O Vampiro Lestat

O Vampiro Lestat Anne Rice




Resenhas - O Vampiro Lestat


118 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 |


O Gato Yudi 04/10/2017

Moroso, porém fascinante.
Maioria do livro é ambientado no século XVIII e conta a história do vampiro Lestat, que já havia sido apresentado em "Entrevista com o vampiro" como um personagem intragável; porém, ao conhecer a verdadeira história de Lestat muita coisa faz mais sentido, inclusive a personalidade deste personagem e sua própria versão do que aconteceu na história contada no livro anterior pelo vampiro Louis.
Em alguns trechos a história se arrasta quase ao tédio com descrições extremamente longas, diálogos muito românticos e muitos devaneios.
Apesar de o livro ser ambientado em sua maior parte no século XVIII, ele começa e termina no século XX, muitos anos após as memórias retratadas no texto, e essa parte mais moderna, na minha opinião, tirou um pouco do charme da obra, principalmente pelo fato de o vampiro Lestat, clássico vampiro gótico, ser apresentado como uma estrela do rock.
Vejamos se os próximos livros da série vão valer a pena ter jogado a história pros dias atuais.
Definitivamente é um livro cansativo e pouco estimula a leitura dos próximos na sequência, mas tem sua beleza particular.
comentários(0)comente



Annie 02/07/2017

O Vampiro Lestat
- Aquele é Lestat de Lioncourt, é o mal em figura de gente, ele parece um garotinho egoísta, traiçoeiro e descarado, mas na verdade é muito, muito mais que isso."
- Lestat de Lioncout, como é que eu posso começar a explicar Lestat de Lioncourt?"

Lestat é simplesmente icônico! Eu não gostava muito dele em Entrevista com o Vampiro, mas nesse livro ele conseguiu me conquistar totalmente. O príncipe moleque - como é chamado carinhosamente por um antigo vampiro - é completamente irresistível.

Logo na primeira página Lestat se apresenta:

"Tenho um metro e oitenta de altura, o que causava forte impressão nos idos de 1780 quando eu era um jovem mortal. Agora, não é nada de mais. Tenho cabelos louros e cheios que quase chegam aos ombros, mais para ondulados, que parecem brancos sob luz fluorescente. Meus olhos são de cor cinza, mas absorvem facilmente as cores azul ou violeta das superfícies a seu redor. E tenho um nariz bem pequeno e estreito, uma boca bem desenhada, só que um pouco grande demais para meu rosto. Pode parecer muito cruel ou extremamente generosa a minha boca. Mas sempre parece sensual. Neste exato momento sou o que a América chama de superestrela do rock. Meu primeiro álbum vendeu quatro milhões de cópias. Estou indo para San Francisco para a primeira apresentação de uma turnê de concertos por todo o país, que levará minha banda de costa a costa. A MTV, o canal de televisão a cabo que transmite música de rock, vem exibindo meus videoclipes noite e dia há duas semanas. Também estão sendo exibidos na Inglaterra, no programa Top of the Pops, na Europa Continental e provavelmente em certas regiões da Ásia e do Japão. Fitas de vídeo de toda a série de clipes estão sendo vendidas no mundo inteiro. Também sou o autor de uma autobiografia que foi publicada na semana passada. "

Uma regra dos vampiros é que eles não podem se revelar aos mortais, mas Lestat nunca foi de obedecer regras, não é mesmo? No início do livro ele conta que estava deitado na terra - um ato que todos os vampiros fazem, cedo ou tarde quando estão desgostosos com suas vidas imortais. Ele foi despertado de seu sono através do som de uma banda de rock que ensaiava perto de sua casa. Lestat logo se tornou vocalista da banda e trocou o nome dela de Noite de Satã para o Vampiro Lestat. Ele não parou por ai. Também decidiu lançar uma autobiografia e fazer um megashow em São Fransisco. Como podem imaginar esse show vai provocar a ira dos vampiros em todo mundo, o que não causa surpresa em Lestat, apenas divertimento.

O livro não se resume ao presente: Lestat conta sobre toda sua vida mortal e imortal. Ele começa contando sobre quando era adolescente, filho de um lorde francês, quando ficou conhecido como matador de lobos. Nessa parte achei incrivelmente parecida com os lamentos de Louis e senti fortemente o impacto nessa parte:

"— Mas é apenas isso — eu disse —, nós não fazemos nenhuma descoberta na hora da morte! Apenas paramos! Passamos para a não-existência sem jamais saber de coisa alguma. Eu via o universo, tinha uma visão do sol, dos planetas, das estrelas, da noite negra continuando para sempre. E comecei a rir. — Você percebe isso? Jamais saberemos por que diabos tudo isso aconteceu, nem mesmo quando acaba! — berrei para Nicolas que estava recostado na cama, sacudindo a cabeça e bebendo o vinho de um garrafão. — Nós vamos morrer e nem vamos saber. Jamais saberemos, e toda essa falta de sentido vai continuar para sempre. E já não seremos mais testemunhas disso. Nem sequer temos o pequeno poder de dar sentido a isso em nossas mentes. Nós apenas vamos desaparecer, mortos, mortos, mortos, sem nem ao menos saber. Mas eu havia parado de rir. Fiquei parado e compreendi perfeitamente o que estava dizendo! Não havia nenhum Dia do Juízo Final, nenhuma explicação derradeira, nenhum momento luminoso no qual todos os erros terríveis fossem corrigidos, todos os horrores redimidos.
— Mas como você vive, como continua respirando, andando e fazendo coisas quando sabe que não existe nenhuma explicação? — eu estava delirando no final.
— Lestat, creia-me, isso vai passar.
E deixem-me contar-lhes um pequeno segredo. Nunca passou, realmente."

Nós vamos conhecer sobre seu amor pelo teatro. Uma coisa sobre Lestat é que ele precisa ser sempre o objeto de atenção de todos. Esse é um dos maiores traços de sua personalidade: essa necessidade por atenção e aplausos e no teatro ele consegue isso.
Também conta o início do teatro dos vampiros. Uma coisa muito fantástica e que comecei a notar com isso foi que a Anne está s-e-m-p-r-e expandindo a mitologia da sua saga. Se no primeiro livro o teatro é apenas citado, aqui descobrimos seu criador, primeiros integrantes e o motivo pelo qual foi criado. Ela faz isso muitas vezes em sua história: pegar um ponto que pensávamos que ficaria esquecido ou não seria nada demais e transforma aquilo em algo maior.


Lestat não poderia deixar de criar tendência e lança em seu livro várias gírias/expressões que são usadas por imortais de todo mundo, como trilha do diabo, dom negro, jardim selvagem. Confesso que fiquei com vontade de fazer uma camisa com algumas delas haha

"Em meu travesseiro de pedra sonhei inúmeras vezes com o mundo mortal lá em cima. Ouvi suas vozes e sua nova música, como se fossem canções de ninar, enquanto jazia em meu túmulo. E embora esse mundo me exclua com suas formas deslumbrantes, eu anseio por alguém que tenha força para percorrer livremente a trilha do Diabo até o fim. " - Velha Rainha


"Apesar de todos os refinamentos da civilização que conspiraram para produzir a arte — a estonteante perfeição do quarteto de cordas ou o exuberante esplendor das telas de Fragonard — a beleza era selvagem. Era tão perigosa e sem lei quanto a terra fora milênios antes que o homem tivesse elaborado um único pensamento coerente ou escrevesse códigos de conduta em tábuas de argila. A beleza era um Jardim Selvagem. "

"Assim, por que iria feri-lo o fato de mesmo a música mais desesperadora estar cheia de beleza? Por que isso iria magoá-lo, torná-lo cínico, triste e desconfiado?
O bem e o mal são conceitos criados pelo homem. E o homem é melhor, de fato, do que o Jardim Selvagem. "

O livro ainda conta sobre a criação de seus primeiros vampiros e o encontro de Lestat com o antigo e poderoso Marius quando Lestat conhece a Mãe, a antiga rainha Akasha, também conhecida como a Rainha dos Condenados.


No final do livro mostra o tão aguardado e polêmico show em São Francisco. Bem, realmente não posso falar muito sobre isso, por mais que tenha vontade. Você ler essa parte sem conhecer nenhum spoiler é a coisa mais fantástica. Você não consegue acreditar no que está lendo, de tão louco que é.


Como já disse antes, Lestat é absolutamente incapaz de seguir qualquer ordem, obedecer qualquer coisa e é isso que o faz tão único. Mesmo que eu tentasse descrever o prazer que senti ao ler esse livro não adiantaria, você precisa conhecer a história por si só, mesmo que não seja fã de vampiros, eu também não era antes de conhecer as Crônicas, tenho certeza que vai ser uma experiência maravilhosa.

Leia mais no Blog::

site: https://eradistopica.wixsite.com/eradistopica/single-post/2017/06/13/O-Vampiro-Lestat---Resenha
comentários(0)comente



Milas Caldas 17/06/2017

Há um tempinho atrás, eu falei aqui para vocês sobre o livro Entrevista com o vampiro, Acho que todos se recordam daquele vampiro chamado Lestat. Aquele ensandecido por sangue e completamente desequilibrado vampiro descrito por Louis em suas memórias. Mas nem o próprio Louis conhecia a história de vida de Lestat por completo. No segundo livro das crônicas vampirescas, a história continua, e devo adiantar que eu passei a amá-la ainda mais.

Após anos adormecido, Lestat acaba “retornando à vida”, e descobre a existência do livro “Entrevista com o vampiro”, onde seu amado Louis conta toda a sua história de vida. Querendo desesperadamente reencontrar Louis, Lestat resolve fazer algo completamente inovador: ele monta uma banda de Rock chamada O Vampiro Lestat.

Paralelo a isso, ele resolve escrever uma autobiografia, também intitulada O Vampiro Lestat, onde ele conta toda a sua vida antes e após a “morte”. Conta sobre suas viagens ao redor do mundo, na sua incessante busca por conhecimento e significado de sua sombria imortalidade. Ele conta todos os encontros com outros vampiros, inclusive com Aqueles que devem ser conservados.

Em meio à própria história, Lestat ainda conta a história de outros personagens, uns já conhecidos pelos leitores e outros completamente novos, que serão importantes peças nos próximos livros da série.

De um jeito que só a Anne Rice consegue, o livro cativa e hipnotiza o leitor do inicio ao fim, fazendo com que queira saber mais e mais sobre o nosso querido Lestat. É um de meus livros favoritos da série, pois depois da pequena Claudia, Lestat é o meu personagem favorito da trama.

site: http://minhacontracapa.com.br/2016/08/resenha-o-vampiro-lestat-as-cronicas-vampirescas-vol-2-de-anne-rice/
comentários(0)comente



Pedro 25/05/2017

Charmoso e irresistível
Seguido de Entrevista com o Vampiro, O Vampiro Lestat é o segundo volume das Crônicas Vampirescas no qual Lestat narra sua história de vida, desde sua juventude mortal num vilarejo no interior da frança, quando se muda para Paris e é transformado contra sua vontade em vampiro até seu ressurgimento nos tempos modernos como um famoso cantor de rock.

Lestat é transformado em vampiro por Magnus, que logo após a transformação se suicida numa pira de fogo, deixando o recém criado com uma imensa fortuna e sem saber nada sobre quem é ou como sobreviver a sua nova condição. O protagonista é charmoso, impulsivo e imprevisível. Diferente dos outros vampiros que ele vai conhecendo em sua jornada ele tem uma ânsia pelo conhecimento. As alterações de humor de Lestat são intensas e sua reflexões são maravilhosas. Suas ações reverberam através dos personagens secundários e de séculos a frente, e nem sempre isso é uma coisa boa para ele.

''E um estranho pensamento me ocorreu, o de que a luz do Inferno deveria ser tão brilhante quanto a luz do sol, e seria a única luz que eu veria de novo.''

Em meio a caça de lobos em um montanha gelada, a destruição de uma seita vampírica, a descoberta dos primeiros da espécie e um show de rock que muda tudo somos jogados numa narrativa ágil e recheada de personagens únicos e carismáticos, inclusive sabemos a versão de Lestat dos acontecimentos de Entrevista com o Vampiro.

O Vampiro Lestat é uma das grandes obras primas de Anne Rice que começa a aprofundar a mitologia das Crônicas Vampirescas da melhor forma possível. Lestat fala com o leitor, expondo sua personalidade e seu Eu Vampiro dizendo: ''Aqui estou eu, e você pode vir.''


site: https://www.conversaurbana.com/single-post/2017/05/24/O-Vampiro-Lestat-Anne-Rice
comentários(0)comente



Momo Del Rey 17/05/2017

Levei muito mais tempo pra terminar esse livro do que eu gostaria. Vou tentar explicar o porquê. Anne Rice é e sempre será minha musa dos vampiros. Por mais que surjam outros autores famosos por aí e explorem o tema muitíssimo bem, como a Charlaine Harris, por exemplo, a Anne Rice ainda está no topo da minha lista. Ainda estou longe de ler todas as obras dela, mas isso não importa. O que importa é que os dois primeiros volumes das Crônicas Vampirescas já me conquistaram pra toda vida.

Entrevista com o Vampiro é uma obra de arte. Não sei se escrevo sobre ele aqui, porque li tem tanto, mas TANTO tempo que não sei se conseguiria escrever algo que prestasse. Mas já fica recomendado pra qualquer um que se diz fã de vampiros. Deslumbrada com o mundo criado pela Anne Rice, peguei O Vampiro Lestat com a mesma empolgação feliz que lembro ter sentido quando terminei Entrevista. O livro começou bem, e me encantei com o nosso querido vampiro francês, destronando o Louis, que até então era meu preferido.

Aí começou o drama. O drama eterno. Infinitas páginas e séculos parecem se arrastar no lance Lestat-Gabrielle-Nicholas. Não que a coisa toda seja ruim, é só que...Muitas páginas são gastas nesse momento, e o Lestat é TÃAAAAAO Drama Queen que eu confesso que fiquei bastante entediada. Foi aí que eu abandonei o livro por mais ou menos um ano. Cheguei a ler um ou outro capítulo, mas sentar pra terminar mesmo, nada.

Decidida a terminar e enfrentar os dramas do Lestat, peguei de jeito nas férias e aí foi só alegria. Acontecem coisas que não posso falar, o Lestat encontra o Marius e aí o livro fica muito bom. Muito bom de verdade. Me apaixonei pelo Marius, e ele quaaaaaase conseguiu roubar o título do Lestat de vampiro preferido de todos os tempos.

Depois de contado seu passado e revelado todos os segredos a respeito Daqueles Que Devem Ser Conservados, a história volta pro presente e chega em seu clímax: o show da banda de rock O Vampiro Lestat. Nessa hora eu surtei. Valeu a pena ter lido tudo, valeu a pena ter sofrido com o drama eterno, valeu a pena ter suportado o chato do Nicholas (desculpa, mas ele é um chato mesmo!). O final é de tirar o fôlego!

O Vampiro Lestat está recomendadíssimo, principalmente pra quem quer ver o outro lado da moeda. O Louis queima bastante o filme do Lestat em Entrevista...Então é bom ver as justificativas do francês!
comentários(0)comente



Lili 26/02/2017

O Vampiro Lestat
Livro e personagem muito melhores que seus antecessores, "Entrevista com o vampiro" e Louis. Lestat é, como definido por um de seus pares, "a criatura mais impossível". É muito interessante conhecer melhor este vampiro (que para mim é o mais interessante de toda a literatura) e ouvir sua versão dos fatos. Louis tem uma péssima ideia sobre quem é Lestat, e neste livro podemos perceber que ele nem de longe é o ser cruel e sem sentimentos que Louis nos apresenta em seu livro.

Irreverente. Resistente a regras. Insubordinado. Acho que estas são as características mais marcantes de Lestat. Mas ele também tem suas crises de consciência e não sai por aí matando inocentes sem nada sentir, como Louis descreveu. Ele é um vampiro e tenta achar seu lugar no mundo, tenta entender sua natureza e adivinhar seu destino. Mas de uma maneira muito menos chorosa e lamurienta que a de Louis em sua Entrevista.

Quanto ao livro, percebe-se claramente uma fase de dúvidas ou total descrença da autora em tudo o que se refere a Deus ou religião. Lestat faz questionamentos que soam como desafios a todo tipo de crenças, às vezes até de maneira infantil. Prefiro ler o livro como uma simples fantasia vampiresca, pois a parte "filosófica" não me agradou muito. Soou somente como revolta, sem nada muito consistente a acrescentar.

Recomendo muito este livro, especialmente para quem gostou do livro e/ou do filme "Entrevista com o Vampiro". É uma excelente continuação. Agora vamos ao "Rainha dos Condenados".
comentários(0)comente



Diogo 17/11/2016

Falam tão mal do vampirinho vagalume de crepúsculo, mas esses vampiros da rice não ficam muito atrás. Esse lestat é um goy, emo, carente que não para de reparar na beleza de outros machos, assim como aquele tal de armand (o que diabos é aquilo meu deus?) pura frescura. (Nada contra nada, mas ler sobre isso em 300 das 600 páginas do livro enche o saco). Os vampiros de rice precisam ser belos, com a esdruxula desculpa de que assim, estariam ofendendo a obra prima da criação divina. São chamados de mortos-vivos, mas possuem o sistema circulatório funcionante, respiram (nunca vi isso em outra obra vampiresca), ah sim, eles também têm nojinho de cadáveres! A autora engorda seu livro com descrições gordas de emoções conflitantes e lamurientas, para enaltecer o estilo gótico, e acaba tornando a leitura massante. A única coisa que salvou foi a história de marius e o final.

site: Muita afetação
comentários(0)comente



FabiSaLi 08/11/2016

Não é o tipo de livro que eu costumo ler, então, até o meio do livro, para mim, a leitura foi arrastada. Só no finalzinho do livro, comecei a me interessar mais. Mas, a escrita é incrível, para quem gosta de uma leitura mais gótica ou é super fã de Entrevista com Vampiro, vai amar.
No começo, achei meio perturbadoras algumas coisas que aconteceram e, quando parecia que eu tinha lido 50 páginas, só tinha lido 5, por isso dei as 3 estrelas.
comentários(0)comente



clara 06/11/2016

O Vampiro Lestat
Confesso que esperava mais deste aqui. Primeiro porque Entrevista Com Vampiro é simplesmente maravilhoso e eu sou completamente apaixonada pela história que rodeia esse trio. Segundo porque o livro está bem classificado, e a galera daqui costuma ser bem exigente. Mas isso não quer dizer que o livro foi ruim, só não o que eu esperava. É legal ver o outro lado do impulsivo Lestat, tão ambíguo na visão de Louis, o que consequentemente nos fez vê-lo como ambíguo também, já que Louis é o nosso olho e mente no primeiro livro. Agora consigo olhar para Lestat de outra forma, como um sonhador, ainda impulsivo mas movido pela curiosidade e não pela perversidade. É claro que Louis é muito mais carismático e humano que Lestat, mas mesmo assim, Lestat tem um lugar no meu coração depois desse livro
comentários(0)comente



Giselle 23/10/2016

Esse livro fez eu me apaixonar pelo Lestat
Anne Rice tem realmente o dom para criar personagens fascinantes e estórias intrigantes. Se no livro Entrevista com o Vampiro, Lestat é um grande vilão, já nesse segundo livro passamos a compreender muita coisa, o que o torna não só um complemento genial ao primeiro livro, mas também faz com que o leitor perceba página após página que de vilão, Lestat não tem nada.
Lestat é um personagem que odiamos e amamos. E neste livro isso acontece ao mesmo tempo, passamos a conhecer o antes e após a “morte”, sua viagem ao redor do mundo, na sua incessante busca por conhecimento e pelo significado de sua sombria imortalidade, no livro também é apresentando as fragilidades e lutas e passamos a conhecer ainda melhor esse intrigante personagem e somos seduzidos com o seu eu de uma forma tão descarada e brilhante. O livro cativa e hipnotiza o leitor do inicio ao fim, fazendo com que queira saber mais e mais sobre o Lestat.
O livro começa com Lestat em sua juventude, enquanto ainda é humano. Ele dá detalhes de sua vida, de seus problemas familiares e também das suas relações pessoais. Lestat narra toda a sua trajetória até se tornar vampiro e, claro, conta como se tornou um. Lestat é e continua sendo o melhor personagem de vampiro já escrito, sarcástico e como não poderia deixar de ser mais terrível. Todo seu processo de se tornar vampiro é realmente envolvente e muito bem desenvolvido. É muito interessante ler como foi a relação que Lestat com sua mãe e como este vínculo influenciou o personagem e várias decisões e seu comportamento. Sem duvidas, Lestat continua a surpreender e apaixonar, só que mais impiedoso, debochado e terrível, livro de qualidade e muito bem escrito.


site: Lestat, Anne Rice, As Cronicas Vampirescas
comentários(0)comente



Douglas 26/09/2016

O Vampiro Lestat
Anne Rice prova, neste livro, sua ousadia.

O Lestat que conhecemos no primeiro volume das Crônicas Vampirescas é totalmente desconstruido e, eu diria, reinventado. Confesso que durante a minha leitura de "A Entrevista com o Vampiro", Lestat me parecia um personagem entediado e fútil, servindo somente para contrastar a personalidade resignada e reflexiva de Louis.

Mas neste livro, a autora resolveu, de forma magistral, reinventar Lestat e toda a mitologia vampiresca na literatura mundial. Em "O Vampiro Lestat", acompanhamos o protagonista desde antes de sua transformação até acontecimentos futuros à "Entrevista com o Vampiro". Lestat se mostra um personagem esférico e com muitos questionamentos acerca da sua imortalidade. Personagens conhecidos, como Armand e Louis, e novos, como a incrível Gabrielle são criados com muito mais facetas do que os do primeiro livro.

Nunca na literatura, alguém recriou o mito dos vampiros com tanta habilidade sem descaracterizar a figura de horror que está tao arraigada na nossa cultura. Anne Rice é corajosa e competente na sua segunda obra e a nós, basta agradecer.
comentários(0)comente



Nara 29/08/2016

Até onde consigo me lembrar, esse foi o primeiro livro que li sobre vampiros. E, apesar de já ter lido outros autores sobre essa temática posteriormente, na minha cabeça os vampiros de Anne Rice ficaram para sempre como OS vampiros. Sedutores, misteriosos, envolventes e muito, muito perigosos.
Sei que as Crônicas Vampirescas começam pelo "Entrevista com o Vampiro", mas acabei lendo-o apenas após "O Vampiro Lestat". É extremamente interessante a diferenciação nos pontos de vista entre os personagens, por vezes dando a impressão de que realmente são autores diferentes.
Não vou mencionar detalhes da história, mas se alguém quiser saber se recomendo ou não, minha resposta é: não começou a ler ainda por quê?
comentários(0)comente



Meg Mendes 26/08/2016

Anne Rice escreve maravilhosamente bem, acho suas descrições trabalhadas e de uma riqueza de detalhes estonteante!!!

Amo muito
comentários(0)comente



Blackangel 25/03/2016

Lestat é o sétimo filho do marquês d'Auvergne e nasceu em 1760, em Auvergne, França, em um castelo pertencente a seus antepassados. Apesar da sua aparente nobreza ele cresceu em uma pobreza relativa; seus antepassados esbanjaram as riquezas da família delapidando assim a fortuna familiar. Como o mais novo filho da família, Lestat ascendia a nada herdar. Sua relação com seu pai e irmãos eram tensas devido a diferenças irreconciliáveis.
Talvez o momento mais crucial de sua vida mortal, foi quando as pessoas da cidade vieram para lhe falar sobre lobos que entraram na aldeia estuprando as pessoas. E enquanto caçava ao redor das montanhas de Auvergne, foi atacado por oito lobos, que quase causaram sua morte. A morte de seu cão de caça e seu cavalo, teve um profundo efeito sobre sua aparente estabilidade mental. Ele retornou para casa, determinado a seguir o seu próprio caminho.
Lestat cai numa profunda depressão após seu encontro com os lobos e perde o sentido da vida, e acompanhado de um amigo violinista de nome Nicolas, ele deixa Auvergne e vai para Paris, com intenção de se tornar um ator de teatro. Durante uma peça, ele atraiu a atenção de um antigo vampiro chamado Magnus, que o rapta e transforma em vampiro contra vontade, e depois comete o suicídio atirando-se em uma pira, deixando Lestat para defender a si próprio, sem qualquer tipo de orientação. Lestat descobre que agora é herdeiro de uma inesgotável riqueza, e começa uma aventura que o leva a conhecer todo o mundo.
comentários(0)comente



Valéria 18/01/2016

ESTOU APAIXONADA!!!
RESENHA DE LIVRO NÃO, VOU CONTAR A HISTÓRIA DA MINHA VIDA, haha...
Pensa em um livro que me deu trabalho... precisava completar as crônicas, achava TODOS para vender, menos esse bastardinho. Fiquei meses loucaaaa atrás desse livro (e detalhe: tinha que ser nessa capa), mandando email atrás de email pra tudo que é livraria, editora e afins, quando finalmente tive a ideia de ver aqui no Skoob quem estava trocando esse livro e por um milagre divino, um menino me mandou essa maravilha...

Gente, foi o melhor livro que li na vidaaaaa. E confesso que amei mais ainda por finalmente ter ele em mãos... Lestat é DEUS, meu vampiro favorito desde sempre. Sempre falo que livros muito bons não devem ser resenhados, pois nenhuma palavra vai ser suficiente para descrevê-lo...

Então nada de resenha pra esse.. apenas tirem um tempinho na vida e bora pra leitura!!!
VinAcius.Leite 11/02/2016minha estante
Valéria, como eu faço pra fazer isso que você fez? Eu estou na mesma situação que você! Já mandei email, procurei em sebos na minha cidade e até online e não achei esse livro! Por favor, me ajuda...




118 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 |