A Esperança

A Esperança Suzanne Collins




Resenhas - A Esperança


1141 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 |


Angisllayne 04/03/2017

O fim da opressão...
Um dos livros mais esperados, ''A Esperança'' apresentou o desfecho da trilogia. E que desfecho! Suzzane Collins conseguiu unir tensão, guerra, romance, suspense, ação, tudo num mesmo período e de maneira simples, com uma narrativa impecável e, ao mesmo tempo, fluida. Por ele, se passam várias ''cenas'' chocantes e revelações ainda mais chocantes. Toda a história é contada e, com ela, novos sentimentos vão surgindo ao longo das páginas. Simplesmente, não há como parar de ler. Este livro veio para coroar a narrativa maravilhosa e a história sensacional que foram criadas por Suzzane. O destino das personagens, suas novas convicções, desejos e lembranças ficarão eternizados em nossos corações. Jogos Vorazes foi, é e sempre será a melhor saga do mundo!
comentários(0)comente



Higor 26/02/2017

Duas estrelas
Avaliei com duas estrelas pela coragem da autora em escrever um livro, simplesmente avaliei como uma pessoa se coloca no lugar da outra! Admiro a coragem dela em escrever tamanha chatice distópica! Suzanne, você tá de parabéns!


me ajuda a lhe ajudar!
comentários(0)comente



Leonardo 24/02/2017

Esse livro foi uma surpresa incrível!

Desde o primeiro capítulo Suzanne Collins me conquistou, me deixou com aquela pulga atrás da orelha e um desejo enorme de saber o que viria a seguir. A história se desenvolveu tão bem que prolonguei a leitura das páginas finais, eu não queria de jeito nenhum que o livro acabasse... Queria mais Katniss, mais Peeta e Gale na minha vida. "A Esperança" foi um livro que me apresentou ação, romance e drama na medida certa. Todos os pontos soltos de "Em Chamas" foram bem amarrados nesse último livro, não fiquei com aquela sensação de: "poxa, tá faltando alguma explicação aqui". Suzanne Collins soube conduzir bem o final da sua história, não foi um livro cansativo e muito menos desinteressante. Foi o primeiro livro da trilogia que favoritei, cada capítulo me deixava ainda mais imerso nesse universo e pensativo sobre a mensagem que a autora queria transmitir com a história.

Demorei para ler a trilogia mas não me arrependo de forma alguma, livre dos spoilers me diverti e amei cada segundo ao lado desses personagens incríveis. Obrigado Tia Suzanne!
Lightwood 22/03/2017minha estante
Essa foi a conclusão de série que mais amei. Ele é bastante 'doloroso' de se ler. Ele grita o tempo todo o que é uma guerra de verdade, os efeitos dela numa pessoa e o que é ser humano. Me arrepio só de pensar nesse livro.




Jhen 11/02/2017

Always
Depois de se surpreender, sua vida mudará com o que você aprendeu com esse livro. ?
comentários(0)comente



spoiler visualizar
Nathalya.Dancker 08/02/2017minha estante
Poxa, spoiler bem na caruda hein?


Duda - @mardoart 08/02/2017minha estante
desculpa,n resisti,já leu ?


Nathalya.Dancker 08/02/2017minha estante
To no primeiro ainda


Duda - @mardoart 09/02/2017minha estante
desculpas,mas pra mim,n muda nada o spoiler




Rafa 02/02/2017

Bom, porém, o pior entre os 3
Katniss Everdeen se tornou o símbolo da rebelião, a rebelião tão prometida (mesmo que de forma bem implícita) durante toda a triologia.
O início do livro não me prendeu NEM UM POUCO, porém, eu continuei lendo-o na esperança de um super plot twist que faria meu coração se agarrar à história. A questão é que o plot twist demorou bem mais pra chegar do que eu esperava. Ele até apareceu, mas no penúltimo ou último capítulo -mas é surpreendente, eu juro.
Sobre os personagens, amei o destaque dado ao Finnick, porque eu já o amava desde Em Chamas, mas nesse o último livro ele me fez derreter umas 900 vezes (principalmente ao lado de Annie), então eu até o perdôo por ter partido meu coração quando foi embora da trama. Os outros personagens que já tinham aparecido nos outros livroa continuaram sendo eles (a não ser por Peeta, mas ele teve motivos, acreditem). E os personagens que nos foram apresentados só nesse livro, não foram muito explorados ao meu ver, mas acho que Katniss não confiava em nenhum deles, então meio que não fez tanta diferença. Nenhum dos novos personagens foi amado ou odiado por mim (exceto a megera da presidenta Coin. Acho que todo mundo odeia ela).
O livro é bom, mas os dois primeiros pisam nele. A saga em si é maravilhosa, e eu recomendo à todos. É uma daquelas coisas que nos fazem repensar em nossos valores, nos fazem olhar em volta e se perguntar em quem realmente é mocinho e quem realmente é vilão. Esse último livro me acordou pro fato de que a vida é uma eterna rotativodade que vai de guerra pra paz, de paz pra guerra. E é claro, me fez querer ser Katniss Everdeen mais uma vez!
P.S.: eu amo aquela musiquinha da árvore ?
comentários(0)comente



Lua Araújo 24/01/2017

Um fim surpreendente
A história desde o começo me fascinou, tanto que li os três volumes em poucos dias, e devorei o último volume com um desejo enorme de ver o desenrolar da trama, me surpreendi com a reviravolta da história e chorei muito com a morte do meu personagem favorito, mas foi o final adequado à história, não se poderia idealizar um final perfeito e com muitos personagens vivos quando a história retrata uma guerra.
comentários(0)comente



Ana 23/01/2017

Eu l i - A Esperança
A rebelião oficialmente vai começar!

Embora tenha escapado de duas edições dos Jogos Vorazes, e esteja em um abrigo seguro no Distrito 13 (sim ele existe!), a vida de Katniss Everdeen está cada vez mais bagunçada. Seus nervos ainda estão à flor da pele, pois Peeta ficou na Capital, sendo torturado pelo presidente Snow.

A transformação física de Peeta me choca. O menino saudável, de olhos claros que vi há poucos dias perdeu pelo menos quinze quilos e desenvolveu um tremor nervoso em suas mãos. Eles ainda o arrumaram. Mas debaixo da tinta, que não podem cobrir as bolsas sob os olhos, e as roupas finas, que não podem esconder a dor que ele sente quando ele se move, uma pessoa muito arruinada.

Muitos distritos já aderiram à causa contra o governo, mas há muito que fazer ainda para conseguir derrotar os poderosos. O sucesso da revolta dependerá de TODOS os distritos.

Katniss pensava que não precisaria mais lutar, entretanto, em seu novo “lar”, eles organizam uma maior resistência a favor da revolução.

Nasce a esperança de um país sem opressão e Katniss precisará assumir o símbolo da guerra. Ela precisará ser o Tordo e com isso conseguir ainda mais seguidores da causa.

Será que ela vai assumir tanta responsabilidade?

Então...

Infelizmente já tinha lido muito spoiler, mas como as coisas aconteciam isso eu não sabia. Como por exemplo:
- Que o Peeta ficaria preso na Capital;
- Que eu ficaria com raiva (muita raiva, assim de enfurecida mesmo) com a - Katniss- panaca;
- Que iria gostar dela de novo porque ela mata alguém;
- E que duas das personagens mais importantes morreriam (fiquei de luto, sério, estou revoltada).

Esperava mais, sinceramente. Talvez porque já sabia de muita coisa. A parte do final foi a mais emocionante (como sempre) e houve uma situação (que não ouso mencionar), que realmente me deixou muuito triste.
A Suzanne Collins escreve tão bem, eu adoro a história, mas sei lá. É como perder um amigo e por um motivo bem bobo.

A Esperança é o livro mais tenso da saga (em minha opinião), pois nele tudo será resolvido no "vai ou racha". Só lendo mesmo pra saber.

site: http://vicioseliteratura.blogspot.com.br/2014/11/eu-li-esperanca.html
comentários(0)comente



Alex.Moreira 23/01/2017

Que a sorte esteja sempre a seu favor
Apontem as suas armas para a capital, apontem as suas armas...para Snow
comentários(0)comente



Ana Caroline 12/01/2017

Resenha | A Esperança
Após dois volumes, Jogos Vorazes chega ao fim. Com A Esperança nos trazendo o final de uma incrível história em que Katniss foi salva da arena para se torna o Tordo, símbolo dos rebeldes e incitando a guerra contra a Capital, temos uma eletrizante mistura de drama, guerra, romance, estratégias políticas e ficção. Chegamos ao fim da trilogia.

Com certeza foi o livro que mais me impactou. Suzanne não foi piedosa em nenhum cena, e em todo o momento em me sentia dentro da história, vivenciado as mortes, ao horror que se acontecia e principalmente ao que se passava na cabeça da Katniss. Mais uma vez, sendo peça de um jogo maior, ela se vê sem muitas alternativas a não ser aceitar o que lhe é imposto. Haverá mudanças, que serão bastantes satisfatórias e que serão inesperadas, mas que elucidarão esse argumento que digo. Seu psicológico será massacrado ao decorrer das páginas e isso só será o começo.

Após ela ser resgatada da arena junto com Finnick, Peeta deixado para trás será utilizando pelo Snow. E as situações que se seguirão por causa dessa ação, foram as que mais mexeram comigo. A autora brincou muito nesse limiar do suportável ao não suportável inúmeras vezes. Com toda certeza em algum momento o leitor irá sentir-se desconfortável. E essa "destruição" do Peeta foi o que desencadeou meu limiar de suportável.

É um livro bem forte, no que se diz de enredo, de brincar com o psicológico, e principalmente com relação aos jogos políticos. Quando pensamos que algumas estratégias não seriam usadas, o jogo muda e vemos tudo acontecendo. Terminei o livro perplexa, assim como no filme, em ver aonde o ser humano é capaz de chegar ao tentar alcançar o poder.

Não é meu favorito por esses pontos que levantei, que me incomodaram bastante, mas que me acordaram para uma realidade diferente. Não sou uma leitora assídua de distopias e sair da minha zona confortável foi válido. Ele foi um divisor de águas para tudo que eu pensava.

"Minha batalha em curso contra a Capital, que frequentemente parecia uma jornada solitária, não foi empreendida sozinha. Eu tinha milhares e milhares de pessoas dos distritos ao meu lado. Eu era o Tordo antes de aceitar o papel." pág. 103

E principalmente o mais impactante é o quanto uma pessoa fora da opinião de massa pode fazer diferença. Nossa protagonista fez esse papel — às vezes como peão — mostrou sua força e seu caráter, se diferenciando dos outros. Peeta a mesma coisa, apesar de não ter sido muito utilizado. Esse questionamento da forma de sociedade vivida, levaram-os onde tinham que ir.

O romance, tratado mais ainda em segundo plano, nos deu cenas memoráveis para quem gosta e que acarretou em um final ao meu ver o melhor possível. Também tenho que dar créditos ao Haymitch, que teve um papel secundário durante toda a trajetória, mas que fez um diferencial enorme. Adorei o final dado para ele também — entretanto no filme é melhor.

Bem redondo e fechado, todos aqueles personagens destacáveis que acompanhamos tiveram um final, trágico ou não. Único adendo é que Finnick poderia ter sido tratado de uma maneira melhor. Ainda mantenho ele como meu personagem favorito, pelas suas atitudes, e o que lhe foi designado não me agradou em nada. Fora esse pequeno ponto, o desfecho foi digno de tudo que lemos.

Não é um exemplar em que esquecerei tão cedo porque as cenas mais marcantes são as mais chocantes. E isso é ótimo para dar um alerta de realidade. São poucos autores que me atingem dessa maneira, e a escrita dessa autora, ela me atingiu.

E vocês, já leram a trilogia? Ou tem vontade? Deixa nos comentários.

"É como se ele estivesse falando as palavras novamente. 'Ah minha querida srta. Everdeen. Pensei que havíamos acordado não mentir um para o outro.' Ele está certo. Nós fizemos esse acordo." pág. 399

site: http://diariasleituras.blogspot.com.br/2017/01/resenha-esperanca.html
comentários(0)comente



Livia.Bianchi 10/01/2017

Jogos Vorazes: A Esperança - resenha
Último livro da trilogia. Emoção. Essa foi a palavra que descreveu o que senti durante toda a leitura. Não vou falar muito porque apenas repetiria o que disse sobre os outros dois livros. Só digo uma coisa: é uma trilogia que super vale a pena!
comentários(0)comente



Lightwood 31/12/2016

Mockingjay.
Diferente dos outros dois livros da trilogia, A Esperança é o mais tenso e psicológico. Eu havia dito em outra resenha que não gostava quando o personagem se remoía, aqui aconteceu e fiquei com um certo receio de que o livro iria deixar a desejar. Ela se repetia em alguns assuntos que me fizeram querer bater nela. Porém, eu parei para pensar e vi que aquilo não era uma brincadeira e que a guerra destroçava seus guerreiros de forma bastante fácil. Às vezes nós pegamos um livro de aventura em busca daquela coisinha básica: mortes, explosões, sangue e um personagem que não se abala com isso facilmente (coisa que não existe).

Katniss é uma personagem totalmente humana e todas as suas queixas, medos e etc, foram compreendidas por mim. A autora não nos passa uma imagem falsa da Guerra: apenas mais um complemento usado para agregar a história. Aqui ela passa que a sociedade atual não consegue distinguir o que é uma morte ficcional e uma de verdade, e que uma morte dentro de um programa de Tv não causa tanto emoção quanto uma que acontece nas ruas.

O livro é cheio de reviravoltas, amor complicado e medos. A escrita da autora não me decepcionou, embora não conseguisse visualizar certos pontos, mas era coisa pouca. Do começo ao fim, esse livro me trouxe emoção e verdades que precisavam ser ditas.


comentários(0)comente



Nuna 15/12/2016

Nem bem comecei e já terminou. A revolução contra àqueles que mantinham o poder às custas de jogos sanguinarios, tirando vidas inocentes. O terceiro e o último dessa saga fantástica, que se tornou uma de minhas favoritas. Deixou saudades. Deixou-me em lágrimas...
comentários(0)comente



Lucas Lopes 04/12/2016

Crítica literária
Katniss encontra-se em um problema entre o distrito 13 e a capital. Em quem Katniss deve confiar? No Snow, o presidente que criou os JOGOS VORAZES, ou Coin, presidenta do distrito 13, que é alucinada por poder! Quem será mais perigoso no poder da capital?
Agora a garota em chamas se encontra num campo de fogo, entre a capital e os rebeldes. Quem fenecerá? Se os rebeldes fenecerem, Coin será melhor do que Snow ou vai se importar só com o poder supremo sobre Panem?
Katniss terá que tirar Snow da presidência e impedir Coin de assumir o poder da capital. Será que Katniss Everdeen, conseguirá realizar tal missão tão importante? Ou ela fracassara igual fracassou em proteger a vida de sua amada e única irmã, que agora esta morta!!
comentários(0)comente



Sor Bogdan Steadfyre 27/11/2016

"Strange things did happen here, no stranger would it be..."
O último livro das sagas que leio costumam ser os piores, e A Esperança não foi diferente. O problema deste livro é seu tom chato e parado, em que supostamente deveria tratar de uma guerra mas, em boa parte dele, só a menciona. O jeito sério de falar das coisas não condiz com os desafios quase infantis que os personagens enfrentam. (Eu não estou dizendo que aqueles casulos e o papo de transformarem a Capital numa arena gigante era ruim, mas sim que isso não fez sentido na história que Collins parecia querer direcionar.) Além disso, Katniss está o tempo inteiro no hospital, por ter sido atingida em algum lugar bem nos momentos em que as cenas estão mais interessantes. Os detalhes mais básicos de como está a revolução nos Distritos, algo que ao menos tinha sido citado no Em Chamas, aqui nem existem.

Os personagens são completamente descartáveis e anônimos, e nem sequer Katniss os conhece direito. O triângulo amoroso se solidificou de uma forma que eu realmente não queria que acontecesse, pois foi desenvolvido exatamente como Crepúsculo. Katniss não soube escolher com quem ficava e no final se contentou com Peeta, pois ele tinha sobrado. Também foi um tanto irritante como ela continuava focando-se na salvação de Peeta, e dependendo completamente nele. O Distrito 13 teve de se arriscar horrivelmente para salvá-lo puramente por causa dela, e isso não mudou a situação em absolutamente nada.

Mas isso tudo não invalida a criatividade que Collins teve para o desfecho, principalmente no que se refere a Coin e à própria Katniss, que, em vez de ser vista como uma heroína da forma que estamos acostumadas, era considerada como mentalmente perturbada, algo que julgo plausível. Collins mostrou que na guerra não existe o lado bom e o lado mau, e que os cidadãos da Capital não são necessariamente ruins e nem os do Distrito 13 necessariamente bons. A autora abordou também alguns assuntos importantes, como o quão longe se pode ir para atingir um objetivo no meio da revolução. É melhor matar os mineiros do Distrito 2 e vingar os do 12, ou deixá-los vivos e talvez trazer ainda mais disputas desnecessárias? Devemos mostrar misericórdia com quem não nos mostrou?
Eric Rocha (Ersiro) 27/11/2016minha estante
Faz dois anos que li este último da trilogia e tudo não está tão fresco assim na minha memória haha, mas pelo que lembro, não gostei muito da forma como a autora trabalhou nele e concordo com sua resenha, você soube exprimir muito bem sua experiência com o livro! Parabéns!


Sor Bogdan Steadfyre 05/12/2016minha estante
:)




1141 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 |