Bodas de Fogo

Bodas de Fogo Deborah Simmons




Resenhas - Bodas de Fogo


53 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4


Blog De Bem Com a Leitura 08/07/2019

Aisley é uma jovem inteligente, com habilidade para os negócios, linda e com uma voz angelical. Ela aprendeu cedo a se cuidar sozinha, sua família foi morrendo pouco a pouco e ela foi a única que restou, o pai foi o último a falecer e desde então ela vem cuidando das terras e multiplicando os bens. Por mais independente que seja e não sinta a necessidade de um marido, o rei decretou que ela se case, mas lhe deu o direito de escolher o marido.

O Barão de Montmorency é temido por todos, conhecido como Cavaleiro Vermelho ele afugenta qualquer um que tente se aproximar de sua propriedade, isso se alguém tiver coragem para tal ato. Cercado pelas sombras e por muitos mistérios, Piers (o Barão) tem a reputação de possuir pactos demoníacos e ter envolvimento com magia negra, seus feitos em batalha comprovam a sua voracidade e impiedade para com os inimigos.

E Aisley escolhe justamente o Cavaleiro Vermelho como seu marido. Não por ser destemida ou por querer pôr à prova as lendas sobre ele, mas por rebeldia. Ela acredita que com a escolha inusitada o rei não teria alternativa a não ser negar e, assim, liberá-la de se casar, mas Edward não a confronta e permite o casamento. Desolada, Aisley é enviada para Dunmurrow e não tem ideia do que vai encontrar lá.

Piers não quer uma esposa e deixa isso claro quando a jovem chega, mas é um decreto do rei e ele não pode se opor. O Castelo onde vive é um lugar sombrio e assustador, Aisley não acredita nas coisas que falam a respeito dele, mas cada dia naquele lugar a deixa curiosa sobre quem realmente é Piers. A convivência mostra que ele não é o mostro que todos acreditam ser, só que é difícil saber algo dele quando nem mesmo teve a chance de velo à luz.

Pires vive na escuridão, o lugar não tem velas e onde tem a luz do dia ele não aparece, vive pelas sombras e não deixa que Aisley se aproxime, somente seus homens de maior confiança podem chegar perto. Com o passar dos dias ambos se rendem aos desejos do coração, eles estão se apaixonando e não conseguem reconhecer os próprios sentimentos. Aisley logo muda a rotina do lugar, ela leva pessoas para trabalhar lá e espalha algumas velas, mas quando seu marido vai ao quarto visitá-la à noite não pode haver nenhuma claridade, ela não pode ver a sua aparência, apenas senti-lo.

Piers tem um grande segredo, algo que seria capaz de destruí-lo se fosse revelado. Ele não pode contar a Aisley, por mais tentado que esteja a contar a sua esposa e a não ter nada escondido entre eles, mas não pode correr o risco, precisa mantê-la em segurança e se alguém descobrir o segredo ele teme não conseguir. Mas Aisley está cada vez mais perto de descobrir a verdade, será que o amor que sente por esse homem misterioso falará mais alto ou o que ele esconde poderá, também, destruir o amor?

*Resenha completa lá no blog > http://bit.ly/2XCs0eO

site: http://vocedebemcomaleitura.blogspot.com.br/
comentários(0)comente



Thá 07/07/2019

Um amor construído aos pouquinhos
Eu adorei o romance , achei envolvente , não tão demorado para acontecer mas Tb não tão lento , pois era como se vivêssemos dia após dia com os personagens e aos poucos conhecendo cada um deles . Podemos ver que o mocinho não é quem aparenta ser, e isso amolece o coração das leitoras , pois é tudo ao contrário do que a fama que tem .
comentários(0)comente



Dani A. 09/06/2019

1° livro da série De Laci
Um clássico histórico, curti a releitura, mesmo não sendo um romance superrr intenso, eu adorei que o casal teve muitas cenas quentes e também eles não ficam o livro todo só brigando, passam muito tempo juntos, vão se conhecendo e apaixonando. O mocinho é muito maravilhoso, toda aquela pose de frio e malvado, mas têm um coração de ouro e é muito cuidadoso com a esposa..A Isadora é determinada e sagaz, mas só não gostei das cenas dela se envolvendo com as ervas, com a curandeira kkk aliás, o que me irrita nesses históricos mais antigos é a inserção de elementos fantasiosos, o fato dos personagens acreditarem em magia e tals..sei que na época as pessoas eram bem supersticiosas, mas eu não consigo engolir. O mistério por trás do motivo do mocinho só viver entre as sombras, de não deixar ninguém o ver, é bem interessante, por mais que eu lembrasse o motivo, eu achei bem genial esse tipo de enredo, queria mais livros nesse estilo!

Achei só que o final, quando a autora insere o conflito com o vilão, foi tãoo clichê e nada interessante, mas já até esperava, todos os livros desse estilo seguem essa linha de 'ação' no final da trama, mas não conseguem ser envolventes.
Laine 09/06/2019minha estante
Um dos meus favoritos


Dani A. 09/06/2019minha estante
Um bom livro, e vi que foi publicado novamente no Br.




Jaque 15/05/2019

Maravilhoso
Comecei essa leitura com medo de que seria arrastada, mas me fisgou completamente. Amei esse romance! É cheio de mistérios, tem batalhas, guerreiros, e aquele amor que não pode faltar nos romances de época!
Aisley ficou órfã e com um castelo muito rico para cuidar. Então o rei a obriga a escolher um dos cavaleiros do reino para se casar.
Ela não quer um marido, e por isso cria um plano para fazer com que o rei volte atrás com esse decreto.
Portanto ela escolhe o Cavaleiro Vermelho, um homem misterioso, que dizem ter pacto com o diabo, achando que o rei iria negar sua escolha, e com isso ficaria livre de qualquer obrigação.
Mas seu plano deu muito errado, e ela teve que se casar com esse homem, que vive na escuridão, e não mostra seu rosto a ninguém.
comentários(0)comente



Dri F. @viajecomlivros 27/04/2019


Confesso que não leio muito esse gênero, mas já ouvi de algumas pessoas que esse valia a pena, e fui conferir.
Essa história traz Aisley de Laci como uma mocinha diferente das de sua época. Ela é forte, independente e toca seus negócios sem a ajuda de homem nenhum, já que é órfã de pai e mãe, e seus irmãos também morreram.
Mas o rei Edward solta um decreto onde exige que Aisley escolha, entre seus cavaleiros, um marido.
Revoltada com essa decisão, Aisley decide escolher o cavaleiro mais misterioso do reino, o famoso Cavaleiro Vermelho, Barão de Montmorency. A fama dele é de um cavaleiro isolado, que pratica artes das trevas e através dos seus feitiços consegue o que quer. Aisley acredita que o rei nunca concordaria com um enlace nessas condições, mas seu plano sai pela culatra e ele apoia essa ideia.
Então ela é mandada para Dunmurrow, para se casar e viver nas terras do Barão, um lugar isolado, caindo aos pedaços e onde o Barão só se encontra com ela na penumbra.
Aisley acaba se casando sem nunca ter visto o rosto do futuro marido.

A história é interessante já que além de um romance com pegada hot, traz esse mistério sobre porque o Barão se esconde e não sai a luz do dia por nada. Gostei da protagonista, uma mulher forte e decidida, embora em alguns momentos achei que a história ficava repetitiva. Eram sempre as mesmas questões, sobre por que ele se escondia, se era ou não um feiticeiro...
Mas do meio pro final, o livro traz alguma agitação e terminou de um jeito bacana.
Acho que para quem gosta de romance de época, e gosta dessa pegada de romance com cenas bastante quentes, tem tudo para gostar bastante dessa história.


site: instagram @viajecomlivros
comentários(0)comente



Silvana Barbosa 11/02/2019

Eros e Psiquê, versão medieval
É releitura, a primeira vez foi como Romance de banca. Eu não me lembrava muito da história, a não ser o fato que amei demais da primeira vez.
Eu recordava vagamente que a mocinha forçava a situação do casório, e depois se fazia meio de sonsa, tentando consertar a cagada que fez: casar com um cara com fama de capeta. E sim, estava certa na recordação, a mocinha, apesar da autora não dizer que ela é mimada, se comporta como uma mimadinha infantil, que acha que vai ser mais esperta que um rei, ou que os cavaleiros da corte.
Claro, ela se estrepa espetacularmente, para nossa alegria rsrsrs
E se apaixona, assim como eu, pelo protagonista, que brilha, mesmo nas sombras, durante toda a história.
Ele é o cara, o tal Cavaleiro Vermelho! E dessa vez entendi que ele pode não ser bonito de fato, mas que é belíssimo aos olhos da mulher que o ama.
E sobre a mulher que o ama, Aisley, que cresceu ao passar das páginas...Me incomodou a quantidade de vezes que ela lambeu os lábios... Affe, toda a vez que tinha cena da Aisley, ela lambia os lábios. TODA A CENA. Ô mulher de boca seca! Se isto tinha na versão Bancão, não lembrava.
Assim... também não lembrava que o Piers falava que devia matar a esposa. Mais de uma vez, na verdade rs Tudo bem, da boca para fora. (Mais ou menos)
... Vai ver nem ele aguentava mais tanta lambeção de lábios.
Continuo adorando a trama, apesar de pegar no pé da repetição de expressões - e querendo muito reler o livro do irmão revoltado, na versão completinha, de livraria.
Solta o Nicholas, Leque Rosa!
Nádia 11/02/2019minha estante
Amo o Nicholas :-D


Cleide 12/02/2019minha estante
Queria tanto esse livro :)




Lari 09/01/2019

Gracioso
Nunca tinha lido romance de Banca, resolvi experimentar com esse livro e gostei muito. Uma releitura de bela e a fera que surpreende e encanta.
comentários(0)comente



Niedja - @indicacoes_literarias 08/01/2019

Ansiosa por mais.
No primeiro livro da série De Lacis vamos conhecer Aisley, uma jovem que muito cedo teve que cuidar da propriedade da familia sozinha. Sua mãe faleceu cedo e ela foi criada pelo pai e seus irmãos, que vieram a falecer e a deixaram com toda a responsabilidade de tocar seus bens.
Mesmo obtendo êxito em fazer seus bens prosperarem, o Rei Edward exige que ela contraia matrimonio, por não acreditar que uma mulher, jovem e sozinha possa gerir os negócios, porém, como reconhecimento pelo seu desempenho, determina que ela pode escolher seu marido entre seus cavalheiros e para surpresa de todos ela escolhe o Cavalheiro Vermelho.
.
O Barão Piers Montmorency, ou como ele era conhecido, o Cavaleiro Vermelho, por seus feitos, habilidades, pela crueldade e por ser impiedoso nas batalhas, não estava satisfeito por ter uma esposa, mas não gostaria de se indispor com o Rei e acata suas ordens. logo se vê envolvido por um mudança em sua vida e em sua propriedade. Aisley se surpreende com sua decisão e acaba tendo seus planos de voltar a vida normal desfeitos.
Aos poucos eles vão se envolvendo e em meio ao castelo sombrio e os mistérios que lhe cercam os dois vão aprendendo a conviver e dividir espaço e o sentimento de ambos vai sendo construído aos poucos.
.
O livro em sua segunda edição foi lançado pela @editorabezz ,com o selo Leque Rosa. É uma leitura maravilhosa, cativante, narrado em terceira pessoa. Um romance de época com uma dose clichê adorável e um mistério a ser desvendado.
.
Recomendo: ⭐⭐⭐⭐

site: https://www.instagram.com/indicacoes_literarias/?hl=pt-br
comentários(0)comente



Hester 25/09/2018

Livro de banca, leitura rápida e repetida à exaustão. Para mim faltou tempero. A mocinha é um tanto infantil às vezes, o mocinho misterioso com um mistério não tão misterioso assim. Enfim, tolinha.
comentários(0)comente



Jubs 26/07/2018

Isadora & Piers - Bodas de fogo
Romântico, Intrigante, Quente

"- Piers - ela sussurou, a voz carregada de paixão - Por acaso você ... me enfeitiçou?

- Não lancei nenhum feitiço sobre você, esposa. A não ser aquele que é tão antigo e eterno como o tempo... a atração entre um homem e uma mulher. Não tenho necessidade de encantamentos ou bruxarias para mim ou para você... porque nos teremos nossa propria magica esta noite..."
comentários(0)comente



Celina 10/07/2018

A Bela e a Fera muito bem desenvolvido!
Amooo um clichêzão escrito com desenvoltura!
Esse livro é meu número! Mocinha de aparência bela e frágil mas atrevida demais, destemida, forte, corajosa fazendo par com mocinho ogro bestial, guerreiro sanguinário, irritadiço e perturbado...kkkkk...fórmula perfeita para um incêndio!...kkkkk
Muito bom! Gostei bastante da história!
comentários(0)comente



Bruh 04/07/2018

Bodas de fogo
É uma leitura maravilhosa que cativa muito, e um tanto clichê com um certo mistério, adorei e recomendo esse livro encantador.
comentários(0)comente



Daya 25/06/2018

Bodas de Fogo é o primeiro livro da série De Lacis, da autora Deborah Simmons. Vamos conhecer Aisley, uma jovem que perdeu a mãe muito jovem e foi criada pelo pai e os seus irmãos. Os irmãos vieram a falecer e depois o pai, deixando a jovem sozinha para cuidar dos bens da família.

Mesmo sendo muito jovem, Aisley sabe cuidar das propriedades muito bem, conseguindo fazer os seus bens prosperarem. Contudo, o Rei Edward acredita que é melhor ela casar e ter a própria família. Ele exige a sua presença no palácio e deixa Aisley escolher um dos seus cavalheiros para ser o seu futuro marido. Ela não pensava em casar, quer manter a sua vida do jeito que está... Como não era possível negar uma ordem do Rei, Aisley decide escolher como o seu pretendente o Cavalheiro Vermelho.

O Cavalheiro Vermelho, Piers Montmorency, é conhecido como um homem temível, que lutou bravamente nas guerras e atualmente se isolou no seu castelo. Muitos acreditam que ele é um feiticeiro que possui poderes e vive nas trevas. Aisley acreditava que ele fosse negar o pedido do rei e ela poderia retornar para a sua vida muito feliz, mas, para sua surpresa, Piers aceita e decide torná-la sua esposa.

Aisley se depara com um ambiente escuro e fica se questionando o motivo do seu marido viver na escuridão. Eu, como leitora, fiquei me questionando o motivo desse mistério. O que levava o Cavalheiro Vermelho viver em completa escuridão?

Aisley é uma jovem adorável, que facilmente conquista o coração dos leitores, tornando a leitura mais que agradável.

É um clichê que começamos já imaginando o seu final, mesmo assim a leitura é deliciosa, tornando impossível abandoná-lo. É uma delícia acompanhar a evolução do amor entre o casal e as suas descobertas.

Uma leitura mais que recomendável!

site: http://www.conchegodasletras.com.br/2017/11/cantinho-da-daya-bodas-de-fogo-deborah.html
comentários(0)comente



Jenny 24/04/2018

[ RESENHA ] Bodas de Fogo
Aisley de Laci sempre foi uma menina muito rebelde desde o berço, principalmente por ter crescido com três irmãos, que lidavam com ela de forma áspera e rude, sem mãe para ensinar-lhes maneiras delicadas de tratar sua irmã. A família De Laci sempre foi muito rica e possuía uma propriedade em Belvry de dar inveja não apenas aos nobres, mas também ao próprio Rei Edward, que tinha muito apreço pela família. Contudo, a tragédia chegou cedo para eles.

Enquanto os dois filhos mais velhos tinham sucumbido a uma febre, o terceiro fora morto na última Cruzada. Porém foi com a morte recente do pai que fez com que a vida de Aisley mudasse totalmente. Sendo a única sobrevivente dos De Laci, as circunstâncias exigiram que ela amadurecesse cedo. E aos 17 anos, Aisley se tornara uma Castelã muito respeitada, gerenciando as propriedades do pai, resolvendo problemas com êxito, levando os plantios à fruição, sem deixar de mencionar a casa, onde tudo corria tão bem que parecia tocar como uma melodia de um violino. Porém, para o Rei Edward, uma mulher não poderia gerenciar uma propriedade sozinha, então ao invés de receber uma recompensa pelos seus esforços, Aisley recebe um decreto; ela teria que se casar.

Aisley poderia escolher seu futuro marido entre os cavaleiros mais elegantes das terras do Rei, mas esta honra fora concedida a ela apenas porque tinha dinheiro suficiente para pagar pelo privilégio. Enquanto permanecia na Corte do Rei, cercada de cavaleiros ansiosos por um prêmio, Aisley franzia o cenho de puro desgosto e indignação, mas ao mesmo tempo, se sentia indefesa e sem escapatória do seu destino. Apenas sua criada, Edith, uma senhora de meia idade que a conhecia desde bebê, era capaz de reconhecer facilmente o seu humor.


Edith a aconselhava para se comportar e escolher sabiamente, usando a cabeça e não o coração. Aisley sempre fora uma jovem forte e esperta, mas também era teimosa e durona, por isso, ela não iria se entregar tão facilmente; ela tinha um plano. Escolheria o Barão Piers Montmorency, ou como ele era conhecido, o Cavaleiro Vermelho.

A menção do mais temido de todos os homens do Rei, fazia com que todos se encolhessem de pavor. O apelido de Montmorency fora dado pelo próprio Rei, que ao observar o seu cavaleiro mais habilidoso, cruel e impiedoso em batalha, sempre o encontrava coberto do sangue de seus inimigos após o final dela. Envolto em um mistério, o Cavaleiro Vermelho sustentava rumores de estar em aliança com o diabo. Era um homem cruel, um alquimista que vivia sempre nas sombras e praticava artes obscuras nas profundezas de sua isolada fortaleza em Dunmurrow. Diziam que quem entrasse em seus domínios, nunca mais retornava.

Porém, por mais que os boatos sobre o Barão fossem assustadores, Aisley não acreditava em nenhum deles. Tudo o que ela almejava era que o Rei não aprovasse a sua escolha, fazendo com que ela se considerasse livre para voltar para casa. Contudo, não é o que acontece. Estando diante do Rei Edward, e de sua Rainha, Eleanor, em uma audiência particular, Aisley lhes expõe o seu escolhido, fazendo com que o Rei a olhasse com uma expressão de raiva, mesmo que ele tentasse escondê-la. Mas Edward logo percebe a intenção de Aisley e decide puni-la por tentar enganá-lo, concedendo a sua escolha.

“Embora tenha ouvido sua esposa, Edward continuou olhando para Aisleycom severidade, e ela se empertigou ante aquela observação. Os olhos azuis dorei pareciam buscar algo dentro de sua alma, avaliando suas forças, suasfraquezas e até seu próprio coração. Ela se manteve firme até que Edward sorriu.A moça sentiu-se relaxar quando o ouviu rir suavemente. Parecia achar tudodivertido, o que ela percebeu com alívio. Não duvidava que ele concederia suavitória, e ela poderia voltar para casa muito em breve como uma mulher livre.O rei se inclinou na direção dela e sorriu:— Montmorency será, então — ele disse.”


Surpresa e em choque, Aisley percebe que agora está numa situação pior do que a anterior. Incapaz de acreditar que se casaria com um homem que conhecia apenas por rumores sombrios e ameaçadores, ela se recusava a aceitar que no dia seguinte logo se encontraria com Montmorency em Dunmurrow para selarem sua união. Contudo, ela tinha outro plano, pois tinha plena noção de que o Barão não ficaria nem um pouco feliz com a nova esposa, ainda mais uma que se intrometesse em seus negócios obscuros. Ele não se interessava pelas intrigas da corte, muito menos buscava dinheiro. Aisley tinha certeza de que ele iria recusá-la e mandá-la de volta para casa. Mas seria o Barão Montmorency capaz de passar por cima das ordens do Rei? Não mesmo haha.

Pois apesar de ser muito temível, Montmorency respeitava o Rei e mesmo não gostando da ideia de ser casar com uma jovem que ele nunca vira antes, ele não poderia desafiar as ordens reais. Vivendo sob suas próprias regras, o Barão gostava de viver em constante isolamento em seu Castelo sombrio, antigo e assustador, coberto em escuridão e poeira. Envolta de uma floresta coberta pela névoa à noite.

Acompanhada de alguns homens do Rei para protegê-la, e do padre para que fizesse a cerimônia, Aisley logo percebe que Montmorency estava provando sua reputação. Nenhum local era tão escuro e sombrio quanto os aposentos do Barão, onde era possível ver apenas a sua figura alta e imponente, acompanhado de dois cachorros imensos e tão assustadores quanto seu dono, despertando medo em todos os presentes, menos em Aisley, que por incrível que pareça, se encontrava cada vez mais intrigada por não conseguir ver o rosto de seu futuro marido coberto pela escuridão.

“— A beleza da senhorita é notória. — Mesmo com esse temperamento? — perguntou Montmorency ironicamente. Delamere teve a consideração de não responder, mas sorriu sombriamente, enquanto Aisley cerrava os punhos durante a discussão de ambos sobre ela como se fosse um boi prestes a ser assado para um banquete de Natal. — E, ainda assim, você me escolheu, senhorita — disse Montmorency lentamente, de uma forma tão ameaçadora que Aisley chegou a estremecer apesar da raiva. — Talvez os bons cavaleiros da corte fossem muito fracos para o seu gosto e tenha pensado que o Cavaleiro Vermelho seria o mais indicado para a tarefa de domesticá-la. Delamere riu ao seu lado, e Aisley empertigou-se.— Posso ver que foi um erro, senhor — disse ela, com tanta frieza quanto conseguiu.— Sim. Foi um erro; e um erro seu, não foi? — perguntou Montmorency, com uma voz tão ameaçadora quanto seu castelo. Quando Aisley recusou-se a responder, o silêncio se esticou entre eles, fazendo seu coração bater com tanta ferocidade que ela cravou as unhas nas palmas das mãos. — Mas o que está feito, está feito — Montmorency finalmente disse, com um tom de voz sérionovamente.—Que assim seja. Cecil, prepare a capela e peça que o padre seja levado para lá assim que estiver pronto. Receio que não estejamos acostumados a ter muitos visitantes por aqui — ele falou, dirigindo-se para eles outra vez. —A hospitalidade da minha propriedade é limitada, mas faremos o nosso melhor.— Ele acenou para que todos saíssem, e Aisley sentiu seu sangue correr frio.”


Para que ninguém visse o rosto do Barão à luz do dia, a cerimônia iria ocorrer numa capela improvisada coberta pela névoa e escuridão. Não havia muitos convidados, apenas os homens do Rei, Edith, os cinco criados que trabalhavam para Montmorency e Cecil, seu fiel mordomo.


“—Meu senhor, asseguro-lhe que isto é um engano — começou ela, com as mãos cerradas em punhos, sobre o tecido flutuante de seu vestido. — Sim, eu sei — disse Montmorency, com uma irritação evidente. — Mas você conseguiu o que queria. Acha que eu desafiaria o rei?Aisley não respondeu. Montmorency riu, um som que soou como um latido amargo em meio à câmara silenciosa. — Você realmente pensou que eu desafiaria. — O senhor tem uma reputação e tanto, senhor — Aisley disse delicadamente. — Entendo — ele disse. — Talvez tenha pensado que eu somente precisaria movimentar minha mão e o decreto desapareceria com um truque de feiticeiro. Aisley abafou um suspiro, e ela pôde jurar que teve o vislumbre de dentes muito brancos, um sorriso sarcástico no meio das sombras.— Bem, minha obstinada Lady de Laci, suas maquinações acabaram terminando muito mal, pois, não importa o que você possa ter ouvido sobre mim, não desafiarei meu rei. Devo muito a Edward, e se este é o seu desejo, então, eu o obedecerei. Agora — ele disse, levantando-se —, você fez a sua cama. Sugiro que se deite nela. — Uma batida na porta sinalizou o retorno do criado, e Montmorency mandou-o entrar. — Cecil, por favor, leve minha noiva até o seu quarto. Vamos nos casar o mais rápido possível — disse o Cavaleiro Vermelho, e suas palavras ecoaram na cabeça de Aisley como o som da morte.”


Por mais cruel que o seu destino fosse, Aisley não iria fugir dele. E para a sua surpresa, ela pôde sentir o toque gentil do Barão enquanto segurava a sua mão durante a cerimônia, despertando nela uma sensação de prazer e calor, o que a assustou rapidamente, pois desde pequena, Aisley nunca recebera afeto, tanto de seus irmãos quanto de seu pai. E também nunca se apaixonara, mas era surpreendente a sensação de conforto que o Barão estava despertando nela e após o beijo rápido que selava a união dos dois, tudo o que ela queria era que a sensação intensa entre eles na escuridão não tivesse ido embora, era como se estivessem sozinhos na capela.

Agora além de perceber que estava casada, Aisley não conseguia entender os seus novos sentimentos. Pois ela finalmente encontrara um homem capaz de dominá-la não apenas com suas excentricidades, mas também com o seu próprio toque. Estaria ela enfeitiçada pelo Barão? E quanto ao seu mistério de sempre se esconder nas sombras? Piers Montmorency possuía um segredo e apesar de pensar que deveria se livrar de sua esposa pelo bem dos dois, algo o detinha. Ela despertava nele sentimentos que ele não sentia há muito tempo. Será o amor mais forte que esse segredo? Só lendo para descobrir!

Mais um romance de época para a lista de favoritos desse ano! Gente, que livro! Só o mistério do Barão já fazia com que eu não desgrudasse nem por um segundo do livro, e com o despertar romance, eu fiquei completamente viciada pela história haha. Aisley nunca fora uma jovem que demonstrava interesse em procurar um marido por si mesma. Sua natureza indomável era evidenciada pelo seu tom de voz e suas atitudes. Enquanto Piers era atrevido, possessivo, rude, indiferente e possuía sempre uma voz ameaçadora que expressava a sua raiva e descontentamento. Dois personagens com personalidades distintas e machucados em seu interior, mas que encontrarão um no outro a chance para o amor e a felicidade. Esse livro foi o meu primeiro contato com a escrita da Deborah Simmons e eu já quero ler todas as suas obras haha.

A trama é envolvente e os personagens são intensos e divertidos. A revelação do mistério foi bombástica e acredito que irá surpreender muitos leitores, assim como aconteceu comigo. Piers tem os seus momentos explosivos de raiva, mas também possui o seu lado romântico que será praticamente impossível resistir a ele haha.

O livro é narrado em terceira pessoa, então podemos ler pela perspectiva dos dois personagens principais. A primeira edição foi publicada em 1995 pela Editora Nova Cultural, e agora a segunda edição foi publicada em 2017 pela Editora Bezz- Leque Rosa. Acredito que essa nova edição combinou mais com a história e retratou muito bem a Aisley. Sem falar que a diagramação está lindíssima. Vale a pena conferir!

site: http://colecoes-literarias.blogspot.com.br/2018/04/resenha-bodas-de-fogo.html
comentários(0)comente



Thiara Strelow @cheirinho_de_livro 22/04/2018

Amei o livro!!!
Uma história encantadora, muito bem escrita que cativa o leitor.
comentários(0)comente



53 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4