Otelo

Otelo William Shakespeare




Resenhas - Otelo


184 encontrados | exibindo 91 a 106
7 | 8 | 9 | 10 | 11 | 12 | 13


leila.goncalves 28/10/2017

O Ciúme E A Inveja
Escrita em 1603, "Otelo" é considerada uma das obras mais importantes de William Shakespeare. Também é uma das mais conhecidas, em especial, graças a temática que ao longo dos anos permaneceu atual.

Indo da comédia à tragédia, sua história gira em torno de um casamento destruído pelo ciúme durante a lua de mel. O marido é Otelo, um general a serviço do reino de Veneza, que, envolvido numa teia de mentiras, passa a duvidar da fidelidade de Desdêmona, sua esposa e filha de um eminente senador.

O criador da discórdia é o sub-oficial Iago. Preterido numa promoção para o tenente Cássio, ele personifica a inveja e, movido pelo desejo de vingança, revela-se um hardiloso manipulador. Inclusive, serviu de inspiração para Agatha Cristìe criar o último assassino a desafiar as células cinzentas de Poirot, no livro "Cai o Pano".

Quanto ao protagonista, chama atenção seu sentimento de posse por Desdêmona. Porém, o ponto nevrálgico de Otelo reside na aparência e status, pois se trata de um mouro com destacada posição social e muito rico. Trazendo o preconceito de cor à tona, até bem pouco tempo, foram poucos os atores negros que desempenharam o papel. Geralmente, eram escolhidos atores brancos que apareciam maquiados como Laurence Olivier numa histriônica adaptação para o cinema (1965). Recomendo o filme dirigido por Oliver Parker, com Laurence Fishburne e Kenneth Branagh (1995).

Em síntese, apresentando um intrincado painel histórico-político, "Otelo" também revela as facetas mais obscuras da alma humana.
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



leila.goncalves 28/10/2017

O Ciúme
Escrita em 1603, "Otelo" é considerada uma das obras mais importantes de William Shakespeare. Também é uma das mais conhecidas, em especial, graças a sua temática que, ao longo dos anos, sempre permaneceu atual.

Indo da comédia à tragédia, sua história gira em torno de um casamento destruído pelo ciúme durante a lua de mel. O marido é Otelo, um general a serviço do reino de Veneza, que, envolvido numa teia de mentiras, passa a duvidar da fidelidade de Desdêmona, sua esposa e filha de um eminente senador.

O criador da discórdia é o sub-oficial Iago. Preterido numa promoção para o tenente Cássio, ele personifica a inveja e, movido pelo desejo de vingança, revela-se um hardiloso manipulador. Inclusive, serviu de inspiração para Agatha Cristìe criar o último assassino a desafiar as células cinzentas de Poirot, no livro "Cai o Pano".

Quanto ao protagonista, chama atenção seu sentimento de posse por Desdêmona. Porém, o ponto nevrálgico de Otelo reside na aparência e status, pois trata-se de um mouro com destacada posição social e muito rico. Trazendo o preconceito de cor à tona, até bem pouco tempo, foram poucos os atores negros que desempenharam o papel. Geralmente, eram escolhidos atores brancos que apareciam maquiados como Laurence Olivier numa histriônica adaptação para o cinema (1965). Recomendo o filme dirigido por Oliver Parker, com Laurence Fishburne e Kenneth Branagh (1995).

Em síntese, apresentando um intrincado painel histórico-político, "Otelo" também prima pela complexidade das personagens, revelando as facetas mais obscuras da alma humana.
comentários(0)comente



Carla Cohen 31/07/2020

Sempre Shakespeare
Excelente obra. Claro, o final é previsível, não é novidade. Também achei a personagem principal de uma ingenuidade que se contrapunha a sua fama de guerra. Mas afinal, a estória tinha de se desenrolar. Mas Shaskepeare é sempre Shaskepeare. Leitura instigante e proveitosa.
comentários(0)comente



Paulo Silas 12/01/2018

Ciúmes, traição, cobiça, sangue e tudo o mais que está envolto ao universo shakespeariano, também fazem parte de "Otelo" - um clássico que arrebata o coração de qualquer leitor. Uma peça muito bem construída que faz jus ao patamar que ocupa.

Em mais uma tragédia que escancara as mais profundas facetas humanas, Shakespeare narra uma história em que o ciúme é o protagonista.
Otelo é um nobre à serviço de Veneza. Bom combatente e líder, apaixona-se por Desdêmona, iniciando assim um romance que resulta em problemas. Isso porque Brabâncio, senador e pai de Desdêmona, é acordado às pressas com a notícia de que sua filha saiu de casa sem sua permissão para viver com um mouro. Furioso, Brabâncio se dirige até Otelo, exigindo que aquela situação se resolva com o julgamento do mouro pelo rapto de sua filha. Otelo, sereno, explica que Desdêmona também o ama, não tendo ocorrido qualquer tipo de sequestro. Em meio à discussão, Otelo é convocado para atuar com suas tropas em um determinado conflito, devendo se reunir com o conselho para tanto. Brabâncio também participa da reunião, aproveitando o momento para exigir o julgamento de Otelo, onde e quando tudo se esclarece, uma vez que Desdêmona confirma sua paixão por Otelo e que saiu da casa do pai para viver o seu amor. Nada resta a não ser aceitar a união do casal, mesmo a contragosto de Brabâncio.
Enquanto os acontecimentos se seguem, com a viagem de Otelo e vários súditos para conflitos bélicos - Desdêmona acompanhando desde então seu companheiro, Iago revela para algumas pessoas toda a raiva que possui de Otelo. Por mais que seja seu alferes, possuindo extrema confiança, Iago planeja a desgraça contra Otelo. Ao saber que Rodrigo, um cavalheiro veneziano, nutre sentimentos por Desdêmona, Iago elabora todo um plano ardiloso para que o relacionamento do casal se desmanche, oportunizando assim à Rodrigo ter acesso ao coração de Desdêmona. E assim iniciam os primeiros passos de Iago. Sabendo que Otelo possui todo um ciúme esperando para escancarar sua face, o método escolhido em sua empreitada maliciosa é insuflar tal sentimento. Para tanto, utiliza-se de diversas pessoas (Cássio, Emília, Bianca, Desdêmona, Rodrigo...), tratando-as como seus fantoches, para que, sem que saibam, cumpram com os papeis de seu plano. E funciona. Após causar muitas intrigas e desavenças, Iago logra êxito em fazer com que Otelo revele o seu ciúme doentio, amesquinhando-se a partir de então em sua postura para com sua bela amada Desdêmona, até o momento em que o descontrole toma conta de si, resultando no trágico desfecho da história.

É uma história excelente, que possui razão de permanecer viva e respeitada durante tantos séculos. A construção dos personagens, considerando toda a riqueza de cada um desses, é um feito notório do autor que se revela como uma marca própria em cada peça que desenvolveu. Com Otelo não é diferente. As nuances, as vicissitudes, as particularidades são conferidas aos personagens de maneira brilhante, adotando cada qual peculiaridades distintas. O enredo, como visto, é muito bem construído, convencendo o leitor com todo o primor que a obra proporciona.
Um livro que merece e deve ser lido!
comentários(0)comente



Paula 25/08/2020

Aquela tragédia pra deixar a gnt sem ar!
Otelo é um mouro, inteligente, bem visto e de boa reputação, se casa com Desdêmona, e isso não é aceito pelo pai dela e por Rodrigo, um rapaz apaixonado pela moça. Então Iago, alferes de Otelo, que possui grandes ressentimentos pelo mouro, se aproveita de Rodrigo e elabora um plano para destruir Otelo sem que ele se dê conta, utilizando argumentos traiçoeiros e levando-o a acreditar em mentiras.

Um livro atemporal, com uma trama excelente, os personagens são interessantes e a história envolvente. Gostei muito de lê-lo, espero ter a oportunidade de ver a peça em breve!
comentários(0)comente



Spoiler & Cia 22/02/2019

Resenha A Tragédia de Otelo, o Mouro de Veneza- William Shakespeare
Esse livro provavelmente foi escrito durante a época em que o embaixador Abd el-Ouahed e sua comitiva se hospedaram na corte inglês, e com isso Shakespeare que frequentava o ambiente usou os costumes desta comitiva para escrever este livro, além disso, o livro possui semelhanças com uma obra italiana do Giraldi Cinthio, que fala sobre a questão do adultério na sociedade da época. Otelo é uma obra impactante por causa da profundidade de seus personagens, e a discussão de racismo e do papel da mulher na comunidade é extremamente atual.
“ (...)Nobre senhor, se a virtude é bela, seu genro é mais belo do que negro. (...)”
“(...) Os maridos deveriam saber que suas esposas têm sentidos como eles. Elas veem, têm olfato e paladar para o doce e o azedo, tal qual seus maridos. Por que eles nos trocam por outras? Por esporte? Acho que sim. Um esporte gerado por desejo? Creio que sim. Será a fraqueza que se desvia desse modo? Também é. E nós, não temos afeições, desejo pelo esporte e fraquezas como os homens as têm? Então que eles nos usem bem, ou então permitam que eles saibam que nossas más ações são as que eles próprios nos instruíram. (...)”
Logo no inicio entramos em contato com Iago e Rodrigo, que estão indignados com a união da filha do senador com um Mouro, e por isso estão indo em direção a casa do senador para avisa-lo disso. O senador ao descobrir que sua filha fugiu para se casar com Otelo fica revoltado, e vai atrás de Otelo para tentar separa-lo de Desdêmona .
Entretanto o casal está de fato apaixonado e já se casaram, e, portanto o pai de Desdêmona não consegue separa-los. O duque apoia o casamento, principalmente por ter Otelo em alta conta, e solicita que ele vá até Chipre ajudar a evitar a invasão turca, então ele parte para esta batalha, e Desêmona vai atrás dele.
O casal possui outros inimigos também, sendo o principal deles o Iago, que inveja o mouro. Esse personagem então arma um plano para incriminar Desdêmona de traição, e para isso usa diversos personagens, como o Rodrigo, Cássio, e sua mulher a Emília, que é uma personagem interessante que sofre em um casamento abusivo, entretanto demostra força e lealdade com Desdêmona em alguns momentos.
O livro é escrito como roteiro de peça, por ser uma tragédia. Possui uma linguagem fluida e fácil de entender, mesmo sendo um clássico de Shakespeare. A temática lembra outras obras que falam de adultério, como o Dom Casmurros, entretanto, desde o começo sabem que a mocinha é inocente, entretanto a Desdêmona é julgada a todo momento pelas ações de outras pessoas.


site: https://spoilercia.blogspot.com/2019/02/resenha-tragedia-de-otelo-o-mouro-de.html
comentários(0)comente



Joyce 15/09/2019

Eu tinha preconceito com Shakespeare. Evitava lê-lo por achar que não entenderia, mas só estava me enganando e perdendo tempo pois o livro “Otelo” se tornou um dos meus preferidos.

Além de toda a perfeição da escrita e da trama, ele é atemporal uma vez que Iago pode ser visto nas atitudes de várias pessoas paranoicas e invejosas que sentem prazer em controlar tudo e todos, de acordo com suas vontades. Ao mesmo tempo, Otelo, aparentemente tão forte, deixa-se levar pelo ciúme, monstro de olhos verdes (como fala o próprio Iago) que representa todas as nossas inseguranças, as quais nos tornam tão suscetíveis às manipulações ao ponto de, por vezes, fugirmos da nossa própria essência.

P.s.: É uma leitura essencial para quem ainda tem dúvidas se Capitu traiu ou não traiu o Bentinho.
comentários(0)comente



Kika 08/05/2009

Shaskespeare é sem dúvida um dos melhores escritores em minha opinião, mas para mim, foi com Otelo que ele superou. Um dos melhores livros que já li, embora não tenha tido um final feliz. O belo romance acaba em tragédia, e isso nos serve de reflexão para não tomarmos decisões com base naquilo que ouvimos, mas não vimos.
comentários(0)comente



Nah 28/03/2011

Uma história de amor e ciúme que me levou a reflexão. Como sempre Shakespeare escrevia de forma que você pudesse mergulhar dentro do personagem, interpretando cada um mentalmente. Vale a pena ler
comentários(0)comente



Dayse 09/10/2010

Amor e morte.
Shakespeare é, definitivamente, o rei da dramaturgia. Emília (a serva) é aquele tipo de personagem pelo qual você não dá nada, mas que no fim te surpreende. O conjunto da obra é perfeito. O livro é ótimo, a combinação "amor e morte" é sempre bem sucedida, já li e reli várias vezes. Nada como um amor verdadeiro terminando em tragédia pra entreter no sábado de madrugada.
comentários(0)comente



Blog Elvis Gatão (Ana Mercury) 16/04/2016

Amor sem confiança só causa dor!
Otelo casa-se escondido com Desdêmona selando assim, sua ruína. Pois além do pai da noiva ir contra o casamento, ainda acaba por atiçar a ira de Iago - cujo sempre o invejou, e esperava receber um cargo importante do mesmo, mas é vencido por Cássio.

Iago usa a seu favor o momento sensível de Otelo, como recém casado que tem de viajar afim de negócios e deixa sua amada esposa por meses, e ataca Otelo na surdina lançando insinuações da "deslealdade" de Desdêmona.

Sem saber, Emília - mulher supertraída de Iago -, e Cássio aproximam-se de Desdêmona, caindo em meio a pistas que Iago arma, levando Otelo a crer que Desdêmona e Cássio tem um caso.

O relacionamento de Otelo e Desdêmona é lindo. Eles se amam apesar da diferença de classe e idade, tem uma ligação forte, entretanto, o ciúmes de Otelo põe tudo a perder, deixando de acreditar e dar a chance de se explicar à Desdêmona, e contribuindo com as artimanhas do invejoso demoníaco Iago.

"Só amei uma vez na vida, muito, muito... Mas, para minha desgraça, não soube amar..."

O final é desesperador! Uma verdadeira tragédia que te deixa de boca aberta sem palavras, nem suspiros!!!

Shakespeare inova e ao mesmo tempo, eterniza. O velho e habitual sentimento humano que destrói e abusa de tantos casais, juntamente com o câncer invejoso que dilacera tantas e tantas almas.

Aqui eu vejo e confirmo, ao ler esse livro: a inveja e o ciúme mata e leva ao derradeiro fracasso sem volta a qualquer ser humano. Seja aquele que sente, seja aquele que é atingido.

Mais que recomendado! Te fará refletir sobre os sentimentos que te alimentam e te conduzem, além dos que te cercam.

Beijos,
Ana M.

site: http://elvisgatao.blogspot.com.br/2015/10/resenha-otelo-william-shakespeare.html
comentários(0)comente



Thananda 28/04/2016

Quando o ciúme e a inveja agem
Não é a melhor história de Shakespeare, mas é bem interessante.

Iago morre de inveja de Otelo, seu superior e mestre de guerra. Para piorar a situação, Otelo nomeia Cássio para um cargo que na visão de Iago, deveria pertencer à ele por merecimento. Com ódio de Otelo e inveja da situação de Cássio, Iago trama uma vingança contra os dois, usando Desdêmona, a jovem esposa de Otelo como pretexto para provocar ciúmes entre Otelo e Cássio e assim fazer com que eles se matem. Iago tem ajuda de Rodrigo, um admirador de Desdêmona (que francamente, nunca teria chances com ela) para levar adiante sua trama. A desconfiança crescente de Otelo por sua esposa e Cássio acaba por minar o amor dos dois, trazendo graves consequencias em suas vidas.

Essa peça foi inspiração para muitas histórias, inclusive uma infanto-juvenil que eu adoro, de Pedro Bandeira, chamada A Hora da Verdade.

Li este livro para participar do Desafio Literário do Carro-Biblioteca da biblioteca Pública Estadual Luiz de Bessa. Para quem gosta dos clássicos da literatura, Shakespeare é um preto cheio. Recomendo :)
comentários(0)comente



Mayda Ribeiro 26/08/2016

Otelo, o Mouro de Veneza
Fantástico.
comentários(0)comente



184 encontrados | exibindo 91 a 106
7 | 8 | 9 | 10 | 11 | 12 | 13