Encontro às cegas

Encontro às cegas Carolina Aguirre




Resenhas - Encontro às cegas


35 encontrados | exibindo 1 a 16
1 | 2 | 3


spoiler visualizar


Wélida 05/10/2012

Chato, simplesmente... a protagonista é chata. a irmã, é chata... os pretendentes, nem se fala... A única que salva no livro é a mãe...

"Por um momento te achei mais magra, mas não, já passou. Era o sol..."

Na falta do que ler, até vale o esforço... mas, a vontade de abandonar o livro na décima página foi enooorme.
Hester 29/07/2014minha estante
Achei taaoooo chato, que acho que nao vale a pena nem havendo falta do que ler. Melhor reler algum que tenhamos gostado :-))).




Nana 09/09/2011

Leitura sem compromisso!
Eu gostei! Leitura leve e fácil. O livro é todo escrito em forma de diário e a estória flui facilmente.
A autora não é nenhuma "Sophie Kinsella" ou "Marian Keyes", mas escreveu de uma forma gostosa de ler, me prendeu até final sem que eu perdesse o interesse. Valeu!!
Daria nota 3,5 se tivesse (entre bom e muito bom)...como não tem, avalio com 04 estrelinhas.
comentários(0)comente



*Rô Bernas 29/05/2012

Despretensiosamente Divertido
Ah...gostei muito desse romance...bem gostoso e divertido. A autora extraiu a ideia de seu blog "Ciega a citas", mas não descobri se tem alguma coisa de autobiográfico. :/
Bem, o título do livro deixou muito a desejar, pois a parte do "encontro às cegas" foi pouco explorada, mas nem por isso o livro perde seu encanto. Ele foi todo escrito em forma de diário e a Lúcia, tem tiradas ótimas e aqui pra nós..que mãe é aquela???? God do céu...ainda bem que, na maioria das vezes, ela não se deixava levar e respondia a altura, mas de vez em quando elas tinham um toma lá dá cá...eu ria muito com as duas!

- Aqui eles vão ter algo pra você.
Debaixo do nome da loja havia um esclarecimento entusiasta: "Tamanhos Especiais". Virei e fitei a minha mãe furiosa.
-Eu não sou especial, mãe.
-Não fale assim. Se você não gosta de si mesma, ninguém vai gostar!(pág 285)

Gostei todo...livro bom pra distrair, sem maiores pretensões.
comentários(0)comente



Jaqueline 12/09/2012

"Encontro às Cegas" se revelou uma das leituras mais gostosas, despretenciosas e divertidas que fiz nesse ano! Neste envolvente chick-lit da autora argentina Carolina Aguirre acompanhamos a história de Lucía, uma mulher de 30 anos que trabalha em uma editora de revistas em Buenos Aires. Urbanóide, ganhando pouco, decepcionada com sua rotina casa-trabalho-casa e constantemente humilhada pela mãe pelos seus “15 quilos acima do padrão”, ela sofre o drama cotidiano de toda solteirona contemporânea: a falta de pretendentes decentes no mercado.

Todas as suas angústias de solteira atingem um novo patamar quando ela ouve uma aposta feita por sua mãe com sua encantadora irmã mais nova, Irina, que está prestes a se casar: se Lucía não fosse sozinha, encalhada, vestida de preto e com disposição apenas a ficar bêbada na festa de casamento da “hermana”, mas acompanhada por um namorado sério, sua mãe arcaria todos os custos da recepção. Chocada e com pouco mais de 200 dias para mudar sua situação, nossa protagonista decide virar o jogo e começar uma árdua jornada em busca de um namorado a partir de uma série de encontros desastrosos e hilariantes.

O primeiro da lista pertence ao risível grupo dos solteiros de seu trabalho, que sempre almoçam juntos e saem para o boliche no final do expediente da semana, o feioso Marcelo Ugly, um hippie que curte artesanato indígena e toma chimarrão ao invés de café. É claro que após um final de semana no meio do mato o tiro sai pela culatra, levando Lucía a reencontrar antigos casos, como o ex-namorado Rodrigo e o pão duro Eduardo, com quem teve apenas alguns encontros.
Conforme fiquei sabendo depois, o projeto "Encontro às Cegas" começou como um blog pessoal da autora e depois tornou-se série de televisão. A parte da identificação com a história fez toda a diferença para mim, que sou e conheço umas 5 "Lucías" no meu círculo de amizades. Mesmo se você não for uma solteira “desesperada”, certamente conhece alguém nesse estilo, com uma auto-estima completamente nanica e muita acidez para lidar com um dia-a-dia sofrível e amigas casadas que vivem querendo lhe arranjar um parceiro “que tem tudo a ver” com você, mas que se provam verdadeiras ciladas.

A parte onde ela encara seus potenciais "futuros namorados" após se cadastrar em um site de relacionamentos é pequena em relação ao resto do livro, e confesso que a considerei a mais sem graça. O melhor de "Encontro às Cegas" é a importância dos personagens secundários na história, que agitam a dinânica do livro e nos divertem com suas próprias situações. Os comentários venenosos e espontâneos da mãe de Lucía, assim como as crises de noiva histérica de sua irmã são um show à parte! Pessoalmente, me identifiquei horrores com seus comentários sarcásticos sobre a vida cotidiana e o perfil de seus pretendentes.

“Encontro às Cegas” tem uma linguagem simples e um ritmo extremamente agradável. Li o livro em apenas um dia, sem grandes expectativas, mas depois dos primeiros capítulos eu já não queria que ele acabasse nunca. O final feliz é garantido, apesar das muitas desilusões que Lucía sofre pelo caminho. Em diversos momentos ficamos sem saber que rumo a história vai tomar, uma vez que o grande "Príncipe Encantado" da história se mostra um verdadeiro canalha ainda na metade do livro. Várias referências ao cotidiano da província de Buenos Aires também estão presentes do livro, o que mostrou-se um bom diferencial do livro em relação ao gênero chick-lit. Vale a pena ler e se divertir!
comentários(0)comente



Reader Writer 02/06/2014

Todas as páginas que li foram "empurradas". Não me envolvi com a história, tão pouco achei-a estimulante. Leitura chatinha.
comentários(0)comente



Cris 22/03/2015


Ri muito com esse livro. Apesar da velha fórmula de gordinha sem namorado e que a mãe quer casar, ele foi diferente, pois eu não conseguia saber com qual dos candidatos, a Lucia, personagem principal, iria ficar no final.
A escrita é leve e eu ri muito com algumas situações e pensamentos da personagem sobre sua vida e seus medos.
Só esperava um pouco mais do final, achei que ficou faltando algo mais consistente.
Pelo visto, muita gente gostou, tanto que fizeram uma série para a TV: http://www.cuatro.com/ciegaacitas/
Fer Kaczynski 29/03/2015minha estante
Segunda resenha que leio deste livro no Desafio, é bom para vermos diferentes opiniões




Evelyn Clarissa 29/09/2012

Divertido
Já gostei logo nas primeiras linhas. É escrito em forma de pequenos relatos e de forma bem divertida. Os dramas amorosos de Lucía te envolvem até o fim do livro.

Quando você pensa que sabe com quem ela vai ao casamento, a história dá uma guinada e assim como a personagem , você volta a estaca zero. Mesmo sendo um pouco mais nova que ela, me identifiquei com boa parte do que ela vive.

Acho que o que ficou faltando foi um pouco mais de atitude da parte dela, achei a personagem um pouco conformada demais com tudo, como um dos personagens citou. Esperei que ela fosse se rebelar um pouco mais e ter uma atitude certa para com o "escolhido".

Vale a leitura e rende uma boa distração.
comentários(0)comente



Celly 08/02/2020

Amei ?
Resenha

Encontro às cegas

Carolina Aguirre


Eu já tinha visto esse livro nos sites e quando li a sinopse eu me apaixonei, demorei um pouco a encontrá-lo, e quando vi ele num stand da bienal da minha cidade,não pensei duas vezes, comprei logo. Eu amo esse livro.


Lúcia é uma jovem de 30 anos que vive do trabalho pra casa, está a cima do peso e tem uma raiva contida, isso porque quando estava na casa de sua mãe, ajudando com os preparativos do casamento de sua irmã mais nova, ouviu uma conversa que, além de deixar triste, lhe provocou raiva. Sua mãe e irmã estavam apostando que Lúcia não iria levar um namorado para o casamento, que ela seria uma eterna solteirona.


Prometendo a si mesma que deixariam sua mãe e irmã de boca aberta, Lúcia se inscreve no encontro às cegas. Mas gente, é tão cômico isso, cada pretendente estranho, engraçado,maluco, sem noção, você da belas risadas e também não posso deixar de falar que tem partes da história que sim, eu chorei. Principalmente quando Lúcia acha que nunca vai encontrar uma pessoa pra ela, que a própria mãe e irmã fizeram essa aposta ridícula. 


Também na história temos o Marcelo (feio), tanto pra ela quanto pra mim, pra você, mas que aos poucos vai se revelando. E o contador Eduardo, tímido mas que dá um "oi" pra Lúcia, mas é um pão duro nato, temos o Matias que não dá bola pra Lúcia.
comentários(0)comente



Mari 08/01/2012

livre, leve e solto
Um livro sem compromisso, com uma linguagem simples.

Confesso que esperava mais da estória, com mais artimanhas e ações. Do meio em diante, fica tudo repetitivo e quase desisti de chegar ao final.

Ainda, o título do livro sugere que ela vai ter diversos encontros sem que conheça o seu pretendente, mas esta parte do livro é bem pequena.

É um livro legalzinho, sem muito o que dizer.

Resumo: mais expectativa do que realidade!
*Rô Bernas 29/05/2012minha estante
Pois é..tive a mesma opinião que vc sobre o título do livro..foi pouco explorado!




Gabrielli 01/12/2013

Nessas férias minha mente precisava relaxar e nada melhor que ler romances leves. Esse foi um dos meus escolhidos pela história fora do convencional o que sempre me chama atenção nos livros.
O livro fala sobre Lucía irmã mais velha de 30 anos solteira, que ao ver a caçula da família se casar e sua mãe fazer uma profecia de que ela iria ao casamento sozinha resolve mudar as coisas. Durante a história ela faz várias trapalhadas, é irônica e pessimista.
O mais legal do livro pra mim foi que eu acabei me surpreendendo com o final( se bem que na metade mais ou menos comecei a ter uma noção); uma das coisas mais legais são as reflexões dela sobre a sociedade, os conceitos de relacionamento e o comodismo. No fundo toda mulher é insegura algumas mais que outras e de vez em quando bate um medo de ficar sozinha pra sempre, não achar sua outra metade ou perder muito tempo com as metades de outras pessoas. Um livro leve e fora do romance convencional.
; Lili 15/12/2013minha estante
Comprei esse livro há mais de um ano e ainda não o li. oO


Gabrielli 16/06/2014minha estante
bem levinho e um que de depressivo em algumas parte mas vale a pena Lili.




Edi 07/06/2020

Desenvolvimento fraco
Pela sinopse, eu esperava bem mais. A ideia parece interessante a princípio e poderia ter sido desenvolvida de um jeito bem melhor. Nenhum personagem é construído de forma interessante e cativante, não há nada que te prenda, te conquiste. Mesmo nos momentos que deveriam ser emocionantes, o sentimento não vem, a escrita não te convence a se emocionar junto. Ajuda a passar o tempo, mas não é bom.
comentários(0)comente



Claudia 13/11/2015

Estou tentando entender até agora o título desse livro, já que não tem nada a ver com o que acontece na história. Mas enfim, não recomendo ele para ninguém, nunca, jamais. A personagem estava mais perdida do que sei-lá-o-que e tudo termina do jeito mais sem nexo possível. Na única vez em que realmente me empolguei, tudo se deslanchou. Deu para rir de umas partes, mas só isso, eu esperava mais.
comentários(0)comente



Jessica Oliveira 19/09/2013

Encontro às cegas
Encontro às Cegas é um chick-lit escrito em forma de diário que conta apenas com alguns poucos diálogos, sendo esses repassados como pensamentos da personagem.

A autora argentina usou gírias e expressões de seu país, tornando Encontro às Cegas um livro com sotaque e personalidade, e esse contraste linguístico só faz com que a leitura se torne mais engraçada.

Desde que comecei a ler já fiquei curiosa sobre como a história terminaria. Queria saber logo se Lucia iria acompanhada ao casamento de sua irmã e óbvio, quem seria o felizardo.

A autora conseguiu transmitir perfeitamente as inseguranças, medos e complexos da personagem. que em uma tentativa desesperada de calar a boca de sua mãe, se lança, "às cegas", em uma maratona de encontros, muitos desses absurdos. Nos apresentando assim uma "lista" de personagens que podem vir a se tornar seu futuro namorado.

"Sofro de um mal: sou invisível para os homens normais. Estou condenada a que só os idiotas prestem a atenção em mim, os desagradáveis, os grotescos, os malucos, os esquizofrênicos voluntários. Nem sequer me dão bola os psicopatas e os abusados, que deveriam fazer a festa com uma insegura como eu."

Não vou dizer que o livro é um show de humor, mas sim que tem pontos muito engraçados e que me pareceram bastante realistas, mostrando os prejuízos da sociedade onde as aparências e o aspecto são de uma grande relevância.

"Chegar sozinha seria colocar em evidência que estou sozinha porque as garotas como eu estão sempre sozinhas. Assumir que não é circunstancial, que não estou entre uma relação e outra, mas que estou fodida, mal da cabeça, que tenho problemas emocionais e que vou morrer sufocada debaixo de cinco gatos gordos que gritam, irritados, porque querem mais comida diet. Ir sozinha é dizer a eles que não posso controlar o meu destino. Ir sozinha é dar licença para que se acotovelem. Ir sozinha é dar a eles permissão para que sintam pena, para que me tratem como uma leprosa ou, pior ainda, para que tentem me apresentar um amigo. Ir sozinha é confirmar que minha vida não tem remédio!"

Assim que você começa a ler já sente empatia por Lucia, ou pelo menos, sente apreensão pelo modo que sua mãe a trata. Com situações absurdas, ternas, engraçadas e muitas vezes tristes a autora nos leva a um final um tanto quanto inesperado, e na minha opinião, perfeito.

Para quem gosta de livros divertidos essa é uma ótima dica de leitura.

site: http://leiturae7arte.blogspot.com.br/2013/09/encontro-as-cegas-carolina-aguirre.html
comentários(0)comente



Robertha 28/06/2013

227 dias para arrumar um namorado
Pelo subtítulo você já pode começar a imaginar o que vem por aí. Encontro às cegas foi escrito pela autora argentina Carolina Aguirre e, também, foi uma das leituras mais gostosas que já fiz, apesar de ter sido usada a fórmula mágica dos livros deste gênero. A história gira em torno de Lucía, que tem 30 anos, está acima do peso e trabalha em um emprego que mal dá para pagar seu aluguel.

Lucía tem uma vidinha sem graça - trabalho, casa, trabalho - e, desde que rompeu com seu ex, Rodrigo, nunca mais se relacionou. Além de ter que conviver com a seca, Lucía tem que lidar com a insistência de sua mãe em tentar casá-la a qualquer custo. Porém, uma notícia repentina muda sua vida completamente. Sua irmã mais nova, Irina, vai se casar!

A caçula é o oposto de Lucía e com o casório a vista, a mãe não vai deixar por menos. Terá o imenso prazer em relembrar que quem já deveria estar casada não está e fica batendo na mesma tecla: Lucía nunca vai conseguir arrumar um namorado se continuar comendo daquele jeito. Como se não bastasse jogar na cara da filha mais velha sua solidão, apostará com Irina que no dia de seu casamento Lucía estará de vestido preto, sem namorado e bêbada. Como se isso não bastasse, a matriarca diz que se isso não acontecer, irá arcar com todas as despesas do casamento.

Lucía se vê desafiada e acha que está na hora de mudar o rumo de sua vida e fazer sua mãe pagar pelos muitos canapés e bem-casados que sua mãe irá consumir. Ela irá arrumar um namorado de verdade - e não vale ser garoto de programa, irmão da amiga ou amigo fingindo.

Início da partida: 227 dias para arrumar um namorado. De início, Lucía tem três opções: Rodrigo, o ex, Marcelo Ugly, o colega de trabalho desprovido de beleza e Eduardo, o contador um tanto pão duro. Depois ela lembra de Mathias, o gato do trabalho que parece não dar muita bola pra ela, mas isso não a desanima. Ela vai em frente. Tentará encontros pela internet, encontros às escuras e muito mais. As ideias de Lucía nos proporcionam momentos divertidíssimos e vale a pena acompanhar essa trajetória.

Apesar da autora ter usado o mesmo beabá dos chick lits, gostei muito do desenrolar da trama; foi diferente o jeito da narrativa. É uma leitura indicada para quem quer relaxar e dar boas risadas. Indico!

site: http://www.diversaosemculpa.blogspot.com.br/2013/02/encontro-as-cegas.html
comentários(0)comente



35 encontrados | exibindo 1 a 16
1 | 2 | 3