Eu, Alex Cross

Eu, Alex Cross James Patterson




Resenhas - Eu, Alex Cross


60 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4


Fogui 01/05/2012

Alex Cross 16.
Eu, Alex Cross.
James Patterson.
Arqueiro.
2011.

Este é o primeiro livro da série que leio, fiquei muito impressionada. E também muito triste comigo mesma, porque já sabia sobre a existência do autor e da série, mas nunca, nunca dei a menor atenção ao fato e nem procurei saber sobre os temas dos livros ou coisa que valha. Tinha conhecimento de que James Patterson escrevia suspenses, mas era só nada mais.

Não imaginava que era um livro tão dinâmico e realista. Apesar de o conteúdo falar de um crime horrível, considero uma leitura muito agradável. O núcleo familiar de Alex Cross alivia de certa forma, a crueldade dos crimes que ele investiga.

Ainda fico impressionada com a natureza humana. Quanto maior o poder, maior são as taras ou "anseios" como o personagem gosta de classificar suas bizarrices. Essas pessoas são doentes precisam ser trancafiados em locais em que não possam ter contato com outro ser vivo. São repugnantes.

Bom, adorei o Alex Cross. Com certeza me tornei fã. Só uma pequena observação "que é esse tal de Kyle Craig?" Putz!!!! vou ter que ler os outros livros pra descobrir, isso é enlouquecedor, porque sou mega curiosa...rs.

ADORO!!!

RECOMENDADÍSSIMO!!!
comentários(0)comente



Higor 25/01/2014

Você, livro ruim
Daí que todo o marketing em volta de James Patterson, tanto da Arqueiro, quanto da Novo Conceito, fizeram-me perguntar quando enfim leria algum livro dele. Eis que o dia chegou, e com ele a grande decepção.

Livros policiais são ótimos, mesmo sendo um tanto clichês na maioria das vezes, mas eu nunca havia lido um livro policial de apenas 198 páginas. Logo de cara achei totalmente impossível uma boa trama ser desenrolada e bem construída em tão poucas páginas. O fato de ser o 16º livro de uma série também desanimou bastante, apesar de ter consciência de serem casos independentes, o que não atrapalha em um todo.

A história é contada rápida demais, sem muitos detalhes, e os personagens mencionam que sabem dos fatos decisivos para a identificação do vilão, mas nós, leitores, ficamos alheios a isso, dando a entender que pulamos tal parte. A história já não tinha potencial, mesmo com o autor forçando, sempre dizendo que tal crime iria abalar não somente a família de Cross, mas os EUA e o mundo todo. Rá, muito exagero. A maneira como foi escrita atrapalhou ainda mais a desastrosa leitura.

As páginas não viram sozinhas, como a Arqueiro vêm anunciando, pois eu as passava com bastante dificuldade. O autor de suspense mais vendido do mundo decepcionou muito, muito mesmo. O livro é tão ruim, mas tão ruim, que até o título “Eu, Alex Cross” não condiz em nada com a história. Eu esperava que houvesse algo a ver com a identidade do tal, ou até amnésia, mas nada condizente com o título aconteceu.

A verdade é que tudo não passou uma infeliz leitura. Mesmo com várias séries e livros individuais por aí, o autor fez com que eu, a partir desse livro, não tenha mais nenhuma vontade de sequer folhear suas histórias na livraria. Ainda bem que o livro é fino, então não sofri tanto para concluí-lo.
Sandra :-) 12/02/2014minha estante
Pois eu não consegui nem terminar... abandonei sem piedade!
Adorei seu título da resenha :)


Larie D. 10/04/2017minha estante
Perfeito seu comentário! Fiquei muito tempo na vontade de ler esse livro (outros de maior interesse meu apareceram pelo caminho) e acabo de terminá-lo. Quando acabou, fiz a maior cara de "ué" possível hahaha o começo e o meio são bons (considerando-se um livro de 198 páginas) mas o final é horrível. Tudo muito corrido e sem emoção alguma. Bem triste. Pelo menos comprei em ebook então posso excluí-lo e fingir que nunca li hahahaha




Saulo 18/11/2013

Eu, Alex Cross
James Patterson, o autor de suspense mais vendido do mundo
EU, ALEX CROSS,
Em meio a uma grande crise familiar, o detetive luta para desvendar um mistério que pode abalar o mundo.

O herói é Alex Cross, detetive da polícia metropolitana de Washington, que tem a nobre missão de investigar o assassinato brutal de sua sobrinha e no decorrer do caso se vê envolvido numa trama ainda maior envolvendo prostituição, corrupção e pessoas poderosas do alto escalão do governo americano.

Basicamente se trata de um livro policial com a batida figura do detetive de personalidade inconsequente que vai até o fim para desvendar o caso. O enredo não é dos mais inspirados, mas devido a condução cinematográfica, que mesmo sem reviravoltas ou grandes surpresas, o leitor tem nas mãos uma leitura que prende, mas que promete bem mais do que é capaz de cumprir.

Uma das características mais interessante que vi no livro, foi o desenrolar da história quase idêntica ao desenvolvimento de um filme. O texto é fluido e seus capítulos são curtos e bem construídos, proporcionando uma leitura que sempre empurra o leitor a querer sempre ler mais um capítulo.

Entretanto, a trama secundária que retrata a vida pessoal do detetive e de sua família, em nada contribui para agregar a narrativa, sobretudo pelo fraco desenvolvimento das personalidades de seus familiares. Isso faz com que o leitor não se importe com a vida particular de Alex Cross e nos faz torcer para que o detetive volte logo ao trabalho e continue o que realmente interessa na história.

Além disso, na capa do livro tempos uma pequena sinopse: “Em meio a uma grande crise familiar, o detetive luta para desvendar um mistério que pode abalar o mundo.” Porém, esse grande mistério que a sinopse diz, não fez nada bem ao livro e pode frustrar o leitor por proporcionar expectativas tão elevadas. A conclusão do mistério não é das melhores e faltam explicações do que aconteceu depois da resolução do caso.

Por fim, é um bom livro para passar o tempo, mas o final da trama não surpreende e pode desagradar alguns leitores mais exigentes.

Mick 18/11/2013minha estante
Excelente resenha!


Dany Lizzi 23/04/2014minha estante
olha que eu nao sou do tipo leitor exigente,mas acho que muitas paginas foram desperdiçadas. Considero uma leitura para situaçoes extremas de tedio..


Jany 18/12/2014minha estante
Concordo com vc!! um final sem surpresa para um livro de suspense, está mais para Criminal minds em versão de livro rsrsr acho que a série de tv tem mas suspense e finais melhores.
Mas dá para ler.




Wendell 04/03/2013

Ótimo livro
Uma ótima trama. Muito bem elaborada e que prende desde o início. Apesar do belo trabalho do autor, a tradução peca, em especial com pequenos erros de português. No geral é o tipo de livro que vale a pena ser lido. Recomendo!
comentários(0)comente



Rafa 12/01/2012

Resenha - Eu, Alex Cross - James Patterson
http://www.leiturasvivas.com/2012/01/resenha-eu-alex-cross-james-patterson.html
comentários(0)comente



Milla 18/12/2012

www.amorporclassico.com
Conheci James Patterson através de O diário de Suzana para Nicolas e achei que adoraria seus livros de suspense, no fim das contas me decepcionei muito porque não me senti presa ao livro. Livros de suspense têm fama por prenderem o leitor da primeira a última página, mas James Patterson não me deixou curiosa quanto ao rumo que sua história tomaria.

Alex Cross é detetive da polícia metropolitana e na noite de seu aniversário fica sabendo que sua sobrinha foi brutalmente assassinada; adentrando no mistério, ele descobre que ela era uma garota de programa e estava trabalhando num clube que servia homens ricos e importantes quando foi assassinada por um deles que sempre se mascarava e usava o codinome "Zeus" para se identificar.

Outras garotas já tinham sido vítimas deste mesmo maníaco e Alex descobre que ele está ligado à Casa Branca, mas o FBI e o Serviço Secreto pretendem camuflar algo.

Misturando narrativas em primeira e terceira pessoa, o autor desenvolve a trama a passos lentos e depois de ter concluído percebo que não houve nenhum clímax, achei tudo superficial demais e não me senti satisfeita até mesmo com o desfecho que foi algo não esperado, mas incompleto e artificial. Para acrescentar algo à história, ele coloca a avó do detetive repentinamente doente e isso aumenta alguns capítulos que eu achei totalmente desnecessários. Enfim, o livro não funcionou nem um pouco para mim.

Achei tanto os personagens quanto a narrativa e os fatos muito artificiais.
comentários(0)comente



Jacqueline 25/02/2012

E quando alguém de sua família some e você tem que investigar?


Alex Cross é um pai de família e que estava comemorando seu aniversário junto com a mesma. Muito feliz com a festa, o seu telefone toca. Era uma ligação de trabalho, mais um caso para ele investigar, mas este era um caso diferente, a pessoa sumida era sua sobrinha. Eles não eram muito próximos mas mesmo assim, é família.
Reunindo todas as pistas, Alex descobre que sua sobrinha era uma prostituta e que morreu de uma forma muito bruta. Além de ter descoberto isso, descobre também que sua avó está no hospital e isso o deixa muito mal.
Com muitos mistérios e surpresas Alex Cross começa a desvendar esse homicídio que querendo ou não o deixou muito mexido.


O livro é narrado em 3ª pessoa e algumas vezes vai mudando para a 1ª uma característica do autor que eu acho extremamente importante. Não é o primeiro livro do autor que eu leio, mas esse não me impressionou tanto quanto o outro.
Não sei porque, mas... A história me impressionou bastante até, sou uma grande admiradora de suspenses, e este realmente é um bom livro, mas comparado aos outros não é o melhor.
Para os admiradores do autor, e das histórias com certeza irá adorar a história deste livro. O modo que o autor leva a história, leva o destino dos personagens irá impressionar muita gente, mesmo eu não tendo me identificado muito com este livro, Alex Cross me surpreendeu em muitos momentos.
O livro ganhou minhas 4 estrelas e para quem gosta de suspense é um bom livro.

PLAYLIST: U2 - Desire
comentários(0)comente



Thay Gomez 24/06/2012

Diferente do que esperei
Recebi o livro em parceria com a Editora Arqueiro e terminei de ler em uma semana. Foi o meu primeiro livro de Patterson; apesar de alguns pontos que realmente curti e de toda a popularidade do autor, o livro não me impressionou tanto quanto sua sinopse (o que mais me chamou a atenção, depois da capa). Como mencionei aqui na nossa dica de leitura, este é o 16º livro do detetive Alex Cross, embora seja um companion book dos demais.

Alex comemora sa festa de aniversário em casa, com a família, quando recebe um telefonema da agência. Poderia ter sido um homicídio de rotina, mas dois agravantes se colocaram entre ele e outra operação normal: a vítima era sua sobrinha, Caroline Cross, e o estado do "corpo" é apenas para os mais fortes verem ao vivo. Tudo fica pior quando Nana, sua avó, começa a dar sinais de problemas de saúde e Alex descobre que a sobrinha estava envolvida com uma rede de prostituição da alta, e que ela era apenas uma de inúmeras vítimas. Agora, o problema era também pessoal, como resolver sendo o mais profissional possível, entrar no jogo sujo dos figurões e sair ileso?

Para começar, algumas cenas foram, sim, chocantes e inimagináveis, pelo menos para mim. Porém, creio que construí expectativas muito altas: a história em si foi menos forte do que eu esperava [considerava os comentários sobre a crueldade de alguns personagens], mas acredito que permaneceu em um padrão aceitável. Tudo bem, nenhuma história será pesada como O Massacre da Serra Elétrica, que ainda me causa pesadelos.


"Como detetive, eu devia estar pensando nas evidências físicas e aonde elas poderiam nos levar. Mas, deitado ali no escuro, eu não me sentia exatamente como um detetive. Sentia-me como um tio, como um irmão." (P. 20)


Os personagens em si não tiveram a complexidade que eu esperaria em uma história como esta, nem o detetive, nem seu vilão, Zeus - embora a identidade dele me tenha surpreendido. Infelizmente, os episódios com Nana no hospital foram maçantes, a meu ver; esperei que ela voltasse com lições importantes, pelo menos, ou ajudasse o neto de uma forma "supernatural" com o crime, mas foi só um problema de rotina para se somar ao verdadeiro desastre em que se transformou a vida de Alex desde que recebeu o fatídico telefonema sobre a morte de Caroline. Por outro lado, preciso bater palmas para a namorada do detetive, Bree (Brianna), porque era uma mulher forte e que não teve o merecido destaque na história. O único personagem que realmente brilhou nas poucas cenas em que apareceu. Ela merecia um livro sobre sua própria história, porque foi o diferencial neste livro.

Um mundo onde uma mulher assume a presidência dos EUA foi inovador, mas o jogo sujo já é coisa velha na política, como o fato das traições, tudo se misturando em um poço de lama que só quem aguenta fica para ver, seja como amigo, seja como inimigo. O livro é bom, mas não me agarrou pelo coração. Esperei muito mesmo da fase de Nana no hospital, imaginando que dali sairia algo que ficasse para sempre, não apenas na vida de Alex, como nas nossas.

Quanto à narrativa, gostaria que o autor tivesse intercalado os momentos de maior tensão com quebras de ritmo, que nos estimulassem a ler ainda mais vorazmente para saber o que aconteceria depois. Outro detalhe é que alguns capítulos intercalam os pontos de vista de diversos núcleos, mas se prestar atenção, não tem como se perder.

A história é interessante, sim, e pretendo ler outros livros do versátil Patterson - provavelmente seu tão comentado romance "Diário de Suzana para Nicholas" e outros livros de Alex Cross, da primeira fase.

O livro é o prêmio do nosso Top Comentarista de Junho, acessem a página no topo: www.canto-e-conto.blogspot.com
comentários(0)comente



Elisa 11/07/2014

RESENHA: Eu, Alex Cross - James Patterson
Alex Cross é um detetive implacável.
Famoso pela sua determinação, Alex é um dos mais conhecidos detetives da policia metropolitana.

Quando, na noite de seu aniversário, Alex recebe um telefonema avisando que a sua sobrinha, que ele não vê á mais de 20 anos, foi encontrada morta, triturada, no porta malas de um carro, sua reação não poderia ser diferente.

Jurando á si mesmo não descansar até pegar o assassino da sua sobrinha, Alex acaba embarcando num sub-mundo completamente novo, do qual ele pode, ou não, sair com vida.

Esse é o primeiro livro da série que eu leio, mas como uma boa fã novata de carteirinha, eu não podia perder a oportunidade de ler, nem que tivesse que começar pelo 16° livro -o que não atrapalha a leitura em absolutamente nada-.

James Patterson, sem sombra de dúvidas, já tinha conquistado um espaço no meu coração com o primeiro livro que li dele (4 de Julho), mas com esse, não é que entrou pra minha listinha de autores favoritos?!

O livro é completamente fascinante, do tipo que você larga tudo o que está fazendo só pra saber o final, o qual independente de quantos livros policiais você já tenha lido, sempre vai te surpreender!

Quanto á escrita, há quem diga que é pobre, ou coisas do tipo. Eu, particularmente, acho um crime dizer tal coisa, já que todo o enredo do livro é bem amarrado e cheio de suspense.
É uma série que com certeza darei continuidade, e que não me deixou nada a desejar no quesito mistério, ou até mesmo drama.

Nota final: 9/10”

site: http://frutifica-r.tumblr.com/
comentários(0)comente



Jaíne 11/07/2015

Se redimiu bonito James!
Se tratando de James Patterson, posso dizer que comecei com o pé esquerdo.
O primeiro livro dele, o qual tive contato, foi Bruxos e Bruxas, que na minha opinião é uma verdadeira tragédia literária de tão ruim.
Então quando peguei Eu, Alex Cross para ler, estava com a desconfiança lá em cima se o livro realmente valeria a pena, afinal, como acabei de dizer, minha primeira experiência com James tinha sido péssima.
Mas, não foi preciso que eu chegasse nem na metade do livro para ter a certeza que o autor havia se redimido comigo. De maneira incrível.
Como muitos e muitos autores de suspense, normalmente há aquele personagem padrão que aparece em vários livros desvendando vários casos. No caso de James Patterson, seu personagem padrão é Alex Cross.
Neste livro, Cross está atrás de mais um caso. Tudo começa quando ele recebe uma ligação dizendo que sua sobrinha foi assassinada. De maneira brutal. E bote brutal nisso.
Uma parente do detetive é a vítima, isso já dá outro ar a investigação.
Mas ela não é a única vítima. E nem a última.
A história, cheia de detalhes macabros e conspirações é eletrizante. Repleta de ação.
Eu simplismente não conseguia parar de virar as páginas. Tanto que finalizei a leitura em 3 dias.
Não acho que James Patterson supere o titio Sidney no quesito fazer mistério e te enganar direitinho, mas subiu no meu conceito depois dessa obra.
Leiam, leiam e leiam. Está mais do que recomendado.

E para ter acesso a essa e outras resenhas, acessem:

site: mundodasresenhas.com.br
comentários(0)comente



Alessandra 06/03/2014

Sobre a doença de Nana...
Só eu achei as partes dedicadas à família e principalmente à doença da Nana um saco, totalmente desnecessárias?

No geral, achei um bom livro. Não é super inteligente ou uma leitura riquíssima, mas não dá pra negar que é um bom suspense, com um bom final. Mas talvez por não ter lido os demais livros com o Alex Cross, vi necessidade nenhuma daquele drama familiar, para mim ali tinha a oportunidade de desenvolver muito mais o suspense em torno de Zeus em páginas que foram desperdiçadas com - ai, como sofro, Nana está doente.
Dany Lizzi 23/04/2014minha estante
concordo plenamente,tbm foi o primeiro livro que li do autor e me senti enrolada. Os acontecimentos que realmente importam formam uma lista ridicula de pequena.




Juliana 28/08/2013

Mediano
Eu queria muito ler um dos livros do James Patterson, pois sempre que ia nas livrarias sempre dava de cara com algum dos seus livros.
Terminei hoje minha leitura e o final não me surpreendeu, é um livro mediano, não é ruim mas também não chega a impressionar.
Após ler o livro vi que não tenho interesse em ler mais nenhum do autor.
comentários(0)comente



Christian 22/11/2012

As Páginas Viram Sozinhas
James Patterson ter a fama que tem não pode ser à toa.
E com "Eu, Alex Cross" você pode ver que realmente é verdade: Um dos melhores escritores de Suspense do mundo.

As páginas realmente viram sozinhas. É difícil não querer chegar logo no final e descobrir toda a trama que vai ficando cada vez mais envolvente.
Alex Cross é cativante e sem dúvida vai te contagiar, principalmente se você já tem experiências boas com um certo Myron Bolitar...

Talvez falte um quê cômico, altamente presente nos livros do meu personagem favorito do gênero, mas acredito que não é necessário para que James Patterson seja um dos melhores escritores que já tive o prazer de ler.

Agora, estimulou a vontade de ler todos os livros do Sr. Patterson. Porque como foi colocado acertadamente: As Páginas Viram Sozinhas.
comentários(0)comente



Ricardo Coutins 25/02/2016

Promete mas não cumpre
Esse é o primeiro livro do autor que li e estou bastante decepcionado. Começamos pela história que, para mim, é extremamente comum, nada de novo sob o sol. A trama gira em torno de clubes privados onde ocorre prostituição, local frequentado pela nata da sociedade americana, A história é fraca, não prende e é difícil de engolir. Os capítulos são extremamente curtos, sem qualquer necessidade. Vide os 117 capítulos para pouco mais de 190 páginas de história. Há bastantes personagens secundários (desnecessários) e fica complicado lembrar o nome de todos. Sem falar nos dramas familiares completamente dispensáveis que há no livro, provavelmente algo colocado pra aumentar a história.
O livro não passa de uma fajuta distração e eu não tenho a menor vontade de ler outra coisa desse autor.
comentários(0)comente



Maisa 01/08/2012

Um bom livro, mas nada de inovador
O livro Eu, Alex Cross foi o primeiro que eu li da serie. O livro é pequeno, a leitura é bem dinâmica, capítulos pequenos que facilitam a não ter de parar a leitura no meio de qualquer ação. A leitura entretanto aparenta ser exatamente a descrição de um filme detetive. Não houve nenhuma inovação nesse sentido, a história está bem dentro da forma como são produzidas as histórias de filmes, nada diferente. Foi o que decepcionou um pouco. Não teve muito tempo para se envolver com os personagens, de forma a criar uma grande trama. Tem o personagem principal e o resto é tudo secundário. Apesar dos contras o livro foi um ótimo passatempo, tranquilo e divertido de ler.


Hector 01/08/2012minha estante
É, quando vi o tamanho dos capítulos foi a primeira coisa que me passou na cabeça: Filme.





60 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4