Otelo

Otelo William Shakespeare




Resenhas - Otelo


184 encontrados | exibindo 1 a 16
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 |


Luize 01/10/2017

A tragédia começa quando o pai de Desdêmona é alertado, na calada da noite, de que fora roubado, o leitor, porém, logo percebe que não se trata de um roubo propriamente dito: Desdêmona casou-se com Otelo às escondidas. E aquela sociedade não consegue conceber isso. Será que fora raptada ou fora enfeitiçada? Por que outro motivo, afinal,Desdêmona , a mulher mais cobiçada de Veneza, escolheria Otelo, ela que poderia desposar qualquer um? Ela é rica , bela, branca , nobre , ele é general, feio, negro , mouro, bárbaro. A verdade é que Desdêmona se encanta com Otelo porque vê nele o herói que faz de Veneza a cidade que é. Desdêmona valoriza Otelo porque enxerga nele um grande homem e admira a sua coragem e a sua importância para Veneza. Otelo, no entanto, não se julga à altura de sua nobre esposa. E é dessa baixa estima que Iago se aproveita para afligir Otelo.

Otelo nomeia ao cargo de tenente quem lhe apetece , por amizade, mas Iago se sente diminuído por ser preterido ao cargo e, principalmente, por ser subalterno de Otelo, a quem Iago se julga superior. O personagem Iago é maravilhosamente manipulador e conduz toda a trama para a satisfação de seus interesses.

A peça nos faz refletir sobre o amor incompreensível (que arrebata Desdêmona) , sobre o ciúme incompreensível ( que nasce em Otelo) e sobre o ódio incompreensível ( que sente Iago).
A maldade pode ser desperta em qualquer um de nós: pessoas consideradas boas também são capazes de atos cruéis, seja por ciúme, seja por inveja, seja por amor.

E a motivação do ser humano faz diferença, afinal, quando se pratica um ato cruel? Eis a reflexão que fica quando Otelo diz que fez o que fez por amar demais.
Salomão N. 01/10/2017minha estante
Uma obra-prima. Cá entre nós, é melhor que Hamlet...


Andrade 01/10/2017minha estante
Prefiro Hamlet do que Otelo.. Enfim, ótima resenha.


Craotchky 01/10/2017minha estante
Eu, por minha vez, colocaria:
1 Hamlet
2 Otelo
3 Macbeth


Luize 01/10/2017minha estante
Já eu prefiro Otelo e Macbeth a Hamlet.

Ainda falta eu conhecer mais a obra de Shakespeare para definir uma ordem de preferência. Se não me engano ele escreveu 37 peças. E eu só li 4.


Salomão N. 01/10/2017minha estante
Boa, Luize!!!!! Kkkkkkkkk.




Andrade 13/08/2017

A ATROCIDADE HUMANA!
É incrível ver como uma obra que foi escrita no século XVI é tão atual. Será que somos bons ou maus? O que acontece quando estamos cercados por falsos “amigos”? Uma das coisas que eu aprendi ao ler este livro é não confiar em qualquer pessoa.
“Otelo” tem como tema principal o ciúme que muitas vezes nos deixa cego. Um livro que fala muito sobre o ser humano, como nós nos comportamos quando não acontece o quer a gente deseja. Será que somos bons? Muita das vezes nos deparamos com a atrocidade do HOMEM. Quando não conseguimos o que almejamos somos capazes de fazer o mal? Nesta obra, isso tudo é colocado em questão.

CITAÇÕES:

“IAGO – Deveria os homens ser somente o que parecem, ou então não parecer o que não fossem.”

“BRABÂNCIO – Se um crime não for bem castigado, pagãos e escravos mandarão no estado.”
Salomão N. 13/08/2017minha estante
Resumiu bem a obra. Só acho o primeiro ato meio sem graça :P
Não sente um quê de "Tentação" no melhor estilo Bíblico entre Iago e Otelo? Realmente o Iago parece o demônio.


Andrade 13/08/2017minha estante
Valeu, man. Cara, primeiro ato foi chato demais.. Mas depois deu uma melhorada significativa..


Salomão N. 13/08/2017minha estante
Basicamente só apresentação de personagens, mas a obra é tão universal que nem precisamos dela hoje em dia.




Samara 09/06/2011

Sempre que ia na biblioteca e via um livro de Shakespeare, passava longe porque pensava que não iria entender nada. Um dia estava na biblioteca da escola e sei lá porque retirei ele da estante e comecei a ler. Só acordei para a vida quando uma colega pediu licença para passar. Então, notei que estava sentada no chão há mais ou menos duas horas lendo.
A história é atemporal. Iago é uma serpente mas, ao mesmo tempo é muito humano. Existem muitas pessoas como ele. Otelo é um bom aviso dos perigos de se alimentar o ciúme, a inveja e a ira.
Sabia como a história terminava e mesmo assim me empolguei. O meu preconceito com Shakespeare acabou.
Yasmine 10/08/2013minha estante
Eu tenho vontade de chorar, quando penso que muitas obras incrivelmente mal escritas hoje, faz mais sucesso que uma obra dessas.


Jéssika Cordeiro 07/06/2014minha estante
Vamos nos permitir para não perder grandes leituras! :D


Riih.Butragenho 17/09/2015minha estante
Yasmine, não fale assim porque autores de """""""""""""""""""""""""""obras""""""""""""""""""""""""""""" como 50 tons de Cinza e Crepúsculo podem ficar chateados e xingar muito no twitter . kkkkkkk




Agnes 16/02/2017

“Aquele que desperdiça seu tempo na dor, rouba a si mesmo.”
Como distinguir o bem e o mal? Essa era uma das grandes características do Teatro Shakesperiano; por meio de personagens da realeza e das classes mais necessitadas, o dramaturgo revelava o melhor e o pior do ser humano. Em Otelo, vemos a transição de um personagem nobre, honrado, digno a um homem cego pelos ciúmes, violento, preconceituoso, perturbado...

A tragédia sendo como o nome diz, perpassa o caminho do homem para o seu declínio. Desnuda a partir do seu interior ações perversas, discorridas de pensamentos baseados em suposições e não em fatos, acarretando ao drama final o grande clímax pertencente à obra.

Otelo, além de negro, fato relevante que estabelece um dos temas tratados no texto como o preconceito da época, é um personagem forte, intenso, honrado que luta a favor do governo Veneziano. Ao estabelecer uma amizade com Brabâncio, senador e pai de Desdêmona, uma figura característica da nobreza, a quem criará laços de amizade e assim concretizado em casamento, traz um dos primeiros conflitos à obra, pois ao se casar sorrateiramente, incita o ódio no pai de Desdêmona:

“Ah, seu ladrão infame, onde escondeu minha filha? Maldito que é, deve tê-la enfeitiçado! [..] se é possível que uma donzela tão doce, bela e feliz, tão avessa ao casamento , sofresse o ridículo público fugindo de minha guarda para o seio cor de fuligem de uma coisa como você que deveria ser temido e não amado?”(pg 31)

Brabâncio ao citar “seio cor de fuligem” e referir-se ao casamento como um “feitiço” revela traços importantes da época que caracterizavam o Mouro como um ser exótico, advindo de outra classe social, e por ser assim, o casamento com a nobreza branca era algo impossível.

Logo, ao ser descoberto, Otelo conta aos presentes como conquistou sua esposa. O personagem relata que a partir da curiosidade de Desdêmona sobre suas aventuras, desventuras, sofrimentos, começou a ter uma afeição por ela e por sua preocupação. E pede a Desdêmona que prove ao seu pai e aos outros que é verídico o seu sentimento e que não houve nenhum feitiço.

“Ela me amava pelos perigos pelos quais eu havia passado e eu amava porque ela sentia uma verdadeira pena de mim.” (pg 40)


Assim, provada a relação, o Senador conforma-se com a realidade, porém deixa um aviso a Otelo:

"Fique de olho nela, Mouro. Ela enganou seu pai, e pode enganá-lo também."

Partindo dessa premissa de engano, a peça começa a desenhar um conflito com um dos antagonistas mais cruéis e maléficos da Literatura Mundial, Iago. Um personagem completo, com uma sede de inveja que assusta e choca. Ele é o fio condutor essencial para a degradação de Otelo. Sendo seu alferes e homem de confiança, Iago traça um jogo com insinuações a respeito da infidelidade de Desdêmona. Para concretizar o seu plano, ele articula com Cássio, homem honrado, tenente do Mouro, tecendo acusações débeis e sem fundamento para que Otelo acredite que sua amada o está traindo e que por baixo de toda a sua delicadeza e castidade existe uma mulher ardilosa e impura.

Utilizando-se de elementos como falsas suposições de cunho sexual, um lenço perdido e brigas acarretadas pelo excesso de bebida, Iago, aos poucos, consegue transformar o Mouro em um homem paranóico, ciumento, pertubado e atormentado.

“A minha tristeza é divina: fere onde deve amar.” (pg 171)

Com um final digno de uma tragédia, Shakespeare exemplifica aos seus telespectadores o bem e o mal e como ambos podem ser despertados no ser humano, chocando a sua plateia com personagens que mostram o melhor e o pior que existe em cada um.

Uma obra atemporal e essencial.

site: https://gotasdeepifania.blogspot.com.br/2017/02/resenha-otelo-o-mouro-de-veneza-william.html
Taisa 17/02/2017minha estante
Linda resenha!


Agnes 17/02/2017minha estante
Obrigada, Taisa :). Shakespeare é essencial. Pretendo com o tempo ler todas as suas obras publicadas. :). Adoro suas resenhas tbm *-*




Ana Ira! 31/07/2014

Amor sem confiança só causa dor!
Li esse livro ano passado e achei uma fofura demais! Entretanto, o li na versão romance adaptado em português por Hildegard Feist.

Sempre quis ler esse livro, a oportunidade chegou ano passado quando meu ex-profe de Literatura pediu que o leiamos em teatro, mas eu confundi e o comprei em romance kkkkkk enfim, pelo que o profe contou há algumas diferenças nos finais do livro em teatro e em romance. Ainda não o teatro, então não posso comprovar; não gosto de ler teatro, acho chato kkk, mas já li alguns sim.

"[...] As pessoas em geral têm muita dificuldade para aceitar o que é diferente delas: se parassem para pensar em que consiste essa diferença, descobririam que, na essência, todos são iguais e buscam a felicidade - o resto são aparências." - P. 25

Vou falar sobre esse versão romance mesmo, é rápida a leitura e nos faz refletir sobre muitas coisas. Comecemos...

O mouro Otelo (negão, pelo que me profe falou kkkk) se apaixona pela branca e loira Desdêmona, que se torna supercontraditório para seu pai e sua sociedade, a Veneza do século XV!
Desdemôna e Otelo, então, casam-se em segredo, e no mesmo dia, Otelo tem de fazer uma viagem à negócios e separam-se por meses. Quando Desdêmona vai atrás de seu amado, começa o triste desenrolar essa história...

O invejoso Iago faz de tudo para prejudicar Otelo, já que acredita que este roubou seu patamar maior no emprego, e esperando subir de cargo, Otelo escolhe Cássio para tal, enfurecendo ainda mais Iago.

Iago, planeja várias formas de acabar com Otelo, e usa Desdêmona, que é perdidamente apaixonada por Otelo, que retribui-lhe imensamente.

"[...] Experiente e hábil, o governante sabia que, muitas vezes, os homens não conseguem ver o que se passa diante dos próprios olhos, necessitando de declarações verbais, seladas, assinadas e reconhecidas." - P. 31

No entanto, através das intrigas de Iago e das desconfianças e ciúmes doentio de Otelo, o lindo casal tem um final trágico, digno de pena, por ambas as partes. Um amor é destruído pela inveja, e principalmente, pela doença de um homem, muito comum nos dias de hoje.

"[...] Quero que contem minha história... e digam que só amei uma vez na vida, muito, muito... Mas, para minha desgraça, não soube amar..." - P. 117

Se Otelo não fosse tão ciumento, o final teria sido outro e muito mais feliz; resumindo: quem acabou com sua vida, com sua felicidade e de Desdêmona, é ele mesmo, Otelo!

Porque gente, eu já inúmeros casos de amor e de outros grandes sentimentos destruídos pelo exagerado e demoníaco ciúmes! É demais!!!! Senhor Deus, ilumine essas mentes!!!! O ciúmes em exagero é venenoso, matador e trágico! Não deixem jamais de buscar ajuda. Buscar ajuda NÃO é fraqueza. Mas, sim, UMA ATITUDE DE CONFIANÇA EM SI MESMO E MUITA CORAGEM!!!! Protegam-se contra esse grande mal. Quem ler ou já leu esse livro, entenderá bem do que estou falando.

site: http://anairados.blogspot.com.br/2014/07/dica-de-livro-resenha-otelo-william.html
Natalie 09/10/2015minha estante
O melhor livro que li na minha adolescência.


Ana Ira! 09/10/2015minha estante
É muitoooo bom mesmo!! =D




stellinha 15/10/2020

Ciúmes!
Foi muito interessante conhecer os personagens através desse leitura. Eu já os conhecia de longa data, mas só de ouvir falar.
O Mouro, Desdêmona, Iago, Rodrigo, Cássio, Emília.
A mola mestra dessa tragédia é o ciúme mas também podemos falar do jogo do poder, da inveja, da ambição.
O Mouro casa-se com sua amada Desdêmona sem o consentimento do pai dela. Ele é um grande guerreiro mas é um estrangeiro e vê-se que não tem a educação da amada. Todos ficam abismados quando ela o escolhe como marido porque recusou vários pretendentes.
Então, Iago, esse grande vilão de Shakespeare, começa a sua vingança, pelas beiradas. Fazendo uma intriga aqui, outra ali, coloca uma desconfiança na cabeça de cada pessoa com quem fala. Fica um leva e traz.
Ele com sua astúcia, inteligência e por ser considerado honesto, consegue tudo que quer. A cada um Iago vai dando ordens, soltando algum veneno, montando armadilhas que no geral funcionam. Suas intrigas fazem com que pessoas sejam depostas de seus cargos, um dos desejos dele é subir de patente, mas outro desejo também é acabar com o Mouro ao qual todos reconhecem com bom militar.
Tanto fez que conseguiu que o Mouro duvidasse do amor sincero de Desdêmoma e no final todos têm um final trágico.
"Mas os ciumentos não atendem a isso; não precisam de causa para o ciúme: têm ciúme, nada mais. O ciúme é monstro que se gera em si mesmo e de si nasce."
Eu fiquei com a impressão de que Iago gostava de ser ruim. Tão ardiloso e tão eficiente em suas estratégias.
"Disse-lhe o que pensava, sem que houvesse contado nada além do que ele próprio julgara natural e verdadeiro."
A leitura é prazerosa!
Joandesori 17/10/2020minha estante
Bom gosto. Terei que ler.


stellinha 17/10/2020minha estante
Sim. É bem interessante!




Aline Teodosio @leituras.da.aline 19/02/2019

Se tem uma coisa de estrondosa insensatez nesse mundo é o ciúme. Este sentimento infame, que corrói e destrói almas. E foi exatamente isso o que aconteceu com Otelo, que deixou-se envenenar por Iago, seu alferes tomado de inveja. Perdeu sua lucidez, perdeu tudo.

Iago é um vilão extremamente inteligente e manipulador, que conduziu o protagonista desta história por um caminho sem volta de escuridão e podridão. Otelo, em contrapartida, mostrou-se fraco e influenciável além da conta. A peça mostra justamente isso, pessoas que se deixam cegar a tal ponto por sentimentos extremistas, que ficam impossibilitas de raciocinar com o mínimo de sensatez.
Nesses casos, nada é capaz de controlar a cólera de quem acha que está sendo enganado. A tragicidade é iminente.

Outro ponto importante da obra são as relações de poder e a ganância. Em prol de um status de destaque e de ascensão, algumas pessoas são capazes de qualquer coisa, de passar por cima de quem quer que seja, de difamar, de roubar e até de matar. O caráter e a moralidade para essas pessoas ficam sempre em segundo plano (isso quando não desaparecem completamente).

A obra te faz refletir o tempo todo sobre as questões acerca da frágil psiquê humana. Eu (como feminista nervosa que sou) me contorci do início ao fim diante da submissão e passividade da Desdêmona e das desculpas de Otelo ao dizer que estava "defendendo a sua honra". Entendo o contexto em que a obra foi escrita, mas mesmo assim não consegui não me incomodar com essas questões, até porque, passado taaaanto tempo, esses mesmos argumentos ainda permeiam mundo afora a todo instante.

A lição que daqui tiro é: a humanidade precisa evoluir urgentemente.
Mila 24/11/2019minha estante
O mais impressionante é que sentimos uma certa atualidade nesse texto do sec XVI.


Aline Teodosio @leituras.da.aline 24/11/2019minha estante
Verdade, Mila.




Leonhard 23/08/2020

Uma importante reflexão à respeito de quanto tempo da nossa vida dedicamos a quem não acredita em si ou de o quão sensível somos nas nossas inseguranças e o impacto de viver sem esses domínios.
Ruru 26/08/2020minha estante
Vou iniciar este livro hoje. Aaaaaah


Leonhard 26/08/2020minha estante
Ow... Só falo uma coisa. De Iago eu passo longe! Hahahaha...




spoiler visualizar
Marcos.Azeredo 23/07/2019minha estante
Eu gostou muito de Shakespeare, é o dramaturgo que mais gosto.




Ricardo Rocha 16/09/2016

as soluções dramáticas são sempre simples (quase simplórias) - aqui o lenço, a floresta que anda e o homem que não é filho de mulher em macbeth etc - mas estão sempre acompanhadas de tamanha densidade no texto que ninguém sequer pensa em questionar. fico pensando em olivier no cinema pintado de preto e penso até onde que ridículo o preconceito faz chegar (não respeitando nem expoentes como "sir" Lawrence. acho que shakespeare inverteu tudo em arte: é cult ao contrário. fez tudo para ser absolutamente popular - sexo, violência, traições, comédias (e dramas) de erros etc - e hj é de bom tom aceitar que seus textos são eruditos. infelizmente não surge em nosso tempo algo parecido e quem faz arte para o "povo" (seja lá o que isso seja) faz mesmo por principio coisa ruim
Walkí­ria Silva 17/09/2016minha estante
Amoo, minha tragédia favorita de Shakespeare. Iago é um dos vilões mais bem construídos de todos os tempos.




Emanuele 28/05/2020

Tragédia de Shakespeare
Sempre tive curiosidade para ler Otelo pela fama.
Em geral gosto muito das peças de Shakespeare e com essa não foi diferente.

Mas é claro que a leitura tem que ser entendida tendo como contexto o momento histórico da época, não quanto à compreensão da história em si, mas da personalidade das personagens, suas ações, diálogos, seus comportamentos.

Por vezes Desdêmona parecerá submissa e o Mouro um ingênuo. Mas tudo tem que ser compreendido no contexto da época quanto ao papel de cada um.

A leitura te transporta para uma plateia de teatro e você sente as emoções, as falas com o público, os diálogos entre os atores.

O enredo de Otelo é famosíssimo, referência na literatura quanto ao ciúme cego e encolerizado.

Apesar de ser uma tragédia a peça tem pitadas de humor, você se diverte com a leveza, naturalidade e até ingenuidade de alguns diálogos. As armações de Iago nos causam angústia, ansiedade pelo final da história, para que tudo se evidencie claramente.

É um livro curtinho e com enredo empolgante, então rapidinho você devora!
Leitura e . 28/05/2020minha estante
Boom diaaa!!
Vim te convidar pra me seguir no Insta para acompanhar minhas leituras. Vou deixar aqui o link do sorteio que vai rolar domingo tbm!
??
Será muito bem vindX...

@leituraeponto

Obrigado... ?


https://www.instagram.com/p/CAAvDOwHX4g/?igshid=eeqazfb5cqxl




Miris 15/04/2019

Desconcertante
Shakespeare narra de forma teatral a história do mouro Otelo com sua Desdêmona. Uma história de amor e ciúmes, de jogos e trapaças ( do lado de Iago) e é claro da trágico fim do casal. Chego a conclusão que o ciúmes cego e exagerado mata a alma e a consciência de qualquer um que prove um pouco que só, de tal sentimento.
nandoescreve 16/04/2019minha estante
Foi a primeira vez que li Shakespeare na vida. Estou extremamente encantado!




J Bruno 22/01/2017

Otelo
Otelo, um general negro, de origem moura, case-se com a bela Desdêmona, uma das donzelas mais belas e desejadas de Veneza. A vida de felicidade que ambos almejavam se vê ameaçada pela inveja e cobiça de Iago, alferes de Otelo, que anseia por vingança por ter sido preterido na nomeação para uma patente mais alta.

Aparentando uma amizade que não devota e uma honestidade que não tem, Iago se aproxima de Otelo com o intento de convencê-lo de que Desdêmona tem um caso amoroso com Cássio, tenente de Otelo e homem de sua confiança, a quem foi dada a ascensão que Iago tanto ambicionava.

Totalmente cego e tomado pelo ciúme que passa a alimentar, Otelo se torna uma vítima fácil para o plano ardil de Iago, que aparenta conhecer bem cada um dos personagens e onde residem suas respectivas fraquezas.

"Otelo" é um clássico absoluto da literatura mundial, uma das tragédias shakespeareanas mais citadas e debatidas nos mais diversos campos do conhecimento, dentre eles a psicologia.

Otelo se tornaria um símbolo do sentimento que lhe conduz à ruína, um ciúme doentio, alimentado não pela conduta da pessoa "amada", mas por situações criadas na própria mente de quem o alimenta.
Matheus.Cantalice 02/07/2017minha estante
Resenha muito boa




Beatriz.Gomes 26/04/2020

"Otelo", de William Shakespeare ?????
? Resenha: Constituída por um enredo intrigante, esta obra conta a história de Otelo, o mouro de Veneza, Iago, seu subordinado, e Desdêmona, sua esposa. Não se trata de uma história de amor, tampouco um triângulo amoroso. Trata-se, na verdade, de uma história cheia de mentiras e manipulação.
Iago quer vingar-se de mouro por ter valorizado mais ao Cássio que a ele. Cássio, também subordinado ao mouro recebe dele a promoção que Iago queria. Esse é o motivo pelo qual Iago quer vingar-se, para isso tenta envenenar a mente de Otelo contra Cássio e Desdêmona.
Por ser meu primeiro contato com Shakespeare confesso que esperava mais, porém pretendo lê-lo novamente em fevereiro para o projeto da @tatianafeltrin e ainda tenho grandes expectativas!

O enredo me lembrou bastante "Dom Casmurro", então se você gosta desse livro, talvez goste também de Otelo.
Tenho mais resenhas no Instagram @bibliofilastudy_
Kleber 26/04/2020minha estante
Acabei de ler Dom Casmurro e o próprio Machado de Assis, nesse livro, cita Otelo!




Denise Campos 26/01/2011

Nunca li um livro de Shakespeare, como a maioria das pessoas conheço suas histórias mas antes de pegar esse livro só era de ouvir falar.
Confesso que não me apaixonei nem nada, acho que de tanto conhecer não teve tanta graça, foi mais para matar a curiosidade.
E poder dizer que já li Shakespeare.
Claro que tenho consciência que é uma adaptação
nat 09/08/2011minha estante
O meu caso foi o mesmo que o seu, a única parte realmente boa foi o final - que não foi nenhuma surpresa. História bem fraquinha.




184 encontrados | exibindo 1 a 16
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 |