Jogando xadrez com os anjos

Jogando xadrez com os anjos Fabiane Ribeiro




Resenhas - Jogando xadrez com os anjos


125 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 |


Leia 19/03/2020

Turbilhão de sentimentos
Em Jogando Xadrez Com Os Anjos conhecemos a doce e carinhosa Anny, uma menina de apenas 8 anos, porém com problemas que nenhum adulto deveria passar.
Para começar seus pais não são as melhores pessoas do universo nem os melhores exemplos, contudo ela os ama incondicionalmente e passa por cima de todos os obstáculos só para estar ao lado deles, nem que seja por alguns minutos.
Sua mãe é uma daquelas mulheres que, a meu ver, não deveria ser mãe, pois não consegue enxergar o tesouro que gerou. Já o seu pai, claramente tem uma queda enorme pela carinha de anjo da filha, mas não tem autonomia suficiente para se libertar das algemas que o prendem e o deixam longe dela.
Outra mulher que me deu asco foi a senhora Jane. Que mulher amarga e sem coração! Provavelmente teria sido presa por maus-tratos se a história fosse nos dias atuais ou, mesmo em 1947, se a pequena Anny tivesse pedido ajuda, ela teria pagado pelos seus atos.
Mas a história não é sobre mim ou uma menina comum. É sobre Anny e sendo quem é, com um coração mais do que enorme, ela decidiu amar até mesmo sua carcereira e rebater todo o ódio com doses extras de amor.
Não tem como comparar essa menina com nenhuma outra. Jamais vi, até mesmo nos livros, tamanha grandeza. O livro é repleto de mistérios, dor, fé, superação e tudo isso regido por um sentimento maior: O AMOR.
É ele quem guia cada passo da pequena Anny, que mesmo depois de grande decide manter a alma de criança e acreditar na realidade de seus sonhos.
Parece irreal, mas em alguns momentos tive raiva da capacidade de superação e sublimação da Anny, mesmo nos piores e mais dolorosos momentos, lá estava ela amando e acreditando no melhor do outro. Isso me intrigou, pois não é uma atitude comum a nós humanos.
Ela é um grande exemplo de fé nas pessoas e acima de tudo em Deus, um exemplo de amor, abnegação, obediência, submissão.
Um anjo que habitou a terra por um tempo e nesse período reuniu outros anjos a sua volta e deixou o melhor de si para os que por ela passaram
comentários(0)comente



Jenifer.Sales 15/02/2020

Opnião "não se discute"
Me interessei por esse livro (e a sequência dele - Caçando Borboletas) julgando pela capa (quem nunca? ) e pelo fato da autora ter sido perfeita em A Menina Feita De Espinhos. Peguei eles em um sebo (não me recordo agora se comprei ou troquei livros por eles) porém, em um certo ponto, me enjoou a leitura pois tem muito "floreio" no estilo Augusto Cury, me entendem?
Consegui grifar trechos muito bonitos mas basicamente o livro todo é excessivo em filosofias e ensinamentos e acaba não desenvolvendo a história com mais rapidez pois fica aprofundando e dando detalhes demais. É uma leitura boa sim pelos mesmo motivos mas em algum momento cansou minha mente
Leitura concluída mas não é um livro que eu compraria novamente e nem leria novanente.
Está para troca (e com meus grifos). Quem se interessar chamar pelo 11 9 7553 7353
comentários(0)comente



Monalisa.Pertile 09/02/2020

null
Sem dúvidas meu livro favorito. É um livro com o qual eu chorei, consegui criar uma afeição por Anne, e isso é o que me fez gostar do livro, ver que a garota continua vendo o melhor das pessoas mesmo depois de tudo que ela passa.
Algumas partes da história poderiam ser melhor construídas, assim como a história de alguns personagens que aparecem, mas apesar disso, é um livro lindo, que nos faz pensar sobre a vida.
Indico o livro, um dos mais emocionantes que já li.
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



Eliane Maria 21/07/2019

O que achei do romance
Para mim, a criança  usava como fuga  um amigo  invisível, através  da imaginação dela.  Achei até que  se tratasse de  uma  criança  cristal. Pois perdoar  tantas  atrocidades  que  faziam com ela, somente  sendo  muito  pura.  Eu dentro da minha crença  cristã  católica, creio  na existência de  anjos.  Creio que  Deus pode fazer uso deles, ou de seres humanos para nos ajudar.  Na Bíblia  está  escrito  que Deus pode suscitar  filhos de  Abraão  até de pedras.
Não  vou invalidar  os maravilhosos  ensinamentos do bem desse romance, somente porque  não  sejam  da minha  religião. Não  dou 5 estrelas, pois a autora pulou muito  entre  as histórias  dos personagens.  Tive que voltar  algumas vezes para saber de quem estava se tratando.   Quanto  a comunicação  com os mortos, eu acredito  que  isso  seja feito da imaginação da pessoa, ou mesmo  os anjos  se comunicando  conosco.   Eu não  tenho  esse dom.
Ensinamentos:
“A diferença entre os adultos e as crianças é que, quando crescemos, aprendemos a usar palavras difíceis, achamos que entendemos tudo, aprendemos a nos distanciar dos sonhos e fingimos, fingimos muito.”

“A vida é como um jogo de xadrez: devemos estar sempre prontos para ganhar ou perder; o importante é tentar.”

“A vida sabe a hora certa de agir.”

“As coisas só se tornam difíceis quando dizemos e pensamos que elas são assim.”

“As crianças sabem o que realmente importa na vida, acreditam nos sonhos e transformam tudo com pureza e sorrisos.”

“Deixamos de nos encantar, de dar valor ao que tem valor, de fazer o mundo o nosso redor sorrir, e de sorrir de volta para ele.”

“É importante nunca perder a esperança e jamais deixar de acreditar.”

“Ela sabia que na existência de qualquer pessoa há espinhos e flores pelo caminho. No entanto, ela escolheu ver somente as flores, sem importar-se com os espinhos. "


“Na vida, o que importa é a felicidade… E são as coisas mais simples que a trazem até nós.”

“Nada é impossível, nada é difícil o bastante, nós que dificultamos tudo com nossas palavras amargas e nossos corações fechados.”

 https://queridojeito.com/

comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



Gui 08/05/2019

Quando a neve cair, quero estar com você.

O cenário dessa estória é a capital inglesa nos primeiros anos pós-segunda guerra mundial, Londres. Anny é nossa protagonista, uma linda criança de sete anos que possui uma luz própria. Anny é filha única e vive com seus pais na mais perfeita harmonia, mesmo eles sendo pessoas altamente ocupadas, dispondo de todo tempo a filha somente aos sábados, dia esse da semana que por esse motivo se torna o preferido de Anny, o dia especial, tamanho seu amor e carinho a seus pais, Cindy e Jefferson. No entanto, nos dias de semana a garota conta com os cuidados da Babá Melanie e de sua professora particular, Sra. Jane e para auxiliar a espantar a solidão e ajudar a passar o tempo, ela possui também uma amiga inseparável, sua ovelhinha de pelúcia Tiara.

O ponto de partida do livro é quando Anny ganha de seu pai um tabuleiro de xadrez de cristal, muito bem polido e trabalhado, do qual se encanta de imediato. Esse presente, no entanto é o maior elo que terá com seus pais, em especial com Jefferson, pois é nesse momento que ela recebe o comunicado de que os negócios os chamam para uma viagem que durará 01 ano e nesse período a garota deverá ficar sob os cuidados de outra família, a vida de Anny transformará completamente.

A época que seus pais tiveram que partir era inverno, Anny tem boas lembranças dessa época: sua mãe tocando piano, depois os três deitados na sala assistindo televisão, na parte do dia aos sábados eles brincavam na neve no quintal da grande casa, sua mãe lhe empurrando no balanço, doces lembranças de Anny... A promessa é feita: Quando a neve cair eu quero estar com você.

Assim Anny conta os dias na nova casa até a próxima estação do inverno, onde poderá rever seus pais e juntos brincar na neve. Naquele primeiro ano na nova casa, Anny se depara com uma nova realidade, a primeira é que não pôde levar todos os seus brinquedos para lhe fazer companhia, mas, levou seu tabuleiro de xadrez e sua inseparável ovelhinha, a segunda é que não terá companhia além destes e não receberá carinho, a terceira são os afazeres domésticos.

Nessa nova casa Anny sofre perseguição de todos os tipos e a solidão é tanta que Anny joga xadrez sozinha, até aparecer um amigo que se propõe a jogar com ela, Pepeu. No entanto, a sua atual responsável é uma pessoa amarga e mesquinha e não suporta Anny com aquele jogo estúpido e falando sozinha e começa a punir a criança com violência.

Os desafios que ela enfrentará na nova realidade é justamente aquelas que a fará uma pessoa grande, os acontecimentos são colocados como expiações e ela deverá enfrentar com rigor, mas, alguns amigos irão surgindo no caminho para auxiliá-la nessa difícil e amarga tarefa, entre eles Pepeu. Ela também criará um mundo de fantasias, denominado O reino Xadrez, onde ela é a Rainha e seu pai o Rei, e o exército xadrez só tem uma ordem – a de viverem em paz e em perfeita harmonia. E é nesse mundo de fantasias que Anny encontrará refúgio e conhecimento para enfrentar os obstáculos no seu caminho.

Qual o destino de Anny? Ela conseguirá se sobressair? Seus pais retornarão para buscá-la? Quais os mistérios que os envolve? A estória de Anny termina assim, sozinha e sem esperança?

Conclusão:

Embora seja um livro bom, achei a estória bastante triste, acho que um dos mais tristes que já li. Me lembra muito aquele clássico da literatura: Pollyanna e Pollyanna Moça (Eleanor H. Potter) livros esses que li diversas vezes no início da minha adolescência e difícil esquecer e acho até que a escritora tenha sim se inspirado nessas obras. Anny e Pollyanna tem o mesmo cativo, são meigas, doces, esperançosas e alegres mesmo com todos os tormentos da vida e tribulações ao seu redor, a diferença é que Pollyanna tem aquele velho e eterno jogo do contente, Anny tem O reino xadrez, mas, ambas constroem para si um mundo paralelo, que nada mais é do que uma forma de sobrevivência e esperança de dias melhores.

A mensagem por trás do livro é em acreditar na sua criança interior, não a permitindo que morra dentro de si mesmo, trabalhar a fé e validar sua inocência e perdoar, perdoar sempre que necessário; desarmar seus inimigos sempre com a oferta de paz. Eu indico a leitura, mas, já instruo à quem quer que seja, se estiver numa fase mais sensível na vida, espere pra ler em um outro momento, é um livro muito gostoso de ler, pois Fabiane Ribeiro escreve fantasias como ninguém, (embora esse não seja o único estilo dessa obra, da qual defino como drama, romance e fantasia), mas, é justamente a pegada dramática que assusta, pois é muito forte as passagens. O livro tem a continuação que pretendo ler em breve, Dançando com as borboletas. Fica a dica!
comentários(0)comente



Renato 25/04/2019

Bom,porém poderia ser excelente
Nem sou muito de fazer resenha aqui mas achei interresante fazer desse livro kkkk
Vamos lá.
Primeiramente, o livro é bom? Eu achei bacana,interessante em algumas partes,outras partes arrastado demais principalmente essa história de Charlote e os aleúte, fiquei tipo??????
Acho que o maior erro do livro é a falta de publico alvo,a linguagem é muito infantil mas não pode ser considerado infantil pelas barbaridade que a jane fazia com a anny por exemplo. Por falar em linguagem infantil outra coisa que achei estranha e que se a autora não contasse que a anny cresceu a gente não percebia pq os pensamentos dela era os mesmos kkk os tipos de diálogos era o mesmo,não sei se por passar tanto tempo presa ou o que.
Sem contar que ela é boazinha até demais,chega dar raiva,essa jane devia ser presa tantas vezes,qualquer adulto entregaria ela mesmo com o pedido de uma criança,uma mulher surra uma criança a ponto dela quase morrer e no fim fica por isso mesmo? Para.
Além do mais ela não é boazinha só com a jane mas tbm para com os pais mais ausentes que tudo.
Sobre os pontos que podia ser mais explorados eu colocaria o manicômio,pra que ela foi parar lá se saiu com um dia e o pior ,avisado aos seus amigos por um espírito de uma mulher morta kkkk essa história de bety lou estragou boa parte do livro.
Mas como nem tudo são críticas,o livro é fácil de ler,te deixa apreensivo e na maior parte do livro (tirando a parte da Charlote) com vontade de ler mais.


Lilið¼ 22/03/2019

Excelente e emocionante
Quase não tenho palavras para descrever esse livro, maravilhoso, emocionante do começo ao fim.
comentários(0)comente



Cintia 06/03/2019

Meio fantasioso.
O livro apesar de ter uma mensagem muito engrabdecedora, torna-se um pouco surreal.
Os personagens não são muito interessantes.
Não indico a leitura.
comentários(0)comente



Gláucia 04/03/2019

Jogando Xadrez com os Anjos
A história da garotinha Anne nos ensina sobre fé, resiliência, esperança e amor. Mesmo diante das adversidades pelas quais é exposta, ela decide permanecer firme na esperança de que dias melhores virão. Cria para si um mundo de sonhos onde vai camuflando suas incontáveis dores. Nos conduz às lágrimas por meio da relação com sua "cuidadora" e nos faz refletir sobre o perdão, quando reage a todas as violências sofridas com doçura!!
comentários(0)comente



Aninha 03/02/2019

Esse livro e aquele que faz nós choramos darmos risadas e ver como uma criança pode ser tão inocente mais mesmo tempo dão esperto uma criança que não entende nada só confia, ela só confia e confia
Essas menina tem uma reviravolta na vida dela muito impaquidante que a vida de sossego com os pais para uma vida de mastrados, mais mesmo assim ela confia que tudo irá mudar e um lembro que nos faz pensar porque reclamamos tanto da nossa vida porque ......
comentários(0)comente



Leitora 18/01/2019

Um livro delicado, cruel e inesperado.
comentários(0)comente



Vicente Ferreira 26/12/2018

Jogando xadrez com os anjos
Um dos livros mais lindos e emocionantes que li.
A história é admirável.
Amo esse livro.
comentários(0)comente



125 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 |