O Manifesto Comunista

O Manifesto Comunista Karl Marx
Friedrich Engels




Resenhas - Manifesto do Partido Comunista


133 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 |


Lipe 11/10/2019

"Um espectro ronda a Europa..."
Obra importantíssima (percebe-se o tom de panfletagem a fim de se atingir o público da época, principalmente pela clareza da linguagem e objetividade) para se compreender a visão de governos influenciadas pelo marxismo.
Apesar de possuir ideias datadas - anuladas pela passagem do tempo e realidade presente, já que a obra é 1847 - Engel e Marx nos mostra que a burguesia tem como a regime a produção e apropriação da propriedade privada e subordinação da classe proletária, que vive com o mínimo (o chamado "salário mínimo" como soma dos meios de subsistência) ou apenas o suficiente para o operário, uma máquina nas mãos da classe dominante, conservar a sua vida e aumentar o capital. Apenas a luta de classes sociais (união do proletariado de todos os países) possibilitaria se dar poder político ao proletariado, para isso seria necessário a derrubada das condições sociais existentes. Tendo como resultado final (ou vias) a instalação do Comunismo, que apresentava ideais, como: educação pública de qualidade, fim da exploração do trabalho infantil - sobretudo nas fábricas - melhores condições de trabalho, incluindo a redução da jornada trabalhista e Estatização em massa.
comentários(0)comente



Diegão 26/08/2019

Porém ...
Muito bonitinho na teoria, mas ... não deu certo ......
comentários(0)comente



Soan 28/07/2019

Um bom livro pars se compreender as premissas inicialmente pensadas por Marx para o comunismo.
comentários(0)comente



Leones 19/07/2019

Lixo
Horrível. Como o posto em prática até hoje. Simplesmente um vômito.
comentários(0)comente



Jose.Lemos 19/07/2019

Inadequado para Fanáticos e Ignorantes
O livro é importante para compreender as origens do Socialismo e do Marxismo, mas, não devemos olhar para o livro já com a visão anti-comunista, já que isso trará uma leitura mal feita baseada em puro viés de confirmação.

A edição é maravilhosa, bem impressa e com adendos importantes e que complementam excelentemente bem a teoria contida ali, a tradução também é excelente.

Mesmo que eu discorde do Marxismo e seja um defensor do Liberalismo Econômico e das liberdades civis, esse livro é indispensável para compreender a história, compreender a visão que fundamentou os líderes bolcheviques e governos influenciados pela visão marxista.


Marx fundamenta muito bem sua visão de mundo, usando exemplos históricos e padrões "constantes" na sociedade capitalista, mostrando uma visão diferente do padrão dos cientistas políticos da época, como Tocqueville.

A leitura é essencial e deve ser feita com a tentativa de olhar para o livro de forma imparcial
comentários(0)comente



EltonLM 22/06/2019

Contraditório, histórico
A resenha desse livro será feita partindo do Capítulo II (que é o melhor) até os outros.

É um livro que apresenta o mundo sob o ponto de vista da luta de classes. Existe um oprimido e um opressor. Além disso, Marx é bem extremo a considerar toda a cultura como fruto da opressão da sociedade burguesa. Isso justificaria, em tese, a criação de uma cultura operária, uma vez que os operários estariam sendo oprimidos culturalmente, que é justamente o que vemos hoje com essa questão do preconceito linguístico, de que toda arte é política e de protesto etc.

O fio da meada do Segundo Capítulo é justamente a ideia de que para haver um oprimido é necessário haver um opressor, a burguesia, e essa crença é muito conveniente, uma vez que justifica quaisquer atos cometidos pelos oprimidos, visto que eles são sempre as vítimas e nunca os agressores.

Ademais, a repugnância de Marx pela religião fica aparente quando ele rebate a acusação de que o comunismo desejava destruir a fé religiosa:

"A revolução comunista é a ruptura mais radical com as relações tradicionais de propriedade; nada de estranho, portanto, que no curso do seu desenvolvimento rompa, de modo mais radical, com as ideias tradicionais".

Mais adiante, ele se contradiz quando afirma que acredita "no livre desenvolvimento de cada um", mas que considera que o trabalho deve ser obrigatório num regime comunista:

"Trabalho obrigatório para todos,organização de exércitos industriais, particularmente para a agricultura".

Vemos os germes do que seria a ditadura de Stálin.

É importante salientar que a adesão às ideias de Marx reflete não tanto histeria, como o sofrimento dos trabalhadores do século XIX e começo do XX. Houve de fato muita exploração, os operários eram tratados como animais, trabalhavam em condições abjetas para ganhar uma miséria; como atestam os romances históricos de Máximo Górki e Charles Dickens.

Esse é um livro que explicou bem as relações exploradoras da época, no que tange à salários baixíssimos e condições ruins de trabalho. Porém apresenta uma visão extremamente simplista da realidade, ao ver tudo como uma relação de opressor e oprimido. Apresenta também soluções violentas, como a aniquilação da classe burguesa:

"A luta do proletariado contra a burguesia,embora não seja na essência uma luta nacional,reverte-se contudo dessa forma nos primeiros tempos. É natural que o proletariado de cada país deva, antes de tudo, liquidar sua própria burguesia".

Além disso, promove o confisco de terras:

"Expropriação da propriedade latifundiária e emprego da renda da terra".

E finalmente é um livro que já não representa mais as relações de trabalho atuais nas grandes cidades. No entanto, ele contém sementes de teologia da libertação, marxismo cultural, preconceito de classe e racismo, que nas mãos de Hitler se transformou no Nazismo.

Essa última hipótese fica evidente, quando ele afirma, sobre o socialismo alemão (que ele considerava burguês e aproveitador, no entanto ainda era socialismo):

"Por outro lado, o socialismo alemão compreendeu cada vez mais que sua vocação era ser o representante grandiloquente dessa pequena burguesia. Proclamou que a nação alemã era a nação tipo, e o fliisteu [termo pejorativo] alemão, o homem tipo".

Já vemos traços nos próprios alemães da crença na sua superioridade; e, ainda que não se possa dizer que todo o povo alemão pensava assim, é interessante notar como Hitler só explorou algo que já existia na mente de certos segmentos da sociedade.

Fica difícil, com conhecimento histórico, dar credibilidade a essa teoria. Tentei o máximo que pude ser comunista, porém as contradições são tão gritantes, que se eu aderisse ao Comunismo acho que teria um colapso mental.

Entendo que melhorar a condição de vida dos operários era necessário, porém não concordo com essa forma apregoada por Marx.

Apesar das 2 estrelas, leitura super recomendada!
comentários(0)comente



Andrey.Dornelas 06/06/2019

Visão totalmente refuta por mises e outros autríacos. Não tem nenhuma utilidade além de servir para explicar o que o capitalismo não é
Smile 07/06/2019minha estante
boa primo


Andrey.Dornelas 11/06/2019minha estante




Matheus 02/06/2019

KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK
excelente escritor de ficção
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



Renan.Lima 06/04/2019

Importante na história
Não é um leitura extraordinária, mas necessária para conhecimento político, filosófico e no campo da sociologia. Tem grande valor pois através dessa obra e entre outras do mesmos autores vieram novos pensamentos, métodos e filosofias, um marco importante na história, independente do seu posicionamento, leitura válida a todos que querem ter uma base de conhecimento, para importantes pontos sociais no contemporâneo.
comentários(0)comente



Felipe 26/03/2019

Leitura Importante.
Independente do seu posicionamento político nesse momento tão polarizado em nossa história, o Manifesto Comunista é e sempre vai ser uma leitura muito valorosa e que apenas tem a lhe acrescentar.

É muito bacana ler aqui reflexos de uma época tão distante mas que, cada vez mais, se aproxima do presente.

Particularmente achei muitas idéias presentes no manifesto um tanto rasas e, como muitos atestam, utópicas, mas tudo bem, no fim das contas o Manifesto não tem a pretensão de ser um guia ou algo do tipo, ele é, como o próprio nome já diz, apenas um manifesto de várias mentes inegavelmente privilegiadas e de suas visões sobre o mundo.

Em suma, trata-se de um documento histórico bem importante e, dependendo da edição escolhida para a leitura, bem rápida.
comentários(0)comente



davidplmatias 06/02/2019

Utopia.
comentários(0)comente



Will 20/01/2019

Explicação da cotização comunista
Este livro que, embora antigo, se mantém jovem nos dias de hoje e é uma excelente explicação do socialismo e comunismo. Pude entender as motivações do comunismo e suas ideologias. A partir da leitura deste livro, pude ter o conhecimento apurado para tomar uma posição com base no que acho correto e acredito. Ser de esquerda ou de dieta? Agora tenho a resposta a essa pergunta.
comentários(0)comente



Maykel M. de Paiva 14/01/2019

Antes de tudo, é preciso entender (e ler diretamente da fonte).
Me surpreendi lendo esse texto. Nada melhor do que ler as coisas diretamente da fonte. Me surpreendi porque há muitas sutilezas e noções que, tanto os críticos do marxismo, quanto seus adeptos, não comentam, nem explicam para aqueles que estão fora das discussões (pelo menos nas discussões mais corriqueiras). Também porque o preconceito e o ódio por Marx esconde, dos que não o conhecem, ou se faz esquecer, naqueles que conhecem, a sua excelente escrita. Realmente é preciso deixar de lado os achismos e os preconceitos para poder aproveitar a obra (não só essa, mas de qualquer outro pensador, mas Marx parece que é um daqueles que sofrem de um ódio gratuito), porque, querendo ou não, a sua capacidade analítica é maravilhosa. Não é um livro que pretende fundamentar o comunismo-marxiano, mas sim que parte daquilo que é dado na experiência concreta para poder pensar a condição das classes na sociedade capitalista. Nisso, o texto realiza o que se propõe: ser um manifesto, que provoca o leitor e apresenta o que é o comunismo, as noções e as questões que o envolvem. É uma introdução, o que de forma alguma faz o texto ser menos importante ou de menor qualidade. E nos tempos atuais (o que não é exclusividade nossa), em que muito se fala, se acusa, se difama, Marx e o seu pensamento, é importantíssimo conhecer o que ele realmente escreve, a maneira como entente o mundo e que se coloca a transformá-lo. Fazer isso é algo para além de concordar ou não; é simplesmente entender (o que não necessariamente seja fácil e instantâneo). É um autor admirável e importante que, seja para concordar ou discordar, terá que passar por ele e/para reconhecer isso.
comentários(0)comente



Silent Lulamoon 24/12/2018

socialmente importante
Acho que só o fato da leitura ser tão maçante já é um testamento à importância da obra; todos os argumentos encontrados aqui eu já vi um milhão de vezes em discussões na internet. Discutivelmente mais influenciador que O Capital.
comentários(0)comente



133 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 |