Baroak - A  Estrela

Baroak - A Estrela Cris Motta




Resenhas - Baroak - A estrela


35 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3


Natália 09/07/2017

Confuso
A história começa narrando o cotidiano de Beatriz Comarin, protagonista da história. Nascida em família de alta classe social, a menina vive literalmente em um mundinho: o condomínio onde vive possuí escola e mercado e ela não sai daquele espaço. Com o decorrer da narrativa, percebemos que o núcleo da história está formado: ela, a menina estudiosa e que sofre com as maldades dos colegas, principalmente Liana - que parece ter ódio gratuito da mocinha - e Rodrigo, paixão platônica da heroína. Núcleo esse que se perde antes da metade do livro.
Ficando um ano fora do país, Beatriz muda e retorna ao Rio de Janeiro surpreendendo todos, deixando Liana tão incomodada que planeja humilhar a menina em seu aniversário de quinze anos, por alguma razão completamente banal. Plano concretizado, Beatriz volta para casa aos prantos e abre o misterioso frasco em formato de estrela que ela adquiriu nessa longa viagem, de onde sai o gênio Clair Baroak, que lhe garante três pedidos que podiam ser feitos quando a ama julgasse necessário. Ou seja, ela não tinha nenhum prazo para fazer valer seus desejos.
Se a história começa com a protagonista somando treze anos (e meio) de idade, termina com ela praticamente uma mulher de vinte. Nesse meio tempo, diversas coisas acontecem e creio esse ter sido o problema. É muita informação acontecendo rápido demais. Rodrigo, namorado da antagonista e amor platônico da mocinha desde as primeiras páginas, começa a retribuir seus sentimentos e depois de um tempo eles engatam um namoro que se estende durante os anos seguintes. E Liana? Ela desaparece da história de forma tão simplória que me deixou perdida.
Nessa passagem, Beatriz cresce, ganha outras amizades, leva um tiro (!) sempre com Clair ao seu lado, até que com seus dezoito anos, ela não tem mais certeza de nada. Não sabe se deseja mesmo cursar faculdade, se casa ou compra uma bicicleta... Decidida a viajar pelo mundo a fim de reorganizar suas vontades, Clair acaba por levá-la ao mundo dos djins, ou gênios. E lá acontece a maior reviravolta da história, a paixão instantânea que ela e Pietroh - irmão de Clair - sentem um pelo outro. Paixão essa que desafia as leis do mundo dos djins, mas cujo a força rompe até mesmo barreiras espirituais.
Infelizmente, o decorrer da história foi entediante e o final igualmente vago. A história prometia muito, por querer abordar crenças árabes e exaltar a excentricidade dos djins, porém, não convenceu... E a protagonista narrada repetidas vezes como simples, desapegada do material e desligada de coisas triviais, frequentemente é encontrada fazendo compras, se irritando e tratando Clair mal, chegando a repreender o gênio e discutir com os pais, parecendo egoísta, ingrata e extremamente mimada. Rodrigo, o mocinho inicial, é instável e apelativo e Pietroh explosivo de tal forma que não acho que deveria ser retratado como um príncipe belo e apaixonante. Certas situações deixam buracos enormes no enredo e suas resoluções são simplórias demais. Infelizmente, um livro que não me cativou...
Talvez valha a leitura para seu público alvo, mas acredito que existam outras obras que atendam melhor ao leitor juvenil.
comentários(0)comente



Laritza Oliveira 17/09/2016

Com uma dose de magia, romance e muitas aventuras, Baroak foi um livro que me apresentou uma cultura completamente diferente. A história de Beatriz Comarin é daquelas que merecia virar filme de sessão da tarde sabe? Bem, deixando de lado meu lado cinéfila/cineasta... Ao começar o livro acabei enfrentando o problema de não me acostumar muito com a passagem de tempo mais rápida, mas com a chegada ao “ponto alto” da história, acabei nem lembrando desse detalhe. A Cris conseguiu colocar seu carisma em suas personagens e me encantei por cada um. Estou muito ansiosa para comprar e ler o segundo!
comentários(0)comente



Dreh 08/09/2016

Baroak
Vim fazer uma resenha sobre estes dois livros incríveis! É aquele tipo de livro que você não sossega enquanto não souber o final da história.

Beatriz é uma menina como qualquer outra. Mas após morar por um tempo na Arábia por causa da transferência de emprego do pai, ela conhece um pouco da cultura de lá, e ao voltar para o Brasil, decide trazer uma lembrança do local. A estrela que Bia compra por lá, veio com um conselho da vendedora: abra quando estiver realmente precisando.

Ao abrir a estrela, conhece Clair Baroak. Uma djinn para os orientais, um gênio para os ocidentais. Como todo gênio, Clair tem a missão de realizar três desejos de Beatriz, mas as duas acabam virando grandes amigas. Bia vai descobrir muitas coisas sobre sua vida.

Não quero falar demais para não dar nenhum spoiler, mas a vida de Bia vai mudar num sentido em que ela nunca imaginou.

Quem gosta de romance misturado com magia, vai adorar!

site: https://coracoesjovens.wordpress.com/
comentários(0)comente



Luana 04/01/2015

Resenha #20
Conta a história de Beatriz,uma garota que se sente excluída do mundo pois não pode fazer as mesmas coisas que as garotas da sua idade por seus pais serem muito protetores.Mas isso muda quando eles tem que se mudar para o Oriente graças ao trabalho de seu pai.Lá,ela conhece novas culturas,faz novas amizades e se diverte bastante.Quando chega a hora de dizer adeus a este lugar que a trouxe tantas coisas boas,ela resolve levar algumas lembrancinhas,comprando um pote de cristal em forma de estrela,sem saber que ali reside uma 'gênia' chamada Clair Baroak que fará da vida de Bia um grande parque de diversões.Com Clair,Bia vive grandes aventuras,conhece novas culturas e novas pessoas.Esse livro retrata que a amizade e o amor são os sentimentos mais fortes que alguém pode ter a seu favor.

site: http://cantinhodatitania.blogspot.com.br/2014/09/baroak-estrela-cris-motta-20.html
comentários(0)comente



Re Souza 07/10/2013

Cativante e surpreendente. Preciso urgente da continuação!
comentários(0)comente



Neyara 24/01/2013

Baroak, a estrela - Cris Motta
m uma época em que livros sobrenaturais parecem ser só mais uma cópia, da cópia, da cópia, surge o livro Baroak, a estrela, para provar que o assunto ainda pode ser tratado com bastante criatividade. Beatriz Comarin é uma adolescente de treze anos que não tem muitos amigos, não tem vida social, e se dedica integralmente aos estudos. Sua vida começa a mudar quando seu pai é transferido para os Emirados Árabes, e a garota tem a oportunidade de conhecer novas pessoas e uma nova cultura.

Amiga das estrelas, Bia sempre gostou de conversar com elas, então quando viu um potinho em formato de uma estrela para vender na feira local, não teve duvidas e comprou, mas a feirante misteriosa aconselhou que o potinho só poderia ser aberto em caso de necessidade. Pouco tempo depois a família Comarin voltou ao Rio de Janeiro e Bia voltou a ter a sua antiga rotina, excluída e sempre humilhada pelos colegas de colégio.

Em uma noite de desespero, Bia abre o potinho em formato de estrela para entender o que aquela feirante tinha falado, de lá saiu Clair Baroak, uma djinn pronta para ajudar a garota no que ela precisar. Bia estava ganhando não só uma grande amiga, mas alguém que iria incentivar a menina a encontrar a sua liberdade. No dia seguinte Bia era uma nova garota, corajosa começou a enfrentar de frente seus inimigos, conquistou novos amigos e conseguiu conquistar seu grande amor....

Continue lendo aqui: http://capsuladebanca.blogspot.com.br/2013/01/livro-baroak-estrela-cris-motta.html
comentários(0)comente



Wanessa 21/12/2012

[ESTANTE SELETIVA] Resenha - Baroak, A Estrela
Confira a resenha original em: http://www.estanteseletiva.com/2012/12/resenha-baroak-estrela-cris-motta.html

Beatriz Comarin, com apenas treze anos de idade, era rica, inteligentíssima, e sonhadora, que deseja e muito ter seus pais ao seu lado, o que é praticamente impossível, e esse fator fica ainda pior após a mudança para a Arábia, por conta do emprego do seu pai. Isso acaba gerando um grande problema na vida da jovem, pois gerou uma difícil aceitação dela por parte das demais pessoas que lá viviam e que eram da mesma idade que ela. Mas uma coisa jamais a desamparava, o céu e as estrelas, as qual a menina nunca havia se desapegado sequer por um momento.

Em um passeio, fora à uma loja e ficou encantada por uma estrela. A vendedora explicou a Beatriz que não se tratava de uma estrela qualquer, e sim, uma estrela misteriosa, capaz de ajudá-la nas horas mais difíceis e momentos improváveis, mas para isso, ela só poderia abrir quando realmente estivesse precisando. Eis que a partir desse momento, Beatriz nunca mais foi a mesma.

Ao voltar ao seu país de origem, Brasil, ela foi pega de surpresa, mesmo desacreditada nesse tal 'poder mágico', ela agiu por impulso e abriu a caixinha. De repente surgiu uma djinn disposta a realizar três de seus desejos. Mas o que ninguém podia imaginar, é que as duas virasse amigas, por incrível que pareça, e isso acabou gerando uma reviravolta na vida de ambas.

Baroak é uma obra fantástica, repleto de romance e, por ora, suspense. De leitura rápida e dinâmica, acaba se tornando um breve vilão, pois o assunto abordado pela autora permitia que fosse desenvolvido em uma forma mais demorada, o que daria um segundo volume. Mas de qualquer forma, não deixa de ser uma escrita excepcional e super indicada para o público infanto-juvenil, e claro, para os demais que desejarem lê-la. Não irão se arrepender.
comentários(0)comente



estantedasuh 20/12/2012

Baroak - A estrela - Cris Motta
Beatriz Comarin é uma menina de treze anos e meio, muito inteligente, uma menina exemplar, respeitadora, obediente aos pais e muito carinhosa. Apesar de ser uma menina amada pelos pais, ela se sentia diferente dos outros colegas da escola.


O pai de Bia precisava viajar a trabalho e ela e sua mãe foram com ele. Bia fez muitos amigos no local, mas sentia falta dos amigos brasileiros. Antes de voltar ao Brasil ela vai comprar uns presentes para seus amigos e encontra uma caixinha em formato de estrela que lhe chama muita atenção. Bia tenta abrir a caixa, mas a dona da loja diz pra ela só abrir quando precisar, ela não entende, mas segue a orientação da vendedora.

Após uma festa em que Bia foi convidada e ao mesmo tempo foi cruelmente humilhada na frente de todos os seus colegas de escola. Bia foi pra casa chorando e correndo, entrou no seu quarto e lembrou das palavras da vendedora "Abra somente quando precisar" e lhe pareceu ser o momento certo para se fazer isso. Quando Bia abriu a caixinha, de dentro dela saiu uma menina com a parte de cima humano e a parte de baixo como fumaça e se apresentou como uma djinn ou uma gênia como era conhecida pelos humanos, ela era a djinn Clair Baroak. A partir daí a vida de Beatriz iria mudar completamente.

Opinião de Suelen Fernandes

Quando comecei a ler o primeiro capítulo com o título de "Treze anos e Meio" eu pensei "mais um livro adolescentezinho" até "chato" passou pela minha cabeça, mas quando comecei a ler e conforme a leitura foi se desenvolvendo, fui me apegando a Bia e até algumas coisas que ela sofreu na escola me fizeram recordar a minha adolescencia, como a inveja dos colegas por você ser uma aluna aplicada e se achar meio estranha no meio de seus amigos, isso foi uma das coisas que aconteceu comigo e que acontece com Bia.

O que mais me chamou a atenção foi que o livro não se resume só o amor entre Bia e Rodrigo e a vida de Bia. Há várias mudanças que vão acontecendo ao longo da história que vai te deixando cada vez mais interessado em ler, em querer saber o que vai acontecer. Mas eu falo a vocês esse livro tem várias surpresas, não vou falar quais são pois vai perder a graça. Vou dar uma dica, Rodrigo não será o único amor da vida de Beatriz.

A autora também nos mostra como é o mundo dos djins. E ao ler cada detalhe dos lugares, minha mente viajava e projetava as cenas que eram incríveis.

Recomendo o livro e dou os parabéns a Cris Motta, pois o seu livro é fantástico e incrível. Ela realmente é uma "gênia" para escrever esse livro. É uma pena que vamos ter que esperar para ler os outro livros.

Espero que tenham gostado e comprem o livro que é muito bom. Incentivem os escritores brasileiros, eles precisam muito do nosso apoio. Não deixem de comentar.
comentários(0)comente



Rose 30/10/2012

Betriz Comarin é uma adolescente que vive cercada pelo excesso de zelo e cuidado de seus pais. Mas nunca reclamou e sempre tirou por menos. O que a entristecia era a perseguição sofrida na escola. Ela se sentia um peixe fora d'água. Totalmente deslocada do mundo em que vivia. Bia sonhava com uma vida bem diferente, onde fosse querida, respeitada e ouvida.
Seu sonho começa a se realizar quando sua família vai morar 1 ano na Arábia por conta do serviço de seu pai. Lá a garota começa a se descobrir e crescer pessoalmente. Quando volta ao Rio de Janeiro, trás na mala muitas histórias para contar e uma estrela que sem ela saber guardava um grande segredo: um gênio, Clair Baroak.
Como todos sabem, que tem um gênio tem direito a realizar 3 desejos, mas Bia não chegou a pedir nenhum, ao contrário queria apenas a amizade e a companhia de Clair. E esta amizade foi tão forte e verdadeira que elas acabaram ficando inseparáveis e Bia acabou desabrochando ainda mais e iníciando um caminho que ela nem imaginava ser possível. Com muitas conquistas feitas, Bia acabou questionando o que realmente queria e decide partir em uma viagem de descobrimento de si mesma. Ao lado de sua amiga gênia, Bia foi conhecer outros países e culturas, e também acabou conhecendo o verdadeiro mundo de Clair e sua família. Encantada com o que estava vendo, acabou caindo de amores por Pietroh, irmão de Clair, noivo de Manuhela e futuro líder do mundo dos gênios.
Deu para notar como esta história promete muita confusão e sofrimento né? E nem mencionei o fato que Bia quando conheceu Pietroh estava noiva de Rodrigo, seu amor de infância.
Eu gostei da história, o que não gostei foi o fato da Bia para mim ser muito chata e cheia de "não me toque". Me lembrou a "Bella" da saga Crepúsculo em vários momentos, onde tudo acontecia com ela e ela se achava um zero à esquerda. Isso me dava muita raiva, sem falar que era muito certinha para o meu gosto. Mas isso claro, é meu ponto de vista em relação a protagonista, mas a história é gostosa de se ler.
Maristela 09/11/2012minha estante
Ainda não li esse livro e pela resenha dá para notar que é um livro leve, recheado de idas e vindas do personagem em busca de si mesma, confusões amorosas e muita ternura. Gostei da resenha. Parabéns.




Lizianesg 23/10/2012

Baroak - A estrela
Beatriz é uma adolescente que estava crescendo em volta de uma redoma criada pelos pais e acredita que isso faz com que não saiba como reagir em certas situações que acontecem em sua escola.

“Sua mãe desistiu da carreira de musicista para se dedicar ao casamento e vivia mais sozinha do que ao lado do marido, que viajava a trabalho constantemente.” Pág. 11

Ela está quase sempre só e se sente como se não se enquadrasse nesse mundo e é uma estudante dedicada.

“Flora, a professora mais exigente d turma, admirava Beatriz. Pois, além de aplicada e inteligente, Bia era dócil e prestativa.” Pág. 12

Um belo dia seu pai dá a noticia de que irá passar um tempo fazendo projetos em países árabes e a família iria junto. Lá Beatriz se torna uma garota diferente, se sente normal, faz amigas, conhece um garoto no qual ela gosta, mas não a ponto de esquecer o rapaz que gostava e estava no RJ, conheceu a cultura e comidas de um pais diferente.

“Experimentou comidas exóticas, aprendeu a dançar graciosamente, viu pela primeira vez o mar de areia que só via em filmes – o deserto era encantador.” Pag. 14

Beatriz completa 15 anos e sua festa foi maravilhosa, embora gostasse muito daquele país sentia falta do Brasil, da sua casa e da governanta com quem se sentia a vontade para conversar.

Antes de voltar para casa ela resolveu comprar alguns itens para guardar de recordação e entre os itens comprados esta um frasco em forma de estrela.

“Abra quando realmente precisares.” Pág. 19

Quando volta para sua escola, ela pensa tudo estar diferente, mas logo irá descobrir que nada mudou.

“O jardim, as pessoas, tudo ali parecia girar. As vozes ressoavam em sua mente, sua cabeça formigava. Desnorteada, Bia só conseguiu correr e correr.” Pág. 30

“Era uma mistura de revolta por se achar tola, fraca, e de raiva por todos aqueles que a faziam sofrer.” Pág. 31

Então ela resolve abrir o frasco que trouxe como lembrança e a partir daí sua vida não será mais a mesma.

“Meu nome é Clair Baroak, sou uma djinn ou, para vocês ocidentais, um gênio.” Pág. 32

Bia consegue se impor diante de sua rival Liana de uma maneira que nem ela mesma acredita que foi capaz.
Sua mais nova amiga promete mostrar coisas que no mundo dela são mais perceptíveis que no mundo da Bia. A amizade das duas se torna cada vez mais forte.
Será que Bia irá conseguir conquistar o seu amor? E sua amiga será que encontrará alguém interessante também?
“Seus pensamentos a levam a qualquer lugar. Se trabalhá-los bem, souber controlá-los, conseguirá se conectar aos seres invisíveis deste e de outros mundos.” Pág. 52

“Perderam a noção do tempo e do lugar onde estavam. Eles se afastavam para recuperar o fôlego, se olhavam e se beijavam novamente.” Pág. 69

“Clair estava sendo pedida em namoro. As mãos do rapaz traziam o rosto da djinn pra junto do seu. Os olhos estavam fechados e Clair era puro nervosismo. Quero beijá-lo, quero beijá-lo, pensava.” 101

Através de um projeto que Bia e alguns de seus colegas estão participando, faz com que eles conheçam um lado diferente da cidade onde vivem, eles veem de perto a pobreza e a violência.

“Beatriz sabia que existia muita pobreza em seu país, mas nunca vira a miséria de perto.” Pág. 74

“Meus Deus! – Beatriz gritou ao sentir uma ardência nas costas, próximo ao pulmão. – Não consigo respirar...” Pág. 84

A jovem acredita estar tudo muito bem entre ela e o amor de sua vida, mas vários acontecimentos fazem com que Bia pense em sua vida de uma forma diferente e então percebe que ela está mudando e que tudo que parecia ser o que ela mais queria agora não era sua maior prioridade, ela quer se conhecer, crescer e decidir o que realmente irá fazer em sua vida adulta.

“O que durante muito tempo tinha sido o seu mais profundo desejo, agora era um enorme ponto de interrogação. Beatriz sentia que estava mudando profundamente.” Pág. 127

“Clair, eu sei que tem algo estranho comigo, mas sei que não estou louca. Tenho uma ligação profunda com tudo que se refere ao Oriente; aliá foi lá que ei me curei e a trouxe para perto de mim.” Pág. 148

Bia tinha certeza de que algo estava acontecendo com ela e então resolveu fazer uma viagem com sua melhor amiga a fim de descobrir o que estava acontecendo. Durante essa viagem ela é convidada a descobrir um mundo completamente diferente, e nesse mundo um novo amor irá surgir. Será esse o seu amor verdadeiro?

“Bia, não sei mesmo o que dizer a você sobre seus sonhos, mas acho que você tem alguma ligação com o mundo místico, por isso vou lhe fazer uma pergunta: quer conhecer a morada dos djinns?” Pág. 150

“Eu me sinto abençoado também. Sempre tive tudo, mas meu coração parecia incapaz de amar. De certa forma, existia um vazio em mi. Agora não existe mais.”Pág. 177

Gostei da história do livro, porém achei um pouco cansativo, pois ela descreve vários anos da vida de Bia e é muita informação.
Adoraria ter uma amiga djinn, mas também quem não gostaria né. E com relação ao Rodrigo às vezes tinha vontade que ela desse um pé na bunda dele porque em algumas ocasiões eu o achei muito chato.
comentários(0)comente



Fulana Leitora 18/10/2012

Resenha feita por Kezia Martins para o Blog Fulana Leitora: http://fulanaleitora.blogspot.com.br/2012/10/resenha-de-book-tour-baroak-estrela.html
Baroak – a estrela nos conta a história de Beatriz Comarin, uma adolescente de 13 anos que, por ser filha única, é superprotegida pelos pais. Bia não se dá bem com pessoas da sua idade, é super estudiosa, dedicada e inteligente. Mas, quando se trata de interação social ela é um zero a esquerda.
No começo da leitura achei que o livro se tratasse de um drama adolescente. Por que, durante a leitura, vemos várias e várias vezes Bia excluída e se sentindo rejeitada. Mas, no decorrer da história, me vi surpreendida com o amadurecimento da personagem.
A princípio o livro é habituado no Rio de Janeiro onde Bia mora com seus pais. Helena, uma ex-musicista, agora dona de casa e Carlos, um importante homem de negócios. Quando seu pai é transferido do trabalho e eles são obrigados a se mudar para a Arábia vemos o começo da mudança na vida de Bia.

"Toda noite, após rezar o pai-nosso, a jovem apelava para os luminosos pontos da Via Láctea e abria seu coração: Meu céu, minhas amigas estrelas, gostaria tanto de ser diferente do que sou. Na realidade, não tão diferente, mas livre para mostrar minhas outras faces. Gostaria de transformar a minha vida"

E, a partir daí, o livro me ganhou totalmente. Eu adoro livros que remetem a outras culturas, então, Baroak foi um prato cheio para mim. E o que me deixou completamente fascinada foi a inserção da fantasia.
Bia retorna ao Rio com a família, agora com 15 anos, mais madura e com muita história para contar. Mas, Bia se vê na mesma situação, sendo humilhada por Liana e menosprezada pelos outros colegas. E, é ai que Clair Baroak entra na história.
Clair é uma djinn, uma gênia, que acaba virando a melhor amiga de Bia, ela a ajuda a se descobrir, a se tornar mais confiante. A amizade de Clair é, em grande parte, responsável pelo amadurecimento de Bia. Agora ela tinha tudo o que sempre precisou, alguém em quem confiar e que acreditasse nela.
Os anos passam, Bia está a cada dia mais madura e mais amiga de Clair. Ela começa a namorar Rodrigo, que sempre foi o seu grande amor, desde a infância. Finalmente ela é aceita e amada e tem tudo o que sempre sonhou. Mas, será que isso é suficiente?
Agora aos 18 anos, Bia tem a oportunidade de conhecer o mundo de Clair. Bia se maravilha com a magia do mundo dos djinn. Tudo é tão novo e inesperado. Quando Bia achou que finalmente tudo estava certo em sua vida, ela se vê desnorteada com a possibilidade de uma nova história.
Bia conhece a família de Clair, seus pais, seu irmão Pietroh e seus primos e tios. Tudo é tão novo e ao mesmo tempo é familiar, como se ela pertencesse aquele lugar. Muitas aventuras e reviravoltas acontecem na vida de Bia. Um novo amor, mais forte, poderoso e proibido. Agora ela tem que reavaliar suas escolhas e definir o rumo de sua vida.
Baroak – a estrela termina com uma Bia forte e valente com seus 20 anos. Agora sim ela está decidida e determinada a enfrentar tudo e todos pelo seu amor. Ela vai ter que arriscar tudo para salvar as pessoas que ela ama. Mas, será que ela vai conseguir?

“Que paixão é essa que dilacera meu coração? Por que todo esse sofrimento? Não posso estar fazendo a coisa certa. Não tenho mais como esconder de mim mesma o que sinto. Afastei-me tempo demais. E se ele estiver feliz vivendo outra história? Aí desistirei dele... Não! Não posso! Não quero mais ouvir a razão... Há uma força maior que nos impulsiona.”

Eu me surpreendi em muitos aspectos com esse livro. Cultura e fantasia em uma mistura perfeita. A narrativa e leve e fluida o que te mantem sempre envolvido na leitura. A diagramação é simples, mas bem feita. E o que me deixou muito feliz, não tem um único erro ortográfico.
As únicas coisas que me incomodaram um pouco foram a repetição dos nomes, o tempo todo você lê “Beatriz Comarin”. E a escassez de capítulos. Eu não sei se é uma chatice minha, mas eu gosto de livros com capítulos curtos. Eu não sei parar uma leitura no meio de um capítulo, eu tenho que ler ele todo. Então, pense na minha situação ao encarar um capítulo com 60 páginas rs
Mas, nada disso desmerece o livro ou a história. São apenas picuinhas de uma leitora reclamona... Baroak promete ser uma das minhas séries preferidas. Sim, Baroak tem continuação e eu mal posso esperar para lê-la.
comentários(0)comente



Laury 14/10/2012

[Resenha] Baroak, a estrela – Cris Motta
Estou fazendo essa resenha com o maior receio do mundo. Por quê? Porque o livro é grande, não de páginas, mas de conteúdo, conta mais de cinco anos da vida da Bia, ou seja, é extremamente difícil falar sobre ele. Morro de medo de dar spoiler. Morro! Por isso li sinopse, vi book trailer, fui no site da autora, vi tudo que existe sobre o livro para saber o que eu posso falar e o que não posso. Então, se por acaso eu falar de mais, desculpe.

Agora vamos conversar sobre o livro. O primeiro ponto que tenho para ressaltar é a criatividade. Em um mundo cercado por vampiros e lobisomens (adoro eles, mas uma hora cansa!), os gênios chegam com uma luz diferente. Enquanto lia, não consegui me impedir de viajar pelo mundo do Aladim, mas confesso que o mundo dos Baroak é mais interessante.

Enfim, o livro conta a história de Beatriz Comarin, filha única com pais mega protetores. Ela é inteligente, meigasinha e perseguida. A velha história do bullying. Ela sofre um bocado e a primeira parte do livro é sobre a escalada dela para se tornar alguém mais forte. Bem inspirador, diga-se de passagem. E nessa fase (e em quase todas) ela tem a ajuda da sua amiga e “gênia”, Clair Baroak. A Clair chegou para ajudá-la com os famosos três desejos, mas acabou ajudando mesmo foi com a companhia, foi umas das primeiras amigas de verdade que Bia teve. Mas enfim, a primeira parte é como qualquer inicio de livro, meio monótona, apresentando os personagens, os lugares, construindo um fundo para a história, mas ainda assim tinha seus conflitos. Não era um hiper conflito que levaria o livro todo para se resolver, era breve, mas algumas vezes bem intenso. Gostei dessa primeira parte, mas só gostei. O up e destaque do livro veio depois.

Como um bom romance, a personagem se sente dividida entre dois amores. Só ela, porque eu não tinha duvida nenhuma de quem ela deveria escolher. Hehe Os dois amores dela eram parecidos, ambos bonitos, fortes, bem sucedidos a sua maneira… e ela tinha que escolher um. Não pude evitar, desde o inicio tive meu preferido, porque as atitudes os diferenciavam, e mesmo os dois sendo ciumentos e explosivos, um conseguia ser melhor que o outro a meu ver. Mas estou delongando de mais nos rapazes, vamos focar!

A autora descreve bem as relações ensino médio e achei isso interessante. Ela aborda também super proteção dos pais intercalada com um “abandono”, porque Bia é super protegida, mas seu pai passa a maior parte do tempo trabalhando e ela é praticamente criada pelos empregados da casa, o que é uma realidade cada vez maior no Brasil. Outra coisa que gostei muito foi que a Cris soube falar de beleza, mas também das partes tristes do nosso país. Pobreza, desigualdade e por ai vai. O livro consegue ser realista, ainda que cercado de fantasia.

Mas voltando ao que eu achei o up do up. O livro explora mitologia num grau mais elevado. Quem está acostumado a ler livros sobre mitologia, conhece o céu, o inferno e o purgatório, que às vezes mudam de nome, mas continuam com a mesma essência. Em Baroak não é assim! A mitologia árabe que sempre foi pouco explorada no nosso lado de cá do planeta cria divisões diferentes, acrescenta coisas. No inicio fiquei meio perdida, mas depois que aprendi, fluiu que foi uma beleza. Existem anjos, demônios, gênios, aquele bando de criatura mágica de floresta, almas… existe de tudo! E toda uma filosofia em cima disso. Foi um refresco para quem gosta de história antiga e mitologia, principalmente porque também explora aquelas coisas que estamos acostumados.

Bem, teve algumas coisinhas que achei nada haver com nada, mas são irrelevantes. Adorei a Bia e seu lado racional, gostei muito da Jô, queria ter a Clair como amiga para sempre, não consegui gostar de um dos amores da Bia e me apaixonei perdidamente por outro. Achei a família da Clair um amor! Gostei do livro, fim! E o que aprendi com a Bia foi: Recomeçar é bom, ainda que infinitas vezes, porque o importante é ser feliz.

Espero que tenham gostado da resenha, leiam o livro e não me batam por ter falado de mais. rsrs

Beijos.

Laury
http://maniacaporlivros.wordpress.com/2012/09/14/resenha-baroak-a-estrela-cris-motta/
comentários(0)comente



Michele Bowkunowicz 08/10/2012

original e muito bom!
A protagonista da história é Beatriz Comarin, de 13 anos, estudante da escola CDF, filha única, e seus pais Carlos e Helena a super protegem, juntamente com a sua babá Jô, que cuida dela como uma segunda mãe.

No colégio ela sofre bullying direto de Liana, que tem inveja da sua inteligência, já que Beatriz é a garota mais inteligente da escola, e também inveja de toda atenção de Rodrigo, o garoto mais desejado da escola, por quem Bia é perdidamente apaixonada desde que o conheçeu.
Rodrigo é o melhor partido da escola, bonito, inteligente, educado, rico e com um futuro brilhante pela frente. Ele se importa muito com a Beatriz, mas Liana não mede esforços para tornar a vida de Bia um inferno.

"Toda noite, após rezar o pai-nosso, a jovem apelava para os luminosos pontos da Via Láctea e abria seu coração: Meu céu, minhas amigas estrelas, gostaria tanto de ser diferente do que sou. Na realidade, não tão diferente, mas livre para mostrar minhas outras faces. Gostaria de transformar a minha vida" pág 13

Tudo muda depois que o pai de Bia recebe uma proposta para trabalhar nos países árabes. Então Beatriz se muda com a família para lá. Nesse novo mundo, totalmente diferente, ela se adapta muito bem, faz novas amizades, fica mais vaidosa e segura de si.

"Beatriz Comarin conseguiu se sentir mais feliz naquele país estranho, com pessoas tão diferentes dela, do que no seu de origem." pág 15

Depois de um ano e meio, a família Comarin tem que voltar ao Brasil, mas antes ela e a mãe resolvem fazer compras e Bia compra uma linda estrela de cristal, onde a vendedora lhe informa que só poderia usar a estrela em caso de necessidade.

Bia volta para a escola cheia de novas histórias para contar, todos querem falar com ela para saber como é a vida no oriente. A única pessoa que não havia ficado feliz com a volta dela foi Liane. Ela se finge de amiga e a convida para sua festa, e depois a humilha. Bia vai correndo para casa e pega a estrela de cristal e de lá sai uma linda menina, Clair Baroak, um gênio. Elas acabam se tornando melhores amigas, e Clair vai ajuda-la a enfrentar Liane, a conquistar Rodrigo e entre outras coisas.

"Meu nome é Clair Baroak, sou uma djinn ou, para vocês ocidentais, um gênio. Tenho sabedoria de muitos séculos e de todos os lugares. Estou me apresentando na minha forma original, mas vou me adaptar conforme seus desejos. Como todo gênio, vou lhe conceder apenas três pedidos, mas pode demorar o tempo que quiser para concretizá-los. A eternidade é o meu tempo. " pág 32

"- Jura? Sua adorável fofoqueira! Eu te amo, te amo, te amo!!! Aiii, quer saber de uma coisa? Acho que estou verdadeiramente apaixonada pelo Rodrigo... E mais? Não quero mais ficar solteira! - confessou Bia à amiga, sorrindo.
-Sabia, sabia! Adoro romances... O amor é belo! Ai ai! - suspirou. - Trate de sair logo daqui, Bia. Nada de incorporar a doentinha! Sebo nas canelas! " pág 88

O começo do livro eu achei meio parado, com dramas adolescentes, mas o livro fica bom mesmo lá pelo meio e até o fim, o livro te prende e você não consegue para de ler. Li em dois dias, e do meio para o final li em uma tarde, foi incrível como me fez ficar grudada nas páginas até o fim.

O livro mostra a vida de Bia de seus 13 anos até seus mais ou menos 20 anos, e durante esse tempo foi mostrado todo o seu processo de amadurescimento, da adolescencia para a fase adulta. De patinho feio, a uma mulher decidida e forte, com muita personalidade.

Fiquei fascinada com as descrições da terra dos gênios, e tambem sobre mitologia árabe. Queria morar na casa dos Baroak, um lugar fascinante e lindo.

" Algumas sensações reafirmavam as indecisões quanto ao que seguir em sua vida : ao entrar na biblioteca, livrarias ou museus, Bia tinha a impressão de ser puxada para dentro de histórias longíquas. " pág 129

O livro tem uma linguagem simples, dinâmica, flui bem, tem um tema totalmente original, nunca tinha lido um livro com gênios, amei.

Os personagens são cativantes, como também em alguns momentos irritantes. Bia e Pietroh são meus personagens favoritos. Bia, me identifiquei totalmente, assim com ela, tive pais super protetores, que não me deixavam sair sozinha, era tímida e não tinha muitos amigos, e sofria bulling na escola. Também tinha uma inimiga que fazia da minha vida um inferno, foi terrivel.
Como a Bia amadureceu com o passar dos anos, o mesmo aconteceu comigo, por isso gostei tanto dela.
Pietroh é incrível, apaixonante, lindo, mas também ciumento e "esquentadinho", mesmo assim adorei esse personagem, só é uma pena que ele apareça tão pouco na história, espero que no próximo livro tenha mais!
Clair também é admirável, muito divertida, queria ela como amiga.

"- Não sei se isso que vou dizer vai melhorar ou piorar essa situação, mas eu sonhei com você antes mesmo da minha irmã encontrá-la. É você Bia, o rosto que via nos meus sonhos e de certa forma tive medo de vê-la tão real. Desde o primeira dia que você chegou não consegui disfarçar o que sentia", pág 196

Gostei muito também das referências e legendas nos rodapés das páginas, vemos que a autora fez muitas pesquisas para o livro.
A capa do livro é bonita, porém muito simples, queria que fosse mais trabalhada.
O final para mim foi um pouco apressado, queria que tivesse sido mais desenvolvido. Bem, como será uma trilogia, espero ansisosa pela continuação. Super recomendo!! Leiam.
4 estrelas

leia em meu blog
http://www.lostgirlygirl.com/2012/09/resenha-97-baroak-estrela-de-cris-motta.html
comentários(0)comente



Ednelson 29/09/2012

Análise:
Saudações, leitores! Recentemente terminei a leitura de uma obra de fantasia (O Clã dos Magos) e em seguida comecei outra obra de fantasia, contudo este segundo livro mostrou-se com elementos a mais que, sinceramente, proporcionou-me uma leitura mais prazerosa. Considerei o livro melhor escrito por exibir uma evolução mais evidente nas páginas, ou seja, amadurecer progressivamente de forma a me surpreender. Uma história que começou como um drama adolescente, transformou-se em uma fantasia juvenil, com lições que permeiam as nossas vidas independente de idade (mais esclarecimentos a frente) e finalizou como uma história de amor madura, mas sem abandonar os elementos fantásticos. Posso considerar que a minha primeira escolha para uma Book Tour foi um grande acerto, com certeza pretendo participar de outros, quando a autora lançar novos livros, mas vamos compreender um pouco mais os motivos que me levaram a pensar assim.

O primeiro ponto que me atraiu nesse livro foi a fantasia ser baseada na mitologia Árabe, uma que não é tão desenvolvida nos livros atualmente. Obviamente qualquer ponto de originalidade é algo que já pesa bastante na hora do leitor adquirir um livro e isso já seria um diferencial para leitores mais ávidos por novidades e curiosos. A criatura mitológica escolhida focada, a Djinn (um gênio para os ocidentais), também não é como costumamos conceber, muito pelo contrário, é dotada de um jeito bastante familiar.

A protagonista chama-se Beatriz Comarin, uma garota cuja família possui uma ótima condição financeira e que vive cercada de cuidados paternos. A Bia, como é chamada pelas pessoas mais íntimas, poderia ser uma pessoa supérflua ou rendida à letargia da riqueza que os pais têm, entretanto ela caminha numa direção contrária. É uma garota muito introspectiva e com um intelecto que acaba destacando-a no meio em que convive, porém isso também acaba fazendo com que adquira algumas inimizades e viva situações indesejadas, algo que a maioria dos adolescentes enfrenta durante essa fase de formação base da personalidade. Aliás, uma das colunas do livro, é justamente o conflito de sentimentos e pensamento que movem o ser humano. A autora conseguiu aliar uma linguagem simples com uma questão importantíssima e da qual nenhum ser humano escapa, por isso, apesar do livro ter um formato juvenil, consegue cativar leitores de diversas idades, como é o caso do clássico “O Pequeno Príncipe”.

A Djinn (Clair Baroak), que adapta a sua aparência a vontade de sua ama, age como uma espécie de consciência de Bia e a sua constituição mágica acaba se tornando apenas um detalhe, mediante seus pensamentos e o seu valor como força motriz para a transformação da protagonista. A obra prefere ampliar os momentos de profundidade de ideias e pensamentos do que se deter em uma exuberância acerca da fantasia. Valorizei ainda mais esse aspecto, pois demonstra que, acima de querer escrever uma história de fantasia, a autora se propôs a debater sobre coisas que fazem parte de nossa realidade. Acredito que a fantasia é um meio que usamos para criar alegorias sobre o nosso mundo, obviamente que frequentemente colocamos nesse gênero nossas aspirações em estado superlativo, mas no final das contas o que determina a qualidade de um livro são as entrelinhas e nisso “Baroak – A Estrela” possui riqueza.

Existem vários personagens secundários, mas a narração não perde a organização em momento algum e cada página vai desenhando um quadro coeso em que cada ponto é fundamental para o desfecho. Como mencionei no início da resenha, a protagonista começa como alguém vulnerável socialmente e sentimentalmente, uma pessoa que se sente desfocada da realidade devido aos seus valores que não se harmonizam com a maior parcela de seu ambiente, mas, com a chegada de Clair, a garota começa a amadurecer numa alta velocidade, mas nada que me soou anormal ou sem sentido. Vários conflitos acontecem durante o amadurecimento, tanto de ordem social quando emocional, evidenciando como adquirir experiência não é um mar de rosas, mas inclui também caminhos por cima de espinhos. Essa é a lição que tanto é valiosa para o público juvenil, mas que não deixa de poder ser apreciada por adultos.

Além desse lado mais crítico e reflexivo, a obra também possui uma face bastante romântica, mas não nos formatos açucarados que amiúde ficam enjoativos depois de algumas páginas, exceto para quem realmente encontra entretenimento nesta forma de literatura, afinal os estilos são tão múltiplos quanto as cores da natureza e cada cor possui a sua devida importância, nada deve ser absolutamente ignorado. Enfim, posso dizer que este livro despertou-me boas reflexões, assim como despertará nos leitores abertos à experiência. O desfecho foi um pouco repentino, contudo lembremos que este é o início de uma história que ainda na primeira parte assumiu um ar de esplendor e nos promete ainda mais deleite em sua continuação. Levando este fato em conta, percebemos que as cortinas se fecharam no preciso ponto para aguçar o nosso desejo. Pela originalidade no texto da autora e pelo aspecto questionador do livro, darei cinco selos cabulosos! Comento pouco sobre os acontecimentos do livro em si nas minhas resenhas porque prefiro focar mais na experiência introspectiva que o livro me proporcionou e, quando necessário, fazer observações sobre a sua parte física. Abraços, até breve.
Gisele 29/09/2012minha estante
Em cada linha vejo a obra Baroak.


Marcelo 30/09/2012minha estante
Acertou na mosca! Faço das suas as minhas palavras. Parabéns pela sua resenha.


Fernanda 14/11/2012minha estante
Linda resenha! Parabéns!


Monique 25/02/2013minha estante
Muio bem escrita a sua resenha!
Creio que vou colocar o livro na lista de desejados :D
Acho ótimo o fato de vc nos dar uma sinopse básica apenas para sabermos a premissa da história. Odeio quando as pessoas confundem resenha com resumo.
Bjs




Máh xD 26/09/2012

☆ Baroak a Estrela★ O livro é infantojuvenil, mas confesso que amo ler esse gênero, principalmente quando tem uma base solida, apresentando novos assuntos e bem escritos sendo o caso desse aqui...
Esse livro trás a história de Beatriz Comarin, uma adolescente de 13 anos, muito inteligente e introspectiva, ela é excluída dos grupos além de ser constantemente o principal alvo de situações embaraçosas e chacotas sempre vindas da garota mais popular da escola, Liana e sua turma.
Apesar disso Bia é uma garota de coração puro e gostei de ler que suas atitudes são adequadas para um adolescente da sua idade não agem como alguém mais velha. Simpatizei com suas tristezas e solidão que a assolava, e sem tem ter alguma amizade toma as estrelas como suas confidentes.
“ Por Favor, me ajude a ser livre desses sentimentos que só machucam meu coração, a minha alma ... Quero me sentir normal, querida pelas pessoas da minha idade; não quero ser mais esquisita [...] Mais estou infeliz. Sempre me sentirei só? É esse meu destino? Ajude-me...”

Porém, sua vida muda quando seu pai Carlos Cormarim, um pai e marido amoroso ainda que não mostrasse esse lado sempre, ele é muito ausente por causa de seu trabalho e muita vez deixa a filha e esposa de lado, mas a vida de Bia dá uma virada quando ele é transferido para a Arábia e ficam por lá durante um ano, esse que fez muito bem para ela, lá fez algumas amizade e teve mais liberdade que até então não tinha.
E em um momento de angustiante muito grande provocado mais uma vez por Liana, Bia desabafa com as estrelas do céu, eis que ela lembra que trouxe uma estrela de cristal de sua viagem e resolve abri-la e eis que *::.¤*Puff *::.¤* não é que surge a Clair Baroak nada mais nada menos que uma Djinn, um gênio!!
Isso mesmo que vocês leram, e nesse momento percebi que não tinha lido nada a respeito desse assunto e que sou, era, uma leiga totalmente daí por diante a história fica mais fascinante, nos apresentando uma nova cultura, novos temas que quando citados passam despercebidos.
Coisas boas irão surgir para a Bia e não por ter feito seus “três” pedidos, pelo menos isso eu sei que um gênio concede três. – Cadê meu djinn-? rsrs
Amei ler a cumplicidade entre Bia e a Clair e a forma que elas interagiam entre si, também divertir-me bastante nos poucos momentos que elas "brigavam" entre aspa já que eram mais brincadeiras que propriamente brigas.
“ Geniazinha ruiiiiiim, Deus! Ó, Deus! Por que mereço essa gênia na minha vida? Por quê? Por quê? – E fez cócegas no ser mágico magoado...”
E a história não fica parada não gente! Citei algum Rodrigo, Pietroh aí?
aaah, paixões, amores... *oo* vou deixar para vocês descobrirem, detalhe a Bia não fica só nos 13 anos, o livro evolui e mostrar várias etapas e facetas dela e de quem a cerca, além de lutas e batalhas que são criadas conforme vamos lendo e claro um mundo imaginário – pelo menos para mim, tenho certeza que a Motta acredita, ela faz ...hmmm ... alguma coisa da lua azul e com fogueira e tudo!! oO” – rsrsrsrs.
Enfim, Motta, escreveu com uma leveza e de forma madura, transmitindo maturidade e lições de vida escrita nas estrelinhas e bem captadas para quem está lendo e o melhor de um modo fácil de ser absorvido por seu público alvo, além de bem moderna, usando de algumas palavras atuais do mundo virtual como -humpf- eu mesma uso bastante essa aí.
comentários(0)comente



35 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3