A Vida em Tons de Cinza

A Vida em Tons de Cinza Ruta Sepetys




Resenhas - A Vida em Tons de Cinza


273 encontrados | exibindo 1 a 16
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 |


Desi Gusson 03/05/2012

Uma mensagem comovente.
Nunca li tantos davai! (russo para depressa) na minha vida e, no começo, até achei engraçado que a fonética se parecesse tanto com a resposta costumeira para a tradução: já vai!

Fim da parte engraçada. Sério.

Talvez vocês não saibam, mas eu tenho uma obsessão saudável pela Rússia, coisa leve só que não. Também me interesso bastante por história, particularmente Renascença e 2ª G.G. Ainda assim, o livro da Ruta Sepetys me surpreendeu muito. Sério mesmo. Eu sabia que Stalin tinha sido tudo, menos legal, e que tinha abusado de seu povo, como basicamente qualquer regime comunista. Mas não tinha uma dimensão real do estrago que foi, das barbaridades dispensadas sem segunda olhada. Como disse um dos personagens, Hitler e Stalin foram dois demônios que desejam governar o inferno.

Estima-se que 20 milhões de pessoas sucumbiram nas mãos de Stalin, os países bálticos perderam um terço de sua população e mesmo aqueles que sobreviveram às inumanidades soviéticas, não podiam contar a absolutamente ninguém. Ou seriam mandados de volta para seus campos de trabalho forçado.

Assim como o famoso A Menina que Roubava Livros, essa trama mostra uma parte frequentemente esquecida nas páginas dos livros de história e, se você gostou do livro de Markus Zusak, vai encontrar nesse a mesma escrita tocante e simples. Arrebatadora.

Era arriscado carregar ou guardar nossa ração de quando Ivanov estava por perto. Ele adorava roubar nossa comida. Trezentos gramas. Era só o que recebíamos. Certa vez, eu o vi arrancar um pedaço de pão de uma velha. Ele o enfiou na boca. A mulher ficou olhando, sua boca vazia mastigando junto com a dele. Ele cuspiu o pão no pé dela. Ela se jogou no chão para pegar e comer cada pedaço.

Também fui cética com a sinopse, mas ela estava completamente certa. O livro de Ruta Sepetys é uma mensagem de amor. Ele desperta reflexão, profunda comoção e mostrou o poder que a compaixão tem de manter as pessoas de pé, quando isso é a única coisa que elas tem.

Acho que me precipitei ao criticar os novos ativistas, pessoas que se dizem filantrópicas por terem cedido 30 minutos de suas vidas para assistir um vídeo. Pelo menos agora elas sabem o que acontece lá fora. Tenho até medo de pensar no que ainda vamos descobrir.

Por isso, leiam A Vida Em Tons de Cinza, pesquisem, contem a alguém, reflitam. Coisas como a história de Lina ainda acontecem e só se perpetuam porque grande parte do mundo não sabe. Quando me refiro a mundo, quero dizer a população e não apenas seus lideres. Só um exemplo: a Coreia do Norte. Não sabe do que eu estou falando? Experimentem colocar campos de concentração na Coréia do Norte no Google e tirem cinco minutos para ler as poucas noticias a respeito.

Como os russos, os norte-coreanos ainda negam que tal coisa exista.

Agora nós sabemos que os russos mentiram.
Sara 07/02/2013minha estante
Adorei o livro, as páginas iam me conquistando aos poucos e os personagens também, só achei que o final poderia ter sido melhor, achei que ficou meio vago oq aconteceu com Lina e Jonas.


Aline Stechitti 13/07/2013minha estante
Eu prefiro "A vida em tons de cinza", achei "A menina que roubava livros" maçante. Esse te gruda na leitura de uma forma q é impossível largar. Nunca um livro me fez chorar tanto na vida.


Paola 20/09/2013minha estante
Livro maravilhoso. Li em 2 dias. Me surpreendeu!


Joice 02/09/2014minha estante
Muito lindo , nos faz imaginar tudo que esta acontecendo na historia e comparar com as nossas situações diárias e como enfrentaríamos as situações vividas pelos personagens




Mari.Vasconcelos 05/09/2021

Um livro digno de contextualização
Um livro emocionante, de uma leitura rápida e que te prende. Apesar do foco ser sobre o domínio de Stalin sobre(no caso) os países bálticos, a autora retrata a força do patriotismo, mas sobretudo, o que uma guerra faz com a alma das pessoas, o que ela pode arrancar à força e a força daqueles que não deixam arrancar suas almas.
O que mais me impressionou, tendo em vista, que esse seja um assunto tão repercutido, é o apelo que Ruta faz, para que não deixemos essas histórias virarem apenas histórias. Foi uma guerra que devastou literalmente países inteiros e que ao contrário da invasões nazistas, o domínio monstruoso da Lituânia não podia ser amplamente divulgado. Os sobreviventes, mesmo muitos anos depois, ao voltarem ao seu país natal eram tidos como criminosos sujeitos a prisão ou novas deportações, caso apresentassem ou sugerissem provas dos maus tratos sofridos. Vale a pena uma pesquisa sobre esse assunto, o livro despertou em mim esse interesse; vou começar assistindo ao filme, aposto que assim como o livro seja bastante instigante.
comentários(0)comente



Victor Dantas 12/07/2020

Um outro lado da história. A resiliência de um povo.
Estamos acostumados ler histórias sobre a segunda guerra mundial que geralmente se passa na Alemanha, ou que remete ao holocausto nazista, não que isso seja um aspecto negativo, pelo contrário, afinal esse período histórico, moldou esse país de cabo a rabo, que é preciso ainda de muita literatura para dar conta.

Mas, neste livro, a Ruta Sepetys apresenta outra perspectiva, nos leva a outro lugar que também vivenciou e fez parte desse período tão sangrento. Sendo filha de um lituano que se refugiou nos EUA, a autora então, vai nos contar como a Lituânia e seu povo participou da segunda guerra.

Na trama, somos apresentados a família Vilkas, onde Lina Vilkas é a personagem principal do livro, e acompanhamos através dela todos os acontecimentos.

O ano é 1941, e, a história começa com Lina, sua mãe e seu irmão Jonas, tendo a casa invadida na madrugada por soldados da NKVD (uma antiga organização militar soviética), e, sendo obrigados a abandonar o local, e seguirem para Rússia.

O que estava acontecendo? A Lituânia estava sendo invadida.

Por quem? Stalin, que queria anexar o país a União Soviética.

O motivo que fez com que famílias como a da Lina, fossem deportadas para Rússia, se deve a perseguição na época por intelectuais (o pai de Lina é professor universitário), e, por terem laços com cidadãos germânicos (o tio da Lina é germânico).

Sem saber onde está seu pai, Lina, sua mãe e seu irmão são levados embora do seu país, e então, vamos acompanhar a jornada dessa família ao longo de anos por toda Rússia, vivendo em vagões de trens imundos, amontoados de lituanos, em situação insalubre, e sendo submetidos a violência e trabalho forçado nas aldeias soviéticas.

Essa realidade sangrenta, de torturas e violência, a qual a família da Lina e outros milhares de lituanos vivenciaram, durou 12 anos. E durante esse período, os personagens passaram por situações absurdas, dolorosas, que faz com que o leitor tenha que interromper a leitura em momentos para retomar o fôlego.

Essa sensação, se deve ao trabalho de pesquisa impecável que a Ruta fez, e inseriu nesse livro com todo cuidado, retratando tudo como muita veracidade, sua narrativa, a forma como escreve é fluida e poética.

Os personagens criados pela autora, foram inspirados em pessoas reais, lituanos que sentiram na pele esse período. Isso fez com que eles fossem palpáveis para o leitor, não só a família da Lina, mas também, os personagens coadjuvantes da trama (Andrius, Careca, Senhora Arvydas e outros).

No que se refere aos militares soviéticos que são incluídos na trama, e, que estava a mando de Stalin nessas operações de invasão e deportação não só da Lituânia, mas também da Estônia, Letônia, vemos as estratégias sendo tomadas para a dominação política e ideológica, e o recrutamento forçado desses povos, que davam início ao conflito mórbido entre Stalin e Hitler, que se estenderia até 1945.

Durante o desenrolar da história, somos apresentados também a cultura lituana, crenças, costumes, de um país, que pouco a gente vê ser mencionado nos livros, na mídia, e em outros veículos.

Um país que sentiu na pele as consequências dessa guerra sangrenta, um povo que foi reduzido a cinzas e neve, mas, que ao final...o sol nasceu, veio a primavera, e tudo floresceu novamente, mas, nada foi esquecido.
E é esta, a mensagem final que o livro traz.

Leia. Aprecie essa obra, e essa autora que merece mais destaque.


comentários(0)comente



Renata CCS 29/03/2014

A história de vinte milhões de esquecidos.

“Nós aprendemos a voar com os pássaros, a nadar com os peixes, mas não aprendemos a conviver como irmãos.” (Martin Luther King)

“Eles me levaram de camisola”. É esta a primeira frase de A VIDA EM TONS DE CINZA, narrada pela protagonista Lina Vilkas, uma jovem lituana de apenas 15 anos que tem sua vida e de toda a família violentamente roubada quando a polícia soviética invade sua residência em uma noite de junho de 1941 e leva a todos. Jogados em vagões de trens para transporte de gado, a história de terror vivida por sua família e por milhares de lituanos, estonianos e letões estava apenas começando. Os homens foram separados das mulheres e enviados para prisões, enquanto as mulheres e crianças foram encaminhadas para campos de trabalho forçado na Sibéria.

Não há palavras apropriadas ou com força suficiente para descrever a história deste livro e a forma desumana de como essas pessoas foram tratadas. Seres humanos escravizados por horas de trabalho árduo e que recebiam em troca apenas trezentos gramas de pão. Muitos não resistiram aos maus tratos, à inanição e ao frio excessivo. Aqueles que iam contra esses atos de opressão e tentavam rebelar-se eram assassinados a sangue frio.

Estônia, Letônia e Lituânia simplesmente desapareceram do mapa em 1941, anexados à União Soviética, e só reconquistaram sua independência na década de 90. A história de horror vivida por estes povos raramente foi contada e achei fascinante a forma que Ruta Sepetys deu vozes às milhares de pessoas que foram atingidas diretamente pelo genocídio cometido por Joseph Stalin.

Embora a família de Lina Vilkas seja fictícia, a autora, que é filha de um lituano refugiado, valeu-se de fatos reais para contar a história de horror vivida pelos povos dos países bálticos durante a Segunda Guerra. Foi este o regime de Stalin: marcado por opressões, uma dura realidade enfrentada por milhões de pessoas anuladas e que por quase cinquenta anos tiveram que ficar em silêncio por medo de represálias.

É através de Lina que vivenciamos a bravura, a fé e a esperança desses povos oprimidos. Ela conheceu toda a dor física e emocional que um ser pode sentir, conheceu a fome, o frio, foi constantemente humilhada. Mas conheceu também na força de seu povo a vontade de lutar pela sobrevivência. Lina presencia diversos acontecimentos e acaba documentando a tudo graças ao seu grande talento de desenhista. Os desenhos passam a ser a forma de lidar com a vida cruel e inimaginável que passou a ter. Lina guarda a todos os desenhos, em segredo, assim como outros presos mantinham diários, na esperança de que um dia se tornassem documentos comprobatórios do massacre sofrido. Uma pena que as ilustrações feitas por Lina – e tão bem descritas em detalhes pela autora – não estejam presentes no livro.

Uma obra com uma narrativa dolorosa, porém verdadeira em seus fatos, tocante, e que, se não fossem pelo relato de sobreviventes, talvez fosse uma parte desconhecida da história.

Um relato de uma dor coletiva na voz de uma jovem. Um livro que deve ser lido por todos.
Manuella 29/03/2014minha estante
Renata, este é um daqueles livros que quero ler, mas temo a dor que vou sentir. Adoro dramas, mas alguns tão reais e pungentes, ainda aguardam o momento certo.
Adorei sua resenha.


S@m 30/03/2014minha estante
Li O Diário de Anne Frank e gostei muito. Este eu também quero ler.


Renata CCS 31/03/2014minha estante
Manuella e S@m,
O livro é um soco no estômago, mas é uma leitura indispensável. Tenho certeza que irão gostar muito.


Helder 04/04/2014minha estante
Renata, acho que este foi um dos livros mais tristes que li na vida. Torcia tanto para que chegassem boas noticias, mas o ser humano é cruel. Juro que passei a achar Hitler bonzinho perto de Stalin. A perseguição aos judeus, querendo ou não, durou durante a guerra. Já os povos bálticos perderam totalmente sua identidade tendo que ser comunistas, pois o mundo não tinha a mínima ideia de que eles existiam. Impossível não se colocar no lugar deste povo e sentir sua dor ao ler este livro. Também acho que deveria ser leitura obrigatória , para que o mundo parece de cometer atrocidades.




Helder 12/03/2014

Hoje vou dormir mais triste...
...cheio de vontade de abraçar Lina e Jonas e dar-lhes um pouco do calor que a estupidez humana lhes tirou.
Eu acho que este foi o livro mais triste que já li em toda a minha vida. Foram dois dias cheio de esperanças vãs. Não derramei lagrimas, mas me senti tão pequeno e impotente que fica até difícil explicar. Vontade de pegar um voo para a Lituânia e abraçar todo aquele povo, que perdeu tudo. Sua história, seu país, suas tradições, sua identidade. Não consigo parar de pensar se hoje eles já conseguiram recuperar uma parte disso.
Adoro livros sobre a 2ª Guerra e a história da perseguição Nazista aos judeus. Lembro de ficar muito emocionado ao visitar Praga e conhecer o "Roteiro Judeu", que só foi mantido ali porque Hitler esperava exterminar todos os judeus e construir um museu em Praga, para mostrar a humanidade o que ele conseguira exterminar. Mas Hitler tinha um objetivo e um alvo, e até hoje eu achava que ele era o maior monstro que já aparecera na humanidade.
Até conhecer a estória sem esperança de Lina e sua família, que foram arrancados de casa e transformados em porcos e escravos, sem nenhum motivo minimamente racional. O que Stalin imaginava fazer? Ter escravos simplesmente por tê-los?? E o porque de levar um grupo até o Polo Norte?
E sempre achamos que os judeus sofreram, mas aquele mal durou de 1939 a 1945, quando Hitler morreu, porém a tragédia de Lina e dos países bálticos durou muito mais do que isso, pois após a guerra eles foram simplesmente esquecidos pelo mundo e anexados a Rússia, que se sentia no direito de governar aquela parte do mundo. O que era pior? O nazismo ou o comunismo??
O livro é dividido em 3 partes. Na primeira, descreve a viagem de 4 meses em um trem em condições sub-humanas. Na segunda descreve a vida destas pessoas trabalhando como escravas em uma fazenda comunitária e na terceira e mais cruel e sem sentido de todas, onde alguns Lituanos foram levados para morrer no Polo Norte. Impossível imaginar tamanho sofrimento.
No mínimo a dor deste povo durou 50 anos, pois foram invadidos pela Rússia em 1941 e só foram “libertados” após a queda do muro de Berlim em 1989. Difícil imaginar como foi o retorno destes países a vida normal. Difícil imaginar Linas, Jonas e Elenas que não tenham vivido simplesmente pelo ódio e desejo de vingança. Difícil entender como os russos eram capazes de tal atrocidades.
Livro triste e difícil, porém uma leitura obrigatória, para que o mundo saiba a que ponto o chamado “ser humano” pode chegar, e evitar que isto se repita. Será possível aprender com os erros do passado ou o homem sempre arruma motivos para se sentir superior ao seu semelhante??
No fim, além da inclusão dos Países Bálticos na minha lista de locais a se conhecer antes de morrer, fiquei com vontade de engatar outro livro sobre a 2ª Guerra que está na minha fila há tempos, mas acho melhor procurar uma leitura mais feliz para ver se o buraco no meu peito se fecha um pouco.
Recomendo!
Arsenio Meira 13/03/2014minha estante
Li sua resenha, ficou muito boa, e já comprei. É um romance-porrada, na boca do estômago... Abraços


Renata CCS 14/03/2014minha estante
Estou na metade do livro e concordo com o Arsênio: é um soco no estômago.
Ótima resenha, Helder!


hassdc 15/11/2016minha estante
Acabei de ler esse livro. Coração ainda chora junto por saber que coisas assim realmente aconteceram.
Sempre só falam de Hitler e esquecem Stalin.
Você sabe se existem outros romances desse tipo, voltados para Stalin também?


Helder 09/06/2017minha estante
Oi Hassdc, este Skoob não me avisa quando escrevem em minhas resenhas. Desculpe não lhe responder antes. Eu não conheço nenhum outro livro que fale sobre? Stalin e sua crueldade como este aqui. Criança 44 e Queda de Gigantes contam outras histórias bem interessantes TB, sobre a Revolução Russa e sobre a KGB. Ambos valem a pena. Devo ter resenhas em ambos. De uma olhada.




FAB 27/11/2020

Comovente, tocante, inspirador...o que você pode tirar das pessoas? O que uma pessoa maltratada, humilhada, tratada como animal pode entregar às outras? Qual a sua real força? Neste livro reaprendemos sobre crueldade e bondade humana; e é incrível o quanto a bondade sempre impactará corações.
comentários(0)comente



euyago 24/03/2021

Importante
É impossível não criar comparação com outra obra da autora (O sal das lágrimas).
O que faz "Cinzas na neve" parece pequeno, já que o outro é mais bem escrito, seus personagens se desenvolvem mais e a história é mais envolvente.
Mas essa livro é importante. Tem personagens cativantes e com narrativa emocionante.
comentários(0)comente



Dani Fuller 02/09/2011

Impressionante!
Acredito que seja um livro que não chame atenção logo de cara para a maioria das pessoas. Aquela leve impressão que será algo maçante, mesmo com uma sinopse interessante. Quando vi que ele não era tão grosso, confesso que deu uma animada... e mal sabia que isso voltaria contra mim rs rs rs.

"É preciso defender o que é certo sem esperar gratidão nem recompensa."

Acompanhamos uma parte da vida de Lina, exatamente como vemos na sinopse, fica impossível não se emocionar ao passar as páginas desse livro. Capítulos curtos, de um livro curto, mas uma história intensa, de personagens profundos, muita história, emoção, sofrimento. E também com muita luta e esperança. Além das descrições marcantes, dos agonizantes meses passados por ela, a família e demais deportados. E pensar que realmente alguém (muitos na verdade) presenciou e sentiu na pele aquilo. É aterrorizante!

Às vezes tento fugir desses relatos, mas não podemos fugir da verdade. Parece ficção, mas aconteceu... e apesar de termos muito mais notícias (eu pelo menos) sobre o terror de Hitler, não tivemos só ele de tirano no mundo e até na mesma época. Como pode ter acontecido? Como podem ter deixado acontecer? E como ainda alguém conseguiu sobreviver? De onde vem essa força e coragem?

"Mas não havia lógica alguma. A psicologia de terror de Stalin parecia ter por base o fato de nunca se saber o que esperar."

No livro temos as várias facetas e reações que um humano poderia refletir... a mais aceitável/comum seria de revolta ou injustiça ou egoísmo e até a descrença (ou tudo isso junto) que podemos observar na 'mulher ranzinza' e 'homem careca'. Apesar de serem irritantes em vários momentos, realmente não podemos culpá-los, né? Mas também temos o outro lado, o da esperança, amor e principalmente solidariedade. Todos esses traços percebemos em Elena, mãe de Lina. Incrível a força e bondade da mulher.. por mais que nem tivesse o suficiente para ela e os filhos, ela jamais deixava de dividir com os até então desconhecidos. Talvez por saber que ninguém pediu para estar naquela situação e que o importante era ficarem unidos e garantir a sobrevivência do todo. E não passará em branco isso.. acabará gerando frutos onde menos se espera.

"Não dê nada eles, Lina, nem mesmo seu medo."

Você fica preso na leitura até o fim.. eu li em 1 dia!! Quando acaba, você quer mais. Um livro com uma adolescente vivendo uma história séria e adulta. Precisando amadurecer cedo e aprendendo a lutar pela vida. Ainda sim sobrando espaço para mostrar um possivel romance (fofo!) e as dúvidas que cercam uma jovem de 16 anos. Nem tudo foi pesado, tinha os momentos sutis que nos colocavam um sorriso no rosto.

"Espero que levem você a fazer alguma coisa, a contar a alguém. Somente então poderemos ter certeza de que esse tipo de mal jamais voltará a se repetir."

Mas é tudo muito real, sem cortes, como de fato um relato sobre a Guerra deve ser. Não adianta tentarmos mascarar e romancear o inferno...ele precisa ser mostrado da maneira mais fiel possível, assim sempre ficará vivo em nossos olhos, memória e coração. Não permitindo jamais o seu retorno. Preciso destacar também a explicação da autora no final, orientando aos que não conhecem a história e contando sobre a realidade existente no contexto do livro. Imperdível!

"Mas a maioria dos povos bálticos não guarda mágoa nem rancor. São gratos aos soviéticos que mostraram compaixão. Valorizam sua liberdade e estão aprendendo a viver com ela."
Júnior 04/09/2011minha estante
Amei a sua resenha, me deu vontade de lê-lo agora!


Cris 02/01/2013minha estante
Li esse livro recentemente e é IMPRESSIONANTE mesmo! Eu amei. É uma história intensa, sofrida, verdadeira e que nos faz pensar que somos medíocres por reclamar de algo até mesmo fútil, se comparado a isto. A vida podia ser pior. Devemos valorizar a que temos.




Daniela Colaci 26/06/2021

Leitura indispensável!
Escolhi esse livro para uma leitura coletiva cujo tema era romance histórico e foi uma ótima escolha! Foi o primeiro livro com a temática sobre a Segunda Guerra Mundial que eu li com essa outra abordagem, fiquei muito impressionada e triste com tantas atrocidades.
É uma leitura dolorosa, mas uma fonte de informação muito importante!
Recomendo a leitura!
comentários(0)comente



Ester~ 26/10/2020

Não sei se sou capaz de fazer uma resenha desse livro

acho que ainda estou em estado de choque sobre tudo que eu li e pesquisei
é uma leitura extremamente necessária e dolorosa com uma mensagem que concerteza devemos passar a diante
comentários(0)comente



Juliaribeiro.01 13/07/2021

Cinzas na neve - Ruta Sepetys
Apesar de não gostar da matéria História, livros baseados em acontecimentos históricos eu sou apaixonada, principalmente quando relatam sobre o período da 2ª Guerra Mundial. E esse foi um livro que desde o inicio eu imaginei que gostaria muito.

Uma coisa que eu achei diferente é que todos os livros desse gênero que já li, traz a luta contra Hitler e os alemães, mas nesse é com Stalin e os soviéticos. E o que mais me chocou, foi muitos deles pensarem que se Hitler tivesse invadido a Lituânia, as coisas teriam sido melhores.

Eu acho muito incrível, e ao mesmo tempo muito triste essas histórias. Triste pelos motivos óbvios. Relembrar todos os absurdos que o povo que era deportado sofreu naquela época, tudo o que eles tiveram que passar e abrir mão. Mas incrível por ver a força que muitos deles tinham, e mesmo quando achavam que não tinham mais força, eles se motivavam com a esperança de um dia conseguir se libertar. A Lina e sua família com certeza foram os maiores exemplos dessa força.

Sinopse:

Lina Vilkas é uma lituana de 15 anos cheia de sonhos. Dotada de um incrível talento artístico, ela se prepara para estudar artes na capital. No entanto, a noite de 14 de junho de 1941 muda para sempre seus planos.

Por toda a região do Báltico, a polícia secreta soviética está invadindo casas e deportando pessoas. Junto com a mãe e o irmão de 10 anos, Lina é jogada num trem, em condições desumanas, e levada para um gulag, na Sibéria.

Lá, os deportados sofrem maus-tratos e trabalham arduamente para garantir uma ração ínfima de pão. Nada mais lhes resta, exceto o apoio mútuo e a esperança. E é isso que faz com que Lina insista em sua arte, usando seus desenhos para enviar mensagens codificadas ao pai, preso pelos soviéticos.

Cinzas na neve conta a história de um povo que perdeu tudo, menos a dignidade, a esperança e o amor.
comentários(0)comente



Thainá @thaii.limab 04/06/2021

Um livro que nos faz pensar. Uma história sofrida. Extremamente difícil.. de ler com lágrimas nos olhos.. e ao mesmo tempo traz uma lição de solidariedade e esperança inexplicáveis.
comentários(0)comente



Márcia Camargo 22/03/2021

História emocionante
É uma história emocionante de uma garota que perdeu seu sonhos, e triste ler e ao msm tempo bom em saber oque realmente aconteceu na queda época, quando vc começa a ler não quer para essa leitura e para vc refletir na sua vida e dar mais valor no que vc é corre para seus sonho ser realizado pois que um dia foi roubado os sonhos hoje podemos realizar em fim....
comentários(0)comente



Lilian.Ladeira 11/11/2020

Uma história muito sensível sobre um lado da 2GM pouco conhecido: a indexação de países como a Letónia e Lituânia à União Soviética, e de como Stalin dizimou milhares de vidas.
comentários(0)comente



Niájera 02/08/2020

Pesado e arrebatador
Que livro! Mais uma obra-prima dessa escritora que deveria ser mais valorizada: Ruta Sepetys. O seu empenho em estudar a história de sua família pra criar um universo real, colocando personagens "fictícios" que representasse todo o sofrimento de um povo foi absurdamente realista. Assim como em seu outro livro, O Sal de Lágrimas, em Cinza das Neves eu precisei parar muitas vezes para respirar e conseguir seguir em frente. Para quem gosta de romance histórico, aqui temos um irretocável.
Adriano F. Zwierzykowski 02/08/2020minha estante
Mesmo estilo de O Sal de Lágrimas?


Niájera 03/08/2020minha estante
Sim Adriano, vc precisa ler...2 super livros. A pesquisa que a Ruta fez em ambos foi sensacional.




273 encontrados | exibindo 1 a 16
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 |


Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com a Política de Privacidade. ACEITAR