E Tem Outra Coisa...

E Tem Outra Coisa... Douglas Adams
Eoin Colfer




Resenhas - E Tem Outra Coisa


69 encontrados | exibindo 61 a 69
1 | 2 | 3 | 4 | 5


Vilto 13/01/2012

Resenha: E tem outra coisa – Eoin Colfer (6º livro da série O mochileiro das galáxias)
Não, eu não cometi um equívoco no subtítulo apenas reutilizei a expressão que está logo nas primeiras páginas do livro.

A curiosidade é algo complicado de se lidar, especialmente na espécie humanóide que habita o planeta mais brega da borda oriental da galáxia, a Terra. Ano passado deparei-me com a notícia que seria lançado o 6º livro da série “O mochileiro das galáxias”, achei que fosse alguma pegadinha, mas era verdade, como isso poderia ser real? O genial Douglas Adams está morto. Um tal de Ein Colfer, autor da série Artemis Fowl, conseguiu os direitos para escrever uma continuação. O sentimento inicial de todo nerd que se preze, diante de uma notícia dessas, é um misto de felicidade, afinal Arthur Dent, Ford Prefect, Trícia McMillan e Zaphod Beeblebox estavam de volta, depois o que ocorre em geral é uma indignação: quem este Ein Colfer acha que é? E então vem o pior sentimento, já mencionado, a curiosidade. Comprei o livro, e li em dois dias, farei algumas considerações sobre ele:

1. Ein Colfer demora um pouco a se libertar do peso da responsabilidade de continuar a história de um dos maiores escritores, críticos sociais e comediantes da história. Mas depois que se liberta a prosa cresce em atrativos.
2. Você leva um choque ao início do livro com os personagens principais, mas não entre em pânico.
3. Random, a filha de Arthur e Trícia, evolui muito na história, o que pode ser um prenúncio para a continuação da série.
4. Thor, o deus asgardiano, é um personagem muito bom da história. Wowbagger, o alienígena imortal que resolve xingar todos as pessoas do universo em ordem alfabética, também não decepciona, acabamos conhecendo mais da história dele.
5. Senti saudades da toalha, ela poderia estar mais presente, afinal todo mundo sabe que é um item indispensável.
6. Deuses desempregados são uma ótima sacada de Ein Colfer, é hilariante.
7. Que droga! Cadê o Marvin???
8. Você se sente um humano perfeitamente idiota, como em todos os livros da série, e agora por outros motivos. Isso não é ótimo?

Colfer não é Adams, não temos uma sacada genial a cada duas linhas de texto como nos primeiros cinco livros da série, mas até que deu conta do recado, Se você já leu todos os livros da série, recomendo. Se não leu os outros cinco, vá ler, são DUPAIS (acho que acabei de inventar o plural para esta palavra, sou um mingo dupal).

Para encerrar um trecho do livro:
"Não existe esse negócio de final feliz. Cada cultura tem um ditado próprio para abordar esse tema, mas em nenhum lugar do Universo você vai encontrar uma lápide onde esteja escrito: ‘Ele amou tudo na vida, especialmente a morte, bem no finalzinho’".

Confira mais resenhas e novidades sobre literatura no blog Homo Literatus, acesse: www.homoliteratus.com
comentários(0)comente



Morgado 04/01/2012

Tendo a difícil tarefa de continuar o trabalho de Douglas Adams, autor da série original, Eoin Colfer viaja com maestria pelo muito das improbabilidades infinitas que é o mundo do “Guia dos mochileiros das galáxias” um mundo onde a vida dos seus personagens principais já havia sido completamente construída e que revela possuir uma ultima leve respiração antes de se apagar de verdade, utilizando de personagens já bem caracterizados o autor lida com a difícil missão de não falhar com essas características que já haviam sido bem trabalhadas anteriormente por Adams. Mas o mais difícil sem dúvida foi conseguir construir o mesmo ambiente ironicamente hilário que esse universo já havia adquirido. Eis algo que não foi feita com tamanha maestria como em sua série original e até mesmo se comprado nos livros do próprio autor, Artemis Fowl.
O livro se mostra aprazível de se ler, porém não possui um dinamismo que prenda o leitor por bastante tempo, ainda assim o autor consegue utilizar de piadas inimagináveis que faz com que o livro seja o tipo que nos faz pensar em como tudo que nele está descrito realmente se encaixa com o nosso mundo, sem contar o fator importante, a falta de senso de alguns personagens que ainda se mantiveram fies ao original.
Assim sendo o “sexto livro da trilogia de cinco” ganha o seu "grand finalle" que se mostra tão incrivelmente improvável fazendo jus ao sucesso original da série.
comentários(0)comente



Sam 01/01/2012

O que percebi com a leitura desse livro, foi uma tentativa frustante por parte do Eoin Colfer em dar continuidade a obra tão fantástica do Douglas Adams... O livro é muito monótono, não segue o mesmo compasso de narrativa que encontramos nos 5 primeiros livros do Guia, fora que o autor passa metade do livro explicando os fatos na notas de rodapé... Confesso que depois do 3 capitulo parei de ler as notas e me foquei só na estória em si, que não foi lá grande coisa também... É repetitiva, um novo planete Nano, habitado por terráqueos e os Vogons vindo destruir novamente essa nova "Terra"... Acredito que havia centenas de novos temas pra se explorar nessa "continuidade" do guia, não tinha essa necessidade de repetir o enredo... Resumindo, não gostei do livro e infelizmente o autor não chegou nem aos pés do Adams...
comentários(0)comente



Gadotti 27/12/2011

Decepcionante.
É muita audácia achar que esse tal de Eoin Colfer iria chegar ao nível esperado de Douglas Adams.
Quem compra o livro procurando uma aventura digna de Douglas irá se decepcionar, com certeza.
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



yuri thome 08/12/2011

Não é o Douglas Adams???
Comprei por mera curiosidade, pois achei que o desaparecimento prematuro de Douglas Adams tinha condenado definitivamente a continuidade do Guia.
Os puristas podem até criticar, mas ao ler, a sensação de "continuidade" é impressionante.
Eoin Colfer captou, apreendeu e, habilmente, utilizou a fantástica e insana escrita do Douglas Adams. Impossível não dizer que o livro é Dupal.
comentários(0)comente



Eduardo Martins 08/12/2011

Boa continuação
Melhor do que não existir nenhuma... algumas perguntas são respondidas, outras ficam em aberto. Falta a sutileza de Douglas Adams. De uma forma geral é engraçado, mas fica aquela sensação de que "falta alguma coisa". Mesmo assim é leitura obrigatória para os que leram os cinco volumes anteriores.
comentários(0)comente



romaxy 08/12/2011

Desde 1991 os fãs do sensacional Guia do Mochileiro das Galáxias estão sem saber o que aconteceu com os adorados Arthur Dent, Ford Prefect, Trillian, e Zaphod. E com a morte de Douglas Adams, em 2001, todos pensavam que a trilogia de 4 livros (que, por mero acaso, são 5) não traria novas surpresas. Mas, pra variar, o Gerador de Improbabilidade Infinita foi ligado, e Eoin Colfer apareceu para nos trazer um livro cheio de nostalgia e diversão.

Recebido com muito ceticismo pela crítica, o sexto livro acabou se mostrando uma enorme e grata surpresa. Bom, surpresa pra maioria, porque eu já esperava algo muito bom vindo de Eoin Colfer, o autor da genial série Artemis Fowl (na qual li apenas os três primeiros livros nos últimos dois ou três anos, mas já planejo comprar o resto).

Em E Tem Outra Coisa, vemos que a vida está perfeita para Arthur Dent e Ford Prefect: Arthur vive em local paradisíaco, com a tão sonhada paz e tranquilidade, enquanto Ford vive em bares pelo mundo sem se preocupar com dinheiro. Está tudo tão bom Mas, quando que a vida desses dois não envolve alienígenas malucos, destruição de mundos e intragáveis Vogons?

Como sempre, nada é o que parece, tudo o que é improvável acontece, e todo lugar que Arthur vive está fadado a ser destruído. Sempre.

Eoin Colfer tem sacadas geniais (que deixariam o próprio Adams empolgado), além de escrever tudo com o característico e sutil humor inglês. É difícil diferenciar a leitura do sexto para qualquer outro livro da série original. Um prato cheio pra todo fã.

E agora, aprendemos Sempre que bater o medo de nunca mais vermos um novo livro do Guia do Mochileiro das Galáxias, NÃO ENTRE EM PÂNICO. Há sempre a enorme improbabilidade disso acontecer.

*Resenha originalmente postada no www.BlogDoRoma.com.br*
Kika 20/06/2016minha estante
Não achei tão incrível assim. Eu notei muita diferença na escrita dos dois antes mesmo de terminar o livro.
Além de que Eoin Colfer tem uma necessidade de apelar ao escatológico para parecer engraçado, coisa que Douglas Adams nunca precisou fazer.

Não curti esse livro não, acho que o autor não conseguiu continuar a série com a mesma sutileza. É em muitas partes é até meio grosseiro.




Paulo Silas 17/11/2011

Opinião pessoal sobre o livro...
O sexto livro da trilogia de cinco da série "O Mochileiro das Galáxias"

Muito bom!
Confesso que inicialmente julguei mal, quando soube (mesmo antes de ser publicado no Brasil) que fora publicado um novo livro da série, não havendo sido escrito por Douglas Adams (obviamente)!

Porém, logo no início da leitura do livro, o estilo de Douglas Adams se encontra presente em Eoin Colfer de uma maneira brilhante. A narrativa é muito boa (se assemelha com a do quinto livro, o qual julgo como melhor escrita de Adams), enredo interessante e muita nostalgia dos livros anteriores...

O "tamanho do livro" é maior que os cinco anteriores (como se fosse o de dois volumes em um...).

Nenhum fã da série vai se decepcionar com a continuação da história do "Guia" - motivo pelo qual recomendo a todos aqueles que curtem e/ou leram os livros anteriores!

Muito bom mesmo!!!
Marina 30/01/2012minha estante
Olá onde encontrou o livro para comprar? por favor sou fã e estou ansiosa por ler este. vi resenhas de pessoas que gostaram e que odiaram. quero ver por mim mesma, mas não encontro onde comprar.




69 encontrados | exibindo 61 a 69
1 | 2 | 3 | 4 | 5