Histórias de Horror

Histórias de Horror H. P. Lovecraft




Resenhas - Histórias de Horror


12 encontrados | exibindo 1 a 12


Naiane 23/05/2020

Conteúdo bom edição ruim
Essa edição não é das melhores mas reúne um dos 4 principais contos do mestre Lovecraft.
comentários(0)comente



sentilivros 08/02/2012

resenha de Histórias de Horror
Como citei acima, pedi e recebi o livro da parceria com a editora Martin Claret. O livro é composto por contos do Howard Phillip Lovercraft sobre um mesmo mito: Cthulhu.
São quatro contos todos assustadores. Devo confessar porém, que o primeiro atrasou bastante minha leitura, pois o achei muito "científico" (por falta de uma palavra melhor) e entediante no começo do conto, mas lá para o final, gostei muito e entendi o porque de toda a explicação em O Chamado de Cthulhu.
O segundo conto: O Horror de Dunwich é um conto rápido, mas marcante. Como no prefácio do livro diz: Lovecraft é minucioso na criação de suas personagens, tornando suas histórias ricas no clima de medo e terror. E, não há como você ficar alheio a tudo a que ele descreve. Neste conto coisas estranhas acontecem em Dunwich, mas ninguém parece se preocupar o suficiente, até que um cientista é "acionado".
" O Homem governa agora onde Eles já governaram; Eles logo deverão governar onde o homem governa agora. Depois do verão vem o inverno, depois do inverno vem o verão. Eles aguardam, pacientes e poderosos, pois Eles irão governar aqui mais uma vez" pg. 71
O terceiro, maior e melhor dos contos, na minha opinião. Sussurros na Escuridão. Dois estudiosos acabam se correspondendo devido a algumas divergências que acabam aproximando-os sobre estranhos corpos que apareceram em alguns "trechos" do país, após uma enchente.
Num primeiro momento vão discutindo aprovável hipótese que Henry Arkeley coloca e Alberty, chega inclusive, a duvidar da capacidade intelectual de Henry. Mas, Henry, tem algumas "provas" e é com base nelas que toda a história transcorre...Nos surpreendendo e aterrorizando.
"Oxalá eu tivesse deixado o lugar em silêncio antes de permitir que a luz pousasse mais uma vez na poltrona vazia. No final das contas, não saí em silêncio, mas sim com um grito abafado que deve ter perturbado, embora não tenha acordado, a sentinela dormente do outro lado do corredor..."pg. 168
O último e menor dos contos é O Assombrador das trevas, que é mais "light", mas nem por isso menos intrigante. Aborda de uma nova maneira o mito de Chutlhu.
Super recomendo!

site: http://sentimentonoslivros.blogspot.com.br/2012/02/historias-de-horror-o-mito-de-cthulhu.html
comentários(0)comente



J. Bezerra 04/12/2011

Resenha: O mito nos persegue Livro Histórias de Horror - O mito de Cthulhu - HP Lovecraft - Ed Martin Claret
Resenha: O mito nos persegue
Livro Histórias de Horror - O mito de Cthulhu -
HP Lovecraft - Ed Martin Claret



Já pensou em desvendar através de relatos de sonhos misteriosos um mito que fascina alguns escritores até os dias de hoje? Bom, essa possibilidade chega até nós em um livro de contos. As três principais obras sobre o panteão mitológico criado por Howard Phillipis Lovecraft (HPL ou H.P. Lovecraft) vem em um pocketbook pela editora Martin Claret.

Uma obra de ficção onde o terror psicológico serve como a base fundamental para o clímax daquilo que está sendo lido, com primazia HP Lovecraft nos conduz a um mundo cósmico científico com uma proposta literária totalmente renovada.

O Chamado de Cthulhu narra a história de seres de outras dimensões, que habitaram a terra a bilhões de anos atrás, e agora querem reconquista-la e consequentemente domina-la e só quem toma conhecimento dessa futura invasão são homens de alma sensíveis como poetas, escritores e pintores, que em delírio ou sonhos vão tomando conhecimento dessa imensa invasão.

As narrações são testemunhos daqueles que viveram a experiência dos sonhos e delírios que comparadas as lendas de povos indígenas que cultuam os mesmo símbolos e monstros que aparecem aos sonhos, parecem ligados, é assim que o clímax é transferido ao terror psicológico sabiamente vividos nas personagens e seus lugares. As narrações são particularizadas pelo modo como H.P. Lovecraft as conduz, de modo singular ele descreve com detalhes cada lugar, as formas e contornos dos monstros e desenhos. A linguagem eu não diria serem pobres, mas ausentes de diálogos mais elaborados, de forma que a compreensão se torna fácil e acessível.

H.P Lovecraft influenciou através de seus escritos não apenas os escritores que compunham o círculo batizado por ele mesmo de Lovecraft Cyrcle (Circulo Lovecraft), mas também em nosso século tem influenciado bandas como Iron Maiden, Nox Arcana, Metálica; incluindo ainda jogos de RPG.

Howard Phillips Lovecraft (Providence, Rhode Island, 20 de Agosto de 1890 – 15 de Março de 1937) foi um escritor norte-americano, que produziu obras de fantasia e terror, com tendências góticas, enquadrados por uma estrutura semelhante à da ficção científica.

O livro de terror psicológico exige muita atenção aos detalhes e sem eles a obra não seria completa, por tanto fiquem atentos e deixe-se ganhar por esses mitos do mestre do terror psicológico.

Sinopse:
Histórias de Horror / O Mito de Cthulhu
Howard Phillips Lovecraft
Coleção A Obra-Prima de Cada Autor
Seres de outras dimensões que no passado reina-ram sobre o nosso planeta estão à espreita para reconquistá-lo! Poucos sabem disso. Artistas, pintores e escritores — almas sensíveis — vislumbram a sua existência em sonhos ou em acessos de delírio. Grupos primitivos, por estranhas razões, os cultuam. E apenas alguns poucos homens, verdadeiros heróis eruditos, buscam pistas sobre essas criaturas e as estudam. São os únicos que podem nos proteger. Numa mistura de horror e ficção científica, esse é o enredo da maior parte da produção de Howard Phillips Lovecraft, escritor norte-americano responsável pela criação do mito de Cthulhu, criatura até hoje cultuada por seitas diversas. Os contos de Lovecraft e suas criaturas tiveram tal repercussão que chegaram a influenciar diversas bandas de rock, como Iron Maiden, Metallica e Black Sabbath. Neste livro, reunimos alguns de seus contos mais importantes: O chamado de Cthulhu, O horror de Dunwich, Sussurros na escuridão e O assombrador das trevas.

Leia essa e outras resenhas no blog Elo das Letras no link: http://eloletras.blogspot.com

E não deixe de participar da promoção desse livro no link: http://www.facebook.com/elodasletras
comentários(0)comente



Aline Prates 02/07/2012

Lovecraft foi e sempre será um autor admirável, principalmente por causa da sua habilidade de impressionar o leitor.

Tive a oportunidade de ler alguns de seus principais contos na edição da Martin Claret e posso dizer que foi uma experiência alucinante. Lovecraft gosta de tratar, ao menos nos contos que li, de seres de outra dimensão, não Ets propriamente ditos, mas do desconhecido e realmente o que assusta mais o ser humano do que o desconhecido? E é com essa premissa que ele trabalha nos devidos contos.

O primeiro conto é uma de suas mais famosas histórias é O Mito de Cthullu, onde aos poucos o persongem principal vai descobrindo um estranho culto a essa diabólica criatura. Conforme vamos acompnhando a descoberta do persongem não há como não ficar tenso.. tudo é narrado de forma sutil, mas muito assustadora.

O segundo conto que compoe o livro É O Horror de Dunwich , a história acontece em um a vila, na verdade um vila quase fantasma, onde um estranha família é suspeita de feitiçaria. Como se eles estivessem tentando trazer para a terra algo mosntruoso. Eu gostei muito desse conto e ele era o meu preferido até eu concluir a leitura do próximo que é ainda melhor. No Horror de Dunwich a narrativa é mais rápida e os acontecimentos mais frenéticos, sem sutileza, de forma mais brutal.

O terceiro e, na minha opinião o melhor do livro, é Sombras da Noite. Nesse conto um estudioso cético passa a receber provas de que criaturas de outro mundo existem. E após receber um convite que afirma poder provar a existência de tais seres o estudioso passará pela pior experiência de sua vida e que poderá mudar sua visão para sempre.
Sem dúvida esse foi o mais assustador, principalmente pelo desfecho, que eu não vou contar aqui, mas é de gelar os ossos.

O quarto e último conto da obra é O Assombrador das Trevas, onde uma construção antiga, na qual aconteciam cultos misteriosos e medonhos, passa a influenciar o personagem principal, atraindo-o para si, tentando usa-lo para libertar a força maílgna que existe dentro dela.

É bem dificil fazer resenha de contos, é preciso ter cuidado para não soltar spoilers. Para fãs do gênero Lovecraft é indispensável. É possível perceber grandes influências de suas obras em autores como o King, então para quem ainda não leu eu recomendo muito, mas prepare seu coração!
comentários(0)comente



naniedias 18/01/2012

Histórias de Horror - O Mito de Cthulhu, de Howard Phillips Lovecraft
Nesse livro publicado pela editora Martin Claret o leitor encontrará quatro contos assinados por Howard Phillips Lovecraf, mais conhecido como H. P. Lovecraft:
- O Chamado de Cthulhu
- O Horror de Dunwich
- Sussurros na Escuridão
- O Assombrador das Trevas
Todos os contos desse livro fazem parte dos chamados "Mitos de Cthulhu" - que falam das criaturas Antigas criadas por Lovecraft.

O que eu achei do livro:
H.P. Lovecraft é realmente um autor muito bom! Com um estilo diferente de escrita, contando com a incerteza como uma aliada, o autor usa e abusa do imaginário do leitor para ajudá-lo na composição de seus personagens. A escrita dele não é simples, portanto, já abram o livro preparados para algo mais denso e de leitura mais lenta. Entretanto, também se preparem para encontrar um mundo onde o inimaginável é simplesmente tão real quanto eu ou você.
Em um primeiro momento, confesso, estranhei bastante a maneira como Lovecraft não descrevia muitos dos elementos de suas histórias - dizendo que era algo não humano, indescritível, ângulos não-euclidianos e outras expressões para dizer que ele não poderia descrever completamente seus seres para nós. Ou seja, parte do trabalho ficaria por nossa conta. Mas à medida em que fui evoluindo na leitura, passei a gostar mais dessa forma diferente dele de contar a sua história - acho que Cthulhu agora é um tanto quanto meu, e nunca poderá ser igual ao seu, já que parte dele (e da cidade onde ele habita) foi criada por minha imaginação.
E por falar em Cthulhu, a leitura do livro já valeu a pena apenas por poder conhecer esse personagem, tão influente na cultura popular - ou vai falar que você nunca ouviu nenhuma referência a esse personagem: seja em livros, músicas, filmes... Várias músicas de bandas famosas de rock, como Metallica (com The Call of Cthulhu, The Thing That Should Not Be e All Nighmare Long), Black Sabbath (com Behind the Wall of Sleep), Nehëmah, The Black Dahlia, Dream Theater, dentre outras, foram baseadas nos mitos de Lovecraft. E Cthulhu é parte da "mitologia" nerd - e eu nunca havia conhecido o monstro antes. Uma das melhores descrições dadas no livro sobre o monstro é essa.
"Se eu disser que em minha mente meio extravagante surgiram simultaneamente figuras de um polvo, de um dragão e de uma caricatura humana, não estarei sendo infiel ao espírito da coisa. Uma cabeça polpuda e cheia de tentáculos encimava um corpo grotesco coberto de escamas e com asas rudimentares."
Acho que uma das melhores maneiras de visualizar o monstro é através da visualização de outras pessoas do mesmo, por exemplo, fazendo uma busca de imagens pelo Google (clique aqui para acessar as imagens http://www.google.com.br/search?q=Cthulhu&um=1&tbm=isch).
No meu caso, ainda havia um incentivo a mais para que eu lesse alguma coisa de Lovecraft - ele é um dos autores favoritos e fonte de inspiração do meu autor favorito: Stephen King! E esse foi o meu maior problema com o livro... acho que esperava algo mais terror e menos seres de outros planetas das histórias de H. P. Lovecraft. Talvez eu tenha apenas lido o livro errado ou esteja esperando as coisas erradas por causa de King. Acabei me decepcionando um pouquinho com o que encontrei na história, mas justamente pelas minhas expectativas - que estavam nas alturas!
Lovecraft escreve muito bem e fez histórias incrivelmente originais - que foram capazes de influenciar, e muito, a cultura popular do século XX e XXI. Além disso, a edição da Martin Claret merece os parabéns - pela excelente tradução, revisão e diagramação desse livro! A capa também ficou ótima - uma das melhores que já vi nessa Coleção A Obra-Prima de Cada Autor! Gostei muito também do Prefácio dessa edição, só senti falta da assinatura, queria saber quem foi o escritor do prefácio.
Resumindo, essa é uma obra muito boa e super indicada para quem se considera nerd ou roqueiro - uma forma de conhecer um dos elementos bastante presentes nessas culturas. E se você for um nerd-roqueiro e não conhece Cthulhu, está super atrasado! Só não espere encontrar uma história de horror, com muito suspense... não é bem isso. É mais uma história do inimaginável - muito bem escrita e fascinante!

PS: Tenho certeza que não fui a única que ao ver a primeira vez o termo "Cthulhu" olhou para esse monte de letrinhas e disse: "caraca, como pronuncio essa coisa?". Aposto que você também já fez isso... e se ainda não descobriu, fique calmo! Segundo o próprio autor a linguagem dos Antigos não é compatível com nenhuma linguagem humana, de forma que qualquer tentativa de pronunciar "Cthulhu" ou qualquer outro termo na língua Antiga é, no máximo, uma aproximação da forma correta. Quando sugeria uma maneira de pronunciar o nome do mais famosos dentre os seres por ele criado, Lovecraft não era muito consistente, sendo o "Khûl-lhoo", com uma vocalização gutural na primeira sílaba, a forma mais citada. Entretanto, essa não é a pronúncia mais comum entre os fãs. Estes preferem "kuh-THOO-loo" (e confesso que é a maneira que eu acabei adotando para pronunciar o impronunciável).
Agora você já sabe como falar o nome desse monstruoso ser e sabe também que não precisa se envergonhar caso o pronuncie de forma diferente das outras pessoas.

PS2: O último conto do livro - O Assombrador das Trevas - foi escrito por Lovecraft como uma resposta ao conto "The Shambler from the Stars" publicado em 1935 por Robert Bloch, no qual Bloch mata um personagem que foi inspirado em Lovecraft. O autor retribuiu o favor com esse conto publicado em 1936 caracterizando Robert Bloch no personagem Robert Harrison Blake. Bloch ainda escreveu uma terceira história em 1950 - "The Shadow from the Steeple" - criando uma trilogia.
Infelizmente, não tive a oportunidade de ler as histórias escritas por Robert Bloch.

PS3: Lovecraft mistura o real com o imaginário no seu livro sem fazer distinções - cita, por exemplo, faculdades reais e imaginárias numa mesma frase. Para uma brasileira do século XXI é até difícil saber o que ele está citando e existe e o que é invenção da cabeça do autor.
Mas vale citar na resenha a existência do Necronomicon, livro de autoria do insano árabe Abdul Alhazred. Não a existência no mundo real, uma vez que o livro foi criado por Lovecraft, mas a existência fictícia do mesmo. O livro se tornou muito conhecido entre os fãs e é tão comumente citado pelo autor em suas obras, que existem até mesmo filmes baseados no livro! Sim, filmes baseados no livro não existente citado nas obras de Lovecraft!

* título original do primeiro conto.
Os demais contos do livro são originalmente intitulados: the Dunwich Horror, The Whisperer in Darkness e The Haunter of the Dark.
Os contos que envolvem a mesma temática desse livro são chamados de Cthulhu Mythos, alcunha dada pelo escritor August Derleth aos contos de ficção científica e horror e aos seres fantásticos que os povoam criados por Lovecraft.
** Data de publicação do primeiro conto O Chamado de Cthulhu, escrito em 1926 e publicado, pela primeira vez, na revista Weird Tales em fevereiro de 1928. O segundo conto O Horror de Dunwich foi escrito em 1928 e publicado em Abril de 1929 na mesma revista. Sussurros na Escuridão foi escrito em 1930 e publicada também na Weird Tales em Agosto de 1931. O último conto do livro, O Assombrador das Trevas, foi escrito em 1935 e publicado em 1936 na mesma revista que publicou os demais contos.

Nota: 8
Dificuldade de Leitura: 8


Leia mais resenhas em http://naniedias.blogspto.com
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



Priscilla 20/10/2013

Foi a primeira vez que li Lovecraft. Demorou muito já que sou fã de histórias de terror. Agora me arrependo de não ter lido mais cedo. Os contos dele carregam um clima tão sinistro que você se vê vivenciando o mesmo horror do protagonista.

O primeiro conto, acredito que o mais famoso é o Chamado de Cthulhu, onde o sobrinho de um arqueólogo, após o tio morrer de forma súbita e estranha, descobre em seus papéis registros sobre pessoas que em certas épocas do ano tem sonhos horríveis muito parecidos…

O segundo, O Horror de Dunwich se passa na vila que dá o título ao conto, evitada por suas lendas de bruxaria. Em uma das famílias, conhecidas por suas feitiçarias nas montanhas, nasce uma criança morena, com certos traços de bode apesar da mãe ser albina. E o menino é estranho, calado e cresce muito rápido…

Esses dois primeiros contos foram os que mais me impressionaram, o que não significa que os dois últimos sejam ruins, muito pelo contrário.

Em Sussurros na Escuridão um professor especialista em folclore troca cartas com um senhor em uma cidade no interior que após uma enchente, foram encontrados pedaços de corpos estranhos ressuscitando lendas antigas sobre criaturas que vivem nas montanhas.

E no último conto, O Assombrador das Trevas, um escritor de histórias de horror, após não conseguir avançar em seu romance, decide ir a uma igreja abandonada onde ele pode ver a torre de sua janela. Apesar do aviso dos moradores, ele entra e acaba libertando algo que dormia…

O clima nos contos me lembrou “N.” do Stephen King. Algo, um mundo, uma criatura que vive a espreita e só saber sobre ela acarreta em morte ou loucura. Para contribuir com esse clima, Lovecraft usa acontecimentos reais, como a descoberta do planeta Plutão em 1930.

Lovecraft é leitura obrigatória para os fãs de terror. Agora me tornarei uma caçadora de mais de suas histórias.

site: http://leitorcabuloso.com.br/2013/09/mito-cthulhu-contos-h-p-lovecraft/
comentários(0)comente



Gabriel 04/01/2015

“Histórias de Horror: O Mito de Cthulhu” reúne quatro contos de H.P Lovecraft, um dos mais celebre escritores americanos. Quando recebi o livro, fiquei um pouco decepcionado pela pouca quantidade de folhas, mais quando peguei pra ler, o livro não deixou a desejar.
Lovecraft consegue sem nenhuma vez utilizar de uma descrição total da criatura, fazer com que os leitores imaginem por si mesmo a aparência dos seres, o mesmo escreve de forma bem complexa, logo faz com que a leitura necessite de um pouco mais de atenção e paciência.
O primeiro conto traz cthulhu, sem sobra de duvidas um dos personagens mais famosos do autor devido a grande aparição no cenário pop e etc... Chutlhu é um ser de outra dimensão que dorme eternamente (ate o dia que acordará é destruirá todo o planeta) em uma cidade de pedra submersa (Talvez Atlântida??), que cultuado por ceitas sombrias ao longo de toda a história da humanidade.
O segundo conto O Horror em Dunwich se passa em uma vila do interior e se trata basicamente de um homem que por meio de feitiçaria, consegue gerar em conjunto com a filha, um casal de gêmeos mestiços, do homem e de um demônio do mundo antigo, sendo que um deles possui características mais humanas e o outro é mais parecido com o pai. Com o decorrer da historia as coisas saem do controle é o pequeno vilareijo de Dunwich vira um caos.
Não gostei muito desses dois contos, esperava mais do primeiro, acho que mesmo pela fama de cthulu, o segundo dá ate um pouquinho de medo, mais sei lá achei que ficou um pouco cansativo.
O terceiro conto (eu achei muito bom) Sussurros na Escuridão, também se passa no interior, mais a historia e bem diferente do segundo conto, tem um pouco mais de ação. Quando alguns corpos estranhos são achados boiando nos rios após uma enchente, um professor universitário e levado a uma investigação fantástica ao desconhecido, as criaturas do livro atacam a noite o que dá um toque a mais a historia, e o fato de poderem imitar qualquer tipo de som deixam a historia ainda mais assombrante.
O quarto conto é uma historia bem curta de um escritor, que após ficar sem ideias pra escrever suas historias resolve invadir uma igreja \ Templo, que acaba soltado um ser milenário, que só consegue andar as trevas. Gostei desse conto, apesar do final.
No geral o livro é bom, obrigatório pra qualquer um que se diz fã do gênero terror.
Eu Recomendo.
comentários(0)comente



Pedro.Muniz 04/05/2016

Terror
O maior clássico de um dos escritores de terror mais conhecidos. O Mito de Chtulu é daquelas histórias que te deixam desconfortáveis e aqui Lovecraft usa todos seus elementos como: cosmologia e ciência.
comentários(0)comente



LT 24/10/2016

Olá!!! Nana Garces, aqui, pra vocês!
E para trazer mais uma resenha, sabe, naquele clima dark que eu amooo!!!

Hoje queria bater aquele papo legal com vocês, porque além de resenha vou deixar umas sugestões, então se liga para ficar bem preparada pro Halloween! (AMO! E não, não É só pelos doces!).

Vamos enlouquecer um pouco? Hum? Hum? Hum? VAMOS!!!!

[H.P. Lovecraft]

Alguém aqui já leu H. P. Lovecraft? Se leu, sabe o que quis falar com enlouquecer, se não leu é bom ficar ligado aqui!

Para entender melhor quem é esse autor, vamos a apresentação: Howard Phillips Lovecraft nasceu em Providence, nos EUA, em 1890. Foi um escritor que revolucionou o gênero Terror e Horror, atribuindo elementos da fantasia e ficção científica. Lovecraft tinha como princípio literário o “Terror Cósmico”, que basicamente falava sobre como o ser humano não era capaz de compreender o conceito de vida e que haviam seres hostis no universo que eram contra as vontades dos homens. Suas histórias demonstram indiferença as atividades e crenças humanas, inclusive sendo pessimistas e cínicas, desafiando valores como Romantismo, Iluminismo, Cristianismo...

Lovecraft foi o responsável por criar um panteão de entidades anti-humanas que para quem tiver interesse, deixarei o nome de algumas dessas entidades para vocês procurarem: Shub-Niggurath, Nyarlathotep, Azathoth, Yog-Shothoth e o mais famoso Cthulhu e foi este que usaram para denominar o ciclo de histórias de Lovecraft como Cthulhu Mythos. Ele também foi o responsável por criar o famoso necronomicon, que pra quem curte um filme de terror já deve ter escutado sobre o necronomicon em Uma noite alucinante – o despertar do demônio.

Lovecraft não teve muitos leitores em vida, mas sua reputação foi crescendo com as décadas e atualmente ele é considerado um dos escritores de terror/horror mais influentes do Século XX.

(~~E eu aqui querendo fazer sucesso com uma obra, ainda em vida! Kkkk~~)

Lovecraft não teve uma vida fácil, não vou me alongar contando a história dele, se quiserem saber mais indico o link da wikipedia (é sim, wikipedia! Está bem escrito, então, eu indico!) onde tem alguns fatos muito legais sobre ele e inclusive a biografia dele.

Resumidamente, ele era um prodígio, sendo que com 2 anos já recitava poemas e com seis anos já escrevia seus próprios. Porém, ele era também um menino muito doente. Alguns fatos marcaram muito a sua vida e quem ele foi, mas a verdade é que quando leio sobre ele e vejo a lista de obras de Lovecraft eu só penso que quem nasceu pra viver nesse mundo literário como ele cresceu e viveu, só poderia ter feito história. Ele inclusive ajudava com revisão, ghost-rider e foi jornalista.

Infelizmente morreu muito cedo, tendo apenas 46 anos, mas deixou uma lista de vários contos, algumas novelas e apenas um romance, O caso de Charles Dexter Ward. A lista completa das obras dele, vocês acham facinho na internet e aí é só buscar para adquirir.

[Resenha - Histórias de Horror – O mito de Cthulhu]

Mas não é sobre esse romance que quero falar, o livro que quero resenhar é uma coleção de obras-primas de H.P. Lovecraft, chama-se Histórias de Horror – O mito de Cthulhu. Foi impresso em formato pocket, pela editora Martin Claret. Nesse livro você vai encontrar 4 contos: O chamado de Cthulhu, O horror em Dunwich, Sussurros na escuridão e O assombrador das trevas.

É um livro curtinho, que se você não tiver problema com ler terror, vai ler tudo em uma sentada, mas se for como eu, que ama e odeia o terror ao mesmo tempo, pode demorar alguns dias pra respirar entre uma história e outra – risos. Especialmente pela linguagem usada pelo autor, não é algo simples e Lovecraft é muito cuidadoso com os detalhes de cada conto. O que deveria ser uma história rápida de se ler pelo número de páginas acaba se estendendo pela densidade dos contos.

Os personagens te instigam a embarcar com eles atrás das informações, você acaba sendo levado a indagar o que está acontecendo e por serem contos descritos em primeira pessoa, você sente que o texto foi feito para você, isso te coloca ainda mais próximo do personagem e mais dentro da loucura de Lovecraft.

Descobrir o que está havendo em cada história não é um trabalho nada simples porque toda a mitologia de Lovecraft é uma incógnita, você se perde pensando se essas entidades são deuses, extraterrestres, seres mágicos e pode chegar à conclusão que são e não são ao mesmo tempo. E a sensação que te resta no final é a de que você não sabe de nada, assim como os personagens.

É uma dica que nem precisa de crítica, Lovecraft é consagrado dentro da área de literatura dele e pra quem curte terror, horror, ficção cientifica eu recomendo com 5 (GRANDES) estrelas! Vale a pena, mas como falei, se prepare para uma linguagem mais rebuscada e para perder um pouco da sanidade!

“A maior condescendência que se pode encontrar no mundo, acho eu, é a incapacidade da mente humana de correlacionar todo os seus conteúdos. Vivemos em uma plácida ilha de ignorância em meio a negros e infinitos mares, e não está determinado que devamos viajar para muito longe.” O chamado de Cthulhu, H. P. Lovecraft.

[DICA EXTRA]

Os contos de Lovecraft fazem um trabalho incrível ao envolver o leitor na história e criar a sensação de estar dentro dela, mas se você quer mais, como uma experiência mais enlouquecedora, vale a pena procurar o jogo de RPG baseado na mitologia de Lovecraft.

O jogo se chama “Chamado do Cthulhu” que é obviamente baseado no conto de mesmo nome, nele vocês interpretarão pessoas comuns que se veem envolvidas pelos mistérios do mundo de Lovecraft.

Já tive essa experiência e vale muito a pena, é estar dentro de uma história de terror, estimulando você a querer descobrir o que está acontecendo, mas... cuidado pra não enlouquecer.

Boa perda de sanidade pra quem embarcar nos contos de H. P. Lovecraft e até a próxima!!!

Resenhista: Nana Garces.

site: http://livrosetalgroup.blogspot.com.br/
comentários(0)comente



Bê. 26/10/2017

Todo o universo de criaturas cósmicas que esse homem criou é rico em detalhes
Essa foi minha primeira experiência com o autor e posso dizer que não me decepcionei. Ao contrário disso, fiquei admirada com a construção da narrativa, a riqueza de detalhes dos lugares fictícios, criaturas e o panteão tão complexo criado por ele.

Coletânea de quatro contos, alguns narrados em primeira pessoa:

O chamado de Cthulhu

Francis Thurston, sobrinho-neto de um notável professor de línguas semíticas de uma universidade em Rhode Island, ao herdar um documento e um estranho objeto a ele associado se vê diante de algo sombrio e inexplicável. Tal documento indica que George Angell, seu tio-avô, antes de sua misteriosa morte estava estudando a relação entre uma cadeia de acontecimentos bizarros em um determinado período de tempo e um culto a uma criatura monstruosa e atroz, mais antiga que a raça humana, que habita as profundezas do oceano, completamente desconhecida por qualquer estudioso. Francis, decidido a dar continuidade às investigações de Angell e desconfiado de que sua morte tenha alguma ligação a elas, se vê imerso em um verdadeiro terror à medida que ele descobre os elementos que compõem esse mistério.

O horror de Dunwich

Os acontecimentos que dão origem ao nome do conto se iniciam e terminam no ano de 1928, entretanto o ponto de partida acontece há quinze anos com o nascimento de uma criança na cidade de Dunwich, Massachusetts. Wilbur Whateley nasceu de uma mulher albina que morava apenas com seu pai em uma fazenda. Todos os habitantes locais pareciam comentar com desaprovação todo e qualquer acontecimento relacionado àquela família. O menino crescia e amadurecia intelectualmente de maneira inumana, sua filiação paterna era desconhecida, seu avô era um inveterado praticante de magia negra e desejava que a educação de seu neto fosse constituída apenas pelo conhecimento do oculto. Porém, o que mais chamou a atenção de todos foi a constante reforma que acontecia na casa dos Whateley e o sumiço dos animais de fazenda que o velho comprava aos montes.

Sussurros na escuridão

Depois de uma forte enchente ter evidenciado seres desconhecidos boiando às margens de um rio, Albert Wilmarth, um professor de literatura e um curioso do folclore começa a se corresponder, por meio de cartas, com um morador da região que afirma ter provas materiais comprovando que tais criaturas estavam longe de pertencer à raça humana. A cada correspondência trocada o morador envia provas cada vez mais consistentes a Albert e os laços de confiança entre eles se fortalecem. De maneira muito misteriosa, a comunicação entre eles começa a ser frustrada como se fosse um aviso para pararem de se envolver no assunto. Albert, decidido a ir até o fim de sua investigação acaba por descobrir que se trata de algo muito maior e muito mais complexo do que ele poderia imaginar.

O assombrador das trevas

Robert Blake, um escritor e simpatizante do oculto se muda para uma cidade rodeada por lendas antigas buscando inspiração. Da janela de sua nova residência é possível ter a visão de diferentes pontos da cidade, no entanto um ponto específico parece fasciná-lo: a torre de uma igreja de estilo gótico. Depois de ter tentado obter informações sobre o lugar com os habitantes e ignorando todas as advertências ele mesmo decide explorar o lugar. A igreja de pedra aparentemente abandonada por muitos anos revela-se ter sido usada para outro fim que não para a prática de um culto religioso convencional.
Jairo.Oliveira 31/03/2018minha estante
Ótima resenha




. 04/05/2018

Lovercraft faz uma mistura muito maluca, criando sensação de que algo bizarro está a um passo de se revelar à humanidade. Os quatro contos dessa obra são assim, tendo em comum também o sensacionalismo em elementos em evidência no contexto de publicação. Plutão exemplifica isso. Descoberto em 1930, é usado como referência de alienígenas aterradores que vieram para a Terra, permanecendo ocultos em segredo para poucos.
Particularmente, como leitor curioso de teorias conspiratórias e histórias surreais, me diverti nessa leitura. Ficção científica, terror, loucura e mistérios.
Gostei mais de "Sussurros na escuridão". É estranho, sobre invasão de seres super bizarros, tipo caranguejos, por ocasião de uma enchente.
Loucura mesmo é essas histórias soarem na minha leitura como metáforas. Invasão maléfica lembra um exército destruidor, como ocorreu pouco tempo depois da morte do escritor (estou devaneando sobre a Segunda Guerra) e não é preciso ser alienígena com cabeça cheia de tentáculos, como Cthulhu, para ser um monstro.
Clichê registrar certa frase de Shakespeare, mas traduz tudo o que o livro instigou na leitura: "Há mais mistérios entre o céu e a terra do que imagina vossa vã filosofia."
comentários(0)comente



12 encontrados | exibindo 1 a 12