Shadows

Shadows Ilsa J. Bick




Resenhas - Shadows


1 encontrados | exibindo 1 a 1


De repente, no último livro 08/02/2017

Melhorou bastante em comparação ao primeiro livro...
Shadows começou exatamente do ponto em que Ashes termina, porém, em Shadows temos uma mudança que, para mim, foi muito positiva. Há desta vez um intercambio de narradores, que traz mais agilidade à história e tira o foco em apenas um personagem.
Alex, Tom, Chris e Peter voltam para imergir o leitor nesse mundo sem esperanças e desta vez conheceremos também à novos personagens que, pouco à pouco, adquirem enorme importancia, como Lena, Weller, Finn e, em especial, Lobezno, um garoto zumbi que desde o principio despertará a curiosidade do leitor.
A narrativa continua em primera pessoa, porém, como já dito anteriormente, esse intercambio de personagens foi todo um acerto, já que deixou a história mais intrigante, ao apresentar-nos o ponto de vista de cada um e suas verdadeiras motivações.
O principio pode parecer um pouco confuso, já que o livro apresenta diversas situações distintas, de acordo ao que cada personagem esta passando. Se agradece à editora, a Nocturna Ediciones, que teve o cuidado e a consideração de nos deixar um pequeno resumo do livro anterior, em suas primeiras páginas, para que o leitor possa assim relembrar com mais facilidade a história, já que essas sagas de livros, às vezes, demoram para ser publicadas inteiramente.

A ambientação é o que mais me fascina na saga de Ilsa J Bick. É certo que todos os fatos se desenvolvem no mesmo lugar, porém, a maneira como a autora narra e descreve até mesmo as mudanças climáticas conseguem meter o leitor na história e fazer-nos por muitos momentos nos sentir parte de tudo o que é contado.

O final te deixa com muita ansiedade para encerrar a série e ler seu desfecho definitivo, Monsters, um livro bastante largo que promete trazer as respostas que desde Ashes são esperadas pelo leitor.

Shadows me fez sentir de várias maneiras. O principio não me prendeu e pareceu-me confuso. Por já ter terminado Ashes com um sabor agridoce, já que a situação de Alex em Rule não me chamava particularmente a atenção, comecei Shadows praticamente sem esperar ser surpreendida.
Aos poucos o incomodo ia desaparecendo, principalmente ao dar-me conta de que Alex já não adquire o protagonismo total, e que teríamos mais sobre outros personagens como Peter e Tom.
Em poucos capítulos eu ja estava completamente presa à história, devorando cada página movida pela curiosidade. A entrada de um garoto zombie, chamado Lobezno, traz toda uma reviravolta á história, pois Lobezno é um personagem diferente, intrigante e que certamente ainda terá um rol fundamental no desfecho final, Monsters.
Também me intriga o desfecho que se dará ao povoado de Rule, que certamente esconde mais segredos do que se poderia supor em um primeiro momento.

Quando me acercava ao final, o ritmo de leitura voltou à decair. O lado mais romântico da história volta à querer se sobrepor com força nos capítulos finais, e confesso que isso fez decair bastante meu ritmo de leitura, já que esta trilogia é uma daquelas onde o romance realmente não faz a menor falta. Na verdade, a meu ver, melhor seria que a autora ignorasse de uma vez o lado romântico para trazer-nos mais sobre a história de luta e sobrevivência que a premissa inicial nos promete.
Nao vou negar que estou segura que Monsters terá seus capítulos mais enjoativos, até porque se trata do desfecho da trilogia e, a história de Chris, Alex e Tom deve ser finalizada, porém, espero que esses momentos não alcancem demasiada importancia, ja que o que mais move o leitor é certamente a curiosidade por conhecer as respostas à tantas perguntas planteadas pela autora ao longo de Ashes e Shadows.

Em resumo, Shadows teve suas falhas, porém, o ritmo alucinante, carregado de cenas de ação e momentos assustadores ao melhor estilo The Walking Dead conseguiu deixar-me com expectativas para ler Monsters. Esse intercambio de narradores consegue enganchar o leitor e, torna mais fácil apegar-se aos personagens, uma vez que passamos a entendê-los melhor.
Certamente recomendo a trilogia, pois é uma leitura de ritmo bom, intrigante e com uma história imprevisível que por muitas vezes nos pega de surpresa.

site: http://aliceandthebooks.blogspot.com.br/2017/02/review-130-shadows.html
comentários(0)comente



1 encontrados | exibindo 1 a 1