A Jangada de Pedra

A Jangada de Pedra José Saramago




Resenhas - A Jangada de Pedra


49 encontrados | exibindo 1 a 16
1 | 2 | 3 | 4


regifreitas 18/04/2021

A JANGADA DE PEDRA (1986), de José Saramago.

Mais uma obra concluída para o projeto de ler os romances de José Saramago em ordem cronológica. Este, o sétimo romance publicado pelo autor, foi uma releitura para mim; o primeiro contato com a obra havia sido em 2010.

Aqui observamos elementos que já vinham se tornando recorrentes no trabalho do Nobel português desde as obras anteriores. O realismo mágico mesclado com um subgênero que os estudiosos vêm nomeando de metaficção historiográfica. Saramago se vale de acontecimentos históricos, mas reinterpreta-os de forma livre e subjetiva. O humor ácido, as digressões filosóficas, a mistura dos discursos direto e indireto, a sintaxe e a pontuação característica, todos também estão presentes.

Em um dado momento, a Península Ibérica se desgarra da Europa. Uma fenda se abre nos Pirineus, aumentando aos poucos, até o ponto que Espanha e Portugal se afastam cada vez mais do continente europeu, numa espécie de ilha flutuante ou uma jangada de pedra, vagando cada vez mais para o ocidente através do Atlântico. O fato inusitado acaba reunindo seis personagens (três homens, duas mulheres e um cão), que até então não se conheciam. Esses seres também haviam presenciado, cada qual, insólitos acontecimentos que, por algum motivo, uniu-os numa jornada através da Península flutuante. É a trajetória desses personagens que acompanhamos, tendo como pano de fundo as repercussões, em Portugal e Espanha, bem como na Europa e no mundo, do estranho acidente geológico ocorrido.

É um Saramago em toda a sua genialidade, mostrando porque se tornou um dos maiores nomes da literatura do final do século XX. Se é uma obra que se destaca dentro da produção contemporânea, quando penso nos outros livros do autor português existem trabalhos que acabo gostando mais. Mas são por detalhes mínimos que isso ocorre, pois se trata de um romance fenomenal.
comentários(0)comente



Raisa 23/01/2021

"Ao mar o que ao mar pertence, a terra que fique com a terra."
Saramago faz uma metáfora fantasiosa da península ibérica se desgarrando da Europa e vagando pelo oceano como uma crítica à desassociação cultural e identitária de Portugal e Espanha em relação à Europa.A forma como ele conta a história é o próprio livro. Um clássico afiado Saramago.
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



Fernão 16/12/2020

A jangada voltou só ?
A história é de amor e rebeldia, mágica e realismo, triste e esperançosa, dentre tantas outras coisas que tão bem combinam com a juventude. Contudo, é escrita por um autor já velho e por personagens também distantes de quando nasceram.

E é como um nascimento que um poeta português retrata a cisão da Ibéria. Se ela se parte devido aos feitos dos personagens ou os personagens tem seus feitos retratados por causa do desvencilhar, não se sabe. Só sei que as histórias e as viagens e os sonhos do livro foram, sem exceção, lindos. Mal posso esperar pra ler outros do autor.
comentários(0)comente



Rafaela 27/09/2020

O papel da Península Ibérica na identidade europeia.
Que beli?ssima travessia foi navegar junto deste livro!

Num dia ordina?rio, por razo?es misteriosas, uma rachadura fissura a terra na regia?o dos Pirene?us, cordilheira que delimita a fronteira entre Espanha e Franc?a. Em questa?o de dias, toda a Peni?nsula Ibe?rica se desprende do resto da Europa e passa a flutuar pelo oceano como uma imensa jangada de pedra.

Conforte a Peni?nsula vai navegando desordenada e sem rumo, os caminhos de cinco personagens sa?o unidos pelos acontecimentos fanta?sticos que ocorreram com cada um no momento da grande ruptura.

Assim, duas mulheres, dois homens, um velho, um ca?o e dois cavalos iniciam uma jornada sem destino pelas ancestrais terras ibe?ricas, aprendendo com suas diferenc?as que o propo?sito do viver esta? na partilha e no pertencimento.

A jangada de pedra e? uma meta?fora sobre o papel de Portugal e Espanha na construc?a?o da identidade europeia. Quais as semelhanc?as e diferenc?as que os unem e separam dos outros pai?ses do continente? Acima de tudo, qual o papel de cada indivi?duo na formac?a?o de uma nac?a?o?

Esse e? um daqueles livros que na?o e? tanto sobre o enredo em si, mas sim sobre como a histo?ria e? contada. A escrita de Saramago e? singular, magistral e poe?tica, combinando realidade e fantasia para compor citac?o?es emocionantes. E? a prova sublime do milagre que e? a li?ngua portuguesa.

Foi uma leitura muito desafiadora para mim, principalmente pela estrutura e linguagem, e na?o indico para um primeiro contato com a obra de Saramago. A quem deseja se aventurar neste livro, recomendo pacie?ncia e persiste?ncia: se deleite em cada frase, tenho certeza que no final sera? transformador!
Nota: 10/10 ?
comentários(0)comente



Lisandro 08/09/2020

Queremos dizer amor e não nos chega a língua. Queremos dizer quero e dizemos não posso.
"Gente, ainda mais numerosa, que não encontrou alojamento e vive por aí debaixo das pontes, ao abrigo das árvores, dentro de automóveis abandonados, quando não ao puro relento, quem imaginou que Deus veio viver com estes anjos, saberá muito de anjos e de Deus, mas de homens não conhece nem a primeira letra." José Saramago
comentários(0)comente



asteuwick 04/07/2020

O Poder das Palavras..
O que mais me encantou no livro não foi a história, mas sim a forma com que ele é escrito. A escolha e organização de palavras de Saramago é simplesmente sublime.
comentários(0)comente



Carolina 03/05/2020

Li esse livro pela terceira vez, sempre uma nova descoberta.
O livro nos faz refletir sobre a fragilidade das relações sociais. Também nos convida a pensar sobre nossa necessidade de explicar as coisas do mundo, bem como a não essencialidade de
certas palavras.
comentários(0)comente



Luíza | ig: @odisseiadelivros 29/03/2020

Leitura de quarentena #1
O meu primeiro livro do Saramago foi lido em uma quarentena. Talvez não o melhor momento para ler um livro em que ocorra um evento tão incomum. Ou talvez seja o momento ideal, a depender da perspectiva. Ainda não me decidi.
O evento incomum, que ocorre nas primeiras páginas do livro após uma série de digressões que farão sentido ao decorrer da história, é a cisão da Península Ibérica do restante da Europa. Simples assim. Em um momento, a Espanha dividia a fronteira com a Espanha; no outro, um espaço começava a se abrir.
Um evento tão incomum deveria ter uma explicação lógica, não? Ora, pelo pouco que ouvi falar de Saramago, isso não é tão necessário. A partir daí, somos formalmente apresentados a quatro personagens, a partir da viagem do primeiro: Joaquim Sassa, que arremessou ao mar uma pedra de massa superior a que conseguiria normalmente carregar; José Anaiço, um homem que subitamente passa a ser perseguido por milhares de estorninhos; Pedro Orce, que sente vibrações do chão, mesmo que ninguém as sinta; e Joana Carda, cujo risco no chão com uma vara de olmeiro a faz acreditar que possui culpa pela cisão. Há, posteriormente, a integração da personagem Maria Guavaira, que encontrou uma meia que não termina de se desfazer, e de um Cão, que os guia em determinado ponto da história.
É com esses personagens que Saramago faz uma analogia à criação da União Ibérica, na qual Portugal e Espanha ficaram à deriva, como se realmente se desprendessem do continente e navegassem (como ocorre no livro) pelo Oceano Atlântico como uma grande jangada de pedra. Não barco, nem navio, veja bem, jangada, como de importância inferior. Tão inferior que o mundo reage com pouco caso, exceto os Estados Unidos que querem saber como podem se beneficiar da situação.
É uma analogia política, de modo que a população, a "arraia-miúda", é deixada de lado nesse interím. Mais à deriva do que a Península Ibérica. Por isso, o foco são esses seis personagens aparentemente comuns, que de repente se tornam incomuns, e que, subitamente, perdem-se da normalidade e se encontram para se estabelecer em meio ao caos. É um livro belo quanto a sua metáfora, que nos faz pensar juntamente com as reflexões do narrador a respeito não só da política, mas da vida humana.
A dificuldade maior foi superar a dificuldade da linguagem de Saramago. É ainda muito difícil pra mim, talvez lendo-o mais eu possa superar essa barreira. O outro empecilho são as diversas divagações, que, em um primeiro momento, não parecem ter finalidade, mas de certa forma se encaixam na narrativa. E os personagens. São meio apáticos, difíceis de se conectar. Talvez eu ainda não esteja na vibe Saramago e talvez nunca vá entendê-lo de fato.
comentários(0)comente



neide 15/03/2020

O livro descreve um acontecimento surreal. A peninsula Ibérica se separa da Europa e vai navegando pelo Atlântico como se fosse uma Jangada de Pedra.
Ótima leitura para quem gosta de história.
Gostei muito. Saramago sempre criativo.
Recomendo a leitura
comentários(0)comente



Guilherme 26/12/2019

Dos 6 livros do Saramado que já li só 1 eu achei mais ou menos, Manual de Pintura e Caligrafia, todos of outros me surpreenderam mais do que eu esperava, e olha que em Jangada de Pedra o hype já era alto. A sinopse pode ser descrita como outros livros do escritor: e se, Portugal e Espanha se soltassem da Europa. Só com isso ele já tem o meu interesse. Contudo, a maioria dos escritores estragaria essa premissa dando um ar muito catastrófico e focando muito mais no evento do que no impacto deste sobre as pessoas. E é exatamente isto que o Saramago faz nas suas histórias, seleciona alguns personagens, que parecem aleatórios inicialmente, e vai desenvolvendo eles lentamente, até que chega um ponto em que o leitor realmente se importa com todos eles , porque você conhece eles naturalmente e percebe que são um retrato perfeito do que a península está passando, estão sozinhos e precisam se agarrar um ao outro.
comentários(0)comente



Renato Américo 01/07/2019

“É bem certo que as palavras nunca estão à altura da grandeza dos momentos.”
O que fazer quando seu mundo está a deriva? Nessas páginas encantadoras, Saramago tece com profunda sensibilidade um retrato sobre o sentido da Busca.
Da mais improvável das rupturas, a iminência de uma tragédia. E quem dirá que nunca, ao sentir a terra tremer e o céu rodopiar após uma separação, questionou-se a si sobre si? Perdidos (e, talvez por isso, finalmente livres) esses personagens, esses países, essas culturas se questionam e buscam (estradas possíveis de um destino irremediável) por identidade, propósito e redenção.
Lendo este livro aprendi que, de certa forma, também me questiono e busco.
Nos descaminhos de uma Ibéria em extinção, reconhecemos um pouco daquilo que habita em nós mesmos e que, improvável como uma jangada de pedra, ainda insiste em navegar. Como canta Humberto Gessinger: "Meu coração é um porto sem endereço certo, é um deserto em pleno mar."
Jess.Carmo 01/07/2019minha estante
Estava sentindo sua falta aqui no Skoob, Renato.


Renato Américo 01/07/2019minha estante
Muito obrigado querida! Ultimamente estive sem tempo realmente, mas espero agora poder retomar as leituras. :)


biagonfei 02/07/2019minha estante
Adorei a resenha!! Me deu muita vontade de ler o livro. Saramago está na minha listinha pessoal de leitura, com certeza. ;)




Jopa 01/02/2019

Boa leitura
Não é exatamente a melhor história que você vai ouvir, mas é muito bem escrita e contada, com grandes recursos linguísticos, de pontuação e um rico vocabulário. Explora um pouco a visão do que é ser ibérico em relação ao mundo e a si próprio. Não conheço bem a obra de Saramago, só havia visto o filme do ensaio sobre a cegueira, mas gostei desse livro.
comentários(0)comente



Ocelo Moreira 16/01/2019

A Jangada de Pedra (Península Ibérica)
Ler Saramago é sempre enveredar nas entranhas da língua portuguesa. Ou seja, num português erudito e rebuscado que nos fascina a cada página virada.

Confesso que sou fã de Saramago desde a primeira vez que o li, apesar que, na época, após ler seu livro fiquei alguns minutos a pensar sobre a alusão que o autor havia feito. Fascinante!

Esse é o terceiro livro que leio de Saramago, primeiro foi “Ensaio Sobre a Cegueira”, segundo “Caim” e agora “A Jangada de Pedra”. Eu também tenho “O Memorial do Convento” que pretendo ler nas férias. Livro que tornou José Saramago conhecido no mundo inteiro.

Você pode estar se perguntando; ele se diz fã de Saramago, mas só leu três livros até agora. Para mim ler Saramago é se dispor de tempo integral e está totalmente focado exclusivamente em sua leitura. Lê-lo não é só gostar de leituras, mas também de conhecer a própria língua. Como o autor é de um vocabulário riquíssimo, acabamos por muitas vezes consultando o dicionário!

Após racharem os Pirineus, a Península Ibérica se desgarra da Europa. Transformando-se assim numa ilha (A Jangada de Pedra), navegando à deriva pelo oceano Atlântico.

Com o tal espetacular acidente geológico e outros insólitos acontecimentos unem quatro personagens principais dessa odisseia apocalíptica. Literalmente viajamos na linguagem saramaguiana.

É uma história sobre os povos ibéricos que o autor nos conta e descreve pela memória de um narrador e seus personagens cujas andanças acompanha.

Com uma narrativa excepcional, usando do cotidiano e de um surrealismo vigoroso que transforma uma realidade incomum num mundo antagônico. Usando-se do cômico e da ironia o autor nos mostra uma humanidade condena ao erro e presa aos seus mais íntimos instintos primitivos!
comentários(0)comente



Leituras do Sam 19/12/2018

As viagens com Saramago
É a minha segunda leitura desse romance e digo sem somora de dúvidas que terminei com a certeza de que li "errado" da primeira vez. Dei 2 estrelas e agora só posso dar 5.
O livro é lindo, dramático, tem realismo fantástico, tese, metalinguagem, uma estrutura narrativa dinâmica e interessante.
É quase um microcosmos da obra de José Saramago.
Amo os personagens desse livro.
Amo esse velhinho que agora só está entre nós através das belas estórias que sua mente criou.

@leiturasdosamm
comentários(0)comente



49 encontrados | exibindo 1 a 16
1 | 2 | 3 | 4