Luxúria

Luxúria Eve Berlin




Resenhas - Luxúria


93 encontrados | exibindo 16 a 31
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7


Vanessa Sueroz 27/11/2014

Neste livro iremos conhecer Dylan Ivory, uma mulher que teve uma infância difícil e hoje é extremamente controladora. Uma escritora que está buscando inspiração e pesquisando para o seu novo livro.
Em busca de mais conhecimentos para o seu próximo livro ela conversa com algumas submissas, mas acha que ainda não é o bastante para escrever o livro e acaba se encontrando com Alec, um escritor, que adora o que Dylan irá escrever, sexo masoquista de dominador e Submisso. Um homem lindo e perigoso que gosta de estar no comendo assim como ela.
“Pela primeira vez depois de adulta, Dylan se sentiu completamente atrapalhada.
Se ao menos sua pulsação se acalmasse, maldição! Este é um encontro profissional.”

site: http://blog.vanessasueroz.com.br/luxuria/
comentários(0)comente



Ludy 28/10/2014

Luxúria - Eve Berlin
Minhas impressões: Não sou do tipo que julga um livro pela capa mas se fosse não leria esse livro. Resolvi ler o livro sem nenhuma expectativas e nenhuma consulta sobre o livro e a autora (Como tinha lido 50 tons e gostei resolvi embarcar em mais uma leitura erótica). O inicio é meio parado mas gostei dele em um todo. Ficava me perguntando se em algum momento tinha alguma coisa da autora, se ela já tinha vivido ou feito alguma pesquisa nesse sentido (risos).

Resenha

Dylan é escritora de romances eróticos e ser escritora, esse espaço da leitura meio que a defini, pois sua melhor amiga é escritora, os seus contatos são direcionados por esse universo.(Por isso achei meio paradão).
Em meio a uma pesquisa por saber mais sobre sadomasoquismo, no começo ela só queria que fosse uma entrevista, onde ela por indicação de uma submissa iria entrevistar um dominante chamado Alec e assim entender sem se envolve(como quase tudo em sua vida) mas nesse encontro recebeu uma proposta para virar uma submissa e fazer um estudo de campo e conhecer através da experiência. Como se considerava uma pessoa de mente aberta e por ter algumas experiências sexuais diferentes resolveu aceita o desafio mas acreditava que Alec não iria conseguir domina-la pois se considerava mais para o papel de dominante do que de submissa. E se ele falhasse ela que o dominaria.
E nesse processo de dominante e submissa eles começam a se questionar sobre suas vidas,como têm vivido até hoje e como lidam com os relacionamentos e as pessoas envolvidas.
Não consegui não parar de compara os relacionamento deles com o de Ana e Grey, sem falar que os dois tanto Grey como Alec são MA-RA-VI-LHO-SOS.
comentários(0)comente



Clã 01/04/2014

Dylan Ivory teve uma infância difícil. Com as experiências que viveu ao crescer e a perda de uma pessoa muito querida, tornou-se uma mulher controladora.

Ela escreve romances eróticos e seu livro atual será profundamente ambientado no universo BDSM e para isso, ela tem feito pesquisas de campo. Entrevistou uma submissa e com ela obteve muitas informações, porém ainda precisava conversar com um dominador.

Ao conhecer Alec Walker, o dominador, Dylan sentiu-se balançada. O homem era no mínimo, perigoso.

"Pela primeira vez depois de adulta, Dylan se sentiu completamente atrapalhada.
Se ao menos sua pulsação se acalmasse, maldição!
Este é um encontro profissional.
Sim, mas o fato não parecia impedir nem um pouco sua reação diante daquele homem."

Ele, um autor de suspense, a convenceu de que apenas conversar sobre o assunto não a faria entender como funciona o universo BDSM, e nem mesmo a profundidade das sensações, sendo necessário experimentar, vivenciar ela mesma.

"-Não há como retratar um estilo de vida de forma acurada se você não entrar nele."

"-Dylan, deixe-me fazer uma proposta a você. Submeta-se a mim.
Ela tentou desvencilhar a mão, mas ele a segurou firme.
Seu olhar estava mergulhado no dela, incrivelmente convincente, de um azul cintilante.
- Tente - ele continuou. - Sinta sua reação."

Por querer sempre ter as rédeas de sua própria vida, Dylan não se imagina como submissa, mas seu corpo a desmente e ela aceita o desafio.

Os dois embarcam em uma experiência profunda de dominação, submissão, sadismo e masoquismo, que tirará o chão. De ambos.
A autora foi muito habilidosa ao escrever as cenas, que parecem bem verossímeis e envolventes.

Dylan precisa lidar com muitas emoções durante esta experiência, abrir mão do controle pode não ser fácil.

"Há anos ela não se sentia indefesa diante de nada. Nem gostava disso."

Alec sente-se rapidamente envolvido pela ruiva tão segura de si. Ela é um desafio que ele está mais do que disposto a enfrentar, porém não pensava sentir-se tão balançado por ela.

O livro é muito bom, daqueles de lamber os beiços...rsrsrs Para os amantes de livros eróticos, um prato cheio. O enredo também é bom, nos envolvemos com os personagens e vivemos seus conflitos e inseguranças.

"Ela era linda. Ele a desejava tanto que mal podia se conter para não tocá-la.
(...)
- Dylan, vou leva-la para cima agora. E vou fazer com você todas as coisas com as quais tenho sonhado desde a última vez que esteve em minha cama. Mas, primeiro, vou jogar com você."

Alec é um dominador maravilhoso, daqueles homens TDB (tudo de bom): lindo, carinhoso, atencioso, mandão e difícil de resistir.

Dylan é uma mulher inteligente e bem sucedida que precisa lutar contra as lembranças do passado para poder seguir em frente.

Amei e recomendo.


site: http://cladoslivros.blogspot.com.br/2014/03/resenha-luxuria-livro-1-da-trilogia.html
comentários(0)comente



neide 01/01/2014

Dylan é controladora e parece surreal quando Alec, dominador e sua segura fonte de informações para o próximo romance erótico, propõe que ela seja sua submissa. Todavia, o argumento é bom: somente assim ela poderá saber o que é o sadomasoquismo, como é e o que exatamente ele faz sentir. Somente assim ela poderá escrever de forma a tornar sua história verossímil e continuar a cadeia de romances eróticos de sucesso (que ele próprio, inclusive, elogiou).

O que começa como uma prova para si mesma (e para Alec, é claro) de que nasceu para ser domadora e não submissa vai por água abaixo logo nos primeiros instantes que o jogo começa. Não que ela necessariamente se arrependa disso, nem Alec, na verdade a ideia sequer passa pela cabeça dos dois que aproveitam o momento cada um à sua maneira e, ao mesmo tempo, tão unidos a ponto de questionarem a intensidade do que está sendo vivido. O jogo começa a ser mais frequente, deixando brecha para que surja um sentimento que assusta ambos – ainda que de forma diferentes: amor.
comentários(0)comente



Solcito 16/11/2013

Luxúria
Dylan Ivory é uma mulher independente, escritora de romances. Teve que enfrentar à vida junto com uma mãe doente e a perdida de seu irmão em um acidente de moto, o qual ela nunca pode superar.
Para sua nova obra sobre relações sadistas e sadomasoquistas, Dylan decide procurar um dominador para poder compreender essas práticas. Mas nunca imaginou encontrar um homem como Alex Walker.
Ele é escritor como ela, o que pensou que facilitaria o relacionamento entre eles, mas quando Alex propõe para Dylan viver a experiência de uma submissa, para adquirir um verdadeiro conhecimento, todo muda na vida deles.
O que era para ser uma simples relação laboral se converte em paixão, desejo... amor.

“Gostava de ver que ele compreendia não se tratar apenas de sua reação ao jogo de poder, de uma maneira que a deixava indefensa. E ela não queria questionar isso tudo detalhadamente agora. Tudo que precisava saber é que se sentia confortável com ele, à vontade. Queria desfrutar isso sem se criticar, ao menos uma vez. Perigoso. Esse nível de conforto com ele era perigoso. Seria fácil de mais se perder. Ele era perigoso. Mas era um jogo pelo qual ansiava no momento”. (Dylan)

Alex, um dominador muito reconhecido no médio, se sente sem chão. Todo seu controle, seu conhecimento não é nada frente a mulher que conhece. Sua independência e bosqueda pelo sentido da vida chegam a seu fim quando reconhece que ama a Dylan.

“Passei minha vida inteira fugindo, dizendo a mim mesmo que estava procurando algo. Mas então eu conheci você” (Alex)
comentários(0)comente



S. Entre Amigas 14/10/2013

Quando achava que era a hora de parar... então pediu por mais.
Dispa-se de todo o erotismo escrito nos livros atuais... Nada daquele sadomasoquismo chulo, onde os livros tachados como eróticos estão mais para romances com cenas de sexo. Eve escreveu sim um livro erótico, e bem BDSM, claro que o romance existe, mas a áurea de poder sobrepõe o mesmo, e era exatamente isso o que eu esperava dessa história.

Dylan é uma autora de Romances Eróticos que, cansada das mesmices dos seus livros, decide se jogar num mundo um tanto quanto diferente do seu e escrever algo mais sadomasoquista; então ela decide procurar por pessoas que pratiquem esse estilo sexual a fim de tornar sua história o mais realista possível. Nessa procura ela chega ao nome de Alec, um dominador ativo que também trabalha como escritor.

O primeiro encontro do casal é tachado por uma tensão sexual palpável. Dylan, que sempre foi uma mulher segura de si, cai nos encantos do galã à sua frente, e Alec se vê no impulso de tomá-la como sua submissa, mas não pela arte da submissão em si, mas porque quer taxá-la como dele, expôr-la para o mundo como sua propriedade, não apenas nos momentos entre dom e sub.


Durante a conversa surge a proposta: Alec quer introduzi-lá nesse meio sadomasoquista. Controladora como ela é, já pensa em entrar como dominadora, mas Alec foi logo quebrando sua crista e ofereceu-se para dominá-la, mesmo diante de um debate interno ela acabou por aceitar, e então vem toda a trama.

O principal diferencial desse livro está na idade dos personagens, Dylan tem 33 anos e Alec 36, eles tem problemas de adultos e os resolvem como adultos, isso torna a leitura tão mais agradável, pois os personagens fazem jus ao tema. Outro fato que agrada muito a leitura é aquele não apegamento ao dinheiro. Em outras obras vemos jovens mulheres encantada pelo poder emanado de seus companheiros, mas não apenas o poder físico, o poder aquisitivo é de grande destaque nessa histórias. Em Luxúria ambos estão no mesmo patamar social, então temos um foco total nas características exteriores e interiores dos personagens.

Ah! Outro ponto interessante. Os encontros não são feitos na casa de Alec ou da Dylan, pelo menos não os encontros sado, esses são feitos em um clube próprio para esse tipo de encontros, interessante... Interessante ao ponto de nos deixar ansiando por mais. Uma ótima dica para quem curte romances do gênero.
comentários(0)comente



Paula Juliana 10/10/2013

Resenha: Luxúria - Eve Berlin
Resenha: Luxúria - Eve Berlin
Classificação: 4/5 ♥ Favorito

Sinopse - Luxúria - Trilogia Luxúria - Livro 01 - Eve Berlin
Quando achava que era hora de parar... Ela então pediu por mais... Quando Dylan Ivory, escritora de romances eróticos, recebe o contato de Alec Walker, nem imagina o quanto esse homem pode mexer com seus pensamentos. Conhecido por ser um famoso dominador em relações sadistas e sadomasoquistas, Alec tenta convencer Dylan de que a melhor forma de se aprofundar no assunto - e então escrever um livro o mais próximo possível da realidade - é viver uma experiência como submissa e sentir na pele a sensação desse tipo de relação. Para Dylan, essa proposta será difícil de ser aceita - uma vez que ela é fanática por ter o controle de tudo em sua vida. Embalados por um misto de prazer e apreensão, o casal se vê em uma situação tentadora enquanto evitam entregarem-se ao sentimento que nasce entre eles.

Luxúria de Eve Berlin é um romance adulto erótico; É bonitinho, no começo tem muito sexo e toda aquele desejo entre os protagonistas, e do sexo vai ao descobrir um sentimento maior (carinho/amor!).

O livro é clichê e previsível, mas é muito gostoso de ler, uma escrita fluída e rápida, li em menos de vinte e quatro horas.

Os personagens são bons e Alec (o dominador) é fofo. O volume aborda a relação dominador/submissão do sadomasoquismo. Mas apesar do tema não tem muito de masoquismo do livro, aparece um daqueles salões onde as pessoas jogam escravidão sexual, porém não aparece nada de muito diferente e não existe cenas de violência, nada que choque ou que seja pesado.

Apesar do tema, o livro é leve, os personagens são meios doidinhos, mas não é abordado nada muito obscuro, tornando o livro bem gostoso e leve. No fim a história não passa de um romance entre uma escritora que acredita não ser submissa em nada na vida e um escritor de suspense dominador louco por aventura.

Indico esse livro, para quem gosta de finais felizes, um romance adulto. Gostei muito de Alec e amo romances! Nada melhor que falar de amor!

site: http://overdoselite.blogspot.com.br/
comentários(0)comente



Nathy 21/09/2013

Leitura viciante...
O livro é bom, tras uma coisa que todos os livros que falam sobre sadomasoquismo nao mostra... um pouco da verdade nua e crua dos sadicos...
50 tons é uma coisa muito "passa por cima", luxuria se aprofunda no mundo de dominador/ submissa que a grande maioria dos livros acabam ignorando, eis o ponto chave que o torna cativante....
comentários(0)comente



Ana 28/08/2013

Gostei!!
Foi interessante, ver que neste livro as personagens não se aproximaram tanto do famoso Mr Grey, como se pode constatar em tantos outros livros do mesmo genero. Gostei essencialmente da descoberta de sentimentos como o amor, com duas pessoas, tão indeferentes com o amor, se podem apaixonar arrebatadoramente. As descrições do jogos BDSM, foram algo descretas, e ao mesmo tempo intensas.
comentários(0)comente



Escuta Essa 17/08/2013

Resenha – Livro – Luxúria, de Eve Berlin
Luxúria é o primeiro livro da trilogia erótica da autora Eve Berlin, publicado pela editora Leya. O gênero romance erótico sempre teve o seu espaço no mercado e seus leitores fiéis, mas depois de um recente boom, o mercado ampliou e foram publicados vários novos livros nesse estilo.
Em Luxúria temos a história de Dylan e Alec, ambos são escritores e se conhecem quando Dylan, uma linda mulher, independente, determinada e que tenta sempre estar no controle de sua vida, decide fazer uma pesquisa para o livro erótico que está escrevendo onde ela aborda os limites do sexo.
Alec também é um escritor, só que de livros de suspense, possui uma vida livre, adoro viajar de moto e de emoções fortes. Frequenta um clube de sadomasoquismo e é conhecido por ser um famoso dominador em relações sadistas e sadomasoquistas.

Alec é a pessoa perfeita que Dylan precisa entrevistar para coletar informações para o seu livro, mas o que era para ser um simples encontro acaba se tornando um acordo. Alec sugere que a melhor forma de se aprofundar no assunto seria viver as experiências como uma verdadeira submissa e sentir na própria pele todas as emoções. Após relutar um pouco, Dylan aceita o acordo e então começamos a enveredar, juntamente com o casal, pelo mundo sadomosoquista.

Dylan ao poucos é introduzida no mundo da submissão, onde Alec a inicia de maneira leve, levando-a primeiramente a um famoso clube chamado Pleasure Dome, onde pessoas se encontram para a prática sadomasoquista. A descrição do clube é bem vívida, com mulheres nuas, correntes, couro, cruz de Santo André, chicotes, dominadores, submissas e uma música pulsante ao fundo.

Vamos acompanhado a vida de ambos, suas novas experiências sexuais, seus medos, seus anseios e tudo que isso traz de bom e ruim para cada um. Começar a conhecer mais sobre si mesmo e superar alguns pequenos traumas, que, de certa maneira, atrapalham a vida de ambos, pode ser complicado. Luxúria também fala de cumplicidade e acima de tudo de confiança. Mas o que toda essa nova experiência poderá trazer para Dylan e Alec?
Será que esse acordo despretensioso poderá mudar suas vidas para sempre?

Luxúria, não é só um livro sobre sexo. Existe sexo? Sim, mas o livro não é só isso, tem história, clima, enredo, personagens bem construídos, personalidades fortes e sexo intenso.
Em alguns momentos esperei por uma postura um pouco diferente da parte da Dylan, mas isso não aconteceu.
Enquanto isso, nós, leitores, observamos como voyeuristas a vida íntima do casal.
Recomendo para quem aprecia o gênero.

(...)
Leia mais sobre a resenha de "Luxúria" em...
http://bit.ly/14pCfRF

Te espero lá ;) Deixe seu comentário, vou adorar retribuir :)

Renata do blog Escuta Essa

site: http://www.escutaessa.blogspot.com.br/2012/11/resenha-livro-luxuria-de-eve-berlin.html
comentários(0)comente



Lary Reeden 13/07/2013

Mais real?!
Mesmo sendo considerado uma trilogia, o que difere essa saga das outras do mesmo gênero é que em cada livro é contada a história de um casal diferente, com vidas que se cruzam entre si. Portanto cada livro tem um fim, não sendo necessário ler todos, ou seguir uma ordem cronológica.

Dylan Ivory é uma escritora de literatura erótica romântica, que está fazendo pesquisa de campo sobre sadomasoquismo para o seu novo livro. Ela precisa ir além dos estereótipos do BDSM (Bondage, Dominação, Sadismo e Masoquismo), e Alec acha que a melhor forma de aprender é sentindo na prática. Ela fica instigada pelo desafio e monta uma contraproposta, confiante de que ele não conseguirá dobrar seu autocontrole. Se Alec não conseguir dominá-la ela terá a chance de torná-lo submisso, em pelo menos uma cena. O que eles não esperam é perder o auto controle não de seus corpos, mas de seus corações.


– Primeiro, preciso saber se você tem algum conhecimento do que significa escravidão e sadomasoquismo. Sei que andou lendo muito, reuniu informação. Mas me diga qual é a sua definição. O que ficou sintetizado na sua mente.
Ela pensou um pouco sobre tudo que lera a respeito, suas breves conversas com Jennifer, as pesquisas feitas on line.
– Bem, sei que tem a ver com escravidão e disciplina, dominação e submissão, sadismo e masoquismo.
– Agora me diga como interpretou isso, não o que achou nos livros ou na internet.
– Eu acho… A definição parece abranger uma ampla gama de comportamento sexuais e sensuais. Desejos. Fetiches. Cada um parece ter uma definição pessoal, diferente a respeito do assunto, ou seja, é algo bem individual. E nem todos praticam tudo. Algumas pessoas talvez se limitem aos aspectos mais leves, como tapas ou simples submissão. Mas mesmo assim é escravidão e sadomasoquismo, embora os praticantes não usem essas palavras quando referem a si mesmos. E na raiz está a troca de energia entre os participantes.

Luxúria é um livro escrito em terceira pessoa, mas a autora soube dar espaço a cada personagem, evoluir e contar sua versão separadamente, sem perder o ritmo.

Apesar do tema ainda considerado um tabu, ela trata tudo naturalmente com uma escrita sensual, que apesar das palavras usadas, fica com tom erótico, e não pornográfico. Um dos pontos que mais gostei no livro, é que os personagens tem uma personalidade madura, além da idade mais elevada que o costume para os atuais livros do estilo.

Alec Walker tem 36 anos e tem um nível de vida elevado, mas não do tipo multimilionário, dono da cidade. Escritor de thrillers psicológicos, ele vive em um apartamento bem mobiliado em um bairro de Seattle e curte viajar pelo mundo, conhecendo lugares exóticos ou espirituais, apaixonado por motociclismo e esportes radicais. Bem relacionado e respeitado na comunidade BDSM de Washington, dá palestras sobre como ser um bom dominador e usa o clube Pleasure Dome como cenário para seus jogos mais pesados.

Dylan Ivory, 33 anos é autora de romances de banca, também vive uma vida confortável, mas monótona. Com apenas uma amiga próxima, ela evita se abrir ou aproveitar mais da vida, com medo de que isso interfira no seu controle tão bem trabalhado por anos. Mora longe da família — ou do que restou dela. Sempre bem acompanhada sexualmente, foge de relacionamentos sérios ou qualquer outra coisa que possa interferir no controle de sua vida. Considera-se muito liberal quando o assunto é sexo, afinal seu emprego meio que exige isso. Mas nunca ousou ir tão profundamente.

Eu engoli o livro em dois dias. E não por causa das cenas de sexo, como alguns podem pensar, mas porque me envolvi com o relacionamento romântico deles, a quebra dos paradigmas que ambos impõem a si mesmos, através da entrega e do respeito mútuo. Indico pra quem deseja conhecer um pouquinho mais desse mundo tão diferente e ler um bom romance.

E um p.s. de uma leitora chata, apesar da capa ser linda, esse espartilho não tem nada a ver com a história (pronto, desabafei).

site: http://livrosecitacoes.com/resenha-quinta-essencia-luxuria-eve-berlin/
comentários(0)comente



Gabriela 09/07/2013

Resenha Lúxuria
Eu achei a história ótima, flui com acontecimentos diversificados e diferentemente de algumas publicações de livros eróticos parecendo cópia de 50 tons de cinza, esse, apesar de ser sado, tem sua própria história.

O livro Luxúria conta o envolvimento de dois escritores, Alec Walker e Dylan Irovy, em um romance de sexo, sadomasoquismo e um final de muito amor.

Dylan decidiu escrever algo diferente de tudo que já havia feito. Ela decidiu desenvolver um livro sobre a submissão e decidiu entrevistar Alec, um sadomasoquista profissional, para desenvolver sua obra.

Alec propõe a Dylan que teste o sadomasoquismo para escrever e publicar seu livro. Ela aceita e a partir deste momento eles entram em um caminho sem volta.
comentários(0)comente



Caverna 07/07/2013

Dylan é uma escritora de livros eróticos e o seu próximo livro vai falar sobre dominação, submissão... sadomasoquismo. Ela já leu bastante do assunto, conversou com uma submissa, mas ainda assim queria mais informação para o seu livro e com isso indicaram a ela Alec Walker. Ele é um dominante e só de pôr os olhos em Dylan já percebe que ela é uma submissa. Ela, claro, nega, mas ele propõe um desafio: se ela não dobrar, quem seria o submisso seria ele.

Alec é um escritor de livros de suspense e um aventureiro. Gosta de viajar pelo mundo, tatuagens, motos... e dominar mulheres no Pleasure Dome, uma casa de sadomasoquismo da cidade. Desde que ele se lembra, sempre foi um dominante e por já estar nesse ramo tem bastante tempo, sente que Dylan é uma falsa dominante, pode até tomar controle de sua vida e tudo o resto, mas a submissa que há nela está latente, apenas esperando o homem certo para acordar.

site: http://hangoverat16.blogspot.com.br/2012/11/luxuria.html
comentários(0)comente



Celi Gomes 25/06/2013

Pura luxúria
Dylan é uma escritora de livros eróticos que resolve escrever sobre a relação dominador/submissa e para isso resolve fazer pesquisas com pessoas praticantes de BDMS para entender como funciona esse tipo de relação.
Indicam para ela Alec, um conhecido dominador, e durante a entrevista ele propõe que ela se torne submissa dele, para que assim ela tenha a visão real do que é essa relação.
O problema para Dylan é que ela é uma pessoa dominante, precisa estar no controle de tudo na sua vida e ela sabe que isso se tornará um empecilho para que esse arranjo dê certo.
Ao mesmo tempo ela se sente tentada a aceitar, que só assim entenderá o que se passa com as pessoas envolvidas nesse tipo de relação.
Pelo livro e pelo desafio e por Alec se totalmente sedutor ela aceita e a partir daí se vê envolvida em uma relação completamente diferente de tudo que ela já viveu.
Constantemente se vê em conflito com tudo o que acredita e por mais prazeroso que seja não consegue aceitar o quanto pode ser bom ser submissa a esse homem.
Durante todo o tempo ela tenta se manter afastada, tenta não se envolver, mas a cada dia que passa se vê mais dependente de Alec.
Chega o momento que Dylan sabe que a "pesquisa" chegou ao fim, que não pode mais usá-la como desculpa para continuar a se relacionar com Alec, sabe que a partir daquele ponto, tudo o que acontecer não será pelo livro, e ela precisa decidir o que fazer.

Gostei bastante desse livro, é diferente dos outros de mesmo tema. É sensual, envolvente e não tem os mimimis dos outros, o relacionamento não é eclipsado pelos traumas dos personagens, que conseguem lidar de forma mais madura com eles. E as cenas são muito, muito quentes!
Jacy Coelho 05/07/2013minha estante
\o/ que bom que vc gostou, depois de tanta pressão ahahahha

Alec é muito, muito sedutor srsrsrs




spoiler visualizar
comentários(0)comente



93 encontrados | exibindo 16 a 31
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7