O Clã dos Magos

O Clã dos Magos Trudi Canavan




Resenhas - O Clã dos Magos


269 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 |


Nith 09/10/2019

Vamos começar pela tradução, ela tem várias falhas que tornam a leitura um pouco confusa. E porque não traduzir as bebidas, comidas e os nomes dos animais? Achei meio sem noção isso (apesar de no final ter a tradição de tds as palavras)
Também teria sido melhor se fosse identificada a idade em media dos personagens eu comecei o livro achando que Sonea era uma criança e acabei achando que ela era uma jovem mas sem ter certeza, só descobri sua real idade no segundo.
O livro começa bem lento, até a pagina 100mais ou menos não me senti presa ao livro. Simplesmente não me envolvia. Mais depois disso a história começa a andar mesmo ainda um pouco devagar. A 2° parte do livro é bem mais envolvente e o final trás reviravoltas e revelações interessantes.
A história em si é bem interessante e as cenas são detalhadas na medida certa, sendo fácil de imaginar.
Eu acho que realmente vale a pena ler.
comentários(0)comente



Andréa 05/10/2019

Tem que ter paciência
O livro é muito lento, a primeira parte é bem desinteressante e só acelera perto do final. Porém, oferece uma reviravolta que me prendeu bastante.
comentários(0)comente



Amanda Bento 07/09/2019

Ótimo pra conhecer mais sobre magos
Eu, que sempre optei por personagens de d&d e mmo que dessem porrada, nunca gostei muito de magos, mas depois desse livro passei a ama-los. Trudi escreve muito bem e tem uma técnica que desenvolve cenas na medida certa de detalhes. Estou ansiosa pra ler os proximos.
comentários(0)comente



Bru 04/09/2019

Perfeito
Sem palavras para esse livro magnífico. Uma história de fantasia inusitada (pelo menos do que eu conheço).
A história é envolvente e Sonea é muito sábia e inteligente.
As intrigas e problemas no "time" perfeito, sem nada surreal e com um suspense muito bom.
Amo muito Sonea, Rothen, Dannyl e agora o administrador. Imagino toda a trama que vai se desenrolar em cima de como o livro terminou, que foi surpreendente, pois ao mesmo tempo solucionou o caso e abriu portas para um novo desafio.
comentários(0)comente



maria 17/08/2019

Leiam essa obra prima eu imploro
Ok essa foi a melhor promoção de um livro do submarino da minha vida. Comecei com zero expectativas, e me surpreendeu muito! A narrativa da autora é maravilhosa, eu simplesmente não conseguia parar de ler. É um suspense e mistério perfeito, ainda com aventura e a dose certa de romance.
Tem uns personagens tão fofos e incríveis que dão vontade de abraçar e colocar em um potinho (cof Dannyl, Rothen cof cof)
Foi um daqueles livros que passei horas a fio de madrugada lendo, e depois me arrependi de ter lido tão rápido. O primeiro livro pode ser meio devagar beem no começo, mas depois de umas 50 pag ele entra no ritmo. O segundo e terceiro livros são MARAVILHOSOS, acontecendo cada vez mais coisas que você não imagina que aconteceriam de jeito nenhum. Enfim, leiam por favooooor
comentários(0)comente



Ela 06/08/2019

"Diz-se, em Imardin, que o vento tem alma e que geme pelas ruas estreitas, porque está entristecido pelo que encontra lá." - Trudi Canavan
A história se passa Imardin e é protagonizada por Sonea, uma jovem pobre que vive nas favelas do reino junto com a maior parte da população. O reino é estruturado por um sistema monárquico, seguido dos magos que além de serem detentores dos privilégios econômicos, alimentam a crença de que a magia só pode ser despertada por outro mago, então as crianças das favelas nunca são testadas... Um vez por ano a população é submetida ao momento da purificação, que é quando o rei ordena ao Clã dos Magos que limpe a cidade dos pedintes e criminosos, e é ai que a trama começa a se desenrolar. Quando junto com alguns jovens na praça Central, Sonea começa atira pedras contra os magos (protegidos por seu escudo de magia) num momento de imensa ira, sua pedra ultrapassa a barreira e atinge um deles na cabeça. Atordoados pelo fato ter acontecido, os magos logo se recuperam do susto e dão início a uma busca incessante por ela, pois se não aprender a controlar seus poderes rapidamente, esse dom pode não somente consumi-la, mas também destruir toda a cidade. Achei que a história demorou muito para engrenar, em alguns momentos quis para de ler o livro mas gostei da construção do mundo de Imardin e fiquei curiosa pra ver se os próximos volumes seriam melhores... escrevi as resenhas após terminar a saga completa e acho q a o livro vai evoluindo até o fim.
comentários(0)comente



Loruama.Batista 19/07/2019

O clã dos magos
É um livro até que legal, o único problema é que os personagens tomam decisões muito precipitadas e muita das vezes acabam com a cara na parede por causa dessas decisões. Mas é um livro bom com uma história envolvente que da pra terminar no mesmo dia sem esforço.
comentários(0)comente



Nina Vinhas 30/06/2019

Tenso e fascinante!
Imardin é um reino dividido entre a pobreza e a riqueza. De um lado as Casas, o Clã dos Magos e o Rei. Do outro, as favelas cheias de pessoas vivendo na miséria e lutando para sobreviver.

Sonea é uma favelada que vive com os tios e, como todos de sua classe, odeia os Magos, pois eles nunca fizeram nada para ajudar os pobres. Durante o ritual de Purificação, cujo objetivo é acabar com os mendigos, criminosos e vagabundos, Sonea resolve jogar uma pedra na barreira mágica que envolve os Magos junto com vários outros jovens ali presentes. Para sua própria surpresa, ao contrário das outras pedras, a sua atravessa a barreira e acerta um dos Magos. É a prova de que ela, mesmo sendo uma favelada, também é uma Maga.

Então começa uma corrida contra o tempo. Enquanto Sonea foge e se esconde dos Magos com medo de ser morta contando com a ajuda de seu amigo Cery e dos Ladrões, uma classe nada confiável, o Clã a busca desesperadamente, pois, a cada segundo que passa, seu poder aumenta e uma tragédia se avizinha.

O Clã dos Magos é uma leitura fascinante. Amo os universos mágicos e com esse não foi diferente, mas admito que tive um pouco de dificuldade para ficar imersa na leitura no início porque me pareceu que a autora assumiu que já conhecíamos seu universo, pois não explicou nada. E o glossário e o dicionário no final só me atrapalharam porque li em e-book. Preferia notas de rodapé.

A narrativa é em 3ª pessoa, mas é dividida entre Sonea e Cery de um lado e Dannyl e Rothen do outro. Gostei muito desses 4 personagens, mas admito que Sonea me irritou muito por demorar horrores pra confiar em Rothen e, no entanto, confiar em Fergun em fração de segundos. Mas isso não me impediu de amar o livro e já ansiar terminar a trilogia. Recomendo "O Clã dos Magos" para todos os amantes de uma boa fantasia!
comentários(0)comente



KK 29/06/2019

Intrigante
O grande problema de ler livros traduzidos é que a gente nunca sabe se as falhas são do texto original ou do tradutor.

Infelizmente isso acontece em O Clã dos Magos. Lendo o primeiro parágrafo, achei confuso. Não me atraiu. Mas era só o primeiro parágrafo de uma trilogia. Então, resolvi dar uma chance e ler algumas páginas.

Não me arrependi. A história é daquelas que te prendem e fazem você devorar um capítulo atrás do outro.

Este livro aborda todo o tempo as diferenças entre classes sociais, hierarquia e preconceito. O quanto os moradores da favela sofrem diariamente para conseguir sobreviver, enquanto os da cidade possuem casas enormes e comida de sobra.

Achei bem interessante a abordagem. O preconceitos das Casas e dos Magos que pensam que todos das favelas são ladrões e imundos. O preconceito dos favelados achando que todo mago é assassino e os desprezam.

Esse atrito fica ainda mais evidente quando o Clã descobre que uma favelada consegue fazer magia. Nenhum mago nunca nem cogitou procurar potencial mágico na população das favelas. O surgimento de Sonea é como um soco no estômago.

É interessante ver como Sonea reage à magia, desejando não tê-la enquanto a maioria das pessoas faria qualquer coisa para ter um potencial mágico.

A relação de Sonea com Rothen é outro ponto que chama atenção quando, dia após dia, ambos começam a se despir de seus preconceitos e passam a entender melhor o universo do outro.

Três coisas me incomodaram muito durante a leitura:

Os itálicos nas gírias. A gente sabe que é para frizar que a palavra está escrita coloquialmente, mas um itálico a cada "tá" ou "cê" quebra o ritmo da leitura.

Segundo ponto: nomes de animais e frutas sem nenhuma tradução ou descrição. Ok, tem uma lista ao fim do livro, mas valia muito ter colocado notas de rodapé para não deixar o leitor perdido.

Mas de tudo, o que mais me incomodou foi não ter a mínima noção da idade dos personagens. No começo, você acha que Sonea é uma criança. Depois descobre que não é bem assim. Lá pelo meio aparecem personagens de meia-idade, que não significa muita coisa em um mundo fictício onde não se tem noção da média de vida das pessoas.

Parece besteira, mas isso me incomodou em diversos momentos, sobretudo nas favelas, onde os personagens são mais novos, mas não tanto quanto parece no começo da história.

Fora isso, é um bom livro. Se você gosta de fantasia e ação, essa história atende bem aos requisitos.
Nith 08/10/2019minha estante
Concordo em tudo. Várias partes são confusas, não da pra saber se é assim originalmente ou se foi erro de tradução.
Os nomes sem trad




Nan ® 15/03/2019

Favoritei no coração e oficializo no Skoob!
Após um infeliz incidente no dia da Purificação, Sonea descobre ter aptidões mágicas e o clã mais poderoso e influente de magos dedica-se a caçá-la. A vida como conhecia deixou de existir, tudo mudará completamente, em todas as estradas há escolhas difíceis pela frente e as sombras dum segredo perigoso demais enterrado na mente. Fato: às vezes estamos no lugar errado e na hora errada, e pagamos o preço da inocência.
Li somente o primeiro volume da trilogia, estreio o próximo logo em seguida. Coloquei, assim, todas as demais leituras de lado, e não foram muitos livros que me levam a isso. A obra é sublime, embora a princípio o intento da autora foi muito sutil e mais saliente nos entremeios. Melhor elucida-se a Trilogia do Mago Negro: um livro, que foi dividido em três e O Clã dos Magos é a introdução. Não se espera, portanto, aventurar nessas páginas com grande expectativa, ou a hemorragia é infinda e deixará o livro no canto a fim de contê-la. Já a autora não precisa nos conscientizar dessa questão, pois os títulos da obra são a conscientização, entende-se o crescimento de Sonea na própria vida e como vem sendo tratado.
Não sei se, agora que fui cativado por O Clã dos Magos, terei outras gratificações e menos desilusões com A Aprendiz ou O Lorde Supremo, mas pelo que notei no primeiro livro, aposto no potencial de quem lapida bem a sua obra.
A narrativa é, em vista disso, serena e parece estender-se; dado que o primeiro volume versa a medula espinhal da história, questões referentes ao mundo fantástico e à sociedade em que estamos situados. Explorados, é claro, sob a perspectiva dos personagens, levando-nos a ligar os pontos e vislumbrar o todo a que nos fomos limitados.
Há uma ênfase, mormente devido à caça de Sonea pelas favelas, das questões sociais, que exploraram o suficiente da questão; há dois lados duma moeda, embora o desprezo “da idade dos favelados” foi raso. O quesito em questão: é compreensível os dramas apresentados em ambos os lados, e mesmo o lado raso salienta profundamente as condições socioeconômicos dos favelados (ou quantos letrados espera encontrar? A formação de opinião das massas nem sempre será a mais articulada).
Toda palavra na obra é proveitosa, não enche linguiça, e eu gosto disso. Tem um sentido e objetivo tátil.
O Clã dos Magos me cativou especialmente nesse princípio, pois são questões que nos levam a entender que haverá, sim, mudanças. Essas mudanças fascinaram meus olhos à medida que imaginei o fim da obra, além de concederem todo um sentido ao que se aguarda desses encontros entre os personagens e as influências resultantes em suas vidas. Algo vai mudar, e a ideia de mudança instiga.
Aprendi, ao longo de minha existência literária, que não se cria expectativas com livros, mas também amo reviver e reaprender como é deleitoso criar essas expectativas. Conforme lemos bastante, tornamo-nos mais resistentes, e as exceções nos preenchem de prazer.
Diferente, portanto, de muitas obras que nos acostumamos, a autora explora com calma questões rapidamente trabalháveis. Essa escolha nunca trará um resultado perfeito, mas também não foi ruim. Graças à toda aquela perseguição nas favelas, quase meio do livro, conhecemos os personagens, mas ninguém ganhou de Cery nesse começo.
Vale dizer que Sonea teve um início de coadjuvante, espectadora da própria vida; tal como nós somos às vezes e outros, a vida inteira. Dado a proposta em si da obra, a construção de Sonea cativa, pois é, apesar de tudo, sensata e inteligente, que nasceu desprovida de recursos e, dado o contexto social, dum futuro. Seu crescimento é gradativo e, quanto à pessoa, advém logo depois dos entremeios da obra. Mas não espere uma deusa nascendo com um clique, ainda temos A Aprendiz! (A mentalidade que temos quando lemos um livro define e muito o que sentimos, acredito que se tivesse outra mentalidade, não teria um coração nesse livro e só uma troca disponível.)
A complemento, Sonea tem personalidade, comprovada em certas questões, mas muito o que crescer.
Dado que Sonea “estava de férias”, Cery foi o personagem principal até os entremeios da obra... não vou discursar muito quanto aos personagens exatamente por conta disso, foram apresentados, gosta-se de alguns, mas não se sabe tanto disso. Cery ganhou nossa simpatia, e tem o seu carisma.
Danny (nessa intimidade toda!) tem um pouco menos, mas vem logo atrás. Agora Rothen (este não “pega” bem diminutivos!) vai além de todos, a relação aprendiz e mestre enleva. Gostei muito de Rothen, da maneira que passou a, brevemente, questionar as questões sociais (o que pode nos agraciar com algum aprofundamento) e de como lapidara Danny (sim, são amigos e antiga relação de mestre e aprendiz; Rothen é de certa forma a causa de gostarmos tanto de Danny, o que aquece nossos corações quanto a Sonea e à A Aprendiz).
Em geral, os personagens trazem uma linha de sensatez humana e não vi os dedos invisíveis do autor na trama. Porque mesmo o "primeiro vilão”, pouco se espera dele; a obra mostra que, através dos seus feitos e personalidade, nada há para esperar dele.
Amei não apenas a obra quanto a autora, muitos livros subestimam a inteligência do leitor ou nota-se uma facilidade na trama, em nome e glória do autor; Trudi Canavan, contudo, é indireta. Um estilo que muito aprecio e identifico. Caso mantenha-se assim, deixarei de controlar o anseio de mostrar o quanto me senti fã dela com esse livro e acessar à sua página no Skoob... nem que seja por conta duma trilogia, estou disposto a clicar no coraçãozinho, porque a sensação que me trouxe vale mais do que isso.
Enfim, foi um livro introdutório. Abordarei mais os personagens depois. O fim da obra foi bom e me fez seguir para o próximo livro, não tive decepções, apenas uma eletricidade de alegria insaciável.
Tais foram as minhas primeiras impressões da obra.
Abraços!
comentários(0)comente



Man 06/02/2019

Achei o livro bom muita página para pouca ação, fiquei incomodada com algumas ações da personagem, mas entendi visto que ela não confiava nas pessoas.
Espero muito que com os outros livros a história se torne melhor e com mais ação. Rumo ao 2 livro da trilogia!
comentários(0)comente



Cris 28/01/2019

Adorei!
“Todos temos a habilidade de esconder aquelas partes de nós que desejamos manter reservadas. /caso contrário, nenhum de nós sequer permitiria a outra pessoa entrar em sua mente.” Pág. 290

A história se passa na cidade de Imardin, e não sabemos exatamente em qual período, mas pelas descrições, lembra muito um cenário da Idade Média.

Sonea é uma jovem habitante do subúrbio, ela mora com os tios e vivem uma vida humilde. Muito diferente dos magos da cidade.

Os magos vivem em uma fortaleza, cercados por luxos e só vêm à cidade a pedido do rei, para expulsar os ladrões e os pedintes que ficam pelas ruas.

Em uma dessas visitas, Sonea, revoltada com a presença dos magos e com toda a injustiça, consegue atingir um dos magos com uma pedra, de alguma forma quebrando a barreira de proteção que os cerca. Despertando a ira dos magos, ela foge e passa a se esconder da perseguição que se desencadeia.

Os magos precisam capturá-la, pois nenhuma pessoa com poderes mágicos pode estar livre, ainda mais nas favelas, sem treinamento adequado.

Eu tinha este livro parado na minha estante há séculos, e como foi bom dar uma chance para ele. Aliás, tenho a série completa e já quero dar sequência.

Apesar de a maior parte do livro se desenvolver bem lentamente, pois é basicamente só a perseguição dos magos a Sonea, eu amei demais a história.
Adorei os personagens, especialmente alguns dos magos, e o relacionamento da protagonista com eles.

Uma coisa que achei muito interessante e muito bem explorada, ainda mais sendo uma história de fantasia, foi a diferença entre as classes sociais. Eu percebi nisso uma crítica da autora a essas diferenças, e ao preconceito que existe por parte das classes mais altas da sociedade, e também da desinformação por parte das classes mais baixas.

Enfim, adorei a narrativa da autora, que possui um toque de leveza e muita diversão, e achei a história muito criativa, diferente de tudo o que já li do gênero.

“Os heróis tendem a ganhar força improvável quando o conto é narrado vezes sem fim.” Pág. 358


site: https://www.instagram.com/li_numlivro/
comentários(0)comente



Tamirez | @resenhandosonhos 21/08/2018

O Clã dos Magos
Fazia muito tempo que eu tinha vontade de iniciar essa trilogia, mas ela acabava sempre diminuindo por não ver as pessoas falando sobre e ver os livros sempre esquecidos. Também não consigo ligar muito a Novo Conceito à fantasia e, apesar de ter “lido” o livro através de um áudio book e não ter tido a experiência direta com a edição física, vejo o pessoal falando que há bastante erros nela.

Acho que a primeira coisa que já quero tirar do caminho é que essa é uma trilogia onde a coisa demora um pouco pra engrenar e que esse primeiro livro é imensamente inferior aos outros dois, principalmente o último. Como estou escrevendo essa resenha depois de ter lido os três, já posso sinalizar pra vocês que a coisa só melhora. Falo isso porque me deparei com vários leitores que desanimaram com o primeiro livro e ainda não seguiram em frente.

“Respirando fundo, Sonea olhou fixamente para o livro e desejou que se movesse. Nada aconteceu.”

O Clã dos Magos é uma apresentação desse mundo, de Imardin, da nossa protagonista e da lógica política do reino. Porém, o que acaba prejudicando é a demorada e desnecessária atenção dada ao primeiro ato da história. A protagonista descobriu que possui um poder e é claro que os magos irão atrás dela, porém não precisávamos acompanhar essa brincadeira de gato e rato por tanto tempo.

50% do livro ou mais consiste em ela fugindo de um lado para o outro, mas eu enquanto leitora ficava apenas me perguntando porque não soava óbvio para ela, como soava para mim, que a escolha mais sábia era ela se entregar e aprender a controlar o poder que corria o risco de matar todo mundo ao seu redor? Mas Sonea simplesmente ia pulando de esconderijo em esconderijo.

Nesse primeiro livro ela se mostra uma menina corajosa, porém muito indecisa, e todo o drama desnecessário desse livro poderia ter sido facilmente condensado em poucas páginas, fazendo dessa trilogia uma duologia.

Ai se você juntar essa enrolação com o fato de que há pouca profundidade na história, fica completamente justificável o fato de os leitores não darem continuidade a trama, principalmente porque os outros volumes são ainda maiores que esse. E, algo que me incomodou muito nesse livro foi a falta de sinônimos, o que é claramente um problema de tradução. As vezes a palavra favela é falada várias vezes na mesma frase ou parágrafo, deixando o texto extremamente pobre.

Meus personagens favoritos nesse livro são o Rothen e Dannyl, gosto muito do papel curioso e protetor do primeiro e da posição indiferente do segundo. Eles são personagens que crescerão muito nos livros, mesmo tendo suas posições mudadas ou fracionadas conforme a história caminha. Sonea só sobe no meu conceito no fim do segundo livro, porque ela ainda tem muito a crescer.

A trilogia do Mago Negro é uma fantasia com um mundo interessante de magos e culturas, mas que é pouco comentada por aqui. Com o primeiro livro sendo um pouco fraco é completamente compreensível, mas posso garantir pra vocês que a história melhorará bastante e se você encarar a leitura, o final virá a valer a pena.

site: http://resenhandosonhos.com/o-cla-dos-magos-trudi-canavan/
comentários(0)comente



Porco 24/07/2018

#2 A Trilogia do Mago Negro Livro 1: O Clã dos Magos
O livro não enrola e os acontecimentos importantes já começam nas primeiras páginas. O que eu gosto muito em uma história é a ideia de que alguém muito normal – ou até abaixo da média e desacreditado – pode vir a ser alguém poderoso e respeitado, pois tem potencial adormecido dentro de si.

Leia a resenha completa no link!

site: https://porcoleitor.wordpress.com/2018/05/18/2-a-trilogia-do-mago-negro-vol-1-o-cla-dos-magos/
comentários(0)comente



Thalles.Haydan 23/07/2018

O clã dos magos
Gostei bastante, achei um pouco arrastado em algumas partes, mas o fechamento desse livro é sensacional. É um livro bem escrito, feito com todo um cuidado para que nada tivesse falta de coesão, uma história bem encaixada, eu realmente devo dizer que é um livro que quem sabe no futuro eu não o releia... Realmente recomendo o livro!!!
comentários(0)comente



269 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 |