O Estranho Misterioso

O Estranho Misterioso Mark Twain




Resenhas - O Estranho Misterioso


20 encontrados | exibindo 1 a 16
1 | 2


André Lisboa 21/12/2020

A última jornada de Mark Twain
O grande baluarte da literatura estadunidense Mark Twain conserva em suas histórias um típico estilo de prosa humorística, recheadas de aventuras fantásticas e personagens marcados por dilemas que flertam com a tragicomédia épica. Mias do que romances e aventuras, Twain estabelece reflexões sobre os erros da humanidade de forma intrínseca as construções de suas prosas. Em “O Estranho Misterioso”, que ele escreveu no fim da vida, e que só foi publicado postumamente em 1916, Twain escreveu em um habitat fora do habitual de seus outros trabalhos conceituados. Numa trama enxuta e sombria ele, estabelece reflexões fortes sobre dilemas humanos. Entre o bem e mal ele vai além, busca no progresso da humanidade motivos para desenvolver uma crítica aguçada e sagaz.

Nessa história encontramos desenvolvimento da realidade psicológica e bem e mal, passado e futuro, o autor traça os contornos de uma trama onde está presente, em Deus, em Satã e na Natureza, a fonte dos dilemas humanos. Em 1590, numa aldeia no interior das montanhas austríacas, um estranho misterioso surgiu por entre os bosques, lá ele encontrou Theodor e seus dois jovens amigos. Os garotos de seus 12 anos se assustaram quando o estranho demonstrou os seus poderes, ao fazer surgir coisas fantásticas, e com uma espécie de magia ele prometia trazer prosperidade e consertar os erros dos adultos daquele vilarejo. Na briga entre o padre Adolf e o Astrólogo da aldeia, o “Estranho” revela sua verdadeira faceta “diabólica”, plantando a intriga e a injustiça no seio da comunidade. Entre o caos instalado, seres fantásticos e uma narrativa que ressalta os valores morais e os desvios e vícios humanos, Mark Twain cria uma história enxuta e sombria.

O livro em si tem uma narrativa simples, rápida e bastante fluida. Mark Twain em sua ultima jornada dá um tom mais sombrio a sua história, com um clima pessimismo e falta de esperança na humanidade. Ele expõe as mazelas da alma humana de forma simples, suscitando um forte questionamento sobre valores morais e comportamentos em meio à ganância e a hipocrisia. Há um toque bem sarcástico, que não é nem um pouco o humorístico tom habitual de seus outros livros, que ressalta a falta de esperança do autor numa humanidade mais fraterna. É uma história bem sintomática, na medida em que critica a forma que a humanidade comanda o seu progresso, que semeia a discórdia, a morte a ignorância, o medo. A humanidade que clama por clemência não tem um pingo de remorsos sobre as atrocidades cometidas ao logo da história. No crepúsculo da vida, Mark Twain extrai de sua ultima história toda uma reflexão sombria sobre o progresso da humanidade.
comentários(0)comente



Vasya 07/12/2020

Mark Twain Entregando Tudo O Que Eu Pedi
“O homem é feito de pó, eu vi quando ele foi feito. Eu não sou feito de pó. O homem é um museu de doenças, um lar de impurezas. Ele surge hoje e se vai amanhã. Começa como pó e desaparece como podridão. Eu pertenço à aristocracia dos Imperecíveis.”


#114 - Com certeza o livro mais controverso do ano, ainda estou meio dividida por concordar com Satã por boa parte do livro - Deus, você me perdoa? -.
Esse livro tem uma pegada esquisita enquanto você está lendo você sente esse sentimento inexplicável, sério em um momentos eu sentia uma leveza e do nada era como se algo estivesse sobre o meu corpo. Ainda não sei descrever.
Gostei muito da leitura, os personagens são bem escritos e é muito fácil se envolver e entrar na história, recomendo... claro que recomendo Mark Twain e tudo pra mim!
comentários(0)comente



clara 10/11/2020

Peculiar
Um dos livros mais diferentes que já li. O autor cria uma aura estranha durante toda a história. Faz observações que nos faz pensar por dias. E quando terminou me fez querer entender melhor e pensar bem sobre o que li.
comentários(0)comente



Matheus 30/10/2020

Uma bela e pessimista fábula
Meu primeiro contato com Mark Twain não poderia ter sido melhor (ou poderia, vai saber). Nesse livro, escrito já no final da vida do autor, encontramos uma história divertida sobre uma humanidade podre e que não vale a salvação. Que de fato, sempre foi a única humanidade existente. Apesar de ser uma história levemente clichê (um ser que se considera superior à humanidade esculachando-a), essa história foi realmente incrível.

A escrita do autor é de fácil acesso e extremamente leve, com citações muito legais. Por ser uma fábula, essa história tem realmente uma moral: o que é o nosso senso moral? Como ele define nossa narrativa de vida? Nossa natureza é essencialmente boa ou má?

Apesar dele incluir algumas ideias confusas ao final do texto, tive uma experiência muito boa e reflexiva, recomendo muito.
comentários(0)comente



Bianca.Blauth 16/06/2020

Maravilhoso
Foi uma leitura tão leve, e ao mesmo tempo tão intensa. Me peguei duvidadondo de minha própria existência como um filósofo antigo. Um livro de fato inesquecível.
comentários(0)comente



Abel.Afonso 24/03/2020

A pureza e a beleza do cinismo.
Em 1490 em uma aldeia da Áustria, três meninos conhecem um ser fantástico, capaz de manipular a natureza e realidade com truques mágicos e leitura de pensamentos. Este ser é nada menos que Satã, um sobrinho do próprio tinhoso que visita a terra para observar as 'estranhezas" dos homens e da humanidade dita civilizada e ironizar os fatos com a sua onipotência.
Theodor (o narrador), Seppi e Nikolaus acabam tendo em satã um amigo que vai cada vez mais mostrando a sua essência desprovida de dualidades humanas como bem e mal ou sorte e azar. Não se preocupa com o tempo ou com as demais temeridades dos homens: morte, dor, vergonha, aparência...
É um texto que nos deixa logo toda a presença do fantástico e que não causa estranheza aos meninos exatamente por ainda não terem formado em suas consciências o que seria irreal ou absurdo (estamos em tempos onde mulheres e crianças eram queimadas como bruxas), e as mágicas de Satã assim como a sua presença, indicam que as únicas horas onde o ser humano realmente pode ser feliz é quando não questiona ou esconde seus atos e aceita o momento sem convenções morais ou com medos dessa natureza.
Pode-se dizer que Satã é uma alegoria para três elementos aqui: Ele é a natureza do ser, o racionalismo crú e a luta entre a crença e a desilusão.
Ele não age de forma premeditada e não deixa de dar escolhas aos personagens. Suas ações, podem todas elas ser diferentes por parte de quem as toma no caso que for e a consequência delas apenas apressa ou retarda o inevitável fim. Não importa o que se faça, sempre a ação do curso natural se sobreporá ao lógico.
Pode ser tomado como um raciocínio lógico em tudo o que acha dos seres humanos e é cínico porém de uma forma devastadora real. Mostra que para os humanos os seus sentimentos sempre embasados em sociedade ou convenções destroem mais do que unificam, é uma razão que o torna (por ser a natureza do ser ) irônico com os homens, ri deles pois conhece suas intenções e as repugna, de modo a fazer parecer crer que não acredita na civilização. Más é um equivoco esta leitura, em verdade, o que o Satã quer passar é que o ser humano nunca utilizou das evoluções da sociedade para buscar uma felicidade verdadeira e sim para segregar cada vez mais com guerras, racismos, diferenças econômicas. O que torna toda esta tentativa de se viver em sociedade inútil para os motivos que se alega ser necessária. A sua razão crua é a do descrente no ser humano e que indica preferir os seres sem a "racionalidade social", que apenas vivem e fazem o que é preciso, sem se preocupar com convenções. Que vivem com honestidade integral.
E aqui há ainda o fator dessa racionalidade de Satã que despreza até os sentimentos que achamos puros porém foram inundados de hipocrisia pela convenção social:
A velha que será queimada: prefere morrer a viver pois sabe que estará condenada pela sociedade e sofrerá mais pela falta de apatia;
A jovem Marget que possui algumas fraquezas humanas más a maior é a do seu conceito de amor que é Basear seu sentimento em oportunidades e se induz pela aparência e momentos fúteis;
O cão açoitado até quase morrer que verdadeiramente perdoa sem mágoas ou julgamentos;
E A situação dos jovens de serem incapazes de enfrentar a realidade por causa da compaixão e se tornarem egoístas e mesquinhos.
Então entramos em crença e desilusão que estarão presentes ao terço final do livro. Satã entrará em um debate com o narrador sobre esta separação das coisas em que se acredita e no que são. Praticamente diz que crenças ( sejam religiosas, nos outros ou no futuro) estarão sempre nos acompanhando porém sempre nos levarão à mais profunda desilusão. Não importando que saibamos ou não que isto ocorrerá.
É quase como se o Satã fosse o próprio Twain em sua forma de ver a humanidade como espécie.
Outra visão sobre a obra e sua caminhada é a de que tudo está determinado, sim é uma obra que acredita em destino porém com uma visão inacabada deste: A natureza do ser (Satã) é capaz de modificar o rumo com uma intervenção simples e mudar todo o caminho más não o destino (morte). O indivíduo pode por uma escolha sofrer muito ou deixar para trás o grande algo e dela mudar todo o porvir, essas escolhas não mudam o fato de que "os tijolos cairão do momento em que se nasce até a morte".
E há um detalhe que poderia ser contestado nessa resenha: Ocorrem intervenções mágicas de satã durante o livro, porém todas elas, da bolsa de ouro ao julgamento e o que ocorre após são vontades dos meninos e que apenas no final do livro se haverá o entendimento do que ocorreu ali e é surpreendente.
É uma obra que transita por aspectos de Irmãos Grimm em suas cenas fantasiosas e de caráter desiludido com tudo o que se pode ser chamado de esperança.
Deus, o futuro, os humanos, nada merece ser respeitado ou levado a sério. Apenas o próprio ser e seu interior.


A obra é um compilado de três textos e por isso não há uma coerência firme em sua narrativa.
Possui algumas falhas notórias de temporalidade por exemplo. E a que mais vai incomodar quem é perceptor de inconsistências é realmente o das situações e objetos ou explicações técnicas de Satã.
Muitas vezes o cenário nos confunde, estamos em uma aldeia de um Duque no interior da Áustria com uma pequena igreja, porém a presença de urbanização e educação não condiz com a primeira descrição de que estava atrasada intelectualmente e de que o povo em geral era ignorante contrasta com a noção de tecnologias.

Não é difícil em todo o texto termos por exemplo relógios que eram algo extremamente raro e que para pessoas comuns, seria impossível terem o contato com tais com tamanha facilidade (os relógios não eram ainda tão difundidos em todos as casas. Apenas em 1590 foram inventados relógios portáteis e apenas em 1670 surgiram os ponteiros de minutos.
Tal mostra deságua em Satã. Explica que a luz do Sol leva oito minutos para nos alcançar, e percorre 150 milhões de KM. Se o texto tivesse sido mais trabalhado, com certeza esta parte teria sido melhor posta, com uma maior cautela em mostrar que se estava falando de conceitos que á época medieval não seriam naturais a um menino que sequer teria a percepção de grandeza do feito. (o conceito de minutos era para a maioria desconhecido, quem dirá o de distâncias tão longas em unidades de medida). E outros detalhes também prejudicam a coerência tais como uma quantidade de mil moedas de ouro nas mãos de qualquer plebeu, isso causaria uma batalha geral. Talvez nem os nobres tivessem tal quantia de maneira tão banal. O autor teria de certo revisto este detalhe.
Nada apaga a ideia da obra, porém prejudicam-a sensivelmente em relação a o que dizem (nunca li) em comparação a outras obras clássicas do autor.
Sabe-se que o texto foi muito mexido, a edição que eu li informa que o astrólogo não existia nos três contos originais e foi introduzido para ser um vilão mais palpável. Assim, fora a contextualização do próprio Satã, é impossível saber qual rumo teria o enredo final e revisado de Twain
Essa visão de um anjo como ser que não possui sentimentos além do concreto e que ignora qualquer ambiguidade pondo simplesmente para nós que "É O QUE É" é muito indigesta de aceitar, por isso vemos nesse Satã um ser arrogante porém se aprofundarmos os olhos, teremos a exata visão de nós mesmos: Não aceitamos que estrangeiros ou pessoas de fora de nossos núcleos nos critiquem sem os acharmos soberbos mesmo que tenham razão. Veremos que na visão do autor, a civilização humana tão racional não difere de um terremoto ou de um furacão.
Por sua natureza destrói e é inevitável.
Por isso Satã tanto a observa.
comentários(0)comente



Adriana.Santos 06/03/2020

Um livro que me fez questionar a humanidade.
E me fez parar de usar as palavras "animalesco" e "desumano".
A escrita de Mark Twain é deliciosa.
Não consegui largar esse livro.
E saí dessa leitura me sentindo e sentindo as pessoas ao meu redor, de forma diferente.
comentários(0)comente



Luciano Otaciano 01/01/2020

Livro muito bom!
Não é segredo para os que me acompanham aqui no blog que, particularmente sou amante de leituras clássicas, e este aqui é um livro genial, que certamente não tem igual, principalmente se o compararmos com a maioria dos livros contemporâneos. O que dizer desse peculiar "O Estranho Misterioso", um ponto aparentemente tão fora da curva no conjunto da obra de Mark Twain? Como todos sabem, Mark Twain é famoso por seus livros ágeis e humorísticos, muitos deles infanto-juvenis, como "As Aventuras de Tom Sawyer" e "As Aventuras de Huckelberry Finn", a maioria dos quais se passa no Mississippi e são alegres e cheios de peripécias inocentes. Entretanto "O Estranho Misterioso" , tomando um rumo bem diferente, se passa na Idade Média e é bastante sombrio, com uma visão algo que niilista e talvez até pessimista acerca da existência humana.

O pacífico vilarejo de Eseldorf cochilava no interior da Áustria em plena a Idade Média. E assim seria para sempre, se não fosse a chegada de um ser enigmático e poderoso que causa sérias mudanças na vida da comunidade. Esse "Estranho", de comportamento tão imprevisível, diz apenas para as crianças do vilarejo que ele é um anjo, e, para provar que é quem diz ser, realiza magias impossíveis, das quais só elas podem saber que ele é o responsável, como fazer surgir frutas nas mãos das pessoas e dar vida a bonecos feitos de barro. Quando as crianças lhe perguntam seu nome, ele responde, sereno, que se chama "Satan". Recomendo à todos a leitura deste livro tão genial.

O livro é realmente singular e inesquecível. Por curiosidade, vale mencionar que o filme "As Aventuras de Mark Twain, uma animação em stop-motion de 1985 que faz uma maluquice bem divertida em misturar fatos reais da vida do autor e algumas de suas frases célebres com diversas de suas estórias, incluiu uma cena um tanto esquisita e até assustadora fazendo referência a "O Estranho Misterioso". Dizem que a cena foi censurada quando o filme foi exibido na tevê aberta de alguns países, pois era considerada sombria demais para as crianças. Não sei se a informação é verídica, mas vale a pena conferir o filme, o assisti e gostei bastante do longa metragem, muito embora eu tenha preferência pelo livro. Finalizo por aqui, espero que tenham gostado da resenha e até a próxima!
comentários(0)comente



Felipe 09/11/2019

Recomendo a todos
Esse livro é simplesmente sensacional. Ele é extremamente ácido e te estapeia muitas vezes durante a leitura. O jeito que Mark Twain escancarou a hipocrisia e mesquinhez humana é ainda muito atual e necessária hoje, embora eu não conheça nenhum trabalho contemporâneo desse tipo.
comentários(0)comente



Toni 14/01/2019

Um livro fantástico, com uma narração cativante e intensa.
O autor é expendido em sua obra, lendo rapidamente antes de iniciar a leitura, um pouco sobre o autor e depois sobre a obra, pude compreender porque é tão bela.

Escrita no final da vida do autor, sendo uma das suas últimas obras publicadas e também, uma das menos conhecidas perto de seus clássicos, Mark Twain é brilhante ao abordar questões sobre a humanidade, sua bondade/maldade e também sobre suas crenças.

Cria-se um ambiente com personagens tão variados que no começo é um pouco complicado, mas é bom para aquelas pessoas que gostam de ir lendo a história e ver como os pontos desconexos se ligam.

Um livro muito carregado de reflexões que acompanham humanidade ao longo da sua existência, é bom a forma que ele trabalha essa reflexão usando um personagem angelical, que tem autoridade, mas também muita sabedoria para mostrar a perversão da humanidade perante os outros animais, assim como muitas coisas tem um sentido muito além do ato em si, os quais se referem. Por exemplo, as ações que adotamos hoje, por mais que possa parecer simples e mundanas, elas têm influência e um grande impacto a longo prazo.

Em outro aspecto que gostei bastante do livro, é como ele retrata o sentimento inspirado por essa figura angelical quando ela se faz presente, quem já teve a oportunidade de presenciar momentos assim, sentirá-se tremendamente contemplado pela descrição do autor, em cada palavra sua.

O final do livro, não comentarei, justamente pelo spoiler. Mas... é digno de toda obra.

Meus agradecimentos a Samuel Langhorne Clemen, por me abraçar com esse livro!
comentários(0)comente



Julia 06/09/2017

Baptized with the perfect name, The dawning won by heart...
O Estranho Misterioso é um conto escrito pelo autor norte-americano Mark Twain. Twain nasceu em 1835 e faleceu em 1910 com 75 anos, o conto, Estranho Misterioso fora publicado seis anos após a sua morte. Intrigante, o último conto de Twain foi meu primeiro contato com o autor, e digamos que, este conto em específico possui características diferentes do “nicho” das histórias que Twain escreveu ao longo de sua vida.
Twain é conhecido por obras populares, cheias de humor, e sua obra “post-mortem” parece fugir à regra segundo os próprios editores responsáveis pela publicação que eu li. (particularmente, apesar de não ter lido outros títulos do autor, considero O Estranho Misterioso um conto com uma pitada de digamos “humor ácido”).

No ano de 1590 em a aldeia Eseldorf, na Áustria medieval, recebe a visita de um estranho. O estranho se apresenta a um grupo de três garotos que ficam maravilhados com ele, pois este estranho é capaz de fazer coisas inimagináveis como criar vinho do nada, dar vida à bonecos de lama entre muitas outras coisas. Quem é essa criatura que parece humana mas é capaz de fazer coisas tão maravilhosas?

A história é narrada em primeira pessoa por um dos garotos chamado Theodor Fischer. O estranho se apresenta para os garotos como sendo um anjo e seu o nome é um tanto, peculiar… (justamente isso me fez recordar da música Amaranth “Baptized with the perfect name, The dawning won by heart”…)

[RESENHA CONTINUA NO BLOG https://clubedolivrojf.wordpress.com/]

site: https://clubedolivrojf.wordpress.com/2017/08/25/o-estranho-misterioso-mark-twain
comentários(0)comente



Xandy Xandy 24/08/2017

O que fazer ao deparar-se com Satã?
A história de O Estranho Misterioso se passa no pequeno vilarejo (aldeia) de Eseldorf, Áustria. Naquele distante lugar, no ano de 1590, em plena Idade Média, três garotos eram grandes amigos inseparáveis. Eram eles: Nikolaus Bauman, filho do magistrado da comarca; Seppi Wohlmeyer, filho do dono da maior estalagem da aldeia e Theodor Fischer, filho de um organista da igreja e também professor de música, muito respeitado por todos.

Certo dia, os três passeavam alegremente pelas colinas e bosques da região, quando avistaram um rapaz muito atraente, de voz sedosa e macia, que vestia roupas muito belas e de excelente qualidade.

Após conversarem bastante tempo com este “estranho misterioso”, os três garotos curiosos perguntaram-lhe o seu nome, e ele disse-lhes com um sorriso no rosto, que se chamava Satã, um anjo muito persuasivo e sedutor, e que na verdade era sobrinho do próprio Diabo!

Ao ouvirem isso, os três amigos assustaram-se de verdade. Todavia, eles não faziam ideia de que o encontro com Satã mudaria suas vidas, e a do resto daquele povoado, para sempre…
O resto, só visitando o Lendo Muito.


site: https://lendomuito.wordpress.com/2017/08/24/o-estranho-misterioso-mark-twain/
comentários(0)comente



Aline Teodosio @leituras.da.aline 02/02/2017

A história se passa numa pequena aldeia na Áustria, onde os costumes ainda eram bastante conservadores, típicos da Idade Média. Uma pequena localidade parada no tempo. Acontece que nesta aldeia aparece um "estranho misterioso" que faz amizade com três garotos. É então a partir desse encontro, que o estranho começa a fazer truques que impressionam a todos, mudar o destino das pessoas e começa a questionar a natureza humana e o seu famigerado senso moral, levando o leitor a uma profunda reflexão do bem, do mal, da humanidade e do divino. Muito bom!
comentários(0)comente



Michelle Cruz 17/01/2016

Inesquecível
Um estranho com o nome de Satã chega num vilarejo e começa a questionar o senso de moral e as atitudes da humanidade. No começo parece uma história boba, mas a medida que vai desenrolando, percebemos que tudo aquilo faz todo o sentido e aí que começam os momentos de lucidez. É um livro para ser lido várias vezes na vida, você não fecha o livro sendo a mesma pessoa que começou a leitura. Recomendo fortemente.
Theo 23/01/2017minha estante
muito bom, comprei sem muitas expectativas e virou um dos meus favoritos




Michelle 15/07/2014

Descortina a natureza da raça humana
Gostei muito! Realmente não esperava um livro tão "obscuro" sabendo o tipo de história que Twain costumava escrever. Satã, o anjo que se tornou "amigo" de 3 meninos de uma pequena vila, vai descortinando a natureza da "raça humana", expondo sua verdadeira face. E o final... bem, o final você vai ter que ler para saber.
comentários(0)comente



20 encontrados | exibindo 1 a 16
1 | 2