Qual Seu Número?

Qual Seu Número? Karyn Bosnak
Alice Clayton




Resenhas - Qual seu número?


267 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 |


Amanda Azevedo 17/02/2012

Qual seu número? - Karyn Bosnak

Divertido e apaixonante! Duas palavras que descrevem perfeitamente o que esse livro representou pra mim. Qual seu número? Me fez dar risadas, me fez suspirar... E confesso que me fez pensar um pouco também.

Delilah Darling é a nossa personagem principal. Depois de ler uma matéria que dizia que a média de relacionamentos para uma mulher de 30 anos é 10,5, ela entra em desespero, afinal, ela está bem acima da média. Decidida a não ultrapassar ainda mais o suposto limite aceitável, ela parte em uma viagem em busca dos seus ex-namorados, na esperança de reconquistar algum deles, para assim, não aumentar o seu número.

Nessa aventura a procura dos ex’s de sua vida, ela se mete em uma situação mais constrangedora que a outra. Durante a leitura temos vários momentos vergonha alheia. Delilah com suas idéias mirabolantes acaba se metendo em uma confusão atrás da outra. Às vezes dava vontade de dar uns bons cascudos nela e às vezes tinha vontade de estar lá para ajudá-la a escapar das encrencas.

Para os amantes de chick-lit Qual seu número? é sem dúvidas, super recomendado. Somos guiados pelas páginas do livro com uma narrativa divertida, descontraída, rápida e empolgante. Tirei uma estrelinha do livro porque odeio quando o livro é previsível. Tudo bem... Tudo bem... Acho que todo chick-lit já tem um final encaminhado, é meio que pedir demais quando queremos nos surpreender, mas ainda assim, antes da metade do livro deu pra sacar o final, então, por isso ele não ganha a cotação máxima.

Me arrisco a dizer que Qual seu número é um clichê bem escrito. É possível imaginar qual será o desfecho antes de chegarmos na metade do livro, mas isso não nos impede de continuar lendo. A história e os personagens são bem construídos, isso faz com o livro nos conquiste rapidamente. Recomendo a leitura para quem quer um livro leve. Eu o peguei pra ler no momento certo, estava estressada com a faculdade, lendo mil coisas cansativas e este livro caiu como uma luva. Me distraiu e me divertiu, tudo o que eu precisava no momento.

Assisti ao filme também e olha... MUDARAM MUITA COISA! O livro é infinitamente melhor, mas o filme tem lá o seu valor. Recomendo que leiam o livro primeiro.


Amanda — Lendo & Comentando
Visite: lendoecomentando.blogspot.com


Amanda 15/02/2012

Sabe quando todo mundo gosta de falar que o livro é "mil vezes melhor" que o filme?
Pois então aqui está o primeiro exemplo contrário.
Qual seu Número é muito melhor no cinema.
Pra começar, tem Chris Evans no filme.
Precisa de mais motivos pro filme ser mais legal?

O filme é levemente inspirado no livro, não espere aquele tipo de roteiro bem casadinho com apenas alguns cortes. Muita coisa muda. No filme, tudo parece mais rápido e mais natural. No livro, fica meio forçado, aquela caça maluca a 20 homens, a personagem cruzando os Estados Unidos de carro, ela priorizar a busca por um homem do que procurar um emprego (já que ela acabou de ser demitida)... enfim.

Vá ver o filme e pronto.
Chris Evans te espera sem camisa.
Amanda Azevedo 14/06/2012minha estante
hahahahaha, sem dúvida o fato do Chris Evans aparecer no filme só de cueca - e até sem ela! - já é um bom motivo pra ver o filme. Mas até que gostei do livro também. Acho que os dois tem o seu valor. E realmente mudaram muita coisa! Achei que deveriam ter colocado a cachorrinha no filme também. :|


Bianca 02/01/2017minha estante
Essa insistência que as pessoas tem em SEMPRE preferir o livro ao filme é uma chatice




Cíntia Mara 06/12/2011

O livro é bom, mas não é excelente. Gostei da história, achei muito interessante a ideia da autora, Delilah é uma louca, mas eu não ri até chorar como pensei que aconteceria, e isso me frustrou um pouco. Se fosse possível, daria nota 3.5.


Outra coisa que eu não gostei foi essa "lição" de que "você pode dormir com quantos caras quiser sem se arrepender de nada e blablabla". Sim, eu sabia que o livro falaria de sexo, estava consciente e levei isso numa boa. Mas daí a banalizar a coisa mais do que já está banalizada? Fiquei horrorizada u.u


Agora o que eu gostei:


* A narração de Delilah me lembrou um pouco da Becky Bloom. Ela não é tão engraçada e cativante, mas é tão doida quanto. O que mais me fazia rir era quando ela começava a se justificar pra si mesma.


*Tipos estranhos - Delilah tem o dom de encontrá-los. O mais engraçado foi o muppeteiro, mas os outros também não ficavam muito atrás. Como os gêmeos, o do cachorro, o maluco do iceberg...


*A diagramação do livro é ótima! Tem listas, mapas, bilhetinhos, recados telefônicos, notas de rodapé e parênteses (eu amo notas de rodapé e parênteses hahaha). Uma graça!


*O livro tem trilha sonora! Embora eu não conheça a maioria, amo quando um autor consegue inserir música no livro sem ficar forçado. Achei o máximo ela escutar as músicas de quando estava com cada ex.


*O final, apesar de Delilah ter sido muito burra... O que eu achei mais legal foi "a descoberta" que ela fez.


* Colin ^^ Sem mais.
comentários(0)comente



Keila 29/09/2013

A história começa com Delilah se apresentando, e ela sabe que ela é uma mulher fácil. Ela perde seu emprego e sua mãe está sempre a importunando por estar solteira e tudo mais. Até que Delilah vê uma notícia de que a média de homens com que uma mulher dorme durante sua vida é 10,5 e se desespera por seu número já ser 19 e só ter 29 anos. Ela então coloca um limite de 20, porque não quer ser uma mulher de 70 anos que já dormiu com 78 caras. Depois disso, com o intuito de não aumentar seu número, ela começa a investigar seus ex namorados e é aí que começa a graça. Os defeitos de muitos deles só pioraram, e os que estão realmente bem não querem nada com ela. Enquanto isso ela ainda se prepara para o casamento da irmã...Personagens memoráveis!

Delilah é de longe uma das personagens mais engraçadas e sinceras que eu já conheci. O livro é bem previsível, mas não deixa de ser maravilhoso. Pra quem procura boas risadas, esse é o livro!
Silvana Barbosa 03/11/2013minha estante
Ah ! O filme é uma graça , e geralmente os livros que dão origem a filmes são melhores ainda .




CooltureNews 03/02/2012

Publicada no www.CooltureNews.com.br
Por: Junior Nascimento

Sim, esse é um livro voltado para um público feminino, e sim, estava com certo preconceito com ele. Adorei o kit que a Novo Conceito mandou, assim como todos, mas não sentia a mínima vontade de ler o livro, muito menos assistir ao filme. Porém essa semana resolvi dar uma chance a ele, no momento me arrependo amargamente de não ter feito isso antes!

Apesar de a leitura ter confirmado o público alvo para este livro, me vi adorando a leitura e extremamente envolvido com os personagens, e lógico, dando muitas risadas. Não leia esse livro em locais públicos, a chance de ter um ataque de risos é grande! A leitura é leve, a trama apesar de parecer superficial (e em certos pontos ser) é envolvente. A autora soube como criar os personagens, eu mesmo me vi em muitos dos ex-namorados de Delilah, assim como alguns dos meus amigos. E Delilah, acredito ser uma das melhores personagens femininas já criadas, apesar de ser caricata, encontrei nela um pouco de todas minhas Ex!

Delilah, após ler um artigo descobre que dormiu com quase o dobro de homens da média, sendo assim decide que não irá dormir com mais nenhum homem (novo), e sai em busca de todos os seus ex-namorados, quem sabe um deles não pode ser “O Cara”. Esses encontros não acabam bem, para nossa sorte pois são hilários. Se você avaliar a obra um pouco mais a fundo, deixando de lado essa pegada cômica, o livro tem uma mensagem mais profunda.

Assim como dito na frase no início do post, praticamente todos mentem em relação ao seu número e outras coisas por acreditar estar fora do padrão que a sociedade considera aceitável. Lógico que se for debater esses assuntos essa resenha ficará enorme, mas aconselho que vocês leiam o livro e tentem perceber essa mensagem.

Eu simplesmente adorei o livro, não sei o motivo, mas sei que não consegui passar essa impressão com a resenha. Sei que não consegui aprofundar muito a resenha, e credito grande parte de culpa pelo livro ser mais uma leitura divertida do que reflexiva, como disse antes, sem excluir essa ultima, simplesmente não estava em evidência.

Um simples comentário, assisti ao filme e tenho que dizer que apesar das mudanças que são normais em tais adaptações, acabei gostando e me divertindo, assim como foi na leitura.
comentários(0)comente



HoN Br Site 29/06/2012

Resenha HoN Br SIte: Qual é o seu número?
Resenha disponível em: http://www.houseofnight.com.br/resenha-literaria-hofn-br-site-qual-o-seu-numero/

A personagem principal do livro é a Delilah Darling. Ela tem quase 30 anos de idade, e já ficou com 19 homens. Mas tudo estava bem, não tanto, mas… Tudo se complicou quando ela viu em um jornal sobre a média de homens para uma mulher, e era de 10,5. E então ela se vê desesperada, pois a número dela está muito maior do que a média geral. Ela então decide voltar a encontrar todos seus antigos namorados, numa tentativa que desse certo com algum, afinal assim o número dela não subiria. Só que ela vai ver a “verdadeira importância” dos números…

O livro é bem grandinho – tem um pouco mais de 400 páginas – mas a leitura flui muito bem. Ao longo dos capítulos vamos acompanhando Delilah em sua viagem atrás dos seus ex-namorados. Geralmente, em cada capítulo conhecemos um pouco de cada ex-namorado e acompanhamos o reencontro de Delilah com eles. Em algumas partes dou tantas risadas que minha barriga chega doer.

Colin – um irlandês lindo e fofo -, seu vizinho de apartamento com quem ela nunca tivera contato, resolve ajudá-la uma vez que seu pai trabalha com esse tipo de caso (encontrar casais que traem, pessoas desaparecidas, etc.) e ele também entende sobre.

A história também é bem legal, diferente e bem humorada. Em certas partes eu achei um absurdo ela fazer certas coisas, mas sempre acabava rindo ou tirando alguma lição daquilo. Pois é, apesar de o livro ser totalmente focado em ex-namorados loucos e ‘número de homens que ela dormiu’, há também palavras digamos, de conselho, pois ela vive dramas pessoais como qualquer mulher. Mas o melhor é o ‘tipo’ dos homens com quem ela ficava, sério, tem de tudo!

Recomendo o livro para todos aqueles que adoram um livro romântico e de comédia ao mesmo tempo.
comentários(0)comente



Clara 24/03/2013

Qual seu número de horas perdidas lendo esse livro?
Como basicamente todo livro recente direcionado ao público jovem, Qual Seu Número? possui uma linguagem extremamente simples (tão simples que cheguei a me perguntar se a autora duvidava da capacidade de entendimento de seus leitores) e seu narrador em primeira pessoa é a própria protagonista.

Assim, não foi surpresa descobrir o quão medíocre Delilah era. A personagem já demonstra sua imaturidade nos primeiros capítulos, mas ao começar a relembrar seus relacionamentos é que se percebe sua falta de amor próprio e de autoestima. Solteira e, agora, desempregada, a personagem de 29 anos parece mais uma adolescente com suas ideias bobas e desesperadas do que com uma adulta.

Se, por um lado, a fraca personalidade de Delilah empobrece ainda mais a narração, por outro, sua infantilidade mantém o livro num nível regular, conseguindo até mesmo provocar algumas risadas e certo divertimento com recursos como suas listas e seus comentários sinceros.

As notas de rodapé também acabaram se saindo como um problema. As referências culturais do livro são incríveis – vários filmes, personalidades, séries, novelas (principalmente das décadas de 80 e 90) são citados ao longo do enredo. Para quebrar, no entanto, o lado positivo foi difícil achar uma página de Qual Seu Número? que não contivesse um comentário praticamente desnecessário ao final da folha. Informações como quando saiu a 1ª edição da Glamour ou como são feitos todos os tipos de coquetel mencionados não acrescentaram nada à leitura, mas foram as notas que revelavam quem é Carlos Santana, onde fica a Wall Street e o que é Rocky que levaram à confirmação de que a autora só poderia ter pensado que escrevia para uma criança de 10 anos (ainda que o tema fosse a importância que a mulher dá aos padrões impostos pela sociedade com relação ao sexo). Não obstante, muitas vezes elas quebravam a fluidez da leitura com explicações pouco sintéticas.

Além disso, várias vezes, a personagem usa as notas de rodapé para acrescentar algo à história, como pensamentos ou lembranças, o que não teria sido desagradável não fosse um único problema: a impressão que ficou foi de que elas surgiram mais para não inchar o já-grande livro (um exagero de 414 páginas que seria facilmente reduzido cortando-se as informações inúteis) do que para criar uma característica peculiar na obra.

Uma boa surpresa foi (Para continuar lendo, acesse: http://www.marcelecambeses.com.br/2013/03/resenha-qual-seu-numero/)
comentários(0)comente



Saleitura 13/05/2012

O amor é para ser vivido e não contado
Depois de uma leitura descontraída e engraçada não tem coisa melhor do que contar alguns trechos para os amigos e aí começa uma piada atrás da outra. Aí me perguntam: “Qual Seu número? e respondo na mesma moeda: Estou entre o 44 e 46!!! “E quando falo do meu número, é claro que estou falando do meu manequim gente! “

Vamos parar de falar de mim e começar a falar sobre a história que acabei de ler.

“Meu nome é Delilah Darling. Tenho 29 anos. Sou solteira, e, bem... sou uma mulher fácil.” Pg1

É assim que nossa protagonista se apresenta. Ela trabalha como Gerente de Projetos em uma empresa de Design e sua vida vira do avesso quando, após terminar um namoro de quatro meses, dá de cara com uma publicação no seu jornal favorito sobre os resultados da maior pesquisa sobre sexo do mundo.

“Uma pessoa tem, em média, 10,5 parceiros sexuais durante a vida.” Pg 4

Depois disso entra em desespero, pois o seu número estava em 19 - quase o dobro da média nacional. E o pior é que ainda não tinha encontrado o cara certo! Resolve então que não vai dormir com mais nenhum até encontrar o homem certo que será o vigésimo.


Planeja tudo, mas o que não esperava era ser despedida e para completar após tomar algumas doses de tequila acaba indo dormir com seu ex-chefe, Roger. Entrou em paranoia total e é quando procura um apoio espiritual e vai a igreja para se confessar.


Uma parte hilária quando descobre que o padre é o Daniel o número 2. Conversam e ele propõe a ela fazer uma lista de todos e procurar ver como estão e se entre eles não está o homem de sua vida.

Começa a busca da Delilah e vamos convivendo com outros personagens fantásticos e divertidos. Michelle sua amiga, sua mãe que por ela não ter namorado acha que tem algo errado com sua filha. É chata, mas super divertida. Sua irmã Daisy que vai se casar com Edward, seu avô e mais uns tantos outros.


Para ajudá-la na procura aos homens de sua lista ela vai contar com o seu vizinho Colin (um pedaço de mal caminho) que trabalha como investigador particular e também como barman. Enquanto ele investiga ela viaja em busca do seu grande amor. Uma história super agradável que vai seguindo um caminho gostoso de se ler.

Poderia continuar contando mais fatos e momentos apaixonantes mas tenho certeza que cairia no spoiler e então fica aqui o suspense, a curiosidade para que venham descobrir se a nossa querida Delilah realmente encontra o homem de sua vida entre os seus 20.

Ela vai parar no vigésimo ou será que chega no vigésimo primeiro?

O exemplo da história da Delilah é possível ser visto por estas mulheres guerreiras, independentes e que encaram a vida de uma forma simples e autêntica. O amor é para ser vivido e quando ele bate não paramos para contar que número é e sim o que estamos sentindo naquele momento.

O livro virou um filme tendo como protagonista Chris Evans e apesar de ser um pouco diferente é divertido e vale a pena assistir. Veja o trailer no link abaixo:
http://www.youtube.com/watch?v=Eh4u0zwrJjQ&feature=player_embedded

Leitura e resenha feita por Irene Moreira
http://www.skoob.com.br/usuario/311287-irene-moreira

Resenha postadas no Vitrine de Promoções
http://vitrinedepromocoes.blogspot.com.br/2012/03/resenha-e-sorteio-do-livro-qual-seu.html


Repostada na Saleta de Leitura
http://saletadeleitura.blogspot.com.br/2012/05/resenha-do-livro-qual-seu-numero-de.html
Aleska san 08/09/2012minha estante
deve ser uma bigcomedia!


Pandora 09/09/2012minha estante
Eu tenho uma lista de livros e uma classificação tipo assim:
Livro para trabalhar - os de educação e história
Livro para pensar e repensar a vida
Livro para curtir

Esse livro é aquele que tá na lista, nos que vou ler para curtir e relaxar!!!




Débora 02/10/2012

Qual é o seu número?
Essa resenha e muitas outras estão no meu blog.. Segue lá, que tem muiiiito mais..
http://2bookgirls.blogspot.com.br/

Me atrevi a ler esse livro por que já havia visto o filme e me diverti muitíssimo, simplesmente amei e apesar de não ler muitas check-list gosto bastante desse estilo quando estou precisando me divertir. E 'Qual seu número?' não foi diferente.
E logo no começo do livro, já comecei a me divertir com a personagem que mostra ser uma mulher de quase 30 anos, solteiiirissima (contra sua opção, ou por falta de opções) e com uma lista de homem com que já dormiu bastante longa (segundo sua revista preferida), então Delilah chega a conclusão que é uma mulher MUITO fácil.
Logo no começo do livro, ela se vê desempregada, com sua irmã mais nova se casando, e com sua mãe acreditando - tendo certeza - que ela é lésbica.
Desesperada e abalada emocionalmente, ela segue o conselho do seu autor preferido de auto ajuda e do seu ex-ficante, que agora é padre e decide resolver a situação pela forma engraçada e desastrada Delilah de ser.
Faz uma lista com o nome de todos com quem ela já dormiu e contrata ao seu vizinho Colin - e que vizinho viu gente, pelo amor de Deus, a maneira que ela descreve, digamos que todas nós nos apaixonamos por ele. - para localizar todos eles.
Ai dessa parte do livro, e só comedia em diante, Delilah é engraçada e digamos 'boba' e se coloca na situações mais inacreditáveis. Velórios, cachorros, fantoches (que não é bem esse o nome, segundo um de seus ex), clínicas de reabilitação são algumas coisas que surgem na busca pelo seu ex - atual marido.



"Essa é a quantidade de pessoas que constaria na lista
de uma pessoa normal.
Mas eu não sou normal, sou uma vagabunda, e
sendo assim, minha lista continua na página seguinte".
(pág.75)

Esse trecho é quando Delilah faz sua lista, e descobre o seu número absurdo, e apenas confirma o que ela já sabia, que ela é uma vagabunda. kkkkkkkkkkkkkkk'
Bom, vou parar de contar por aqui, e deixar você lerem , porque senão conto o livro todo aqui. HAHA'
Sugiro o livro pra quem quer se divertir com uma história super engraçada. A criatividade no livro e fantástica, na elaboração das listas, e no começo de cada capitulo, simplesmente lindo...
E não se esqueçam de ver o filme, onde podemos ver - desejar - o - lindo - vizinho simpático dela.. ;)
Beijos, ate a próxima.
Débora
Dayana Aquino 06/08/2012minha estante
Adorei sua resenha! Alem de querer ler o livro estou super curiosa e anciosa para assistir ao filme ;-)




Rose 30/04/2014

Qual seu número é uma comédia romântica muito bem feita pela autora. Aliás é o primeiro livro que leio dela e não me arrependi, e olha que eu não estava muito empolgada em ler. Conhecemos a história de Delilah Darling, uma mulher de quase 30 anos que após ler uma reportagem que aponta uma pesquisa feita que ao longo da vida de uma mulher, ela tem 10,5 homens. Delilah entra em parafuso, pois sua vida sexual está bem acima desta média. Para completar sua fase caótica, ela e sua melhor amiga são despedidas. Depois de mais uma noitada e de uma conversa em especial, ela acaba decidindo aproveitar seu tempo livre para procurar seus antigos namorados e quem sabe dar uma segunda chance pra um deles. Deste modo, sua média sexual não aumentaria e ela não precisaria seguir com sua promessa de celibatário. Contando com a ajuda de um vizinho muito especial, ela começa sua viagem a procura de seus ex. Esta viagem é uma comédia, uma aventura onde Delilah apronta as mais variadas atrapalhadas e percebe que sua vida está indo definitivamente para o buraco. Depois de quase matar de susto Colin (o vizinho TDB) e sua melhor amiga, ela decide voltar para casa, afinal sua irmã caçula estava casando e ela precisava está presente, mesmo que para isso tivesse que enfrentar sua mãe e seus comentários sobre o caos de sua vida. Mas uma luz se acende no fim do túnel, e ela reencontra aquele que foi seu primeiro amor, e, disposta a fazer tudo dar certo desta vez, ela reata um namoro com ele. Colin fica muito bravo e tenta alertá-la para o erro que estava cometendo, mas ela não quer saber e segue em frente. Eles brigam e com a distância entre eles e o convívio com seu ex/atual namorado, Delilah acaba percebendo que o amor não obriga a pessoa a se transformar em uma outra que ela não é. Depois de uma hilária conversa com sua irmã, ela perceber que seu coração na verdade já tem um novo dono e que no momento ele está longe dali. Mas uma vez, ela acabou metendo os pés pelas mãos e afastou aquele que poderia ser o homem de sua vida. Mas o destino de Delilah ainda não está traçado, e a algumas surpresas estão a caminho esperando por ela e por você.
Este livro virou filme e eu que não tinha visto corri para ver. Eles mudaram bem a história, começando pelo nome de Delilah. Mesmo assim ainda é uma boa comédia. Eu indico disparado o livro, principalmente para quem quer um livro leve e despreocupado.

site: http://www.fabricadosconvites.blogspot.com.br/p/minhas-resenhas.html
Deh 12/11/2012minha estante
Eu me diverti demais lendo esse livro.
Adorei a resenha e que bom que a Karyn não te decepcionou *_*


Vitória 11/11/2014minha estante
Gente, eu não sabia que era um livro 'o'
Me diverti tanto assistindo ao filme, e claro que fiquei babaaando no Collin! Mas pelo que pude perceber da sua resenha, eles mudaram bastante o filme! Bem, tá na minha lista de presentes de natal *o*
Beijos!


Clarice.Castanhola 01/07/2015minha estante
Quando vi esse volume pela primeira vez pensei que fosse bem chatinho mais não pelo contrário ele reflete bastante a nossa mente , e nos traz uma crítica a números determinados pelo mundo, a procura EXAGERADA por outro para nos fazer feliz,super legal esse livro e também recomendo , ótimo livro ,




Gabriela 07/06/2012

Qual Seu Número? - Karyn Bosnak
Delilah fica muito impressionada ao ler no jornal que uma pessoa tem em média 10,5 parceiros sexuais durante a vida. Ela já tá no número 19 e ainda não encontrou o homem da sua vida. Portanto, ela decide firmar seu limite em 20, assim tem mais uma chance, uma chancezinha, para encontrar O cara ou deixar tudo de lado e virar celibatária.

O problema é que, numa noite de bebedeira, ela acaba desperdiçando a chance e, como não quer encarar o celibato, ela tem a ideia de ir atrás dos seus ex-namorados, pois ela pode ter deixado de ver que um deles seria o homem certo. Além disso, ela não aumentaria o número. Para tanto, ela contrata o vizinho TDB superhot Colin para descobrir o paradeiro, estado civil e orientação sexual (se possível) dos caras. Em tempo, Colin é ator, mas faz uns trabalhos na agência de investigação do pai quando a grana tá curta.

Vocês vão ter que ler o livro para conhecer cada ex de Delilah e que fim eles levaram, mas já adianto que a parte que rendeu mais risadas foi quando ela reencontrou Wade Wojoqualquercoisa. E fiquem de olho na cadelinha Eva!

Delilah é meio imatura para a idade dela, fazendo umas loucuras (como caçar ex-namorados) que mulheres normais não fariam, mas ela é realmente divertida e não uma tresloucada como Lola de "Uma Proposta Irrecusável". Enfim, o livro é bem divertido, mas perdeu uma estrela porque loucura tem limite e as coisas que ela fez para reencontrar o "Loiro Gostosão" foram forçadas demais.

http://bibliomaniacas.blogspot.com.br/
comentários(0)comente



Lilly 01/10/2014

Oi, Pessoas!

Queria muito dizer que este livro é 100% excelente! Mas infelizmente não posso. Isso me entristece muito porque eu realmente amei a escrita da Karyn.
É sério. A leitura flui facilmente. A temática é ótima e abordada de uma forma completamente diferenciada. Eu nunca tinha lido nada relativo a quantidade de relacionamentos que uma mulher precisa ter para garantir se casar algum dia.

A personagem central é Delilah. Ela está prestes a completar 30 anos e começa a sentir a pressão da família, amigas e sociedade sobre sua idade. Para completar ela perde o emprego. Fragilizada, Delilah entra numa espécie de neura após ler um artigo da Marie Clare no qual se diz que a média de parceiros que a maioria das mulheres têm durante a sua vida é de 10,5 e que as mulheres que têm mais de 20 parceiros nunca se casam.

Ao verificar o seu número ela decide não aumentá-lo de maneira alguma e para isso toma uma decisão drástica - nunca mais transar até encontrar o homem para o qual entregará seu coração. Um acidente de percurso põe fim a sua determinação e ela busca um novo caminho - reencontrar seus ex-namorados. Ela segue nessa empreitada de resgatar alguma das suas antigas relações e para isso conta com a ajuda do seu belíssimo vizinho Colin que embora seja cantor faz trabalhos esporádicos como detetive.

É aí que a história fica estranha para mim. Sinceramente, por mais que algumas cenas do reencontro com os ex sejam hilárias, boa parte delas é extremamente forçada... do tipo ria a qualquer custo como alguns filmes de comédia americanos nos quais os mocinhos só se dão mal, entende? Não gostei disso.

Amei a diagramação do livro! Aquelas anotações imitando diário, bips, torpedos, mapas... achei muito legal! Ah, também tem inúmeras notas de rodapé o que eu aaaaaaaaaamo. Afinal de contas nem todo mundo que lê está 100% a par da cultura americana e às vezes fica difícil entender a graça de determinada citação. Isso foi bem útil!

De um modo geral o livro é divertido e vale a pena ler. Mas, eu pegaria emprestado ... não compraria. Enfim...

Conceito: *** ( poderia ser quatro em alguns momentos)

P.S. Tem o filme também... e o Chris Evans tá ainda mais lindo. Porém a história ficou fraquinha também.


site: http://despertarliteral.blogspot.com.br/2012/02/resenha-qual-seu-numero-karyn-bosnak.html
comentários(0)comente



Camila Alexandrino 11/02/2014

Envolvente!
Quando Delilah Darling lê uma matéria no jornal dizendo que a média de homens para uma mulher é de 10,5 durante toda a vida, Delilah entra em desespero. Ela não só passou e muito esse número (19 relacionamentos), como todos eles foram um fracasso total.
Enquanto isso, a dona da empresa onde ela trabalha está sendo processada e para diminuir os gastos, uma boa parte dos funcionários é demitida (incluindo Delilah), ela fica desesperada já que: 1) Está sem um emprego fixo para poder pagar as contas 2) Está sem um namorado/marido para amar e sustentá-la 3) Sua mãe adora se orgulhar do emprego que a filha tem.
Em meio a tudo isso, Delilah decide que só terá mais uma chance de encontrar seu grande amor: o cara de número 20 será a pessoa com quem ela passará a vida toda, então ela não pode desperdiçar a última chance dela, caso contrário ela virará freira. Mas quando ela e seus antigos de colegas de trabalho se reúnem em um bar para "comemorar" que estão livres do emprego, Delilah acaba ficando com o mesmo cara que teve a incumbência de demiti-la, um cara gordo, nojento que se veste mal e se comporta como um ogro.
A beira de um colapso, quando Delilah descobre o que fez na manhã seguinte, achando que não tem mais nenhuma chance para ela, ela toma a "sábia" decisão de ir atrás de seus ex-namorados para dar a eles uma segunda chance e quem sabe concertar essa situação.
Delilah passa por maus bocados nessa empreitada, mas o livro tem uma ótima dose de humor, nada forçado, mesmo que o final seja MEGA previsível, a autora ainda consegue nos prender e nos fazer passar página atrás de página imaginando no que Delilah irá se meter dessa vez.
É uma ótima leitura para esfriar a cabeça, ou para começar o ano, assim como eu fiz, já que esse foi o primeiro livro que eu li este ano. E eu recomendo muito!
comentários(0)comente



jups 28/12/2011

http://www.booksworld.co.cc/2011/12/resenha-dupla-qual-seu-numero.html
Com ótimos personagens e uma narração divertidíssima, Qual seu número? traz uma aventura romântica pela descoberta do cara certo, passando primeiro pelos muitos errados. Quando Delilah lê numa pesquisa que a média nacional das mulheres são de 10,5 caras, ela surta. O lance agora é achar o homem certo entre esses 19.


Os personagens são, digamos assim, no mínimo infames. Foi uma característica que a autora soube criar e mesclar, Delilah é engraçadíssima - embora meio sem noção as vezes - e cada um de seus ex-namorados, uau, é impossível não se surpreender e até mesmo se relacionar com eles. A aparição do Colin então (vocês sabem, o Capitão-Sedução-América), pra mim tiveram dois pontos, um positivo e outro negativo. Ele é ótimo, mas a autora não explorou tudo o que poderia da personalidade dele. Ah vai, faltaram mais cenas cômicas entre eles para apimentar um pouco mais a história.


Mas não se engane quando digo que faltaram cenas, o livro é bem grande. Adorei sua diagramação desde a contra capa, e em todo início de capítulo havia um mapa, ou uma lista dos ex-namorados de Delilah, ou até mesmo e-mails que ela recebia dos próximos a ela. Tudo muito bem feito, é um dos melhores livros da Novo Conceito em relação a essa categoria. Já a capa - que é o poster do filme - não é das melhores, as versões americanas tem que ganhar nesse quesito.

Será que ele está escondido, e ninguém o vê?
Será que ele está chapado, ou tomou LSD?
Será que está relaxando em uma piscina?
Tomando ecstasy? Cheirando cocaína?


O livro é uma diversão em relação aos personagens secundários: desde Eva, a cachorrinha (ela e Delilah juntas tiveram uma das passagens mais engraçadas desse livro) passando pela mãe da protagonista, e chegando ao avô, que mesmo estando na terceira idade está mais “vivo” que muita gente.

A comédia do livro está em toda a história, sendo ainda mais presente na viagem da Delilah através desses homens em potencial, seus planos para conseguir suas atenções e então os engraçados desfechos que fazem desse chick-lit, algo recomendadíssimo para leitura. Talvez o melhor chick-lit que li neste ano. Acho que a maior lição que esse livro passou é "não mexa com o passado", pois assim como Dalilah, podemos entrar em muitas confusões


▪ Curiosidade: O livro possui dois nomes na versão americana: What’s your number, graças ao filme, e 20 Times a lady, que foi o primeiro título a ser publicado. Qual vocês preferem?
comentários(0)comente



Polly 16/03/2012

Originalmente postada em entrelivrosepersonagens.blogspot.com
Nunca pensei que pudesse dar tantas risadas com um livro. Já havia lido umas duas ou três resenhas sobre essa obra, mas, nunca tive aquela vontade de lê-la, mas, acabei comprando por estar com um preço muito bom em uma livraria que fui.

Na quinta feira decidi que precisava de algo pra ler. Foi aí que decidi pegar este livro e definitivamente eu não me arrependo. Foi o melhor livro que li em tempos! Como já disse linhas acima, não me lembro de um livro que tenha me feito rir tanto. Esta é a única obra que eu avaliaria com cinco estrelas desde outubro do ano passado, enfim, vamos à resenha! Só para constar, só não discorri muito sobre a obra para não deixar spoilers. Quero que as pessoas que ainda vão ler este livro, possam se divertir e se surpreender como eu me surpreendi ao decorrer da estória.

“Meu nome é Delilah Darling. Tenho 29 anos. Sou solteira, e, bem... Sou uma mulher fácil. Pronto, falei. Sou fácil. Sou mesmo. Agora você já sabe.”

Delilah é uma mulher de quase trinta anos que está solteira a um bom tempo. Relacionamentos normais e duradores não são muito seu forte. Na verdade ela em si não é muito normal (e isso foi algo que adorei na personagem). Tem uma mãe que pensa que ela é lésbica e uma irmã mais nova que vai se casar antes dela (fato que a mãe acredita que incomode muito a Delilah).

A história começa a tomar rumo quando Delilah lê em uma reportagem que a média de homens para uma mulher está na faixa dos 10,5, e que aquelas que já ultrapassaram esse número muito provavelmente não encontrarão seu parceiro ideal.

“E quando falo do meu “número”, é claro que estou falando do número de homens com quem já dormi.”

Após uma série de acontecimentos (que não vou mencionar para não divulgar spoilers), juntamente com o desespero crescente de Delilah após ler a tal reportagem, ela decide ir atrás de cada um de seus ex-namorados para tentar fazer com que o relacionamento dê certo desta vez e assim evitar que seu número cresça ainda mais.

Para encontrar cada um dos homens de sua lista, ela contará com a ajuda de Colin Brody, seu vizinho irlandês bonitão que sonha em ser ator, mas, nas horas vagas, trabalha como detetive particular para ajudar seu pai (o detetive Jimmy) e ganhar um dinheiro extra.

O que você pode esperar deste livro são muitas gargalhadas e ótimos momentos ao virar das páginas. Lendo esta obra, você estará prestes a conhecer cada uma das desventuras amorosas de Delilah, o perfil de cada um dos homens com quem ela já namorou e as confusões causadas a cada novo encontro em busca do ex de sua vida.

Qual seu número? É uma comédia romântica irresistível, divertida e muito gostosa de ler, que não deixa você largá-la antes do fim. A obra trás consigo uma mensagem positiva e leva o leitor a questionar as escolhas que fez em sua vida, admitir seus erros e acertos e assumir os riscos dos mesmos.
Recomendo muito a todos que querem uma leitura leve, divertida e muito bem escrita (que contém ainda muitas referências de filmes e músicas).
comentários(0)comente



267 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 |