Genealogia da Moral

Genealogia da Moral Friedrich Nietzsche




Resenhas - Genealogia da Moral


31 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3


Lais Isabelle 19/09/2020

É abordado nesse livro:o ressentimento, a má consciência, a oposição entre a moral de senhores e moral de escravos, o mundo como hospício. De fato,pode-se dizer que Genealogia da moral é o mais "psicanalítico" dos textos de Nietzsche.
Mas não se contenta em simplesmente diagnosticar, ele pretende ser médico e salvador, e assume esse papel de uma forma que é peculiar.
comentários(0)comente



Giulia 07/04/2011

Meu primeiro livro de Nietzsche, valeu a pena!
Depois de um tempo querendo ler Nietzsche, consegui este livro emprestado e o li.
Trata-se de um livro bem reflexivo, que me fez refletir bastante sobre o "bem e o mal", "bom e malvado", ideais ascéticos e tudo mais que Nietzsche foi colocando. É um daqueles livros que eu pretendo reler um dia, também.
Valeu a pena, Nietzsche não me decepcionou! Foi ainda além do que eu imaginava. Espero aprender ainda mais (e imagino que irei, e muito) nos próximos livros que lerei escritos por ele.
comentários(0)comente



Léo 16/05/2020

A 'Genealogia da Moral' está situada na terceira fase do pensamento nietzscheano - escrito em 1887 -, primeiramente como um complemento e esclarecimento da obra 'Além de bem e mal'.
Dividida em três dissertações, a obra traz algo fundamental para o pensamento nietzscheano: o método genealógico. A partir deste método, Nietzsche não só se propõem a entender o desenvolvimento moral na história, mas também julgar, tendo a vida como parâmetro, o valor dos valores morais.
Obra fundamental para se aprofundar no pensamento de Nietzsche, entender como este vai antecipar algumas discussões freudianas e ver conceitos fundamentais nas percepções morais, como culpa, consciência, responsabilidade e afins.
comentários(0)comente



Fabi 24/05/2020

Meu primeiro livro de Nietzsche e também meu primeiro livro sobre filosofia. Gostei das reflexões que o livro traz, apesar de me encontrar em certos momentos um pouco confusa sobre algumas passagens... Mas acho que é assim que um livro de filosofia funciona. Sem mais delongas, é um livro bom, se você curtir esse assunto, acredito que gostará dessa leitura.
comentários(0)comente



JC_Sevenfold 22/02/2020

O terceiro período da obra de Nietszche denominado 'Transvaloração dos Valores' é marcado por uma crítica dos valores morais, quebrando preconceitos e libertando o homem de princípios vãos. Necessita-se perguntar: em que consistem os valores, como são instituídos, onde se acham fundamentados, que valor têm eles mesmos? Partindo da investigação do conceito dos juízos de "bom" e "mau", o filósofo quer saber como e que momento eles foram criados. Esses juízos aparecem em duas concepções morais opostas: a dos nobres e a dos escravos, que travaram uma batalha milenar pelo predomínio de seis ideais. Priorizando a moral escrava, o livro aprofunda nas três figuras em que essa moral se apoiou para vencer: ressentimento, má-consciência, e ideal ascético.
comentários(0)comente



Micael 13/07/2020

Vale a pena
Vale a pena, obra prima!
comentários(0)comente



Palestrinha 01/09/2020

Talvez seja um dos melhores livros que li dele. Este livro é uma forma nova de se ver o que é certo e errado, o que é bom e mau, o que é bem e mal, todas essas questões são esmiuçadas de forma única através de uma escrita um pouco narcisíca, porém certeira. Confesso que após a leitura deste livro a forma como a qual me perguntava sobre as coisas, sejam elas quais fossem, foi levemente modificada para uma posição mais crítica.
comentários(0)comente



Dan 20/02/2020

Um manuscrito infectoso
Nietzsche critica a propagação da autodesvalorização do homem, e de que o nosso lugar como centro do universo é esmagado pela ciência - e eu de fato prefiro enxergar a realidade, eu e vc, materiais orgâncios rastejando sobre a terra.

O mais ridículo ao meu ver é o impulsionamento do indivíduo a viver empregando unicamente a vontade de potência em todas as esferas
comentários(0)comente



Ana Duarte 25/03/2020

Por que fazemos o bem?
Livro absurdamente reflexivo, nada de surpreende se referindo a Nietzsche!

Mas o modo como ele disseca a moral nos trás indagações importantíssimas, e com extrema didática e repleto de referências, o livro é complexo e merece ser lido mais de uma vez para que se consiga compreender todos os pontos e argumentos que ele trás em sua tese.

Leitura fundamental caso você goste de filosofia
comentários(0)comente



paulosoler56 20/06/2020

Tirou tabus
Li este livro quando era novinho, há uns 17 anos atrás. Lembro que se criava uma imagem de Nietzsche em minha mente de alguém cruel, que não acredita em Deus, sem sentimentos bons. Obs: Nessa época eu lia romances espiritas e livros semelhantes, ou seja, o foco era algo tranquilo naquele mundo fechado. Porém, lembro que me surpreendi com este livro. Ele tratava da moral com seriedade e entrega. O oposto daquela imagem propaga deste filósofo. E aquela leitura, causou naquele jovem uma alegria, pois aquele filósofo tão temido tratava de uma questão tão boa e importante, que é a moral e uma reflexão em torno desta. Recomendo a leitura. Não li outros livros dele de lá pra cá, então não sei se ele depois em outras obras focou em temas que eu consideraria mais radicais quando jovem. Mas este marcou pra mim por este motivo, que pra mim quebrou uma barreira e imagem que o mundo propaga de Nietzsche, e que neste livro não tem nada disso.
comentários(0)comente



Frank 04/09/2020

Minha introdução ao pensamento de Nietzsche. Admito não ter entendido em sua totalidade e devo retornar a este livro de tempos em tempos, principalmente após ler outras de suas obras. Não vou me arriscar a fazer uma resenha da obra sem ter absorvido bem sua essência.
comentários(0)comente



Lista de Livros 05/11/2017

Lista de livros: Genealogia da Moral – Friedrich Nietzsche
Parte I:
“A rebelião escrava na moral começa quando o próprio ressentimento se torna criador e gera valores: o ressentimento dos seres aos quais é negada a verdadeira reação, a dos atos, e que apenas por uma vingança imaginária obtêm reparação. Enquanto toda moral nobre nasce de um triunfante Sim a si mesma, já de início a moral escrava diz Não a um “fora”, um “outro”, um “não-eu” — e este Não é seu ato criador. Esta inversão do olhar que estabelece valores — este necessário dirigir-se para fora, em vez de voltar-se para si — é algo próprio do ressentimento: a moral escrava sempre requer, para nascer, um mundo oposto e exterior, para poder agir em absoluto — sua ação é no fundo reação.”
*
“O que revolta no sofrimento não é o sofrimento em si, mas a sua falta de sentido: mas nem para o cristão, que interpretou o sofrimento introduzindo-lhe todo um mecanismo secreto de salvação, nem para o ingênuo das eras antigas, que explicava todo sofrimento em consideração a espectadores ou a seus causadores, existia tal sofrimento sem sentido. Para que o sofrimento oculto, não descoberto, não testemunhado, pudesse ser abolido do mundo e honestamente negado, o homem se viu então praticamente obrigado a inventar deuses e seres intermediários para todos os céus e abismos, algo, em suma, que também vagueia no oculto, que também vê no escuro, e que não dispensa facilmente um espetáculo interessante de dor. Foi com ajuda de tais invenções que a vida conseguiu então realizar a arte em que sempre foi mestra: justificar a si mesma, justificar o seu “mal”; agora ela talvez necessite de outros inventos (por exemplo, vida como enigma, vida como problema do conhecimento). “É justificado todo mal cuja visão distrai um deus”: assim falava a primitiva lógica do sentimento — e apenas a primitiva? Os deuses como amigos de espetáculos cruéis — oh, até onde essa antiquíssima ideia ainda hoje não permeia a nossa humanização europeia! Consulte-se Calvino e Lutero, por exemplo. É certo, de todo modo, que tampouco os gregos sabiam de condimento mais agradável para juntar à felicidade dos deuses do que as alegrias da crueldade. Com que olhos pensam vocês que os deuses homéricos olhavam os destinos dos homens? Que sentido tinham no fundo as guerras de Troia e semelhantes trágicos horrores? Não há como duvidar: eram festivais para os deuses; e, na medida em que os poetas sejam nisso mais “divinos” que os outros homens, eram também festivais para os poetas... De igual modo os filósofos morais da Grécia imaginaram depois os olhos do deus a observar a luta moral, o heroísmo e o autossuplício do virtuoso: o “Hércules do dever” estava sobre um palco, e sabia disso; a virtude sem testemunhas era algo impensável para esse povo de atores.”
*
Mais em:
http://listadelivros-doney.blogspot.com.br/2017/10/genealogia-da-moral-uma-polemica-parte.html
*
Parte II:
“O melhor é certamente separar o artista da obra, a ponto de não tomá-lo tão seriamente como a obra. Afinal, ele é apenas a precondição para a obra, o útero, o chão, o esterco e adubo no qual e do qual ela cresce — e assim, na maioria dos casos algo que é preciso esquecer, querendo-se desfrutar a obra mesma. A inquirição sobre a origem de uma obra concerne aos fisiólogos e vivisseccionistas do espírito: jamais absolutamente aos seres estéticos, aos artistas!”
*
“O ideal ascético significa precisamente isto: que algo faltava, que uma monstruosa lacuna circundava o homem — ele não sabia justificar, explicar, afirmar a si mesmo, ele sofria do problema do seu sentido. Ele sofria também de outras coisas, era sobretudo um animal doente: mas seu problema não era o sofrer mesmo, e sim que lhe faltasse a resposta para o clamor da pergunta “para que sofrer?”. O homem, o animal mais corajoso e mais habituado ao sofrimento, não nega em si o sofrer, ele o deseja, ele o procura inclusive, desde que lhe seja mostrado um sentido, um para quê no sofrimento. A falta de sentido do sofrer, não o sofrer, era a maldição que até então se estendia sobre a humanidade — e o ideal ascético lhe ofereceu um sentido! Foi até agora o único sentido; qualquer sentido é melhor que nenhum; o ideal ascético foi até o momento, de toda maneira, o mal menor par excellence. Nele o sofrimento era interpretado; a monstruosa lacuna parecia preenchida; a porta se fechava para todo niilismo suicida. A interpretação — não há dúvida — trouxe consigo novo sofrimento, mais profundo, mais íntimo, mais venenoso e nocivo à vida: colocou todo sofrimento sob a perspectiva da culpa... Mas apesar de tudo — o homem estava salvo, ele possuía um sentido, a partir de então não era mais uma folha ao vento, um brinquedo do absurdo, do sem-sentido, ele podia querer algo — não importando no momento para que direção, com que fim, com que meio ele queria: a vontade mesma estava salva. Não se pode em absoluto esconder o que expressa realmente todo esse querer que do ideal ascético recebe sua orientação: esse ódio ao que é humano, mais ainda ao que é animal, mais ainda ao que é matéria, esse horror aos sentidos, à razão mesma, o medo da felicidade e da beleza, o anseio de afastar-se do que seja aparência, mudança, morte, devir, desejo, anseio — tudo isto significa, ousemos compreendê-lo, uma vontade de nada, uma aversão à vida, uma revolta contra os mais fundamentais pressupostos da vida, mas é e continua sendo uma vontade!... E, para repetir em conclusão o que afirmei no início: o homem preferirá ainda querer o nada a nada querer...”
*
Mais em:

site: http://listadelivros-doney.blogspot.com.br/2017/10/genealogia-da-moral-uma-polemica-parte_25.html
comentários(0)comente



Daniel 12/12/2011

genealogia da moral
Em quais condições o homem inventou os juízos de valor expressos nas palavras bem e mal e que valor possuem tais juízos? Estimularam ou barraram o desenvolvimento até hoje? São signos de indigência, de empobrecimento, de degeneração da vida? Estas são as perguntas que norteiam todo livro deste pensador, considerado como um dos mestres das suspeitas, acompanhado por Freud e Marx.
Todos os conceitos são construídos socialmente num processo histórico. Sendo desta forma, Nietzsche procura em quais lugares históricos do pensamento da humanidade a moral e ética nasceram. Analisa a criação de conceitos fundamentais para a eticidade atual dentro do contexto em que foram criados.
A noção de conceitos criados humanamente é já, em si mesma, uma crítica à filosofia platônico-socrática, a qual ensina que os conceitos e idéias não podem pertencer ao mundo sensível, posto que os sentidos são enganosos, e por isso ficam “flutuando” no mundo das idéias...
Nietzsche não está preocupado em descobrir se foi alguma divindade que ordenou ou não quais preceitos morais deverá seguir a humanidade, pois já chegou à conclusão de que os preceitos morais dizem respeito aos homens e mulheres apenas, logo não são transcendentes, porém, imanentes à natureza.
O livro se divide em tratados, a saber:
1. A origem de “bem e mal” e “bom e mau”;
2. Falta, má consciência e fenômenos;
3. O que significam ideais ascéticos?

Não há como negar que Nietzsche seja polêmico, dada a forma como ele escreve seus textos, que sempre estão acompanhados de uma boa “pitada” de crítica apimentada. Entretanto, não se pode desprezar o pensamento de uma pessoa só por contrariar o pensamento de uma maioria, pois nem sempre a maioria fala a verdade. Em verdade, temos grandes exemplos de grandes maiorias cometendo graves equívocos.
Escreve em forma de aforismos, que segundo o próprio Nietzsche, requer uma arte de interpretar, isto é, aforismos são pedras a serem lapidadas com calma. Para compreender bem seus aforismos é preciso ser quase vaca, é preciso ruminar.
No primeiro tratado, o filósofo separa moral em duas espécies: a moral de escravos e a moral de senhores.
Ele entende por nobre aquele em quem há uma afirmação positiva de si-mesmo, aqueles que eram os dominadores, os poderosos, os senhores; nobre é aquele que age positivamente na construção de seu si-mesmo por meio de si-mesmo. Difere-se do ressentido na medida em que para sentir-se feliz e bom precisa partir de si mesmo para tal, não de outrem.
O ressentido, por sua vez, é aquele que para construir sua felicidade, precisa comparar-se a um outro que lhe é diferente, um não-mesmo (um que não seja si-mesmo); este outro a quem se compara lhe é superior. Desta comparação nasce a inversão de valor “bom” e “mau”: “Bom sou eu, que sou inferior ao nobre (aquele que age) e mau é o nobre que, por ser superior a mim, me inferioriza”. Note-se que o ressentido sofre nesta comparação que ele mesmo faz, sente-se retraído, ofende-se. Ao comparar-se culpa o nobre (que lhe é superior) como causador de sua inferioridade. O ressentido, portanto, é aquele que sofre uma ação, e apenas por meio desta ação sofrida é que age, isto é, reage.
Essa moral ressentida é a moral de escravos que cria valores negativos em relação ao outro e ao próprio sujeito ressentido.
O sim que o nobre diz, diz a si-mesmo; o não que o fraco (ressentido) diz, não diz a si-mesmo, mas a um que não é si-mesmo, a um não-mesmo, negativiza o superior e o diferente de si. É exatamente sob este aspecto que surge o niilismo, que nada mais é do que todo este processo do ressentimento em negar, em dizer não à vida, à vontade de potência que é inerente à vida e à natureza.
No segundo tratado, o autor descreve a origem da má consciência, que é exposta como os instintos reprimidos que não se exteriorizaram e então se voltam para dentro, contra o homem mesmo que possui esses instintos; e da noção de dívida, proveniente das relações entre credor e devedor, é que surge a idéia de culpa.
No último tratado, sobre o ideal ascético, o filósofo batalha contra os negadores compulsivos, ou seja, aqueles que negam a vida, a natureza, os princípios básicos de vida.
Para resumir de forma simples, porém, contundente o que significam os ideais ascéticos para este homem, que eu considero, um dos mais ousados filósofos, podemos usar uma frase do próprio livro:
“O ideal ascético tem sua origem no instinto de proteção e de salvação própria a uma vida em degenerescência.”
Há muito o que se aprofundar nesta pequena frase e podemos seguir os mesmos caminhos de Nietzsche para entende-la.
O ideal ascético professa, direta ou indiretamente (mais indiretamente do que diretamente – os leitores de Nietzsche entenderão bem se eu falar em becos, valados e lugares escuros), que a vida não é um fim em si mesmo, porém apenas um meio para se chegar a uma outra vida que estaria no além. Explicando de outra forma, a vida é enxergada como uma ponte, um teste, uma passagem... A vida ascética é vida post-mortem.
Nas palavras de Friedrich:
“Um modo monstruoso de apreciar a vida não é um caso excepcional na história humana; constitui um dos estados, de fato, dos mais gerais e mais duradouros”.
Este ideal, portanto, foi visto pela sociedade como o único ideal possível de ser vivido. Não houve nenhum outro ideal que lhe servisse de oposição (pelo menos os que tentaram não conseguiram).
Nietzsche também critica os cientistas modernos como aqueles que possuem em seu interior a força propulsora do ideal ascético, pois acreditam ainda na existência da verdade, são seus defensores.
A gênese do ideal ascético se encontra justamente no ponto em que o homem sentiu necessidade de dar sentido para o sofrimento, como vemos:
“O homem, o animal mais corajoso e mais acostumado ao sofrimento não diz não ao sofrimento em si; ele quer, ele até o procura, supondo que lhe seja indicado, um sentido de que seja portador, um para além do sofrimento. É o vazio de sentido do sofrimento, não o sofrimento, que constituía a maldição que pesava sobre a humanidade até hoje – e o ideal ascético lhe oferecia um sentido!”
Traduzamos isso: Contra a falta de sentido, contra a falta de certeza, contra a natureza da mudança, presente na vida, nasce o asceticismo, dando um sentido ao “por quê” do sofrimento, retirando do homem o perigo do niilismo. Entretanto, as conseqüências são bem piores do que se imaginava, criou-se um homem ressentido em relação à vida... Poderia parecer melo-dramático, mas podemos usar até a palavra mágoa neste contexto. Esta mágoa, porém, é reativa, pois se trata de estar magoado profundamente com a vida, de tal maneira que a ação do homem agora converge para nega-la, e, tendo reagido assim, construir todo um ideal pós-morte, onde exista uma outra vida, mais digna, mais aceitável e sem... Sofrimento!
Concluindo a resenha, sinto necessidade de acender uma lamparina nesta escuridão e trazer para mim os olhares de todos os que criticam Nietzsche (os que leram comentários sobre ele e não suas obras mesmo). Por meio do perspectivismo proposto pelo autor, devemos levar em consideração todos os pontos de vista... Entretanto, quais seriam os pontos de vista mais aceitáveis? Respondo: Aqueles que não denigrem, nem pretendem destruir a beleza da natureza e da vida no aqui e no agora!
comentários(0)comente



Rangel 02/07/2015

DE UMA MORAL IDEALISTA PARA UMA ÉTICA MAIS RACIONAL EXISTENCIALISTA
Friedrich Nietzsche, filósofo provocador e polêmico, deixou sua obra “Genealogia da Moral: uma polêmica” para analisarmos o conhecimento de que nós não conhecemos e procurarmos nos conhecer. A chave da sua obra é a busca pelo autoconhecimento, através da esperança e do resgate de valores ainda não estabelecidos pela cultura vigente. Nietzsche, ao rebater a filosofia socrática, sempre se apoiou em Heráclito, que enfatizava a razão demonstrar a própria razão.
No decorrer da sua obra, Nietzsche discorre sobre juízos de valor entre bem, mal e ideais ascéticos, o qual sempre esbarra no idealismo cristão. Assim, ele dividiu seu livro em três dissertações, que preceituam morais do próprio homem.
Na 1ª. Dissertação, ele fala sobre o bom e o mau, que considera existir duas classes: a dos senhores nobres (guerreiros e sacerdotes) e a dos escravos. Os guerreiros são a classe dominante, que cultuam a virtude do corpo, e os sacerdotes cultivam o espírito. Assim, no primeiro momento, distingue-se a moral dos senhores nobres e a moral dos escravos. O nobre é o indivíduo com afirmação positiva de si mesmo como ser bom, belo e forte, e por isso, que são conquistadores e poderosos. Não dependem de nada e de ninguém para se sentirem felizes, apenas de si próprios. E deste conceito, há a contraposição do que é ruim, como feio e fraco, que pode ser característico de um plebeu ou pessoa vulgar. Já, a moral de escravos é a moral do ressentido, o qual para ser feliz, considera outras pessoas como superioras a ele, e considera os valores dos senhores maus. Assim, o escravo considera que o bom é fraco e o forte é mau, porque ele inferioriza. E por esse prisma, a cultura ocidental demonstra ser uma cultura de ressentimento, que herdou do povo judeu, o cristianismo, que era ressentido com os romanos. A vitória dos escravos sobre os senhores fortes e dominadores fez prevalecer que os bons são os sofredores e escravizados, assim transmutou-se a ideia de que impotência é bondade, baixeza é humildade, covardia é paciência. Entretanto, a dúvida é a bondade dos escravos, que utilizam de sua imagem de fracos vulneráveis para um contra-ataque e tomada de poder. Foi o que houve com a vitória dos cristãos no Império Romano, que utilizaram a imagem de Cristo como líder, aparentemente vencido, mas vencedor no final, o que deteriorou a moral dos nobres senhores, que tiveram sua moral predominante por muitos séculos. Assim, negar a bondade dos senhores é tomar posse da inferioridade, como figura niilista, o que na verdade, é negar a potência natural do ser humano e se conformar com ressentimento como algo moralmente bom. Daí, a necessidade de preservar a figura do nobre senhor na sua pessoa, no sentido de viver o seu ser criança em buscar de amadurecer e ser adulto, a fim de que se sentir forte, é sentir ser uma espécie como indivíduo que aprende a ser libertado da infantilização.
A 2ª dissertação é a concepção da consciência, de culpa e ideia de dívida, uma vez que o esquecimento é saudável e a memória não é algo natural na concepção da subjetividade da dor. Se Deus é infinitamente bom, a ingratidão é sinal de impureza e sinal de prestação de contas. Assim, o castigo é visto como forma de compensar o sentimento de culpa do ser humano. E a obrigação só é existente entre credor e devedor, a qual foi adaptada feita pelos sacerdotes nas trocas realizadas na antiguidade, sendo Deus, o credor, e os acontecimentos de benefício um acordo de troca, se os homens forem obedientes aos seus ensinamentos e vontade. Entretanto, a cultura ocidental foi inculcada pelo catolicismo, que sempre doutrinou a purificação da alma como renúncia aos impulsos, ou seja, reprimir os instintos, o que faz o indivíduo ter um conflito interno entre desejo e restrição, o que pode levá-lo ao adoecimento. Assim, para escapar desta culpa ressentida, o antídoto é a experimentação, ou seja, o esquecimento de toda carga de culpa pela da dor.
Na 3ª. Dissertação, os ideais ascéticos são tratados como renúncia aos desejos e mortificação das vontades humanas, uma vez que o ideal ascético é o imaginário do bom cristão expressado pelo sacerdote, que prega a negação das vontades terrenas e realizar a vontade de Deus, a fim de encontrar a salvação futura. Tal ideal fez o homem negar a si mesmo em prol de uma recompensa espiritual. Então, o sacerdote cria o querer a nada e nada querer, o que é uma concepção objetiva de querer dominar a vontade e dominar o desejo. Através de tal querer, o sacerdote controla as pessoas pela promessa da recompensa espiritual, e faz isso para evitar o suicídio coletivo e a melancolia. Então, este ideal é a ponte para uma vida futura, ou seja, após a morte, que se abdica da vida hoje querer o nada para viver uma vida eterna feliz. Assim, as pessoas vivem a religião por códigos simbólicos que no futuro, os sofrimentos atuais encontrarão a felicidade certa. Pode-se então concluir que conhecer é desconstruir o que foi assimilado na vida e tentar reconstruir preceitos morais na própria existência.
Assim, conclui-se que Nietzsche faz uma crítica ao catolicismo por exaltar a moral ética dos fracos e subestimando a necessidade ética de ser forte na vida, propõe uma psicologia da consciência em distinguir de ser cruel ou não, nas tomadas de decisões de modo mais racional, e expõe uma crítica ao ascetismo de não querer o nada, mas que o ser humano deveria buscar novos valores existenciais.


site: http://lrangel.ortiz.zip.net/
comentários(0)comente



Paulo Silas 24/02/2016

Denso, complexo e muito profundo. Em que pese a aparente pequenez da obra, é um dos livros em que Nietzsche mais disseca os temas abordados. Para que a leitura possa fluir e ser melhor compreendida, é necessário que o leitor esteja habituado com os escritos do filósofo. O alerta em tal sentido é dado pelo próprio Nietzsche no prólogo do livro:

"Se este livro resultar incompreensível para alguém, ou dissonante aos seus ouvidos, a culpa, quero crer, não será necessariamente minha. Ele é bastante claro, supondo-se - e eu suponho - que se tenha lido minhas obras anteriores, com alguma aplicação na leitura: elas realmente não são fáceis."

O livro é dividido em três dissertações, cada qual com uma análise filosófica/psicológica/antropológica profunda de questões atreladas à moral e sua genealogia.

A primeira parte da obra (""Bom e mau", "bom e ruim"") se aprofunda em sobre como o ser humano chegou à sua condição atual, preso à moral arraigada na sociedade, de modo que o autor acaba buscando respostas na origem da cultura. A instituição de agrupamentos das pessoas (comunidades) ganha um respaldo na pesquisa do filósofo, a fim de constatar as origens das definições morais. É uma busca pela valoração dos valores. O que originou e definiu o bom como sendo bom e o mau ou ruim como sendo mau ou ruim? Não obstante a dissecação explorativa feita por Nietzsche, há conjuntamente a destruição dos valores constatados na pesquisa do autor.

A segunda dissertação (""Culpa", "má consciência" e coisas afins") demonstra que há um forte liame entre os impulsos do homem e as conquistas culturais. Os instintos produzem a consciência (ou má consciência), as quais são responsáveis pelas formalizações culturais das comunidades: direito, religião, trabalho e política. Nesta parte do livro há uma notória análise psicológica-antropológica da história da cultura e seus reflexos e consequências até hoje existentes.

Na terceira e última parte da obra ("O que significam ideais ascéticos?") está a conclusão que levam as duas primeiras dissertações do livro. O ideal ascético é destrinchado, exposto e novamente estruturado a fim de compreendê-lo integralmente. É a ânsia pelo nada, a necessidade de se criar algo para que possa haver um conforto e supressão dos instintos. O ideal ascético é personificado no sacerdote, o qual reúne e direciona todo o ressentimento dos fracos, dos escravos, do rebanho para dentro dos próprios, se insurgindo contra os dominantes e adotando os ideias da moral de acordo com a criação destes próprios. A profundidade da exposição feita em tal ponto é surpreendente.

"Genealogia da Moral: uma polêmica" foi escrito originalmente para complementar a obra anterior, "Além do Bem e do Mal", vez que Nietzsche retoma e cita inclusive passagens do outro livro. É uma escrita robusta, profunda, erudita e em vários pontos complicada. Cada parágrafo da obra gera muita reflexão e interessantes interpretações. É um livro que deve ser lido e relido, cada vez mais com o intuito de tentar melhor compreender o turbilhão de mensagens transmitidas pelo filósofo.

Recomendo!
comentários(0)comente



31 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3