Ladrão de Olhos

Ladrão de Olhos Jonathan Auxier




Resenhas - Ladrão de Olhos


45 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3


Kymhy 29/03/2018

Ladrão de Olhos - Jonathan Auxier
Quem disse que um garoto cego não pode ser um exímio ladrão? Após roubar um homem rico, Peter não esperava que dentro de uma caixa houvessem três pares de olhos mágicos, que o levarão para um reino encantado que precisa de ajuda.

site: https://gatoletrado.com.br/site/resenha-ladrao-de-olhos-jonathan-auxier/
comentários(0)comente



Barbara.Andrade 04/02/2018

Que livro!!!
Gente, eu tô apaixonada por essa história. A gente conhece Peter Nimble, um órfão cego, ladrão o melhor ladrão de todos os tempos. Vocês devem estar se perguntando "cego e ladrão? Como assim?" Sim, cego e ladrão. Peter é incrível, muito corajoso, muito inteligente e um ótimo amigo. Todas essas qualidades misturadas com uma narração maravilhosa, personagens fantásticos como um homem-gato-cavalo, que se torna o melhor amigo de Peter, e outros faz essa história ser uma tão boa.
O livro aparenta ser grande, mas eu li ele muito rápido. A leitura flui e te prende de várias formas. Eu estava sentindo falta de aventura e matei essa vontade de forma espetacular com um livro foda demais. Super recomendo que vocês dêem uma chances pra esse livro. ??
comentários(0)comente



Nina @vicioseliteratura 24/07/2017

Peter Nimble é um órfão desafortunado. Além de ser obrigado a roubar desde muito jovem, Peter ainda é cego pois quando era criança corvos furaram seus olhos. Apesar da deficiência, o garoto é muito astuto e tem “mãos-leves” para o roubo com uma incrível habilidade de abrir qualquer tipo de fechaduras. A vida do garoto muda completamente quando ele rouba uma misteriosa caixa com três pares de olhos dentro. A partir de então o garoto se vê envolvido em uma missão onde vai descobrir muito mais sobre sua vida e seus dons.

O livro é muito fofo e divertido com uma pegada bem infanto-juvenil, então eu certamente o recomendaria a alguma criança leitora (alguém que já goste de ler, porque o número de páginas pode assustar alguns pré-adolescentes). Peter é um ótimo protagonista e o leitor se vê envolvido com a triste história do garoto cego. Obrigado a trabalhar como ladrão pelo Sr. Seamus desde sempre para ter comida e abrigo, ele não é um típico mocinho, mas faz com que torçamos por ele a todo instante. Alguns outros personagens também são igualmente interessantes como Sir Tode, uma criatura metade gato, metade cavalo e metade homem, que é o grande companheiro de aventuras do menino, os corvos que complicam alguns momentos e os gorilas que são os capangas de Rosado, o vilão, e claro o grupo super inteligente de crianças que vivem no esgoto (okay, só lendo para descobrir mais).

A história é dividida em três partes: Ouro, Ônix e Esmeralda que representam os materiais de que são feitos os pares de olhos. Confesso que fiquei extremamente curiosa para chegar na terceira parte e descobrir o que os pares esmeraldas faziam e durante todo o caminho torci para que Peter de alguma forma recuperasse a visão.

A leitura foi simples mas um pouco maçante no início, até Peter embarcar em sua jornada. Por vezes me cansei de algumas cenas que julguei desnecessárias a história principal, mas foi relevante. A edição que a editora Leya preparou é linda e conta com folhas num tom meio cinza, páginas grossinhas e até algumas ilustrações no inicio de cada capítulo.


site: http://www.vicioseliteratura.com.br/2017/02/eu-li-ladrao-de-olhos.html
comentários(0)comente



Alediane 31/12/2016

Ladrão de olhos
Um menino cego que é um grande ladrão, rouba 3 pares de olhos magicos que o levam a uma incrível aventura em busca de um Reino perdido com um amigo inusitado, um amigo gato/cavalo/homem.
A história é legal, mais direcionada um público jovem. Apenas achei muito enrolada e cansativa. Começa a se desenvolver a partir do meio.
comentários(0)comente



Clube do Farol 17/12/2016

o ladrão de olhos. Clube do Farol
Resenhado por: Milly (@codigoliterario)

Não sei o que você espera ao pegar esse livro para ler, mas você está completamente enganado... Ou não, apenas eu estava completamente enganada. Complicado.
O que me pegou de surpresa logo no começo era o tom de fantasia sem sentido, sim sei que é literatura fantástica então não tem como objetivo se basear na realidade, mas depois de várias leituras você percebe que se cria um universo fantástico e dentro disso se tem uma certa explicação disso e daquilo, que tal coisa existe e etc.

E quando você ler Ladrão de Olhos percebe que Jonathan Auxier simplesmente nos presenteou com As aventuras de Peter Nimble, e nos deu essa explicação “porque sim,me julguem”.

“Para vocês que nada conhecem sobre crianças cegas, saibam que dão os melhores ladrões.”

Pois eu julgo, e julgo como um escritor incrível, sério. Eu realmente não sou muito inclinada a ler livros de fantasia com crianças como protagonistas, apesar de ser fã da literatura infanto juvenil. (Vai me entender) Mas achei esse livro sensacional.

“O mapa estava lhe dizendo onde não podia ir, e Peter desejava provar que estava errado.”

Peter Nimber é um menino de dez anos órfão que vive em uma cidade portuária depois que marinheiros o encontraram em um cesta com um corvo empoleirado, boiando ao mar e cego. Ele cresceu nas ruas e roubava apenas para sobreviver, até que foi adotado pelo cruel Sr. Sermus que o trancava em um porão de dia e o obrigava roubar para ele a noite, Peter com o tempo se tornou o melhor ladrão que já existiu. Quando um dia ele rouba uma caixa de um viajante misterioso contendo três pares de olhos mágicos.

“Enquanto os adultos podem ser intimidados e enganados, as crianças são, em essência, feitas de fibra mais forte. Ele sabia que um reino repleto de crianças jamais aceitaria um monarca impostor.”

No começo algumas cenas me remeteu um pouco a um certo tom de desenho animado e até com aquelas armadilhas malucas dignas de “Esqueceram de mim”, então fui lendo com um certa desconfiança, mas a história foi desenvolvendo e acabei me encantando com esse ambiente fantástico, que em vários momentos me lembrou As Crônicas de Nárnia, um pouco com contos de fadas e até lembrei de Alice no país das Maravilhas e Peter Pan. Claro que tudo em um universo próprio, apesar do tom mais infantil, Ladrão de Olhos com toda certeza agrada várias idades.

“As palavras dele não poderiam ter sido mais corretas. Como você sabe, as crianças, ao contrário dos adultos, são muito mais inteligentes para não ser enganadas por impostores, um fato que justifica, com sobra, a desconfiança de madrastas e professores substitutos.”

Apesar de algumas coisas que seriam obvias que eu fui ligando durante a leitura e ficava pensando “já tá na hora deles ligarem as coisas”, foi uma leitura bem divertida, ainda mais com a narração em terceira pessoa que o narrador conversa com o leitor, tipo “você deve tá pensando o motivo de ele não ter pensado nisso”, ou algo parecido, para você que gosta de uma leitura até certo ponto leve, um mundo cheios de animais extraordinários falantes, magia, serpentes marinhas e uma boa dose de aventura eu mais que indico Ladrão de Olhos.

“Apenas eu naveguei para aprender essa magia negra... somente para descobrir que não tem nada de mágico. Elas são invenções pequeninas, um mero filete de letras e números. E, ao contrario da mágica, essa “ciência” pode ser dominada e aproveitada. (...)”


site: https://clubedofarol.blogspot.com.br/2016/11/resenha-ladrao-de-olhos-as-aventuras-de.html
comentários(0)comente



Jemilly 05/12/2016

Só sei que é assim:
Não sei o que você espera ao pegar esse livro para ler, mas você está completamente enganado... Ou não, apenas eu estava completamente enganada. Complicado.
O que me pegou de surpresa logo no começo era o tom de fantasia sem sentido, sim sei que é literatura fantástica então não tem como objetivo se basear na realidade, mas depois de várias leituras você percebe que se cria um universo fantástico e dentro disso se tem uma certa explicação disso e daquilo, que tal coisa existe e etc.

E quando você ler Ladrão de Olhos percebe que Jonathan Auxier simplesmente nos presenteou com As aventuras de Peter Nimble, e nos deu essa explicação “porque sim,me julguem”.

“Para vocês que nada conhecem sobre crianças cegas, saibam que dão os melhores ladrões.”

Pois eu julgo, e julgo como um escritor incrível, sério. Eu realmente não sou muito inclinada a ler livros de fantasia com crianças como protagonistas, apesar de ser fã da literatura infanto juvenil. (Vai me entender) Mas achei esse livro sensacional.

“O mapa estava lhe dizendo onde não podia ir, e Peter desejava provar que estava errado.”

Peter Nimber é um menino de dez anos órfão que vive em uma cidade portuária depois que marinheiros o encontraram em um cesta com um corvo empoleirado, boiando ao mar e cego. Ele cresceu nas ruas e roubava apenas para sobreviver, até que foi adotado pelo cruel Sr. Sermus que o trancava em um porão de dia e o obrigava roubar para ele a noite, Peter com o tempo se tornou o melhor ladrão que já existiu. Quando um dia ele rouba uma caixa de um viajante misterioso contendo três pares de olhos mágicos.

“Enquanto os adultos podem ser intimidados e enganados, as crianças são, em essência, feitas de fibra mais forte. Ele sabia que um reino repleto de crianças jamais aceitaria um monarca impostor.”

No começo algumas cenas me remeteu um pouco a um certo tom de desenho animado e até com aquelas armadilhas malucas dignas de “Esqueceram de mim”, então fui lendo com um certa desconfiança, mas a história foi desenvolvendo e acabei me encantando com esse ambiente fantástico, que em vários momentos me lembrou As Crônicas de Nárnia, um pouco com contos de fadas e até lembrei de Alice no país das Maravilhas e Peter Pan. Claro que tudo em um universo próprio, apesar do tom mais infantil, Ladrão de Olhos com toda certeza agrada várias idades.

“As palavras dele não poderiam ter sido mais corretas. Como você sabe, as crianças, ao contrário dos adultos, são muito mais inteligentes para não ser enganadas por impostores, um fato que justifica, com sobra, a desconfiança de madrastas e professores substitutos.”

Apesar de algumas coisas que seriam obvias que eu fui ligando durante a leitura e ficava pensando “já tá na hora deles ligarem as coisas”, foi uma leitura bem divertida, ainda mais com a narração em terceira pessoa que o narrador conversa com o leitor, tipo “você deve tá pensando o motivo de ele não ter pensado nisso”, ou algo parecido, para você que gosta de uma leitura até certo ponto leve, um mundo cheios de animais extraordinários falantes, magia, serpentes marinhas e uma boa dose de aventura eu mais que indico Ladrão de Olhos.

“Apenas eu naveguei para aprender essa magia negra... somente para descobrir que não tem nada de mágico. Elas são invenções pequeninas, um mero filete de letras e números. E, ao contrario da mágica, essa “ciência” pode ser dominada e aproveitada. (...)”


site: http://clubedofarol.blogspot.com.br/2016/11/resenha-ladrao-de-olhos-as-aventuras-de.html
Erica 05/12/2016minha estante
(Batendo palmas) Peteer *--*


Jemilly 06/12/2016minha estante
:)




Erica 27/08/2016

Peter Nimble é um menino de dez anos, não um garoto qualquer, mas o qual podemos chamar de ladrão. Não um simples ladrão, mas sim, o maior ladrão de todos os tempos. Quando era apenas um bebê, ele foi encontrado boiando na água, dentro de uma cesta, com um corvo empoleirado em sua pequena cabeça (Sim, ele tinha que ser órfão para criar mais um drama). Desse modo, se supôs que o corvo havia bicado seus olhos, pois Peter estava cego. E foi a cegueira que o ajudou a se tornar esse grande ladrão...

"Para vocês que não conhecem nada sobre crianças cegas, saibam que dão os melhores ladrões. Crianças que não enxergam possuem um olfato incrível e podem dizer o que há atrás de uma porta trancada mesmo a metros de distância."

Peter foi resgatado por marinheiros, e cresceu como um sem-teto em uma cidade portuária, onde sobrevivia furtando comidas. E foi durante um desses pequenos furtos que Peter conheceu o Sr. Seamus, um homem malvado e aproveitador. (Pois é, ele não tinha alguém para o alertar: "Não fale com estranhos, eles podem ser cruéis"). Quando o Sr. Seamus viu peter executando o roubo, foi logo falar com ele, e lhe ofereceu um abrigo em sua casa. Mas esse 'ser' insensível e perverso mal alimentava o menino, e se isso não bastasse, obrigava-o a roubar os bons cidadãos da cidade toda noite e queria tudo o que ele conseguisse... Dá para acreditar?
Enfim... Em certo dia, que não aparentava que seria produtivo, Peter entra no meio de uma multidão que estava a escutar as palavras de certo caixeiro-viajante. Ao chegar perto da carruagem do homem, o nosso orfãozinho, sente um cheiro diferente, misterioso, e logo ficou curioso para saber do que se tratava. Mas não seria fácil, só que estamos falando de Peter Nimble, e ele não foge de um desafio, principalmente quando esse envolve cadeados difíceis de abrir. O que ele encontra vai mudar a sua vida e nos levar, juntamente com ele, para um mar de aventuras, literalmente. E vamos seguir o destido, minha criança!

"Reis há de sobra; príncipes, nem tanto. Os corvos se dissiparam e o mar recuou seu manto. Só um estranho aliviará nosso coração. Mas a treva reinará, a menos que ele seja?"

E é com a falta misteriosa do final dessa mensagem, que o convido a ler esse maravilhoso livro. Medo, risadas, choro... Sim, posso ter uma reação exagerada, admito k Mesmo porque em certa parte do livro, você já adivinha o final... Mas assim como o Sage (Só entende quem leu a Trilogia do reino), o Peter me conquistou. Li pela capa e não me arrependo! Quero mais histórias com o pequeno Nimble, please.
Carneiro 27/08/2016minha estante
Escritora de mão cheia!!!


Erica 27/08/2016minha estante
KK Falou o resenhista em série... Então isso quer dizer que não fui tão mal :3 Uhuuh!!


Danii 27/08/2016minha estante
Depois diz que não ia conseguir resenhar (revirando os olhos). A resenha está ótima, continue :)


Erica 27/08/2016minha estante
Nunca vou chegar aos seus livros, ops, resenhas k Foi a única, me contento em ler as de vocês, obg.


Danii 28/08/2016minha estante
Nossa, porque já resenhei 6280290 livros, né? (Revirando os olhos)
O Lucas que é quase escritor, o garoto resenha kkkkkkkk
Pode resenhar mais, use seu talento :)


Erica 28/08/2016minha estante
Pode se dizer que sim. Elas valem por vários k
Ele é mesmo, e digo o mesmo de você.
Vou ser a primeira a comprar o livro de vocês k
Não, nada de resenhas (revirando os olhos)


Danii 28/08/2016minha estante
Não exagere kkkk




Fabi_ZP 08/10/2015

Vídeo-Resenha da Fabiane Zambelli de Pontes, sobre a 1ª Maratona Literária!
Caso queiram assistir a apenas uma parte específica, como por exemplo, a resenha de apenas um dos livros lidos durante a maratona, logo abaixo do vídeo, colocamos quando aparece cada obra no vídeo-resenha. Além disso, também colocamos os nomes de quem teve as perguntas respondidas!

Esperamos que aproveitem!!

World Fabi Books apresenta:

Prova de Fogo (segundo livro da série Maze Runner, do escritor James Dashner, pela V&R Editoras).
– Tempo: de 01:13 a 05:29

Enders (segundo livro da saga Starters, da autora Lissa Price, pela Editora Novo Conceito).
– Tempo: de 05:30 a 08:40

A Escrava Isaura e o Vampiro (um livro da Coleção Clássicos Fantásticos, dos autores Bernardo Guimarães e Jovane Nunes, pela Editora Lua de Papel).
– Tempo: de 08:41 a 11:32

Dom Casmurro e os Discos Voadores (um livro da Coleção Clássicos Fantásticos, dos autores Machado de Assis e Lúcio Manfredi, pela Editora Lua de Papel).
– Tempo: de 11:33 a 14:49

O Alienista Caçador de Mutantes (um livro da Coleção Clássicos Fantásticos, dos autores Machado de Assis e Natalia Klein, pela Editora Lua de Papel).
– Tempo: de 14:50 a 19:03

Jane Austen – A Vampira (um livro da Coleção Clássicos Fantásticos, do autor Michael Thomas Ford, pela Editora Lua de Papel).
– Tempo: de 19:04 a 23:12

Ladrão de Olhos – As Aventuras de Peter Nimble (autor Jonathan Auxier, pela Editora Leya).
– Tempo: de 23:13 a 26:03

Never Sky – Sob o Céu só Nunca (autora Veronica Rossi, pela Editora Prumo).
– Tempo: de 26:04 a 29:37

site: https://www.youtube.com/watch?v=hcKOUjRxo2Q
comentários(0)comente



Deh Rangel 23/12/2014

Aquela dose de fantasia
Absolutamente fantástico!! Há tempos não lia um livro com tanta empolgação. Me lembrou muito de quando eu li a série do Harry Potter. Um pouco menos fantástico e mais inocente, mas extremamente bem escrito. Imagine ter como herói um menino cego! Na minha opinião, foi uma ideia genial!

O livro é cheio de fantasia, magia e ação. Empolgante do início ao fim, acredito que a mensagem que fica é que somos capazes de muitas coisas se quisermos.

As crianças vão adorar essa história.
28/12/2014minha estante
parece fofo,dehzinha! =]


Deh Rangel 29/12/2014minha estante
Vale muito a pena, Dú!!!! Se quiser, te empresto ^^




Thay 17/08/2014

Ainda bem que esse livro ~roubou~ o meu tempo
° Bom, lá vai a minha MINI resenha sobre esse fantástico livro. Procurei não entrar em muitos detalhes, apenas mostrar de longe os belos traços que o livro traz.

Um livro encantador que nos leva para um mundo de fantasias, onde nos tornamos cegos assim como o protagonista. O enredo gira em torno de um jovem órfão e cego que tornou-se ladrão para poder sobreviver no mundo do crime, devido a infância desgraçada que teve. Quando bebê, foi encontrado dentro de uma cesta boiando em alto mar perto de uma embarcação de marinheiros. Ele foi salvo, no entanto teve seus olhos perfurados por corvos (motivo de sua cegueira). O menino recebeu o nome de Peter, mas ficou sem lar, o que resultou na amamentação advinda de uma gata, que de certa maneira cuidou dele.

Já criança, Peter mostrava-se ágil para roubar, diminuindo as chances de ser adotado. Fato que o levou a conhecer Sr. Seamus, que interessou-se pelos dotes do garoto, propondo a ele uma vida numa mansão, com comida e cama. Logo, Peter aceitou, sendo aí que enganou-se, pois as promessas feitas não foram cumpridas como esperado, muito pelo contrário, ele foi submetido a ordens de furtos e técnicas para aperfeiçoar seus “dons” de ladroagem. Sr. Seamus obrigava o menino a abrir cadeados apenas com a mão, se quisesse comer. Peter tornou-se um ladrão muito habilidoso, visto que necessitava aguçar seus outros sentidos para não ser pego roubando. E já que a visão estava por fora de alcance, seus principais aliados foram o olfato e audição.

Certo dia, Peter rouba uma misteriosa caixa de um viajante, que contém três pares de olhos mágicos e ao experimentar um dos pares, ele é instantaneamente levado para uma ilha, onde embarcará numa incrível aventura que mudará a sua vida.
comentários(0)comente



Bia 02/08/2014

Livro Maravilhoso
Quando resolvi ler o ladrão de olhos, estava à procura de algo que me tirasse desse cotidiano e eu encontrei exatamente o que eu precisava.
Uma aventura maravilhosa!!!
As aventuras, as amizades, os personagens, as coisas fantásticas, tudo! Maravilhoso demais, me fez esquecer daqui de fora e mergulhar em coisas novas.

"Peter Nimble é um jovem órfão e cego que aprendeu a sobreviver no mundo do crime." E assim como o leitor, nem o próprio Peter tem ideia das aventuras fantásticas que será capaz de viver.
AH! E o que mais amei durante o enredo: o mistério. Um mistério bom, que faz agente esperar mais aventuras impossíveis pela frente.
O leria de novo e de novo, só pelo prazer de viver mais aventuras com Peter Nimble.
comentários(0)comente



Lii 17/07/2014

Um livro que não era nada do que eu pensei
Breve sinopse:

Peter Nimble era um garoto pobre, ladrão e cego, menos que isso, ele era um ninguém, algo como um verme para sua única "família" que apenas queria explorar suas habilidades de conseguir dinheiro roubando. Mas um dia uma possibilidade de aventura surge à frente de Peter na forma de Professor Cake e sua charada misteriosa.

Então Peter parte com seu novo amigo, o cavalheiro Sir Tode, em uma jornada para salvar pessoas em apuros, as quais ele não conhece e não sabe como encontrar, mas que mudarão para sempre a vida do menino cego.

Minha opinião:

Os personagens são cativantes e em pouco tempo o leitor já consegue se importar com que rumo a história vai tomar e o que irá acontecer com o nosso protagonista.

De início, o leitor se sente tão cego quanto Peter, já que há muitos mistérios envolvidos na história. Mas se tiver um pouco de paciência a verdade vai aparecendo e uma história muito legal vai se desdobrando diante dos seus olhos.

Só consigo pensar em uma palavra pra descrever minha reação ao ler esse livro: surpresa. Uma grata surpresa, diga-se de passagem. Nunca imaginei que ia me divertir tanto com esse livrinho comprado na promoção de R$9,90 e que eu não dava nada por ele (a sinopse faz parecer muito chato e triste).

Odiadores odiarão, vão dizer que não posso comparar e tal, mas o livro me lembrou de Harry Potter. Mas calma, não foi o enredo em si (apesar da coincidência do menino órfão que vive grandes aventuras), mas foi a alegria que meu deu ao ler, que foi a mesma que senti quando li a Pedra Filosofal pela primeira vez. Sabe aquela sensação de que tudo é possível? Pois é, foi isso que eu senti lendo Ladrão de Olhos.

O livro inegavelmente foi escrito para crianças, mas às vezes o leitor adulto esquece disso tamanha a profundidade que a história adquire. Porém não se engane, a história não deixa de ser leve e divertida de ler.

Recomendo para crianças de 7 a 70 anos (mas só para aquelas que ainda não perderam a capacidade de viver uma boa e inocente aventura).

Se alguém quiser ler o Ladrão de olhos online:
http://www.deficienciavisual.pt/r-Ladrao_de_olhos-Jonathan_Auxier.htm
comentários(0)comente



Alessandra 30/06/2014

Uma história para crianças. Espere, acho que me enganei.
Quem ousar dizer que "Ladrão de Olhos" é um livro para crianças, não estará no melhor de seu juízo. Deixe-me explicar o porquê.

O autor do livro, Jonathan Auxier, criou um mundo incrível e com tudo o que um bambino poderia esperar:

- Tem gente com poderes incríveis? Sim.
- Tem bicho que fala? Aos montes.
- Tem princesas? Claro
- Tem muita aventura? É o que mais tem ... etc, etc, etc.

Mas porque dizer então que não se trata de um conto infantil? Ora, basta adicionar um banho de sangue, umas decapitações e esfolamentos de um velhinho, misturar com uma dose de tortura, como bicadas de corvos até a morte, e PIMBA! Você tem uma mistura que nem todo rebento poderá adorar.

Pelo menos o final é feliz!!

Trago a vocês a fantástica história de Peter Nimble, o melhor ladrão de todos os tempos, que possui um pequeno detalhe que o difere dos demais bons ladrões: este é cego. Não cego de nascença, pois Peter fora encontrado com um corvo empoleirado no sexto em que foi deixado, já sem seus pequenos olhinhos.

Pode parecer triste para você, mas este menino consegue enxergar melhor do que alguém com olhos. Esteja certo disso. Com uma infância sofrida, ele é "acolhido" pelo Sr. Seamus, que o obriga a roubar todos os dias, restando os porões de sua casa, fétidos e imundos, e a vigilância do cão Killer, muito mal humorado diga-se de passagem.

Nenhum tipo de cadeado é páreo para Peter que, fazendo uso de suas habilidades, acaba roubando uma caixa misteriosa de um caixeiro viajante. O conteúdo dessa caixa? Nada mais, nada medos do que três pares de olhos fantásticos. O herói faz essa descoberta quando coloca em suas órbitas oculares os pares de olhos dourados da caixa e, ao dar uma piscadela, é transportado subitamente a uma ilha desconhecida onde conhece Sir Tode, uma criatura gato-homem-cavalo (até agora não consigo formar uma imagem mental disso), Sr. Pound e o Professor Cake.

Peter fica sabendo que o Professor armou para que ele não se contesse e roubasse a caixa com os olhos fantásticos. Um tempo depois, ele avisa ao menino que recebeu uma mensagem em uma garrafa, vinda do mar sem fim, com um autor desconhecido. O pedaço de papel contido na garrafa tinha uma charada, com um claro pedido de socorro de um reino perdido.

Sem muitas delongas, Peter e Sir Tode são escalados pelo Professor para velejar até este reino perdido e ajudar o autor de sua mensagem, tudo isso com a ajuda de três pares de olhos que deveriam ser usados com sabedoria, para não provocar maiores estragos, como sair dessa sem vida, por exemplo.

Eu não vou variar hoje, não vou contar como termina tudo isto. Apesar de já ter dito que de infantil essa história só possui a certeza de uma final feliz. Muita coisa te espera nessa história, mais malucas do que você seria capaz de imaginar. Dê uma chance a Peter Nimble!

site: http://euamolivrosnovos.blogspot.com.br/
Bia 01/08/2014minha estante
AMEI AMEI AMEI A RESENHA! :D


Alessandra 01/09/2014minha estante
Obrigada Bia. Fico super feliz em saber!




Kétrin 29/03/2014

Em O Ladrão de Olhos, conhecemos Peter Nimble. Quando nasceu, ele foi deixado dentro de uma cesta em um mar, onde marujos o encontraram, mas com o detalhe que corvos tinham picado os olhos do menino, o deixando cego.
Peter viveu pelas ruas deste então, pois nenhum lar adotivo queria um menino cego. Sozinho na vida ele aprendeu algumas habilidades, ele tinha muita destreza nas mãos, ele conseguia roubar coisas sem ser visto, tinha um olfato muito aguçado, ele sentia o cheiro de tudo de longe, claro que isso o ajudava muito, já que ele não enxergava nada. No seu terceiro aniversário, ele já era um especialista em pequenos furtos, e com o passar dos anos essas habilidades foram só aumentando, e dificultando a possibilidade de ser adotado, afinal, quem iria querer adotar uma criança que já é um ladrão?

Você tem um reflexo e tanto. Com uma mão dessas, quem precisa de olhos?

Com cinco anos, Peter conheceu o Sr. Seamus, ele havia montado um negócio de adoção de órfãos, em que as crianças eram obrigadas a roubar, e se elas chegassem em casa sem nada no bolso, eram punidas severamente. Logo que o Sr. Seamus avistou Peter, ele viu de cara que o garoto tinha habilidade na ladroagem, ele desistiu dos outros órfãos para se dedicar por inteiro a Peter.

O Sr. Seamus observou o feito pelo canto de olho e quase ficou sem fôlego. O garoto roubara a maçã, mas não do topo da pilha, e sim de algum lugar mais no meio, deixando a composição completamente intocada. Para uma pessoa comum, tal façanha seria impossível, mas, para aquela criança imunda, tinha sido algo natural. O Sr. Seamus logo soube que estava diante de um ladrão bastante talentoso.

Peter sofreu muito nas mãos do Sr. Seamus, até que certo dia ele estava na rua em mandato de Seamus, ele avistou uma pequena multidão ao redor de um homem, ele foi verificar o que estava acontecendo e descobriu que o homem estava vendendo chapéus (o que era novidade aquela época), Peter resolveu ficar por ali, ele pensou que esse homem teria muitas riquezas a que Peter pudesse roubar, logo de noite ele foi verificar a carruagem do homem, e descobriu uma pequena caixa com um cadeado, ele logo sentiu que deveria pegar ela.

...Embora certas coisas da vida possam parecer óbvias para quem enxerga, como você e eu, para Peter assim não é. Livros, por exemplo, com todas as suas aventuras e maravilhas, passavam despercebidos por completo pelo garoto...

A partir dessa caixa, Peter descobre outros mundos, onde conhece seu novo e fiel amigo Sir Tode. Onde eles passam por aventuras juntos, explorando e ajudando, logo Peter descobre que tem um destino a ser cumprido, e na companhia de Sir Tode, se aventuram.

Sou um cavaleiro humano corrigiu Sir Tode. No entanto, fui encerrado no corpo de uma gato... e de um cavalo.

Há algo maravilhoso que acontece entre os amigos, quando já não perdem tempo com papo furado e ficam contentes apenas por poder compartilhar a companhia um do outro. Alguns são da opinião de que esse é o único tipo de amizade que vale a pena ter. Embora piadas e anedotas sejam legais, não se compara á beleza do silêncio compartilhado. De fato, á medida que os dias transcorriam, Peter e Sir Tode passavam cada vez menos tempo conversando e mais tempo apenas sentados lado a lado, ouvindo o mar.

A editora caprichou na capa e na diagramação do livro, estão perfeitas! A história é maravilhosa, eu pude conhecer o ponto de vista de um menino cego, e o quanto ele é corajoso e valente, e em nenhum momento ele reclama da sua deficiência. A narrativa flui de uma forma rápida e fácil, é uma fantasia maravilhosa, eu me apaixonei pela história de Peter, no jeito como ele encara os desafios e consegue passar por cima de cada um deles.

site: keetring.blogspot.com.br/2014/03/resenha-ladrao-de-olhos.html
comentários(0)comente



Luan 18/03/2014

Simples, inocente, despretensioso e de escrita incrível: um livro em que tudo se encaixou
A história de um menino órfão e cego pode parecer um exagero de clichês. Mas um menino órfão, cego e ladrão pode mudar um pouco essa impressão. Porém, a história de um menino órfão, cego, ladrão e que vive muitas aventuras pode soar como infantil demais. Mas aí ele descobre alguns olhos mágicos que fazem sua vida mudar totalmente... E nada do que parece é. Não, definitivamente não é uma história infantil, embora seja um livro para a criança e para o adulto.

O protagonista é Peter Nimble. Ele fora encontrado já com os olhos bicados por corvos, ainda recém-nascido. Para conseguir sobreviver, ele passa a dar um jeitinho pra tudo e assim vai se aperfeiçoando na arte do roubo – sim, para ele uma arte. Até que ele encontra o Sr. Seamus. Até que o Sr. Seamus o encontra. Aí é que a vida de Peter piora. O homem trata Peter como um escravo, obrigando o menino a realizar muitos furtos... não durante o dia, mas durante a noite.

Até que o protagonista da história encontra os olhos mágicos e, depois de “prova-los”, é sugado para um novo mundo, muito diferente do que está acostumado, cheio de fantasia e muitas aventuras. E muitos segredos. E muitos perigos. E vai ser então que toda sua vida de ladrão será útil. Só assim ele conseguirá superar tudo o que o espera.

Esses olhos, três pares, cada um tem uma função diferente e Peter vai descobrindo aos poucos suas utilidades. E a gente vai descobrir junto. É um livro com herói, vilões, muitos vilões, mistérios, donzelas que precisam ser salvas... e ainda assim não é infantil, lhes garanto.

Eu comprei este livro numa boa promoção, indicado por um amigo. Não esperava muito. Nem tinha a pretensão de ler tão cedo. De acordo com meu cronograma, acabei por antecipar e leitura, pela falta de livro que eu precisava, e por ele não ser uma série/distopia/magia e afins. Enfim, parecia uma leitura normal, eu estava precisando. E acertei em ler. Não me arrependi. De forma alguma.

Eu preciso falar da história, claro, mas antes preciso dizer o quão bom é ler este livro. Uma obra despretensiosa, inocente, simples, com um roteiro muito bem construído e uma escrita sensacional. Talvez uma das melhores dos últimos tempos que eu li.

Por ser tão despretensioso como é, e por ser tão bem escrito como foi, é que esse livro se torna tão especial. “Ladrão de olhos – as aventuras de Peter Nimble” é o primeiro romance de Jonathan Auxier. E se ele estreou tão bem assim, fico muito curioso para ler os próximos. Mas, continuando. Sobre o título do livro, uma curiosidade: em outros países, em sua maioria, o nome do livro é “Peter Nimble e os olhos fantásticos” e a capa traz alguma menção – imagem – do protagonista, diferente da nossa.

A história, portanto, é, como eu disse, muitíssimo boa. Simples, mas, ao mesmo tempo, bem alinhada, muito bem construída. Cheia de surpresas e viradas, você, logo no início, ficará preso a ela. Não é exagero, a história te prende.

Falaria muito ainda. Mas não quero me alongar. O autor foi mesmo muito feliz ao cria-la e escrevê-la. O carisma de todos os personagens, a personalidade de todos eles... tudo é muito bem feito. Normalmente fico com um pé atrás em relação a protagonistas. Neste livro, realmente me apeguei ao personagem central – Peter. E aos demais que surgem ao longo da trama.

Tudo se encaixa nesta história. Tudo deu certo. Inclusive o trabalho da editora Leya, que foi muito bem feito. Capa, páginas, revisão... tudo ficou muito bacana.

É, portanto, daqueles poucos livros em que tudo é bom – rsrs.

E, por fim, a nota: em boa parte dele, pensei em dar quatro. Mas não ia ficar tranquilo: merece cinco estrelas ou até mais.

E que venha o próximo =D
comentários(0)comente



45 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3