Retornando ao Vale Azul

Retornando ao Vale Azul Maria Alice Lima Ferreira




Resenhas - Retornando ao Vale Azul


4 encontrados | exibindo 1 a 4


Lua 28/03/2012

Retornando ao Vale Azul
Quando recebi o livro pensei: É um romance... e de certa forma me enganei. Fui ler o texto introdutório e achei que fosse um livro "ecológico" e mais uma vez me enganei... Bom, parando com os meu enganos(rsrs) vou falar um pouco sobre essa história tão de certa forma absurda , mas também bem criativa.
O livro tem romance sim, mas esse não é o foco principal. Sara é uma garotinha que mora em uma fazenda super moderna afinal o livro se passa no ano de 2201. Essa criança ama passear sozinha por uma gruta e é lá que ela vê um OVNI pairar e um homem que ela reconhece como o seu "vô" Braga, que na verdade é o seu tetravô, descer como se ele tivesse sumido ontem. E é a partir desse fato que a história começa a se desenrolar. Ninguém acredita na história de Sara a não ser Nieta, sua bábá e mais tarde o seu noivo.
Seu Braga era um homem bastante corrupto de sua época, e ao voltar e perceber como tudo tinha mudado, e receber verdadeiras lições de amizade. Reaprendeu o valor das coisas e mudou a sua índole.(não vou pôr spoilers por aqui tá bom?)
Bom, pra concluir: não é o tipo de livro que eu costumo ler. Mas não posso dizer que foi uma leitura desagradável. Foi uma história diferente das que eu estou acostumada e por isso, mesmo sendo uma ficção tornou-se proveitosa, pois em muitas partes do livro a autora fala da natureza e da possibilidade de com o passar do tempo as coisas melhores nesse planeta. A redução da violência, da mortalidade e o aumento da camada de ozônio. Esses comentários durante o livro dão até mesmo uma sensação de esperança mesmo sendo tão sutil.
Enfim, é uma leitura leve. Se você não se importa em ler ficção e ouvir falar de ET's, pode ler RETORNANDO AO VALE AZUL tranquilamente.
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



Cley 29/12/2011

RESENHA RETORNANDO AO VALE AZUL
“A princípio, encantou-se com aquela bela e brilhante estrela, que crescia... Crescia... Depois percebeu que ela vinha em sua direção. [...] Logo verificou, quando o objeto se aproximara mais, que não se tratava de uma estrela.” p. 16

Retornando ao Vale Azul trata-se de uma história diferente.
Com uma visão mais positiva em relação ao futuro da Terra, é passado a história do Velho Braga, que levado por ET’s, acredita que se passaram apenas alguns meses. Porém quando ele volta, percebe que tudo está muuuuuitoooo diferente, inclusive sua família.
Ele saiu nos anos 80 em pleno século XX, e quando volta, descobre que está no século XXIII. Mas como?
Ele mantém contato com Sara, sua hexaneta, que o conhece pela foto antiga de família pendurada na parede de sua casa. Ela também foi a primeira a avistá-lo, assim que desceu do disco voador.
As pessoas também vão se encantar por Nieta, a babá de Sara e que acredita no que ela diz ter visto.
O Velho Braga enfrenta agora um grande problema. Como resolver essa situação, em um estilo de vida totalmente diferente e onde ninguém o conhece? O que fazer para retornar para suas terras, que agora, já não pertencem mais a ele?
Com o desenvolver do livro, é possível perceber o que vai acontecendo...

PARA CONTINUAR LENDO,ACESSE:
http://palavrasaventureiras.blogspot.com/
comentários(0)comente



Anna Leão 12/12/2011

O livro narra a história de uma família que vive no século 23, na cidade de Vale Azul, localizada na região sudeste do Brasil. O grande trunfo da história é o aparecimento misterioso (e secreto) de um ancestral da família, cuja lenda diz que foi levado há mais de 200 anos por extraterrestres.

O “vô” Braga volta ao Vale Azul e se depara com um mundo novo, sem seus amigos e familiares. A princípio não sabe o que fazer, mas consegue a ajuda de duas aliadas. Durante toda a história a autora vai mostrando um mundo melhor, onde se caminha para a igualdade social, e onde há uma grande avanço tecnológico, destacando-se a medicina e o controle mental. Tudo isto entremeado por personagens bem construídos, boas descrições e diálogos inteligentes.

“- Não sei se é válido corrigir-me por falta de “opções”. Não posso afirmar que me transformaria se as condições externas fossem outras, se fosse outra minha condição econômica, por exemplo, como a que tive. Entretanto, posso afirmar que estou gostando desta transformação. Olho no espelho e me acho diferente, um cara legal. Envergonho-me, cada vez que me lembro do que fui.”pg.288

Me chamou bastante a atenção a harmonioza combinação de valores tradicionais com os avanços científicos e tecnológicos de um futuro imaginado, onde o nosso século é conhecido historicamente como Tempos Bárbaros.

Por trás de uma história bem gostosa de ler, na qual romances e perdas também estão presentes, a autora vai levantando questões importantes do nosso mundo atual; apontando soluções viáveis, que ao meu ver, fazem sentindo desde que haja um elevado nível de consciência da humanidade. Quem sabe não foi isto que aconteceu, em Retornando ao Vale Azul, a partir da grande catástrofe sofrida no planeta, prevista pela maioria para 2012, mas que a autora assinala na narrativa, como ocorrida em 2020?!

“- Ah, o senhor não soube! Que cabeça a minha! Foi no ano de 2020 que tudo aconteceu. O senhor estava ausente nessa época. A Terra sofreu uma grande catástrofe, que já vinha sendo anunciada pelos ecologistas, pelos cientistas e por toda pessoa consciente, buscando ajuda dos governantes e dos poderosos. A ver se a evitavam.”pg.274


Uma leitura super recomendada!

Resenha por Anna Leão

http://blogdarainhadafloresta.blogspot.com
www.annaleao.com.br

comentários(0)comente



4 encontrados | exibindo 1 a 4