Albertine

Albertine Décio Gomes




Resenhas - Albertine


22 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2


Karine.Campos 25/04/2018

Albertine
Conheci "Albertine" por um acaso desses inexplicáveis que transformam sua visão do universo literário. Ano passado fui visitar uma grande amiga e escritora @escritoraliviamessias na Bienal do Livro em Recife, e como ela sabia do meu amor pelo terror me apresentou ao Décio e com isso conheci As Crônicas Ridell, do qual Albertine é o primeiro volume.

Não sei porquê demorei um tempo para começar a leitura, mas quando comecei simplesmente não consegui mais parar, li Albertine em um dia e trilogia em três. Dizer que gostei de Albertine é muito pouco, eu simplesmente amei!
A forma como Décio escreve nos faz mergulhar na história. Eu me senti como um personagem no livro. Nesses três dias, que me dediquei a leitura, eu realmente vivi na mansão Ridell, eu torci e sofri com Albertine, Rosa, Jeremy e os demais personagens. Senti seus medos, suas dúvidas e seu amor.

Décio me fez sentir como há muito tempo não me sentia ao ler um livro de terror eu fiquei completamente atemorizada, ao ponto de algumas vezes não querer ficar no escuro. O que mais querer de um livro de terror? Obrigada Décio por me apresentar Albertine e Rosa. Elas serão para sempre duas amigas queridas

site: https://www.instagram.com/amigasdaliteratura
Lívia @escritoraliviamessias 21/05/2018minha estante
Corre, Albertine! Essa trilogia é maravilhosa! Obrigada por ter acreditado na minha dica e ter abraçado a literatura nacional.




Lívia @escritoraliviamessias 25/04/2018

Excelente!
Albertine não tinha a menor ideia de que aquele menino pálido, de cabelos escuros, e seu melhor amigo, também seria o amor da sua vida. Essa vida que ela, até então, achava possuir total controle. Engano.
A escrita de Décio Gomes vai te fazer viajar alguns séculos para apresentar uma família influente, bem-sucedida e misteriosa. Os Ridell são aquela caixinha bonita esquecida num sótão há anos e que você não tem certeza por que inventou de abrir. Albertine não teve muita escolha, é verdade, a vida não lhe deu essa chance. Tudo bem, certo? Talvez. Muitas vezes você sentirá vontade de tomar sua mão e dizer "Corra, Albertine", enquanto também corre. Sim, porque vai dar vontade de correr junto em muitas ocasiões. Ou de checar se a janela está mesmo fechada, só por precaução. Não precisa se preocupar porque nem só de sustos vive essa família. Os Ridell são bons anfitriões e você sempre receberá convites para um chá com biscoitos, porém não posso garantir que a companhia será agradável. Qualquer coisa, é só chamar o Padre Juliam que ele ajudará no que for necessário. Albertine que o diga.
As Crônicas Ridell é leitura recomendada para quem gosta de terror clássico e personagens elegantes. E não se esqueça de trancar a porta.

site: https://www.instagram.com/p/BcclVfHAHLR/?taken-by=escritoraliviamessias
comentários(0)comente



Danii 02/04/2018

Gostei bastante dessa leitura, uma escrita envolvente, cheia de mistérios e suspense sobrenatural.
A narrativa em terceira pessoa é bem detalhada e fundamental para o entendimento de cada acontecimento da história.
Primeiro livro da trilogia As Crônicas Ridell, conta a história de Jeremy e Albertine, amigos de infância que se apaixonam, com histórias de vida semelhantes, encontram a segurança nessa relação.
Alguns acontecimentos ocorrem na vida de Jeremy, que herda uma mansão cheia de segredos, eles se mudam, se casam e é onde tudo acontece: cenas tensas mudam o rumo de suas vidas.
Não tem como falar muito sem dar spoiler, então deixo aqui a indicação desse livro que vale muito a pena.
comentários(0)comente



Leitor Nerd 29/01/2018

Definitivamente o amor e a morte andam juntos
Albertine, do autor pernambucano Décio Gomes, conta a história de dois jovens que vivem no século XIX, que crescem juntos, são praticamente vizinhos. Jeremy, filho do dono de uma imobiliária de sucesso, e Albertine, filha de um simples casal. Por eles crescerem juntos, desenvolveram uma intimidade e amizade muito grande, o que seria levado para a vida toda, se não fosse um trágico desastre que fez com que, até então, os melhores amigos de infância, fossem separados.

Não é possível falar mais da história, sem que algum spoiler seja solto. Albertine é narrado em terceira pessoa, e Décio Gomes soube fazer isto muito bem. Desde a primeira página até a última, o autor conseguiu, de maneira sádica e impressionante, fazer com que o leitor não largue o livro e se envolvesse na narrativa de forma que você mergulhe de cabeça e não volte mais a superfície, até que a última frase do livro seja lida. É incrível como tudo no livro é interligado. Desde os simples acontecimentos até as gigantescas surpresas.

O livro mistura romance, terror, suspense e ação. É extremamente fantástico como Décio conseguiu juntar isso de uma forma extremamente emocionante, nos fazendo rir, chorar, sentir frio na barriga, se arrepiar, sentir os pelos da espinha se eriçarem, sentir medo, se surpreender de uma forma bastante intensa. Enquanto a leitura prossegue, é incontrolável o desejo de continuar lendo cada capítulo. A cada página virada, uma surpresa, um mistério, algo é explicado, mas o mistério sempre está presente. Até chega a ser ridículo (de uma forma boa), mas é maravilhoso como Décio nos faz exprimir tantos sentimentos, desde uma simples risada até a agonia.

De início, de jeito algum alguém me faria acreditar que Albertine foi a primeira obra de um autor bastante jovem, nos seus vinte e três anos. A maneira com que ele escreve, a descrição, as palavras usadas, o enredo e principalmente a ligação extrema entre os fatos ocorridos, são de um escritor, diria eu, de mais idade e de mais experiência. Tenho certeza que Décio Gomes é uma grande promessa para a Literatura Nacional. Assim que a última frase do livro é lida, você fica extremamente ansioso para ler a sequência. Definitivamente, Albertine mostra a experiência de quando o amor e a morte andam juntos.
comentários(0)comente



fabio 29/03/2017

RESENHA: Albertine, Décio Gomes (Lupi Literatus)
Jeremy, o protagonista, é um jovem perturbado com acontecimentos de seu passado. Mesmo com a boa condição financeira de sua família, fruto da imobiliária Ridell herdada pelo seu pai, o garoto sofre grande solidão. Suas únicas companhias são Rosa, a governanta e babá do garoto, e Albertine, sua amiga. Albertine vem de uma família tradicional; também com boa situação financeira, a garota ficou amiga de Jeremy quando seu pai alugara uma dos imoveis dos Ridell. Desde então, os dois se tornam inseparáveis.

Gostei bastante do modo como o autor conduziu o relacionamento deles. Desde o inicio, quando eram apenas crianças, essa conexão já era perceptível. Jeremy é introvertido, tímido, com limitações de saúde, mas mesmo assim combina totalmente com Albertine, que é seu extremo oposto. Além desse relacionamento, a personalidade de ambos também foi maravilhosamente desenvolvida. Suas ações são compatíveis com a personalidade apresentada no decorrer do livro, facilitando o desenvolver da trama. O mais importante é que tudo ficou real, crível. Se tirarmos a parte sobrenatural, o livro poderia se passar como um relato ou até mesmo auto-biografia.

Essa química acaba levando Jeremy e Albertine á um simples casamento, realizado na Mansão Ridell. O imóvel fora herdado pelo garoto após o falecimento de seu pai; a divida que o homem deixara era tão grande que fora preciso vender todas as ações da imobiliária para quita-las, restando apenas a mansão, que não havia sido oficialmente listada como propriedade. A cerimônia acontece sem imprevistos, e no final do dia os dois desfrutam a tão esperada noite de nupcias. Mas essa calmaria dura pouco tempo.

Logo estranhos acontecimentos começam a afetar a sanidade de Albertine; uma estranha presença começa a assombra-la ainda na noite de nupcias. Esse clima sobrenatural também afeta Jeremy, que acaba descobrindo segredos obscuros da própria família no mausoléu da propriedade. O suspense assume grande parte do livro, deixando o leitor tenso a cada capitulo. O autor acertou em cheio em não "encorpar" os espíritos logo de cara: as assombrações vão aumentando gradualmente, junto da tensão que fica maior a cada capitulo.

A coisa que mais gostei no livro, sem dúvidas, foi a escrita do autor. Além da tensão refletida impecavelmente, o texto não tem nenhum tipo de erro, seja de português ou gramatical, e os traços de uma narrativa gótica só contribuíram para o resultado final. Ah, e outro toque de gênio foi dividir o foco dos capítulos entre os dois protagonistas; isso possibilitou uma absorção maior da estória sem limitar os leitores á apenas uma visão das coisas. De certo modo, acabamos por acompanhar duas estórias situadas em um mesmo cenário; a de Jeremy, que descobre segredos nebulosos de seu próprio passado, e a de Albertine, assombrada pelo espíritos do passado de seu noivo.

Outro detalhe que merece destaque é a descrição detalhada de tudo. Fica impossível não se apaixonar pela mansão quando imaginamos os detalhes descritos pelo autor; dos móveis vintage ao cenário gótico/vitoriano. Eu, sem duvidas, passaria uma noite em um lugar desses. (ou não)

E pra complementar ainda mais esse cenário, temos o Jullian; um padre caçador de demônios! A mitologia usada em Albertine foi ao mesmo tempo simples e complexa, saindo do básico mas sem criar algo exageradamente fantástico. Fiquei bastante curioso para saber mais sobre o mundo dos Venatores, bem explorado acredito que esse universo poderá ser expandido tanto quanto o de Harry Potter foi.

Resumindo: Terminei o livro completamente apaixonado por tudo. E não, não estou dando 5 estrelas por empolgação. O livro realmente me surpreendeu bastante: tudo se encaixou perfeitamente no contexto, e nenhuma ponta ficou solta. Recomendo para todos! Na verdade, ainda não entendo como esse livro não se tornou best seller nacional. Espero, sinceramente, ver o nome do autor nos sites de literatura ainda em 2017. Recomendadíssimo!

site: http://lupiliteratus.blogspot.com.br/2017/01/resenha-albertine-decio-gomes.html
Nicole Krueger 31/03/2017minha estante
Décio Gomes, ele é maravilhoso. Só li Equilibrium dele por enquanto, mas já comprei a trilogia e o livro spin-off do padre. Fico feliz que tenha gostado do livro! Ele realmente tem uma escrita mto boa e descreve mto bem cenários e personagens.




Hester 24/01/2017

O livro é bom, boa narrativa, a leitura flui bem gostoso, a estória é legal. Só um senao, nao é meu tipo de leitura. Comecei a ler por que é bem indicado aqui. Fui lendo até quase o fim, quando a estória toma mais forma. Como nao gosto do tema fui perdendo o pique e só engantando uma leitura din^mica para nao parar, coisa que sempre faço, mas já tinha lido tannnto. Se nao fosse por nao gostar do tema, daria nota 4.
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



@obibliomaniaco 26/10/2016

Albetine
Mas uma resenha do Décio Gomes, os livros desse homem é incrível...

Por onde seguir quando o amor e a morte cruzam o mesmo caminho?

Em Albertine conhecemos a história de Jeremy e Albertine, que se conhecem desde pequenos e são melhores amigos. Quando ainda crianças tiveram uma paixonite que com o passar dos anos transformou-se em um amor forte e indestrutível. Mas nem tudo são flores, com tragédias, infortúnios e separação, o destino lhes prega peças. Albertine vai embora e Jemery fica arrasado. Mas o amor desses dois é muito forte...

O abraço, o último abraço, poderia ter sido eternizado...

Mas o amor foi mais forte que qualquer pedra no caminho desses dois, Albertine foge da casa da tia em Paris e volta para os braços do seu amado Jemery, e o amor cresce ainda mais, o desejo de ficarem juntos para sempre... Juntos vão para a sua mais nova mansão.

Jemery por obra do sobrenatural encontra entre papéis, um documento da sua herança, que seu pai escondeu. Uma magnífica mansão que fica bem afastada da cidade, bem adentro da floresta, longe de qualquer civilização por perto. A mansão dos Ridell. Então ele vai com Albertine e seus empregado para a mansão e lá eles realizam o tão sonhado casamento, simples, mas que selava a união daqueles jovens e apaixonados casal.

E nessa nova casa tudo muda, coisas começam a acontecer, coisas sobrenaturais. Segredos são relevados e Albertine terá que tomar uma difícil decisão entre seu amor por Jemery ou salvar sua própria vida.

Livro simplesmente sensacional, como sempre a escrita do Décio é maravilhosa, leve e fluida. Sem falar que os detalhe são escritos de uma maneira sobrenatural mesmo e isso se da a todos livros dele. Detalhes bem trabalhados e com uma clareza divina. Simplesmente amei Albertine, me arrepiei pra caramba lendo e olha que nunca tinha me arrepiado tanto lendo um livro. E o que falar do final? Fiquei chocado... Sabe aqueles finais que você demora a acreditar que acontece? Aqueles que lhe deixa boquiaberto, que você tem que ler de novo, e de novo pra ver se realmente foi aquilo que aconteceu? Bem Albertine é um desses livros que tem um final assim, e sem falar também do INFELIZ... DEVASTADOR FINAL DE SUSPENSE que ele deixou. Eu to loko pra continuar essa trilogia, pra saber mais sobre a família Ridell.

Junte-se também a essa emoção e mistério, venha também conhecer esse segredo sombrio da família Ridell.
comentários(0)comente



Clube do Livro 08/08/2016

Resenha do Blog Clube do Livro e Amigos escrita por Giuliana Sperandio (Completa)

O Livro começa contando um pouco da infancia de Jeremy Ridell e Albertine, duas crianças vizinhas que eram inseparáveis. Albertine é uma menina muito bonita e alegre e tem em seu lar uma vida totalmente oposta do menino Jeremy. Enquanto a menina tem todo amor e cuidado de seus pais, Jeremy sofre com a indiferença de seu pai, que quase não para em casa. Sua mãe morreu logo após seu nascimento, assim, fora criado pela governanta da família, Rosa, que apesar de rígida, supriu um pouco todo o descaso de seu pai com seus cuidados especiais, principalmente por ele ter demonstrado ter uma saúde frágil que requer cuidados especiais.

Assim como todos sentimentos que crescem e florescem, o amor de ambos, com o passar dos anos, rompeu as fronteiras da amizade, e Jeremy se vê cada dia mais fascinado pela bela jovem que desabrocha em sua plenitude. Mas eis que um terrível acidente faz com que Albertine e Jeremy se separem. Ela, que ainda era uma adolescente, agora estava órfã e teve de ir para a França com sua desconhecida tia, que era sua única parente viva. A tristeza vai consumindo e deixando Jeremy cada dia mais apático. Com a chegada da maioridade vai trabalhar na Imobiliária Ridell, que pertence à sua família.
É lá, também, que um dia ele toma conhecimento de um documento de uma mansão abandonada por anos em nome dos Ridell. Pela descrição é uma mansão grandiosa e afastada da cidade, cercada por uma floresta e com enormes e imponentes portões. Curioso ele vai atrás para descobrir onde fica a tal propriedade. Ao adentrar os portões ele irá descobrir que trata-se de sua herança. Nesse meio tempo, ele recebe uma carta de Albertine aumentando em seu coração a saudade e a esperança de seu regresso.

O que Jeremy descobre de maneira cruel é que além da indiferença de seu pai, nunca foi a intenção do velho que ele descobrisse da existência desses documento,s e muito menos, que era herdeiro dessa propriedade. Em meio a uma terrível briga entre pai e filho, o homem morre. Agora Jeremy terá que recomeçar sua vida, apenas com essa herança, já que seu pai deixara o negócio da família arruinado com seus gastos descabidos. Quando está fechando, para sempre, as portas da imobiliária Ridell, eis que uma carruagem para e a linda Albertine ressurge em sua vida.

Seria uma chance de um novo recomeço para o jovem casal? Ela vai morar na nova casa e aceita se casar com Jeremy. Em uma cerimonia simples os dois fazem seus votos de amor eterno, mas coisas assustadoras faz com que o belo sonho de amor em comum se torne um pesadelo. Um espírito resolve mostrar da pior maneira possível que eles jamais deveriam ter ido morar na mansão. Agora, talvez, seja tarde para a salvação. Albertine, com a ajuda de Rosa e do padre Julian, tentará descobrir antes que seja tarde demais como aplacar o mal que ronda aquela família. Será que ela conseguirá salvar a si mesma e a Jeremy? Será que o amor resistirá as verdades reveladas sobre segredos por décadas escondidos?

Bora parar de contar, pra vocês não perderem o melhor da obra, né?


Minha Opinião


Gente, respondendo a pergunta lá de cima, não, eu não gostei do livro. Eu ameiiiiiiiii! Com louvor, o Décio me surpreendeu totalmente com sua escrita. Ele descreve tudo ao ponto do leitor se sentir parte da história.Eu me vi naquela época, vivendo ali, naquela mansão mal assombrada e morrendo de ansiedade pelo que seria descoberto a cada virar de página. A escrita do autor é rica, com uma narrativa fluída, misteriosa e instigante.

A história parece que te prende em uma teia de veludo confortável para te pegar de jeito. Quando os fatos começam a acontecer, você fica hipnotizado e arrepiado. Se você está esperando sustos e gritos, sangue e monstros assustadores, esse livro não é pra você. Mas se quer assistir à uma valsa sedutora, na beira de um precipício, tendo como casal o amor e a morte, pode abrir o livro e assistir de camarote!

O estilo de terror de Albertine é refinado, impressionando pelos detalhes. O autor sabe conduzir a cena para que fique no ponto exato, sem exageros. Tudo acontece no tempo certo, da maneira certa. A história me cativou totalmente. A todo momento eu torcia para que eles saíssem daquela mansão, mas ao mesmo tempo eu queria saber o que estava acontecendo. Confesso que me assustei em algumas partes. Sabe quando parece que você começa a se sentir observada (hahaha...)? Comecei a ficar com uma paranóia básica, e isso é raro, principalmente se tratando de livros e filmes de terror, pois assisto-os s leio-os desde criança, além de continuar priorizando esse tipo de leitura, já que também gosto de escrever sobre esse gênero.

Aliás, tenho que contar que li o livro muito devagar, saboreando cada pagina e capítulo, e não por ser enfadonho, de modo nenhum, mas para estudar a técnica dele (sorry Décio, você virou objeto de estudo... hahaha... Aliás, se quiser me dar umas dicas sou toda ouvidos). A história tem começo, meio e fim bem traçados e planejados. Parece que o autor fez uma ampla pesquisa de época, e também de de assuntos relacionados. Tem uma parte (que se contar é spoiller) que o autor criou, que é tão perfeito, que achei que existisse realmente na história um certo objeto., mas, esse fato, só vai conhecer quem ler essa obra magnífica!

Como li em ebook, não tenho como falar da diagramação, mas, com certeza, a revisão está impecável. A capa é pertinente com a obra, apresentando a mansão em plano central, com seu aspecto sombrio, afinal, a história só verdadeiramente se inicia quando é chegada nela.

Esse é o primeiro livro da série As Crônicas Ridell, e já iniciei o segundo livro, que conta a história anterior, a de Jeremy e Albertine, e se chama, Minueto da Madrugada. O terceiro livro, Elegia, ainda não foi publicado, mas segundo o autor respondeu a nossa querida Fê, teremos em breve. Uma coisa legal é que um personagem desse universo, padre Julian, é quem protagoniza outra obra de Décio, chamada In Nomi Patris, que, é claro, vou ler também, ou seja, vocês ainda verão muito por aqui o nome Décio Gomes...hahaha.

Quero deixar registrado que se você curte gênero suspense/terror está convocado a ler esse livro, porque o cara é foda. O livro é indispensável para os leitores dark, quero dizer que você terá um imenso prazer ao ler e conhecer essa obra. Desejo 200 anos de vida para autor, para que ele deixe um legado para essa nossa literatura nacional que precisava de uma referência nesse gênero. Cara, sem mais, virei tua fã!

Gostou da resenha? Visite nosso blog e se inscreva para ficar por dentro de todas novidades!

site: http://clubedolivro15.blogspot.com.br/2016/08/resenha-nacional-albertine-as-cronicas.html
comentários(0)comente



Flávia Carvalho 06/08/2016

Envolvente
Sensacional!!! Simplesmente de tirar o fôlego. Com uma escrita envolvente do início ao fim. Daqueles livros que a gente vicia e sente como se estivéssemos dentro da história. Raiva, ansiedade, dor, compaixão, medo, terror... Todos os sentimentos os autor nos faz sentir com sua escrita envolvente. E um final fora do comum, realmente surpreende.
comentários(0)comente



Wellyson 23/09/2015

Surpreendente do início ao fim!
Jeremy e Albertine são um jovem casal de amigos e vizinhos. Em sua adolescência, o destino os separou devido a um incêndio que levou a vida dos pais de Albertine e fez com que garota deixasse sua vida no vilarejo para ir morar com sua tia em Paris.

Após a partida de sua jovem amada, Jeremy assumiu o comando da empresa de sua família, a Ridell Imobiliária, para tentar reerguer a empresa. Porém, mesmo com toda a papelada que lidava diariamente, a companhia da governanta de sua família, Rosa, e de sua amiga e secretária Ellie, ainda havia um vazio na vida de Jeremy, um vazio sem esperança de preenchimento.

Devido às duradouras viagens regadas a mulheres e festas que eram realizadas por seu pai e bancadas pelas finanças da empresa, a Ridell Imobiliária veio a falência, levando não apenas o escritório e as finanças, como também 37 dos 38 imóveis da família, deixando apenas a misteriosa e até então desconhecida Mansão Ridell.

Junto com a queda do império da família, uma noticia trouxe uma pequena faísca de esperança ao coração de Jeremy: uma carta escrita por Albertine, informando que em breve os jovens apaixonados estariam juntos novamente.

Com o retorno de Albertine e o casal vivendo em sua nova moradia no meio da floresta, parecia que a situação dos dois não tinha como melhorar. Porém, com o passar do tempo, as coisas foram mudando. A saúde de Albertine não era mais a mesma de alguns meses atrás e Jeremy não era mais o garoto que ela conhecera em sua infância. Além disso, a misteriosa mansão Ridell carregava muito mais do que apenas história.

Albertine começa a ter sonhos estranhos, que parecem muito reais, onde uma estranha mulher sem olhos tenta se comunicar com ela. Em certo momento, a aparição aponta para Albertine onde está localizado um misterioso livro. Só que em outros momentos, a mulher tenta matá-la.

Assim, com o auxílio de Rosa e do Padre Julian, um homem que parece saber tudo a respeito do livro, Albertine tenta desvendar o que está por trás de todos esses acontecimentos e pôr um fim a isso tudo, antes que a situação saia do controle e tome proporções catastróficas que colocam sua vida em risco.

Querem saber o que vai acontecer? Então não deixem de ler!
[...] Jeremy significava seu amor incontestável, seu sorriso matinal e seu beijo de boa noite. Apenas seu nome, a junção de algumas letras, traduzia-se para Albertine em toda uma enciclopédia de sensações e sentimentos, ou em uma bela canção da qual somente ela conhecia a melodia.

Navegando pelo Facebook há algum tempo atrás, me deparei com a capa de um livro que instantaneamente prendeu minha atenção. Após muitos meses de conversas com o autor e com livro em mãos, resolvi iniciar a leitura de Albertine, uma obra que me surpreendeu do começo ao fim.

Embora seja o primeiro livro de uma trilogia e tenha como um dos objetivos nos apresentar à história, o livro possui uma narrativa em terceira pessoa que consegue ao mesmo tempo ser refinada, cativante e bem fluída, fazendo com que você não queira larga-lo nem na hora de dormir. Os personagens são construídos com tamanha perfeição que podemos sentir na pele todas as suas alegrias, tristezas e acima de tudo todos os seus medos.

Falando neles, os personagens são muito bem construídos e totalmente distintos. Temos Albertine, uma garota doce e com um passado triste mas que consegue manter a esperança em todos os momentos de sua vida. Jeremy, um jovem rapaz de bom coração, capaz de qualquer coisa em nome de seu amor à Albertine e que faz de tudo para não se tornar um homem igual a Joseph, seu perverso pai. Para acompanhá-los temos o padre Jullian, Rosa, Ellie e os outros criados que mesmo não tendo tanto destaque conseguem deixar sua marca na história.

Décio conseguiu inserir na trama um lindo romance sem tirar o foco principal do livro. Você consegue suspirar e se apaixonar nos doces momentos entre o casal, porém continua com receio do que irá encontrar no próximo parágrafo.

Talvez seja o anseio por um pouco mais dessa incrível história, mas para mim o final poderia ter sido um pouco mais trabalhado, tendo em vista que o início e o meio do livro são muito bem detalhados. Mas mesmo assim o autor conseguiu finalizar o livro de uma forma surpreendente, nos deixando extremamente ansiosos por sua continuação.

Em questões físicas o livro não surpreende, principalmente se você teve a oportunidade de conhecer a primeira edição. A versão lançada pela editora GARCIA Edizioni possui uma capa envernizada, páginas amareladas, diagramação simples, fonte e espaçamento de bom tamanho, margens laterais quase inexistentes e uma margem inferior exageradamente grande.



Para finalizar, Albertine foi uma excelente introdução a história da família Ridell e é um livro que todo amante do gênero deve ter em sua estante. Uma das melhores leituras do ano e com certeza merece a indicação.

site: http://www.segredosentreamigas.com.br/2015/09/ta-na-estante-albertine-354.html
comentários(0)comente



Camila 04/09/2015

Resenha: Albertine (Por Livros Incríveis)
Jeremy e Albertine são apaixonados desde a infância. Agora, já adultos, eles finalmente podem realizar o sonho do casamento, que é o que acontece. Orfão, tudo o que Jeremy possui de herança é uma mansão antiga e imponente, no meio da floresta. O casal se muda para lá, junto com os empregados e a governanta, que sempre foi como uma mãe para os dois. Porém, conforme o tempo passa, todos descobrem que há algo estranho na casa, algo que eles não têm ideia do que pode ser, mas que todos têm certeza de que é perigoso. Cabe então a Albertine lutar para sobreviver, e lutar pelo amor de sua vida.

Eu li esse livro ano passado, e fiquei maravilhada com a história. Apesar de ser uma obra de alguns anos já, resolvi resenhá-lo porque recentemente adquiri o segundo volume, e quero falar sobre ele também. Acho que ficaria estranho o blog ter a resenha de Minueto da Madrugada, mas não ter do primeiro livro, Albertine. Então cá estamos!

Com um prólogo misterioso, que já deixa o leitor intrigado logo de cara, a leitura já começa a todo vapor. O livro inicia-se contando rapidamente a história de Jeremy e Albertine na infância, até chegar onde a trama começa realmente, o início do trabalho de Jeremy; e Albertine viajando. A narrativa é fluída, e está sempre acontecendo algo, como em um filme. Quando uma cena acaba, outra começa, sempre mantendo o ritmo e prendendo o leitor.
Albertine possui algo que muito me agrada em um livro: possui romance mesclado com mistério. O mistério, por sinal, é muito bem trabalhado por Décio, que tem as histórias de Edgar Allan Poe como inspiração. Há um pouco de terror também, mas nada que faça o leitor ter pesadelos a noite. É tudo muito bem equilibrado, o que me fez ler durante horas, a cada momento livre que eu tinha.

"Toda a fome, todo ardor em seus olhos, tudo havia sido substituído pela inexplicável ânsia de folhear aquele livro, encontrado sob circustâncias tão incomuns."

O autor possui uma ótima escrita, e ao que posso lembrar, não há gírias. Ao contrário da opinião de muitos, acredito que as gírias em excesso em um livro nacional não traz uma atmosfera mais familiar. Possui também um rico vocabulário, fazendo com que a leitura seja cheia de figuras de linguagem e descrições detalhadas sobre o ambiente e suas personagens.

O encanto das personagens está nos secundários. Eu tive um grande apego com Rosa e o Padre Jullian (que é tão importante, que ganhou seu próprio livro!). Ambos são gentis, fazendo de tudo pela felicidade do casal. Apesar de serem secundários, desempenham papéis importantes na história, principalmente no final, que por sinal me deixou bem chocada e despedaçada. Jeremy e Albertine são ótimos personagens, porém, não me entendam mal. Há muita tensão entre os dois. Todos são muito bem trabalhados.

Sendo sincera, não vejo pontos negativos no primeiro volume da trilogia. Espero que o ritmo frenético se mantenha no segundo livro! Albertine é um livro muito recomendado, já que o espaço para livros nacionais de mistério não é muito grande. Bem escrito e bem narrado, é um prato cheio para os fãs do gênero.

Sobre a trilogia:
As Crônicas Ridell é uma trilogia com os dois primeiros livros, Albertine e Minueto da Madrugada, já lançados. O terceiro livro, Elegia, deve ser lançado em breve. Há ainda uma spin off ambientada no mesmo universo, e que possui o Padre Jullian como protagonista. Chama-se In Nomine Patris. Todos os livros serão relançados pela editora Tribo das Letras.

Leia mais resenhas em:

site: http://porlivrosincriveis.blogspot.com.br/2015/09/resenha-albertine-decio-gomes.html?m=1
comentários(0)comente



Paty 30/04/2014

“Por onde seguir quando o amor e a morte cruzam o mesmo caminho?”
O livro conta a história de dois jovens, Jeremy e Albertine. Eles se conhecem desde pequenos, fazem tudo juntos e, desde então, se tornam inseparáveis. Eles vão crescendo e os sentimentos também. Eis que um dia, um terrível infortúnio acontece, um incêndio toma conta da casa que Albertine vivia, e quando Jeremy se dá conta, já está gritando em frente a casa por Albertine. Mas, para sua alegria, ela estava em uma de suas aulas com o padre Julian. Já para a moça, não há felicidade, seus pais ainda estava dentro da casa quando o incidente ocorreu. Albertine fica órfã e sozinha no mundo. Mas não por muito tempo, pois ela recebe uma carta de uma tia distante, terá que se mudar para Paris, e ficará sob os cuidados dessa tia até atingir a maior idade.

Continue lendo no link abaixo

site: http://brainstormando.com.br/2014/03/albertine-decio-gomes/
comentários(0)comente



Cia do Leitor 24/02/2014

Albertine
"Por onde seguir quando o amor e a morte cruzam o mesmo caminho?"

RESENHA:

O livro foi publicado pela editora Schoba, tem 326 páginas, em papel creme com a fonte de um tamanho muito agradável aos nossos olhos, tudo para deixar o leitor bem à vontade, agradabilíssimo. E a capa... nossa, belíssima obra de arte!

O inicio do livro gira em torno das crianças Albertine e Jeremy, pequenos amigos e vizinhos, que já demonstravam uma afinidade especial um pelo outro, tornam-se inseparáveis e uma amizade, até então, inabalável. Já na adolescência Albertine vivia feliz com seus pais, em uma rotina de aulas de piano e religião com o padre Julian, sua família era muito religiosa ao contrário de seu amigo. Mas, uma fatalidade provou que estavam enganados quanto a amizade inseparável, Jeremy, muito contrariado viu sua melhor e única amiga sair de sua vida, ela teria que viver longe de sua terra natal, mas, com promessas de um retorno.

Solitário, Jeremy amadurece com a ajuda de sua babá, Rosa, também governanta da Mansão, torna-se um rapaz brilhante em sua sabedoria, passando a auxiliar seu pai, Joseph, no escritório na cidade. Não se parecia em nada com o jovem Jeremy de anos atrás. Achava sua vida monótona e não fizera amizades com mais ninguém, desde então, sua rotina resumia-se de trabalho e casa. Sem Albertine, tudo era frio e vazio para o pobre rapaz.

Joseph, um magnata, proprietário de várias terras e casas na cidade. Conquistou sua fortuna vivendo de empreendimentos imobiliários, tornou-se ambicioso e insensível. Depois da morte de Dianne, sua esposa, deixou a administração da empresa nas mãos de Jeremy, para viver uma vida leviana, viajando e gastando o dinheiro que havia conquistado com jogos e mulheres, distanciando cada vez mais do filho e de suas responsabilidades.

Financeiramente, viviam bem, porém o relacionamento entre pai e filho era um fiasco. Existe uma tirania por trás das ausências de Joseph, um prazer sádico de fazer seu filho sentir-se rejeitado. Não lhe faltava nada material, mas, não podia dizer o mesmo sobre afeto, carinho e amor. Esse papel foi atribuído à Rosa, desde a morte de sua mãe, aliás, uma morte inexplicável, cheia de mistérios, e respostas não compreendidas, totalmente vago.

É quando Jeremy descobre ser herdeiro da “Mansão Ridell” localizado no meio da floresta. Nunca tivera conhecimento de sua existência, curioso, precisava descobrir o porquê, precisava conhecer a mansão. E assim se fez. Jeremy fica maravilhado com o tamanho da propriedade e beleza da mansão abandonada por tantos anos. Lá seria sua nova morada, junto com sua amada Abertine.

E com isso, Albertine teria a missão de desvendar todo o mistério em torno da vida de Jeremy, mas, pra isso ela teria que ser muito corajosa e astuciosa, pois, o mal estava a espreita, vigiando seus passos e colocando todos em extremo perigo. Estaria Albertine pisando em terreno desconhecido, entre o real e o sobrenatural? Estaria disposta a enfrentar tudo em nome do amor por Jeremy?

Lá seria o inicio e o fim de um sonho...

No meio do livro as coisas mudam e o calafrio domina o nosso corpo, o estomago contrai e o coração acelera a cada folhear das páginas até o final. Aos poucos, vamos conhecendo a verdadeira história da mansão Ridell, conhecendo o passado de cada personagem e a influência com seus atuais moradores numa mansão amaldiçoada.

Impressões

Tenso e intenso.

Todo o clima épico na Mansão detalhadamente descrita é fantástica! Fazemos um verdadeiro tour nela e nos sentimos íntimos ao ambiente principal da história, a ponto de sentirmos dentro dela, como um verdadeiro espectador, até mesmo como uma assombração rondando quietos na vida dos personagens!!

A participação do misterioso Padre Julian é arrancar os cabelos, um homem cheio de mistérios e que terá uma jornada fabulosa na vida dos protagonistas. Ele nos surpreende a cada aparição.

Vivi momentos de adrenalina, pois, conforme os mistérios vão sendo desvendados, vamos cada vez mais puxando o lençol até a cabeça, arregalando os olhos de aflição e ansiedade, dando espasmos a cada susto. Mas, nem assim, consegui largar o livro, é viciante!

Décio Gomes nos dá uma forte dose de terror nas veias, estou surpresa e muito satisfeita com o resultado. Narrativa impecável, trama inteligente e personagens carismáticos, não têm como deixar de nos envolver nesse romance sobrenatural.

Ele tem uma linguagem rica, expressiva e cheia de detalhes, é como assistir um filme clássico, dos anos 20 ou 30 com toda a perfeição da época. Não esqueceu de mencionar nenhum detalhe do período, século XIX. Seus hábitos, costumes, etiquetas, nada deixou escapar. Foi tão detalhista e convicto no que escreveu que nos convenceu de estar lendo algo real.

Adoradores dos livros de Hichcok mesclado com Edgar Allan Poe e Stephen King, vão apreciar em demasia esta obra, sem dúvidas alguma, estou extremamente impressionada!

Muito, muito indicado.

Parabéns Décio, ansiosa pela continuação, que promete!!

site: http://ciadoleitor.blogspot.com.br/2014/02/resenha-albertine-de-decio-gomes.html
comentários(0)comente



Tatiana 15/10/2013

Surpresa!
Quando vi Albertine pela primeira vez, fiquei surpresa, pois se trata de um livro brasileiro de um autor estreante, mas fiquei sem palavras com toda a qualidade que o livro foi confeccionado; desde a capa, a apresentação, book trailer, tudo, tudo foi feito com perfeição.

O livro conta a história de Jeremy e Albertine, os quais cresceram juntos, mas por infortúnios, são separados. O amor dos dois continua firme, até que Albertine retorna, e encontra Jeremy em plena mudança para uma nova casa, a única herança deixada por seu pai, uma mansão abandonada no meio de uma floresta. O que eles não sabem é que essa mansão esconde segredos, e aos poucos coisas estranhas acontecem com os moradores.

Encontrei em Albertine elementos que é difícil ver em nossa literatura nacional. A forma como Albertine foi escrita é de uma magnitude que leva o leitor a imaginar que trata-se de uma literatura estrangeira. Em momento algum parece ser o livro de um principiante.
Albertine detalha cada elemento, cada de personagem de uma forma tão cativante, levando o leitor a entrar nesse universo como se fosse uma de suas personagens.
A narrativa é bastante coerente, a história é empolgante, os personagens são atraentes, e a dinâmica como tudo ocorre faz parecer que a história de fato existiu.
Misturando elementos de magia, suspense, terror, religião, Albertine nos leva a pensar até que ponto estamos dispostos a esconder, ou ocultar segredos das pessoas que mais amamos.
Em uma corrida contra o tempo para salvar sua vida e a vida do seu amado, Albertine tem que tomar uma decisão dolorosa, mas necessária.
Outra coisa que me fez gostar de Albertine, é a escrita um pouco rebuscada que Décio utilizou, usando bastante a Ênclise, dando um ar de século XIX, que é onde se passa a narrativa.
Eu detesto as personagens femininas, normalmente elas são chatas, inseguras, e melancólicas, mas Albertine é diferente e pela primeira vez em um livro, eu gostei da protagonista.
Ansiosa por Minueto da Madrugada, sequência de Albertine.


site: https://www.facebook.com/pages/Eu-e-os-Livros/427730200678850
comentários(0)comente



22 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2