Persépolis

Persépolis Marjane Satrapi




Resenhas - Persépolis


177 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 |


Nessa Januth 12/06/2017

Marjane vive em meio à guerra no Irã e presencia coisas terríveis. É obrigada a andar sempre de véu e se preservar virgem até o dia de seu casamento, mas ela não é como as outras garotas. Com 14 anos vai para a Áustria e consegue um rumo tão ruim quanto para sua vida. Em meio a viciados ela sucumbe ao vício e acaba indo morar nas ruas. Mas a história não termina por aí.
comentários(0)comente



mardem michael 09/06/2017

Um história de luta e resistência
Desde que assisti à primeira resenha desse livro em canais de booktubers, fiquei muito interessado nessa HQ. Tanto por ser um quadrinho (gênero eu não tenho o hábito de ler), quanto por se tratar de um história real da autora, contada e ilustrada por ela mesma. Em Persépolis, Marjane Satrapi nos conta sua história de luta e resistência desde a infância até a sua juventude. Ela nasceu no Irã, em uma época onde o regime ditatorial era extremamente forte e perverso. Me emocionei muito com o que Satrapi passava na escola e na sociedade ao mesmo tempo em que me orgulhei dela por ser tão forte e inteligente. Vale muito a pena ler esse livro.
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



Bia K 24/05/2017

A mulher que foi criada para não se submeter ao sistema
Ótima leitura, melhor quadrinho que já li. A história de vida de Satrapi é contada de forma esclarecedora e engraçada na sua biografia em quadrinhos. Muito legal conhecer um pouco mais sobre os persas iranianos.
comentários(0)comente



mbarbiero 22/05/2017

Prepare-se bem antes de começar!!!
Estava lendo algumas coisas pesadas e resolvi pegar um HQ para aliviar.... Péssima decisão!
É uma HQ forte, com histórias reais e desoladoras.
Tirando esse lado mais triste, é um texto muito bem elaborado e os desenhos estão harmonizados. Uma lição sobre a história recente do oriente médio sob o ponto de vista dos habitantes.
Impossível não lembrar de Maus do Art Spiegelman.
comentários(0)comente



Erika 10/05/2017

Essa graphic novel é obrigatória para quem deseja conhecer mais do que aconteceu na Revolução Iraniana em 1979, onde o país foi transformado de monarquia a república teocrática do islã.

A protagonista, ao nos contar sua história, começa retratando esse momento político delicado em que o Irã passa, mostrando como afetou sua vida e de todos que a cercavam. Com 10 anos de idade, em 1980, ela se viu obrigada a usar o véu islâmico sem entender o motivo daquilo. Mais tarde as coisas começaram a piorar gradativamente: escolas foram fechadas pelo único motivo de serem consideradas símbolos do capitalismo, manifestações rechearam o país, determinadas roupas e maquiagem não podiam ser usadas, pessoas foram impedidas de deixarem o país, crianças morriam ao serem chamadas para treinamento de guerra ou morriam por estarem em suas próprias casas que eram bombardeadas pelo Iraque.

Enquanto criança, Marjane conversa com Deus tentando achar respostas para as coisas que aconteciam e que não entendia. Sua família foi afetada e alguns parentes morreram por terem opiniões contrárias ao governo. Em certa parte da HQ, o pai de Marjane faz um presságio que dura até os dias de hoje: "A verdade é que, enquanto existir petróleo no Oriente Médio, não vamos saber o que é paz...", emendando logo em seguida: "Política e sentimentos não se misturam".

Os pais da protagonista não estavam indiferentes ao que acontecia, e logo a enviaram para estudar no exterior, e isso não deu certo. Após passar por preconceitos e maus momentos, Marjane retornou ao país, que estava cada vez pior. Os homens não podiam estudar com mulheres ou sequer estarem em festas juntos, senão eram presos e interrogados de forma violenta.

Atualmente a autora vive na França e essa HQ é um triste (e muito necessário) relato de como qualquer religião fundamentalista pode atrapalhar o desenvolvimento de uma nação e de um povo; como tolir as pessoas pode ser algo diabólico. O resultado disso é que gerações morrem em uma guerra sem sentido e que perdura. Persépolis é incrível e me deixou emocionada em diversos momentos, e monstra através do passado, os erros que não devemos repetir no futuro.


site: https://literaturativa.wixsite.com/blogfolheando
comentários(0)comente



Ana :) 30/04/2017

Fantástica!
Com sensibilidade, inteligência e humor, essa HQ fala de tantas coisas. Através do olhar de Marjane (Marji, para os íntimos), o leitor aprofunda sua visão de mundo, desconstrói estereótipos, dialoga com questões que provavelmente o preocupam e encontra personagens tão intrigantes quanto acolhedores.
Um grande gesto de generosidade Satrapi ter compartilhado sua história com tantas pessoas.
comentários(0)comente



Quequel 24/04/2017

Mesmo contando uma história tão pesada, triste e muito reflexiva, a leitura dessa HQ é leve e bem humorada. A autora e tb protagonista dessa história conta através da sua dor, do seu esforço toda a sua luta em busca de liberdade.
comentários(0)comente



Julia.Martins 09/04/2017

História fantástica
HQ maravilhosa que retrata a vida de jovem iraniana entre as tumultuadas décadas de 70 e 90. É uma história de resistência, de rebeldia, de amor, de sofrimento e de autoconhecimento; tudo isso em meio a violenta repressão do regime iraniano.
comentários(0)comente



regifreitas 02/04/2017

Gostei muito! Mas devo confessar que, embora já faça bastante tempo que o tenha visto, o filme de animação causou um impacto maior em mim. Mesmo assim são obras que valem muito a pena conhecer!
comentários(0)comente



Liginha 28/03/2017

Alguns trechos.
"Além do mais não sou eu nem você quem vai fazer justiça. É preciso saber perdoar."

"Ninguém aceita a verdade"

"'Quando vier uma onda grande, abaixe a cabeça e deixa ela passar.' Isso é bem persa, a filosofia dos resignados."

"Na vida você vai encontrar muita gente idiota. Se te ferirem, pensa que é a imbecilidade deles que os leva a fazer o mal. Assim você vai evitar responder as maldades deles. Porque não tem nada pior no mundo do que a amargura e a vingança... seja sempre digna e fiel a você mesma."

"Nunca esqueça de quem você é nem de onde vem."
comentários(0)comente



Lukkkas 21/03/2017

Livro Maravilhoso
Um dos melhores livros que já li na minha vida, para quem quer começar a ler quadrinhos, Persepolis é sim uma ótima dica.
O mais incrível é que independente da guerra e da destruição, as pessoas não deixam de lado suas paixões e hobbies, óbvio que em restrições maiores do que em períodos de paz e mais escondido devido à repressão. É maravilhoso também a luta pela liberdade, mesmo que isso signifique enviar os filhos para Europa, no caso o que ocorreu com Marjane, para mantê-la longe dos conflitos do Irã(mas que não impediu dela sofrer as próprias adversidades de sua vida).
comentários(0)comente



Lukkkas 21/03/2017

Livro Maravilhoso
Um dos melhores livros que já li na minha vida, para quem quer começar a ler quadrinhos, Persepolis é sim uma ótima dica.
O mais incrível é que independente da guerra e da destruição, as pessoas não deixam de lado suas paixões e hobbies, óbvio que em restrições maiores do que em períodos de paz e mais escondido devido à repressão. É maravilhoso também a luta pela liberdade, mesmo que isso signifique enviar os filhos para Europa, no caso o que ocorreu com Marjane, para mantê-la longe dos conflitos do Irã(mas que não impediu dela sofrer as próprias adversidades de sua vida).
comentários(0)comente



Alana 16/03/2017

Um olhar de dentro, sem estereótipos e preconceitos ocidentalizados
HQ simples, que mostra uma realidade pesada e complexa, vivida pela população iraniana. Uma realidade que, para nós, ocidentais, parece muito distante.
Sob o ponto de vista da personagem Marjane, podemos entender o que é viver num país em guerra, tanto interna (civil) quanto externa; num país em que os costumes e tradições são tão conservadoras, que beira quase ao inconcebível e inimaginável - e acredito que nas duas últimas décadas não tenha mudado muita coisa -.
Acho que ela tentou recontar sua vida de uma forma mais leve e sutil, por meio dos quadrinhos, mas ainda assim sentimos o peso da repressão, da destruição, do horror e da morte por todo lugar.
Gostei muito da forma com que Marjane sempre foi crítica e como defendia seus ideais, mostrando seus erros e acertos, como qualquer outro ser humano. Uma mulher forte, sem dúvidas.
HQ informativa e denunciadora, além de tudo. Nos tira a venda dos estereótipos e nos cobre de empatia. Recomendo muitíssimo.

"Nossa revolução nos fez andar 50 anos para trás. Vão ser necessárias várias gerações até isso tudo avançar."
comentários(0)comente



resenhista 04/03/2017

Persépolis
Marjane e sua família residem no Irã desde que o país era coberto de paz. Mas agora presenciam uma guerra terrível, e que mais tarde decorrerá de um regime, imposto a todos os habitantes daquele país.

Dentre as medidas impostas pelo governo, estão a obrigatoriedade do uso do véu por todas as mulheres independente de suas idades, a proibição de festas, músicas ou a aproximação de mulheres e homens, dentre outras.

O povo contra ataca com protestos que arrastam multidões. Todos dispostos a reivindicar sua liberdade. E os pais de Marje são frequentadores assíduos das marchas.

O governo não recebe bem a proposta do povo e a guerra é declarada. Durante anos o rei luta com a população. De um lado, a busca por uma revolução, e do outro, a repressão imposta garganta abaixo.

Com todos os ataques sofridos, os pais de Marjane decidem manda-la para Inglaterra com o objetivo de mantê-la em segurança.

A menina cresce em uma terra estranha e sofre muito. À princípio, seus pais a mandaram para a casa de uma prima que, segundo eles, cuidaria dela. Mas não foi bem assim. Logo a tal prima a manda para uma pensão, onde Marje também não dura muito tempo.

Assim como uma peregrina, Marjane começa a passar de casa em casa. Apaixona-se por algumas vezes e decepciona-se em todas elas. Por fim, vai morar na rua e ali fica por muitos dias.

Fazia muito frio na época em que Marje residia nas ruas e logo logo ela ficara muito doente. Pegou muitas pneumonias e chegara a escarrar sangue. Mas felizmente foi socorrida a tempo.

Depois de todo esse sufoco, Marjane decide voltar para o Irã.

Será que ela conseguirá voltar? E a guerra? Já chegara ao fim? Seus pais ainda vivem?


Eu fiquei extremamente comovida com a história, e confesso: faltou pouquinha coisa pra eu chorar. Apesar de ser um livro todo em quadrinhos, o enredo da história é bem sério e emocionante e conta a realidade vivida pelos povos que a tanto tempo vivem em países devastados pela guerra. Marjane era só uma criança cheia de vigor e vontade de viver, e que infelizmente teve sua felicidade roubada pela disputa de poder entre os governos.

Recomendo essa belezura de olhos fechados, com certeza.

?? 5/5
comentários(0)comente



177 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 |