Persuassion

Persuassion Jane Austen




Resenhas - Persuasão


272 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 |


Bruna Carvalho 13/10/2019

Vamos a mais uma resenha de um livro de uma das maiores autoras de romance do mundo?
Livro: Persuasão

Autora: Jane Austen

Primeira Publicação: 1817

Editora: Martin Claret

Páginas: 286

Nota: 5/5 + favorito



Anne Elliot é a nossa protagonista nessa trama envolvente e repleta de muito romance. Como não poderia faltar em uma obra de Jane Austen, também temos nas entrelinhas dessa história uma boa dose de crítica social à sociedade inglesa da época, que se preocupava muito com poder e classe social.



No início da leitura somos ?jogados? no meio de uma discussão sobre o aluguel da casa dos Elliot, uma vez que desde a morte da Sra. Elliot a situação financeira deles não estava lá essas coisas, e por isso, seria melhor que a família se mudasse para uma casa que melhor correspondesse à sua situação. Na procura de inquilinos que ?estivessem à altura? de morar na residência, eles chegam a um homem que trabalhava como marinheiro e que é cunhado do Capitão Wentworth, homem que há 8 anos havia pedido Anne em casamento.



Com a mudança de residência da família Anne passa uma temporada na casa de sua irmã Mary e nós percebemos como a família de Anne é complicada, todos a tratam como se ela fosse uma subalterna e estão sempre explorando da sua boa vontade. Nesse meio tempo o capitão Wentworth retorna tentando construir uma família, já que agora, ele está em boas condições financeiras e com a carreira consolidada. Anne sofre sozinha percebendo o erro que cometeu em não ter se casado com o grande amor de sua vida por ter sido persuadida por seus familiares e por sua melhor amiga, Lady Russell, que ocupou praticamente o papel de sua mãe desde sua morte.



Durante todo o livro Anne e o Capitão Wentworth tem vários encontros e desencontros. A principio Anne supõe que o capitão não sente mais nada por ela e que realmente se esqueceu de tudo que viveram, mas ao decorrer da história, certos olhares, atitudes e falas demonstram que na verdade ele ainda sente alguma coisa por ela.



Posso dizer que gostei mais dessa obra do que de ?Orgulho e Preconceito?, já que achei que os sentimentos foram mais bem descritos e por isso o livro me provocou mais sensações do que o livro anterior. Enfim, esse é mais um livro incrível que me orgulho de ter lido e que indico a todos vocês.
comentários(0)comente



Elaine 08/10/2019

Maior que a própria história!
Mais um livro da Jane Austen lido e mais uma vez fico dividida. A primeira parte do livro achei bem arrastada, as vezes repetitivo, demorava horas pra ler um capítulo, nada acontecia. Mas a partir da segunda parte parecia outro livro, até teve reviravoltas e a protagonista ficou bem mais interessante também. 

E como vou dar nota baixa para um livro da Jane Austen, que no século XIX, num tempo dominado por homens, teve a audácia de pôr na boca da sua protagonista a seguinte fala:

"Por favor, não vamos nos referir a exemplos de livros. Os homens tiveram todas as vantagens em relação a nós no que diz respeito a contar sua versão da história. Eles tiveram uma educação muito mais refinada; a pena sempre esteve em sua mão. Não vou aceitar nenhuma prova retirada dos livros."

Jane Austen está falando sobre igualdade de gêneros em pleno século XIX, por isso cheguei a conclusão que os livros dela vão além de uma história, um romance, uma aventura, é um estudo de uma época, é uma mulher escrevendo sobre mulheres empoderadas numa época em que mulheres não podiam nem sonhar em ser independentes.
comentários(0)comente



Peregrinabooks 06/10/2019

Eu arrastei a leitura ate o ultimo do ultimo e pra mim só ficou interessante em 80% de história. É irritante como Anne é tratada pela própria família e como ela é levada a abdicar do seu amor por conveniência de uma amiga que pensa e até um certo ponto tem um poder sobre as decisões dela. Ela é uma menina boa e sensata que se acostumou a ser deixada de lado por pessoas ridículas, é angustiante ler esse livro, o folego que dá é quando vai chegado o fim onde parece que o sofrimento dessa pobre alma vai acabar e ela deixa de dar ouvidos aos outros no que se refere a sua própria felicidade. Mas não é de todo ruim, quando ocorreu o seu quase casamento com o capitão, ela ainda era uma pessoa ingênua e hoje mais madura consegue decidir por si só o que é bom para sua própria vida. Real, não foi um dos meus preferidos da Jane.
comentários(0)comente



Karen 30/09/2019

PERSUASÃO ou o esmorecimento da energia vital em virtude da desilusão irreparável
O romance PERSUASÃO, tecido à época em que Jane Austen já desenvolvera a enfermidade que ceifaria sua vida, arquiteta uma inigualável trama, que, mediante um estilo mais sóbrio e uma conjuntura mais contemplativa do que aquela que se verifica no restante da obra da autora, propõe, alicerçada ao perene vínculo entre suas figuras centrais, a resignada Anne Elliot e o arrojado Capitão Frederick Wentworth, temáticas de notável complexidade e de significativa delicadeza, a exemplo do emprego de persuasão nas relações interpessoais, do sobrepujamento da classe e do status social aos enlaces ditados por afeições íntimas, da ausência de amor paternal, da fragilidade de relacionamentos fraternais, da instabilidade de desencontros amorosos e do fortalecimento de afetos antigos – elementos que, não por acaso, respaldam-se na indistinta imensidão do horizonte marítimo como pano de fundo de sua narrativa.

Ainda que a profundidade do tratamento dessas noções, desde que postumamente se lançou, em 1818, o derradeiro trabalho literário da primeira romancista inglesa moderna, tenha elevado, perante a crítica especializada e a uma parcela representativa do público leitor, o título em questão ao posto de escrito de maior maturidade da obra austeniana, não se pode negar que, à época de sua produção, os sentimentos e as concepções daquela que o idealizou achavam-se influenciados, de maneira preponderante, pela dor da doença e pela perspectiva da morte iminente, responsáveis, entre outros, por conferir à narrativa em questão certo tom de desconsolo (enfatizado pela insípida vida da acomodada e obediente personagem central), de amargura (representado pela triste realidade da empobrecida e calejada sra. Smith) e até de violência (protagonizado pelo singular episódio do acidente da alegre e inconsequente Louisa Musgrove).

Nesse sentido, os enredos dos demais romances da autora em foco, com destaque para o de RAZÃO E SENSIBILIDADE, o de ORGULHO E PRECONCEITO e o de EMMA, refletem, de modo mais genuíno, a essência da alma otimista e centrada de sua criadora, comumente devotada à discussão de tópicos tais quais a desestruturação de preconceitos obstinados, a transposição de barreiras socioculturais, o reconhecimento de defeitos natos ou de falhas recorrentes, a desmistificação de arraigadas filosofias de vida e a consequente assunção de novas perspectivas de mundo, a valorização da inteligência e da perspicácia femininas, o enobrecimento da personalidade própria, a crítica à excessiva indulgência paterna e sobretudo materna, a valorização de fortes vínculos fraternais, o aprimoramento de virtudes pré-existentes, a prática da compaixão cotidiana e o enaltecimento do amor ponderado em detrimento da paixão irrefletida.

Por sua vez, os trabalhos de menor renome da escritora, a saber, MANSFIELD PARK e A ABADIA DE NORTHANGER, conquanto também propiciem leituras enriquecedoras e prazerosas, pecam na disponibilização de um leque significativo de personagens de caracteres cativantes – no que não se encaixam, todavia, seus heróis e suas heroínas –, além de falharem no desenvolvimento de uma gama considerável de situações e de peripécias, de fato, instigantes. Independente das peculiaridades inerentes à urdidura de cada uma das tramas austenianas, todavia, deve-se ponderar serem intrínsecos a todo enredo os princípios relativos ao estabelecimento da contextura de sentimentos, de ideais, de condutas e de relações interpessoais defendida pela autora, o que autoriza o leitor sagaz, quando se dedica ao esmiuçamento das significações dos textos assinados pela mais ilustre figura literária a que, salvo William Shakespeare, a Inglaterra já deu à luz, a deparar-se com arquétipos invariáveis e, por conseguinte, com acepções geniais na obra integral de Jane Austen, inclusive, naturalmente, em seu mais solene e mais atípico romance.


– Karen Monteiro

site: https://tudoquemecomove.blogspot.com/2019/09/persuasao-ou-o-esmorecimento-da-energia.html
comentários(0)comente



Paloma.Oscar 19/09/2019

Maravilhoso!
Assim como Orgulho e Preconceito, Persuasão traz um romance de época simples e delicado,bem característico de Jane! Embora inicialmente possa parecer uma linguagem um pouco complicada de entender,o decorrer da história envolve o leitor.
comentários(0)comente



Ana 25/08/2019

Jane Austen consegue fazer nós nos apaixonarmos por todos os seus livros, e com "Persuasão" não foi diferente. Esse livro se tornou meu favorito da autora. Além de me apaixonar pelos personagens, a história é linda. A Anne é uma personagem única, e com características únicas. Aconselho vocês a pararem o que estão fazendo e lerem este livro!
comentários(0)comente



Bruna Domênico 25/08/2019

Sobre segundas chances
Mais um romance água com açúcar e delicioso de ler da Jane Austen. Apesar do tema da persuasão, o livro fala muito sobre a capacidade de perdoar em nome da felicidade pessoal. Impossível não torcer pela felicidade de Anne. Super recomendo!
comentários(0)comente



feliciafc 16/08/2019

olha, esta edição tem uma extensa apresenção comentada por um fulano lá que eu acho dispensável ...reescrevem trechos do texto do livro ...dao opiniao, eu nao gosto dessas coisas prefiro ler sem ser influenciada, sem ler comentarios dos outros sobre a obra enfim eu dispensaria essa apresentação...

as concordancias no final de algumas paginas nos ajudam na compreensao e achei util.

estou lendo e sobre a obra por enqto to no cap3 e a persuação ocorre em persuadir um cara extremamente vaidoso preocupado com sua aprencia e status, a reparar dividas reduzindo seu estilo de vida, eu acho que o jeito como ela escreve é muito lindo nos aprofunda da situação da época, e faz a gente entender muita coisa atual, pq apesar de antigo é muito presente quem nao conhece um "walter elliott" na vida....eu conheço...e não é facil rs.
comentários(0)comente



hulda.oliveira. 11/08/2019

Segundo livro de Jane Austen que eu leio. Tem um enredo bem simples. Acho que fui ler com muita expectativa ( eu gostei demais de orgulho e preconceito), por isso que me decepcionei.
O livro indiretamente tem algumas críticas sociais à cultura da época, isso eu achei interessante.
comentários(0)comente



Erika 03/08/2019

Segundo livro de Jane Austen lido, e foi meio difícil evitar as expectativas criadas após Orgulho e Preconceito. Demorei a me entrosar com a história e não cheguei a me encantar. Mas gostei da personalidade da protagonista, Anne, integrante de uma família decadente, a filha que ninguém presta atenção, e que se vê à volta com um antigo amor.

Ela é forte, tem bom senso, é prestativa, romântica sem pieguices.

Um bom passatempo.
comentários(0)comente



Jacky 31/07/2019

Graciosamente intrigante.
Minha primeira experiência com Jane Austen.
De início, a obra demorou pra me entreter, no entanto, após >vários< capítulos, consegui entrar em um ritmo de leitura agradável em que não conseguia aguentar a tensão entre os personagens e ficava imaginando se seria um final feliz ou não.
Posso dizer que, assim como li em uma reportagem acerca das obras de Jane, este livro, em diversos momentos, me deixou muito tensa e angustiada. Parecia que a qualquer momento Anne Elliot iria gritar, ou se descontrolar, e falar tudo sobre seus sentimentos para Frederick. Houve momentos em que Mary realmente me irritava, mas ela e Charles traziam um alivio "cômico" para a obra, então eu relevava.
No mais, é um trabalho interessante e espero poder ler outras obras desta autora maravilhosa, ou, até mesmo reler Persuasão.
Capitão Wentworth, conte comigo pra tudo!!!
comentários(0)comente



Lisa.Vieira 30/07/2019

Eu Li, vou te contar!
? PERSUASÃO - JANE AUSTEN
.
O que eu posso dizer desse livro: Simplesmente encantador...
.
Primeiramente se trata de um clássico escrito pela diva suprema, Jane Austen. Só isso já assegura a certeza de uma leitura impactante, inteligente e muito gratificante.
.
Eu amei a trama, que foi muito bem amarrada e dirigida.
O casal é fabuloso, os personagens são muito verdadeiros e bem moldados, tem fundamento e apesar de todo o esforço do mocinho de se convencer de que havia superado o amor pela querida Anne Elliot, oito anos e meio antes, o sentimento que era puro e verdadeiro prevaleceu e o reconhecimento disso foi feito do modo mais emocionante e fabuloso, por meio de uma carta sincera e super apaixonada.
.
Jane Austen tem uma visão única quando expõe cada personagem que ela cria, desde o mais efetivo na trama, até o mais superficial. Ela dá características para cada um, que nos faz enxergar através de suas palavras, a gente pode realmente "sentir" cada um e gostar ou detestar como se fossem reais, tal a força com que ela imprime a identidade de seus personagens.
.
Ai, ai! Só suspiros... Uma verdadeira obra de arte! É um deleite terminar uma leitura tão rica sob diversos aspectos!
comentários(0)comente



Micaela @ninfadomar 24/07/2019

Persuasão
Meu segundo contato com as obras da Austen foi ainda melhor do que o primeiro. Consegui me conectar mais com a historia e personagem do que com orgulho e preconceito (que não deixa de ser um livro maravilhoso).

Anne Elliot vem de uma família rica e quando se apaixona por Frederick Wentworth, jovem com uma classe bem inferior a sua, logo é persuadida a desistir de sua paixão por meros caprichos sociais já que matrimônios com pessoas abaixo de sua classe social eram muito mal vistos pela sociedade naquela época.

Depois de 8 anos da recusa de Anne, a mesma se reencontra com o agora Capitão Wentworth que após entrar pra marinha acumulara uma pequena fortuna.

Esse livro é todo cheio de sentimentos de culpa, chances perdidas e arrependimentos. Gostei da narrativa e devo elogiar a tradução, me senti muito confortável lendo.

"Ela o havia maltratado, abandonado e decepcionado. Pior ainda: ao fazê-lo havia demonstrado uma fraqueza de caráter que o temperamento decidido e confiante dele não podia suportar. Havia desistido dele para agradar aos outros. Havia cedido aos efeitos de uma persuasão excessiva. Havia sido fraca e acanhada."
Anne e Frederick agora são duas pessoas maduras e talvez totalmente mudadas. Ambos solteiros após tanto tempo, seria um sinal? Karma? Uma segunda chance? Bem, só lendo pra descobrir.

"Não poderia ter havido um par de corações tão aberto, nem gostos tão similares, sentimentos tão harmoniosos, comportamentos tão amados. Agora eles eram como dois estranhos; não; pior do que estranhos pois nunca poderiam vir a se reconhecer. Viviam um afastamento perpétuo."

site: https://www.instagram.com/p/BysqUpchDb_/
comentários(0)comente



Aninha 17/07/2019

Lindissimo e apaixonante! Resenha postada em meu Instagram literário ( @alcooliterarios ) :
? Persuasão ?
Olá, literários! Dia de resenha!
Sim! Hoje temos mais uma obra de Jane Austen ? prometo que estamos quase acabando ? que acabou se tornando mais um dos meus favoritos.
O livro da vez é Persuasão, que conta a história de Anne que, depois de perder a mãe, passou a conviver com o pai vaidoso e superficial, irmãs que não eram muito diferentes e a melhor amiga da mãe, que cuidou dela como se fosse sua própria filha.
Anos se passaram e nossa protagonista acaba se apaixonando por um jovem, mas logo é persuadida pela própria família a não se casar, uma vez que esse não possuía muitos recursos e nem perspectiva de crescimento em suas aspirações à marinha.
O amor recíproco e encantador logo se tornou um pesar para ambos, de tal forma que nosso mocinho decidiu ir embora, se dedicando completamente ao trabalho.
Sete anos mais tarde, quando temos o real início do livro, Anne ainda está solteira, já que nunca amou mais ninguém além de Frederick, mas circunstâncias envolvendo a casa de sua família acabam fazendo com que os dois se reencontrem. O rapaz, agora dono de uma fortuna invejável, está de volta para balançar o coração de Anne e dos próprios leitores.
Mais um romance lindo, que nos dá e tira esperança ao mesmo tempo. As cenas divertidas características da escrita de Jane Austen também não perdem lugar, mesmo entre as páginas de um tema melancólico como a perda de um grande amor. Apesar disso, em todo tempo torcemos pela felicidade de nossa protagonista, já que nos identificamos com cada sentimento e emoção mostrados. Impossível não recomendar algo de uma autora tão incrível. "Forçada a ser prudente quando jovem, ela havia aprendido a ser romântica ao envelhecer: a sucessão natural de um início natural" - 5/5 ?
- Ana
comentários(0)comente



Ana 16/07/2019

A genialidade da Jane Austen
Para entender e imergir nos romances da Jane, é preciso ter a cabeça do séc XVIII. Em muitos momentos, o romance parece demorar-se ou alongar-se com outros assuntos, mas o que devemos entender é que o modo como as famílias se comportavam na época não diferia em muito. As ocupações eram em sua maioria de responsabilidade social. A posição social importava demais e todos os acontecimentos decorrentes dos movimentos na sociedade são importantes para a compreensão do romance. Através deles, a Jane consegue fazer você "shippar" o casal principal no início, na metade ela faz você desistir desse amor, pensando até que talvez a ideia deles separados seria aceitável e no fim ela resgata esse amor de uma forma tão intensa que é impossível não se emocionar. A genialidade da Jane está justamente aí, nessa facilidade de nos persuadir à sua bela produção!
comentários(0)comente



272 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 |