A Libertação da Bela

A Libertação da Bela Anne Rice




Resenhas - A Libertação da Bela


21 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2


Literatura 06/08/2012

Libertação, prazer e dor
A trilogia erótica escrita por Anne Rice precisa ser lida na sequência, como se fosse um livro só. Não faça de outra maneira ou você odiará o todo. Algo me diz que era para ser assim... você ficará chocado no primeiro volume, odiará o segundo volume e viverá um amor incondicional pelo terceiro livro.

A Libertação da Bela (Rocco, 349 págs) é o desfecho perfeito para essa obra ímpar e infernal. Quem disser que só rola sacanagem está muito mal informado. Para entender o que estou dizendo é preciso ler com o coração e não com a mente. Vou além... é preciso ler com a alma.

Lições belíssimas estão encarceradas nessa série e qual não foi minha surpresa quando finalmente as entendi, enquanto devorava as páginas do último volume. Dualidade, meus amigos. Tudo se resume a isso.

Aceite a sombra e a luz e você encontrará a felicidade eterna. Simples assim.

Nesse último livro, Bela, Tristan, Laurent e outros príncipes e princesas são sequestrados da Vila e levados para o reino do Sultão. Mesmo sem saber o que esperar, anseiam pela chegada e pelas novas experiências no limite entre o prazer e a dor. Eu disse limite? Não, não há limite.

No palácio do Sultão, esses belos príncipes e princesas descobrirão coisas fantásticas e viverão sensações muito além do imaginado. Mas, tudo o que é bom dura pouco. Eu disse bom? Poxa, nada é bom por aqui! Ou é?

Dualidade, meus amigos... entendam essa pobre mortal quem vos fala.

Adorei o desfecho. Na verdade eu amei. Muitos me chamarão de louca, demente e por aí vai. Mas o que fazer? Eu amei e ponto final.

Veja mais no Literatura:
http://bit.ly/NWQ4Up
Violet 02/10/2012minha estante
Eu concordoooo mto com o que vc disse,eu amo o jeito classico como a Anne escreve e como ela aborda esses assuntos polemicos pra epoca e dialidade é a palavra que eu usaria se tivesse que definir em um palvra a obra dela!!


Cristalie 18/10/2013minha estante
"você ficará chocado no primeiro volume, odiará o segundo volume e viverá um amor incondicional pelo terceiro livro." concordo totalmente


Dany 15/02/2014minha estante
Ei li ano passado e o final é lindo tão romântico e verdadeiro.


seja se 15/04/2015minha estante
Li o primeiro e o segundo e depois de ler seu comentário eu N-E-C-E-S-S-I-T-O ler o último!!!




spoiler visualizar
comentários(0)comente



Mayra Melo 18/10/2013

Anne Rice? Não, prazer, A.N. Roquelaure
O que primeiramente me fez chegar até aqui foi a minha persistência de que seria impossível uma obra de Rice ser definida por uma leitura como a do volume 1 da trilogia. Ficou atravessado, não consegui digerir, resolvi enfrentar os dois próximos volumes seguintes em busca do Graal que seria a redenção do espanto que o primeiro volume havia me causado.

Ao finalizar o segundo volume, a indignação ficou ainda mais atravessada. Anne resignifica todo o conto da Bela Adormecida através de uma história erótica, única e difícil de engolir. Gostar de sofrer, gostar de ser humilhado? Peraí, repete, não creio.

Não espere o príncipe bobo e despretensioso da Disney. Aliás, esqueça a ligação de bom moço x vilão. Qualquer um pode ser os dois, a qualquer momento. Para mim, Rice escreveu com o pseudônimo para justamente fugir da linha dela de escrita, ter uma nova e instigante liberdade literária que provocasse certa ''revolta'' e obrigasse o leitor a pensar no que ele havia acabado de ler. Queria ver você nos anos 80 ler isso e achar perfeitamente aceitável. Realmente, por esse ponto, é satisfatório saber que Anne não se prende em limitações falsas e ilusões típicas.

Se eu gostei da trilogia? Bom, não quero influenciar você, novo leitor. Vou deixar em aberto essa questão com o convite para a leitura, mas cuidado! Antes da primeira página, saiba que o desafio é justamente deixar bem guardado na gaveta todos seus conceitos de certoXerrado, seus pré-conceitos e expectativas para com o desenrolar da história, porque elas NÃO serão alcançadas. Mesmo.



comentários(0)comente



sorvecinho 28/01/2013

“Logo agora que a brincadeira estava ficando boa”
Esse foi o melhor título para o fim da trilogia erótica de Anne Rice. Quando ela acerta em cheio o ponto, acontece o feliz para sempre.

Voltemos à explosão repentina que do último livro que dá início ao fim da história. A chave é “sequestro de escravos”. Do nada, o sultão, isso aí, um sultão manda homens capturarem alguns escravos para futuramente serem devolvidos. A partir daí já começamos a questionar a falta de necessidade do fato. O que importa é que nossa querida Bela, o meigo Tristan, e o recém/novo/saído-do-forno Laurent, e mais três escravos menos importantes são os escolhidos e levados.

Novamente Anne Rice muda o cenário, em A Libertação da Bela temos o Palácio do sultão, um lugar onde os escravos são usados de todas as maneiras (prefiro não explicitar senão perde a graça). Eles não podem falar! Os escravos serão novamente separados. E sim, nossa selvagem querida Bela já tem um novo amor (o que já é dito no finalzinho mesmo do livro anterior).

A nova narrativa em primeira pessoa será sobre Laurent! O escravo fujão do livro anterior. E sejamos francos, ele é sensacional. Era simplesmente o que faltava para a história. E ele sim, se comporta como um verdadeiro protagonista. Então já é o suficiente para saber que a narrativa do “audacioso” Laurent é o que preencherá toda a história. Claro que Bela se aventurará, mas serão poucos momentos que trarão êxtase.

Os personagens secundários praticamente não existem. Tirando o mordomo-chefe, Lexius, e o próprio sultão.

No final das contas, nem tudo ocorre com planejado. Há mais explosões e reviravoltas estilo Anne Rice, até que tudo broxa. E acontece o feliz para sempre. Que não é ruim. É extremamente bom. O problema é que a história tinha ficado boa, e acabou.

E os problemas que houve na história? Quem liga? Anne Rice nos deu Laurent e um final feliz com promessa de muito sexo no último livro, e é isso que importa.
Cristalie 18/10/2013minha estante
Laurent foi demais! Fez tudo valer a pena :)




Inlectus 02/12/2014

Nenhuma estrela.
Li como experiência, mas isso só agradaria pervertidos, tudo que perde o limite, perde a saúde.
comentários(0)comente



Luciano Luíz 01/08/2014

ANNE RICE é a autora dos clássicos ENTREVISTA COM O VAMPIRO, O VAMPIRO LESTAT, A RAINHA DOS CONDENADOS e mais uma penca de livros da chamada, CRÔNICAS VAMPIRESCAS, além de outras tantas criaturas, como lobisomens, anjos, e até Jesus Cristo.
No entanto, na década de 1980, ela usando de um pseudônimo, lançou uma trilogia pornográfica (as editoras chamam de erótica, mas em verdade é pornografia). O livro não tem palavras fortes (que chamamos comumente de palavrões. Porém a descrição das cenas mostra com facilidade que é algo puramente pornográfico. E por isso, nessa resenha eu destaquei o que seriam os palavrões dessa trilogia...).
Eu vi alguns comentários de leitoras que disseram que chegaram a página 40 ou mesmo 90 do primeiro livro e depois desistiram.
Mas por quê?!

OS DESEJOS DA BELA ADORMECIDA 1983)

A escritora resolveu fazer a sua versão do clássico da Bela Adormecida. Ela obviamente está dormindo, linda, loura com seu imaculado vestido... Aí o príncipe aparece, fode com ela de tudo quanto é jeito. E só depois de gozar e tirar o cabaço da Bela, lhe dá o beijo que a faz despertar. Depois disso, ela descobre que por ter sido salva da maldição deve ser uma escrava sexual no reino vizinho. Deve andar sempre nua, de quatro, com os braços atrás do pescoço, comer em tigelas como um animal e ficar a vontade para ser usada por qualquer pessoa.
No caminho, ela é humilhada, no castelo é humilhada, participa de jogos humilhantes, etc. e tal.
O livro, para quem nunca leu algo similar, é forte, violento,
e claro, pornografia pura. O enredo nada tem de interessante, aqui o que conta, são as posições sexuais...
Bela conhece o príncipe Alex, outro escravo, e com ele resolve se enturmar...
Curiosamente, apenas príncipes e princesas passam por isso. Então deve ter muitos no universo desse livro. Pois do que tem de gente
sendo massacrada com atos de sexo impressiona.
As palavras mais pesadas do livro são: pênis, ânus, vagina, sexo, desejo...

A PUNIÇÃO DA BELA (1984)

Os rituais de selvageria sexual continuam na vila próxima ao castelo. Ali os escravos são alugados para os aldeões que tem condições de arcar as despesas.
Em leilões eles são humilhados ainda mais do que no castelo.
Servem como todo tipo de mercadoria.
Inclusive como cavalos, puxando carroças e arados no campo.
Ficam expostos do lado de fora das casas do comércio, com falos enterrados em suas cavidas íntimas do mesmo jeito que também fazem no castelo.
A vila é um lugar onde os príncipes e princesas adquirem uma certa... disciplina.
São fodidos de todas as formas...
Esse segundo livro é narrado em terceira pessoa para Bela e primeira pessoa para outro personagem (Tristan)... O volume um é em terceira...
As palavras mais fortes aqui são: boceta (aparece só uma vez), pau e cu (que aparecem só umas duas vezes)...

A LIBERTAÇÃO DA BELA (1985)

Aqui conhecemos o cara que deu a ideia de escravização sexual a rainha. Os escravos não podem ser feridos de maneira que corram risco de vida. O que vale é o prazer da carne.
No palácio do sultão, Bela continua sua narrativa em terceira pessoa.
Mais uma vez outro personagem é em primeira (Laurent).
Bem bacana isso.
Aqui o livro que já estava meio enjoado de tanta foda, tem algumas novidades, como os escravos tendo domínio.
Aí depois acontece outras reviravoltas e o enredo tem altos e baixos.
Se bem que enredo mesmo aqui, quase não existe. Quando algum personagem fala se sua história, é igual a todos os outros...
Chega a ser idiota...
Palavras mais fortes: as de sempre e agora tem tesão e transar...

Em resumo, essa trilogia é pornografia.
Só tem sexo e muita, mas muita humilhação que vai fazer leitores sem qualquer conhecimento desse tipo de livro ficarem com ódio de muitos personagens e pena extrema de Bela e seus amigos.
Tem sexo gay (o que mais acontece), hétero (em segundo lugar) e lésbico (o que menos tem).
Portanto, se você for preconceituoso ou preconceituosa, fique distante dessa trilogia...
O que é engraçado, é que nenhuma mulher engravida, ninguém pega doença sexual (já que todo mundo trepa com todo mundo) e claro, tem mais príncipes e princesas do que plebeus...
Os livros são bacanas, divertidos, e depois vão perdendo o sabor. Não por tentar procurar alguma estória ali, mas pelo fato de que as cenas de sexo quase não mudam mais.
Porém, assim mesmo é uma leitura diferente.
Assusta no início quem nunca leu nada disso.
Mas se os leitores e leitoras sobreviverem, é bem provável que vão até o final do volume 3.

Nota: 10 (pelo sexo gratuito e a humilhação)

site: https://www.facebook.com/pages/L-L-Santos/254579094626804
comentários(0)comente



Barbara 17/05/2013

A Libertação de Bela
Imagina o maior nível de submissão que se pode ter, pois é, o livro se trata disso.

Enquanto Bela chega as Arábias, descobre um novo nível de submissão, bem como um novo nível de prazer.

Ao tentar entender uma terra tão distante e pessoas tão diferentes dela, Bela se descobre como submissa e descobre também Laurent, o escravo que havia fugido no livro passado.

Com narrativas de Bela e Laurent, nós é mostrado uma nova perspectiva da história e o limiar entre submisso e dominador.

Se preparem para grande reviravoltas e lógico um final improvavelmente feliz.
comentários(0)comente



Paulinha 24/10/2012

Final
O final do livro foi muito previsível.
O casal gay pelo menos ganhou um final feliz também, que achei o máximo!
O livro nem tem em si uma historia envolvente, e as sacanagens não achei de todo mal. Algumas muito interessante!
Ela foi corajosa ao escrever este conto, com certeza.
Valeu pela leitura e distração, afinal é para isso que foi escrito, penso eu!
comentários(0)comente



Adriana 25/03/2013

Enfim acabou
Com certeza a figura mais interessante do livro foi o Laurent.
Pra quem gosta, um prato cheio!!!!
Tem para todos os gostos, agrada homens e mulheres....
Enfim acabou e não deixou saudades nem gosto de quero mais.
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



Marselle Urman 05/12/2012

Não...não tem sentido algum!!!
Que coisa triste essa trilogia. No quesito "patético" só consegue
perder para a Bússola de Ouro.

Resultado final: O primeiro parágrafo e o último capítulo são um conto de fadas. O resto, o miolo, é uma grande brincadeira sadomasoquista num universo de fantasia onde nada é nem verossímil.

Acho que Rice se sentiu frustrada por não poder fazer Lestat ser um grande comedor e tentou se vingar na figura de Laurent. Só serviu pra fazer com que ela caísse no meu conceito, porque achei semelhanças com outros aspectos de seus livros (sérios) que eu achava ótimos.

Well, so sorry for me. Essa trilogia merecia uma fogueira por mero desperdício de papel do universo.
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



spoiler visualizar
Isa 22/07/2017minha estante
Recebi a indicação da série e engoli os 3 livros em poucos dias. O assunto submissão, o simples fato de receber ou dar prazer através da dor e humilhação indignam muita gente, mas é estimulante. Adoro este tipo de leitura, nossos princípios mudam e enxergamos a nós mesmos como meros mortais cheios de vontade de crescer e alimentar o ego independente do que possamos fazer. Custe o que custar, somos feitos de puro prazer e vontade de saciar.




Isadora 16/09/2017

Coragem para ler esta trilogia
Desde o primeiro livro eu me perguntava como alguém conseguia ler essa obra, as situações que se passam são humilhantes, o sexo é toda hora (toda hora mesmo) e restavam as questões de "Como aguenta o tempo todo?" ou "Como não engravidam?" "Se engravidar quem será que deve ser o pai?", e é necessário realmente determinação e coragem para ver como se finda. É realmente a curiosidade pra saber como tudo termina que te faz ler essa trilogia, porque realmente não entendo como alguém conseguiu apreciar.
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



21 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2