Sentimento do Mundo

Sentimento do Mundo Carlos Drummond de Andrade




Resenhas - Sentimento do Mundo


63 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5


Evelyn Ruani 20/01/2011

O Sentimento do Mundo!
Eu adoro Drummond. Suas poesias são cheia de "Sentimento do Mundo" e não falo só deste livro. Tudo que já li de Drummond até hoje traz como marca registrada muito sentimento. Este livro, além disso, é um livro contemporâneo, moderno e com várias críticas a sociedade, ao modo melancólico e um pouco sonhador de Drummond! O livro é dividido em três partes:

Alguma poesia, com poemas sobre o cotidiano, política, críticas a sociedade e algumas culturas que importamos para o Brasil. Confesso que esta foi a parte que menos gostei. Daqui destaco os poemas "Toada do Amor", "Poema que Aconteceu" e "O Sobrevivente".

Brejo das Almas, ainda sobre o cotidiano porém mais romântico, embora com toques de realidade. Destaco desta parte, "Soneto da Perdida Esperança", "Segredo" e "Convite Triste".

Sentimento do Mundo, a parte que mais gostei do livro. Emoção, cotidiano, crítica e romance tudo junto. O sentimento do mundo literalmente. Destaco "Sentimento do Mundo", "Os ombros suportam o mundo", "Mãos Dadas" e "Mundo Grande". Deste último poema citado, segue um dos trechos mais lindos de Drummond, em minha opinião:

"Não, meu coração não é maior que o mundo.
É muito menor.
Nele não cabem nem as minhas dores.
Por isso gosto tanto de me contar".


Leitura recomendada!
comentários(0)comente



Nádia C. 19/05/2015

Drummond é tudo que falam e mais um pouco. Acostumada com sua popularidade e por sempre encontrar seus versos por aí nunca havia, de fato, mergulhado em sua obra. Este é o segundo livro de poemas que leio e meu desejo é de devorar todos os outros imediatamente. Tatuaria todo meu corpo com os versos de "Sentimento do Mundo". Pixaria os muros com "Congresso Internacional do Medo". Gritaria no meio da praça "Os ombros que suportam o mundo". Escreveria cartas a todos os massacrados pelo sistema com "Elegia 1938", abraçando o "Mundo Grande".
Mari 19/05/2015minha estante
Que lindo, o que você escreveu!




William 05/11/2010

Não gosto muito de poesias e não entendo muito bem, por isso não dei nota tão alta para o livro.
Tudo bem que poesia é subjetivo e abstrato, mas mesmo assim. Não tive paciência.
Peleteiro 15/12/2014minha estante
Também não tive paciência, mas recomendo que não fuja das poesias, leia Bukowski - O amor é tudo que dissemos que não era, ele reinventou a poesia perfeitamente, outro nível, rs.




Juliana 01/07/2013

Um livro que, acima de tudo, dá conselhos e conforta. Isto se deve simplesmente porque Drummond trata de sentimentos que nos fazem pensar que somos incapazes de vencer o que há de ruim em tudo que temos de enfrentar no mundo (material e consciente).
Seus poemas não são difíceis de interpretar ou entender.
Este é, definitivamente, um livro de cabeceira para mim.
comentários(0)comente



Poesia na Alma 04/08/2017

O coração que explode frente a grandiosidade da vida e a destruição do homem.
A minha edição de Sentimento do Mundo, data de 2004, pelo Grupo Editorial Record. Troca no Sebo. Talvez, tenha parado em minhas mãos pela sincronia dos caducos tempos sombrios. O peso do ódio e do retrocesso que afunda os nossos ombros. A única coisa acordada, é a máquina de fazer guerra, o homem dorme, a alma dorme, o espirito emburreceu. Ainda respiramos pela poesia.

saiba mais aqui - http://www.poesianaalma.com.br/2017/08/resenha-sentimento-do-mundo.html
comentários(0)comente



J R Corrêa 08/02/2018

Sentimento do Mundo
Os livros que Carlos Drummond de Andrade publicou nos anos 30 trazem muitos poemas escritos por ele ao longo da década anterior. Nesses textos, a influência modernista é bastante perceptível, tanto na opção pela liberdade formal dos versos livres e brancos, quanto na preferência temática pelo cotidiano e pela vida urbana.
Sentimento do Mundo, livro de 1940, traz poemas escritos ao longo da segunda metade da década anterior. Ali, evidencia-se a assimilação sólida da influência modernista, à qual o poeta confere um tom pessoal, que aparece, por exemplo, nas referências ao universo rural que permeia as memórias poéticas do escritor.
Apesar de Drummond ter iniciado sua carreira já em um elevado patamar de qualidade, é notável como em Sentimento do Mundo se percebe o início de sua maturidade artística. Na década seguinte, anos 50, ele refinaria ainda mais a expressividade lírica, confirmando uma dicção poética particular no conjunto dos poetas modernistas.
Essa personalidade própria é indicada no interesse pelas questões sociais. É verdade que esse tema sempre foi explorado pelos modernistas, desde a primeira geração. O que ocorre com Drummond diz respeito à maior transparência do posicionamento político. No caso do poeta mineiro, seus textos tendem a expressar com clareza cada vez maior sua postura marxista. Na obra posterior, A Rosa do Povo, a posição ideológica de Drummond ganharia ainda mais evidência.
A acentuação da temática social no livro de 1940 é mais do que justificável pelo contexto de produção dos poemas: a Europa vivia o clima que culminaria com a eclosão da Segunda Guerra Mundial e o Brasil assistia à insistência de Vargas em apegar-se ao poder, que o conduziria ao golpe do Estado Novo – oficialização da ditadura. Tais fatores determinam uma tensão política à qual dificilmente o poeta poderia ficar alheio.
No entanto, Drummond não deixa de se questionar a respeito das potencialidades efetivas da poesia política. Esse questionamento confere uma interessante oscilação a sua arte: de um lado, temos a reafirmação da necessidade de uma reação à opressão e, de outro, a manifestação de fatalismo diante das dificuldades dessa reação.

Sentimento do Mundo de Carlos Drummond de Andrade

Relação de poemas

? Sentimento de Mundo
? Confidência do Itabirano
? Poema da Necessidade
? Canção da Moça-Fantasma de Belo Horizonte
? Tristeza do Império
? Operário no Mar (prosa)
? Menino Chorando na Noite
? Morro da Babilônia
? Congresso Internacional do Medo
? Os Mortos de Sobrecasaca
? Privilégio do Mar
? Inocentes do Leblon
? Canção do Berço
? Indecisão de Méier
? Bolero de Ravel
? La Possession du Monde
? Ode no Cinquentenário do Poeta Brasileiro
? Os Ombros Suportam o Mundo
? Mãos Dadas
? Dentaduras Duplas
? Revelação do Subúrbio
? A Noite Dissolve os Homens
? Madrigal Lúgubre
? Lembrança do Mundo Antigo
? Elegia 1938
? Mundo Grande
? Noturno à Janela do Apartamento
? Alguns Poemas
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



Natália 18/01/2017

Reflexões
Essa resenha é de um livro muito conhecido. Pelo menos uma vez na vida você já deve ler lido, seja para prestar vestibular ou pelo simples fato de escolha de leitura.

Sentimento do Mundo é o terceiro livro de Carlos Drummond de Andrade, publicado em 1940 numa pequena tiragem de 150 exemplares, distribuídos apenas para amigos íntimos e outros literatos. O livro não possui poemas que falam só de sentimentos. Ele traz poesias que nos faz refletir e pensar.

Com razão e sentimento, ele trata de assuntos políticos da época: segunda guerra mundial, governo de Getúlio Vargas que comandava o Brasil de forma dura, a liberdade de expressão que ninguém possuía naquele tempo.

Ele abre este volume escrevendo "Tenho apenas duas mãos e o sentimento do mundo", frase que nos mostra a dificuldade de ocorrer mudanças. No momento em que escreveu este livro, Drummond trabalha no gabinete de um ministro ligado a Getúlio.

A única coisa que lhe restava era escrever e o sentimento de tudo aquilo que estava acontecendo no mundo.

Reunindo 28 poesias cheia de sentimento, razão e que não colocam o amor sentimental como tema principal, mas sim a política e a pátria. Um Drummond que lamenta que as pessoas mantenham os olhos fechados a ponto de permitir a violência da guerra mas, que não deixa de ser lírico e delicados em poemas como "Menino chorando na noite".

Em meio a tudo isso, ele ainda faz uma homenagem ao seu amigo Manuel Bandeira em "Apelo de um homem humilde", fazendo elogios sobre o seu fazer poético.

Uma leitura que nos faz refletir sobre os acontecimentos do século XX, Sentimento do Mundo é mais uma obra que mostra a genialidade de Drummond.
comentários(0)comente



Isidro 08/01/2012

Confidência do Itabirano, Mãos dadas, Mundo grande, Poema da necessidade, Privilégio do mar... são alguns dos meus poemas favoritos desta obra do Drummond.
comentários(0)comente



Matheus 09/01/2013

É tempo de absoluta depuração
Sentimento do Mundo traz os temas principais da poesia de Drummond: O indivíduo (Sentimento do mundo), a terra natal (Confidências do itabirano), a família (Os mortos de sobrecasaca), o choque social (Privilégios do mar e Elegia 1938), o atrito entre o Eu e o Mundo (Mundo grande), a própria poesia (Mãos dadas).

Escrito em um período que o mundo estava de ponta cabeça, Drummond lamenta-se diante das guerras e revela sua inclinação política e é capaz de transmitir todo o sentimento de desconcerto que parava então entre os homens.

A maioria dos estudiosos dividem as obras de Drummond em três parte: Eu maior que o Mundo, Eu menor que o Mundo, e Eu igual ao Mundo. No entanto arrisco dizer que este livro contêm a três, apesar de ser encaixado na segunda fase. A fase do eu maior que o munda é especialmente expressa em Mãos dadas, poema que ilustra um momento de superação, a preocupação com o tempo presente, o sentimento de esperança e ao mesmo tempo um pessimismo decadentista. Já o Eu menor que o mundo fica claro em Sentimento de mundo, em que há o indivíduo isolado na busca pelo coletivo. O Eu igual ao Mundo, por sua vez, aparece em Os ombros que suportam o mundo, meu poema preferido do livro. Nele há a aceitação do mundo tal como ele é, sem criar expectativas e a conformidade é completa.

O livro é tão profundo que eu tenho vontade de discuti-lo por horas. Mesmo depois de várias releituras ainda transmite o vazio que predominava naqueles tempos tortuosos. Sempre sinto um oco dentro de mim ao lê-lo.
comentários(0)comente



Esther 29/08/2014

Aprendendo a gostar de ler
Eu li o livro ‘sentimento do mundo’ de Carlos Drummond, quando o peguei pensei que não gostaria de lê-lo, mas quando comecei não consegui parar mais; e olha que não é meu estilo preferido de leitura!
Gostei muito do livro, e cada poesia que eu lia ficava imaginando e apesar de não entender muito sobre poesias ou até mesmo de escrever algo tão bonito que possa fazer com que as pessoas que lêem viajem e não somente ler só por ler, mas pra ter prazer na leitura, confesso que não gosto muito de ler, e não tenho a criatividade de escrever, mas com esse livro passei a gostar mais de ler e de escrever.
O meu poema predileto deste livro foi o ‘Dentaduras Duplas’ achei esse poema um pouco engraçado; no geral achei bastante legal algumas poesias não entendi então procurei algumas explicações e interpretações. Achei bastante interessante e leria outros do Carlos Drummond!
comentários(0)comente



Léia Viana 24/03/2013

Para o mundo!
"Não, meu coração não é maior que o mundo.
É muito menor.
Nele não cabem nem as minhas dores.
Por isso gosto tanto de me contar".

Acho incrível o talento que alguns poetas possuem de transformar em poesias fatos políticos e da sociedade que a precederam. Drummond é um deles.

Li o “Sentimento do Mundo” e senti as poesias como a um desabafo, como se tudo aquilo que Drummond viveu era tão dolorido e sofrível demais para colocar apenas em palavras, existia a necessidade de “enfeitá-las”, por isso, uma coleção assim, de poemas mostrando a realidade daquela época e de como esse escritor era sensível e atento a tudo que acontecia naquele período.

“Tenho apenas duas mãos
e o sentimento do mundo”

Gostei de quase tudo que li, em especial: “Sentimento do Mundo”; “Poema da Necessidade”; “Congresso Internacional do Medo”; “Os Ombros Suportam o Mundo” e “Mundo Grande”.

No final do livro o leitor é presenteado com uma mini cronologia sobre o escritor.

Leitura recomendada!
comentários(0)comente



Chá 09/01/2017

O sentir do Carlos
"Sentimento do mundo" é um dos meus livros favoritos do Drummond. A obra foi produzida e editada entre 1935 e 1940 e observa-se que os poemas falam desde a impotência e perplexidade do autor diante do mundo até sobre seu fazer literário.

O amor e a morte estão fortemente presentes nos 28 poemas que compõe esse livro, ligados a fatores como o abandono e a solidão. Cada poesia conversa com o leitor, entra em sua alma para não mais sair. Cada palavra usada por Carlos tem o tom de nos fazer refletir sobre a vida, principalmente se levarmos em conta o período histórico no qual a obra encontra-se inserida.

Fica aqui meu apelo: leiam o Carlos, respirem poesia, fortaleçam suas almas com essa luz de palavras avassaladoras.
comentários(0)comente



Ana Luiza 12/09/2015

Resenha do blog Mademoiselle Loves Books - www.mademoisellelovesbooks.com
Eu conheci Carlos Drummond de Andrade nas aulas de literatura da escola, apesar de já ter ouvido ou lido uma ou outra coisa dele sem saber. Como Clarice Lispector, muita coisa do autor está espalhada por aí, muitas vezes sem o devido crédito. Com certeza você já conhece dois dos poemas mais famosos dele, o divertido “Quadrilha” ou o icônico “Meio do Caminho”...

Os dois poemas acima são os grandes clássicos de Carlos Drummond de Andrade e sempre baseei minha opinião sobre o poeta em textos como esse, que estão na boca, na memória e no Facebook do povo. Como grande fã de Álvares de Azevedo e Augusto dos Anjos, poetas que fugiram do óbvio e trazem uma poesia mais sombria (que é a minha favorita), eu tomava Drummond de Andrade como simples demais, clichê demais, um poeta para os livros de português e não para se admirar. Felizmente, descobri que estava muito enganada.

Carlos Drummond de Andrade não é simples demais, muito menos clichê demais. Ele é, sem dúvida, um poeta do cotidiano, mas as coisas do dia a dia ganham uma grande magia sobre seu olhar único e sagaz. Também tinha a crença besta de que Drummond só escrevia sobre o amor, e mesmo que essa seja a temática de grande parte de seus poemas, ele traz tantas facetas desse mesmo sentimento, que através de seus textos percebemos como o amor é mutável – e é lindo.

O amor doce, o amor platônico, o amor divertido, o amor canalha, o amor sensual e sexual, o amor cotidiano, o amor lendário. Em Sentimento do Mundo, obra publicada em 1940, o amor é colocado sobre um caleidoscópio, ganhando mil nuances e uma beleza única. Dos muito românticos aos descreditados e até aos sensuais, os poemas de amor de Carlos Drummond são irresistíveis.

LEIA A RESENHA COMPLETA E VEJA FOTOS DO LIVRO NO BLOG:

site: http://www.mademoisellelovesbooks.com/2015/09/resenha-sentimento-do-mundo-carlos.html
comentários(0)comente



Júlia 30/08/2012

A minha leitura desse livro foi acompanhada por aulas com uma professora incrível, portanto eu consegui aproveitar ao máximo essa experiência que é ler Drummond. A poesia dele me tocou em diversos aspectos, especialmente porque consegui me identificar com diversos aspectos de seu trabalho.

Foi o primeiro livro de poesia que li inteiro, de cabo a rabo, como um todo, o que só aumentou a minha experiência de leitura. Devo agradecer à Fuvest, que selecionou esse livro como leitura obrigatória e me proporcionou uma experiência tão boa e completa.
comentários(0)comente



63 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5