Luxúria

Luxúria Eve Berlin




Resenhas - Luxúria


94 encontrados | exibindo 31 a 46
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7


Albertini 09/06/2013

Dylan e Alec
Quando achava que era hora de parar... Ela então pediu por mais... Quando Dylan Ivory, escritora de romances eróticos, recebe o contato de Alec Walker, nem imagina o quanto esse homem pode mexer com seus pensamentos. Conhecido por ser um famoso dominador em relações sadistas e sadomasoquistas, Alec tenta convencer Dylan de que a melhor forma de se aprofundar no assunto - e então escrever um livro o mais próximo possível da realidade - é viver uma experiência como submissa e sentir na pele a sensação desse tipo de relação. Para Dylan, essa proposta será difícil de ser aceita - uma vez que ela é fanática por ter o controle de tudo em sua vida. Embalados por um misto de prazer e apreensão, o casal se vê em uma situação tentadora enquanto evitam entregarem-se ao sentimento que nasce entre eles.
comentários(0)comente



Cynthya 05/06/2013

Ó meu Deus! O Alec é um fofo...rs...rs...
comentários(0)comente



Fran 04/06/2013

Livro bem hot, porém uma história fraca... sem grandes emoções
comentários(0)comente



Gil 26/05/2013

Como eu sempre(desde os romances de banca) gostei de livros do gênero, então este estava na minha lista de leituras. Dylan é uma escritora de romances e livros eróticos, porém como sua amiga Misha diz, apesar de escrever sobre o assunto, ela nunca acreditou muito no amor e nunca se deixou envolver. Dylan é segura de si, impõem sua presença e não consegue resistir a desafios. Ao ter que escrever seu novo livro erótico, sobre submissão, ela resolve procurar Alec (oh Alec), já que ele é expert nesse assunto. Alec é O imponente, alto, charmoso, voz grave, olhar sedutor, ou seja, Dylan não previu aquilo e ficou tensa (saliente rs) com aquela situação. Alec lança-lhe um desafio(rs), como ela vai escrever sobre algo, sem vivenciá-lo? (né bobo não ein).
E ai né gente, preciso descrever algo mais?? Rsrs. Eles vão mantendo essa relação de submissa e dominante, porém Dylan não é do tipo que gosta de ordem, mas Alec é tão, tão, envolvente? Rs, que as coisas fogem de seu controle.

Os capítulos são intercalados entre eles, assim ficamos sabendo o que cada um pensa. Eu gostei de ambos os personagens. Gostei da atenção do Alec, saber se ela tava bem e tal. Gostei do Dante, pena que ele não aparece tanto. Eu só consegui parar de ler quando terminei. O sadomasoquismo aparece bem pouco e é mais "leve" comparando-se com 50 tons. Me envolveu, mas apesar disso, o enredo é um tanto, hum..vazio, não acontece outras coisas, além de hum...sexo? submissão e sexo. É, ela não sai de manhã e faz suas atividades e ai depois de um dia exaustivo, encontra ele, não! Quando acontece algo pela manhã, logo passa a ser noite e devido a tudo isso eu diria que esse é o ponto negativo do livro, o enredo, daria 3,5, mas como não há quebrados no skoob, arredondo para 4, por ter me entretido e pelo jeito do Alec, valeu a leitura.

" A campainha tocou, ela levantou-se e foi até o interfone.
– Espere um segundo, Mischa. Quem é?
– Dylan... – a voz de Alec era profunda, suavizada pelo desejo.
– Alec, você me trouxe faz só uns dez minutos.
– Eu sei. Mudei de ideia. Ainda não estou pronto para deixar você".


comentários(0)comente



Dé... 17/05/2013

Depois de ler 50 Tons de Cinza e de acompanhar toda a comoção gerada pelo livro e principalmente por não ter achado grandes coisas... não me atirei de cabeça nesses novos livros "eróticos" que estão fazendo a cabeça da mulherada.

No meu "pré conceito", seriam apenas mais do mesmo e por isso preferi concentrar minhas leituras em outros gêneros... quando recebi esse livro na nova parceria do blog com a Editora Leya, agora sob o selo da Quinta Essência, confesso que nem me empolguei muito, já tinha lido algumas resenhas, mas sabe quando a gente ainda tem um pé atrás??

Comecei a ler o livro, que trata a história de duas pessoas céticas em relação a relacionamentos e achei que por isso o enredo seria apenas um fundo para muitas cenas de sexo entre os personagens...

Isso realmente acontece, há muitas e muitas cenas de sexo, mas todas bem trabalhadas, os personagens também são carismáticos e apesar de ter uma linguagem até um pouco mais pesada em alguns momentos, tudo está dentro do contexto, sem cair pra vulgaridade ou mesmice...

O livro me surpreendeu e creio que cumpre perfeitamente o seu papel, afinal um livro erótico precisa excitar o leitor, não é mesmo?

E eu pelo menos fiquei bem excitada impressionada com o personagem Alec Walker (até o nome dele achei sexy), que tem lindos olhos azuis, corpo de um jogador de futebol americano, cabelos pretos, cavanhaque e um sorriso maldoso... ah, quem pode resistir??

A Dylan também não é feia, mas não preciso descrevê-la detalhadamente, né?
A história começa com a personagem que é uma autora de livros eróticos indo fazer uma entrevista com um dominador, pois seu próximo livro abordará justamente o BDSM... mas Alec não quer apenas falar sobre o assunto, ele propõe mostrar... e assim começa o envolvimento dos dois...

Uma coisa que achei interessante é que ele a leva para um clube onde se pratica o sado/masoquismo... achei estranho, mas também fiquei curiosa sobre o assunto...

Para aquelas que ainda estão um pouco receosas quando ao BDSM, garanto que o livro é bem leve nesse assunto, em sua maioria só rola mesmo uns bons tapas no bumbum (gente, muita vergonha em escrever essa resenha!!!!kkkk), nada que assuste as mais puritanas e que pode decepcionar aquelas que buscam coisas mais "punks"... eu gostei, pra mim foi o ponto ideal de despertar o interesse sem causar nenhuma repulsa.

Já estou curiosa para ler o segundo e o terceiro (esse inclusive a Mika já está lendo e em breve teremos resenha)... os livros podem ser lidos fora de ordem pois cada um aborda a história de um casal, mas é claro que as histórias se completam, um personagem ou outro aparece em mais de um livro...


Essa e outras resenhas você encontra em http://www.leituranossa.com.br/
comentários(0)comente



Mandy 16/05/2013

Luxúria
Alec Walker é tudo o que Dylan não poderia imaginar. Tudo bem, ele tinha aquele aspecto de bad boy com as tatuagens e a moto, mas ele era gentil, educado, atencioso, perspicaz e... lindo demais. Alec também é escritor, mas de livros de suspense. Adora viajar em sua moto e é viciado em adrenalina.

Dylan Ivory é uma escritora de romance erótico de 33 anos que está escrevendo um novo livro onde o tema é: sadomasoquismo e sadismo. Durante sua pesquisa, uma das submissas que ela entrevistou, diz que ela deve conversar com o dominador Alec Walker. Grata pela dica, ela marca um encontro com ele, afinal teria a oportunidade de entender melhor os pensamentos e as vontades de um dominador.

Se Dylan achava que teria algumas conversas com Alec e nada mais, o dominador alega que é impossível retratar o sadomasoquismo e que ela tem que experimentar esse estilo de vida. Dylan não é nenhuma menininha indefesa e é muito bem resolvida sexualmente, e diz a Alec que não serve para ser uma submissa, mas quando ele discorda e acaba deixando-a morta de raiva com a sua proposta, a controladora dentro de Dylan aceita a proposta.

Após um início conturbado, Dylan mergulha de cabeça no universo sadomasoquista, provavelmente porque com Alec tudo parece mais fácil e mais... prazeroso. Tudo estava indo muito bem, mesmo com as dúvidas brotando na cabeça de Dylan. Afinal eles tinham o tipo de relacionamento que ambos queriam: Alec não queria compromisso e Dylan tinha certa dificuldade em estabelecer um relacionamento sério. Mas tudo muda quando ela começa a apaixonar-se por Alec.

Achei interessante o fato dos personagens principais terem certo ceticismo sobre o amor, isso acaba tornando a estória mais interessante e podemos acompanhar o crescimento do relacionamento entre eles. As cenas de sexo são bem realísticas, nada fofinhas. Haha Você vai encontrar muito a palavra “foder” aqui nesse livro, mas se você já leu “Cinquenta Tons de Cinza”, provavelmente já está acostumado! Mas não pense que se trata de um livro vulgar. De jeito nenhum. “Luxúria” não têm nada de vulgaridade em suas páginas e definitivamente não cai na mesmice. Ele é intrigante do início ao fim.

Eve Berlin traz uma narrativa envolvente e nada cansativa, com personagens complexos e um enredo rico em detalhes. Se você não é muito familiarizado com o tema abordado no livro, definitivamente não ficará perdido, ele é consistentemente tratado de maneira simples e realística. Enfim, “Luxúria” vai tirar o seu fôlego!
Léia 16/05/2013minha estante
Humm.. gostei da resenha. Estou com a trilogia aqui, estou ansiosa para começar a ler.. Gosto de livros que de alguma maneira abordem o BDSM, embora a grande maioria despejada ultmamente nas prateleiras advindas da explosão sem graça cinzenta, deixam muitíssimo a desejar. Estou mais confiante que esta leitura seja mais proveitosa e talvez até.. mais realista... mesmo tirando o detalhe que não sejam fatos reais.

Bjos, moça.


Mandy 16/05/2013minha estante
Verdade Léia. Também gosto de livros que abordem o BDSM. Particularmente, adorei o "Luxúria". Estou com o segundo livro aqui e mal vejo a hora de começar a ler.




Ale 14/05/2013

Um livro sem sal.
Não é só por ter o sexo como fator principal do livro, mas esquecem o amor o envolvimento dos personagens.

O final foi corrido, como se a autora tivesse um número determinado de folhas e não pudesse ultrapassa-los.

Deixou a desejar!
comentários(0)comente



Marina 08/04/2013

faltou enredo.
Muita descrição de sexo com sadomasoquismo, porém faltou enredo.
comentários(0)comente



Vitrine TBF 07/04/2013

Luxúria
=== Resenha ===


Algumas pessoas me disseram que este livro era igual à Cinquenta Tons de Cinza, devo discordar disto, ele é totalmente diferente e me deu uma visão mais ampla sobre sadomasoquismo e submissão. Ele também me mostrou que o Domador não está ali apenas para sentir prazer, está ali também para cuidar de que sua submissa fique bem, fique sã. Acho que Lúxuria explicou melhor este mundo do que Cinquenta Tons de Cinza ao qual estava mais focado no romance e no passado sombrio do Sr. Grey. Claro que Lúxuria também tem romance, não é apenas sexo e perversão, porém é em menos dosagem também isto é devido a personalidade dos personagens principais. Mas o que me deixou realmente entretida foi ver o quanto a autora realmente pesquisou e se aprofundou neste novo mundo erótico que vem tomando as estantes das livrarias. Foi uma pesquisa realmente completa e detalhada.
Dylan Ivory é uma renomada escritora de romances eróticos ela é uma pessoa solitária e controladora, ao qual tem apenas uma melhor amiga e um passado tenebroso. Dylan vai atrás de Alec Walker um dos dominadores mais “famosos” e “requisitados” para uma pesquisa mais aprofundada sobre este mundo de submissão e dominação. Porém Alec lhe diz que não é algo ao qual ele possa explicar, ela teria que vivenciar para poder entender. Tal argumento a faz concordar e o homem lhe propõe que ele lhe introduza neste delicioso jogo. Ela aceitaria tal proposta? Dylan aceitaria se submeter a Alec quando acha que ela deveria ser uma dominadora?
O que era apenas para ser uma simples entrevista de pesquisa se torna para Dylan uma nova experiência a qual a faz abrir seus olhos para como estava levando sua vida, como estava afastando as pessoas. E juntos, ela e Alec, vão descobrir que é possível sim amar e não se machucar.
Achei que a autora poderia se aprofundar mais no romance entre eles, não se ater tanto ao sexo, porque Jesus! Havia capítulos em que tinha pelo menos três cenas de sexo. Realmente não sei como uma pessoa tem tanta criatividade para escrever tantas cenas dessa forma e não serem nenhum pouco repetitivas.


postado em: http://twilightbrasilfanfics.com/blog/resenha-80-luxuria-eve-berlin/
comentários(0)comente



Day Privado 29/03/2013

Sipnose
Quando achava que era hora de parar... Ela então pediu por mais... Quando Dylan Ivory, escritora de romances eróticos, recebe o contato de Alec Walker, nem imagina o quanto esse homem pode mexer com seus pensamentos. Conhecido por ser um famoso dominador em relações sadistas e sadomasoquistas, Alec tenta convencer Dylan de que a melhor forma de se aprofundar no assunto - e então escrever um livro o mais próximo possível da realidade - é viver uma experiência como submissa e sentir na pele a sensação desse tipo de relação. Para Dylan, essa proposta será difícil de ser aceita - uma vez que ela é fanática por ter o controle de tudo em sua vida. Embalados por um misto de prazer e apreensão, o casal se vê em uma situação tentadora enquanto evitam entregarem-se ao sentimento que nasce entre eles.

MINHA OPINIÃO

Quando eu comecei a ler sabia que era um livro sobre dominador/submissa, mais não pensei que seria tipo uma mais ou menos copia de Cinquenta Tons de Cinza...
Não que a historia contada pela autora seja ruim ou a copia de Cinquenta Tons, é só que o jeito como o Alec se sentiu depois que conheceu a Dylan, é o mesmo jeito que o Christian se sentiu quando conheceu a Ana... As palavras de segurança, Amarelo e Vermelho como sinal de transito, amarelo para reduzi a velocidade e vermelho Pare. As mesmas palavras de segurança de Cinquenta Tons de Cinza, mais pelo jeito o livro Luxúria foi lançado em 2010 e Cinquenta Tons em 2011 não? Não sei se é mera coincidência, mais a historia nesse termo são bem parecidas...
Uma coisa da qual eu não entendo nem um pouco é que na maioria dos livros que eu leio sobre dom/sub e sadomasoquismo é o fato de eles sempre ter um trauma, pois é mais ou menos isso que aconteceu com o Alec o relacionamento dos pais dele afundou e o pai dele o ensinou a ser assim, sempre assim...
Bom outro fato que eu queria resaltar é o fato que a historia vai afundo do assunto do sadomasoquismo, ele aprofunda mostra como realmente é, os clubes de sadomasoquismo “que eu digo que não sabia que existia” o que realmente é dominador e submissa o que acontece depois que a mulher se torna submissa pela primeira vez, como ela se sente, como ela gosta e essas coisas, e mostra o que acontece de fato com o dominador, que tem que saber se a mulher a sub está bem, saber as necessidades do controle de ser o “dominador” não só na cama, mais na vida da mulher... No livro, na historia que a autora conta tem mesmo os sentimentos, não que os outros livros sobre assunto não tem sentimentos é só que nos outros a historia é contada mais de um jeito meio distante, não é tão aprofundada quanto a essa historia, quanto a esse livro...
comentários(0)comente



Marcelo 27/03/2013

Monotonia pura
Chato, cansativo e desnecessário. Perderia ainda mais meu tempo escrevendo uma resenha. Tentativa fracassada de dar tesão em alguém. Para quem gosta de literatura erótica sugiro entrar num site de contos, será muito mais hot do que esse café com leite enjoativo, superficial e genérico ainda por cima.
comentários(0)comente



Lanne 20/03/2013

Broxante
Quando leio um livro a primeira coisa que me chama a atenção é a narração. E a narração desse livro não é lá muita coisa. A capa é linda, o nome é perfeito, mas, a estória... ah...! a estória é totalmente broxante.

A última palavra do livro é "finalmente", quando eu vi essa palavra, ri bastante, porque finalmente acabou, essa merda.

EU NÃO RECOMENDO, DE JEITO NENHUM, NÃO PERCA SEU TEMPO.

Avaliação: 0,0
comentários(0)comente



Flávia Mota 20/03/2013

Luxúria
Muito Bom a estoria de Alec(Me abana) e de Dylan, Demorou um pouco mas acabaram vendo que se amavam e gostei muito do que ele ensina para ela.......Recomendo
comentários(0)comente



AndyinhA 10/03/2013

Trecho de resenha do blog MON PETIT POISON

A história fala de uma autora que quer escrever sobre o mundo BDSM e nada melhor do que se sujeitar à algumas coisas para tornar sua história mais real. E nesse ponto o livro representa bem os personagens – a mulher que gosta de sexo, mas nunca soube nada de fetiches e afins e o jeito que ela se comporta, curtindo algumas coisas e rejeitando outras é bem legal. E o cara que vive no tal mundo e quer ensinar para ela as nuances e o que se pode ou não fazer.

Eu curti esses dois personagens no início. Sabe quando você lê algo verdadeiro? É assim no começo da história, a gente meio que fica a favor da protagonista mesmo ela curtindo algumas coisas que colocaria a maioria em duvida, mas ela descreve em detalhes interessantes e mostrou os clubes e casas que nenhum dos livros que li até agora que falam sobre o assunto mostram. Mas de repente tudo isso muda e todo mundo fica apaixonado, mas do jeito chato.

Para saber mais, acesse: http://www.monpetitpoison.com/2012/11/poison-books-luxuria-eve-berlin.html
comentários(0)comente



Jess 07/03/2013

Eve Berlin - Luxúria
Blog: http://worldbehindmywall.fanzoom.net
Blog: http://twilightbrasilfanfics.com/blog/

Algumas pessoas me disseram que este livro era igual à Cinquenta Tons de Cinza, devo discordar disto, ele é totalmente diferente e me deu uma visão mais ampla sobre sadomasoquismo e submissão. Ele também me mostrou que o Domador não está ali apenas para sentir prazer, está ali também para cuidar de que sua submissa fique bem, fique sã. Acho que Lúxuria explicou melhor este mundo do que Cinquenta Tons de Cinza ao qual estava mais focado no romance e no passado sombrio do Sr. Grey. Claro que Lúxuria também tem romance, não é apenas sexo e perversão, porém é em menos dosagem também isto é devido a personalidade dos personagens principais. Mas o que me deixou realmente entretida foi ver o quanto a autora realmente pesquisou e se aprofundou neste novo mundo erótico que vem tomando as estantes das livrarias. Foi uma pesquisa realmente completa e detalhada.
Dylan Ivory é uma renomada escritora de romances eróticos ela é uma pessoa solitária e controladora, ao qual tem apenas uma melhor amiga e um passado tenebroso. Dylan vai atrás de Alec Walker um dos dominadores mais “famosos” e “requisitados” para uma pesquisa mais aprofundada sobre este mundo de submissão e dominação. Porém Alec lhe diz que não é algo ao qual ele possa explicar, ela teria que vivenciar para poder entender. Tal argumento a faz concordar e o homem lhe propõe que ele lhe introduza neste delicioso jogo. Ela aceitaria tal proposta? Dylan aceitaria se submeter a Alec quando acha que ela deveria ser uma dominadora?
O que era apenas para ser uma simples entrevista de pesquisa se torna para Dylan uma nova experiência a qual a faz abrir seus olhos para como estava levando sua vida, como estava afastando as pessoas. E juntos, ela e Alec, vão descobrir que é possível sim amar e não se machucar.
Achei que a autora poderia se aprofundar mais no romance entre eles, não se ater tanto ao sexo, porque Jesus! Havia capítulos em que tinha pelo menos três cenas de sexo. Realmente não sei como uma pessoa tem tanta criatividade para escrever tantas cenas dessa forma e não serem nenhum pouco repetitivas.
comentários(0)comente



94 encontrados | exibindo 31 a 46
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7