Justiça

Justiça Michael Sandel




Resenhas - Justiça


85 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6


Lorena 26/09/2020

Uma bela introdução aos grandes mestres da filosofia
Esse não é um livro sobre a história da justiça ou da filosofia. Ele é um ponto de início para entender sobre esse assunto tão complexo e que é alvo de debate desde os filósofos da idade antiga. Michael Sandel é muito didático e por vezes prolixo, o que não é uma crítica, já que os escritos filosóficos de Kant, Rawls, Mill, Bentham não são fáceis de compreender.
Além disso, o livro é cercado de exemplos e situações para explicar os conceitos, entretanto ele vai além da exemplificação, e realmente os insere para explicar sobre o utilitarismo, o libertarianismo e a os outras correntes. Apesar de ser um livro do direito, eu recomendo a todos que queiram um vislumbre dos principais filósofos do tema.
comentários(0)comente



Barbara Hellen 21/09/2020

@cactosliterarios
Afinal, o que é fazer a coisa certa? Essa é a principal indagação que o livro Justiça, escrito por Michael J. Sandel, pretende responder. Para isso, Sandel mostra três abordagens filosóficas sobre a justiça: o utilitarismo, a ideologia libertária e a teoria de justiça de Aristóteles. Mas, não se assustem, pois Sandel consegue mastigar todos esses conceitos de forma que possamos entender a partir de situações da vida real. O que achei mais interessante é que o autor cumpre o papel de advogado do diabo, expondo os diversos lados de um mesmo dilema. Chegando a fazer com o que a gente questione nossa própria opinião.

Na verdade, é esse o principal objetivo desse livro: fazer com que a gente entenda a complexidade de determinar o que é certo ou errado. E também nos mostrar que a formação da nossa opinião é algo constante e o que acreditamos como moral sempre irá influenciar o que pensamos e até a forma como agimos. Como seres individuais, mas especialmente como sociedade.
comentários(0)comente



Gabrielle 20/09/2020

Leitura difícil e questionadora
Enquanto sociedade, carregamos deveres para com o outro? O governo deve taxar o rico para ajudar o pobre? Por um ato moral, seria justo matar uma pessoa? A vida comec?a em que momento? O curso ?Justic?a?, do professor Michael J. Sandel, e? um dos mais procurados na Universidade de Harvard. Talvez sua popularidade tenha relac?a?o com os questionamentos dicoto?micos da filosofia poli?tica. Durante a leitura, sa?o apresentadas ac?o?es afirmativas, discutidas sob a? luz de um filo?sofo diferente. Entre os temas mais intrigantes esta?o: suici?dio assistido, servic?o militar e patriotismo, a economia e os limites do mercado e por ai? vai em mais de 300 pa?ginas! Para embasar a discussa?o, as situac?o?es sa?o expostas e, posteriormente explicadas por tre?s principais linhas filoso?ficas: o ?antiutilitarismo? de Kant, a equidade de John Rawls e as discusso?es de ?quem merece o que? de Aristoteles. Particularmente tive bastante dor de cabec?a lendo (literalmente), porque te faz pensar o tempo todo sobre as questo?es mais difi?ceis da vida ci?vica. Vale o estresse mental de cada pa?gina!
comentários(0)comente



paloma 20/09/2020

No livro “Justiça” o filósofo e Professor da Universidade de Harvard Michael J. Sandel explora a evolução e o significado do conceito de justiça em um passeio pelas ideias dos filósofos Aristóteles, Immanuel Kant, John Rawls e Jeremy Bentham, utilizando-se também das ideias dos economistas John Stuart Mill, Milton Friedman e Friedrich A. Hayek. Segundo Sandel o conceito de justiça gravita em torno de três ideias principais: a aumentar o bem-estar material da sociedade, respeitar a liberdade dos cidadãos e promover a virtude. Dependendo da centralidade de cada uma destas ideias temos uma forma diferente de conceber a justiça.

O livro traz diversos questionamentos e nos faz refletir sobre aspectos de justiça. Ao longo do livro, Sandel demonstra que há casos morais menos triviais. E a maneira como reagimos, determinando o que seria justo, pode se enquadrar em diferentes correntes/ideologias existentes. Sandel faz o papel de mediador, procurando mostrar o pensamento dominante do capítulo ao mesmo tempo que elenca as principais objeções da corrente filosófica.

É impossível ler o livro e não se questionar sobre conceitos e visões pré existentes próprias. A leitura desse traz um grande exercício de reflexão, o que pode tornar a leitura um tanto demorada, mas que se faz primordial para o processo de autoconhecimento.
comentários(0)comente



Mari 05/09/2020

Ótimo livro
Adorei, o livro Justiça do Sandel é aquele livro que te faz refletir sobre suas convicções trazendo argumentos e contra argumentos de te tira da zona de conforto...Em algns momentos do livro ele é denso...mas vale muito a pena...
comentários(0)comente



Poli 05/09/2020

Justiça: Qual o certo a se que fazer?
Segundo o próprio autor Michael Sandel nos agradecimentos finais do livro: "Por quase três décadas, tive o privilégio de ensinar filosofia política a universitários de Harvard e durante vários desses anos dei aulas sobre uma matéria chamada "Justiça". O curso expõe os alunos a algumas das maiores obras filosóficas escritas sobre justiça e também aborda controvérsias legais e políticas contemporâneas que levantam questões filosóficas."
Justiça é um livro interessante e gostoso de ler, no qual o autor confronta ideologias de grandes pensadores - como Aristóteles, Jeremy Bentham, John Stuart Mill, Immanuel Kant, John Rawls - de uma forma fluída e propondo reflexões sobre dilemas éticos e morais, como o dilema do bonde, sacrifícios, o valor da vida humana, liberdade, consentimento, serviço militar obrigatório ou voluntário, barriga de aluguel, comércio de órgãos, distribuição de renda, meritocracia, política de cotas, casamento homossexual, entre outros.
Recomendo como uma leitura instigante e essencial para quem gosta de aprender continuamente e, principalmente, repensar os próprios conceitos. A leitura nos tira da zona de conforto, destruindo respostas prontas e rasas ao expor pontos de vista opostos e nos levar à reflexão.
comentários(0)comente



Tay 05/09/2020

Foi uma experiência incrível entender as minúncias morais e como isso se reflete socialmente e juridicamente. Enfim, recomendo o livro a todos que possuem interesse em questões filosóficas
comentários(0)comente



Graça Pires 31/08/2020

Excelente livro, nos coloca em reflexão sobre nossos posicionamentos em diversas situações cotidianas da vida, os quais são automáticos, muitas vezes.
Uma "desconstrução" das nossas verdades absolutas e um convite ao aprendizado constante. Super recomendo.
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



@isabellajanis 30/08/2020

Existe um posicionamento certo ou errado?
O livro é de fácil leitura e flui com naturalidade. Confesso que demorei para terminar, mas acredito que seja da essência do livro uma leitura mais lenta, capaz de nos fazer diferir e associar cada parte abordada. A intenção do autor foi abordar situações para fazer o leitor tomar decisões e com isso fazer refletir sobre cada decisão tomada.
Ao decorrer da leitura é possível perceber que não há decisões/comportamentos certos ou errados, pois cada pessoa e cada situação irá gerar uma situação. Mas, ao lermos as teorias dos filósofos podemos concluir que o ideal é sempre buscarmos o bem social, ou seja, devemos pautar nossas escolhas no bem comum.
O livro também demonstra ao leitor que é muito importante a tolerância com o próximo, sejam nos posicionamentos políticos, religiosos, sejam no culturais. Cada ser humano tem a sua realidade, a sua cultura inserida pelos seus antepassados, a sua visão de mundo. Buscar expandir nosso conhecimento é a chave para compreendermos a sociedade, o mundo de uma maneira geral. Mas só chegaremos a esta conclusão quando reconhecermos a nossa construção pessoal e conseguimos enxergar no outro a vivência que o fez chegar a certa ideia. A tolerância é uma evolução de conhecimento pessoal e respeito ao próximo. Debater com o outro sobre o nosso posicionamento é algo que devemos fazer sim, mas sempre com respeito ao posicionamento do outro.
Enfim, super recomendo!
comentários(0)comente



Deise Cristina 30/08/2020

Provocativo
Com esta leitura senti -me provocada a repensar vários pensamentos meus. De forma didática o autor nos apresenta diversas teorias filosóficas e nos propõe pensarmos sobre.
Recomendo a leitura.
comentários(0)comente



Pri 30/08/2020

Sensacional
Esse, definitivamente, foi o livro que me fez refletir muito acerta de diversos temas e, repensar meus conceitos sobre justiça, moral e ética. Ótimo livro para o momento atual.
comentários(0)comente



Raah 29/08/2020

Muito Bom!!
Para ler e reler! Li pela primeira vez agora, nesse período conturbado de tantos questionamentos, e o livro me tirou da zona de conforto das ideias, me fez pensar de formas diferentes e aflorar meu senso crítico. Quero reler daqui uns anos a fim de comparar as minhas convicções em épocas distintas.
comentários(0)comente



Nathalia.Lima 27/08/2020

Reflexão necessária
Deste ano, foi o livro que mais me fez pensar, refletir, quebrar alguns conceitos. Posso dizer que foi uma imersão muito maravilhosa e necessária.
Justiça é um livro que o mundo deveria ler, principalmente nessa política de cancelamento que estamos vivenciando, onde está difícil dialogar com pessoas que têm pensamentos diferentes dos seus.
Pra quem tem interesse de conhecer mais sobre as diferentes teorias da filosofia política e sobre os conceitos de justiça e o que é a coisa certa a se fazer, esse é um excelente livro. A linguagem é fluida,
mesmo com o conteúdo sendo bastante denso.
Foi uma leitura que me fez começar a enxergar o mundo por novos prismas.
Adorei!!!!
comentários(0)comente



Carol B. 26/08/2020

De início o livro já arrasou com minhas supostas convicções, para depois reergue-las, mas só para rapidamente derruba-las novamente. Essa é a sensação durante quase todo o livro o que faz dele uma preciosidade, pois nos tempos atuais de tantas certezas malucas e convicções perversas, nada melhor do que ser obrigado a pensar, sem respostas prontas. Para além disso, se ver tendo que admitir que seus certos podem ser errados, seus errados podem ser certos e concluir que só o diálogo pode de fato nos ajudar enquanto sociedade, mesmo quando discordamos.
comentários(0)comente



85 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6