Amada Imortal

Amada Imortal Cate Tiernan




Resenhas - Amada Imortal


118 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 |


Joyce Adrielle 18/05/2020

Magia, bruxas, coisas afins
A história é confusa no início é apenas uma mulher que esconde um segredo e não está satisfeita com sua vida imortal. Então, ela parte em busca de um local - torcendo para a anfitriã ainda ser dona.

Ela desenvolve uma paixão aguda por um dos imortais que vivem nesse lugar ... E por conta disso cria um inimigo.

Eu não sei, é como se a autora quisesse criar um universo bacana para a história e depois tivesse decidido só juntar imortalidade mais poder. Falta algo. Falta um enredo.

Enfim, estou com os outros dois livros para ler e vou ler. Mas antes vou enrolar um pouquinho.
comentários(0)comente



House of Chick 08/09/2012

Em “Amada Imortal” acompanhamos a tragetória de Nastasya, uma imortal de mais de quatrocentos anos que vive “na farra”, uma vida sem limites, sem se preocupar com nada, saindo para se divertir e beber todas as noites com os amigos. Ela também não se importa com ninguém mais (já que se cansou há anos de perder pessoas que amava e desistiu disso) e vive por viver, sem aproveitar a vida com a melhor coisa que alguém pode desejar: a felicidade. Na verdade ela mal consegue lembrar da última vez em que foi feliz.

Até que percebe que a vida tem que ser mais do que isso. Ela sente que precisa mudar antes que tudo fique ainda pior, e isso acontece depois que testemunha seu melhor amigo atacar, usando magick, um humano inocente. Então Nasty lembra de uma mulher que muitos anos atrás lhe disse para procurá-la se estivesse cansada dessa vida que leva.

A partir desse momento, ela decide ir embora e deixar tudo para trás, inclusive fugindo de seus amigos, em busca de uma melhora significativa para o que está vivendo, e acaba se hospedando em uma espécie de clínica de reabilitação para imortais rebeldes ou que passaram por muitas coisas negativas na vida.

Lá ela fica em contato direto com a natureza e com pessoas que buscam o mesmo que ela, e começa a perceber como dar importância a coisas mais simples na vida, enquanto aprende a usar melhor sua magick e relembra seu passado obscuro, precisando aprender a tomar lugar como herdeira dos poderes de sua família.

Como livro introdutório para a trilogia, esse primeiro volume é muito bem escrito e explica os acontecimentos de uma forma sutil, mas bem feita, então a autora, que eu ainda não conhecia, está de parabéns. Como forma de fazer o leitor entender o que Nasty viveu e o motivo que a fez fugir e encontrar esse local, acompanhamos muitas de suas lembranças, nos fazendo viver o passado juntamente com a personagem.

Acho ótimo que o tema desse livro não é nenhum “tipo” de sobrenatural tão comum por aí, apesar de já haverem outros livros assim. Em “Amada Imortal” eles são, como o próprio nome sugere, imortais, e as únicas coisas que os distinguem do resto da população mundial é que, além de não morrerem facilmente (nem por idade, nem por doenças, acidentes, etc.), apesar de existir formas de serem mortos, eles possuem a capacidade de produzir magick, um tipo de magia que geralmente é negra, e eles precisam estudar e treinar para transformá-la em branca, sem destruir as coisas ao seu redor (isso me lembrou muito as bruxas, mas ninguém foi denominado assim nesse livro).

Outro ponto positivo é que Nastasya sempre soube que era uma imortal (afinal tem mais de 400 anos!), então não precisou aprender e aceitar suas origens, nem ficou revoltada, ou assustada com sua nova descoberta, como geralmente acontece em livros do gênero. Ela simplesmente sabe o que é, de onde vem e como é viver assim, então quem não gosta de ter que viver essa experiência de aprendizado em primeiros livros, com certeza vai gostar dessa característica desse.

Continuação: http://www.houseofchick.com/2012/09/amada-imortal-cate-tiernan.html
Bruna Costenaro 08/09/2012minha estante
Sem dúvidas é mais interessante um livro onde o ser já conhece sua natureza do que um onde ele passa por todo o processo de aceitação. Acho que esse processo já vou mto utilizado, e caiu na mesmice.

Mas imortal ou mortal nós nunca nos conhecemos o suficiente e busca por nós mesmos é eterna...

Miquilisss: Bruna Costenaro


Bitinha 08/09/2012minha estante
Quero ler esse livro! Procurei pra comprá-lo, mas eu não achava, e quando achava estava caréeeeeesimo! Sério, uma loucura que até deixei pra lá..
Não vou desistir! A resenha me instigouu!


Andressa 08/09/2012minha estante
Desde que fiquei sabendo do lançamento desse livro, tenho sim muita vontade de lê-lo! Romances com tema sobrenatural é um dos meus estilos favoritos e sempre procuro me informar a respeito.
Parabéns pela resenha!


Vanilda 08/09/2012minha estante
Eu comecei a me interessar por esse livro quando vi o nome "Amada imortal", que achei muito bonito. Depois, a capa também me chamou a atenção mas como ainda não tive o livro em mãos, não sabia de todos esses detalhes que você mencionou sobre o auto relevo, o verniz, enfim ... pela sua descrição tão bem feita quase que pude "sentir" o livro nas mãos. Então vieram as resenhas. A maioria foi positiva e uma ou outra destacando mais os pontos negativos. Acho que a sua foi a resenha mais completa que eu li até agora porque destacou tanto os pontos fortes quanto os pontos fracos e ainda fez uma balanço entre eles. Achei excelente para os que, como eu, ainda não leram o livro e podem ter uma dimensão do que se trata a história e o que é melhor ... sem spoilers! Analisando a questão do sobrenatural, que eu gosto bastante e ainda se tratando de um sobrenatural diferente do que tenho lido, fiquei muito interessada em ler. A questão do ritmo lento e descritivo, acho que não incomoda tanto, já que se trata de um primeiro livro e é importante para ficarmos bem ambientados com o que ainda está por vir. Enfim ... achei sua resenha muito bem escrita e fundamentada.


Lorrany 08/09/2012minha estante
Esse sim é um livro que me interessa. A capa em si já é altamente atrativa e me encantou de cara. Como falei no House, o ponto super positivo (pelo menos para mim) é o fato da personagem não ser totalmente boa. Isso a torna mais real, mas crível. A escolha por uma "imortal" também me agradou bastante, principalmente hoje em que fadas, vampiros e afins estão mais do que repetitivos.

Lorrany Rodrigues


MauMau 08/09/2012minha estante
Eu nunca tinha lido nada do tipo, sobre a imortalidade.
Por que vampiros imortais, não deixam de ser vampiros! E sim,
tem que haver um trgua de vampiros, anjos, e tc!
Agora a moda é Tigres!!!

A protagonista em certas partes do livro é bem imatura, mas tem decisões
boas e fortes. E o casal é bem diferente tbm Por isso o livro chama bastante a atenção por
ser diferente. É bem sobrenatural mesmo. Conhecer um novo mundo sempre é válido!
E este do livro é bem autêntico e muito bem construído!
Eu acho que a sequencia do livro vai ser bem melhor em certos pontos. Até nisso,
a autora não deixa ganchos para o próximo livro.
Parabéns pela resenha. Adorei muito!!!
Bjão!

Maurício
[email protected]ive.com


Maya 08/09/2012minha estante
Magick... Não gostei muito da palavra, a autora poderia ter usado algo mais criativo XD
Como eu já comentei no blog, vou falar sobre outra coisa aqui.
Gosto de saber como uma pessoa que se tornou ou já é imortal viveria na sociedade humana, é como se eu estivesse treinando ou adquirindo experiencias para meu futuro :3
Gosto de ler por isso, sempre tem situações e loucuras, com qual eu aprendo de tudo, mesmo que eu não sobreviva para fazer algumas coisas que aprendi :(


Gih 09/09/2012minha estante
Nossa parece fantastico, me encantei por ele e pela resenha.

Eu vi a capa dele (linda de morrer) nos lançamentos do skoob ai li aresenha e ja foi pra minha lista de desejados.

A protagonista é bem no estilo q eu gosto vai atras do q quer, procura remediar seus erros e melhorar.

Acho interessante do casal ser assim, uma hora a gente torcer e na outra sabe mudar de ideia.

Eu ando conforme o livro anda assim dizendo, se ta acontecendo um monte de coisa tudo rapido devoro o livro com a mesma intensidade, agora se esta morno demoro um pouco mais na leitura.

Linda resenha, meus parabéns!


Thais 10/09/2012minha estante
A capa é maravilhosa e apesar da história parecer muito boa e original, não é o número 1 na minhas lista de prioridades.

Os personagens parecem fortes e bem delineados, com personalidade marcante e parecem "saber o que querem".

Adorei sua resenha


MauMau 14/09/2012minha estante
Eu nunca tinha lido nada do tipo, sobre a imortalidade.
Por que vampiros imortais, não deixam de ser vampiros! E sim,
tem que haver um trgua de vampiros, anjos, e tc!
Agora a moda é Tigres!!!

A protagonista em certas partes do livro é bem imatura, mas tem decisões
boas e fortes. E o casal é bem diferente tbm Por isso o livro chama bastante a atenção por
ser diferente. É bem sobrenatural mesmo. Conhecer um novo mundo sempre é válido!
E este do livro é bem autêntico e muito bem construído!
Eu acho que a sequencia do livro vai ser bem melhor em certos pontos. Até nisso,
a autora não deixa ganchos para o próximo livro.
Parabéns pela resenha. Adorei muito!!!
Bjão!

Maurício
[email protected]


Silvia 06/11/2013minha estante
Meu livro favorito. Agora queria saber qual nome do terceiro :(




Jacqueline 25/08/2012

Publicado originalmente em www.mybooklit.blogspot.com.br
Nastasya tem mais de quatrocentos anos e tudo o que deseja é viver a vida no limite. Em companhia de seus melhores amigos, ela sempre está em busca das melhores festas, bebendo até não poder mais.
Amor é uma palavra que não existe em seu dicionário. Apenas encontros casuais - em sua maioria com mortais - sem qualquer tipo de envolvimento.

Sua vida parece completa e satisfatória, até o dia em que vê seu melhor amigo torturar um mortal, fazendo uso de magick das trevas. Incapaz de tomar alguma atitude, toma a única saída viável: decide se afastar de seu grupo.
Assim ela encontra abrigo em uma espécie de casa de reabilitação para imortais, que desejam fazer algo mais de suas longas vidas. Ao chegar na casa ela se depara com Reyn, um sexy imortal, e pode jurar que o conhece de algum século passado.
Enquanto isso, Incy, seu inseparável amigo, não parece disposto em esquecê-la e fará de tudo para encontrá-la.

" Ele parecia...simplesmente inacreditável, o cabelo revirado pelo vento, os olhos brilhantes, o rosto levemente ruborizado. Era quase impossível eu não derrubá-lo ali, na frente de Asher, e subir em cima dele. Se eu acertassse com uma frigideira, ele talvez não lutasse muito..." (pág.98)

Quando ouvimos a palavra imortal, logo pensamos que o conceito da imortalidade está intrinsecamente ligado aos vampiros, certo? Errado. Tiernan resolveu inovar, e trazer um enredo bem diferente sobre a imortalidade, tornando assim seu romance Amada Imortal em um YA sobrenatural único.
As primeiras páginas me deram sono, não vou negar. Porém, ao chegar na página 50, eu estava completamente hipnotizada pela história (tanto que o arroz da janta queimou, porque eu não conseguia largar o livro).

Narrado em primeira pessoa, o tom descontraído e zombeteiro que a protagonista utiliza, torna a leitura muito divertida. Ela faz piadinhas com as próprias desgraças, fala com o leitor como se ele estivesse ao seu lado, e ainda abusa do sarcasmo para nos contar sobre os imortais. Tudo isso sem se tornar chata, forçada ou incoveniente.
Nastasya foge de todos os esteriótipos das mocinhas virginais que encontramos atualmente na literatura. E não é só pelo fato de ter mais de 400 anos e ter aproveitado bem a vida. Só uma palavra me vem a cabeça para descrevê-la: Louca. Eu não poderia amá-la mais.

E chegamos a melhor parte do livro: o romance. Claro, este não poderia faltar, e o melhor: sem triângulo amoroso. Reyn é tipo um deus viking imortal. Ele trata Nasty de modo totalmente hostil, e parece não dar a mínima para sua presença. Fora o fato de viverem se alfinetando, trocando farpas e reclamações sobre o comportamento um do outro.
Engraçado o modo como Nasty reage aos seus encantos (e que encantos). Ela dá voz aos seus devaneios e pensamentos mais sinceros, e vez ou outra deixa escapar um: nossa como ele é gostoso (porque será que me identifiquei tanto? rs).

Todos os outros personagens são bem desenvolvidos. Nell é a mais nova dos imortais, e tem uma queda por Reyn, que parece não se dar conta de seu charme. River é a dona da casa, sendo assim a imortal mais antiga, e o modo como trata todos é cercado de carinho. Ela é uma das minhas personagens preferidas.
Não pense que a casa é um tipo de colônia de férias para imortais. Eles cumprem várias obrigações - totalmente tediosas - que incluem lavar louça, arrumar a cozinha, tirar alimentos da horta, e ainda precisam arranjar um emprego.

O conceito da imortalidade é bem descrito e inovador. A magick, que é a magia utilizada pelos imortais para fazer feitiços ou até matar algum mortal, pode ser usada em benefício do mal ou do bem. E Nasty busca pelo controle de sua magia.
O suspense fica por conta das muitas perguntas. Quem teria matado seus pais? Porque ela se sente tão mal após realizar alguma magick? Qual seria o significado da marca em seu pescoço? De onde ela conhece Reyn? E este é só o primeiro livro de uma trilogia. O segundo volume Darkness Falls já foi lançado nos EUA, mas ainda não tem previsão de lançamento no Brasil.
A autora deixa um gancho para o próximo volume, de querer arrancar o couro cabeludo.

Não posso deixar de citar o belo trabalho que a Editora realizou com a capa do livro. Pessoalmente ela é muito mais atrativa, pois possue um toque aveludado, e as flores em alto-relevo parecem ganhar vida.
Uma leitura realmente imperdível.
comentários(0)comente



Beatriz 23/04/2016

Quando a história é boa mas o livro é ruim
Não vou aqui, fazer aquela tipica resenha de livros. Então vai ter spoiler e vai ter reflexões.

Eu arrisquei a ler Amada Imortal, por puro instinto. Aquela adolescente interior, que anseia por romances falou mais alto e eu li. E eu vibrei e me emocionei, muito.

Nastasya é uma imortal que tem mais de 500 anos. Ela é foda e tem muita atitude, a historia e as explicações que existem para o mundo dos imortais é tão impressionante que você fica só uau.

Dai tem a paixão dela, o Rain, e eu juro. Me apaixonei.

até o meio do livro eu tava vibrando e achando que: Eles já haviam se apaixonado antes e ela de alguma forma bizarra o amigo estranho dela os separou e a fez se esquecer dele. E ele tava magoado com ela e a culpava por algo e sentia tristeza e não queria mais nada com o jeito abusado dela maaaaas a amava e ela também o amava no fundo. IMAGINEM só como seria se a escritora tivesse seguido essa linha de raciocínio. (e colocado mais romance no meio)

Mas no final, eu fiquei pensando que a escritora pegou uma historia pela metade de alguém realmente criativo e escreveu o resto, deixando assim essa coisa ruim e sem nenhum pingo de tesão.

Foi tão decepcionante o desenrolar dessa história que até agora eu estou triste. Até pensei em escrever uma fanfic pra tentar superar o trauma.

Tudo simplesmente poderia ser tão maior, tão mais vibrante e emocionante. Mas realmente a autora teve algum problema de cabeça ao escrever o meio ao final do livro.

É aquela tipica coisa, aonde o objeto criado se torna melhor que o criador. Se Nastasya, pudesse, daria uns bons socos nessa autora por cagar com sua história.

site: https://aquimerablog.wordpress.com/
Dayane.Persil 05/06/2020minha estante
Passei mal de tanto rir lendo essa resenha kkkkk




Rafa 14/08/2012

Resenha - Amada Imortal - Cate Tiernan
Não sabia nada sobre imortalidade até realmente eu ler esse livro. Simplesmente um livro bom, que me surpreendeu desde a primeira página, tem uma pegada leve e descontraída. Eu quero mais, muito mais.

Pelo ponto negativo, o livro enrola muito até chegar na parte emocionante, esperei até a página 217, aonde começa a revelar os segredos "mastigados" ao longo da leitura. O mais engraçado que descobri foi sobre a imortalidade, que imortais também podem morrer, daí pode se imaginar X maneiras para matar um imortal até que ele não possa se reconstituir mais.

Em seguida vou contar um pouco da história.

Nastasya ou Nasty para os íntimos, é uma imortal com aparência de jovem beirando 16 à 24 anos, ela tem várias identidades, visto que ela tem mais idade do que aparenta. Viver na imortalidade tem lá seus benefícios, Nasty aproveita bebendo e se divertindo com seus amigos, ela não gosta de se lembrar de seu passado, muito menos revivê-lo.

Numa certa noite Innocencio ou Incy, seu amigo também imortal, acaba usando magicka (do mal) no taxista, deixando-o paralitico. Nasty já não acreditou no que Incy fez, muito menos que ele soubesse usar magicka. Ela decide sumir, esquecer todos seus amigos, pelo menos por um tempo. Era como se aquela atrocidade feita aquele homem pudesse ser por parte, culpa dela. Afinal, ela não fez nada pra ajudá-lo. Aí que ela acorda pra realidade.

Mais tarde ela acaba procurando ajuda na casa de River Edge, a única imortal que Nasty conhecia como mais velha do que ela. Ela aceitou morar lá, nem que fosse só por um tempo, mais tarde ela descobre que lá é uma casa de programa de reabilitação, onde alguns imortais que se rebelaram no passado pediam ajuda. Nasty passa a trabalhar todo dia, até consegue um emprego. Contando sobre outros personagens dentro daquela casa, todos fazem mais do que serviços para se auto-ajudar.

Reyn é o tipo de cara no qual Nasty adoraria namorar, mas ele era enigmático, mesmo assim ela a evitava, que só mais tarde os dois desvendam esse mistério que os rondam, mesclando passado e presente.

Amada Imortal, é contado em primeira pessoa por Nasty. Também nos revela todo processo que leva Nasty à casa da personagem enigmática River, ela sempre parecia esconder alguma coisa, todo o enrolamento sobre seu trágico passado, que confesso que tomei nojo em uma parte. Mas houve momentos que me diverti, porque Nasty é muito sarcástica em seus diálogos, deixando a leitura mais contagiante e leve.

A mudança de vida de Nasty pra mim foi rápido até demais, e sua aceitação nem tanto, acho que até agora ela não está acreditando aonde está, querendo fazer as coisas certinhas ou não. Até começou a usar seus poderes, sua magia do bem, é incrível ver que imortais também tem poderes também. Inusitado.

E essa pressão que Nasty e Reyn tem um com o outro, logo depois vem uma outra personagem para botar mais fogo na palha. Nell é o tipo de personagem adversária do pleito para a conquista do gato da casa. Mas ela não me convenceu muito, ela nem sequer brigou com Nasty. Mas esse enigma dos personagens é que nos faz amar o livro. Estou muito ansioso para o próximo da triologia. Espero que seja breve. Recomendo muito.
mirella 03/10/2012minha estante
Que capa linda sô hahah Também me revolto quando o livro enrola pra chegar no ápice!




Marí Amo 11/07/2020

Surpreendente
Tudo começou perdido e estranho. Aos poucos muitos mistérios foram se estabelecendo. Nasty ganhou espaço e carinho no meu coração e agora tudo que quero é saber o desfecho dessa incrível história. Quero entende mais sobre o projeto da River, sobre o amor da Nasty, sobre a magick.
comentários(0)comente



Bianca 01/06/2013

Um precioso achado
Quando esse livro começou a vender eu via sempre essa capa bonita nos sites. Nunca dei atenção, achando que seria só mais uma história entre milhares, sobre imortais. A sinopse não me cativou. E para falar a verdade eu nunca pensei muito em ler esse livro, ou sequer comprar.

Mas num dia, entre minhas andanças por livrarias, achei ele no sebo. O estado estava tão perfeito que parecia nunca ter sido lido. Estava bem barato, e como eu jamais iria comprar na livraria, resolvi levar. Na hora bateu um remorso de compradora, e eu me arrependi totalmente. Mas pensei: poxa, ele está tão conservado, e a capa é tão bonita! E eu já tinha comprado, não podia devolver. Comprei um outro livro nesse dia também.

Uns dois dias depois eu resolvi começar a ler. Que surpresa! Eu não dava absolutamente nada por esse livro, e ele me cativou de uma forma que não acontecia em anos. Não é apenas mais uma história de imortais, é uma história muito bem elaborada, onde nada é realmente o que você pensa.
Você começa a ler, e ao conhecer a Nastasya, acha que ela é apenas uma protagonista fútil e adolescente. Que nada!
Ao longo do livro passamos a conhecer uma mulher forte, que passou por maus bocados, viu entes queridos morrerem, e tudo o que conhecia desaparecer na poeira do tempo. Escolhendo então, se tornar fria, se amortecendo ao invés de sentir, e trancando as memórias dolorosas.

Com uma língua afiada, ela não leva desaforo para casa. Tem uma personalidade forte e sarcástica, e eu me peguei rindo várias vezes com as suas ironias.

E ainda tem o Reyn. Como eu gostei dele! Principalmente por ele não ser perfeito, por já ter cometido muitos erros.

Ao longo da narrativa, Nastasya vai nos mostrando pequenos trechos de suas memórias, de sua vida. De seus outros nomes. Muitos mistérios ainda ficaram no ar, e eu mal vejo a hora de comprar a continuação. E como é uma trilogia eu me sinto motivada, sem ter que esperar uma série gigante.

No fim, Amada Imortal valeu muito mais a pena do que o outro livro que eu comprei no mesmo dia. Foi um verdadeiro achado.
comentários(0)comente



Rafa Paes 01/06/2020

A melhor coisa do livro é o universo criado.
A personagem principal é divertida mas beem infantil para uma pessoa com mais de 400 anos que passou por tantas experiências. Não gostei muito do romance, não houve muito diálogo entre eles, apenas ela atacando-o com palavras e ele fugindo. Ela estava meio obcecada pelo principal, achei q era pq já tinham uma história, mas depois q tudo é revelado tal conduta se mostra ainda mais estranha.
Ele, apesar de muito atraente, é um pouco raso durante boa parte do livro, também não gosto do descontrole dele em alguns momentos, sendo que passou tanto tempo se autoconhecendo e buscando o lado do bem.
Os personagens, no geral, não foram muito bem desenvolvidos com excessão da principal.
Gostei muito de toda a mitologia do livro, é original, quanto aos ensinamentos são um pouco batidos mas válidos.
Boa sorte na leitura ; )
comentários(0)comente



Paula Juliana 23/02/2013

Amada Imortal
Existe um ditado que diz ‘’ que não se deve julgar o livro pela capa’’ e algumas vezes é verdade, porem como tudo na vida existe uma exceção; A exceção do momento se chama ‘’Amada Imortal’’. É simplesmente a capa mais linda que vi, então comecei a ler o livro sem esperar muito dele e fui surpreendida a cada página.
A história começa devagarzinho, como quem não quer nada e vai conquistando a gente aos poucos. Ate que chega uma parte (do começo mesmo) que ela engrena de uma forma levando o leitor a loucura.
O romance giro em torno da grande protagonista Nastasya, que é uma imortal... Como o titulo sugere... De aproximadamente 500 anos; ( no começo achei um pouco estranho o texto não contar que tipo de imortal ela era, mas com o passar da estória fui me contentando a entender que ela era imortal e pronto, sem nenhum tipo de ramificação como; vampiros, súcubos e afins) ela era filha de imortais e nasceu assim.
Com o passar dos primeiros capítulos fica palpável o descontentamento na vida de Nasthy. Quando a vida de festas, bebedeiras e noitadas não são mais suficientes ela se vê perdida. Ate que uma situação numa noite com seus amigos é a gota d’água.
Ate que ponto agente tem que ir para perceber que deixou de saber o que é certo e o que é errado? Ate onde existe o errado? O problema é quando vimos algo, sabemos que não é legal e na fazemos nada. E quando o errado se torna uma coisa banal? Corriqueiro? E ai que temos que mudar a nossa vida.
E foi o que ela fez, em uma noite estava lá bebendo,dançando e cooperando com seus amigos e no dia seguinte ela percebeu que depois de quase 500 anos aquilo alem de não estar certo não era suficiente.
E ela foi parar na casa de River, onde funcionava como uma reabilitação para imortais rebeldes. Lá Nasty começa a sentir (algo que ela não fazia a muito tempo) e a aprender com as pequenas coisa. Ela abriu a janela com o passado que a tanto tempo estava fechada e camuflada por dentro de aparências falsas.
O livro todo tem fleches de memórias terríveis do passado dela, levando o leitor a um dialogo e uma proximidade quase íntima com a personagem.
Se você estiver procurando uma mocinha frágil e bobinha e convencional!? Cuidado!! Não vai achar aqui.
Nastasya é forte, madura e apesar de ter vivido coisas terríveis não é deprimida e chata. Ela é pra cima e trabalhadora, mandona e sarcástica.
‘’Amada Imortal’’ não é um romance convencional; você não vai achar aquela estória linda de amor, nem romances melosos e muito menos o mocinho perfeito!
O ‘’mocinho’’ ou quem era para ser o mocinho é arrogante e irritante, mas lindo e gostoso, como a nossa protagonista descreve como ‘’ deus viking’’. Morri de rir a estória toda nas cenas dos dois, são cenas engraçadas e sensuais, mas tudo no ponto certo.
Bem, eu recomendo esse livro e para mim é um dos melhores que li esse ano; é diferente, tem um dialogo próximo com o leitor, agente ri, chora se emociona e no final não quer que acabe. ‘’Amada imortal’’ revela coisa importante a se dar valor na vida e revela segredos muitos íntimos.
‘’Qual a razão da vida se você vai ficando enquanto todos que ama morre? Qual e objetivo de existir para sempre se você não é feliz? A vida precisa ser mais que isso não?’’

Quotes preferidos:

‘’ A sensação... Era incrivelmente, incrivelmente boa. O peso dele, o cheiro da pele dele, a sensação do cabelo dele nos meus dedos... Era a sensação mais espantosamente deliciosa que eu já experimentei em nem sei quanto tempo. Senti uma pontada intensa de – felicidade?’’
‘’ eu estava praticamente resplandecendo de excitação reprimida, e o esforço para conter as gargalhadas estava fazendo meu estômago doer, mas eu estava conseguindo... ’’
comentários(0)comente



Alice Santos 31/05/2020

Esse livro é muito bom, leitura leve e fluida, mas ao mesmo tempo é empolgante. Percebemos a evolução da personagem principal em sua busca por ser alguém melhor. Amei!
Amy 01/06/2020minha estante
Eu adoro esse trilogia ?




Sentimentosebooks 01/03/2017

AMADA IMORTAL (livro 1)
É um livro levemente sobrenatural e não, não é sobre vampiros. A personagem principal é Nastasya, uma imortal com características de uma jovem (ou quase isso), as vezes medrosa, mas sempre engraçadinha e irônica. Busca curtir a vida e nada além disso. Se a vida não anda bem ela simplesmente muda de país, nome, cor e corte de cabelo e tudo fica resolvido exteriormente, pois interiormente "Nas" precisa se conhecer.
Após ter presenciado seu melhor amigo "Incy" usar magik contra um taxista o deixando com sequelas para o resto da vida; Nastasya passou a ter dúvidas se ela e seus amigos seguiam um bom caminho. Não conseguindo entender e nem aceitar o que Incy fez ela decide pedir ajuda a "River" uma imortal a quem conhecera há muitos anos passados. Fez as malas e seguiu em busca de ajuda.
Em River's Edge (escola de reabilitação) Nas passou a conhecer regras básicas, como acordar cedo, realizar atividades diárias e ser bicada pelas galinhas do local rs.
As coisas não parecem tão boas para "Nas", nas aulas de magik ela não é uma das melhores e faz bastante besteira e se não bastasse sua falta de conhecimento há um "Deus Viking" chamado "Reyn" que consegue desconcertar a probrezinha. Surge um romance um tanto esquisito, mas que eu torci bastante. Coisas estranhas ocorrem, alguém trama contra "Nas" a fazendo aprender magik com maior urgência para se defender.
Nastasya, guarda um segredo. Eu já sei qual é, mas não posso contar. Você precisa ler o livro e descobrir tudo com essa louquinha.

Gostei da história de "Nas", ficamos amigas chegadas. Gostei das pegadas de Reyn (ai ai ai), da paciência de River... ?Comprei o livro por R$ 4,99 na Americanas, mas a média de preço dele é R$ 32,00.

Beijosssss.
#livro #instabooks #imortal #maceió #grupodaone #instaliterario #euleio #leiamais #positividade #like #like4like #páginas #dicas #marcadores #estante #coleção #vício #resenha
comentários(0)comente



Beatriz B. 26/12/2013

Com uma trama bem original, conheça as hilárias aventuras de uma imortal.
Hoje vou falar sobre essa trilogia perfeita para se ler nas férias. Talvez seja porque li ambos os livros quando estava de férias. Certo, como se isso importasse, vamos ao que interessa. Nastasya aparenta ter 18 anos, mas seus olhos escondem tudo àquilo que presenciou em 449 anos de existência. (Imagina ouvir especial de Natal do Roberto Carlos todo esse tempo?). Ela já teve várias identidades falsas e é capaz de fazer uma linha do tempo mais verídica que nos livros de história. Porém agora sua rotina é basicamente acordar com ressaca com direito a dores de cabeça infernais por passar noite após noite em boates badaladas. Comprar nas melhores lojas, cortes de cabelo exótico, viver em hotéis, viajar mundo a fora. Essa tem sido sua vida no último século, desde que conheceu seu BFF Innocencio (que de inocente não tem nem a cara, enfim, no spoilers). Mas chega uma noite em que Nasty não consegue mais ignorar a sensação de ter uma vida desperdiçada e se lembra de uma vez que conheceu uma imortal depois de um acidente de carro e ela, vendo o quão lost Nasty já estava lhe ofereceu estadia numa fazenda/clínica de reabilitação para imortais. E depois de tantos anos, Nasty decide ir e essa é a melhor escolha que faz em no mínimo 100 anos.

Agora vocês me perguntam "Hm, tá legal, o que esse livro tem de bom a não se uma imortal que decidiu não disser "no, no, no" para a rehab?" A escrita, eu respondo. O livro é narrado pela própria Nastasya e ela tem um terrível (no melhor sentido) humor negro e ácido, o que deixa a história muito divertida de ler. E eu também me identifiquei com isso. Eu ficava realmente ansiosa para descobrir mais, tanto de seu passado quanto dos mistérios atuais. E a narrativa foi me carregando, fazendo meu interesse se aprofundar cada vez mais na trama. É como se fosse um chick-lit, mas com todo aquele fru-fru clichê substituído por uma narrativa sombria, trocadilhos historicamente inteligentes e um livro que te envolve tanto quanto é cheio de segredos que deixam até a pessoa mais insensível, vulgo eu, ansiosa por mais.

E se nada disso lhe convenceu, vou tentar apelar para os personagens. No começo do livro, Nasty vive com amigos imortais, mas assim como ela INICIALMENTE, todos são bem superficiais, assim como eu achava que seria essa história. Depois que ela entra na fazenda, chamada River's Edge, pois o nome da dona é River, faz sentido, não? Enfim, ela conhece imortais que já passaram por situações ainda piores, mas também querem se renovar. Tudo isso pode soar vago, porque É REALMENTE UMA TAREFA IMPOSSÍVEL EXPLICAR A MAGIA DESSE LIVRO. Mas eu me vi no lugar de Nasty, com tudo novo a rodeando e sensações e sentimentos que ela já tinha enterrado querendo voltar. Pois é a vida, assim como a dor, foi feita para ser sentida (Sim, frase John Green adaptada). E sim, tem muito mais que apenas isso que eu disse, mas vou deixar espaço para quem for ler, POIS SÓ ASSIM IRÁ ENTENDER MEU DRAMA. E se você resolver ler, grave um nome: Reyn. E se o nome soa como um rugido é isso que você irá fazer depois de sua primeira aparição.

site: http://www.soleitoressabem.blogspot.com.br/2013/12/livros-entre-linhas-dobrado-amada-imortal-cair-trevas.html
Ju 15/03/2014minha estante
Eu li esse livro em um dia,a leitura no inicio não me atraiu mas depois,nossa fui lendo e lendo quando vi acabou e ainda deixa um gosto de quero mais no final.
Um bom livro,mas posso esperar pra ler o próximo.




Karina Lima 30/08/2016

Amada Imortal - Cate Tiernan
Título original: Immortal Beloved
Autora: Cate Tiernan
Editora: Galera Record
Ano de lançamento: 2012
Número de páginas: 280

Amada Imortal é o primeiro livro da trilogia de Cate Tiernan. Possui um enredo sobrenatural, sobre imortalidade, mas muito diferente dessa modinha de vampiros, lobisomens e zumbis. Ele conta a história de Nastasya, uma imortal que nasceu em 1551, tem mais de 400 anos e com uma aparência de 17.

No último século, Nasty se comportou como uma mimada adolescente em meio a festas e drogas e, depois de um traumático acontecimento com seus amigos, decide fugir e chega a conclusão de que precisa encontrar a si mesma, não machucar a ninguém, e decide entrar em uma espécie de refúgio, River's Edge, onde encontra pessoas assim como ela.

Os imortais envelhecem e morrem (sim, morrem) de um jeito difícil e totalmente diferente de nós, e possuem magick. Eles podem ser Tahti - que usam magick sem machucar ninguém, ou Terävä - que usam magick negra, para machucar alguém e para um benefício próprio. Nastasya sempre convivera com Teräväs e, nesse refúgio, aprende a ser e convive com Tahtis.

Nasty é inteligente e narra sua história de uma maneira bem humorada. Em River's Edge, conhece o maravilhoso e sexy deus viking Reyn, um cara enigmático, o qual tem a certeza de conhece-lo de outro século e, com o passar da história, ela finalmente descobre de onde. E claro, tem um super romance com ele.


Eu ganhei este livro pelo facebook, com a Leitora da Depressão, e agradeço imensamente por isso.
O início dele é um pouco chato (assim como o início de 99% dos livros, já que não se conhece a história e ainda está envolvida com o último que acabara de ler), mas você acaba de surpreendendo. Vale muito a pena!

Para matar a curiosidade, leia o primeiro capítulo aqui!

Sem dar nenhum spoiler (é claro), vou citar alguns trechos entre os meus favoritos:

"Ser bom é uma escolha que devemos fazer para sempre, todo dia, ao longo do dia, pelo resto da vida. Um dia é feito de milhares de decisões, a maioria pequena, desimportante, algumas enormes. Com cada uma, você tem a chance de trabalhar em direção à luz ou afundar em direção às trevas. (...) Vou te contar um segredo: nenhum de nós toma cada decisão o tempo todo fazendo a escolha certa. (...) Vencemos de muitas maneiras diferentes. Muitas pequenas vitórias. O principal nessa vida é não ser bom o tempo todo. É ser tão bom quanto se pode ser. Ninguém é perfeito. Ninguém faz a coisa certa o tempo todo. Não é assim que a vida é." Página 96

"Porque não tentar é admitir que o outro lado venceu. Não tentar é abraçar a morte e a escuridão eterna. E nesse caminho estão a loucura, o desespero e a dor sem fim." Página 98

"Eu carregava isso tudo comigo, o tempo todo. Essas coisas formavam camada depois de camada de uma casca dura, como camadas de verniz em uma caixa japonesa. Aquela casca tinha protegido o eu murcho e pela metade que eu não conseguia mais suportar interagir com nada e ninguém do modo normal." Página 256

Como é visível, é possível tirar muitos ensinamentos com Nasty. Ela é incrivelmente incrível.


site: http://thelittledreamers.blogspot.com.br/search/label/livros
comentários(0)comente



Sam 21/10/2012

Um livro que trata da temática imortais junto a bruxaria...ok,desnecessário juntar dois temas já tão fortemente difundidos,o que nos faz imaginar se talvez a capacidade de criar coisas novas e inéditas esteja se esgotando... a capa é belíssima, o título ao meu ver é interessante (para as românticas de plantão como eu) mas no decorrer do livro esse título soa um tanto quanto pretensioso pois sugere algo forte,intenso e dramático algo que realmente não é, enfim até que tinha potencial para desbancar minha total insgurança, mas obviamente pela minha nota já se percebe que ao meu ver não houve a surpresa bem vinda;No meu caso senti a estória muito amarrada no início, nossa protagonista passa a maior parte do tempo ao redor das mesmas questões, e só lá pelo meio, mais pro final é que a "estória percebe" que as folhas estão acabando e que aparentemente nada foi dito....
O final foi bem fraco e clichê eu diria, poucas coisas intrigantes, realmente uma estória que caberia facimente em um livro só, pois o primeiro sinto dizer principalmente aos meus patrocinadores de novos livros(meu bolso,amigos e parentes)......bola fora...quem sabe na próxma.
Gabriél Camilo 02/04/2013minha estante
Clichê.. É poucoo


Carol 03/06/2014minha estante
com os comentários da pagina ja estou perdendo a vontade de ler




Nu e As 1001 Nuccias 18/04/2015

Resenha Blog "As 1001 Nuccias"
Eu confesso que não comprei o livro e nem soube de sua existência até tê-lo em minhas mãos. Minha mãe, que também sempre foi viciada em leitura, ultimamente resolveu colaborar com o preenchimento do (pouco) espaço vazio da minha estante. Então, duas semanas (!!) atrás, ela andava numa magazine dessas e viu livros em promoção. Gostou da capa, do release da história e comprou os dois primeiros volumes, mas só porque não achou o terceiro. Amou e me fez ler. Aqui estamos.

Bom, o livro, vocês perceberam, fala de imortais, mas nada muito fantasioso, como vampiros ou Dorian Gray. Apenas humanos imortais que possuem poderes mágicos (não mágica, mas magia ou, como a autora chama, magick) e que passam seus séculos buscando a próxima emoção, a derradeira aventura. Nasty é uma delas. Seus dias se resumem a acordar tarde, comer mal, encher a cara, vomitar, beijar desconhecidos, dormir e começar de novo. E tudo ia bem até que seu melhor amigo resolve quebrar ao meio a coluna de um taxista usando seus poderes mágickos. Só então, Nasty percebe que a vida está de ponta-cabeça e que ela precisa se afastar um pouco desse mundo. Daí, vai parar num sítio no interior de Montana/EUA, onde aprende como usar seus poderes de uma forma boa, sem roubar energia de ninguém. E a se encontrar.

Por mais que minha mãe tenha gostado, o livro não caiu nas minhas graças. O início do livro é bem tedioso e o conflito básico da trama é um tanto superficial. Para mim, foi um livro que demorei para engrenar: dava, perfeitamente, para parar de ler e começar outro, sem se perder na história. Não, não foi uma leitura sôfrega em que você deseja desesperadamente saber o final. Na verdade, a única parte sôfrega foi o quase-pega que ela deu no 'deus grego' Reyn, um dos alunos da casa. Mas, até chegar lá, foi tanto doce que quase fiquei diabética. Não dava pra ser mais direta? Definitivamente, sinto-me moderna demais.

Bom, o livro não é mal escrito, achei apenas dois erros de digitação, nada relevante. A personagem é bem enjoadinha nesse primeiro livro, agindo como uma típica adolescente que não sabe o que quer da vida e sempre teve tudo fácil. O que é ridículo se considerarmos que ela tem 459 anos de vida, já enfrentou fome, peste, mortes de filhos e irmãos. Mas, é assim que ela age o tempo todo agora.

Enfim, eu recomendo a leitura para quem gosta do estilo ou já conhece a autora. O enredo não é ruim. Só me foi cansativo, mas é provável que eu já esteja cansada da literatura muito comercial. Tradução, acho que estou ficando velha! Eca...

site: http://1001nuccias.blogspot.com.br/2015/04/resenha-livro-amada-imortal.html
comentários(0)comente



118 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 |