O Sentido de um Fim

O Sentido de um Fim Julian Barnes




Resenhas - O Sentido de um Fim


132 encontrados | exibindo 1 a 16
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 |


Nado 11/06/2020

Você dá o sentido
Em um livro curto de poucas páginas o autor transporta você para o presente e o passado dos personagens de uma maneira peculiar. Assuntos e detalhes inexplicados proporcionam ao leitor uma experiência diferente, dar sentido a um fim. Recomendo a leitura.
comentários(0)comente



Arsenio Meira 22/02/2013

Visualizei - lembro quando li e relido agora essa lembrança se tornou concreta - que Tony Webster se tornou um homem resignado (mas não amargurado) em seu cásulo.

Webster sabe que não fez da sua vida nem metade do que esperava que ela fosse em sua juventude e nem por isso ele arquivou a ideia de como a vida funciona e o que se faz (ou fazemos ) dela.

É certo que "O sentido de um fim" nos conduz a um tráfego de dúvidas; de incertezas sobre o que realmente aconteceu aos personagens Tony, Adrian e Veronica.

Barnes enxergou nos percalços da memória (sempre inexata ou traiçoeira) o grande traçado para o premiado romance.

Há uma saudável tentação de reler tudo: desde os dados fornecidos pelo narrador até o trágico episódio que acontece com um dos protagonistas do livro (que me remete à concepção filosófica que Albert Camus chancelou sobre o suicídio, ou então ao aforismo de que o que pode ser explicado, pode ser resolvido.)

No fim, senti que Barnes preparou uma encruzilhada: ao perpetuar a necessidade ou a inevitabilidade de que temos que escolher uma opção.

Mas através de sua arte, indica que precisamos encontrar nossa própria teoria sobre o romance ou sobre o fim.

Ao término da (re)leitura, lembrei, de súbito, uma das mais belas concepções sobre o tema, formulada pelo nosso Grande Rubem Braga: "No fim, todos passam e tudo passa. O fim é um grande sossego e um imenso perdão."
comentários(0)comente



Daniel 21/07/2012

Bom como uma conversa
Que livro incrível. Peguei pra ler algumas páginas antes de dormir e não consegui largar.

A história é contada por um homem de 60 anos, Tony Webster.
Na primeira parte a narração é feita "puxando" as lembranças pela memória, de um período específico da juventude: os anos 60 em Londres, na companhia de seus amigos de escola Colin, Alex e Adrian, e depois da primeira namorada, Veronica. Mais adiante o leitor vai descobrir que este mergulho no passado foi desencadeado um motivo.
Na segunda parte o relato enfoca os dias atuais: a velhice de Tony, e o tom fica, é claro, mais melancólico.

A prosa de Julian Barnes corre tranquila: agradável, irônica, espirituosa, mesmo quando os temas não são leves.

Além do enredo e suas surpresas, o que mais gostei foram as observações do narrador sobre a amizade, sobre as relações familiares, sobre a contestação tipica dos adolescentes - "sim, é claro que éramos pretensiosos, para que mais serve a juventude?" - , sobre a passagem do tempo - "como poderíamos saber que nossas vidas já tinham começado, que algum benefício já tinha sido obtido, algum dano já havia sido causado?"- e sobre como a gente pode ser traído pela própria memória - "Se não posso mais ter certeza dos acontecimentos reais, posso ao menos ser fiel às impressões que os fatos deixaram".

Livros assim tem aquilo que nenhuma outra forma de entretenimento consegue: não só divertir mas fazer refletir, criar aquele reconhecimento, tipo "eu também fazia isso", ou "eu também pensava assim aos 16 anos!", e a gente se pega rindo dos personagens e de si próprio... Ou menos que rindo: sorrindo por dentro, de satisfação.

Tão bom quanto uma conversa inteligente com um velho amigo.



PS:
Eu não gosto NADA dessas sinopses que mais parecem um resumo do livro, e acabam "entregando" mais do que deveriam.

Acho que a sinopse deveria dar uma idéia ao leitor do que trata o livro, ou seja para alguém que AINDA NAO LEU o livro em questão.

As resenhas, ao contrário, funcionam melhor pra quem já leu e quer discutir ou comentar alguma coisa. E quem faz a resenha não deve esquecer nunca de marcar se há spoiler, para avisar a quem não leu que alguma coisa da trama vai ser revelada.

Sinopse com spoiler é que não dá!
Arsenio Meira 16/12/2012minha estante
Daniel, quanto ao PS: por isso que criei o hábito, a muito custo, de ler as "sinopses", o mínimo possível , pois várias são incrivelmente idiotas. Entregam de bandeja a essência do enredo...

Gostei do livro do Barnes. Todavia, lembro que durante o período em que o li, andava estressado demais, o que acabou atrapalhando a curtição da leitura. Talvez por isso, a obra mereça uma releitura.


Daniel 18/12/2012minha estante
O pior é que a sinopse deste livro é a da própria editora Rocco, que entrega muito mais do que deveria...




Mary Santos 14/02/2020

Será que o caráter se desenvolve com o tempo? Nos romances, é claro que sim: senão não haveria muitas histórias para contar. Mas e na vida?
Eu ainda tenho dúvidas.
Página 123
Ganhador do prêmio Man Book Prize no final de 2011, e também com uma bem criticada adaptação homônima para o cinema em 2017, este romance com poucas páginas traz uma quantidade de frases memoráveis que chama bastante atenção.
Julian Barnes faz da morte seu principal tema em O sentido do fim. O fim da vida, questão inevitável e também insolúvel para a humanidade, é o próprio núcleo da nossa existência, destrutiva mas também construtiva, no que faz analisar seriamente o significado e a maneira de viver.
Um livro intrigante, que me fez refletir sobre a minha própria existência e sobre os erros cometidos devido a imaturidade, é o que o nosso protagonista faz o tempo todo de modo tão realista que me peguei fazendo tais questionamentos.
comentários(0)comente



carolmureb 26/04/2020

Uma história sobre a memória; sobre o que recordamos e como... sobre o que excluímos e os "arranjos" que podemos fazer... sobre o que fazemos com o tempo que nos é dado... o final foi surpreendente... chocada e confusa. Leitura espetacular!
comentários(0)comente



Valério 19/08/2012

Clássico é clássico
Este livro prejudicou uma máxima, se não me engano de Niezsche, que diz que, para um livro ser considerado um clássico, deve passar pelo crivo do tempo. Ou seja, se o livro ainda for comentado e elogiado após 50, 100 anos, significa que é realmente um grande livro. Seria precoce classificar um livro como clássico nos anos seguintes ao seu lançamento. Contudo, "data maxima venia", "O sentido de um fim" já me dá tranquilidade para classificá-lo como um clássico, que não deve se perder no tempo e precisa ter seu valor reconhecido daqui a 50 ou 100 anos.
Fantástico. O melhor livro que li nos últimos tempos. Profundo, filosófico. Ao invés de acharmos que o protagonista está aprendendo, descobrimos que, até o final da vida, há muito que aprender.
A leitura lhe obriga a pensar e repensar o que anda fazendo de sua vida e quais as implicações, amanhã, do que realiza hoje.
Se teve paciência de ler esta resenha, não deixe de ler o livro.
Você não se perdoaria por não ter lido.
laura 19/08/2012minha estante
Linda resenha Valério!


Valério 19/08/2012minha estante
Obrigado, Laura! Espero que goste do livro.


jota 19/10/2012minha estante
Valério: não li o livro do Barnes ainda. Só gostaria de dizer que há uma expressão para esses livros que instantaneamente cativam crítica e público pela qualidade. São chamados de clássicos modernos. Foi assim com O Nome da Rosa, de Umberto Eco e Memórias de Adriano, M. Yourcenar, por exemplo. Do próprio Barnes tivemos tempos atrás, O Papagaio de Flaubert. Outros virão.


Valério 30/10/2012minha estante
Obrigado, JD, pelas explicações.
Creio que "O nome da rosa", a esta altura, já pode abandonar a expressão "moderno", ficando apenas com a alcunha de "clássico".




Samara @o_gato_leitor 05/04/2020

Sensacional!
Não é suficiente dizer que O sentido de um fim é daquelas leituras que se tem desejo imediato de recomeçar ao virar a última página. Numa espécie de piada de mal gosto, o livro versa sobre finais de muitas formas possíveis. O fim de uma vida, o fim de uma história (de amor ou não, cabe ao leitor completar), o fim de um livro. Mas na prática, nenhum desses elementos efetivamente se encerra. Adrian Finn se suicida, mas sua existência e o mistério por trás da trágica morte persistem. Os relacionamentos entre protagonistas em tese se desfazem, mas retornam de forma cíclica à vida de todos os que foram afetados por eles. O livro fisicamente chega ao fim, mas com um final aberto que pede ao leitor que assuma as suas responsabilidades enquanto participante da narrativa. O texto se encerra, mas as reflexões ficam girando em círculos, de forma que é impossível não ser convidado ao retorno. No fim a gente pensa no começo (frase de caminhão que carrego pra vida). E quando nos deparamos com um suposto fim, estamos sempre em busca de seu sentido. Mas não é disso que esse livro se trata. O sentido de um fim não é sobre fazer sentido (digo isso com toda minha prepotência de leitora comum). Lide com isso. Esse é um livro incrível sobre o ser humano e a construção da memória individual.
.
Tonny Webster é um homem de meia idade com uma vida medíocre que tem suas lembranças da adolescência ressuscitadas a partir de uma herança curiosa: o diário de seu melhor amigo, que se suicidou ainda jovem. Através desse gatilho, somos conduzidos por Tony numa retrospectiva que nos levará a uma busca pela verdade (mas qual?)
.
Quem somos realmente ? Uma junção de nossas memórias? E se nossas memórias não são confiáveis, o que resta de nós mesmos? E se inconscientemente estamos editando a todo segundo aquilo que vivemos? Mal o tempo passa e a vivência já não existe em si mesma. O que resta é a lembrança. Tudo mais será apagado. E qual o critério? Será que subjetivamente estou moldando não só quem sou e serei, mas também quem eu fui? Será que um dia vou me deparar com a lembrança de um antigo eu que hoje me é estranho? Quanto mais absurdo isso parece, mais percebo que já me é familiar. Quantas textos e cartas você já releu e percebeu que não se lembrava de ter escrito? Quantas vezes já te disseram aquele "lembra quando a gente..." e você percebeu que essa memória já não te compunha mais (ou na melhor das hipóteses, compunha apenas um borrão)? Tony Webster me fez pensar sobre isso.
Níco @literatotti 22/09/2020minha estante
Olha, essa resenha me representou de várias formas e me deixou mais reflexivo que o próprio livro. AMEI!


Samara @o_gato_leitor 27/09/2020minha estante
Ah, que coisa linda! Obrigada ??




Ladyce 06/09/2015

Memórias e ficção
Recentemente tive uma discussão acalorada com meu irmão sobre a lembrança de um evento da nossa infância. Cada um de nós, únicos protagonistas da aventura, se lembrava de coisas diferentes e em diferente ordem. Mais revelador ainda: cada qual só tinha a memória daquilo mais significativo para si mesmo. Guardamos para o futuro, para o nosso banco de memórias, para o perfil do nosso passado, só o momento de nosso próprio ato de bravura. Os dois haviam sido corajosos, individualmente, mas uma única lembrança, pessoal, individual, em que fomos heróis, se manteve. Não chegando a um acordo, partimos frustrados, como se tivéssemos sido traídos pelo outro. Aí estava uma prova, para mim, historiadora, que de fato a reconstituição do passado é sempre ficcionalizada de acordo com o narrador. Faz parte do dia a dia, de quem se dedica à história, considerar que memórias são seletivas. Julian Barnes adverte o leitor sobre esse fenômeno desde o início da narrativa, através de Adrian, um adolescente precoce em conversa com seu professor: “Esse é um dos principais problemas da história, não é senhor? A questão da interpretação subjetiva versus a interpretação objetiva, o fato de que nós precisamos conhecer a história do historiador, a fim de entender a versão que é colocada diante de nós.” [18]

"O sentido de um fim", de Julian Barnes, trata diretamente da memória e da narrativa que damos às nossas vidas. Trata da maneira sucinta e por vezes poética com que narramos nossas próprias lembranças; reeditando-as com a a passagem do tempo. Julian Barnes também trata de maneira sucinta e poética o tema, revelando a enorme dimensão do que pode existir por trás dos detalhes que escolhemos lembrar, dos fatos que obliteramos, e como a cada narrativa podemos encontrar uma nova interpretação. Esta é uma obra magistral. Pequena, enxuta, prova de que conteúdo não precisa ser copioso para ter impacto.

Inicialmente "O sentido de um fim" parece estar contido nos preparativos a que, aos sessenta anos, Tony Webster, protagonista e narrador, se dedica ao colocar a vida em ordem para um futuro incerto. Mas à medida que se recorda do passado e conclui que não realizara nada do que sonhara, é forçado a reconsiderar o que havia feito de sua própria vida, de seu casamento. Fora nada mais do que a vida de um homem comum. Tem vívidas recordações de sua adolescência e dos amigos de então. Lembra-se de sua primeira namorada e dos hábitos diferentes de relacionamentos na época de sua juventude. Esse início, a primeira parte da história, marca o tom de meditação que permeia a narrativa: uma longa ponderação sobre as expectativas que temos sobre o futuro, e sobre o comportamento humano.

As lembranças, cada qual acessada a partir de um gatilho diferente parecem sempre surpreendentes. Tudo é próximo da realidade e enigmático. Revisto dezenas de vezes e sempre novo. Como num processo de psicanálise ou inquérito policial, a cada recontagem, a cada rearrumação de fatos, uma lembrança resgatada, uma revelação, nem tão clara, nem tão nebulosa, mas presente. A verdade? Está em algum lugar e não chega a ser mencionada.

O título "O sentido de um fim" toma conotações inesperadas, imprevistas. Muito mais do que estabelecer ordem em uma vida que se prepara para o fim, essa trama nos leva a questionar a veracidade das nossas certezas. Somos, afinal, quem pensamos ser?

De repente, a história singela, franca, desafetada, que prendeu nossa atenção até o final, levanta dúvidas. Sérias. Não sobre si mesma. Mas ela interage conosco. Questiona. No mesmo tom meditativo da narrativa, embarcamos numa ponderação a respeito do passado. Rever a ficção das nossas vidas, não é fácil. Saberemos catar nos rincões da memória o que é verdade? Separá-la, mesmo não conhecendo todos os fatos? Sim, porque é isso o que somos, um conglomerado de ficções e alguns fatos aos quais damos a nossa identidade, não é mesmo? Tony Webster, adolescente, não percebe a ficção do dia a dia. “Esse era outro de nossos temores: que a Vida não fosse igual à Literatura.” [21] Mas é. A vida é igual à literatura. Somos protagonistas da história que desenvolvemos, editamos, burilamos. Eliminamos fatos indesejados, colorimos a gosto. E em algum lugar, em algum ponto, essa fantasia toma uma vida própria, ambulante e acreditamos nela. Só mesmo um acontecimento inesperado, um evento de grandes proporções — como acontece em "O sentido de um fim" — pode desvendar a proporção de realidade que escolhemos esconder dos outros e de nós mesmos. Mas mesmo assim, não revelará tudo. Só o suficiente para o entendimento geral de uma determinada situação.

"O sentido de um fim" é uma joia, uma obra prima.
Ladyce 07/09/2015minha estante
Gilberto, obrigada pela lembrança de que eu gostaria desse livro!


Gilberto 09/09/2015minha estante
;)


Ana (Marta) 23/07/2019minha estante
Eu adorei o livro! Você trata muito bem a questão da confiabilidade (ou não) do narrador. Tony acredita mesmo na história que ele contou sobre a Verônica para a ex-mulher, mas ele (SPOILER) fica chocado ao confrontar a verdade presente na carta que ele mesmo escreveu anos atrás. Assim acontece com a gente. Nós vamos contando a nossa visão dos acontecimentos, e lá no futuro podemos acabar nos esquecendo dos "pequenos" detalhes, e aquela história vira A oficial.
Agora, percebi que algumas pessoas nos grupos de discussão (inclusive o meu) começaram a levantar várias possibilidades um tanto fantásticas sobre várias possibilidades de final do livro, como se o narrador fosse totalmente não confiável. Eu sinceramente não acho que foi essa a intenção do autor. Penso mais na ideia do que acontece na vida cotidiana, como você mesmo comentou. No entanto, no caso do Tony, a carta (SPOILER) trouxe consequências trágicas, mas isso não o transforma, na minha opinião, em um mentiroso manipulador. O que você acha?




Almicci 04/09/2020

um ótimo livro que nos mostra que vivemos de memórias incertas.
confesso que demorei uns minutos pra entender o final mas qd entendi fiquei passado!
comentários(0)comente



Alice.Mariana 29/11/2020

Achei o livro muito bom, me fez refletir bastante, porém apesar de intrigante, o final é bem confuso por não deixar claro o que realmente aconteceu, o que me incomodou um pouco, porém não anula o fato de ter sido uma boa leitura.
comentários(0)comente



Thayane - @lendoaos30 27/07/2020

Tenho “O Sentido de um Fim” em minha estante desde o ano passado graças à TAG Curadoria (que indico para toda e qualquer pessoa que queira aprofundar mais suas leituras e ter edições lindas enfeitando sua biblioteca), mas só este ano resolvi dar uma chance a ele. Comecei sem qualquer expectativa – não gosto de ler nada sobre os livros antes de iniciar a leitura, gosto da surpresa, da emoção de descobrir o que a obra propõe – e foi uma experiência simplesmente sensacional. Parecendo no início um simples livro de memórias, a obra muda drasticamente em um momento muito específico da narrativa (que me fez exclamar em voz alta muitos “Não! Não acredito! Que absurdo! Meu Deus!” e ficar boquiaberta por mais algumas páginas, em choque) e a partir daí, mostra a que realmente veio. Tony Webster, nosso narrador em primeira pessoa, conta sua história, iniciando-a em seu período de adolescência, na escola e seguindo até os dias “atuais”, em que ele é um homem de meia idade que já viveu e reviveu nas memórias tudo que achou ser possível. O grande trunfo de “O Sentido de um Fim” está justamente nesse narrador: com uma clara semelhança com os narradores de “Dom Casmurro”, “Clube da Luta”, e outras obras cujos personagens contam suas próprias histórias com base em suas percepções e recordações, temos um homem que admite, a todo o tempo, como sua memória pode ser falha e como ele pode ter alterado detalhes da história – propositalmente ou não. Não somos enganados em nenhum momento – ou talvez o sejamos em todos – porque sabemos que tudo que está sendo dito é apenas um ponto de vista e isso significa que há outros muitos pontos de vista que estão sendo ignorados. Até que não são mais. Com uma linguagem simples e fluída e uma narrativa cheia de reviravoltas e revelações que nos fazem ficar em desespero querendo entender o que está acontecendo, Julian Barnes constrói um texto que questiona o que entendemos como memória e deixa a pergunta que não quer calar: será que nossa história é realmente como a contamos ou estamos somente criando enredos de acordo com o que queremos acreditar que é a verdade?


site: https://www.instagram.com/lendoaos30/
comentários(0)comente



Tatiana Patrícia 02/07/2020

Esperava mais
Acho que eu vou contra a maioria.
Não gostei do livro, nao curti a história, os personagens não me prenderam, não consegui sentir aquela vontade de terminar de ler...
Achei que estava lendo um livro para adolescentes, bem estilo John Green (não que os livros dele sejam ruins)
Pode ser que eu nao tenho entendido?
Sei la... Só sei q não gostei.
comentários(0)comente



jota 14/08/2014

Salve, Barnes!
O Sentido de Um Fim é o sétimo livro de Julian Barnes que leio e que, igual às outras vezes, não me decepciona absolutamente. Pelo contrário: desde as linhas iniciais até o fim a história só faz o interesse do leitor crescer pelo que conta Tony Webster, o protagonista.

Além disso o livro está cheio de frases memoráveis - daquelas para colecionador de citações nenhum botar defeito - ironia, humor e autocrítica. Quer dizer, Tony Webster é extremamente humano, falho e cheio de culpas – coisa que vai descobrindo aos poucos e que o torna mais simpático ainda aos nossos olhos.

Apreciei bastante essa obra e não tenho mais nada a dizer – e isso não é mesmo uma resenha, mas uma louvação - a não ser recomendá-la para os leitores que ainda não tiveram contato (ou melhor, o prazer) com Julian Barnes, esse excelente autor inglês, tão importante no panorama das letras de seu país quanto Martin Amis e Ian McEwan.

Lido rapidamente (pois não conseguia parar, além de ser um livro curto) em 13 e 14/08/2014.
comentários(0)comente



Fernanda Taniz 10/08/2020

Muito Bom
Essa história te engana em vários aspectos, pela escrita e por ser curtinho. Mas o conteúdo dele vale mais que muitos livros de 600 páginas por aí. A dica é ler com calma e prestando atenção em tudo, no final você irá fechar ele e ficar pensando "Como assim, será que li certo".
comentários(0)comente



132 encontrados | exibindo 1 a 16
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 |