O Segredo de Jasper Jones

O Segredo de Jasper Jones Craig Silvey




Resenhas - O segredo de Jasper Jones


45 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3


Amanda 22/05/2012

Um romance sobre a perda da inocência
"So sad, so sad/ Sometimes she feels so sad..." Another day, Paul MacCartney

Esse trecho da música ilustra bem a tônica do livro, como podemos perceber já pelo teor do primeiro capítulo. O segredo de Jasper Jones é principalmente um romance sobre a perda da inocência juvenil, em vários sentidos, que não compete dizer aqui para não estragar a leitura.
Adorei a capa minimalista, onde menos é mais, e nesse caso guarda uma relação bem íntima com o âmago no livro.
Gostei bastante também dos diálogos e personagens pitorescos construídos pelo autor, ilustram bem a maneira de falar ou mesmo o modo de agir de algum amigo/a que tivemos na infância/pré-adolescência... Além disso, é sobretudo realista: algumas coisas você espera que aconteçam, outras são uma surpresa de fato, mas nada que não seja plausível...Muito recomendado!
comentários(0)comente



Helder 27/06/2014

O verdadeiro segredo de Jasper Jones
Que inveja de quem tem o dom das palavras! E este, acredito eu, seja o verdadeiro segredo de Jasper Jones. Um livro simples, mas extremamente bem escrito, com uma linguagem fluida e poética.

É fácil imaginá-la como um pássaro no céu. Como se eles tivessem amarrado um longo barbante na pata de um falcão, mantendo-se ligeiramente atrelado para sentirem o que é voar. E você quer deixa-lo voar mais alto, quer desenrolar sua linha e segurá-la, só pela emoção, para ver a distância que ele alcança . Mas, assim que ele some, você quer que ele volte, não é? Porque você continua preso aqui e não pode segui-lo. Mas é legal saber que você teve peso suficiente para mante-lo encalhado e poder admira-lo por algum tempo. Como algo precioso que você pode pegar e olhar. Uma joia. Um poema, uma canção. E você quer prende-loa algo permanente, coloca-lo numa gaiola à noite. Te-lo para sempre apesar de sua natureza. Como pessoas que colocam anéis nos dedos apenas para que não possam ir embora. Mas é claro, você não pode. Segurar uma coisa não a torna sua. Você se dá conta, em determinado ponto, que apenas a segura para si, pois ela puxa com força igual. Você precisa cortar o barbante do seu dedo e largar aquele fio insignificante, como um filhote de aranha na brisa (pg 265)

A capa nos diz pouca coisa sobre o que vamos encontrar ali. No principio parece que teremos um livro de suspense, mas ao pouco percebemos que não é isso que o talentoso autor deseja discutir. O crime é somente um pano de fundo, assim como a Guerra do Vietnã, para mostrar o crescimento interior do pequeno Charlie de 14 anos durante aquele verão, onde ele percebe que na cidade de Corrigam existem diversas mascaras e que a vida não é tão cor de rosa como ele imaginara até então.
Existe preconceito, existe traição, existe folclore e existe a pior devassidão humana, coisas antes impossíveis de imaginar pelo pequeno Charlie sonhador.
Um ponto muito diferente na narrativa e que achei muito interessante, é que o autor não é explicito sobre quando aquilo acontece, mas traz indicações como pano de fundo. Conseguimos nos localizar no tempo porque sabemos que está acontecendo a Guerra do Vietnã e por causa dos crimes que ele pesquisa na Biblioteca e são reais. Mas será que aquela estória seria muito diferente se acontecesse em 2014? É triste ver que o mundo não mudou nada em 50 anos. Na verdade a raça humana continua se repetindo em seus erros e o que me parece é que preconceito, traição, folclore e devassidão são como órgãos do ser humano, dos quais não conseguimos nos desvencilhar.
O livro começa com uma batida na janela de Charles. É Jasper Jones, o marginal da cidade lhe pedindo ajuda. Mas como, se eles nunca nem tinham conversado? Mas algo atrai o pequeno Charles naquele pedido e ele resolve seguir Jasper, até uma clareira onde ele verá algo que mudará sua vida, abrindo seus olhos para a maldade existente no mundo. E a partir dai eles passam a ter um segredo.
Mas a maldade não está só no fato encontrado. Está no preconceito existente na cidade com o jovem Jasper (Impossível não sentir um buraco no estomago algumas vezes por este personagem. Principalmente quando ele descobre a verdade sobre o crime. É como se realmente o mundo inteiro fosse retirado dele deixando-o sozinho aos leões). Está no preconceito com o incrível Jeffrey, maníaco por críquete e cheio de certezas muito divertidas e diálogos impagáveis. No preconceito com a família de estrangeiro, que de repente deixam de ser vizinhos para se tornarem inimigos. A maldade está na mãe que não consegue ser feliz em uma outra cidade e não consegue simplesmente se comunicar . A maldade esta nas estórias inventadas sobre um velho solitário e a maldade maior está no homem que não consegue respeitar aquilo que deveria proteger. (Impossivel falar mais sem soltar spoilers).
Mas assim como Charles descobre a realidade do mundo adulto, ele também descobre as coisas boas, que é a paixão adolescente. Cheia de timidez, de diálogos incompletos e de pequenos encontros, e ai haja poesia para descrever estes sentimentos.

E a sensação é de amor. É, mesmo. Parece espelhar tudo o que li a respeito. E se não por isso, é algo terrivelmente perto. Quero pedir a ela que se case comigo. Não desejo mais ninguém. Ela é a melhor coisa dessa cidade. E não quero ficar sem ela. Ela é o único pedaço de alguma coisa boa que já tive nas minhas mãos. E quero enrolá-la no dedo e fazer dela um anel. (Pg 270)

E no fim, ele nos convence que Batman é muito mais corajoso do que o Super-Homem, pois ele sabe que não é invencível, mas mesmo assim segue rumo a seu objetivo de salvar o mundo. Meu argumento é este, quanto mais você tem a perder, mais corajoso é ao enfrentar o medo, por isso o Batman é superior ao Super Homem... (pg 54) já que este só morre com kriptonita, que você não encontra a cada esquina.
Que tenhamos todos a coragem do Batman para enfrentar o mundo que se esconde e nos desafia.

Leitura recomendada.
comentários(0)comente



Pedro 12/08/2014

Glorioso pêssego.
Charlie Buckitin vive em uma pequena cidade da Austrália chamada Corringan. Ele é um adolescente nada popular considerado o segundo mais inteligente de sua escola, perdendo apenas para o seu melhor amigo, de família vietnamita, Jeffrey Lu que é apaixonado por críquete. Charlie é acanhado e um leitor assíduo - não poderia ser por menos: seu pai é professor de literatura. Certa noite, em suas costumeiras leituras antes de dormir, acaba ouvindo um barulho em sua janela. Quando presta mais atenção, percebe que na verdade chamam por seu nome, e quando ele confere, visualiza Jasper Jones pedindo desesperadamente sua ajuda. Só que para Charlie existem inúmeros "poréns". Por que ele iria ajudar alguém que, além de nunca ter se dirigido a ele antes, é considerado um verdadeiro marginal típico, um mau exemplo? Confuso, ele decide que sim, irá ajudar o jovem que é um ano mais velho que ele.

Jasper Jones guia Charlie até uma clareia, o local secreto onde ele passa boa parte do seu tempo (fumando/bebendo/fugindo do mundo), e Charlie dá de cara com uma cena que o deixa atordoado e sem palavras. Mas que mesmo assim, no fim, ele faz o que o Jasper pede e ambos voltam para a cidade. O que Charlie não imaginaria era que essa ajuda oferecida iria acabar deixando seus dias mais complicados, afinal, nem todos sabem como guardar um segredo a sete chaves.

Charlie, nosso narrador, vai contando suas trajetórias, e à partir daí, nos aprofundamos mais sobre a origem vietnamita da família do Jeffrey, refugiados na Austrália, e que por isso, sofrem preconceitos pelos nativos que acham injusto eles estarem substituindo os soldados australianos que foram à guerra. Conhecemos Eliza Wishart, filha do governador do Condado e que estão a procura da segunda filha, Laura Wishart, dada como desaparecida. Por se tratar da filha do governador do Condado, a pequena cidade se enche de autoridades em busca da moça desaparecida, deixando-a bem conturbada. Outro ponto do livro é o sentimento que há entre Charlie e Eliza, e ambos ao decorrer do livro vão desenvolvendo de forma sutil e nada apressada esse sentimento.

Na capa do livro temos um pêssego que, na história, é sinônimo de coragem e seus motivos são explicados ao decorrer do livro.

Craig Silver escreve de uma forma tão descritiva que as cenas surgem em nossa mente como em uma tela de cinema, tudo é aos poucos explorado, e apesar desse inicio focado nesses dois personagens, com o decorrer da leitura vamos percebendo que na verdade o autor não quer tanto se prender a eles, o que torna o livro mais interessante, com Silver criando vários núcleos dentro de uma mesma história e, claro, interligando tudo de alguma forma.

No final, temos um amontoado de problemas que o autor vai desenvolvendo para só no fim ir soltando aos poucos, como se fossem bombas programadas, revelações que mudam a vida de alguns personagens e que nos deixa chocado. O Segredo de Jasper Jones é um livro com uma história muito original e que dificilmente deixa o leitor com sensação de está lendo algo previsível; pelo contrário, o autor consegue nos surpreender e até nos deixar sedentos por mais.

O final não deixou a desejar, começamos a leitura com uma incessante vontade de descobrir mais sobre o os mistérios dessa trama e o autor consegue responder todas as nossas perguntas. No entanto, ficou aquela curiosidade de saber o futuro e o que se sucedeu a cada personagem do livro, coisa que, creio eu, todo leitor quer saber, mas que não tira méritos do livro.

site: http://decaranasletras.blogspot.com.br/2014/08/resenha-25-o-segredo-de-jasper-jones.html
Lohan 12/01/2015minha estante
Livro que realmente encanta!




Tharsila 25/06/2014

Mais do que o segredo de Jasper Jones
Me surpreendi com a história.

O compartilhamento de um segredo entre Charlie e Jasper é o enfoque, mas a trama torna-se bem mais que isso. Somos apresentados a personagens secundários que ajudam a entender a construção das relações naquela sociedade. O livro não é apenas sobre um segredo, é sobre dramas pessoais, amizade, laços familiares, perdas, traições, injustiças, sonhos.

O início da leitura, mais por curiosidade, levou-me a refletir a respeito dos valores que vão sendo moldados e aperfeiçoados conforme as condições do meio em que se vive.

Confesso que lá pela metade do livro já estava imaginando qual seria o desfecho da história, mas isso não diminuiu minha vontade de continuar lendo.

A narrativa é bem desenvolvida, e percebi o texto mais voltado para as emoções do que para as descrições. Ao terminar a leitura, fiquei com vontade de querer saber mais a respeito dos personagens, aquela sensação de "poderia ler, ainda, mais algumas páginas". E, como leitora, eu gosto muito disso.


E não tem jeito, foi inevitável imaginar como seria rodada esta história. Não sou entendedora de cinema, mas adoro cinema, e gostaria de ver esta história filmada. Nem sempre as adaptações resultam em bons filmes, mas um bom filme poderia ser construído com uma boa história como esta.









Lohan 12/01/2015minha estante
Eu também não deixei escapar essa estória sendo rodada!




Fabricio~Raito 11/11/2013

O Pêssego precocemente amadurecido
O Segredo de Jasper Jones é um livro que engana muito bem (no sentido positivo do termo): a capa e a indicação "infanto-juvenil". Quando você mergulha nas páginas, a história se revela em um nível incrível de complexidade, levando à indagações interiores.
Charlie Bucktin tem 13 anos e vive em uma pequena vila chamada Corrigan, na Austrália. O ano é 1965 e tudo é pacato demais para o adolescente. Até que certa noite, Jasper Jones bate em sua janela e diz que precisava de sua ajuda. Não fosse o fato de Jasper ser considerado o típico "mau exemplo" por todas as pessoas de Corrigan, Charlie titubeia na decisão mas resolve dar uma chance e fazer algo diferente. Infelizmente, o que esperava por Charlie era um crime que poderia colocar em cheque seus valores, sua forma de pensar e complicar ainda mais a fase de transição que estava vivendo.
Apesar de Charlie se mostrar claramente o protagonista, o leitor percebe que o fato é sempre colocado em dúvida ao se pensar em Jasper Jones (que poderia ser facilmente o protagonista, ou em outra forma de pensamento, o avesso do protagonista). Discriminado, Jasper é o típico "criança com corpo de adulto", também adolescente, com problemas em casa e de postura mais defensiva, que erroneamente é sempre julgada como agressiva pelos moradores de Corrigan. É injusto observar como o personagem é colocado em uma posição/rótulo que não condiz com sua essência, e Charlie parecia ter sido o único que conseguiu enxergar seu verdadeiro interior, resultando em uma amizade.
Charlie realiza, a todo instante, indagações pertinentes à sua idade, e que leva o leitor a também se perguntar as mesmas questões. Práticas, simples, mas sempre presentes. Percebe-se que o enredo traz uma faceta do "desenvolver precoce" da maturidade em um adolescente frente à um fato que exige uma postura/mente além de sua idade. Lidar com o medo, a culpa e a dúvida (todas derivadas do crime que evidenciou e claro, a própria puberdade) potencializa os questionamentos. Ressalto que tais fatos na leitura são pontos positivos.
Contudo, ao término da mesma, senti falta de algo palpável, ou de maior consistência. A escrita de Craig Silvey é muito boa, mas demasiada "pesada" em certas passagens. Senti falta de uma fluidez maior, condizente à passagem de tempo que ele circundou os personagens e fatos. A revisão da Intrínseca se mostrou boa (não ótima) e a capa, apesar de parecer meio deslocada (um pêssego) combina incrivelmente com o universo de Charlie e cia.
comentários(0)comente



Camile 15/02/2015

Uma surpresa!
Confesso que comprei o livro por três motivos: 1) pelo preço; 2) pela capa e 3) pela editora.

Sobre a história, resta dizer que foi uma das minhas melhores experiências como leitora. Diferente do que se espera, a capa não tem muito a ver com o trama central. Aliás, a trama central é, claramente, uma crítica à hipocrisia, ao abandono, à falta de sensibilidade...e muito mais. Lindo e, por vezes, um tanto triste.

Recomendo a qualquer pessoa, de qualquer idade.
comentários(0)comente



Rafaela 17/05/2014

o segredo de jasper jones resenha.
Eu não gostei do livro, para não falar odiei. O protagonista e chato, a história não se desenvolve, não tem ação nenhuma, a capa não tem a ver com a história inicial (que na minha opinião, deveria ser a principal) a história ficou totalmente confusa, sem um foco e as opiniões do protagonista me deixaram agoniadas, pois o livro é em primeira pessoa e o Charlie está muito confuso.
A ideia de que as relações familiares podem influenciar muito na vida de uma pessoa foi reforçada, porém foi somente no final.
Lineker 15/06/2014minha estante
Achei o livro péssimo. O mistério principal do livro, que se enrola por 200 paginas sem nenhum desenvolvimento é desvendado em poucas paginas de forma decepcionante para quem gosta de ler investigações.


Jessica 17/02/2015minha estante
Não acho que o livro tivesse o propósito de ser uma história investigativa, e sim uma história para se pensar bastante e refletir. Creio que ele trate muito mais que o desaparecimento de Laura, ou o Segredo de Jasper. Pelo que entendi, ele trata da hipocrisia e discriminação de uma sociedade; do bullying que é levado como se fosse uma mera brincadeira. Pelo que vi, as pessoas teem de ter mente aberta para esta leitura.




Alessandra 25/05/2014

Eu não conseguiria guardar este segredo!
Existem livros que você jamais imaginaria ler. Visualize então esta situação: você vai a uma bienal do livro e, dentre os muitos exemplares oferecidos por cada editora, se depara com uma mega promoção, oferendo diversas obras pela bagatela de R$10,00.

O que você faz? Bom, se você, assim como eu, é perdidamente apaixonado por um livro, provavelmente comprou tantos quanto pode. Foi assim com "O Segredo de Jasper Jones", que, para meu deleite, valeu cada centavo.

Craig Silvey escreveu essa obra para demonstrar a perda da inocência. Quando somo crianças, imaginamos um mundo onde as pessoas, todas elas, têm escrúpulos e se comportam em relação a diversas situações cotidianas da maneira mais justa possível.

Infelizmente, e assim como nosso querido Charlie Bucktin pôde perceber, nem tudo é um mar de rosas e, certamente, as aparências enganam.

Charlie, ou Chuck, como prefere seu querido amigo Jeffrey Lu, é um menino de 13 anos que sonha em ser escritor e, aconselhado por seu pai, lê insaciavelmente por horas a fio. Em uma dessas madrugadas Jasper Jones surge em sua janela, aos sussurros, pedindo que Charlie o siga sem mais explicações.

Eis então que nosso protagonista, ao chegar em uma clareira, descobre não o maior segredo da vida de Jasper Jones, pois este só nos é revelado ao final do livro, mas sim um fato que alterará o curso de sua vida e colocará Corrigan, sua cidade, de pernas para o ar.

Atordoado pelo que sabe, Charlie tenta viver sua vida sem pensar sobre o assunto. Porém, dada sua participação para encobrir os fatos do que presenciou aquele dia na clareira com Jasper, isso torna-se impossível.

Embora seu grande amigo Jeffrey esteja prestes a provar a todos que tamanho não é documento, com uma façanha memorável em uma partida de criquet, o segredo que compartilha daquela noite o assombra.

Não importa o quanto esteja desesperadamente atraído por Eliza Wishart, a qual vive um drama familiar em razão do sumiço de sua irmã, Charlie simplesmente tem medo de contar, e mais medo ainda de não contar a ninguém. Pior ainda seria descobrirem o grande segredo e algemarem ele e Jasper Jones.

É claro que não vou contar o segredo, apesar de estar me remoendo de vontade. Você precisa dar uma chance a Jasper Jones, e descobrir o quão obscuro a mente humana pode ser. Muitas vezes são as pessoas mais próximas de nós que nos surpreendem, noutras vezes são aqueles que não temos coragem de nos aproximar.

"O Segredo de Jasper Jones" é literatura obrigatória.
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



Lohan 12/01/2015

Encantador
O Segredo De Jasper Jones dentre todos os livros lidos a meses foi o único no qual posterguei semanas para concluí-lo, apesar do enredo não apresentar um tema nada feliz, os personagens da trama tornam ele adorável e incrivelmente perfeito, ele é de fácil "devoração" por ser composto de poucos capítulos mas de muitas páginas. Sinto saudades do Jasper, Eliza, Jack, todo ar de anos 60 que o livro aborda e é claro de Charlie, esse personagem me encantou e apresentou múltiplas personalidades afins a mim.
comentários(0)comente



Gabriela 24/01/2013

Pra se deparar de novo com as angustias da adolescência de modo inteligente e bem escrito, enquanto tenta-se entender os mistérios por trás da história.
comentários(0)comente



Raquel 16/06/2014

BLOG SWEET CORNER: O SEGREDO DE JASPER JONES, CRAIG SILVEY
Sabe aquela sensação de tristeza quando terminamos um livro bom? E que desejamos nunca terminá-lo e quando o fazemos desejamos um outro livro com uma continuação da história? É isso o que eu senti quando terminei de ler 'O Segredo de Jasper Jones'. E, sim, eu seguiria Jasper Jones.

Charlie Bucktin é um garoto de treze anos que ama os livros e sonha com o dia em que escreverá uma história surpreendente, irá publicá-la e com isso conquistará a admiração de todos e receberá vários prêmios pelo seu feito. Porém, é numa noite no intenso calor de 1965 que a história mais surpreendente acontece de verdade na vida de Charlie. Jasper Jones, o garoto cujo nome é sempre o primeiro a ser mencionado quando algum problema acontece na cidade de Corrigan, bate na janela de Charlie implorando por sua ajuda. Mesmo sabendo que é um risco andar com Jasper, ele não consegue conter a curiosidade e a emoção de uma aventura, assim, ele segue Jasper Jones. Entretanto, quando chega em uma clareira de Jasper, deseja nunca ter estado ali, pois é lá que Jasper revela o grande mistério por ter procurado Charlie naquela noite, quando nem ao menos os garotos se falavam antes desse dia. E é lá, naquela clareira, que os dois criam um vínculo inédito e incomum, afinal Charlie deve guardar segredo sobre o que viu para proteger o mais novo cúmplice, pois agora sente que conhece Jasper Jones melhor do que qualquer outro da cidade que o acusam de tudo. Assim, acompanhamos, na narrativa de Charlie, os acontecimentos que sucedem esse dia e percebemos com o pânico do garoto que nem tudo o que está exposto é o que parece.

"Sinto-me estranho, como se presenciasse algo muito pessoal. Como se tivesse ido sorrateiramente até a janela do quarto de Jasper e bisbilhotasse algo íntimo ali dentro. Eu deveria virar o rosto e desviar o olhar. Não devo compartilhar aquilo. Mas estou misteriosamente preso". - Charlie

'O Segredo de Jasper Jones' é um romance que te prende do início ao fim, com uma história misteriosa e tensa, mas ao mesmo tempo relaxante. Craig Silvey, o autor, aborda o sentimento de medo, coragem e injustiça em uma história envolvente e bem humorada. Além de tratar de amizade e amor com precisão, nos fazendo acreditar que os personagens envolvidos são totalmente reais. A história nos faz refletir sobre todas essas coisas de uma forma leve e compreender que o mundo em que vivemos é hostil, e que ele pode nos meter em um pesadelo algum dia, ou talvez não.

"E observo Jasper esmagar os cascalhos do acesso, com a mão aberta arrastando as pontas de erva altar, enviando sementes para o ar. E não consigo deixar de sentir que é a última vez que o verei". - Charlie.

Eu entendi que o segredo de Jasper Jones mostra como mudamos diante de uma mentira bem intencionada, será que vale a pena não fazer o certo para ajudar uma pessoa? Ou o certo é realmente o certo a se fazer? Essas perguntas não são respondidas, pois são os leitores que devem tirar a própria conclusão e, desse modo, pensarmos no - ou até mudarmos o - conceito de certo e errado que temos. Como está na sinopse, não vejo a mentira bem-intencionada como uma maldição, mas vejo que a mentira e a verdade são relativas, pois em alguns casos (como no de Jasper) tanto a verdade quanto a mentira poderá dificultar um lado e independente da escolha que fazemos entre esses lados, ficaremos angustiados ou com peso de consciência com o resultado de qualquer uma.

"E os pêssegos fazem com que eu me sinta bem. Sinto-me orgulhoso em segurá-los, porque sei o que custaram e tive a sensação de que um peso foi aliviado, assim que os peguei". - Charlie.

Por fim, como edição não há o que reclamar. A capa é adorável e ilustra bem o que a história transmite, porque apesar de o livro dar um friosinho na barriga em alguns momentos e a ansiedade predominar em outros, ele ainda é uma trama adolescente em uma cidade agrícola no ano de 1965, com toda inocência jovem, a perda dela conforme crescemos e a coragem que adquirimos diante dos nossos pêssegos (o autor usou essa fruta como simbolo do medo). Pois é, a capa mostra tudo isso mesmo. Porém, como sempre há algo que nos incomoda em qualquer coisa, fiquei um pouco irritada com todos os palavrões que a autor colocou, achei exagerado em algumas partes, mas eu entendo o motivo de eles estarem lá, se tratando de personagens adolescentes, no entanto, não eram tão necessários. A diagramação da Intrínseca está perfeita, o tamanho da fonte e dos espaçamentos estão na medida, dando conforto na leitura. Nota 4/5 para o livro, por conta dos palavrões!

POSTAGEM COMPLETA NO BLOG SWEET CORNER:

site: http://morethanaworld.blogspot.com.br/2014/06/resenha-o-segredo-de-jasper-jones.html#more
comentários(0)comente



Michelle Trevisani 29/06/2015

Envolvente e curioso
Acredito que estas duas palavras representem bem este livro: envolvente (não conseguia parar de ler, e me envolvi muito com as aflições, os medos do protagonista, e me imaginando o que eu faria na pele dele se participasse de algum segredo tão sem saber como ele foi submetido, ainda mais por ter 13 anos e quando somos crianças fazemos coisas tão impulsivamente e depois calculamos o que fizemos e se foi bom ou não); curioso porque apesar do segredo que envolve o livro inteiro ser descrito no começo, você passa o restante do livro tentando entender o que houve e como aconteceu, se realmente Jasper Jones é inocente ou não, se há inocentes ou não. O autor consegue te prender realmente. E o que achei mais interessante e o que mais me tocou foram os muitos conflitos familiares velados de pano de fundo. E como falta humanidade ao ser humano. Como muitas vezes omitimos fatos por medo, repetimos coisas que nem ao menos investigamos se são verdadeiras ou não e criamos esteriótipos por pura diversão. Mostra como o ser humano pode ser cruel, covarde e omisso. Fiquei realmente tensa em algumas partes. Uma ótima leitura, recomendo muito.
comentários(0)comente



Mari Novaes 04/07/2013

Você já imaginou estar em sua casa, no meio da madrugada, lendo ou fazendo qualquer outra coisa e de repente te chamam do lado de fora? Poisé… Isso é o que acontece com Charlie Bucktin. Ele estava em seu quarto e ouviu alguém chamar seu nome. Quem chamava era Jasper Jones, o garoto que era mal visto por toda a cidade.

Charlie é um ano mais novo que Jasper e os dois nunca tinham se falado. Por causa disso, ele ficou muito surpreso ao ver o garoto no seu quintal. Mas qual foi o motivo de Jasper ter ido na casa de Charlie tão tarde? Ele precisava de ajuda.

Mesmo com medo, Charlie foge da sua casa e segue Jasper até uma clareira, que é o lugar onde ele mais fica. Só que naquela noite não era apenas uma clareira qualquer. Ao chegar lá Charlie se depara com uma cena que ficará guardada para sempre na sua mente. A partir daquele dia ele e Jasper guardam um sinistro segredo.

Comprei “O Segredo de Jasper Jones” por R$7,90 na Fnac e acho que foi o R$7,90 mais bem usado da minha vida. Apesar de o livro ter esse título, o segredo não é apenas do Jasper, mas também é do Charlie e de outra pessoa (não vou falar porque é spoiler).

A história é narrada pelo ponto de vista do Charlie, que em algumas partes deixou a desejar. Fora isso, ele é um personagem bom de conhecer e maduro para a idade dele, que é 13. Conhecemos também o Jeffrey, que é o seu melhor amigo. O Jeffrey me ganhou, porque ele é engraçado, irônico e hiperativo. Apenas gosto de personagens assim.

O final é em parte previsível. Ao ir lendo o livro e prestando atenção, o autor dá pequenas dicas para o leitor chegar na conclusão certa. Eu cheguei em parte, mas o resto da trama foi surpreendente. Eu não imaginava um final como aquele. Para vocês entenderem um pouco, o mistério do livro é sobre uma morte (se vocês consideram isso spoiler, me desculpem).

O livro pode até entrar no gênero infanto-juvenil, mas a história é madura e boa o bastante para os mais amadurecidos gostarem. Minha nota para o livro, de 0 a 5, é 4.



site: http://desventurasembooks.wordpress.com/2013/07/04/resenha-o-segredo-de-jasper-jones-craig-silvey/
comentários(0)comente



De Cara Nas Letras 16/03/2015

O Segredo de Jasper Jones - Craig Silvey
Há algum tempo que eu vinha desejando ler O Segredo de Jasper Jones, no entanto, como eu moro em uma cidade onde livraria é coisa escassa, acabei me esquecendo de comprá-lo (pois nessa época eu ainda não comprava livros por sites de compras onlines), até que certo dia fui para a capital do meu estado e acabei encontrando ele em uma promoção custando apenas R$ 9,90. Não pensei duas vezes e efetuei a barganha, e aqui estou para contar minhas impressões acerca dele.

Charlie Buckitin vive em uma pequena cidade da Austrália chamada Corringan. Ele é um adolescente nada popular considerado o segundo mais inteligente de sua escola, perdendo apenas para o seu melhor amigo, de família vietnamita, Jeffrey Lu que é apaixonado por críquete. Charlie é acanhado e um leitor assíduo - não poderia ser por menos: seu pai é professor de literatura. Certa noite, em suas costumeiras leituras antes de dormir, acaba ouvindo um barulho em sua janela. Quando presta mais atenção, percebe que na verdade chamam por seu nome, e quando ele confere, visualiza Jasper Jones pedindo desesperadamente sua ajuda. Só que para Charlie existem inúmeros "poréns". Por que ele iria ajudar alguém que, além de nunca ter se dirigido a ele antes, é considerado um verdadeiro marginal típico, um mau exemplo? Confuso, ele decide que sim, irá ajudar o jovem que é um ano mais velho que ele.

Jasper Jones guia Charlie até uma clareia, o local secreto onde ele passa boa parte do seu tempo (fumando/bebendo/fugindo do mundo), e Charlie dá de cara com uma cena que o deixa atordoado e sem palavras. Mas que mesmo assim, no fim, ele faz o que o Jasper pede e ambos voltam para a cidade. O que Charlie não imaginaria era que essa ajuda oferecida iria acabar deixando seus dias mais complicados, afinal, nem todos sabem como guardar um segredo a sete chaves.

Charlie, nosso narrador, vai contando suas trajetórias, e à partir daí, nos aprofundamos mais sobre a origem vietnamita da família do Jeffrey, refugiados na Austrália, e que por isso, sofrem preconceitos pelos nativos que acham injusto eles estarem substituindo os soldados australianos que foram à guerra. Conhecemos Eliza Wishart, filha do governador do Condado e que estão a procura da segunda filha, Laura Wishart, dada como desaparecida. Por se tratar da filha do governador do Condado, a pequena cidade se enche de autoridades em busca da moça desaparecida, deixando-a bem conturbada. Outro ponto do livro é o sentimento que há entre Charlie e Eliza, e ambos ao decorrer do livro vão desenvolvendo de forma sutil e nada apressada esse sentimento.

Craig Silver escreve de uma forma tão descritiva que as cenas surgem em nossa mente como em uma tela de cinema, tudo é aos poucos explorado, e apesar desse inicio focado nesses dois personagens, com o decorrer da leitura vamos percebendo que na verdade o autor não quer tanto se prender a eles, o que torna o livro mais interessante, com Silver criando vários núcleos dentro de uma mesma história e, claro, interligando tudo de alguma forma.

No final, temos um amontoado de problemas que o autor vai desenvolvendo para só no fim ir soltando aos poucos, como se fossem bombas programadas, revelações que mudam a vida de alguns personagens e que nos deixa chocado. O Segredo de Jasper Jones é um livro com uma história muito original e que dificilmente deixa o leitor com sensação de está lendo algo previsível; pelo contrário, o autor consegue nos surpreender e até nos deixar sedentos por mais.

O final não deixou a desejar, começamos a leitura com uma incessante vontade de descobrir mais sobre o os mistérios dessa trama e o autor consegue responder todas as nossas perguntas. No entanto, ficou aquela curiosidade de saber o futuro e o que se sucedeu a cada personagem do livro, coisa que, creio eu, todo leitor quer saber, mas que não tira méritos do livro.

site: www.decaranasletras.blogspot.com
comentários(0)comente



45 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3