Homem-Aranha: Azul

Homem-Aranha: Azul Jeph Loeb




Resenhas - Homem - Aranha: Azul


15 encontrados | exibindo 1 a 15


Tim 14/09/2021

A dor de seguir em frente.
"Bom, não tem nada que eu possa fazer a respeito, e preciso aceitar isso. Quando a gente perde alguém que ama, todo mundo diz: "A vida não para. Tem que tocar a bola pra frente. Não se prenda ao passado, não é isso que ela ia querer." Isso me faz rir. Como se eu pudesse algum dia, esquecer você."

Homem-Aranha Azul é sem dúvidas o quadrinho mais humano que já li. Respeitando o trajeto do herói durante todos os anos nos quadrinhos, trabalha em uma visão introspectiva e tímida a dor de seguir em frente após perder alguém. O luto pesa. O arco de contrução feito ao colocar o super herói em posição de fragilidade perante a perda traz ao leitor o desconforto necessário para se identificar com o que está sendo contado. Para todos aqueles que já perderam alguém essa história vem como um grande soco no estômago, e também como um grande abraço, tudo ao mesmo tempo, e em mesma intensidade. Ao fim, mesmo que por episódios azuis, de fato a vida não para, porém, isso não significa que deixaremos ou que temos de deixar aqueles que amamos para trás. Eles seguem conosco todos os dias, mesmo que não aqui fisicamente. Verdadeiros amores não morrem em esquecimento.
comentários(0)comente



Isaac.Silva 29/08/2021

?Me sinto triste nessa época do ano, como a cor azul.?
A trama melancólica e romântica de 'Azul' apresenta um Peter Parker narrador da historia de seu grande amor, Gwen Stacy, e de como tudo chegou ao fim. [Essa foi a única HQ que me tirou lágrimas] é impossível não se emocionar com essa história vemos por um olhar diferente a perda de um grande amor de Peter Parker. Não era apenas uma morte simbólica, que fizesse o personagem principal passar por uma jornada heroica, como foi com o Tio Ben namorada do super-herói estava morta. Algo impensável, mas que consolidava assim o fim da ingenuidade nos quadrinhos. O ponto de virada. A importância que Gwen Stacy teve para a arte tem como paralelo a importância da personagem para o próprio herói. Para a própria mitologia do Homem-Aranha, o amigão da vizinhança, que naquelas revistas em diante, teria de se aventurar pelo mundo sem a sua namorada perfeita.
comentários(0)comente



Yuri 24/06/2014

Decididamente um dos melhores trabalhos da dupla Loeb / Sale, essa história passeia pelos momentos principais do jovem Peter Parker: o começo da sua amizade com Harry Osborn, o início do romance com Gwen, enquanto ao mesmo tempo conhecia a intempestiva Mary Jane.
Contado de uma maneira singela, ele mostra de um ângulo diferente, como tudo aconteceu, trazendo um novo frescor para uma história já conhecida. Nota máxima, e merecida.
comentários(0)comente



Jéssica 27/04/2021

Azul como a cor do mar...
Peter Parker ainda sente muita dor pela perda de Gwen Stacy e resolve gravar uma fita contando a história de como os dois se conheceram e se apaixonaram. É uma belíssima história. A cada quadro, Jeph Loeb e Tim Sale fazem com que tenhamos simpatia e identificação com o personagem por mostrar-lo em diversas atividades cotidianas, por sentir emoções que quaisquer um de nós poderíamos sentir, mas também enfrentando alguns vilões e sendo um super-herói.
comentários(0)comente



Anderson 11/01/2021

Perfeito
Poucas HQs tiveram o poder de me fazer sentir a dor do personagem como esse. Cada escolha de cena e diálogo do Peter é simplesmente sensacional.
comentários(0)comente



Ella ð 20/01/2021

Acabou comigo
Olha eu não sei nem oq dizer sobre isso aqui, nas primeiras paginas ja sabia q ia doer, e doeu. Toda a atmosfera azul no presente e super colorida no passado, o tempo enorme que o Peter perde sendo o Aranha e conhecer duas mulheres incríveis ao mesmo tempo, nossa eu to sem palavras.
comentários(0)comente



Joamildo 18/02/2021

o quão perfeito é isso aqui cara, nossa senhora, o jeito que a gente consegue sentir a dor do peter é surreal, poucos quadrinhos conseguem fazer uma coisa dessa. Hq maravilhosa!!!!!
comentários(0)comente



Heitor.Paiva 04/09/2021

Reforçando os fundamentos de Homem-Aranha como personagem
Homem-Aranha: Azul é uma curta mas tocante história que se inspirou e inspira até hoje os alicerces do personagem.

A arte de Tim Sale é incrível aqui, lembrando em muito o traço de John Romita Sr., e na minha opinião, caindo melhor na galeria de personagens do Aranha do que nas de Batman em O Longo Dia das Bruxas.

O roteiro de Jeph Loeb traz em poucas edições muito ao personagem de Peter Parker e todos que o rodeiam, tratando de uma história fechada mas muito impactante.
comentários(0)comente



Paulo 05/07/2015

Nota:8.7
Já faz tempo que queria ler esse material. Me tornei um grande fã da Gwen, primeiro e grande amor da vida do Homem Aranha, depois de assistir aos recentes filmes do cabeça de teia. Daí parti para os quadrinhos, tentando revisitar histórias clássicas e acompanhar mais da fase em que o casal estava junto. Mas o material é bem antigo, e além de ser difícil de ser encontrado, as histórias tem uma narrativa muito diferente das narrativas modernas. Logo, quando fiquei sabendo da proposta de Homem-Aranha Azul, corri atrás do material a todo custo. Procurei o encadernado, mas só o que consegui foi a minissérie em três edições lançada pela Panini no final de 2002. Infelizmente, acabei enrolando muito pra ler o material, e só finalizei a história agora, depois que a Salvat lançou uma versão em capa dura.
Antes de mais nada, Homem-Aranha Azul trata-se de uma belíssima e (infelizmente) trágica história de amor. Loeb revisita a história de como Peter conheceu o grande amor de sua vida, e que mais tarde morreria pelas mãos do Duende Verde, Gwen Stacy.
A história parte com Peter narrando os acontecimentos de como a conheceu, em um velho gravador encontrado no porão. O mais legal é que Loeb reconta toda a fase clássica do personagem, num tom um tanto quanto melancólico, revisitando as antigas histórias que mostram como surgiu a amizade entre Peter e Harry Osborn, como ele e Gwen se aproximaram, e até mesmo as histórias que apresentaram a futura mulher de Peter, Mary Jane. Tudo isso recontado numa narrativa mais moderna, e reunido em um único arco extremamente envolvente e emotivo. Se você é fã do herói, e principalmente se tem vontade de conhecer mais das histórias mais antigas do personagem, isso aqui é imprescindível!
A história também revisita histórias com a galeria de vilões clássica do herói, enquanto ele vai narrando suas ações como Homem-Aranha enquanto tenta se enturmar com os novos amigos, como Peter Parker. Particularmente, a pancadaria e a subtrama com os vilões são o que menos que interessaram na história.
Enfim, Homem-Aranha Azul é uma história belíssima, que presta uma bela homenagem ao personagem, e é um material indispensável para qualquer fã de quadrinho! E não tenha vergonha se quando chegar na última página uma lágrima rolar.
comentários(0)comente



Marieliton M. B. 21/01/2016

Oi, Gwen
O que falar desse quadrinho que mal li e já considero pacas!? Jeph Loeb e Tim Sale fazem uma obra prima dentro da mitologia do Teioso amigão da vizinhança.
Nessa história, temos um Peter Parker mais velho, já casado com a Mary Jane, que encontra um gravador velho no sótão de sua casa, e resolve narrar, passo a passo, como conheceu o grande amor da sua vida, Gwen Stacy. Sim, você leu certo. Apesar de estar casado com a famosa ruiva, Gwen sempre foi e será o grande amor da vida de Parker.
Desde a primeira troca de olhares até o dia derradeiro em que assumem o amor que sentem um pelo outro, vemos um Peter Parker lidando com dúvida do que sente pela Gwen e pela MJ, enquanto leva a sua vida de combatente do crime e fotógrafo favorito do J. J. Jameson. Enquanto a Gwen tenta conhecer melhor aquele “carinha esquisito” que chama tanto sua atenção e ainda ter que “enfrentar” uma ruiva que apareceu no pedaço e parece estar interessada nele também.
A leitura desse gibi é muito prazerosa. A arte e os diálogos casam muito bem. Quando for contar pra alguém que uma hq pode sim ser emocionante e poética, Homem-Aranha Azul será o meu maior exemplo.
comentários(0)comente



daniel.gumiero 08/05/2016

uma das melhoras estorias do Aranha
quando se trata do Homem Aranha, talvez um dos melhores momentos que ele passou teve um nome: gwen.
nesta estória descrita lindamente, vemos atraves do proprio relato como que tudo isso ocorreu, desde os primeiros olhares ate até quando eles começaram a namorar, demonstrando que embora Mary Jane seja seu amor, ela sempre terá uma companhia na divisão de seu coração.
Vale a pena conferir uma estória que carrega muito maos emoção que qualquer livro de romance, e com sua devida profundidade também.
comentários(0)comente



Luciano Luíz 18/03/2019

HOMEM-ARANHA - AZUL é uma releitura de um dos grandes clássicos do aracnídeo, mais precisamente, da morte de Gwen Stacy. Aqui o roteirista JEPH LOEB recriou a atmosfera da época numa narrativa espetacular na arte de TIM SALE (essa dupla também trabalhou maravilhosamente com Batman). Mesmo alicerçando-se no original, há muitas coisas novas. Na minha opinião ficou infinitamente superior. Sente-se o sentimento de perda no coração de Peter e o quanto há de pressão em exercer sua função de herói ainda que vivendo em meio a tantos problemas íntimos. Não tem muito o que falar, essa é uma daquelas histórias que funcionam até para quem nunca leu o Aranha. Fazia anos que estava na estante e aproveitei o domingo chuvoso para balançar ao lado do amigo da vizinhança. É mais que recomendado.

L. L. Santos
comentários(0)comente



Fabio 29/08/2021

  ?O blues é tanto um estado de espírito quanto um sentimento, não necessariamente de tristeza e depressão, embora na maioria das vezes seja assim." 
Eric Hobsbawm -  História Social do Jazz

Minissérie dividida em seis volumes e publicada em 2002 que faz parte da, posteriormente, chamada quadrilogia das cores. Roteirizada por  Jeph Loeb e desenhada por Tim Sale que conta uma estória narrada por Peter Parker registrando as suas memórias em um gravador sobre seu amor trágico e inesquecível pela Gwen Stacy. Um conto sobre se apaixonar, sobre as conquistas da vida e sobre quando a realidade crua nos acorda de nossos sonhos mais ingênuos. Essa é a vida do Homem Aranha, e sua sorte de Parker, que sempre faz algo muito ruim acontecer justamente quando achamos que tudo está bem.  

A quadrilogia das cores foi escrita pensando sempre na proposta de cada cor ligada ao seu protagonista, relacionando seu significado na cultura estadunidense. Assim, por exemplo, temos um Demolidor Amarelo onde a cor, que representaria a covardia, se relaciona a um ?homem sem medo? ou um Hulk Cinza que está sempre na linha entre o bem e o mal sendo um cientista racional, e aparentemente calmo, que guarda dentro de si um monstro pronto para explodir em fúria. Logo, Homem Aranha Azul trás toda a dor, tristeza e melancolia que a palavra ?blue? significa para o imaginário dos Estados Unidos além, claro, de outras culturas

Continue em...

http://maramuzan.blogspot.com/2021/08/homem-aranha-azul.html?m=1
comentários(0)comente



slakkkj 16/09/2021

MELHOR HISTÓRIA
essa história é incrível, é a minha favorita do Aranha pq conta com mt detalhe como ele lidou com a morte da Gwen e foi minha primeira leitura que me fez chorar KKKKKKKK, enfim mt bom
comentários(0)comente



15 encontrados | exibindo 1 a 15


Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com a Política de Privacidade. ACEITAR