personagens, existe muito mais do que romance nessa estória, existe superação, amizade, emoção.

Nota: (De 0 a 5) - 5

Mais resenhas em:

http://livrosefuxicos.blogspot.com

comentários(0)comente



Melina Souza 27/11/2012

amei!
Desde a primeira vez que vi fiquei curiosa para ler. Me apaixonei pelo livro e mais ainda por Paris. Algumas pessoas dizem que a história é cliché, mas isso não significa que seja ruim (de qualquer forma eu ♥ cliché). A forma com que a Stephanie Perkins escreve faz com que você se sinta dentro daquele mundo e, não sei se com as outras pessoas que leram foi assim também, mas eu cheguei a me sentir como a própria Anna: chorava quando ela chorava, ficava com frio na barriga quando ela ficava e essas coisas (:

É tão melhor ler quando você sente o livro!

É um ótimo livro para relaxar, se divertir e sonhar. Stephanie Perkins sabe como envolver o leitor. Estou ansiosa para ler seus outros livros! ♥
Leticia.Castro 22/06/2017minha estante
Que legal vc ter lido este livro! Comecei a ler ele agora é estava querendo ler alguma coisa sobre ele para continuar... Pq estava achando um pouco ya demais pra mim... Mas me animei agora com a sua resenha!
:)




Tata 17/05/2020

Como não amar?
Quais palavras seriam o suficiente para falar de um livro que terminei faz 3 dias e ainda estou pensando nele? hahaha.
Na verdade não sou muito fã de escrever resenhas mas enquanto estava lendo (ou melhor, devorando) este livro, não tive a oportunidade de contar o tanto que amei, por isso decidi que escrever um pouco sobre ele, seria uma boa maneira.

A história se passa na cidade linda e romantica de Paris, a autora descreve os cenários e através dos personagens até nos conta um pouco sobre aquele local que estamos viajando através da doce leitura.

A escrita é leve, romantica e fofa, tem sim o seu ar de clichê; me torno até uma pessoa suspeita pra dizer sobre isso pois eu amo esse tipo de livro, mas apesar de conter isso achei bem diferente de qualquer outro desse tipo que já li, pois a protagonista não é daquelas bobas e chatas que só vivem em função do mocinho, a Anna é divertida, espontânea e real, não teve mimimi com ela! (claro que ela tomou algumas atitutes ruins que na verdade acabei só gostando mais dela e parecendo gente como a gente).
Os outros personagens seguiram essa mesma logica.

Nem preciso comentar do mocinho dessa trama (Étienne), a palavra para descrever ele é simples: QUERO! HAHAHA , ele é simplesmente um sonho !

Foi um livro que chegou no momento certo na minha vida e eu amei cada detalhe nele!!

Super recomendado, leiam e se apaixonem (mais ainda) por Paris e é claro, pela Anna e o Étienne
comentários(0)comente



Caroline 20/03/2013

Uma viagem a Paris!
Um romance juvenil que me cativou, me fez voltar a adolescência, viajar a Paris e querer ter estudado na EAP.

Não vou dar spoilers, mas se você gosta de Paris, já esteve e quer estar lá, você pode ter 100 anos e, ainda assim, gostará desse livro.

Quando a americana Anna é enviada a Paris a contragosto por seu pai, ela não imagina o mundo novo que a espera. Com ela embarquei nas suas descobertas da sedutora Paris. Não a Paris do glamour, dos grandes estilistas, mas a Paris das excêntricas livrarias, dos pequenos e inúmeros cinemas, do cafezinho e do brioche.

E o que dizer de St. Clair? O que dizer de um garoto que é metade francês, metade inglês (ignoro o pequeno detalhe: é americano nato), com o belíssimo e charmoso sotaque britânico? PS: Pode suspirar! Ah!

Com Anna, St. Clair, Josh, Rashimi e Mer me deixei levar pelas ruas da capital francesa, rindo muito nas comparações entre a cultura americana e francesa, torcendo, vibrando, revivendo, sonhando...

Um livro totalmente despretensioso, simples, encantador como um amor juvenil, lindo como tudo em Paris.

Não poderia dar menos que 5 estrelas...

"Por nós dois, a palavra casa não é um lugar. É uma pessoa. E nós, finalmente, estamos em casa"

Julia 01/02/2013minha estante
Nossa, amei sua resenha, só de lê-la já me deu vontade de sair e comprar o livro tipo, agora! Você escreve muuito bem!




Júlia 21/06/2020

"A palavra casa não é um lugar. É uma pessoa. E nós, finalmente, estamos em casa."
comentários(0)comente



claraastb 05/04/2021

Clichê favorito até agora!
Bom, eu no começo tava com medo de me decepcionar, tava tudo bem ok, nada de muito uau. Mas eu no decorrer da história, depois de conhecer os personagens me apeguei muito e só queria ler mais e mais, saber como as coisas terminariam...
Eu amei que a autora descreveu muito bem eles e podemos imaginar bem tudo que acontece da forma mais real possível. É um clichê adolescente mas bem construído, a história não é corrida, é desenvolvida aos poucos. Simplesmente um AMOR.

Agora estou aqui, querendo um Étienne, querendo visitar o marco zero de Paris e o cinema Mamãe e Papai do cão bassé ???
Kemi 05/04/2021minha estante
Ai, esse livro= tudo pra mim ?. Nem curto romance mas esse derreteu meu coração




Diane 08/12/2020

white girls problems sem beijo francês
estou no mundinho booktuber ha anos e o sucesso desse livro anos atrás era gigantesco. Queria algo meio diferente e bem.. foi muito chato e cansativo.
a menina vai pra paris e em vez de curtir ficou o livro inteiro sendo uma chata falando de um cara enquanto gostava de outro. a escrita da autora é horrível. Ela beijou o menino uma vez tinha nada com ele gostava de outro e ainda brigou com a amiga? ela é bem apática.
a autora tbm colocou a namorada do st clarer como Vila e malvada só pro leitor nao gostar dela e shippar o casalzinho adolescente.
ela é muito cuzona com a mae e o pai (ok eles sao meio ruins) mas assim amada, pais se separam isso acontece ok?
ela gostava de criticar os outros mas ela mesmo era suoer rasa, sem hobbys, gostos, fútil branca hetero chata e ficava unheee meu pai me mandou pra paris que vida difícil ?????
Sara 09/12/2020minha estante
Kkkk amei a resenha, principalmente o "unhee" kkk


Diane 09/12/2020minha estante
KKKKKKKK talvez exagerei? kkkkkk


Thalyta Guedes 20/12/2020minha estante
KKKKKKKKKKKKK amg! eu nunca ri tanto com uma resenha! o "unheee" me matou akfkekdkd apesar de eu ter gostado e ter dado 4 estrelas, tu definiu o livro certinho


Diane 20/12/2020minha estante
KKKKKKKKKKKKKKKKKK ai amg no dia tava de mal humor ai saiu isso kkkkkk mas assim o livro nao é taoo horrível ai ai


Thalyta Guedes 20/12/2020minha estante
né não, coitado kkkkkkk eu gostei pra dar aquela adoçada na vida, um romancezinho adolescente, pá. mas tu falou tudinho aí


Bruna.Gasch 22/12/2020minha estante
Olha !! Acabei de terminar o livro ! Uma BAITA bosta. Perdi tempo! Concordo com sua resenha ! Haha


Diane 23/12/2020minha estante
pelo menos deu pra saber que existem varios cinemas em paris!! KKKKK


Bruna.Gasch 23/12/2020minha estante
Hahahahhahahahh boa !!


Caroline 11/01/2021minha estante
Nossa eu li tipo 10% e tudo q consigo pensar é "pobre menina rica" kkkkk acho q vou abandonar


Diane 14/01/2021minha estante
pobre menina rica maior definição KKKKKKK nao julgaria se abandonasse




Georgia 15/06/2011

Anna e o Beijo Francês
Nome: Anna e o Beijo Francês
Autora: Stephanie Perkins
Editora: Novo Conceito
Páginas: 288


Sinopse: Anna Oliphant tem grandes planos para seu último ano em Atlanta: sair com sua melhor amiga, Bridgette, e flertar com seus colegas no Midtown Royal 14 multiplex. Então ela não fica muito feliz quando o pai a envia para um internato em Paris. No entanto, as coisas começam a melhorar quando ela conhece Étienne St. Clair, um lindo garoto -que tem namorada.Ele e Anna a se tornam amigos mais próximos e as coisas ficam infinitamente mais complicadas. Anna vai conseguir um beijo francês? Ou algumas coisas não estão destinadas a acontecer?


Resenha

Anna e o Beijo Francês foi uma ótima surpresa para mim, devo confessar que de início achei que a estória não ia me agradar, esta impressão não durou muito.
Acredita que fiquei com pena quando terminei de ler o livro? Foi muito triste deixar Anna e Étienne para trás.

Anna é uma garota americana de 17 anos que tem tudo o que quer: uma melhor amiga confidente e fiel, um quase namorado, e o emprego em um cinema o que é perfeito, já que ela ama filmes. Mas sua vida muda totalmente quando se pai, um famoso escritor de livros a manda para estudar em Paris.
Quando ela chega na School of America, uma escola fundada por americanos na França, ela se sente deslocada, além de ser novata e de não conhecer ninguém. O início é muito difícil para ela se adaptar, com a estrutura ampla e requintada e principalmente com a língua (Francês). Que Anna não domina e também possui dificuldades para aprendê-lo.
Na School of America in Paris Anna conhece a simpática Meredith e os amigos dela: o talentoso Josh, Rashimi a namorada de Josh e o lindo, encantador, envolvente, e SUPER Francês-Americano-Inglês Étienne St. Clair (chamado por todos, de St. Clair). rsrs
Eles apresentam a escola e a cidade para Anna, e não demora muito para ela se sentir parte do grupo e a amizade entre ela e St. Clair cresce e eles acabam criando um laço de compreensão e união muito forte, um laço que desperta nela sentimentos que vão além da amizade, sentimentos proibidos aos dois, pois St. Clair possui namorada, Ellie, a melhor amiga de Meredith e Rashimi que acabou de se formar na School of America e foi para a faculdade.
Anna e St. Claire se tornam melhores amigos, e vivem juntos, compartilhando suas idéias e vidas de uma forma que ambos não esperavam.

O clima do livro é delicioso e sua narrativa é bem desevolvida. Não preciso dizer que Anna e Étienne são meus personagens preferidos (Étienne, Étienne, Étienne...aiaiaiaiaiai). O mais interessante é que ambos erram e são cabeça dura. Mas, com sua amizade e persistência se ajudam, enfrentando os problemas e erros.

Anna é uma adolescente comum, deslocada, e que tem problemas como qualquer garota da sua idade. Com os pais separados, amigas e seus romances e ainda começa a se sentir abalada por Étienne St. Clair, seu melhor amigo. O sentimento é mútuo, e o romance entre Étienne e Anna só se realiza no final. Mas é lindo de qualquer maneira. St. Clair é o cara.

Eu adoro os outros personagens também, Josh que é o artista que está sempre pintando e é amigo de St. Clair; Rashimi a namorada de Josh, meio egocêntrica no início, depois se mostra uma grande amiga e Meredith, que adora esportes e usa muitos anéis, e que tem uma quedinha por St. Clair!
O livro é maravilhoso! A forma com que a autora conta a história é tão boa, que a leitura corre rapidamente e te prende em todos os capítulos. Tem várias partes do livro que eu ria muito com os pensamentos e acontecimentos na vida de Anna.
A editora Novo Conceito está de parabéns, a capa que é a original e as letras do título são em revelo.

Tem uma parte do livro que eu amei, é quando Anna percebe que nem sempre o que costumamos chamar de "casa" é nosso verdadeiro lar, e a palavra pode ter muitos significados. A “casa” pode ser uma pessoa importante para gente.

Este com toda a certeza é um romance lindo e apaixonante!
Se eu recomendo a leitura de “Anna e o Beijo Francês”? Claro!

Você tem vários todos os motivos para ler o livro:
1 - Você vai conhecer Paris;
2 - Vai torcer pela Anna;
3 - A capa do livro é linda;
4 - E você vai se apaixonar pelo Étienne que as vezes pode ser St Clair também.

Por que você ainda não leu?! Vai logo comprar o seu, porque o Étienne está esperando por você!

Trechos do Livro:

"Eu me demoro e pego o caminho mais longo para o Panteão. A cidade é bonita. {...} Tudo o que eu consigo ver é a pessoa que eu conheço, calma e confiante, com as mãos no bolso, pomposo no andar. O tipo de pessoa que irradia um campo magnético natural, para o qual todos são atraídos, todos são cegados. {...} E então viro outra quadra, e meu peito aperta tanto, tão dolorosamente, que não consigo mais respirar. Porque lá está ele. {...} Como posso ter sido tão estúpida? Como posso ter acreditado, por um momento, que não estava apaixonada por ele?"

"Sinto falta de Paris, mas lá não é minha casa. É mais algo do tipo sentir falta...disso. Desse calor pelo telefone. É possível que lar seja uma pessoa e não um lugar? Bridge costumava se meu lar. Talvez St. Clair seja meu novo lar. {...} Isso é estar em casa. Nós dois."

Eu comprei poemas de amor para você! "Eu a amo com certas coisas obscuras são amadas, secretamente, entre a sombra e a alma."


"Por causa de você. Vou estar a vinte minutos de trem da sua escola e vou viajar toda noite para vê-la. Eu viajaria dez vezes a distância só para estar com você toda noite."



comentários(0)comente



Bia 05/05/2020

topinho
Acabei o livro agora, tinha lido acho que com uns 12 anos e resolvi reler pra ver como seria. Pensei que ia achar muito bobinho mas foi uma boa surpresa, gostei da historia mesmo sendo um cliche, mas é um cliche bem escrito hahahah
foi otimo ter lido novamente :)
comentários(0)comente



Annie 30/06/2011

Anna e o Beijo Francês, por Ana Nonato (resenha corrida).
Anna Oliphant é uma americana de Atlanta, filha de um famoso escritor (não por méritos próprios, mas por agradar o público-alvo com histórias exasperadoras), enviada a Paris para estudar na School of America in Paris, um internato para filhos de americanos. É claro que Anna fica totalmente desgostosa, pois tem uma vida social completamente estruturada em Atlanta, além de seu quase-namoro estar dando resultados.
Na primeira noite, ela conhece Meredith, a vizinha do quarto ao lado (que a procura após ouvir seu choro). Elas tomam um chocolate quente e conversam sobre Beatles e futebol. Anna decide ir embora, pois já é tarde. Está tão distraída que esbarra em algo... ou melhor, em alguém. O garoto mais lindo que ela já havia visto na vida: Étienne. Totalmente aparvalhada, ela volta a seu quarto.
No dia seguinte, ela encontra Meredith na mesa junto com os outros amigos da turma: Josh, Rashimi e St.Clair... Que inegavelmente é o menino que ela conhecera na noite anterior.
A história em geral se passa em torno dos cinco amigos, além do "quadrado amoroso" de Étienne, Meredith, Ellie e Anna.


Primeiro, ao enredo. No começo, é bem gostoso de ler (embora haja algumas partes sem lógica alguma, falha da tradução). O livro traz em sua capa: "Stephanie Perkins escreveu um romance de estreia divertido, com personagens espirituosos que garantem dedos formigando e corações derretendo." Até o Capítulo 9, é exatamente assim. Anna e Étienne estão em Paris, a cidade mais romântica do mundo! Visitam os lugares mais incríveis, fazem coisas e se tornam muito amigos. A partir deste capítulo, a história declina. Há algo relacionado com o aparecimento de Ellie (em carne e osso), além dos sentimentos de Mer trazidos à tona capítulos antes. E o romance, que era para ser "divertido", se torna um drama enfadonho que chega a deixar um gosto de fel na boca. Os desencontros são muitos, os altos e baixos são constantes, e cansam, como cansam! Para piorar, as situações que acontecem em Atlanta com os amigos de Anna também acontecem em Paris... com ela! A autora quis mostrar que a personagem amadureceu, mas pelo contrário: só demonstrou o quanto ela não mudara, pois era a mesma imatura e passional.
O romance de Anna e Étienne deveria ser dificultado, é claro. Entretanto, esse constante desencontro entre os dois conseguiu transformar um romance promissor em uma espécie de enredo sem sal com muito sofrimento, bem semelhante aos do pai de Anna! Com a exceção, é claro, de que eles não morrem no final.
Um ponto positivo para a autora é a contextualização que ela imprimiu ao citar outras obras (como Harry Potter e Hogwarts), além de um crítica velada aos livros com finais terríveis (como os de Nicholas Sparks, por exemplo).

Quanto aos personagens, Étienne tinha tudo para ser o mais perfeito e humano dos mocinhos. Uma das razões que mais me instigou a ler foi exatamente esta! Simplesmente repudio os romances em que o mocinho é tão, mas tão perfeito que beira o irreal! Étienne, então, se transforma no cara mais inseguro, taciturno e incompreensível que já foi escrito, tão diferente da personalidade real. Os problemas o transformaram nisso? O amor proibido fez dele um homem cabisbaixo? Anna diz isto a ele no Dia de Ação de Graças, e ele parece ouvir. A personagem de Étienne tem muitas complicações, é verdade; mas já as tinha antes dos acontecimentos posteriores. Se ele era capaz de sorrir antes, também seria agora.
Anna, por sua vez, é uma personagem insossa. Sempre na cola dos outros quatro como se fosse um "cachorrinho" sem dono. Tudo bem, ela era aluna nova, mas o modo como eles a acolheram deveria tê-la transformado em uma integrante real do grupo e não em uma completa estranha. Além de ser um tanto superficial, naturalmente, com todos aqueles pensamentos irracionais e movidos exclusivamente pelo início de um amor. É assim que garotas de dezessete anos ainda se comportam? É realmente um romance bem americanizado (situações semelhantes podem acontecer no Brasil ou em quaisquer outros lugares, é claro, mas não posso concordar com o modo com que foram abordadas).
Os outros personagens são bem superficiais, fazendo seus papeis na história.

O final é muito bom, confesso, mas não tirou a sensação amarga com a qual fiquei após a leitura de tantos capítulos cansativos. O ponto que mais quero ressaltar é: o fato de o romance "divertido" e as personagens espirituosas não se concretizarem.

Quanto a coesão e coerência, o livro é impecável. Já sintaticamente, fiquei consternada pelo fato dos vocativos não serem respeitados, produzindo expressões ambíguas ou alterando o sentido de diversas falas.

Nota: 3 estrelas
comentários(0)comente



maria 22/10/2020

eu amei DEMAIS o livro, bem curtinho é uma leitura muito fácil! Se você está procurando por um clichê muito fofo e ainda na cidade mais perfeita do mundo esse é o livro certo
Ps: étienne perfeito.
comentários(0)comente



Bia 04/06/2020

Anna e o beijo francês conta a história de Anna que foi obrigada por seus pais a estudar em internato em Paris. Lógico que ela bate o pé para não ir estudar na Cidade da Luz, afinal, quem em plena consciência iria querer estudar em Paris com os pais bancando tudo, não é mesmo? Mas dá para entender a revolta da garota. Ela tinha emprego, amigos e um crush em Atlanta, ela também não sabia falar francês. Mas como em todo livro de romance, sempre tem um príncipe para salvar a garota em apuros, e esse garoto se chama Étienne St. Clair. Ele é charmoso, legal, inteligente, popular, era tudo isso, porém não é uma das mais importantes, ele não era solteiro.

Os dois se tornam amigos e ele apresenta a cidade para e ela e finalmente Anna enxerga as qualidades de estudar em uma boa escola no exterior, apesar das dificuldades. A amizade deles era linda, eles eram bons companheiros e se divertiam juntos, até que a amizade já não era mais suficiente para ela.

Esse é um livro bem levinho, que mostra as dificuldades e superações da passagem da adolescência para a vida de jovem adulto e a escolha do que fazer depois da escola. Anna tem uma boa evolução na história, o que meio que força a de St.Clair dando ao enredo o sabor doce do primeiro amor ao mesmo tempo que o amargo de lidar com a vida.

Eu gostei bastante, li sem esperar nada dele e não me arrependi. Não tem grandes reviravoltas, mas St. Clair e até mesmo Anna conseguiram conquistar um espacinho no meu coração.
comentários(0)comente



1214 encontrados | exibindo 1 a 16
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 |