Protocolo Bluehand: Alienígenas

Protocolo Bluehand: Alienígenas Eduardo Spohr
Jovem Nerd
Deive Pazos




Resenhas - Protocolo Bluehand: Alienígenas


27 encontrados | exibindo 16 a 27
1 | 2


Adriano 27/01/2013

Estar preparado é sobreviver
Ótimo livro, um ótimo guia de sobrevivência para caso dos alienígenas invadir a terra. sou fã do Joven Nerd e guardo com muito cuidado este livro pois estar preparado é sobreviver.
comentários(0)comente



Vander Ferreira Julio 04/08/2019

Estar preparado é sobreviver
Para ser bem sincero, eu não esperava nada deste livro. Achei que seria mais um daqueles livros escritos por pessoas que querem se aproveitar da fama para vender mais cópias. Que bom que eu estava errado e dei uma chance para este livro.
O livro é muito divertido, e os escritores conseguem realmente te colocar dentro daquele mundo que eles criaram. Fora isto, o carinho e cuidado que eles tiveram com o livro é algo que deve ser destacado. Desde o tamanho e formato do livro (afinal, é um guia que tu carrega sempre contigo) até todos os pequenos detalhes que tem em todas as páginas
Eu recomendo muito este livro. Me lembrou muito a vibe dos antigos ‘Manual do Escoteiro Mirim’.
comentários(0)comente



Kizzy 24/10/2017

Diversão de primeira qualidade
Já vou começar minha resenha fazendo um pequeno disclaimer. Extraterrestres estão longe de ser um tema pelo qual me interesso. Não sei responder o porquê, apenas não gosto. Isso leva à inevitável confissão: sim, eu vivo um nível de paixão pelo trabalho do Eduardo Spohr que se ele escrever uma lista de supermercado eu leio; e sim, isso tira muito da isenção da minha resenha, mas eu quero deixar registrado as minhas impressões sobre o livro.
O primeiro ponto a salientar é que Protocolo Bluehand Alienígenas é, em essência, um livro para fãs do Nerdcast. Não estou dizendo que se você nunca ouviu o podcast vai achar o livro horrível, mas sim, vai perder muito do significado. Existem algumas explicações generalistas sobre a conceituação e termos utilizados, mas estão longe de ser suficientes para dar um significado amplo aos que nunca ouviram falar do Bluehand ou das aventuras dos nerds autores.
O livro no geral é muito divertido e gostoso de ler. Dá asas à imaginação, te faz mesmo pensar em construir abrigos, te faz analisar se você ou algum amigo está sendo controlado ou pesquisado por ETs e com certeza vai te fazer escrever o seu código Bluehand para deixar guardado.
Apesar de toda a diversão e criatividade, mais uma vez, o que mais me chamou a atenção foi o texto e a pesquisa sobre os acontecimentos. A obra descreve vários relatos de aparições de extraterrestres desde as mais conhecidas até algumas que eu nunca tinha sequer ouvido falar. A Habilidade de utilizar esses relatos não confirmados para desenvolver uma descrição e explicação da invasão dos ETs é muito cuidadosa e bem-feita. Além disso, o Apêndice cronológico sobre Extraterrestres e a Sociedade Humana desde a antiguidade até os dias atuais é espetacular. É uma pesquisa Histórica mesmo sem ser História. Mérito mais uma vez do excelente trabalho jornalístico e do texto maravilhoso de Eduardo Spohr.
Vale muito para a experiência como fã dos autores, vale pelo texto bem escrito e vale pela diversão de se imaginar fugindo da invasão alienígena. Mais uma indicação acertada do meu amigo mais nerd que me dá os presentes mais incríveis e depois discute todas as loucuras nerds ao meu lado. Valeu Maninho!

"O tamanho de um indivíduo está sempre ligado ao ambiente em que ele vive, e geralmente isso tem relação com a força da gravidade, suprimento de comida, clima e suporte de moléculas de gás para a respiração"
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



figuinho 10/03/2012

Estar preparado é sobreviver!
Bem, para quem conhecer a galera do JN vai curtir bastante esse livro, mas que não os conhece vai gostar da mesma forma. Edição e acabamento impecável (o livro após lido e transportado para diversos lugares e mantém o aspecto perfeito). Por ser um livro de protocolo e procedimentos, não é daqueles livros que te prende do início ao fim, porém é bem escrito e sucinto.

Dá para perceber que souberam usar muito bem de todos os documentos (há uma lista no final de sites, livros e filmes sobre o assunto) fazendo uma leitura rica (já que todos os casos e histórias que contam existem, nenhuma raça ou fato foi inventado por eles).

comentários(0)comente



Altamente Ácido 23/02/2012

Divertido para uns, fraco para outros
Divertido e necessário para fãs do Jovem Nerd, porém, um pouco fraco para quem curte assuntos bizarros com jeitão de teoria da conspiração.

A nossa crítica completa tá lá no site, só conferir

http://www.altamenteacido.com.br/livros_hq/livro-protocolo-bluehand-alienigenas
comentários(0)comente



Marcus 07/12/2014

Sátira
Excelente crítica à credulidade desenfreada.
comentários(0)comente



Coruja 16/02/2012

Acho que uns dois dias depois de ter devorado o Protocolo Bluehand
(e essa é exatamente a palavra, porque comecei a ler tão logo abri o pacote e quase varei a noite para chegar até o final...), ele esgotou. Fiquei indecisa entre morrer de rir da cara de desapontado do Dé, que decidira esperar (sabe-se lá o quê) para pedir o volume dele ou ficar com pena - mas, bem, eu AVISEI que estava acabando, o que eu podia fazer?

Mas aí eu viajei para Fortaleza em janeiro e levei o livro na mala para ele se virar e ler enquanto eu estava lá (porque eu não voltaria sem o bendito volume) e, felizmente, saiu a pré-venda da segunda edição. Afinal de contas, do Clube do Livro, o Dé é o único que tem treinamento em sobrevivência. Ele e o Flávio são da área de saúde (um biólogo e um psicólogo, ainda que psicologia hoje esteja dentro da área de humanas...) e vão ter de cuidar de toda a nossa comunidade de malu... digo, sobreviventes.

Feitas essas considerações iniciais, vamos ao que interessa... O Protocolo Bluehand é, muito basicamente, um manual de sobrevivência a situações limites - nesse primeiro volume, para os casos de invasão alienígena. Não ria! Eles estão entre nós e não se trata de uma possibilidade, mas apenas uma questão de tempo (aliás, se você riu, saiba que suas chances de sobreviver acabam de cair drasticamente).

De um dossiê básico sobre o assunto (afinal, conhecimento é poder) até estratégias rumo à reconquista - passando por questões de condicionamento físico e armamento necessário - o Protocolo aborda tudo o que você precisa saber para se preparar.

A pesquisa que se investiu também salta aos olhos. Aliás, é até engraçado, porque uma semana depois de terminar o Protocolo eu estava na Epopéia de Gilgamesh e cruzei com uma menção aos 'sete juízes do outro mundo', os Anunnaki, em meio à descrição do Dilúvio e imediatamente fiz a correlação.

O texto é direto ao ponto, claro e objetivo - o que é bastante lógico porque, no meio do caos apocalíptico de uma invasão, você não vai querer se perder entre metáforas e rodeios. Essa questão da linguagem tinha sido um dos meus problemas quando li A Batalha do Apocalipse. Em Protocolo Bluehand, o Spohr foi mais jornalista que romancista e a estrutura do texto me agradou bastante.

Quer acredite ou não que os alienígenas estão à solta, esperando o momento de colonizar (ou exterminar) a Terra, Protocolo Bluehand não é apenas uma ótima leitura, mas tem um projeto gráfico de fazer cair o queixo. Fiquei babando na arte, nas fontes, nos destaques... todos os detalhes são fantásticos.

Curiosamente, como ouvinte do Nerdcast, houve partes do livro que se transformaram em minha cabeça num audiobook com a voz do Azhagâl (Deive Pazos). Fiquei indecisa se isso me dava ou não medo...

E, finalmente, a quem interessar possa... PBHa+5581!*10132230324566707287

Agora toca esperar o próximo volume...

(resenha originalmente publicada em www.owlsroof.blogspot.com)
comentários(0)comente



Junco 01/03/2012

Como Pode?
È incrível como um livro supostamente focado em alienígenas tenha exatamente seu ponto forte quando esquece o assunto principal...
É quando os autores destilam seus conhecimentos sobre bunkers, quartos seguros, dicas de equipamentos, suprimentos e cronogramas de organização que o livro torna-se interessante e indispensável.
Uma obra que vale o lugar na estante, junto com os próximos volumes!

Obs: Não vou comentar sobre o layout das paginas porque seria chover no molhado e parece que todo mundo que fez resenha antes só ficou olhando para isto e esqueceu de ler realmente o livro.
comentários(0)comente



Ulisses 28/10/2012

Localize e proteja Bluehand!
Sou fã do podcast Nerdcast e não deixo de baixar seus programas toda sexta feira. Para quem os conhece, além do Azaghal e do Jovem Nerd, os convidados para participar do programa e amigos dos fundadores do site são muito bons e cada um tem uma particularidade especial. Um dos integrantes, o Bluehand, conhecido por seu grande conhecimento em ciências e história, inventou o protocolo bluehand na brincadeira, que consiste em um suposto livro de regras para sobreviver em um apocalipse zumbi, assim como fizeram no filme Zumbilândia.

Em muitos programas eles brincaram com a idéia e diziam para em caso do aparecimento de zumbis na vida real, que procurasse imediatamente Bluehand. Este ia chegou! Zumbis? Não. A criação do tal protocolo. Mas para confundir mais ainda as cabeças dos ouvintes e leitores, eles criaram um livro de regras para enfrentar outro inimigo: uma invasão alienígena. Baseado muito em filmes de ficção científica e terror, estes filmes de zumbis e alienígenas trazem grande prazer para uma boa parte do público, eu incluído. O livro serve bastante como recapitulação e muitas coisas abordadas em alguns dos melhores filmes.

Não tive como não comprar um exemplar do livro. A curiosidade era muita. Mas minha expectativa apesar de grande, estava esperando um livro mais popularesco, mais uma reunião de várias cenas de filmes, quadrinhos e livros sobre o assunto, mas me surpreendi com a pesquisa feita. Acredito que um dos autores, o Eduardo Spohr, teve grande participação neste quesito.

Para os amantes da ufologia, este livro traz bastante informação sobre os relatos de vários acontecimentos envolvendo governos do mundo como o norte-americano, o soviético e o chinês, cada um tendo pesquisas e experiências com entidades extraterrestres. Como estes três países têm programas espaciais, provavelmente deve ter tido contato com algumas coisas muito estranhas no espaço. Mesmo sendo aficionado pelo assunto, nunca tinha ouvido falar sobre os programas espaciais russos e chineses relatados nos livros. A gente acaba recebendo muita coisa dos Estados Unidos e ignora a contribuição do resto do mundo.

Outra contribuição do Spohr é a reunião dos 6 tipos de alienígenas já avistados e reportados na história da humanidade, separados e catalogados. Cada um com comportamentos específicos e motivações diferentes. Eles separaram de um jeito muito parecido com o que Spohr fez na Batalha do Apocalipse com os anjos. Assim como os Deuses eram Astronautas, reuniram várias histórias de nossa pré-história para encaixar os tipos de alienígenas visitantes em cada uma das civilizações da antiguidade. E de acordo com o livro, todas as espécies são evil, do mal. Nenhuma é como o ET que só vem fazer o bem. E cada uma tem um nível de maldade, uns mais agressivos do que os outros.

No final tem varias informações de o que fazer quando a tal invasão alienígena acontecer, o famoso protocolo Bluehand. Acredito que pode ser usado pra qualquer invasão, tanto alienígena quanto zumbis e, vou além, qualquer invasão humana também. Se a Argentina resolver invadir o Brasil com um exército nazista querendo matar todos os brasileiros, podemos usar este protocolo para a sobrevivência da população civil.

Acredito que seja um livro de nicho, só quem gosta do assunto irá procurar esta leitura. Mas grande parte do livro diz sobre a história dos governos em esconder muitas informações de investigações reais sobre óvnis e que estão em documentos divulgados. Mesmo que não aprecie histórias fictícias de alienígenas, esta parte é muito interessante para qualquer um.
comentários(0)comente



romaxy 22/03/2012

Sobre o que fala o livro

Pra quem não é fã do Universo Jovem Nerd e não sabe do que se trata, o Protocolo Bluehand é um guia de como agir perante uma catástrofe. O protocolo em si serve para diversas situações apocalípticas, sendo este livro apenas o primeiro volume. O próximo, já sabemos, será sobre Zumbis! Então, este protocolo, que é uma grande brincadeira com um fundinho de medo de ser verdade, tem como objetivo preparar-nos caso aconteça (e irá! Ou não) um ataque extraterrestre no nosso planeta.

Desde o conhecimento sobre os diferentes tipos de alienígenas que já foram especulados, até dicas de uma dieta balanceada (na hora de correr, o gordinho sempre morre antes), e quais armas deve-se usar quando se tem um verdinho (ou cinza, ou marrom, ou… enfim) na sua frente.

O que eu achei

Vindo de quem veio, esperava um livro mais divertido do que PBHa se mostrou. Imaginei que a premissa do livro (um manual de preparo para o fim) fosse algo irônico, e o conteúdo falasse sobre situações hipoteticamente hilárias. Ledo engano. O Protocolo Bluehand é REALMENTE um protocolo! Eu diria que é um livro bem legal pra quem gosta de toda a mitologia criada em cima dos alienígenas, e quer saber mais sobre as histórias já contadas. Mas não passa disso; Quem deseja ler o livro sem ter maior interesse em vida longe daqui, se decepcionaria com a espera de um conteúdo à lá NerdCast.
comentários(0)comente



ninde 01/06/2012

Série Protocolo Bluehand - Alienigenas de Eduardo Spohr, Alexandre Ottoni e Deive Pazos
O Protocolo Bluehand é descrito logo na capa como o "seu guia definitivo contra a ameaça extraterrestre", e é mesmo. Assim que eu li, percebi que teria sucumbido já nos primeiros dias de invasão. E agora que eu possuo as informações ali contidas, posso ter uma chance de me salvar e à minha familia.

Leia o resto aqui... http://migre.me/9kalT
comentários(0)comente



27 encontrados | exibindo 16 a 27
1 | 2