O Iluminado

O Iluminado Stephen King...




Resenhas - O Iluminado


509 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 |


André L. Pavesi 31/05/2010

Um dos maiores livros de um mestre em sua melhor forma!
Na primeira vez que li O Iluminado eu tinha apenas 12 anos - damn, lá se vão vinte e cinco anos; provavelmente ele foi um dos primeiros livros não infantis que li, se não foi o primeiro. Por isso o escolhi como tema da minha primeira resenha no Skoob.

Dessa primeira leitura, lembro-me claramente de ficar muito impressionado com certas passagens óbvias as gêmeas pelo corredor, a sensação de não-estou-sozinho-aqui que domina Danny no túnel de neve, os animais de arbusto se mexendo e parecendo segui-lo, o detalhe das marcas de meia-lua feitas pelas unhas de Jack nas palmas de suas mãos (cada detalhe que criança guarda!!) e principalmente o maldito quarto com o fantasma da velha morta na banheira (nessa noite temi o escuro do meu quarto como nunca antes!!). Mas a principal lembrança dessa leitura é a sensação de algo maior, um sentimento de que havia algo novo no mundo lá fora pelo menos novo para mim, aos doze anos.

Ao longo dos anos, tive a oportunidade de reler a obra mais umas três ou quatro vezes, o que me permite vê-la com vários olhos, digamos assim.

Lendo O Iluminado com olhos de adulto, revisitei as velhas passagens e os velhos sustos, mas pude perceber muito melhor o verdadeiro drama na vida de Jack Torrance, um sujeito aparentemente condenado a uma vida medíocre de promessas não cumpridas, com uma luta constante contra seu vicio e principalmente, um batalha deseperada para não perder sua família. Entendi melhor o dilema e a dor que domina a personagem ao perceber o tamanho do mal que estava fazendo às pessoas mais importantes em sua vida.

Mas em termos técnicos, digamos assim, um detalhe se destacou em especial (posso estar enganado, mas acho difícil) não há eventos físicos contundentes, não há nada explicito, todas as aparições acontecem de forma individual, apenas vozes e imagens na cabeça de um individuo, alternadamente entre Danny e Jack, quase como se os fantasmas acabassem sendo uma alucinação compartilhada entre pai e filho. O horror que persegue a esposa de Jack é o próprio marido transtornado, levado a loucura pelos fantasmas do Overlook ou seria pelo seu próprio alcoolismo? Ela seria poupada por não ter o brilho compartilhado por eles (e também pelo velho cozinheiro do hotel, um dos personagens mais intrigantes da obra do King na minha opinião), ou tudo não passou de delírium tremens de Jack repassado para o filho através de uma ligação especial alimentada pela força do hotel?

Somos levados a crer que o iluminado do título é Danny, e que Jack é apenas um joguete menor das forças do hotel Danny seria o verdadeiro alvo, o prato principal mas quem nos garante que todas as sensações e aparições que Danny vivencia não são apenas projeções da mente adoecida de Jack, alimentadas pelo Overlook? Realmente não saberia dizer.

Sinceramente, não busco aqui estabelecer verdades absolutas, mas apenas compartilhar com a comunidade minha impressão sobre um dos maiores livros do escritor que me mostrou verdadeiramente como a leitura viria a ser importante na minha vida.

Ab, A.
Lucia Sousa 29/11/2010minha estante
Sua resenha me deu vontade de ler o livro.Sei que vou ficar umas duas noites sem dormir direito,mas vou ler assim mesmo!Valeu!


bardo 31/07/2011minha estante
Você citou uma hipótese bem interessante,certo que no caso o personagem Dick é quem parece definir o caminho, afinal deixa-se claro que ele não só sento o Overlook, com este lhe é tremendamente hostil. Mas por outro lado, poderíamos ver Jack como um "iluminado" que fracassou, a luz feita em trevas, bem ao estilo Star Wars, afinal fica a impressão que ao dominá-lo o hotel fica muito mais forte.
Sem dúvida é um dos melhores do King.


Nath 21/05/2012minha estante
A tua resenha esclarece exatamente o meu sentimento em relação à possível ''conexão mental'' entre Jack e Danny. Muito boa :)


Yasmine 24/05/2012minha estante
É gostoso ler este livro. Não é entediante, não pelo menos pra mim, leitura fácil,li ele com simplicidade sem necessidade de muito entendimento. Stephen King é um ótimo escritor, já li várias de suas obra, gostei da maioria. O Iluminado é uma delas, que livro gostoso de ler! Quanto mais eu avançava mais vontade de ler eu tinha.


Ju 29/07/2012minha estante
... a qualquer momento sentiria uma fria mão segurar seu tornozelo...
Medo. isso define essa obra incrível do SK. todas as vezes em que eu li a sensação sempre foi a mesma.
Medo.


Silvia 28/10/2012minha estante
Ótima resenha :)


Natália 30/12/2014minha estante
Li esse livro e simplesmente fiquei passada na hora em que o Danny diz "Você não é o meu pai" e depois do diálogo, Jack "aparece" e diz pro filho correr, ele vira o taco em direção ao rosto e começa a se bater


Manu 16/01/2015minha estante
Acabei de ler e não lembro das gêmeas no corredor, estava convicta de que elas existem apenas no filme do Kubrick. A única menção e olhe lá é quando explicam ao Jack que o antigo zelador tinha duas filhas, não?


Mara 16/10/2015minha estante
Manu, acabei de ler o livro e esta parte das gêmeas não está no livro (fiquei atenta pra ler essa passagem, pois é uma das cenas mais populares do filme)


Ana Zeszotko 24/07/2016minha estante
Gostei da sua resenha!
Não achei a parte das gêmeas no livro... Por que será?


Marco 08/08/2016minha estante
gostei da tua visão,fecho contigo!


Fany.Nowak 23/05/2017minha estante
Gostei da sua resenha. Parabéns! Mas, cara, fiquei procurando as tais gêmeas e não as encontrei nesse livro! Onde elas estão?




Camila 18/10/2012

The Shining
"Rachel: Hmm. (she opens the freezer) Umm, why do you have a copy of The Shining in your freezer?

Joey: Oh, I was reading it last night, and I got scared, so.

Rachel: But ah, you’re safe from it if it’s in the freezer?

Joey: Well, safer. Y'know, I mean I never start reading The Shining, without making sure we’ve got plenty of room in the freezer, y'know.

Rachel: How often do you read it?

Joey: Haven’t you ever read the same book over and over again?

Rachel: Well, umm, I guess I read Little Women more than once. But I mean that’s a classic, what’s so great about The Shining?

Joey: The question should be Rach, what is not so great about The Shining. Okay? And the answer would be: nothing. All right? This is like the scariest book ever. I bet it’s way better than that classic of yours."

FRIENDS #S03E13
(The One Where Monica and Richard are Just Friends)
comentários(0)comente



SG1 08/02/2014

Hotel sombrio querendo se iluminar
Que livro emocionante e surpreendente!

Tive vontade de ler este livro por causa de uma resenha que li no skoob. Nela estava escrito mais ou menos assim: "Incrível como o autor conseguiu fazer do hotel uma personagem da história". Isto me deixou muito curiosa, e, então, após ganhar o livro de presente não perdi tempo para começar a sua leitura.

Hoje, após ter lido essa magnífica obra, e sem desmerecer aquela resenha que me deixou tão curiosa, posso dizer que o hotel Overlook não só é uma personagem, como também manipula com grande maestria as demais, tornando-se uma criatura terrivelmente viva.

Danny é o sonho de consumo do Overlook. O hotel precisa dele para ficar mais forte. Fazer com que seu poder lhe renda mais seguidores fiéis. Deixar de ser apenas um hotel mal-assombrado.

Mas como fazer para que Danny escolha ficar do seu lado? Usando seu amor pelo pai contra o menino, e a fraqueza de Jack com relação à bebida (a Coisa Feia) contra toda sua família.

Jack, contudo, não aceita ser a ponte. Ele quer fazer parte do Overlook. E é por isso que faz tudo o que Ele manda. Quer conhecer tudo sobre o hotel, chegando até a pensar sobre um livro. Jack é o Overlook. Com todas as suas forças. Com toda a sua fraqueza.

Surpreendeu-me, no início, o imenso amor que os Torrence sentiam um pelo outro. Chamou-me a atenção a força de Jack para se ver longe da bebida. Tinha horas que me via lendo as páginas d'O iluminado esfregando a mão contra a boca, de tanto que Jack assim fazia.

Impressionei-me, também, o modo como Stephen King escreve. O livro é todinho em terceira pessoa, mas o narrador alterna sua fala de acordo com o pensamento de cada personagem (Jack, Wendy, Danny e Hallorann). Quando o narrador penetrava na vida de Wendy, por exemplo, o fazia não apenas contando o que esta estava sentido ou pensando, mas também como se fizesse indagações a personagem e interagisse com ela, sendo a própria personagem no momento em que narra a história.

Não é um livro para se ler e entender cada um de seus detalhes. Mas este se encaixam ao longa da história. São muitas alucinações e sentimentos de culpa tão pesados, que você nem sabe se o personagem possui um coração bom ou ruim. E é isso que faz com que eles sejam tão humanos, pois ninguém é inteiramente bom ou ruim. Muito pelo contrário, somos uma avalanche de sentimentos confusos.

Os problemas que Jack enfrenta são tão aterrorizantes para ele que este não aceita sua situação de impotência. O Overlook fica lembrando Jack o tempo todo o quanto ele é inútil e como tudo pode mudar se ele se juntar ao Hotel, servindo-o eternamente. Aplicar um bom corretivo em seu filho e na sua mulher seria uma ótima saída, no pensamento de Overlook. Impor respeito, dar o remédio, gota por gota, assim como o pai de Jack fez com sua mãe. E Jack, assim o aceita.

Por fim, só tenho a dizer que o livro é maravilhoso. Nada comparado ao filme, que, a meu ver, é extremamente fraco. Esta obra lida com sentimentos e com a falta de controle, bem como suas consequências.

O amor fui fundamental para que se chagasse à loucura, mas também foi essencial para que se pudesse expulsá-la. Um poder extraordinário, que somente um iluminado poderia conter.
amanda.magalhae 27/11/2014minha estante
terminei de ler o livro ha menos de uma semana e lendo sua resenha, me deu vontade de ler de novo. Compartilho da sua opinião assim como também me peguei várias vezes esfregando a mão na boca. :)


SG1 02/12/2014minha estante
Oi Amanda! Que bom que compartilhamos dos mesmos sentimentos com relação a este maravilhoso livro! Além disso, fico muito feliz que você gostou da minha resenha, obrigada! ^^




Flávio 03/08/2011

Considerado um clássico de Stephen King, "O Iluminado" é uma obra que possui duas adaptações para o cinema. Ambas muito boas, mas, para quem teve a sorte de, assim como eu, ler o livro antes do filme, sabe a intensidade e a força que a obra tem.

"O Iluminado" inicia com uma premissa simples: Jack Torrance recebe uma oferta irrecusável para cuidar de um certo Overlook Hotel, na baixa temporada, e se muda para lá temporariamente com sua família, que inclui sua mulher, Wendy, e seu filho, Danny, este com um dom, o dom de ser Iluminado. Não leu o livro? Não se procupe, você vai entender o que o dom significa. A questão é que com o tempo o Hotel se mostra mais misterioso do que aparenta e coisas começam a acontecer, tentando levar a família Torrance até a mais completa perdição.

O livro é poderoso em seu enredo e seus personagens. Impossível não simpatizar com o garoto Danny e com a forma com que lida com seu dom. Por outro lado, Jack Torrence é um show a parte. Para mim, um dos personagens mais incríveis já criados por King, perfeitamente retratado na adaptação de 1980 por Jack Nicholson. O personagem te faz rir, chorar e, obviamente, causa medo.

Além dos seus personagens, outro ponto positivo é sua atmosfera tensa, sempre presente. A ideia do terror instalado em cada espaço do Overlook Hotel causa aflição e tensão constantes no leitor. Embora o suspense seja construído aos poucos, quando o ápice chega é digno de nota, tamanha sua intensidade.

"O Iluminado" vale cada palavra lida. A leitura segue constante e prende do início ao fim. Sem dúvida uma das obras primas do autor e que está indubitavelmente dentre os melhores títulos de literatura fantástica já lançados. Quem não leu, não sabe o que está perdendo. Altamente recomendado!
Silvia 28/10/2012minha estante
Nossa muito boa a sua resenha :)




Leonardo Brum 17/04/2009

IMPERDÍVEL
O Iluminado é um clássico da literatura de suspense e terror. Melhor que a adaptação homônima para o cinema, o livro narra a história de Jack Torrance, encarregado de trabalhar como zelador do Hotel Overlook no inverno, época em que o hotel, situado nas montanhas, fica fechado e isolado pela neve. Ele leva junto a esposa e o filho. Jack é tomado pela atmosfera macabra do Hotel, tomado por visões assustadoras de episódios mórbidos ocorridos no passado, e parte numa insana perseguição para assassinar a própria esposa e filho. Uma cena inesquecível é aquela em que o garoto atravessa os corredores compridos do Overlook sob o ruído das rodas do velocípede no piso de madeira, e vê os fantasmas de duas garotas gêmeas dizendo: “Quer brincar com a gente, Danny?”. Uma das melhores histórias qde suspense e terror que eu já li.
comentários(0)comente



Augusto 30/10/2013

Pra ser lido sozinho... à noite... se possível num quarto de hotel...
Imagine um hotel luxuoso, situado no topo de uma montanha, que fica completamente ilhado durante o inverno, com todo o contato com o mundo exterior restrito às linhas telefônicas (que caem religiosamente durante a estação mais fria do ano) e a um velho rádio transmissor. Considere que o referido hotel tem em seu currículo suicídios em vários quartos, assassinatos e outros crimes tenebrosos. Leve em conta que o último zelador, encarregado de cuidar deste primor de hotel durante o último inverno, enlouqueceu, assassinando as duas filhas e a esposa antes de cometer suicídio. Já mencionei que diversos hóspedes deste adorável oásis de descanso e repouso encerraram suas contas antes do previsto e fugiram apavorados do lugar alegando terem tido provas convincentes de que o mesmo era assombrado?! Visualize passar vários meses sozinho em um lugar assim!

Pois bem, esse é o Hotel Overlook e a boa notícia é: há vagas abertas para o cargo de zelador por lá! Alguém se candidata? Não?! É esse emprego dos sonhos que o desesperado Jack Torrance decide aceitar, depois de ser (mais uma vez) demitido por ter espancado um filhinho de papai que detalhe irrelevante era seu aluno. Jack é um escritor frustrado, com histórico de alcoolismo e violência doméstica que busca um novo começo e talvez por isso (e pela ausência de opções melhores) resolve pegar o emprego e levar junto a esposa e o filho de cinco anos. Wendy é a esposa, apaixonada pelo marido, mas ao mesmo tempo profundamente marcada pelas experiências traumáticas recentes advindas do vício do esposo e Danny... Danny é uma criança... diferente. O garoto é o que alguns chamam de iluminado. Um verdadeiro ímã de experiências paranormais.

Embora seja um livro pequeno pros padrões King, creio que o fato da história girar basicamente em torno de quatro personagens principais (Jack, Wendy, Danny e o próprio Overlook) permitiu ao autor desenvolver melhor cada um deles. Ao contrário de em Sob a Redoma, cujo Calcanhar de Aquiles é a prevalência de personagens monocromáticos, O Iluminado tem Jack Torrance como um dos seus pilares e Jack, definitivamente, não é o que eu chamaria de monocromático. Confesso que muito embora o autor dê várias pistas desde as primeiras páginas de que o quê aguarda o feliz recém contratado zelador do Hotel Maldito não é nada bom, me peguei torcendo o tempo inteiro pra que a história seguisse outro rumo, pra que magicamente King mudasse de ideia quanto ao mr. Torrance e o fizesse ter escolhas diferentes. Isso porque o autor nos consegue fazer crer na sinceridade do amor de Jack por sua esposa e filho e no seu esforço honesto pra mudar de comportamento, a despeito de todas as falhas de caráter do mesmo. É, portanto, praticamente inevitável desenvolver alguma empatia por este membro da família Torrance.

O livro todo é muito bom, mas alguns capítulos merecem destaque, como aquele em que Jack resolve inspecionar o tal quarto 217. Li à noite, sozinho e confesso que o filho da mãe do King conseguiu me deixar com os cabelos em pé. Eu estive dentro daquele quarto também, escutei o som da cortina do banheiro abrindo, os passos pesados percorrendo o quarto e ouvi o barulho da maçaneta sendo girando por aquela coisa que habitava o lugar.

Como parece ser de praxe nos livros do autor, chega um momento em que se torna praticamente impossível abandonar a leitura, o ritmo só cai um pouco próximo do fim, quando os convidados da festa que não terminou começam a tirar alguns dos personagens vivos pra dançar. O trecho, embora longe de ser enfadonho, resultou numa quebra da tensão sufocante que vinha numa crescente desde o meio do livro. Esse foi o motivo que roubou a quinta estrela que pretendia dar a este clássico do terror, que não deixa de ser excelente, assustador e muitíssimo recomendado!

Pronto. Resenha feita, dever cumprindo para com Overlook. Quem sabe agora ele me deixe ir... rs.
Eder 30/10/2013minha estante
Pow! Resenha perfeita, Augusto. O Iluminado é mesmo muito foda. Quanto ao Jack Torrance, não tem o que falar. Personagem perfeito, do início ao fim.
Estou no aguardo de Doctor Sleep, para aí sim, o Overlook me deixar.


Eder 30/10/2013minha estante
Curti seus históricos de leitura também. Hahaha


Augusto 30/10/2013minha estante
hahaha Valeu, Eder! Muito obrigado!
Soube apenas recentemente que a sequência de O Iluminado está a caminho. Agora que terminei, estou ansioso pra caramba também! O Jack realmente é excelente, acho que o próprio King tinha um apreço especial pelo personagem, pela atenção que concede ao mesmo.


Eder 31/10/2013minha estante
Eu li On Writing - uma espécie de autobriografia e ensinamentos sobre escrita - recentemente e nele, King diz que Jack Torrance é um reflexo dele próprio, afinal, na época ele também enfrentava problemas com o alcoolismo.


Augusto 31/10/2013minha estante
Ah, cara, que legal. Não sabia disso. Correto o meu palpite então.


Craotchky 04/10/2015minha estante
Steve fala que a adaptação - derivada de um de seus livros - que ele mais detesta é O iluminado. Acho que vi isso numa entrevista...mas o filme é muito bom; a atuação do Jack nem se fala.


Augusto 15/10/2015minha estante
Fala, Filipão. Cara... nessa eu faço coro com o King. Eu assisti ao filme após ler o livro e... detestei. Em tudo. Até mesmo na atuação do Jack. No livro... é difícil não torcer pelo Jack (ao menos pra mim foi). É um personagem mais complexo... é palpável o esforço dele pra vencer o próprio "lado negro". No filme... o cara parece um psicopata quase desde o início. Ficou... raso.




Mateus 28/06/2010

Stephen King já é meu escritor favorito a muito tempo, mas a cada livro seu que eu leio me torno mais fã ainda. O Iluminado com certeza é um dos seus melhores livros, escrito em uma das épocas mais brilhantes de sua carreira. Não possui um terror comum com monstros e seres de outros planetas, mas um terror psicológico, que nos faz pensar: o que será que faríamos se estivéssemos no Overlock? Seríamos manipulados tão facilmente quanto Jack Torrance? Talvez, quem sabe...

O livro conta a história de Jack Torrance e sua família, que vão morar no hotel Overlock onde Jack será o zelador durante todo o inverno. A princípio, tudo vai bem. Mas Danny, filho de Jack, é um iluminado, e consegue ver o futuro. Em seus sonhos, alguém o persegue no hotel, querendo matá-lo. Quem será? É isso que Danny está querendo evitar. E em meio a pessoas mortas na banheira, festas de máscaras com fantasmas, arbustos que se mechem, elevadores que andam sozinho, pessoas loucas que matam a família, é que O Iluminado se ambienta.

Para quem gosta de bons suspenses e livros de terror, esse livro irá incrivelmente reponder a todas as suas expectativas. Muita tensão, muitos sustos, muitas situações assustadoras. Prepare-se para entrar em um hotel mais assustador que qualquer outro. Todos os hotéis possuem segredos e mistérios, mas esse é diferente. Esse é um hotel que irá deixar qualquer um de cabelo em pé. O Hotel Overlock.


Uma pequena observação psicológica sobre tudo o que Jack Torrance fez ou deixou que os outros fizessem com ele: Jack Torrance era alcóolico, mas ficou 2 anos sem a bebida. Quando se mudou para o Hotel Overlock, com seu ar sombrio e opressor, o desejo pela bebida era enorme. Mas onde arranjaria bebida? Os fantasmas do Overlock arrumaram um jeito para que ele bebesse (e bastante). E o que o levaria a querer matar o filho e a mulher? A muito tempo já queria matar Wenndy. Suas reclamações eram intermináveis. Mas ele era apaixonado por Danny e nunca faria nada com ele. Quando descobre que o filho chamou uma pessoa (Halloran) para o tirar do hotel, se sentiu traído e furioso, e deixou o hotel comandá-lo. E com isso, enlouqueceu, e fez tudo o que é narrado no livro...
Rusbis 28/06/2010minha estante
Ótima resenha.
Estou lendo o livro e adorando. Com certeza um dos melhores do King até o momento para mim.




Luiza 18/05/2014

"Ele não entendia porque as desvantagens eram desvantagens. Era difícil."
"O Iluminado" é o primeiro livro de Stephen King que li e, com certeza, será o último. Não posso julgar outras obras do autor que não tive a oportunidade de ler, mas me decepcionei muito com "O Iluminado". Após ter visto o filme, dirigido pelo excepcional Kubrick, criei uma grande expectativa em relação ao livro, já que, na maioria das vezes, a obra é sempre melhor do que aparece nas telas de cinema. Contudo, ao le-lo, me deparei com uma das narrativas mais cansativas e detalhadas que já encontrei. De fato, King desperdiça inúmeras paginas apenas para detalhar situações ou lugares, ou seja, o autor gasta 70% do livro apenas para criar a base da historia e o terror de fato, que é o esperado no enredo, quase não aparece. Quando as cenas de ação e medo começam, o exagero nos detalhes torna-as paradas e sem emoção. Concluo, dessa forma, que Kubrick, ao fazer o filme, transformou uma historia fraca e sem atrativos em um dos melhores filmes de terror já feito. Contudo, existe, no livro, alguns fatores que salvam a obra de ser um completo desastre: os personagens e o final. O autor se dedica tanto aos detalhes que torna os personagens extremamente fieis as suas características e, de certa forma, reais. Alem disso, nos últimos 10 capítulos, King modifica sua escrita, focando menos nos detalhes e mais na ação, tornando a leitura menos cansativa e mais interessante, porém, um livro não é feito apenas de finais e, sim, de toda uma narrativa com inicio, meio e fim.
Fernando 18/05/2014minha estante
Estava esperando ansiosamente por essa resenha e obrigado, apenas confirmou o que eu pensava. Não lerei esse livro.


Aline 23/05/2014minha estante
Realmente, cada pessoa tem uma opinião e um gosto. Esse foi o único romance de terror que realmente me assustou. Stepheng King tem um jeito único de escrever, ou ele toca a pessoa ou não toca - no seu caso, pelo jeito não te tocou. Eu adorei O iluminado e, lentamente, tenho lido todos os livros do King.


Bianca 27/08/2014minha estante
Engraçado que tive a mesma opinião, sobre o livro ser um pouco cansativo nos detalhes, mas não em relação ao início e sim ao fim, achei que ele estendeu demais aquele final e isso foi tirando um pouco das minhas expectativas. Achei os detalhes do início bem uteis, por que, diferente do filme, explica muito bem sobre a história do hotel e a psicologia dos personagens que ajuda a entender melhor a situação.




Pedro 22/01/2010

'O iluminado' é com certeza uma das obras primas de Stephen King,A tensão criada pelo mestre ao escrever o livro é totalmente absorvida pelos leitores que não conseguem largar o livro antes que cheguem ao seu fim. É sem dúvidas um dos maiores títulos do gênero, um excelente terror psicológico,recomendo.
comentários(0)comente



Telma 07/12/2012

O primeiro King, a gente nunca esquece!
O primeiro livro de Stephen King que li.

Eu tinha 14 anos quando li pela primeira vez.
Amante dos filmes de terror, comecei o livro imediatamente depois da frase da amiga que me emprestou: você não vai conseguir dormir a noite.

Será?

De lá pra cá li muito suspense e terror mas... o primeiro King a gente nunca esquece. Vários livros que li na adolescência e que me marcaram demais, reli depois de adulta e em alguns deles, ri ao lembrar do efeito que me causaram na época.

Bem, amigos... com esse foi diferente. Mesmo tendo me borrado aos 14 anos (metaforicamente! Não pensem bobagem!) e tendo visto o filme várias vezes, reler me trouxe o mesmo sentimento angustiante e assustador de anos atrás .

São vários os trechos que nos fazem olhar para os lados para ter a certeza de que, o que Danny (O Iluminado) vê, não está se materializando ali do nosso ladinho.

O baile no salão, os arbustos em forma de animais, o labirinto sufocante, as gêmeas, a mulher da banheira...
Do que eu tô falando? De imagens que ficaram gravadérrimas na minha mente semi pueril e que ate hoje, na pré velhice me acompanham com força!!!!!

Quer tirar a prova dos 9? Leia! O livro é 10!

O que é REDRUM ou REDROOM? Só lendo, amigos... Minha política de não deixar escapar spoilers anda mais forte do que nunca.

Basta lhe dizer que, até hoje, mesmo amando Dean Koonz e sua deliciosa série de Frankenstein (trilogia para nova resenha), mesmo sendo comprometida com Clive Barker (outro geniozinho do terror), meu coração ainda bate aceleradíssimo por King... mais espeficicamente pelo O Iluminado (The Shining), do Rei.

Quem gosta do gênero, não pode deixar de ler!
Milla 01/02/2018minha estante
Eu li o livro mês passado e não me lembro dessa parte das gêmeas ! Sei que no filme elas aparecem, apesar de não ter visto o filme. A única coisa que me lembro sobre duas meninas são as filhas do antigo zelador, antes de Jack começar a trabalhar no Overlook... Pode me ajudar com isso ? kkkkkk




Everton 10/11/2010

Uma Perda de Tempo
Muito Chato como pode alguém gostar tanto de um livro sem nada para oferecer,um livro supostamente de Terror que mais da TÉDIO isto mesmo Tédio tudo aquilo de se arrepiar ou não conseguir dormir a noite era tudo mentira não só dormi bem como quase cochilei no meio dele.
Matheus Caixeta 26/11/2010minha estante
Pois é, comigo foi a mesma coisa. Achei que eu ia ficar com trauma desse livro pelo que me diziam, mas não tem nenhum terror...


Carol 06/12/2010minha estante
Desculpe, mais discordo. o terror de Stephen King não é do tipo filme de terror vazio, é mais um terror refinado. as vezes em suas historias o medo q vc sente não é por causa das palavras impressas, mas a forma como te suga. espero q um dia sinta isso. bjs


Lucia M. Segaty 09/12/2010minha estante
iiiii... não t entendo. Eu praticamente viajei para dentro deste livro. As descrições são perfeitas. Vivenciei os momentos, um livro inesquecível...


Matheus Caixeta 24/12/2010minha estante
Eu senti mais medo lendo Coraline. Bjs a todos e se cuidem -n


Aline 10/05/2012minha estante
Bom... não sou grande fã do gênero, mas gosto muito da adaptação de Stanley Kubrik, com Jack Nicholson no papel de Jack Torrance. Achei uma leitura fácil e fluida. Não vi no livro tantos defeitos assim...




Kennedy 11/06/2010

Decepção

Vou ser bem objetivo.

Sinceramente, espera muito, mas muito, muito, muito mais desse livro. Com esse livro aconteceu a mesma coisa quando eu li "O Caso dos Dez Negrinhos", que muitos dizem ser o melhor de Agatha Christie, porém eu não. Com "O Iluminado", de Stephen King foi a mesma coisa.

Foi o segundo livro que eu li do autor (o primeiro foi "A Incendiária"), e me decepcionei mesmo. Eu esperava tudo deste livro, mas logo nas primeiras páginas o livro estraga tudo.

A metade do livro é tudo enrolação, o autor ENCHEU LINGUIÇA, totalmente inútil.

A história que está na sinopse começa nas últimas páginas do livro.

Não vou gastar meu tempo fazendo reclamações desse livro.

Resumindo: um livro fraquíssimo, que só para começar não é de terror.

Nota: 4,0.
Matheus Caixeta 02/08/2010minha estante
'que só para começar não é de terror'

Concordo com você nesse ponto.


Fran Goldsmith 03/08/2010minha estante
É comédia então? o livro é de horror psicológico,onde o que torna a história macabra é a simplicidade e naturalidade,com coisas cotidianas envolvidas.


Lord_Magnuz 25/08/2010minha estante
"não é de terror"

pessoas tem que começar a notar diferença entre terror psicologico, e o terror que voces estão acostumados a ver em filme.


Kail 21/11/2010minha estante
Terror e susto são duas coisas muuito diferentes! Se você tava lendo esse livro com a intenção de se assustar, me desculpa, mas ta lendo a coisa errada. O terror do Stephen King não é terror de segunda igual aqueles filmes que você assusta com uma cara feia e um grito. É algo psicológico e interior. Se você não se sentir no livro, não se sentir no hotel, não vai sentir o terror do livro mesmo...




Vitor 30/09/2014

Não é lá grande coisa, não.
Bem, o fato é que muita gente deixa-se influenciar pela fama do autor na hora de resenhar. Logo, quanto mais famoso o autor é, mais supõe-se que ele é brilhante etc, etc. Em alguns casos é verdade, mas eu não o diria de Stephen King. Vamos lá: King se perde em divagações, explanações longas e desnecessárias ao longo do livro. É bem verdade que existem informações que não se podem deixar fora do livro, mas muitos autores o fazem de forma mais sucinta e agradável. Depois de um determinado número de páginas, tendo notado que essas longas passagens descritivas não acrescentavam em nada à história, eu comecei a pulá-las sem a menor dor na consciência, e a minha surpresa foi que mesmo assim eu consegui entender toda a história. Ou seja: só encheção de linguiça para alongar desnecessariamente o livro, como se King quisesse se provar, querendo mostrar que é capaz de escrever um livro extenso.
O terror, se é que existe, é bem fraquinho... Em nenhum momento eu me assustei, e sim bocejei largamente. Na verdade, o que vemos aqui é algumas cenas de violência gratuita, como se King não fosse capacitado para escrever horror e resolvesse apelar. Há umas coisas toscas de arbustos em formas de animais que... bem, é melhor você ler o livro.
A relação entre os personagens, ao menos, foi desenvolvida na medida certa, nem de mais, nem de menos.Já os diálogos são em sua maioria concisos, e eu gostei bastante. Há ainda um mistério bobinho, um anagrama que eu consegui decifrar logo de cara, de tão evidente que estava (minha longa navegação por livros de detetive pode ter ajudado).
Enfim, não se deixe levar pela fama do autor, pois esse livro está longe de merecer 5 estrelas.
Felipe 26/12/2015minha estante
Eu concordo Stephen King se tornou como um "deus" que ninguém pode falar mal, um cara que só escreve obras de arte; Eu porem, não gostei de nenhum livro dele e não faço a mínima ideia de como esse cara ficou famoso; A escrita é horrível!




Fábio Vermelho 05/03/2011

Pensei que, devido ao tamanho do livro, boa parte dele seria enrolação. Muitos falam que deveriam ser cortadas umas 100 páginas do livro, páginas desnecessárias e etc, mas eu discordo; até pensava isso no inicio, antes de lê-lo. Pensava "Porra, o que o Stephen King escreveu tanto com esse enredo? Tomara que não tenha enrolação demais..". Mas quando comecei a ler, o livro foi fluindo muito bem, não houve nenhuma parte que me tenha enchido o saco ou feito com que eu desejasse abandonar o livro.
Resumindo, ótimo livro; supriu minhas expectativas.
Louise 16/03/2011minha estante
Concordo plenamente. Apesar de não haver aquela tensão o tempo todo, em nenhuma parte me senti aborrecida, ou sem interesse.


Juliana ;* 19/03/2011minha estante
Concordo, pelo contrario né ? kk
Nas horas calmas eu ficava mais nervosa porque eu sabia que logo viria MEEEEDO. KKK'




W Nascimento 09/12/2012

Algo indigno da habilidade de King
Jack Torrance, escritor de talento, mas arruinado devido a seus problemas com álcool tenta realavancar sua vida e tem em um emprego de inverno a chance de trabalhar e ter tempo de preparar seu novo romance. Ele e sua família então vão se hospedar no hotel Overlook, onde a presença de seu filho Danny, garoto precoce que demonstra fabulosas habilidades psíquicas, mexe com as estruturas e as forças ocultas adormecidas no local. Neste momento, o pomposo hotel transformasse em uma armadilha mortal, onde um mal enterrado a séculos ameaça a vida de seus novos hóspodes...
É possível que os fãs da literatura de terror e, em especial, os aficionados na obra de King possam vir a gostar deste livro, todavia, confesso que fiquei um tanto quanto decepcionado com o seu desenrolar. Iniciei este trabalho com muita empolgação. As primeiras páginas demonstram talento, tanto na escrita, quanto na construção do enredo, porém esta qualidade vai se diluindo ao longo das quinhentas páginas que compõe o romance.
King explora muito bem a tensão inicial, prometendo ao leitor uma grande dose de mistério e é este justamente o compromisso que não se cumpre. O hotel Overlook guarda um segredo, um mal centenário que destrói aqueles que nele se hospedam nas temporadas de inverno, tal como a família Torrance, Neste momento, em que não há testemunhas, não há movimentação. Crimes bárbaros ceifaram a vida naquele lugar e a aura tenebrosa do terror está presente em cada um dos aposentos, em especial no quarto 237.
Toda esta tensão criada na entrada faz com que o aventureiro das páginas de “O iluminado” crie imensas expectativas com relação ao desenrolar da obra. Mas infelizmente estas não são atendidas. O mistério da origem do mal é muito pouco trabalhado, e a história se perde em cenas de terror sem muito sentido e de pouca profundidade. E o medo que parecia desabrochar no início do enredo se perde e o livro acaba por se tornar enfadonho a partir da metade.
Talvez um romance mais enxuto fosse o melhor para “O iluminado”, onde se investisse mais atenção ao enredo que às cenas fantásticas que acabam por se tornarem vazias ao fim. Uma verdadeira pena, pois o talento de Stephen King, com certeza, extrapola as limitadas fronteiras deste livro.

Willian Nascimento.
Autor dos livros "O Véu" e "De Corpo e Alma"
Esta e outras resenhas você encontra em:
http://pordetrasdoveu.blogspot.com.br/
Édila 05/11/2012minha estante
ótima resenha, pensando em ler mais livros deste autor, mas agora vou deixar esse para depois!




509 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 |