O Circo da Noite

O Circo da Noite Erin Morgenstern




Resenhas - O Circo da Noite


381 encontrados | exibindo 1 a 16
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 |


Iris Figueiredo 29/02/2012

Mais resenhas em: www.literalmentefalando.com.br
"O Circo da Noite" não é sobre fantasia ou mágica, embora todos os personagens carreguem muitas coisas mágicas dentro de si. Não é uma história de amor, embora haja amor, um amor lindo e bem narrado, real e fácil de acreditar. Esse também não é um livro sobre um jogo, embora haja um jogo. Os personagens não sabem muito bem que jogo é esse - e nem o leitor compreende o que se trata até as últimas páginas. Ele poderia ser considerado um livro sobre o misterioso circo que só abre à noite e fecha ao alvorecer. Sim, os protagonistas do livro não são Marco ou Celia, embora eles sejam os responsáveis pelo circo ter sido criado. O protagonista desse livro é o próprio circo, embora no final eu tenha me perguntado se o protagonista desse espetáculo não foi a emoção...

Emoções que permeiam o leitor e os integrantes do circo - desde amor ao ódio, passando pelo medo e pela esperança. Foi assim que "O Circo da Noite" me ganhou e, tal qual Widget, eu vou lhes contar uma história agora... E peço, por favor, que leiam até o fim e me deixem convencê-los que esse livro vale a pena ser lido.

Essa resenha vai soar muito pessoal, mas eu quero que seja assim. Alguns livros mexem com a gente por lembranças, experiências e pelo que ele representa. Se a leitura não se torna uma experiência pessoal, ela não valeu a pena o suficiente. Então, eu vou encher essa resenha de memórias, sonhos e histórias, porque "O Circo da Noite" mexeu comigo - e eu espero que ele mexa com você do mesmo jeito.

Eu tenho uma lembrança da infância que envolve o circo. É uma dessas lembranças muito distantes e borradas, daquelas que a gente não sabe o quanto é real e o quanto é invenção da sua cabeça, mas ela me acompanha desde que consigo lembrar. Nessa lembrança eu estou sentada nas arquibancadas do circo acompanhada do meu avô e nós estamos assistindo uma apresentação com animais. Quando eu era criança, os circos no Rio de Janeiro ainda podiam se apresentar com animais, coisa que foi proibida por lei pouco tempo depois. O animal que se apresentava era um felino, mas eu não lembro qual bicho era. Eu lembro das cores do circo, da pipoca e do meu avô apontando a domadora para mim. E eu lembro que o bicho rugiu e correu pelo picadeiro, descontrolado por alguns minutos e que senti muito medo, mas eu lembro que eu fiquei fascinada com a domadora retomando o controle do animal e fazendo truques com ele.

Como já disse, não sei o que é verdade e o que minha mente inventou no meio do caminho, mas eu lembro que o circo fez parte da minha infância. E toda vez que eu lembro do circo, eu lembro dessa cena e do meu avô. Quando eu via o circo chegar e erguer as tendas em locais próximos à minha casa, eu ficava fascinada. Eu me encantava com as cores, passava em frente aos terrenos todos os dias, esperando ver quando eles iam abrir ao público. Nunca gostei de palhaços, não por medo, mas por achar sem graça. Mas eu amava trapezistas, mágicos e contorcionistas. Eu amava a corda bamba e qualquer número que envolvesse perigo. Eu amava o ambiente, o picadeiro, estar debaixo da lona e olhar para o público rindo ou assustado diante de algum número. Em suma, eu amava o circo, desde o momento que eu comprava os bilhetes e aguardava a abertura da tenda, andando entre os equilibristas e comendo uma maçã-do-amor.

A última vez que eu fui ao circo foi no meu penúltimo ano do Ensino Médio. Era um circo pequeno e eu tive a impressão que as pessoas que viviam ali estavam quase perdendo aquele circo, que talvez nem todo mundo se encante com os truques e palhaçadas agora... E, de algum modo, aquilo me deixou triste. Mas porque estou contando isso? Porque enquanto lia "O Circo da Noite", revivi todas as sensações que experimentei em minha vida enquanto ia aos circos - desde as melhores até aquelas que não sei se eram reais, e chegando à essa última, mais recente, quando achei que o circo estava acabando.

Eu sou uma amante do circo. E se um dia eu tivesse o prazer de entrar no Le Cirque des Rêves, eu o seguiria em todas as cidades onde ele parasse, tal qual os rêveurs do livro.

A história começa com a disputa entre dois mágicos, um exibicionista e outro que prefere guardar sua mágica para si. Acostumados a brincarem com a mágica, um deles acha que está na hora de levarem seu espetáculo para o público, um público que acha que a magia real é apenas uma ilusão. Nada melhor que levar isso até o circo, um lugar onde tudo é possível e ninguém acha que é real. Eles treinam seus aprendizes, Marco e Celia, para mais um jogo que não está claro como funciona. Um jogo de exibicionismo, lento, que afeta os outros aos poucos e atravessa anos - onde definir um vencedor não é tão fácil quanto parece.

Atravessando várias cidades e muitos anos, o circo chega aos lugares sem avisar onde está. Por onde passa, angaria fãs e pessoas fascinadas por tudo de diferente que o circo abriga. Enquanto isso, a competição entre Marco e Celia vai acontecendo - muitas vezes, eles sequer sabem que estão jogando.

O livro é lento e bem elaborado. A autora presa por uma narrativa que descreva para o leitor o que está acontecendo e os diálogos são em menor quantidade. A cada palavra que ela ditava, eu me sentia mais dentro do circo que antes. O cenário é perfeito e você imagina cada detalhe, é como se ela sussurrasse tudo em seu ouvido. Erin escreve muito bem e é muito criativa, o livro é original como eu não via há muito tempo.

A autora inicia a história em 1888, quando Celia é entregue na casa do pai, e continua por três décadas. Enquanto o enredo ainda está na Europa de 1888, somos jogados para o ano de 1897, nos Estados Unidos, na vida simples e pacata de um menino chamado Bailey que, em uma brincadeira de "Verdade ou Desafio", é desafiado pela irmã a entrar no circo durante a manhã e trazer algo de dentro dele.

Aos poucos, vamos vendo detalhes da vida de Bailey alternados com o circo, sua jornada e a história de Marco e Celia, até chegarmos ao ano de 1902, quando a história chega ao seu ápice.

Os personagens de "O Circo da Noite" são diferentes, bem elaborados, aparecem na hora certa e estão sempre orbitando em volta do circo, mesmo que anonimamente. Provavelmente, muitas pessoas vão se irritar com a lentidão do enredo ou a falta de foco no romance ou no próprio jogo, mas não é realmente essa a proposta do livro. Para mim, "O Circo da Noite" não entra como um livro YA. Ele é mais adulto e apresenta dilemas mais maduros, até mesmo os personagens não são adolescentes.

Meu personagem preferido é o relojoeiro, Friederick Thiessen. Responsável pelo relógio do circo e maior amante dos espetáculos que se escondem atrás das tendas preto-e-brancas, ele me cativou por algum motivo que não sei explicar, mas entrou como meu personagem preferido e ficou.

O amor de Marco e Celia não toma espaço enorme na história simplesmente porque não é para tomar. Eu li em uma resenha no Skoob uma menina dizendo que em um momento eles se odeiam e no outro eles se amam... Não é bem assim. Eles nunca se odiaram. Ambos nutriam admiração mútua pelas qualidades e dons um do outro, mas também tinham medo como jogadores. A forma como progride e é abordada é linda, natural e nada forçada, e não tira o foco dos outros enredos do livro.

A mágica abordada no livro é bem diferente daquilo que a gente viu em livros como Harry Potter. É uma mágica mais espetacular, sem limitações ou explicações. De acordo com a autora, está presente em todo mundo, só a perdemos no meio do caminho e precisamos reavivá-la, treinar. É assim que Marco, Celia e outros personagens conseguem fazer o que querem com sua mágica, cuja única regra é não interferir no outro.

Talvez a suposta lentidão no enredo e poucos diálogos (coisas que nada me incomodaram, porque quem me conhece sabe que gosto mais de narrações que diálogos) possa assustar algumas pessoas ou outras não gostem porque o livro não se concentra no romance, mas na aura do circo. Eu não sei explicar o que senti enquanto lia, mas fui arrebatada pela originalidade e a beleza de tudo. Enquanto lia, era como se estivesse em outro mundo, dentro de uma das ilusões do Marco, dentro do circo... Como eu disse, não é realmente YA e se você prefere umas leituras mais tranquilas, talvez esse não seja seu livro. Mas, nos últimos tempos, esse livro foi um dos que senti mais "meus". E agora eu sonho em escrever algo que mexa com alguém de um jeito parecido que esse livro mexeu comigo, porque se um leitor meu se sentir do jeito que me sentia enquanto li "O Circo da Noite", eu serei muito feliz.

A última vez que me senti assim por um livro foi com "Jogos Vorazes", só para vocês entenderem o que quero dizer. Eles são muito diferentes, não podem ser colocados no mesmo patamar, mas eu só quero mostrar que é um livro que realmente mexeu muito comigo.

Eu amei O Circo da Noite e agora sou uma rêveurs, como todos os apaixonados pelo circo, que seguem Le Cirque des Rêves de cidade em cidade, vestidos de preto e branco tal qual os artistas do circo, mas usando um detalhe em vermelho para lembrarem que não são integrantes reais daquele espetáculo, que estão dentro do jogo como meros espectadores. E eu acho que muita gente vai amar também...

Para quem ficou interessado, "O Circo da Noite" será lançado pela Intrínseca dia 05 de março.

Deixo para vocês uma das minhas citações preferidas do livro, que resume exatamente o que senti ao lê-lo. Nem precisava escrever esse testamento, na verdade... Era só deixá-los com esse parágrafo para vocês entenderem que esse livro fez comigo exatamente o que o personagem fala:

"- Mas é importante - interrompe o homem de terno cinza. - Alguém precisa contar essas histórias. Quando batalhas são travadas, vencidas e perdidas, quando piratas encontram seus tesouros e os dragões comem seus inimigos no café da manhã acompanhados de uma bela xícara de chá, alguém precisa contar as próprias narrativas superpostas. Existe magia nisso. Está nas pessoas que ouvem, e será diferente para cada ouvido, e vai afetá-las de forma que nunca poderão prever. Desde o mundano até o mais profundo. Você pode contar uma história que passe a morar na alma de alguém, se transforme em seu sangue e propósito. Essa história vai motivar e impulsionar e quem sabe o que ela poderá fazer por causa disso, por causa das suas palavras. Esse é o seu papel, o seu talento. Sua irmã pode ser capaz de ver o futuro, mas você pode moldar esse futuro, rapaz. Não se esqueça disso. - Toma outro gole de vinho. - Afinal, existem muitas formas de magia".

O que me lembrou aquela frase que encerra "Coração de Tinta": "o ofício de escrever histórias tem algo a ver com a magia".
diego 29/02/2012minha estante
Parece resenha de conveniência, pra sustentar parceria com a toda poderosa Intrínseca.

Do jeito que você descreveu o livro está entre nada e coisa nenhuma. Não é romance embora a autora diga na sinopse e nem tem duelo embora era insista nisso também, será que ela sabe o significado de feroz? Desisti quando vc disse que o livro é lento, vide maçante....

Não é pra mim!



Iris Figueiredo 29/02/2012minha estante
Diego, você pode achar que é resenha de conveniência. Se for ver meu blog, notará que já dei notas negativas sobre vários livros da Intrínseca e se você me conhecesse, saberia que realmente gostei desse livro.

O livro não "fica entre coisa nenhuma", pelo contrário. Ele tem muitos temas abordados, que são complexos e mais adultos que os assuntos que a gente vê em livros YA. O erro das pessoas é comprar essa obra como Jovem Adulto ou Juvenil, quando é um romance para um público mais maduro e não procura ser uma história essencialmente de aventura, mas sim sobre emoções e descobertas.

É um romance e é adulto, não é um livro YA, por isso não vai agradar muito algumas pessoas. Há o duelo e há o romance, mas eles não são os pontos principais do livro.

Não gostar da minha resenha é uma coisa, mas falar inverdades sem ter lido o livro é outra completamente diferente. :) Se você não acha que o livro é para você, tudo bem. Mas não diga que minha opinião é vendida quando você não me conhece.


Iris Figueiredo 29/02/2012minha estante
E um enredo que caminha mais devagar não significa que o livro seja maçante. São coisas completamente diferentes. Existem livros ágeis mas que ainda assim se tornam maçantes.


Iris Figueiredo 29/02/2012minha estante
Que bom que, apesar de termos opiniões diferentes, você gostou da minha resenha, Leticia :) Espero que goste do meu livro também!

Beijos


diego 01/03/2012minha estante
Minha filha se não é romance e nem tem duelo por que a autora ocupa metade da sinpose falando disso? Vc ñ acha que ela tentou vender gato por lebre?

Além do mais eu quis dizer que a sua resenha está muito vaga. Vc que se julga adulta e superior ppoderia nos dizer quais são essas emoçoes superiores q nós meros mortais ñ conseguimos saber. A própria editora vende o livro como YA, informe-se mais, se ele falhou como esse gênero não adianta dar desculpas vagas.

Vc falou mais de vc do que do livro, ficou naquele mimimi, piegas e infantil de lembrar de memórias quando o livro é que está sob análise. Vou começar a resenhar e contar sobre a minha vida, os pés na bunda que levei e minha primeira namorada. Sai de foco não acha?

Pra mim vc falou falou e não disse nada, palavras demais, pensamento de menos.


Iris Figueiredo 01/03/2012minha estante
Diego, livros mexem com experiências pessoais e memórias e, se alguns deles mexem com isso, porque não dizer? Seja menos agressivo ao falar. Discordou? Ótimo. Concordou? Ótimo também. A opinião é minha e eu comento como acho melhor comentar. Se você ler o livro, vai perceber o que quero dizer. E se soa vago, é porque não acho que devo contar como os fatos se desenrolam, assim o leitor descobre sozinho.


Ju 04/03/2012minha estante
Fiquei encantada com a capa do livro em uma loja virtual mas não confio nas sinopses, por isso sempre entro no Skoob para ver a opinião de quem leu, li sua resenha, muito boa e com certeza me deu uma noção bem clara da história, mas li a da Leticia e decidi que agora não fiquei interessada. Acho que as resenhas aqui servem para isso e não para outros membros ficarem criticando as opiniões: se gostou gostou, senão gostou, deixa de ser preguiçoso: leia o livro e tire suas próprias conclusões e escreva sua própria resenha!


Lizzie 20/03/2012minha estante
Achei a cada do livro linda e, com tantas opiniões diferentes, quero logo o meu para poder opinar também. Gostei muito da sua resenha e de como você se envolveu com o livro. Só me impressiona é a ignorância alheia... Mas deixa quieto. Enfim, parabéns pelo texto.


Monique 11/01/2013minha estante
Sua resenha está ótima!!
E, mesmo que tenha exposto suas lembranças, colocou também uma análise do livro segundo seu ponto de vista, o que é ainda melhor, porque vc soube misturar fatos pessoais com crítica. Parabéns!
Agora, sim: quero comprar... Mas talvez eu mude de ideia, rsrsrs
Um abraço!


Letícia 04/04/2014minha estante
Iris, adorei a sua resenha! Estou acabando de ler 'O Circo da Noite', nunca fiquei tão feliz de encontrar alguém que pudesse sentir as mesmas coisas que senti enquanto lia, você simplesmente resumiu o que eu sinto ao longo da leitura, eu até brinco às vezes dizendo que a autora colocou "magia" no livro *risos*! Mais um vez, parabéns pela sua resenha. Beijos :*

*OBS: Jogos Vorazes também marcou muito para mim.*


Simone 14/07/2014minha estante
Gostei da sua resenha ... estou lendo o livro e adorando!!


Samis 28/12/2014minha estante
Finalmente uma resenha que eu concorde! Parabéns!
Li pela primeira vez como indicação de amigo: "O livro é ótimo, o final nem tanto. Mas você deve ler." Bom, amei o final também! É um livro fantástico! Empolguei-me como a tempos não acontecia! Reafirmando o que foi dito em alguns comentários, pra quem ficou em dúvida aconselho a ler e tirar sua própria conclusão. Afinal, pessoas são diferentes! Não tem que gostar porque alguém gostou ou não gostar porque outro alguém não gostou.
Mais uma vez, Parabéns!


zoyalensky 03/04/2021minha estante
que resenha grande do crlh mlk




Victor Almeida 21/03/2014

OS MAIORES PRAZERES SÃO SEMPRE OS INESPERADOS
O Circo da Noite é o tipo de livro divido em estantes de “amei” e “odiei”. Algumas pessoas irão amar a prosa, outros irão detestar por ser enfeitada e excessiva. Alguns leitores irão odiar a falsa premissa da sinopse oferecida na orelha, enquanto outros irão encontrar algo mágico para amar e admirar, mesmo que decepcionados com a premissa inicial. Quanto a mim, minhas opiniões ficaram divididas. Quero dizer, eu realmente ansiava pela história prometida pela sinopse sobre uma competição feroz e um romance apaixonado e mágico. Meu desejo ainda é que alguém a escrevesse, uma vez que Erin Morgenstern não me satisfez.

Entretanto, ler o livro foi uma experiência única. Basicamente somos expostos a uma passagem de tempo dentro um circo cheio de conotações mágicas. O circo não é apenas um local, mas um personagem mais vibrante que qualquer outro dentro da história. As descrições são vívidas, causando minha mente a conjurar os locais que não podem existir fora da imaginação. Eu podia sentir o caramelo no ar, experimentar a pipoca, apreciar as luzes do circo e participar das incríveis atrações que ele oferece. Porém, aqueles que procuram as regras dos encantamentos e explicações irão se desapontar. Não há rima ou razão para a mágica do circo. Tudo simplesmente existe, e isso tanto é um ponto positivo para o livro, como negativo.

O livro é embaralhado em pontos de vista e linhas do tempo nada consistentes, alternando os capítulos entre passado e presente. Apesar de confuso, consigo entender como a autora achou isso necessário para contar a história não só de Marco e Celia, os rivais, mas também muitos outros personagens magníficos que permeiam o circo. Entretanto, os saltos confusos entre as passagens de tempo tornaram o livro um pouco desorientado.

Enquanto eu estava realmente apreciando o livro, acredito que alguns pontos poderiam ser melhores. Primeiro de tudo, me frustrei com certas partes do livro que pareceram que a autora estava intencionalmente criando uma distância entre o leitor e os protagonistas. Quando eu queria ler mais sobre Celia e Marco, a narrativa gastava uma enorme quantidade de tempo com outros personagens que, mesmo que importantes para a trama, dificilmente possuem a distinção e proeminência que os protagonistas têm. Na verdade, essa distância forçada fez com que seus sofrimentos e seu aparente amor trágico difíceis de simpatizar.

Apesar disso, acredito ser justificável, uma vez que não há muita tensão para começo de conversa. Celia e Marco são treinados para uma disputa que nunca fora definida para eles. Os dois não sabem como o jogo pode ser jogado e não sabem quem é seu oponente. Sejamos sinceros, eles nem sabem o que a disputa é, até que sem querer se envolvem por um tempo. Isso se torna problemático, pois Celia e Marco não possuem motivação para investir no desafio proposto a eles, e nem o leitor, visto que o livro nos mantem no escuro junto com os personagens o tempo todo.

Eu esperava um final maior e conclusões mais chocantes e esclarecedoras. Quando a revelação do final da história e como tudo se encaixa poderia ser surpreendente e escrito maravilhosamente, não foi. Foi, sim, executado de uma forma agradável, mas não foi nada inesperado e brilhante para condizer com o restante do livro e o mundo criado dentro do circo. Mas, apesar disso, não fiquei completamente desapontado, apenas acredito que teria a possibilidade de ser muito melhor.

site: http://olhosderessaca.com.br/o-circo-da-noite-erin-morgenstern/
comentários(0)comente



@junior.manj 26/04/2021

O impossível se torna possível
Antes de tudo, eu senti que não havia de fato um enredo na história. Houveram vários capítulos contando coisas aqui e ali, aparentemente sem nexo. Mas a escrita da Erin, depois de um tempo, se revelou mais fluida e envolvente, mágica de certa forma (a ponto de eu sonhar com a história).
Eu achei extremamente criativas as apresentações das tendas e as imagens lindas evocadas pelas descrições precisas da Erin. Consegui visualizar os trejeitos e aparências dos personagens como se eu fizesse parte dali.
E por fim, o sistema de magia era conveniente demais, mas também enigmático e brilhante e encantador o suficiente pra me fazer esquecer desse detalhe. O final foi tão alegre, eu esperava uma coisa mais trágica (não sei, qualquer coisa parecia provável e imprevisível). Contudo, fora o romance, que não foi o que mais gostei aqui e nem achei tão convicente, acompanhar o circo e suas apresentações foi inesquecível e único.
comentários(0)comente



Caroll 04/07/2020

O circo da noite
Fiz resenha no meu blog dessa obra, por favor visitem e se inscrevam. Obrigada
Instagram: @castelodepaginas
Resenha:

site: https://resenhasnonaarte.blogspot.com/2020/07/o-circo-da-noite.html
GabriellaEstrela 04/07/2020minha estante
Vou ler hojeeee muita expectativa


Barão 04/07/2020minha estante
Muito lindo ??


Jéssica 09/09/2020minha estante
Eu amo esse livro de paixão




Blog MVL - Nina 25/03/2012

Uma combinação do belíssimo cenário de Moulin Rouge e o fascínio de O Ilusionista. “O Circo da Noite” possui todas as qualidades de uma obra cinematográfica, tudo resumido em um livro denso, cansativo, encantador e ambíguo.

A narrativa se desenrola ao redor do crescimento e preparação de Celia e Marcos. Treinados de forma intensa e impiedosa, em alguns momentos beirando a crueldade por parte de seus instrutores. Ambos sabem que enfrentarão um oponente poderoso no futuro, mas desconhecem a identidade um do outro. Ambos são paranormais, ilusionistas e trapaceiros qualificados. O livro transcorre no século XVIII, e pode ser considerado um romance histórico, apesar de a autora raramente descrever esse cenário, focando todo o seu esforço em criar uma atmosfera mágica e circense. A autora consegue ambientar sua obra de uma forma envolvente, que fascina e, a principio, captura a atenção do leitor. Normalmente alguns escritores preferem a técnica de pular diretamente para a ação em suas obras, o que pode dar certo ou acabar deixando enormes buracos na estória. Erin Morgenstern se importa em preencher cada ato de suas personagens, seu desenvolvimento, suas habilidades. O ritmo do livro é lento, a autora toma o cuidado de explorar vários pontos de vista, determinando minuciosamente os eventos decisivos da obra. Desta forma ela opta por uma narrativa extremamente descritiva, e que demora a alcançar seu ápice. O que pode ser cansativo, se o leitor não for hipnotizado pelo aspecto mágico do enredo.

Acredito que grande parte da polêmica envolvendo o livro se baseie no fato de que as expectativas criadas pela sinopse não são exatamente fieis ao conteúdo. “O Circo da Noite” é um livro adulto, prolixo, descritivo, e que exige total comprometimento do leitor. Não é uma leitura leve e divertida, apesar de abarcar esses atributos em certos períodos da narrativa. Existem algumas particularidades no texto de Morgenstern extremamente empolgantes para os leitores que apreciam uma maior interação do narrador. Contudo, não direi mais nada, pois é algo que deve ser degustado a dois. Leitor e livro.

Em meio a literatura atual, onde muitos livros parecem reproduzir as mesmas fórmulas, “O Circo da Noite” se destaca pela inteligência e criatividade da escritora. Um romance etéreo, sedutor, excêntrico e mágico, mas que – justamente por não se encaixar nos moldes de leitura descartável – promete não agradar a grande massa. Infelizmente.
Blog MVL - Nina 26/03/2012minha estante
Oi, Leticia.
Então, "Romeu e Julieta" é considerada a maior história de amor de todos os tempos na literatura mundial. Dois adolescentes, amor à primeira vista e...é uma obra adulta. Quando digo que é um romance adulto não estou me referindo ao "romance romântico" e sim ao estilo de narrativa. Especialmente por a autora ter escolhido uma forma lenta e descritiva para desenrolar o texto. De qualquer forma, agradeço pelo comentário.


Beatriz Lira 27/01/2013minha estante
concordo plenamente com você Blog MVL-Nina, é bom ler uma resenha que coloca as qualidades e defeitos, que é realista "Acredito que grande parte da polêmica envolvendo o livro se baseie no fato de que as expectativas criadas pela sinopse não são exatamente fieis ao conteúdo" isso, de certa forma, dá uma visão mais profissional do seu método de qualificar um livro. Parabéns pela resenha, para mim foi a melhor (:


MiMo 23/07/2015minha estante
"'O Circo da Noite' é um livro adulto, prolixo, descritivo, e que exige total comprometimento do leitor. Não é uma leitura leve e divertida, apesar de abarcar esses atributos em certos períodos da narrativa.
[...]
Um romance etéreo, sedutor, excêntrico e mágico, mas que ? justamente por não se encaixar nos moldes de leitura descartável ? promete não agradar a grande massa. Infelizmente."

É exatamente isso. Obrigada, moça, pela descrição perfeita.




Nicole.Gorni 13/01/2021

Bom
A atmosfera é muito cativante, o que te leva para dentro do circo e faz você se sentir parte da história.
O meu maior problema com o livro é como a autora organizou os capítulos e o desenvolvimento dos personagens.
Os capítulos são muito confusos, o que não ajuda em nada para entender a história. E o pior pra mim foi a falta de um desenvolvimento dos personagens principais, não consegui me apegar.
Recomendo, mas não vão com muitas expectativas.
comentários(0)comente



Lady Bridgerton 01/04/2021

um filme descrito na sua mente
não vou mentir e falar meu deus esse livro não tem defeitos, tem e ele esta no inicio que é um pouco lento e confuso mas ai quando você entende o que ta rolando fica mais facil, a fluidez surge melhor, a concepção da ideia foi magnifica e eu queria muito poder visitar essa porcaria de circo mas ne nao posso infelizmente, a ideia da competição assim eu esperava uma coisa mas não me decepcionou o que me entregaram, celia e marcos são dois protagonistas maravilhosos com uma quimica sem igual e eu sofria por eles a cada pagina nossa lindos e perfeitos e fiquei feliz pelo final amem apesar de ter sido um pouco confuso kkkkkk e eu so queria que esse livro fosse adaptado por que as descrições sao tao precisas e boas que você consegue imaginar tudo e parece um filme na sua mente com todos os detalhes
comentários(0)comente



Sabrina 11/04/2020

Um não sei diferente
Essa história eu confesso que comecei com altas expectativas ( coisa que eu não faço nunca, é sério) comprei esse livro e deixei na estante e dps de 2 anos eu fui ler e minhas expectativas não foram tão supridas como eu gostaria que fosse. Mesmo assim a obra envolve uma atmosfera bem incomum quando trata de um circo itinerante. Foi uma leitura bem única que eu confesso que não sei o que pensar até hoje.
comentários(0)comente



Neylane Naually 01/04/2020

Esse livro é m-á-g-i-c-o! A história gira em torno do Le Cirque des Rêves (o circo dos sonhos), que é composto de várias tendas e onde tudo é preto e branco. O circo abre após o pôr do sol e fecha antes dele nascer. Você caminha pelas tendas, sem saber em qual entrar, se visita suas favoritas ou se tenta descobrir alguma nova. Os personagens são especiais, cativantes e talentosos. A ambientação desse livro é quase palpável, ele consegue te transportar pra Europa e EUA de 1880-1900. O leitor viaja junto com o circo.

O circo é o placo de um jogo entre Celia e Marco, dois jovens que tiveram o destino traçado. Sem ter como retroceder, eles vão construindo algo muito maior que um simples circo, envolvendo magia, ilusões, simbologias, amor, amizades e sonhos.

A narrativa não é linear, o livro vai e volta entre o presente, passado e futuro, mas em poucos capítulos a gente já consegue se conectar com a história e compreender o estilo. Eu gostei, isso fez com que o livro me prendese mais, o leitor fica querendo saber o que irá acontecer, é um pouco hipnótico. A escrita da Erin é muito bonita.
comentários(0)comente



Bella 28/04/2020

Maravilhoso
Livro simplesmente encantador e envolvente, maravilhoso em tudo !
comentários(0)comente



Marie 25/07/2020

O livro não é ruim, eu gostei particularmente de como o livro trás a ideia do circo e tudo mais.
Kendall Böttker 26/07/2020minha estante
VOCÊ É UMA MAL AMADA


Kendall Böttker 26/07/2020minha estante
TRES ESTRELAS MARÍLIA


Kendall Böttker 26/07/2020minha estante
Nossa


Kendall Böttker 26/07/2020minha estante
nojo nojo nojo




Lygia 05/03/2012

O Circo da Noite - Erin Morgenstern
"O circo chega sem aviso." Esta é a frase inicial da narrativa envolvente de Morgenstern. A partir daí, abra sua mente para todo o tipo de impossível. As palavras magia, ilusão e manipulação tomaram proporções e significados totalmente diferentes pra mim. Esqueça tudo o que sabe. Le Cirque des Rêves mudará sua percepção de sonhos. Para sempre.

Tal como a sinopse revela, somos envolvidos por um universo totalmente novo e moldado ao redor de um circo. "Um" encaixa-se de maneira insatisfatória nesse caso, o mais correto seria dizer "O" Circo. Acompanhamos o seu nascimento, seu crescimento, a importância que possui na vida de seus visitantes e, principalmente, seus proprietários, os idealizadores dele. Celia e Marco, ilusionistas, mágicos ou manipuladores (escolha a palavra que quiser, eles podem ser todas ou nenhuma) são as peças fundamentais, protagonistas que encontram-se por trás das cortinas do circo dos sonhos, todo preparado para fazer o impossível ser crível aos olhos das pessoas.

Narrado no fim do século XIX e começo do XX, acompanhamos a intrigante origem do Le Cirque des Rêves, desde a concepção da ideia por Chandresh, do desenvolvimento arquitetônico do Sr. Barris, genialidade e equilíbrio das irmãs Burgess, até à brincadeira de cores, desenhos e tecidos da Mme. Padava. Todos são peças necessárias para criar algo totalmente diferente do que o mundo já viu. Mesmo o relógio misterioso de Herr Thiessen tem um belíssimo papel na composição do circo, que possui as cores preta e branca como predominância para o encanto visual que proporciona às seus espectadores.

"Depois que o circo foi embora, ele escreveu todos os detalhes de que conseguiu se lembrar para que não se perdessem em sua memória. As pipocas cobertas de chocolate. A tenda cheia de gente em plataformas circulares elevadas realizando truques com fogo branco e brilhante. O relógio mágico que se transformava e ficava do outro lado da bilheteria, fazendo muito mais que apenas informar as horas."
(página 93)

Alternadamente, conhecemos a origem de Celia e Marco, desde pequenos, marcados e com os destinos entrelaçados, fruto de uma 'brincadeira' de dois "mestres" da magia, seus mentores. O desejo é de possuir o seu pupilo vencedor em um duelo onde as regras não são claras. Assim, as crianças são preparadas, de forma diferenciada para vencer esse duelo, que pode ocorrer em 10 anos ou em 30, quem sabe? E esse jogo não tem previsão para terminar. De forma diferenciada, ambos são envolvidos no Circo, desde os primeiros tempos. Marco já sabe quem é sua oponente. Celia, por sua vez, desconhece a identidade de Marco e continua na obscuridade desse fato, sendo uma das atrações principais do Circo, como a mestra das ilusões, até o momento propício.Quando os panos caem e os oponentes estão claros para ambos, o que se tornaria uma disputa de alto nível em magia, derrete-se pelo encontro de dois corações sedentos pela mágica maior: o amor.

Erin narra de forma apaixonada cada detalhe que envolve o Circo: suas tendas, seus sabores, sua estrutura, seus rêveurs. É inevitável sentir-se atraído pela descrição dos detalhes, chegando, algumas vezes, a ser prolixa. Tal fato, que no início pode incomodar o leitor, torna-se necessário. No fim da narrativa, percebemos que não havia como ser diferente. A descrição tão precisa de cada um dos elementos, envolve o seu leitor de uma maneira quem não tem como escapar, é como se a autora estivesse realmente fazendo mágica com as palavras, e dizer isso, não é um exagero. Pura poesia.

Os capítulos alternando passado e presente, para apresentar as histórias paralelas, pode ser um incômodo no início, mas depois, torna-se superável, quando ao fim, percebemos que tudo o que foi narrado é fundamental para a ocorrência dos fatos. Apenas deixe-se envolver pela suas linhas. Abra sua mente, pois a magia não é explicada nesse livro, e nem tem razão para isso. Não é amante do circo? Eu também nunca fui. Mas Le Cirque des Rêves chegou sem aviso, e com certeza, conquistou o posto de uma das melhores leituras da minha vida.
Cimonovitch 17/03/2012minha estante
Achei interessante o seu parecer sobre as descrições... mas ainda que este enredo seja um "sonho", sou meio cética para esse tipo de mágica.


Jacqueline 19/03/2012minha estante
gostei da sua resenha.
Sincera e objetiva.




Meirys 26/03/2021

O circo da noite
Esse livro é maravilhoso. Te mostra o circo de uma maneira super mágica, cheia de mistérios e fantasias. Simplesmente perfeito.
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



381 encontrados | exibindo 1 a 16
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 |