O caminho para casa

O caminho para casa Kristin Hannah




Resenhas - O Caminho Para Casa


173 encontrados | exibindo 91 a 106
1 | 7 | 8 | 9 | 10 | 11 | 12


Patricia 11/05/2015

Sensacional
Simplesmente lindo! Me emocionei, aprendi muitas lições. Refleti sobre muitas situações.
Super recomendo essa leitura.
comentários(0)comente



S. T. 12/07/2015

Leitura marcante e maravilhosa
Comecei a ler sem grandes expectativas e fui completamente surpreendida!
O livro começa mostrando em detalhes a dinâmica familiar de Jude, Miles, Zach e Mia e em contrapartida a vida solitária de Lexi, que agora sentia pela primeira vez como é ter uma família.
A autora tinha a opção de ter começado o livro direto pelo fato impactante, descrevendo toda a história depois no passado, mas o fato de ela ter mostrado tanto a realidade daqueles personagens e guardado o ponto crucial só para mais além das cem páginas trouxe uma realidade muito impactante ao leitor. Nós nos acostumamos tanto com a rotina da família e dos amigos que ficamos extremamente chocados quando tudo acontece, nos sentindo como Jude se sente, aquele pensamento de: nunca pensei que isso pudesse acontecer naquela família.
O livro é muito intenso, li em 2 dias sem conseguir parar e cada reviravolta que acontecia com a Lexi era como um soco no estômago. Juntando o meio e fim, o livro se torna real: os finais felizes podem até existir, mas nunca são completamente felizes, coisas ruins acontecem e precisamos saber lidar com isso da melhor forma que pudermos.
comentários(0)comente



Lilian.Baumguertner 25/07/2015

Um dos melhores livros que já li.
Emocionante do começo ao fim. Não tem como não chorar lendo este livro, porém mostra o importante e difícil caminho rumo a superação e que o amor verdadeiro jamais acaba.
comentários(0)comente



Mari Siqueira 27/02/2017

O Caminho Para Casa é mais um dos excelentes romances escritos por Kristin Hannah. Esse drama familiar - sua especialidade - é complexo, denso e retrata a vida real de uma mãe e seus filhos adolescentes. Sob dois pontos de vistas opostos, a leitura nos oferece uma compreensão ampla da relação entre pais e filhos.

Nada poderia ter me preparado para o rumo que toma a história. Nem mesmo conhecendo o histórico da autora, que adora torturar seus leitores com o sofrimento de seus protagonistas, poderia imaginar o que me reservava essa estrada. Como uma curva na escuridão, Kristin Hannah abruptamente nos tira o chão e nos faz pensar sobre as consequências das nossas ações, em nossas vidas e nas vidas de quem amamos.

Mia e Zach são gêmeos e têm um relacionamento fraterno lindo. O laço que os une é inquebrável e, apesar de suas personalidades opostas, os dois se completam e contam um com o outro. Mia é frágil e tímida, sua dificuldade em fazer amigos contrasta com a alta popularidade do irmão. Sua dificuldade de socializar fez com que ela se tornasse extremamente dependente de Zach e, por isso, ambos planejaram suas vidas na mesma faculdade independente do que aconteça.

No colégio, no entanto, Mia conhece uma garota nova, tão inadequada socialmente quanto ela e as duas rapidamente se tornam melhores amigas. Lexi tem um passado problemático, passando por várias famílias adotivas, a jovem nunca teve um lugar para chamar de casa. Quando conhece os pais de Mia e Zach, Lexi se vê próxima da felicidade e, mesmo que não seja parte daquela família, vê que existem pessoas que se amam e fazem tudo por seus filhos.

Jude é a mãe dos gêmeos e sua história também é narrada de um ponto de vista privilegiado. Ela fez tudo o que podia para criar seus filhos da melhor maneira possível e os vê chegando na difícil fase da adolescência. Os corações partidos, amizades traiçoeiras e perigos da vida adulta a apavoram, mas depois de amar e proteger suas crianças por dezoito anos, não há mais como afastá-los do mundo.

Em um relato sincero que só uma mãe dedicada como Kristin Hannah saberia fazer, O Caminho Para Casa é mais do que ficção, um desabafo. As mães - e os pais - que se preocupam tanto com seus filhos simplesmente os amam acima de todas as coisas e só querem que seus filhos nunca se percam. Afinal, a coisa mais triste do mundo é quando um filho não encontra o caminho de casa.


site: http://sobreamorelivros.blogspot.com
comentários(0)comente



Edi 10/03/2017

Segundo livro que leio da Kristin e já aprendi uma coisa sobre ela: vai estraçalhar seu coração em mil pedacinhos, mas depois ela vai remenda-los, porém, nunca mais voltará a ser o mesmo.

É assim que eu me sinto depois dessa leitura.
? ? ?
"O caminho para casa" é um drama familiar que se passa durante 10 anos da vida dos nossos protagonistas.

Jude e Miles são os pais. Ela, uma mãe super protetora mas bem intencionada, ela cuida dos filhos e os proteje talvez em excesso mas sempre querendo o melhor.
Ele, é um pai maravilhoso que tenta dosar o cuidado, com a liberdade que ele sabe que os filhos deve ter para cometer seus erros.

Mia e Zach são os filhos. Gêmeos e extremamente unidos, são adolescentes felizes. Ela, bem timida e dependente do irmao, Ele super popular e cuidando sempre da irmã.

Lexi é uma jovem que se muda para a cidade e a vida dessa familia. Ela que já sofreu muito e passou a vida em lares temporários finalmente se sente em casa no momento que conhece Mia e se tornam melhores amigas.

Mais tarde, Ela, Zach e Mia formam um trio inseparavel e cheio de amor.

Num fatídico dia de verão uma decisão muda a vida dessas pessoas, os traumatizam de maneira irreversivel. Muita culpa, autopiedade, medo e raiva em cada uma dessas páginas.

Um livro para ser aplaudido pela a sensibilidade com que trata a maternidade e os medos presentes nela. Comove o amor que sentimos estar presente nesses jovens, a imprudência da juventude e o modo como os erros cobram um preço, alto demais para alguns.

Depois da metade do livro não consegui segurar as lágrimas e elas não cessaram até a última página, na verdade ainda não consigo pensar nesse livro e não chorar.
Uma historia valiosa sobre amor, erros e como o perdao é libertador e a falta dele aprisiona.

Ficou a certeza que no fim do ano esse livro estará entre os meus melhores livros do ano.
? ? ?
"Os sonhos eram coisas efêmeras, como balões que, uma vez soltos, desaparecem no céu."

Instagram: @dnabookz
comentários(0)comente



@umlivroprahoje por Jacqueline 11/03/2017

Comovente!
Eu amei esse livro, mas eu sofri com muito com ele...e entendi quando outros leitores falam quando se emocionam a ponto de chorar e muito, porque a história nos leva ao limite, como passar por algo assim??? E eu não falo apenas da dor da Jude, mas a Lexi...seu sofrimento me tocou profundamente e eu ficava pensando como isso vai terminar... Mas é a Kristin Hannah, ela sabe escrever e nos dá um final que na minha opinião foi bem condizente com a história, por que foi real, não se trata de conto de fadas.

A sinopse já nos dá a idéia de que é um livro intenso, mas não estamos preparados para o que acontece.

Se vc gosta de histórias bem contadas, profundas, aquelas que vc termina de ler e fica pensando a respeito por um tempo, então leiam!!!
comentários(0)comente



Kamila 27/03/2017

O Caminho Para Casa começa com Lexi Baill, de 14 anos, sendo adotada por sua tia-avó. Até então, ela vivia entre lares adotivos temporários e sua casa, onde via a mãe se drogar. Sua mãe morre e ela é avisada de que possui uma parente, que jamais conhecera. Tia Eva (melhor pessoa) mora em Port George, Washington. Port George, pelo que entendi, fica perto de Pine Island, onde mora a família Farraday.

Jude Farraday é a mãe superprotetora (irritante) dos gêmeos Zach e Mia, também de 14 anos. Zach é o atleta popular, gato e cercado de amigos, enquanto Mia é tímida, sonha em ser atriz e não tem amigos. Jude acaba incluindo Lexi na família quando esta resolve se juntar à Mia no intervalo da escola, para falar sobre livros. Olha aí a literatura criando e fortalecendo uma amizade que dura todo o Ensino Médio.

Mas Lexi se apaixona por Zach. E guarda esse segredo durante os anos escolares, isso porque não queria magoar Mia, porque, num passado não tão remoto, outra garota usou Mia para se aproximar de Zach e depois desfez a amizade. Lexi prezava demais sua amizade com Mia, ao passo que imaginava que Zach não gostava dela.

O último ano chega e todos os jovens estão às voltas com a formatura e os formulários de inscrição para as universidades. Os gêmeos Farraday querem ir para a USC (Carolina do Sul), que é bem conceituada... e cara. Como Lexi é bem mais humilde, sonha com a faculdade comunitária. Nesse meio tempo, Zach se declara para Lexi (e a gente começa a shippar esse casal), ele e a irmã conseguem entrar na faculdade desejada e Lexi consegue duas bolsas em universidades excelentes - Washington e Western Washington.

E como o que é bom dura pouco, uma certa situação - tragédia - destrói a família Farraday. Claro que Jude e seu radar de mãe pressentem que algo de ruim poderia acontecer e claro que fica muito arrasada com isso. E é aí que a amizade das meninas, o amor de Zach por Lexi e tudo que envolve essa família fica em xeque.

Dizer que sou fã da Kristin é como dizer que gosto de ler, porque ela é incrível! Apesar de seu início um pouco lento, pela necessidade de apresentar - com riqueza de detalhes - o universo da trama: seus personagens, o meio e o contexto em que vivem, (o que é visível em todos os livros dela) é possível enxergar como é Pine Island só pelas descrições da autora. Isso me deixa muito ansiosa para chegar à parte boa da história. E quando ela chega... aí você não larga mais.

A mensagem de Kristin Hannah sobre amor, família, perdão e compreensão é muito forte. Te faz pensar nas injustiças da vida e porque elas acontecem. Uma coisa que achei interessante foi o paradoxo entre Jude e a mãe de Lexi - como elas são tão diferentes. Outra coisa é ver os rumos que Lexi tomou: mesmo sendo filha de uma drogada e tendo tomado decisões ruins, ela segue o caminho do bem; é um doce de menina.

O final foi até como eu esperava, mas senti que faltou algo, que não sei como explicar, talvez tenha sido rápido, não saberei dizer. Os questionamentos que Jude faz sobre ser mãe (e sobre sua própria mãe, que vai aparecer em certo momento da trama) são super válidos e comuns às mães - vale refletir.

A edição da Arqueiro, que me cedeu o livro em parceria, está de parabéns. É dividido em duas partes, em terceira pessoa, mas narrando os pontos de vista de Jude e Lexi. A capa representa bem a trama: o jarro se quebrando, ele representa a família Farraday no ponto alto da história. Cinco estrelas é pouco pra Kristin Hannah.

site: http://resenhaeoutrascoisas.blogspot.com.br/2017/03/resenha-o-caminho-para-casa.html
comentários(0)comente



Quel 30/03/2017

Comovente
O Caminho para Casa me surpreendeu bastante, foi o segundo livro que li da autora e não me arrependi de ter lido.

A história fala sobre Lexi uma garota que viveu em vários lares adotivos pois, sua mãe era uma viciada e sem nenhuma estabilidade para criar uma filha. Até que um dia a assistente social encontra a tia avó da Lexi que mora em outra cidade.

Durante o tempo que passa com a tia, ela começa frequentar a escola na qual ela conhece a Mia, desde o primeiro dia elas se tornam amigas inseparáveis, Mia tem um irmão gêmeo que se chama Zach, ele nutri uma paixão por Lexi desde o início mas, por causa da Mia acaba que escondendo esse sentimento.

Jude a mãe dos gêmeos é muita controladora, ela é o suporte da família em tudo, vive exclusivamente para eles. Ela passa gostar muito da Lexi, em alguns pontos elas são muito parecidas, até que um dia tudo muda. Uma trágico acontecimento abala as estruturas da tão perfeita família.
É aí que começa a história, sentimentos que antes não eram revelados, culpa e dor se misturam até o final da trama. Eu torci á todo momento pela Lexi e fiquei pensando, ela precisava ter passado por tantos sofrimentos?
Só digo que quem ler esse livro vai entender do que estou falando.

Recomendo muito esse livro, a história passa uma lição que, o amor é mais forte que tudo e que certos sacrifícios tem que ser feitos por mais que doam.
comentários(0)comente



Julia G 31/03/2017

O caminho para casa
Escolher um livro de Kristin Hannah para ler é ter a certeza de que algumas lágrimas serão derramadas, e o mais interessante nisso é que, apesar dessa certeza, também se sabe que não se estará diante de uma história vazia ou de um livro que se resume a um relacionamento entre homem e mulher que não deu certo. Com a autora nunca se trata somente disso, há sempre uma profundidade em todos os aspectos de seus dramas que marcam para além da pura paixão.

O caminho para casa não poderia ser diferente e, por esse motivo, sabe-se desde o início que cada lágrima vale o amor que lhe vem acompanhado. O livro conta a história de Jude, uma mãe que daria a vida por seus filhos, os gêmeos Mia e Zach, e também a de Lexi, uma garota que cresceu sem qualquer referência de família e que finalmente se sentiu parte de uma quando conheceu a de Jude. Após anos de amizade e amor entre eles, um acontecimento abala todas as relações existentes entre esses personagens, e como aprender a lidar com a dor para se reconstruir em meio à tragédia?

Kristin Hannah não tem medo de falar da dor e talvez seja esse um ponto forte de seus livros. Não falo aqui sobre criar cenas emocionantes para arrancar soluços e lágrimas, mas realmente analisar a dor num estado mais profundo, com toda a feiura que ela contém: a raiva, a apatia, o medo e a angústia do arrependimento. A autora não demonstra receio em tratar desses sentimentos e nem os maquia, o que torna suas tramas, apesar de dolorosas, reais e sinceras.

"- Lexi? Você não quer entrar, é isso? Mudou de ideia, não foi?
Lexi sentiu a insegurança se dissolver. Ou, mais precisamente, se fundir à de Mia e se transformar em qualquer outra coisa. Elas eram parecidas. Era um absurdo, mas ela, que não tinha nada, era como aquela menina que tinha tudo."

Essa sinceridade, algumas vezes quase cruel, é um elemento que tende a vincular o leitor à história. Particularmente, eu me vi diversas vezes na amizade de Mia e Lexi, no relacionamento de Jude com os filhos, nos percalços do primeiro amor narrados na história, e é provável que meu envolvimento com a trama só tenha acontecido porque durante essas passagens do livro estava inserido não apenas o que há de bom nessas coisas, mas também aquilo que há de ruim.

Não só a narrativa de Hannah é instigante e carregada de alguma poesia, mas seus personagens também são criados repletos de facetas e complexidades. Isso não é exclusividade dessa obra da autora, mas dessa vez eu percebi com maior nitidez as diversas camadas de todos os personagens, aquilo que queriam mostrar e aquilo que eram de verdade. Gostei em especial de Lexi, gentil mesmo quando tudo a consumia, de Miles, que se tornou a base de toda uma família devastada, e de Grace, a menininha veio a completar e a partir meu coração.

Tenho notado que Kristin Hannah sempre trata de tópicos sérios como ponto central de seus livros, pautas mais comuns do que pensamos, sobre as quais muito se tem a discutir. Esse livro também defende uma causa, relacionada aos atos inconsequentes da juventude e às sequelas que pequenas decisões podem trazer para a vida de tantas pessoas.

O caminho para casa tem uma trama tocante sobre tristeza e felicidade, sobre segundas chances, recomeços e novos aprendizados. Mais do que tudo, a trama trata sobre perdão, aos outros, a nós mesmos, e sobre tirar um peso do ombro para só assim seguir em frente. Podem estar certos de que, após as lágrimas, a história guarda um belo desfecho, que vem com aquele calorzinho típico no coração.

site: http://conjuntodaobra.blogspot.com.br/2017/03/o-caminho-para-casa-kristin-hannah.html
comentários(0)comente



Danika 03/04/2017

O caminho para casa
"[...] Isto era ser adulto? Podar o sonhos em nome da praticidade?"


A palavra mais forte e de mais importância desse livro é o perdão. Esse ato que pode parecer tão trivial detém uma força que só quem realmente vive a palavra é capaz de entender a intensidade que ela carrega. Nunca mais um livro tinha me abalado tanto, tinha explorado tanto os sentimentos de forma crua, dura, mas de uma beleza sincera e sem tamanho. Kristin Hannah fala, através de palavras, sobre o bem precioso da vida e a força do Ser humano.

"Ela está de pé na curva fechada da Estrada da Noite"

Uma mãe que deu tudo de si, toda sua atenção e sua vida dedicada a cuidar dos seus filhos, os gêmeos Zach e Mia, sempre se sentiu realizada, sempre soube ser a força deles, e os amava acima de qualquer coisa. Zach, o popular, Mia a quieta e carente. Até que Lexi, uma adolescente que já sofreu tanto na vida, vivendo em lares temporários por quase toda a vida, devido a uma mãe ex-presidiária e viciada, surge e se torna a melhor amiga de Mia, a terceira pessoa a formar esse círculo de amizade na qual eles julgavam ser eternas. E Jude, como a pessoa maravilhosa que era, sempre deu todo apoio a essa amizade. A diferença social é levantada durante o livro, as oportunidades e privilégios que os gêmeos tinham em comparação a Lexi são imensas. Até o amor de mãe, que lhe foi negado, que ela nunca realmente conheceu até ver Jude com os filhos. O amor que surge ao conhecer Zach, a carência constante de Mia e a nova vida que surgia à sua frente, ajudou Lexi a enfrentar suas dores passadas e descobrir que ela ainda podia amar e ser amada.

“Lexi sentiu a insegurança se dissolver. Ou, mais precisamente, se fundir à de Mia e se transformar em outra coisa qualquer. Elas eram parecidas. Era um absurdo, mas ela, que não tinha nada, era como aquela menina que tinha tudo.”

Jude era uma mãe coruja e Super protetora, quase neurótica com a vida dos gêmeos. E embora ela fizesse todo o possível para que eles não fizessem nada de errado, algumas situações na vida de qualquer um nos impõe escolhas, e nem sempre tomamos a certa. É quando uma tragédia se abate em cima de todos, algo que muda tudo, que leva a cada um deles a se recolher na própria dor, na própria culpa. E é por ali que o leitor começa a chorar e não para mais. Não é um livro tranquilo, embora seja de fácil leitura, ele é denso porque contém uma carga de sentimento muito pesada, muito crua. A autora consegue explorar a dor em cada um de uma forma muito particular e com sinceridade. Nos vemos entre eles, compartilhamos dos pesares, da trágica decisão, da vida de cada um deles. Os personagens foram muito bem criados, cada qual com sua história, sua bagagem de vida, seus receios e desejos, o que os tornam extremamente reais aos nossos olhos. Poderia ser nosso vizinho, você, eu.

"Jude sabia o que precisava fazer, o que todos estavam esperando que ela fizesse. Preferiria arrancar o próprio coração. Mas não tinha escolha."

Enquanto ela nos aproxima ainda mais dos personagens, a autora tece uma teia de acontecimentos que só nos levam a mais lágrimas. Porém, como eu sou chorona mesmo, talvez seja só eu sendo eu mesma e você não chore tanto assim. Mas ela aborda os sentimentos com uma delicadeza tão grande que não sei como não se comover. É uma história sobre família, sobre amor mas, sobretudo sobre perdão e a cura que se pode ter através dele. A esperança de que dias melhores virão tenta marcar presença mas sempre carregado de mágoas. É uma batalha individual de cada personagem para aceitar que todo mundo erra e que devemos perdoar aqueles que amamos, assim como nós mesmos.

"[...] Era isso que todas aquelas pessoas que pregavam o pensamento positivo não compreendiam: há coisas que nunca podem ser recuperadas."



"O problema é que ela acreditava. Não sabia em certo em que acreditava. Seria em Deus? Na bondade? Em si própria? Ela não tinha uma resposta. Só sabia que acreditava profundamente que, se fizesse a coisa certa, se sempre agisse da melhor maneira, assumisse a responsabilidade pelos próprios erros e tivesse uma vida baseada na moral, acabaria bem. Não seria igual à mãe."

Eu já me perdi em muito do que queria poder dizer desse livro, mas eu o amei demais pra conseguir por tudo de forma simples. É uma obra linda, que fala sobre coisas reais, sobre pessoas reais, aborda temas comuns e situações do nosso dia a dia. Mas trabalha com esmero o sentimento de cada um, abre um leque com nossos mais secretos pensamentos e nos faz enxergar tudo de forma intensa; a força que ganhamos quando decidimos perdoar e seguir em frente, quando a esperança é o que nos motiva a manter de pé, e como alcançamos isso. O livro é dividido em duas partes, a primeira, é mais para conhecimento da história e dos personagens, as decisões e o resultado delas. A parte dois é a lição que fica, as experiências vividas por cada um nesse novo momento em que se encontram. O livro tem um começo tranquilo, e embora as carências e exageros nos cuidado me fizessem fazer careta de 'desnecessário', eles servem pra amplificar as personalidades de cada um.

"Lexi não sabia como aliviar essas emoções sem fazer promessas impossíveis. Alguns finais simplesmente não podiam ser como nos sonhos. Tudo o que podia fazer era criar novas memórias, se despedir e esperar um futuro melhor."

Eu ainda nunca tinha lido nada da Kristen e me deparo com essa obra maravilhosa. Estou perdidamente apaixonada e só quero ter o privilégio de ler mais dela. Adorei a mudança da capa, embora a antiga tenha uns tons lindos, essa demonstra mais do livro, a questão de fragilidade da vida, do quanto podemos ser sensíveis apesar de toda a proteção da qual nos cercamos. A diagramação simples e uma revisão impecável. Já não vejo a hora de poder ler outras obras dela. Recomendo sim. Recomendo muito!

site: http://www.garotaselivros.com/2017/03/o-caminho-para-casa-kristin-hannah.html
comentários(0)comente



Uiara.Marcossi 07/04/2017

Comovente, mas atropelado
A primeira parte é perfeita, comovente, triste e realista. A dor dos personagens nos deixa sem ar... O desenrolar da trama, após o "acontecido" porém é trôpego e atropelado, principalmente o final... Parece que a autora tinha o número de páginas determinado para concluir o livro e teve que terminá-lo às pressas.
Outros livros da autora são bem melhores..
Amanda 11/04/2017minha estante
undefined


Carlise Paiva 07/12/2017minha estante
Tinha essa mesma impressão sobre a segunda parte. Infinitamente triste. Mas um livro bom.




Fernando Lafaiete 06/05/2017

Emoção sem fim em um livro escrito de maneira perfeita!

Eu fiquei durante muito tempo pensando se escreveria ou não uma resenha para este livro, simplesmente por ele ter mexido muito comigo ao ponto de eu não conseguir expor de maneira coerente a minha opinião sobre o mesmo.

"O caminho para casa" vai retratar questões familiares, amizades, o processo de perdoar a si mesmo e perdoar os outros entre tantos outros assuntos, que não entrarei em detalhes exatamente para não dar nenhum spoiler. Mas garanto pra vocês que este livro é sensacional e merece muito ser lido.

Mia e Jack são irmão gêmeos e fazem partem de uma família extremamente bem sucedida. Eles são super amados pelos pais e a mãe deles é super-protetora. Na escola eles acabam conhecendo a Lexie, uma garota que vai morar com a tia devido à uma situação familiar bem complicada; e os 3 acabam se tornando melhores amigos. Milhões de coisas acontecem com estes personagens e eu acho praticamente impossível não ficar destruído emocionalmente após terminar a leitura.

A escrita da Kristen Hannah é MUITO emocionante, profunda, muitos vezes leve, mas ao mesmo tempo dolorida. Não é um livro fácil de digerir, mas é uma leitura muito, mas muito necessária. Eu fiquei muito abalado conforme eu ia virando as páginas e preciso dizer que este livro é um dos meus favoritos da vida e um dos melhores que eu li este ano.

O amor que a Jude (a mãe dos protagonistas) sente pelos filhos, é algo muito bem explorado pela autora e é muito lindo de se ler. O amor entre os irmão também é magnífico e a amizade deles com a Lexie é algo muito visceral e extremamente envolvente e mais do que emocionante.

Eu chorei horrores com este livro e fiquei quase um mês pensando sobre ele. É tudo sensacional desde o primeiro parágrafo e ele é muito bem escrito. Os personagens são excepcionais, os temas escolhidos foram muito bem desenvolvidos, a ambientação é incrível e o desenvolvimento e o crescimento dos protagonistas é impecável!

Uma história pesada, muito difícil, MUITO, mas MUITO triste, mas muito linda também. Eu poderia escrever uma resenha imensa, só rasgando seda tanto pro livro quanto para a autora... mas vou terminar dizendo apenas mais uma coisa: "Por favor deem uma chance para esta história e preparem os lencinhos, este livro é pura emoção!"
Esdras 06/05/2017minha estante
Já quero! ^^


Fernando Lafaiete 06/05/2017minha estante
Leia Esdras... Que livro maravilhoso!!


Esdras 06/05/2017minha estante
Sua indicação é uma ordem! Haha.




spoiler visualizar
Thais.Fernandini 17/11/2017minha estante
undefined




Polly 31/05/2017

"Em um mar de lamentação, havia ilhas de bençãos, instantes no tempo que nos lembravam do que ainda tínhamos, em vez de tudo o que tínhamos perdido."
O Caminho para Casa é um drama familiar denso, intrincado e particularmente triste.
Jude sempre foi a mãe protetora e cuidadosa, ser o oposto do que sua mãe foi é uma meta que ela cumpre meticulosamente. Jude é metódica a um nível paranoico e o marido Miles, o pai tranquilo.
Jude e Miles tem um casal de gêmeos que são tudo na vida deles.
Mia, a garota tímida e retraída.
Zach, o garoto popular e adorado por todos.
Eles são inseparáveis, um protege o outro, um sente o outro.
Quando Lexi chega a cidade e se torna a novata do colégio, Mia encontra uma amiga e Zach não fica imune, eles se tornam inseparáveis.
O passado de Lexi é traumático, com uma mãe viciada e problemática, ela passou boa parte da vida em lares adotivos, nunca tendo um lar e muito menos uma família.
Lexi vê na família de Jude o que sempre quis ter, ela é acolhida e os melhores anos das vidas de Lexi, Mia e Zach estão só começando.
Porém uma escolha errada feita em uma noite de verão, destrói essa felicidade e a vida de todos eles.
Encarar as consequências de suas escolhas é só a ponta do iceberg.
A culpa será o pior pesadelo de cada um deles e uma amiga constante.
Durante dez anos acompanhamos a vida dessas pessoas, vamos da alegria e amor genuínos, de certezas e possibilidade grandiosas, a tristezas e dores intensas, a meras sombras, resquícios do que já foram um dia.
Culpa, consequências, responsabilidades, julgamentos e mágoas são tão fortes que me sufocaram.
Eu virava as paginas sem acreditar no que meus olhos liam e constatando que há dor, há vida real sim em um livro de ficção, foi-se a época que só contos de fada bastavam.
Personagens passíveis de erros, que se quebram na nossa frente, que se levantam, tentam recomeçar e amadurecem.
Narrativa impecável, aliás, eu não tenho certeza se li, pra mim estive em Pine Island durante esses dez anos e agora que voltei talvez eu não seja a mesma.

site: https://www.instagram.com/estantedapolly/?hl=pt-br
comentários(0)comente



Ruth 26/06/2017

Livro Maravilhoso!
Amei esse livro!! Muito bem escrito, prende você do começo ao fim!!
comentários(0)comente



173 encontrados | exibindo 91 a 106
1 | 7 | 8 | 9 | 10 | 11 | 12