Otelo

Otelo William Shakespeare




Resenhas - Otelo


184 encontrados | exibindo 31 a 46
3 | 4 | 5 | 6 | 7 | 8 | 9 |


Feh 22/04/2020

Ciúmes que mata
"Sinto a fúria de suas palavras, mas não entendo nada do que você diz"
comentários(0)comente



Isis 23/05/2020

Um clássico de Shakespeare, peça de construção perfeita - uma tragédia do ciúme.
comentários(0)comente



Henrique 02/08/2020

Melhor tragédia de Shakespeare
Conseguiu ter um final mais triste que Romeu e Julieta e mais angustiante que Hamlet. Tudo que eu queria fazer era pegar Otelo pela camisa e sacudir ele até ele cair na real. Iago um dos violões mais terríveis e articulados que eu já li, ele é o famoso come calado.
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



Sergio.Vianna 19/12/2020

A Semente do Mal
Me impressiona o fato que em 1603, o grande dramaturgo William Shakespeare, já falava sobre racismo em uma estória extremamente pesada. Otelo é vítima e vilão, acaba cedendo à mentiras contatadas por seu próprio amigo, Iago.

Shakespeare consegue contar uma estória que permanece atual mesmo centenas de anos após sua escrita, pois a felicidade alheia continua incomodando aqueles que nutrem inveja e destilam o ódio.
comentários(0)comente



Isabel 24/06/2020

Imperdível
Incrível como a tragédia de Otelo nos ensina sobre questões tão atuais a partir de uma narrativa fluida e permeada pelas tramas perpetradas pelo vilão Iago.
Adorei as lições que extraímos da leitura do livro!

Recomendo uma edição com textos de apoio e notas de rodapé, pois várias palavras usadas ao longo do texto possuem duplo sentido, sendo necessário contextualizá-las.
comentários(0)comente



stellinha 15/10/2020

Ciúmes!
Foi muito interessante conhecer os personagens através desse leitura. Eu já os conhecia de longa data, mas só de ouvir falar.
O Mouro, Desdêmona, Iago, Rodrigo, Cássio, Emília.
A mola mestra dessa tragédia é o ciúme mas também podemos falar do jogo do poder, da inveja, da ambição.
O Mouro casa-se com sua amada Desdêmona sem o consentimento do pai dela. Ele é um grande guerreiro mas é um estrangeiro e vê-se que não tem a educação da amada. Todos ficam abismados quando ela o escolhe como marido porque recusou vários pretendentes.
Então, Iago, esse grande vilão de Shakespeare, começa a sua vingança, pelas beiradas. Fazendo uma intriga aqui, outra ali, coloca uma desconfiança na cabeça de cada pessoa com quem fala. Fica um leva e traz.
Ele com sua astúcia, inteligência e por ser considerado honesto, consegue tudo que quer. A cada um Iago vai dando ordens, soltando algum veneno, montando armadilhas que no geral funcionam. Suas intrigas fazem com que pessoas sejam depostas de seus cargos, um dos desejos dele é subir de patente, mas outro desejo também é acabar com o Mouro ao qual todos reconhecem com bom militar.
Tanto fez que conseguiu que o Mouro duvidasse do amor sincero de Desdêmoma e no final todos têm um final trágico.
"Mas os ciumentos não atendem a isso; não precisam de causa para o ciúme: têm ciúme, nada mais. O ciúme é monstro que se gera em si mesmo e de si nasce."
Eu fiquei com a impressão de que Iago gostava de ser ruim. Tão ardiloso e tão eficiente em suas estratégias.
"Disse-lhe o que pensava, sem que houvesse contado nada além do que ele próprio julgara natural e verdadeiro."
A leitura é prazerosa!
Joandesori 17/10/2020minha estante
Bom gosto. Terei que ler.


stellinha 17/10/2020minha estante
Sim. É bem interessante!




WeltonLuis 06/06/2020

Otelo retrata como o ciúme, o monstro de olhos verdes pode afetar o julgamento de uma pessoa em relação à pessoa que ela ama. Uma história de amor e intrigas que conduzirão à tragédia.
comentários(0)comente



Maria Luise | @bookhead_ 05/01/2019

Muito mais do que só uma traição!
Otelo, um coronel de Veneza apaixona-se por Desdêmona, uma aristocrata luisiana e acabam se casando escondidos. Após resolverem tudo com o pai da moça, o casal têm a falsa esperança de que nada mais o separariam.

Porém, Iago com raiva de Otelo, por não ter sido promovido à tenente, e inveja de Cássio por ter sido o escolhido, resolve planejar sua vingança. À partir disso, Iago começa a plantar ideias na cabeça de Otelo, dizendo que este estava sendo traído por seu amigo.

Com um jeito manipulador, despreocupado e, às vezes, cômico de falar, Iago consegue fazer com que o coronel acredite em sua mentira. Além disso, Otelo que era negro, imigrante e com um complexo de inferioridade aguçado acaba achando que Desdêmona amaria Cássio justamente por sua cor e inteligência. ??
?????????
Um ponto a se observar é que os valores culturais entre Otelo e os outros são diferentes, levando esse a não acreditar que pudesse ser mentira ou que um homem inventaria tal estória, além de ser considerado um bruto perto de seus companheiros.

É interessante perceber que em várias passagens Otelo e Iago possuem conversas em forma de espelho, no estilo do método socrático, onde Iago reforça ainda mais as dúvidas e incertezas do outro.

Essa peça é muito mais do que apenas traição, mas abrange também as incertezas que carregamos dentro de nós e que tentamos supri-las nos outros. Uma curiosidade- que já é conhecida por muitos- é que há uma intertextualidade entre Otelo e Dom Casmurro, e vale a pena prestar atenção na leitura desses dois clássicos!

Amei essa peça e todos os personagens que Shakespeare criou, principalmente Iago, que até agora foi meu vilão preferido!
comentários(0)comente



Darllan.Senna 27/06/2018

Arrebatador!
Existem horas em que informações objetivas sobre determinado objeto acabam por destruir toda a mensagem. Se tratando de Shakespeare, a subjetividade deve ser a régua mais precisa para esta crítica. Embora não tenha lido exatamente esta versão de uma coisa asseguro, este livro é genial. Esta obra conversa com o público ao revelar em cada personagem um traço da natureza humana. Da coragem e do ímpeto exclusivamente emocional de Otelo, da pureza e inocência de Desdémona , e sobretudo da genialidade maquiavélica de Iago. Todos esses personagens perfuram nossa alma e mostram que de alguma a linguagem da alma humana é universal e atemporal. Somos o duelo entre a razão e a loucura, a honestidade e a inveja, a confiança e o ciúme. Em todas as circunstâncias quem nos governa? O que nos governa? Somos donos de nós mesmos ou reféns das circunstâncias e de nossos instintos?
comentários(0)comente



Janaina Bessoni 13/01/2020

Otelotolo
Formei a idéia, antes de ler a peça, de que Otelo era um homem paranoico criando ilusões sobre a infidelidade de sua esposa. Na verdade é um homem que se deixa envenenar pela intriga de um ?amigo? sem questionar. Iago, que pra mim é o principal personagem da história, tece a teia e Otelo cai fácil demais. Gostei da personagem Emilia, esposa de Iago. Uma amiga fiel, apesar de ter sido usada pelo marido.Lamentável uma história escrita por volta de 1603 ser ainda tão atual.
comentários(0)comente



Lili 25/01/2021

Preciso confessar que sempre tive receio de ler Shakespeare, pois esse gênero literário não é bem a minha praia, mas fiquei muito surpreendida com a obra.
Um texto tão antigo, mas que trata questões atuais.
comentários(0)comente



Gabriel 21/08/2020

Adorei...
Acho a melhor tragédia para se entrar em contato com Shakespeare
comentários(0)comente



Tarci 08/03/2020

Perfeito
trata-se de um livro muito realista, e nele tiramos a conclusão de que não se pode confiar tanto nas pessoas. Mais uma obra impecável da dramaturgia de Shakespeare
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



184 encontrados | exibindo 31 a 46
3 | 4 | 5 | 6 | 7 | 8 | 9 |