Protocolo Bluehand: Alienígenas

Protocolo Bluehand: Alienígenas Eduardo Spohr
Jovem Nerd
Deive Pazos




Resenhas - Protocolo Bluehand: Alienígenas


27 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2


André Catapan 31/12/2011

PBHa - Como uma edição pode mudar sua experiência de leitura.
Logo depois desse Natal, numa manhã de inverno fora de época, eis que chega aqui em casa o meu exemplar do Protocolo Bluehand (#PBha), livro escrito por Eduardo Spohr (A Batalha do Apocalipse) e pela dupla do site Jovem Nerd, Alottoni e Azaghal. Num primeiro momento resolvi não comprar e esperar um pouco, não sou um comprador compulsivo, mas depois dessa entrevista aqui e a vontade de possuir pela primeira vez na vida a primeira edição de um livro com tiragem baixa, aliada ao tema que muito me interessa (e me preocupa), foi mais forte que a minha vontade. Posso afirmar com segurança que o livro superou todas as minhas expectativas e que é um trabalho primoroso, tanto na apresentação gráfica quanto no conteúdo. Fascinante.

Num primeiro momento fiquei insatisfeito com o tamanho do livro. Medindo 18 cm de altura por 15 cm de comprimento, me pareceu pequeno demais. Comparado aos tijolos que li ultimamente, calhamaços de 600 a 1000 páginas, o livro não me pareceu verdadeiramente um livro. Isso, entretanto, mudou conforme comecei a ler. O tamanho mostra-se muito confortável para a leitura, o que, em conjunto com as inúmeras ilustrações e citações, deixa o livro mais dinâmico. Além disso, por se tratar de um guia dividido em tópicos que não são extensos, em diversas vezes li algumas páginas, dei uma pausa de alguns minutos e depois retornei à empreitada. O resultado foi que em poucas horas já havia consumido quase um terço da obra.

A apresentação impecável já começa pela capa, com um alto relevo que simula um musgo ou algo do tipo. É só folhear algumas páginas pra perceber que o livro foi pensado nos mínimos detalhes. A gramatura do papel é extremamente boa, não parece uma folha sulfite ou algo do tipo. As páginas não são amareladas – são brancas. Mas não é um branco qualquer. Com esse livro eu percebi que o editor pode sim mudar a experiência de leitura do leitor – e isso é feito magistralmente no #PBha. As páginas são sujas e rabiscadas, velhas e manchadas de marcas de café – o que as tornam lindas. Sério. A qualidade é tamanha que não raro passei o dedo nas páginas pra ver se não estavam de fato amassadas ou sujas. Você literalmente se sente num universo pós-apocalíptico só por folhear as mesmas.

Os rabiscos e textos marcados e circulados dão a impressão de que o livro foi passado de mão em mão e que você recebeu uma edição comentada, estudada e revisada pelo próprio Bluehand, um ser agora místico. Em algumas páginas há documentos anexados, e a folha impressa imita uma página grampeada ou então unida por um clips. Como não podia faltar, há ainda algumas menções à alguns Nerdcasts (“Meu objetivo é a conquistaaaaaaa”). Sinceramente, acho que nunca tinha visto algo assim na minha vida.

Mas é claro que a qualidade do livro não é evidenciada apenas por aspectos gráficos, o conteúdo também tem de ser impressionante – e é. O tom utilizado está perfeito, e Spohr mescla com maestria fatos sérios, teorias da conspiração, citações de ufólogos e casos tupiniquins como o ET Bilu. O resultado é um livro que clama pra ser lido. O corpo do texto possui ainda um humor leve e algumas vezes irônico que te faz dar aquela risada de canto de lábio. Não há do que reclamar.

Os títulos e subtítulos são outro capítulo a parte: escritos em caixa alta com uma intensidade mais forte ora numa letra e ora noutra, as palavras remetem imediatamente à uma máquina datilográfica – uma das poucas maneiras de se escrever um guia num mundo pós-apocalíptico, acredito eu. As ilustrações também merecem destaque. Presentes em diversas páginas e com tamanhos variados, são todas em preto e branco e parecem esboços feitos a lápis, outro ponto que incrementa a experiência de leitura, e são ótimas maneiras de complementar ou exemplificar o que foi escrito no livro.

As diversas citações ao longo do livro me agradaram muito – e olha que foram várias. E das mais diversas: Star Wars, Jornada nas Estrelas, Guia do Mochileiro das Galáxias, ET Bilu, Indiana Jones, Albert Einstein, Arnold Schwarzenegger, casos reais entre outros. Além de complementar a história, evidenciam o embasamento – por vezes não tão científico – que o livro teve. Além é claro de ser uma fonte de humor – “Busquem conhecimento!”.

O livro de 336 páginas é dividido em 6 capítulos e 2 apêndices. São eles:

Conhecendo o inimigo;
Modus operandi;
Como combatê-los?;
Contato;
Invasão;
Vitória;
Os ETs e a Sociedade Humana;
Obras recomendadas.
Cada capítulo, por sua vez, é subdividido em tópicos, como espécies alienígenas e precauções básicas, por exemplo. O livro parece muito um manual de RPG, com classes, armamentos, motivações e atitudes, vantagens e desvantagens – tudo aquilo que você espera de um guia definitivo conta a ameaça extraterrestre. Numa das orelhas do livro os autores colocam:

Se o conteúdo deste livro o deixar paranoico e exageradamente psicótico também, saiba que você está no caminho certo.

Acho que eles conseguiram – todo o livro converge para essa reação. É a combinação dos elementos gráficos, das ilustrações, citações e do texto em si. Protocolo Bluehand entrou na minha estante muito mais devido a um impulso consumista do que pela vontade de ler o livro em si. Mas posso dizer que mudei de opinião e o livro tornou-se rapidamente um dos mais queridos da minha coleção. Agora é só esperar pelo segundo volume: Zumbis! Mal posso esperar.
Mika 04/06/2012minha estante
Nunca li uma resenha tão deliciosamente empolgante. Você está de parábens. Ainda estou esperando que uma alma piedosa me envie esse livro. Já tentei comprar, mas o site não faz entregas internacionais.


Gabriel 26/09/2012minha estante
Ai, meus dedos estão coçando lendo essa resenha, querendo folhar o Protocolo Bluehand. Vou já comprar o meu!


aline1987 14/10/2013minha estante
Adorei essa resenha!!! Comprei o livro e, no dia em que ele chegou, dei uma folheada geral e fiquei empolgadíssima. Depois de ler o seu depoimento aqui, então, fiquei mais animada! Realmente um trabalho feito por esse trio tinha que ser sensacional! :)


Jef 13/07/2014minha estante
Muito legal sua resenha amigo. Eu comprei ele por um impulso consumista também, na verdade quero muito ler, mas estou lendo outras coisas agora, porém assim que der vou começar a ler.




Richard 31/12/2011

Comprei o livro primeiramente pra prestigiar o trabalho que acompanho 100% do Jovem Nerd. Não é o estilo de leitura que gosto, pois gosto de uma história que te prende e que tenha narrativa.

O livro é um guia que dá pra de divertir um bucado. Achei a leitura um pouco pesada, devido um monte de dados, datas, acontecimentos, etc.
comentários(0)comente



Coruja 16/02/2012

Acho que uns dois dias depois de ter devorado o Protocolo Bluehand
(e essa é exatamente a palavra, porque comecei a ler tão logo abri o pacote e quase varei a noite para chegar até o final...), ele esgotou. Fiquei indecisa entre morrer de rir da cara de desapontado do Dé, que decidira esperar (sabe-se lá o quê) para pedir o volume dele ou ficar com pena - mas, bem, eu AVISEI que estava acabando, o que eu podia fazer?

Mas aí eu viajei para Fortaleza em janeiro e levei o livro na mala para ele se virar e ler enquanto eu estava lá (porque eu não voltaria sem o bendito volume) e, felizmente, saiu a pré-venda da segunda edição. Afinal de contas, do Clube do Livro, o Dé é o único que tem treinamento em sobrevivência. Ele e o Flávio são da área de saúde (um biólogo e um psicólogo, ainda que psicologia hoje esteja dentro da área de humanas...) e vão ter de cuidar de toda a nossa comunidade de malu... digo, sobreviventes.

Feitas essas considerações iniciais, vamos ao que interessa... O Protocolo Bluehand é, muito basicamente, um manual de sobrevivência a situações limites - nesse primeiro volume, para os casos de invasão alienígena. Não ria! Eles estão entre nós e não se trata de uma possibilidade, mas apenas uma questão de tempo (aliás, se você riu, saiba que suas chances de sobreviver acabam de cair drasticamente).

De um dossiê básico sobre o assunto (afinal, conhecimento é poder) até estratégias rumo à reconquista - passando por questões de condicionamento físico e armamento necessário - o Protocolo aborda tudo o que você precisa saber para se preparar.

A pesquisa que se investiu também salta aos olhos. Aliás, é até engraçado, porque uma semana depois de terminar o Protocolo eu estava na Epopéia de Gilgamesh e cruzei com uma menção aos 'sete juízes do outro mundo', os Anunnaki, em meio à descrição do Dilúvio e imediatamente fiz a correlação.

O texto é direto ao ponto, claro e objetivo - o que é bastante lógico porque, no meio do caos apocalíptico de uma invasão, você não vai querer se perder entre metáforas e rodeios. Essa questão da linguagem tinha sido um dos meus problemas quando li A Batalha do Apocalipse. Em Protocolo Bluehand, o Spohr foi mais jornalista que romancista e a estrutura do texto me agradou bastante.

Quer acredite ou não que os alienígenas estão à solta, esperando o momento de colonizar (ou exterminar) a Terra, Protocolo Bluehand não é apenas uma ótima leitura, mas tem um projeto gráfico de fazer cair o queixo. Fiquei babando na arte, nas fontes, nos destaques... todos os detalhes são fantásticos.

Curiosamente, como ouvinte do Nerdcast, houve partes do livro que se transformaram em minha cabeça num audiobook com a voz do Azhagâl (Deive Pazos). Fiquei indecisa se isso me dava ou não medo...

E, finalmente, a quem interessar possa... PBHa+5581!*10132230324566707287

Agora toca esperar o próximo volume...

(resenha originalmente publicada em www.owlsroof.blogspot.com)
comentários(0)comente



AntonioBN 02/01/2012

Obra prima do trio nerd
Livro impecável aonde o autor Eduardo Spohr demonstra que manda muito bem em outros estilos além dos romances fantásticos.

Além do excelente trabalho de autoria, destaque também para a maestria no trabalho de edição por parte do Azaghal e na perfeição das ilustrações pelos seus respectivos artistas.

Única coisa que não curti muito foi a dimensão do livro que não acompanha o tamanho padrão utilizado pelas obras normalmente.
Ele ficou meio estranho na minha estante.
comentários(0)comente



BARBA 01/03/2013

Protocolo Bluehand: Alienígenas de Eduardo Spohr, Alexandre Ottoni, Deive Pazos
Admiro muito os 3 autores e toda a sua equipe, acompanho o trabalho do JN desde o inicio, mas vamos falar do livro.

Um ótimo livro de ficção, trabalho de edição espetacular, um belo manual de sobrevivência contra uma invasão alienígena.
A unica coisa ruim que achei:
- o livro(escrito) é muito curto.
- letras grandes e muitas imagens.

ok ok as ilustrações são perfeitas para o livro, mas, seria muito bom não ter metade de um livro de sobrevivência só com imagens e sim com mais informações.


Ps.: Esta é uma resenha do LIVRO, Estou levando em consideração o LIVRO de ficção e seu conteúdo como ficção, qualquer Ufólogo acharia muito infantil.

O que falar do JN neh galera, LAMBDA LAMBDA LAMBDA HAHAahhahahha
comentários(0)comente



Ana Luiza Silva 19/11/2013

Protocolo Bluehand: Alienígenas faz parte de uma série não-contínua – que até o momento só tem dois volumes – que prepara o leitor para desastres que possam ocorrer a raça humana: invasões alienígenas, epidemias zumbi, etc.. Ainda não tive a oportunidade de ler o segundo (Zumbis), mas acho difícil qualquer outro livro me dar a impressão que este primeiro me deu. Escrito por Eduardo Spohr, autor de A Batalha do Apocalipse (resenha disponível aqui no site), que pesquisou e entrevistou profissionais para trazer o maior nível de veracidade possível para os leitores, e os apresentadores do NerdOffice Alexandre Ottoni (Jovem Nerd), principal divulgador, e Deive Pazos (Azaghäl), editor do livro, vemos gráficos de classificações das espécies alienígenas conhecidas, seus possíveis objetivos para a Terra, suas naturezas e, não menos importante, as comprovações de que muitos, se não já estiveram no passado, estão entre nós no presente. Uma verdadeira dissecação das culturas alienígenas.

Recheado de dados científicos, governamentais, documentos e relatos, o livro nos posiciona não como leitores de ficção, mas alvos do desastre. Isso sem contar com o dossiê a respeito de possíveis armas que podemos lançar contra os invasores, seus pontos fracos, suas influências em nosso mundo, as teorias que prevêem os modos de invasão, etc.. Enfim, como poderemos resistir à essa dominação.

Cada parágrafo nos deixa cientes da urgência da situação: há décadas ouvimos histórias de abdução, contatos alienígenas e por mais que muitos não acreditem, um ataque está mais próximo do que pensamos. Além dos dados, temos citações de relatos, cenas de filmes clássicos do gênero, trechos de documentos, e tudo isso contribui para a nossa entrega para com o livro. O visual também não deixou a desejar: com um aspecto sujo e velho – tanto externo como interno – nos dá impressão de o livro ter sido lido e relido zilhões vezes, como se consultado durante situações de emergência; manchas de sujeira e café, anotações, linhas marcadas por marcadores. As ilustrações sensacionais de Márcio L. Castro dão a sensação de terem sido rabiscos de um leitor desesperado por registrar sua aventura em meio a terreno extraterrestre. Você pode conferir as primeiras páginas no site do livro. Trabalho sem igual que fez toda a diferença.

site: http://insonianerd.com/destaques/resenha-protocolo-bluehand-alienigenas-jovem-nerd/
comentários(0)comente



Don 11/04/2012

Uma Análise tendenciosa
O livro PBHa trás aos leitores de forma simplificada formas de se preparar para uma invasão alien, partindo desse cenário de ficção ele coloca sob a luz de diversos outros títulos essa situação hipotética se colocando como um verdadeiro manual de sobrevivência.

A leitura é rápida mas não deixa a desejar na quantidade e qualidade de informações e é realmente vasta a lista de referências que vão desde outros títulos de ficção à relatos e fatos "verídicos".

Recebe a nota 3 por se cumprir ao que se propõe e se mostra de acordo com a expectativa, mas trata-se de um livro dispensável(a não ser em caso de invasão alienigena).

Frase para ele: "Um bom aperitivo de entrada, aguardo o tempo de aproveitar o prato principal"
comentários(0)comente



Resumo 26/05/2013

Resenha do http://resumodeletras.blogspot.com.br/
Assim que eles lançaram o livro no ano passado eu tive que comprar, mas só comecei a ler uns meses atrás.
Esse livro é um manual de como sobreviver no caso de uma invasão alienígena, e segundo ele, eu tenho 85% de sobreviver caso isso aconteça. (vamos torcer para que isto não aconteça).
O livro é muito bem feito, tem várias ilustrações, e parece que pertenceu a alguém, com marcar de copo de café, de água, com imagens ou recados colados com fita adesiva ou grampeados. Como se fosse um caderno de alguém que conseguiu os dados e foi acrescentando algumas coisas.
O livro vai dando passo a passo para sobreviver, mas primeiro ele conta sobre os alienígenas, depois quais motivações eles teriam para invadirem a Terra, depois como se preparar, os sinais de contato com os ETs, até que falam da invasão, como sobreviver e como agir após a invasão.
O Apêndice 1 foi a minha parte favorita, nele tinha alguns casos mais famosos de interação dos ETs com a sociedade humana, o que já vem acontecendo a muuuuuuuuitos milhões de anos, e eu nem imaginava...
Essa parte me deu um pouco de medo,vou explicar o porquê, eu não tenho medo de muitas coisas, mas de ETs eu tenho pavor!!!! Mas eu não sou fresca e enfrento esse meu medo (na teoria, porque nunca vi nenhum ET na minha frente). O que me deu medo foram os relatos mais recentes que eles mencionaram no livro, mas consegui me segurar e não surtei.
O Apêndice 2, recomenda algumas obras, tanto livros, como filmes, documentários, revistas e etc, bem legal também.
comentários(0)comente



Gu1lh3rm3-Kun 15/01/2012

E você? Vai sobreviver?
Se você é um daqueles Nerds que “se diz” preparado para o apocalipse zumbi, você deve conhecer a diretriz #142 de como se matar um zumbi do Protocolo Bluehand

Escolha uma arma
Mire na cabeça
Não erre!

Essa é apenas uma das diretrizes básicas para sua sobrevivência contra zumbis, agora, você nerd, já pensou que além de um apocalipse zumbi, o que pode acontecer é uma invasão alienígena? você saberia como agir a essa situação? provavelmente… Não!

Para isso o pessoal do site Jovem Nerd, lançou o livro “Protocolo Bluehand: Alienígena“, um guia de sobrevivência que te ensinará tudo para sobreviver a essa ameaça, que já nos cerca, ou não.

O Livro é dividido em seis capítulo, no primeiro capítulo, somos introduzidos as várias espécies alienígenas, seus poderes fraquezas, veículos, armas, esse é um capítulo fundamental, pois todos sabemos que é preciso conhecer bem o inimigo, já no segundo capítulo nos é apresentado o “modus operandi” da ameaça, quais suas motivações? o porque das abduções? contatos? e também uma explicação detalhada sobre os implantes e sondas, tratando até das temidas “sondas anais“, contendo até um “auto-exame” (?)

Podemos dizer que o terceiro capítulo, é o mais “interessante” a todos aqueles que, como eu, adoram filmes como predador ou Alien, aqui você terá uma maior noção de como combate-los, quais precauções tomar, quais equipamentos você deve ter disponíveis, e como você deve estar em termos físicos e mentais, não ache que sair correndo com um pistola na direção de um E.T é uma boa idéia.

Nos capítulos seguintes vemos, por forma de simulações, como seria o contato desses seres, como perceber isso logo e começar a se preparar, também é mostrada uma situação de invasão, e pode ser considerado o capítulo mais importante, onde são apresentadas as formas de sobreviver as primeiras semanas, como organizar uma resistência, e consequentemente, caso seja possível, iniciar o contra-ataque.

Já o capítulo final, nos mostra como seria nosso mundo caso houvesse uma vitória sobre esses seres, como nossa sociedade irá se reestruturar depois de uma invasão? Como estaria o governo?

O Livro também contém vários Easters-eggs tanto do Próprio Site Jovem Nerd, como de filmes do gênero, com várias frases e ilustrações de filmes.

Agora sobre o livro em si, ele é belíssimo, começando pelo formato 18x15cm totalmente diferente e funcional, proporcionando uma leitura agradável, a Capa do livro chama a atenção por sua bela ilustração, e pelo relevo, que lembra uma gosma verde sangue de alien?, o papel usado no livro é excelente e uma das melhores coisas do livro, e o fato de as páginas terem rabiscos, efeitos de “uso”, como marcas de copo de café, sangue, amassados, tão bem feitos que algumas vezes tive que conferir para ver se a pa´gina não estava mesmo amassada, as ilustrações do livro são ótimas do artista Márcio L. Castro (@marciolcastro) que retratam muito bem todas as situações descritas nas páginas do livro, você pode encontrar aqui algumas imagens, e uma prévia do livro.

O livro foi idealizado pelos fundadores do site Jovem Nerd, Alexandre Ottoni (@jovemnerd) e Deive Pazos (@Azaghal), e foi escrito por Eduardo Spohr (@Eduardospohr), autor dos Best-sellers “A batalha do apocalipse” e “Filhos do Éden”, e apresenta de forma de fácil, e muito divertida, o livro que começou como uma grande brincadeira no Nerdcast, podcast apresentado semanalmente no site. Foi um enorme sucesso, sendo vendidas 2 mil cópias em apenas 24 horas, mostrando assim o sucesso que o site, e seus produtos fazem com seu público, “Protocolo Bluehand: Alienígenas – Seu guia definitivo contra a ameaça extraterrestre” é um grande presente para todos os fãs do site e/ou de filmes de aliens, e para todos aqueles que pretendem sobreviver à invasão. Corram pra pegar o seu na NerdStore com frete grátis. Agora é estudar e Sobreviver! #Nerdpower
comentários(0)comente



figuinho 10/03/2012

Estar preparado é sobreviver!
Bem, para quem conhecer a galera do JN vai curtir bastante esse livro, mas que não os conhece vai gostar da mesma forma. Edição e acabamento impecável (o livro após lido e transportado para diversos lugares e mantém o aspecto perfeito). Por ser um livro de protocolo e procedimentos, não é daqueles livros que te prende do início ao fim, porém é bem escrito e sucinto.

Dá para perceber que souberam usar muito bem de todos os documentos (há uma lista no final de sites, livros e filmes sobre o assunto) fazendo uma leitura rica (já que todos os casos e histórias que contam existem, nenhuma raça ou fato foi inventado por eles).

comentários(0)comente



Junco 01/03/2012

Como Pode?
È incrível como um livro supostamente focado em alienígenas tenha exatamente seu ponto forte quando esquece o assunto principal...
É quando os autores destilam seus conhecimentos sobre bunkers, quartos seguros, dicas de equipamentos, suprimentos e cronogramas de organização que o livro torna-se interessante e indispensável.
Uma obra que vale o lugar na estante, junto com os próximos volumes!

Obs: Não vou comentar sobre o layout das paginas porque seria chover no molhado e parece que todo mundo que fez resenha antes só ficou olhando para isto e esqueceu de ler realmente o livro.
comentários(0)comente



romaxy 22/03/2012

Sobre o que fala o livro

Pra quem não é fã do Universo Jovem Nerd e não sabe do que se trata, o Protocolo Bluehand é um guia de como agir perante uma catástrofe. O protocolo em si serve para diversas situações apocalípticas, sendo este livro apenas o primeiro volume. O próximo, já sabemos, será sobre Zumbis! Então, este protocolo, que é uma grande brincadeira com um fundinho de medo de ser verdade, tem como objetivo preparar-nos caso aconteça (e irá! Ou não) um ataque extraterrestre no nosso planeta.

Desde o conhecimento sobre os diferentes tipos de alienígenas que já foram especulados, até dicas de uma dieta balanceada (na hora de correr, o gordinho sempre morre antes), e quais armas deve-se usar quando se tem um verdinho (ou cinza, ou marrom, ou… enfim) na sua frente.

O que eu achei

Vindo de quem veio, esperava um livro mais divertido do que PBHa se mostrou. Imaginei que a premissa do livro (um manual de preparo para o fim) fosse algo irônico, e o conteúdo falasse sobre situações hipoteticamente hilárias. Ledo engano. O Protocolo Bluehand é REALMENTE um protocolo! Eu diria que é um livro bem legal pra quem gosta de toda a mitologia criada em cima dos alienígenas, e quer saber mais sobre as histórias já contadas. Mas não passa disso; Quem deseja ler o livro sem ter maior interesse em vida longe daqui, se decepcionaria com a espera de um conteúdo à lá NerdCast.
comentários(0)comente



ninde 01/06/2012

Série Protocolo Bluehand - Alienigenas de Eduardo Spohr, Alexandre Ottoni e Deive Pazos
O Protocolo Bluehand é descrito logo na capa como o "seu guia definitivo contra a ameaça extraterrestre", e é mesmo. Assim que eu li, percebi que teria sucumbido já nos primeiros dias de invasão. E agora que eu possuo as informações ali contidas, posso ter uma chance de me salvar e à minha familia.

Leia o resto aqui... http://migre.me/9kalT
comentários(0)comente



SpheraGeek 11/10/2012

O Mundo não está perdido... Protocolo Bluehand: Alienígenas
Geeks dos Céus,
.
Estamos a beira do fim do mundo e temos que fazer uma pergunta: "Você esta preparado para o que der e vier? Se a resposta é não então acabaram parte de seus problemas, pelo menos contra alienígenas.
.
No dia 08 de dezembro de 2011 (quase 1 ano para o fim do mundo) foi lançado o Protocolo Bluehand: Alienígenas, pela Editora Nerdbook's, do Grupo Jovem Nerd. Quem assina a autoria é o conceituado Eduardo Sporh (Batalha do Apocalipse: + 200 mil cópias vendidas em 5 países) juntamente com Alexandre Ottoni, O Jovem Nerd e Deive Pazzos, Azaghal. Considerado um livro de Ficção Científica (ou não), esse guia/Bíblia é lançado como a principal peça contra a dominação Alienígena que virá ocorrer.
.
Nas suas primeiras 24 horas teve uma adesão de 2 mil vendas e em 72 horas foram 4 mil guias de sobrevivências vendidos. Concerteza ficou no TOP 1 em vendas nessa semana.
.
Um guia bem detalhado do que você deve e não deve fazer contra Alienígenas. Dando o passo a passo bem detalhado, desde cnhecimento de fatos que já ocorreram e até a descrição sobre os Alienígenas que passaram por aqui.
.
Sem falar das opções dadas ante o cataclisma global da invasão. As intruções são bem especificas de como montar seu abrigo, como se contactar com os sobreviventes e manter a sociedade viva, unida e organizada.
.
O combate é dado como certo, então desde o manuseios armas usuais como a criação de algumas, não se esquecendo da preparação física para tal intento. Mas, sempr eobedecendo as regras estipulas, como no texto mais abaixo.
.
Enfim, um livro de ótima leitura, e que te deixa preparado para o que der e vier (Literalmente). A compilação de dados existente é muito boa, de fontes interessantes e bem usuais. Não consegui ler o livro numa paulada só , mas todo dia ia de cadinho em cadinho.
.
Prepare-se!!! Isso não é besteira, a qualquer momento poderemos ser pegos de surpresa, a menos que você se prepare. E nunca se esqueça da TOALHA, pois ela pode ser a melhor arma contra o desconhecido!!!

comentários(0)comente



Kami 21/01/2012

Esteja preparado. Sobreviva!
Fala negada!
De uns tempos pra cá eu estou lendo ininterruptamente. Crônicas de Arthur, Guia do Mochileiro das Galáxias, A Batalha do Apocalipse… Chega uma hora que você quer ler alguma coisa diferente, certo? Pois foi quando eu procurava algo diferente pra ler que eu ouvi o anúncio do livro sobre o qual vou escrever hoje: Protocolo Bluehand: Alienígenas!
O livro nasceu de uma piada interna no Nerdcast, o podcast do site Jovem Nerd, que dizia que, se algum dia acontecesse o apocalipse zumbi, Bluehand, um dos participantes do podcast conhecido como “o nerd enciclopédia”, deveria ser encontrado e protegido.
Pois bem, Protocolo Bluehand: Alienígenas é parte de uma série de livros, ainda por vir, que tem como objetivo ensinar às pessoas como sobreviver em situações apocalípticas. O primeiro livro trata, como o próprio nome diz, da invasão alienígena à Terra.
Bom, vou dizer que no início eu estranhei um pouco a proposta, mas resolvi encarar. E adivinha só? O livro é muito bacana!
Eles começam expandindo o conceito de Bluehand, dizendo que o Bluehando não é apenas uma pessoa, mas pessoas chaves em qualquer comunidade, que possuam conhecimentos vitais para a sobrevivência e devem ser preservadas.
O livro tem como objetivo preparar seu leitor para sobreviver à invasão alien iminente. Ele fala sobre o inimigo, quem são, poderes e armas, o que eles querem. Tratam sob abduções, implantes (incluindo a terrível sonda anal..), contatos, e relacionamentos entre os próprios extra terrestres.
A partir do capítulo 3 você aprende como combater a ameaça alienígena. Que tipos de armas são mais efetivas, como se proteger, o que você sempre deve ter com você, além de dicas de exercícios e alimentação para se manter em forma e conseguir encarar o que está por vir. O interessante é que, de acordo com o livro, a atitude mais sensata ao encontrar um alien é fugir! Não somos páreos para eles. Pelo menos não por enquanto…
No fim do livro, eles falam sobre a invasão em si, com um passo a passo que vai desde como tudo vai ocorrer, passando pela reconstrução da civilização humana, até a derrota dos aliens e retomada do planeta. Tem também dois apêndices que tratam de casos “reais” de intervenções dos alienígenas em nosso planeta, desde a pré-história até os dias de hoje. Atenção para a “Rede Bluehand”, uma cifra composta de letras e números que informa onde você está e quais são suas aptidões. A cifra que aparece no livro é do próprio Bluehand, e é gigantesca…
Uma coisa que chamou muito minha atenção foi a aparência do livro. O formato já é diferente. O livro é pequeno, mas não chega a ser um livro de bolso, e quadrado, não retangular. A capa é muito bonita e chamativa. As ilustrações no interior me agradaram bastante, a maioria sendo bem simples, mas nem por isso sendo mal feitas ou coisa do gênero. A diagramação é um caso a parte. Fenomenal! As páginas tem a aparência de gastas e muito usadas. Tem uma mancha de copo de café em uma página que eu achei o máximo (vais saber o motivo…)! Além das várias anotações a caneta espalhadas por todo o livro. Isso me ajudou bastante na imersão. Cheguei a cogitar onde me esconderia quando a invasão começasse…
Uma observação é que, de acordo com os autores, nenhuma informação ali foi inventada. Tudo foi fruto de pesquisas.
O único contra que eu encontrei é que o livro é um pouco cansativo às vezes, principalmente no início, por causa da quantidade de informações que ele te dá.
Eu recomendo, principalmente se você gosta de alienígenas e teorias da conspiração. Se você espera algum tipo de história, você não vai encontrar aqui. O livro é escrito como um guia mesmo.
Protocolo Bluehand: Alienígenas é de Eduardo Spohr, Alexandre Ottoni e Deive Pazos,
e foi lançado pela Nerdbooks.
E lembrem-se: Estar preparado é sobreviver!
comentários(0)comente



27 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2