Luxúria

Luxúria Eve Berlin




Resenhas - Luxúria


94 encontrados | exibindo 46 a 61
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7


Joice Mattei 07/03/2013

Romance Erótico
Dylan e Alec ambos escritores de livros.
São muito diferentes e cresceram com alguns paradigmas de vida concretos. Ela sempre muito reservada, gosta de controle e estar dominando a situação. Ele gosta de aventuras, viagens e sadomasoquismo. Ambos dizem que não são pessoas para relacionamento fixo, ou seja, se entregar para o amor e estar envolvido com uma pessoa. Quando se conhecem começam a se descobrir cada vez mais.... E todos os conceitos da vida deles poderá mudar!!

Pág. 240 "O amor não é algo que você possa controlar".

O livro conta com 16 capítulos, mostram cenas eróticas e de sadomasoquismo. O enredo da história é bacana!


Apesar de perigosa, uma relação de dominação e submissão pode fortalecer uma paixão sem freios e levar à descoberta do prazer infinito.
Dylan Ivory é uma bela escritora de ficção erótica que tenta estar sempre no controle e levar uma vida equilibrada. Ao fazer uma pesquisa para um livro sobre os limites do sexo, Dylan conhece Alex, o homem que era tudo o que ela não era... e tudo o que ela queria. AleC Walker é um escritor de livros de suspense que gosta de pilotar motos em alta velocidade e nadar ao lado de tubarões. Mas seu desejo por emoções fortes vai muito além - o clube local de adeptos da prática do sadomasoquismo também é uma de suas preferências. A única coisa que ele realmente tem medo é do amor permitir que uma mulher o conheça de verdade... E quando conhecer Dylan, seu medo fica ainda maior. Ela deseja experimentar a tentação oferecida por Alec. Contudo, ele é dominador assumido, e ele se recusa a ceder ao seu controle. Lentamente e de modo muito sedutor, Alec mostra para Dylan que, se ela se submeter aos seus desejos, sentirá o prazer definitivo e atingirá seu objetivo na produção de seu novo livro. Mas será que o casal conseguirá resistir aos sentimentos que estão aflorando dessa intensa e estranha relação?
comentários(0)comente



Juliane 04/03/2013

Apenas um breve comentário
No inicio achei chato, nao prende mas também nao enoja e assim a leitura foi fluindo. A parte erótica é sem graça, porém no final quando começa a surgir o romance... aí foi ficando interessante e acabou! Quero o livro 02 urgente!
comentários(0)comente



Jacy Coelho 01/03/2013

Luxúria conta a história de uma escritora de livros eróticos, Dylan Ivory, que pretende escrever uma obra com temática sadomasoquista, e está entrevistando fontes para o livro. Conhecemos a história quando Dylan encontra com Alec Walker, o sadomasoquista dominador para sua primeira entrevista.

Em princípio, eu acho que há uma interpretação errada quanto à primeira frase do livro:


"Dylan Ivory soube que era ele no exato momento em que viu a corpulenta figura irromper no estacionamento em frente ao Museu de Arte Asiática..."


Não acontece uma paixão repentina nesse momento. Ou ela não encontrou o amor de sua vida, nem nada. Apenas Dylan soube que ele era a fonte que ela ia entrevistar sobre sadomasoquismo na hora em que o viu entrando no estacionamento com sua moto. Seus gestos, a maneira como desceu da moto, a maneira como se vestia, seu tamanho, tudo o denunciava como um homem dominante.

Na entrevista rola uma forte atração sexual, nada mais justo, já que o assunto dos dois é esse mesmo.

Acho que poderia ter um aprofundamento melhor, mas não é surreal que duas pessoas bonitas se encontrem para falar de sexo e se sintam atraídas.

Gostei da introdução dos personagens, e da maneira como a paixão se forma sem que eles percebam. Consigo comprar uma história assim muito mais fácil do que a paixão arrebatadora de cair com a bunda no chão de Toda Sua(http://www.skoob.com.br/livro/254977).

O texto é super econômico. Parece até que você está lendo um conto. Não há personagens secundários, a não ser que eles sejam importantes em algum momento para os protagonistas, o que é interessante já que os dois são extremamente solitários. A gente acompanha 5 semanas (se não me engano) de suas vidas desde que se conheceram, o que não dá tempo nem de saber mais sobre o dia a dia de ambos, além do que envolve a tensão sexual mútua, mas sem exageros.

Achei tudo muito bem encaixado, de como a atração sexual inicial (que é super compreensível já que os dois se encontraram por causa do sexo) vira romance, gostei também da história ser focada só nos dois ( não sei se a autora escolheu esse caminho pra ter menos margens de erro, mas aceitei bem). E não sei se o sadomasoquismo presente na obra é fiel, mas a maneira como é conduzido seduz quem não conhece do assunto. As cenas de sexo também não são repetitivas. São explicitas, mas sensuais, bem construídas.

Uma coisa que achei interessante é o papel da camisinha em todas as relações sexuais presentes no texto, não foi esquecida nem um momento, e o fato de ela ser citada não quebra o clima de maneira alguma. Outra ponto positivo, é que os dois são sexualmente ativos e não se envergonham disso. Ora, uma mulher sexualmente liberta vê um homem enorme e lindo descendo de sua moto, sabendo que vai falar de sexo com ele em poucos minutos, não vai sentir nem uma tentaçãozinha??? quem nunca?

Dos pontos negativos eu achei dois: personagens que descontam traumas de infância no sexo. Eu sei que Freud explica, mas já tá cansativo. E também não gostei do final. Achei realmente que esse livro merecia um final melhor, menos novela e mais real.
Flávia 10/02/2013minha estante
Hum... Estava querendo saber mais sobre esse livro e você pode me esclarecer melhor. Não li nenhum dos livros de "moda" sobre sadomasoquismo, mas ouvi falar bem deste.
Beijos


Jacy Coelho 10/02/2013minha estante
eu recomendo, Flávia. Não que seja uma obra-prima, mas é muito bom e bem escrito.




Susane Matos (A 10/02/2013

Primeiro romance da trilogia erótica de Eve Berlin, conhecida também por Eden Bradley, Luxúria traz a estória de Dylan Ivory, uma escritora de romances eróticos que, devido a uma infância difícil, a relação conturbada com a mãe problemática e a morte de seu irmão caçula, torna-se uma mulher solitária e controladora.

Quando Dylan inicia uma pesquisa acerca do sadomasoquismo para começar seu novo livro, e para compor a história com mais veracidade, ela procura por Alec Walker, também escritor, só que de livros de suspense, que é conhecido por ser um dominador no mundo do BDSM e frequentador assíduo do clube Pleasure Dome, onde ele põe em prática suas habilidades sexuais.

Alec, descrito por Dylan como “um homem que devia vir acompanhado de um alerta de perigo.”, propõe à ela uma relação de submissão e dominação para que a mesma compreenda esse universo BDSM. A princípio Dylan resiste em ser submissa, pois por ser controladora e independente se vê como uma completa dominadora, porém Alec insiste que ela é melhor como submissa e para provar a ele o contrário ela aceita.

Porém, o que para nós não é inesperado já que ambos mostram-se atraídos um pelo outro desde o início, Dylan e Alec acabam se apaixonando. Á medida que compartilham de experiências nessa relação dom/sub eles ficam mais próximos e, além do prazer que um proporciona ao outro, eles passam a trocar também algumas experiências de vida impondo ao relacionamento dos dois algo mais profundo.

Embora seja um livro erótico, com cenas de sexo bem detalhadas, que por vezes se tornam repetitivas no desenrolar da narrativa, esse romance possui uma trama bem desenvolvida, mesmo com todos os fatos e conflitos acontecendo em torno do erotismo. Os personagens foram bem descritos, cada um com sua história de vida, com seus problemas, com características bastante parecidas quanto à uma personalidade forte, a determinação e o jeito controlador. Tanto Alec quanto Dylan acabam amadurecendo ao longo de seu relacionamento, abdicam um pouco de seus jeitos, do que estão habituados para se ajustar aos propósitos do outro.

A escrita da autora é fácil, de leitura rápida, com uma estória que propõe um pouco além do sexo, que descreve em passos como uma simples proposta sexual acaba se tornando uma paixão. A capa é linda, e foi o que despertou minha atenção para o livro, que relata de forma mais explicativa sobre esse universo do sadomasoquismo, até de forma mais real do que foi contado na trilogia 50 tons. Embora eu prefira livros com mais estória que cenas de sexo, eu gostei desse livro. Na verdade, gostei bastante dos personagens do mesmo, cujo jeito e características podem ser identificáveis com pessoas com as quais convivemos, por quem passamos na rua, muito diferente dos personagens conflituosos e clichê dos 50 tons que nos fazem indagar “será que podemos nos esbarrar em alguém assim?”.

Para quem gosta de literatura erótica gostará do livro, mas para quem nunca leu esse gênero e se interessar em conhecer ao menos a estória contida nesse livro é bom iniciar a leitura sem uma opinião já formada (já que para opinar sobre algo é preciso conhecê-lo primeiro), ler com a mente aberta, já que as relações sexuais detalhadas são meio pesadas.
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



C. Aguiar @coelhoobrancoo 04/02/2013

LIVRO PARA MAIORES DE 18 ANOS.

Começo a resenha dizendo que esse livro está na minha lista do desafio literário (revirando a estante 2013) e apesar de ser o livro número 8 da lista eu resolvi começar a ler ele porque não é necessário ler os livros escolhidos na ordem.
O livro já começa tendo uma capa muito linda, e foi amor a primeira vista, e tenho quase certeza que toda a trilogia terá capas lindas, apesar do segundo livro ter uma capa bonita essa ainda é melhor.
Na história do livro conhecemos Dylan, uma escritora de livros eróticos que está fazendo uma pesquisa sobre o mundo do sadomasoquismo (o universo de dominador e submissa) para o seu próximo livro. Ela não quer fazer um livro muito superficial, quer fazer algo bem real, algo que realmente seja bem profundo no assunto e para isso acaba indo entrevistar um homem chamado Alec que foi recomendado por uma submissa com quem Dylan conversou na internet.
Então a mesma marca um encontro com o mesmo, aonde o cara tem a brilhante ideia (isso foi ironia de que: se você quer uma experiência mais a fundo você precisa viver na pele, então ele propõe a ela que se submeta a ele e seus joguinhos de poder.
Posso começar dizendo que isso foi muito repentino e sempre digo que essas coisas meio que me irritam porque do nada você não conhece a pessoa e já quer submeter sexualmente ela? Eita.
E não é que ela aceita!
Embarcamos no livro aonde vemos uma Dylan confusa, as vezes chata porque está tão confusa que vive caindo na repetição das mesmas duvidas e frustrações, problemas e tudo isso foi muito chato.
Principalmente porque Dylan não quer se submeter, mas passa o livro quase todo fazendo isso e tendo umas crises de não vou/não ser submissa.
Mas não é apenas isso. O Alec começa a ter uns pequenos surtos de que ele se sente diferente com ela, a vida toda dele nunca foi assim com nenhuma outra mulher, e essas coisas bem clichês em alguns livros eróticos.
Eu não me incomodo com clichês, alguns eu até gosto, mas se o autor souber abordar sem ficar muito repetitivo durante o livro.
Eu fiquei praticamente o livro todo querendo acabar ele o mais rápido possível. O enredo é meio forçado e não é porque a autora escreve mal, porém eu me senti meio perdida e sendo forçada a ver uma relação que poderia dar certo logo de cara se eles parassem de ficar enrolando, contudo não foi isso que aconteceu.
Achei alguns erros de ortografia no livro, mas eles podem até passar despercebidos do leitor.
Eu achei o livro bem detalhado na medida do possível e gostei muito disso, porque eu adoro cenas bem detalhadas.
Achei os personagens um pouco superficiais as vezes muito drama do lado dos personagens.
Teve outra coisa que eu não gostei: o quesito surrar. Cara eles falam tanto surrar que qualquer coisa eu já imagino uma surra. Sério eu me incomodei um pouco, não que isso seja algo que eu ache desrespeitoso, mas foi brochante nas cenas de sexo ele falando que queria surrar ela.
Bom depois de tudo isso só posso dizer também que achei que o final seria melhor.
Espero que o segundo livro seja melhor que esse, pois definitivamente Luxúria me deixou só um pouco decepcionada.

essa resenha pertence ao site: http://www.seguindoocoelhobrancoo.com.br/
comentários(0)comente



Keila 01/02/2013

Luxúria...
Eu amei essa história, o nome do livro caracteriza muito bem o conteúdo, a quem vai dizer que o livro é só sexo (o que de fato procede), mais achei uma escrita fabulosa, não é qualquer autora que consegue descrever tão bem cenas de sexo, e Eve Berlin se saiu maravilhosamente bem, as cenas são de tirar o fôlego e tem momentos que parece que estamos assistindo um filme pornô de 1ª categoria, a química entre o Alec e Dylan, é explosiva literalmente, se sente a química entre o casal no primeiro encontro, daí pra frente é um encontro melhor que o outro, mais no decorrer da história também acompanhamos o desenvolvimento emocional do casal, a insegurança e o medo de se envolver, o que se mostra difícil de controlar, porque eles não conseguem se manter longe um do outro.
História recomendadissima, pra quem aprecia um erótico...
comentários(0)comente



Nikholli 01/02/2013

Não gostei muito do livro pois achei a história muito parecida com a Trilogia 50 tons. Para quem leu a mesma, pode concordar comigo sobre o livro Luxúria.
comentários(0)comente



Gabi 30/01/2013

Mais um erótico!
Luxúria” é o primeiro volume de mais uma trilogia erótica que invadiu o mercado após o rebuliço causado pelo famoso, porém ordinário, “50 Tons de Cinza”. A Trilogia Edge da autora Eve Berlin aborda o sexo de maneira crua e com toques requintados de sadomasoquismo.

Dylan Ivory é uma mulher comum, madura, controladora, solitária e independente, escritora de livros eróticos. Envolvida na escrita de um livro que aborda o sadomasoquismo e a relação dominador / submissa ela resolve entrevistar homens e mulheres que praticam de maneira séria o BDSM. E assim ela conhece Alec Walker.

Alec Walker é um homem gentil, com maneiras a moda antiga, bonito, sensual, viajado, vivido e aventureiro. Ele pratica esportes radicais e adora correr o mundo em uma motocicleta. Alec também é escritor, dedicado a escrever livros com tramas policias. Ele é praticante de relações sadomasoquistas em um clube próprio para fãs deste tipo de relação.


"- Ser dominante não significa ser imbecil, ao contrário da crença popular. E eu nunca me encaixo em crenças populares."


Durante a entrevista, Alec e Dylan se sentem profundamente atraídos um pelo outro. Alec sugere a Dylan se tornar sua submissa por um período para assim conseguir reunir o conhecimento teórico, físico e psicológico que ela precisa para escrever o seu livro. Dylan, mesmo um pouco relutante, acaba aceitando.


"Alec novamente se inclinou por cima da mesa, segurando a mão dela. A mão dele era grande e envolvia a dela com calor e força.
- Dylan, deixe-me fazer uma proposta a você. Submeta-se a mim."


E é assim que Dylan e Alec começam a se relacionar e a praticar o sadomasoquismo. O que eles não esperavam é que no decorrer da prática de tal relação eles fossem se apaixonar perdidamente um pelo outro.

Mas para vivenciarem o amor ambos terão de superar muitas barreiras e traumas. Tanto Alec como Dylan possui um passado marcado por acontecimentos traumáticos.


"- Pare, Alec. Pare! Agora não se trata de seu trabalho. Não é uma cena de submissão e sadomasoquismo. Você não é o dominante.
- O quê? Não pensei que fosse, neste momento. Trata-se, apenas, de nós."


“Luxúria” é narrado em terceira pessoa, mas explora de maneira profunda os personagens. Podemos conhecer tanto o físico quanto o psicológico de cada um dos envolvidos na trama. O livro também explica detalhadamente como funciona uma relação sadomasoquista. A autora detalha com maestria como funcionam os clubes para prática de BDSM e o real papel do dominador e do submisso durante o “jogo”.

Alec apesar de ser um praticante de sadomasoquismo é muito cavalheiro, educado e preocupado com sua submissa. Ele não é o tipo que vai logo dizendo que quer “comer” ou oferecendo contrato absurdo para a submissão. Ele introduz Dylan nos “jogos da dor” de maneira cuidadosa, sempre atento às necessidades físicas e psicológicas dela.


"- Você não precisa... me abraçar.
- É claro que preciso
Ele pareceu verdadeiramente surpreso.
- Porque é parte do seu trabalho?
Ele ficou em silêncio por um longo instante.
- Não
- Então por quê?
Outro largo silêncio. E então disse:
- Porque eu quero."


Gostei e não gostei do livro. Ele é muito bem escrito e explora de maneira esclarecedora o sadomasoquismo. O leitor é apresentado de maneira simples e sem preconceitos a este tipo de prática sexual. A capa e a revisão do livro estão ótimas, a Lua de Papel mais uma vez fez um excelente trabalho. Porém a leitura não me absorveu e não me encantou. Tenho problemas com esse lance de dor e prazer. Não aceito como um espancamento, puro e simplesmente, pode gerar um prazer profundo. Esse tipo de relação não me agrada e por conta disso acabo não curtindo a leitura, porque simplesmente não faz o meu estilo. Alec é maravilhoso e poderia ser perfeito se usasse suas lindas e fortes mãos apenas para acariciar e não para espancar.

http://ilusoesnoturnas.blogspot.com.br/2013/01/resenha-dupla-luxuria-eve-berlin-lua-de.html
comentários(0)comente



Com Amor e Leit 29/01/2013

Luxuria- Eve Berlin
Dylan é uma escritora de livros eróticos e está em uma pesquisa sobre o comportamento das pessoas no universo de submissão e sadomasoquismo.
Ao entrar em contato com uma submissa pela internet e posterior entrevista, ela recebe a indicação de Alec Walker, também escritor, mas de livros de suspense e ficção de horror.
A energia de Alec inebria Dylan desde o primeiro contato( claro que ele é lindo, grande, forte, másculo….típico protagonista de livros hot..rs) e durante uma conversa ele diz que esse mundo é muito sensorial. Que não bastaria uma conversa com um praticante para ela entender o significado e a sensação por trás dessa prática. Que mais importante para ela seria sentir e que ele estaria à disposição para guia-la por esse mundo como seu dominador.

O problema maior para Dylan não é aceitar a oferta com medo de encarar o sexo crú, já que como escritora erótica não é nenhuma santa, tendo provado relações diferentes umas tantas vezes. O problema está em aceitar que a prática seja como submissa, já que em sua cabeça ela é uma dominadora nata, controlando tudo o que a cerca.
Já Alec percebe, desde o primeiro olhar trocado, que há uma necessidade não revelada de se sentir guiada que ronda Dylan e que, na percepção dele, ela seria uma submissa de total entrega.
Eles fazem um acordo de iniciar essa tarefa, experimentado o máximo que fosse possível para ela, mas o que não estava nos planos era que a submissão estava no sangue de Dylan tanto quanto a necessidade de entrega do seu coração estava no corpo de Alec.

O que achei interessante nesse livro é a exploração das cenas de sexo. São todas muito bem escritas, dignas de calafrios e muita salivação. Dá pra perceber que Alec certamente sabe o que está fazendo….rs

Resenho do meu blog http://comamoreleitura.wordpress.com
comentários(0)comente



Likaz 21/01/2013

Bom também, tem um ritmo muito bom, leitura fácil, pouca enrolação... Gostei muito, mas é um livro com bastante erros gramaticais também... Que é uma pena!
comentários(0)comente



Camila 06/01/2013

Luxúria
Este é o último livro da minha meta de 2012 e até que achei bem interessante. Mais um livro do gênero romance erótico que entra na minha lista e, apesar de não considerar uma obra prima, achei a história bem bacana. O livro conta a história de Dylan Ivory, uma escritora de romances eróticos que está fazendo uma pesquisa para seu próximo livro. Dylan quer escrever sobre relações de dominação e submissão, mas para isso precisa saber mais sobre o assunto. Então ela procura um especialista no assunto, o charmoso Alec Walker, um dominador indicado por uma das entrevistadas. A princípio tudo o que Dylan espera é uma entrevista com o rapaz, mas o que ele lhe propõe é incrivelmente tentador: se quiser saber, precisa esperimentar!! rs...
A história é bacana, o livro é bem escrito e para mim foi o suficiente para passar algumas horas entretida! Gosto do fato dos personagens não serem profundamente traumatizados, não terem sido violentados e nem carregarem passados obscuros. Ok, Dylan até tem um passado meio triste, mas superável! rs... Enfim, achei bacana a autora mostrar personagens que optam por estilo de vida "alternativo" simplesmente porque estão afim!!

www.leitoracompulsiva.com.br
comentários(0)comente



estantedasuh 20/12/2012

Luxúria - Eve Berlin
http://www.eraumavezolivro.blogspot.com.br/2012/11/resenha-do-livro-luxuria-de-eve-berlim.html
Dylan Ivory é uma escritora de romances erótico, e está escrevendo um livro onde há relações sadistas e sadomasoquistas. Dylan precisa de base pra começar seu novo livro e nada mais justo do que começar uma pesquisa com pessoas que praticam esse estilo. Em uma conversa com uma submissa pela Internet, ela recebe a indicação para entrevistar um dominante. Seu nome, Alec Walker, que aceita conversar com Dylan.

Achei o livro bem elaborado. A escritora nos remete no mundo dos sadistas e sadomasoquistas. Nos dá com detalhes o tipo de ambientes que eles frequentam e como eles pensam quando estão praticando suas relações.

Outra coisa interessante é que algumas pessoas ou a maioria delas pensam que por praticar esse tipo de relação, eles são arrogantes e que suas vidas giram entorno disso, mas não é bem assim. São pessoas normais, gentis, educadas e inteligentes, que gostam de praticar um tipo diferente de sexo, onde com a dor eles sentem mais prazer.

Os personagens principais são complexos, mas nada que você tenha que quebrar a cabeça pra entender. O problema maior deles é que não querem se entregar em um relacionamento de Dylan não quer assumir pra si mesma, que não é necessário estar no controle o tempo todo e que ela pode deixar alguém cuidar dela de vez em quando.

As partes picantes do livro são muito reais. A escritora descreve os detalhes de como eles jogam, que pra eles isso é um jogo, e como todo romance erótico é descrito como eles fazem o sexo e cada sensação que os dois sentem no ato, não podendo faltar os palavrões que pra falar a verdade não são muitos comparando os livros do mesmo género da atualidade.

O livro conta com mais dois personagens, Mischa que é a melhor e única amiga de Dylan e Dante que é o amigo de Alec. Os dois não atuam muito no livro mas são pessoas muito simpáticas e também os conselheiros do casal.

Bom parece que já dei muita informação sobre o livro. Agora é hora de vocês leitores comprarem o livro, ler e tirar suas próprias conclusões.
comentários(0)comente



Izandra 20/12/2012

É definitivamente bem diferente de "50 tons de cinza" e "Toda Sua", apesar de seguir a tendência de conto erótico. Temos a impressão de que é um livro mais apressado, devido ao começo, que vai direto ao ponto. Só que o desenvolvimento da história é diferente; aqui, a mecânica do sadomasoquismo é explorada, e muito mais compreendida do que nos dois livros que citei. Conseguimos entender melhor como a coisa funciona, algo que não ficou claro nos outros, onde o romance do negócio prevalecia. Neste aqui, a luxúria prevalece, assim como o entendimento. A própria história de vida dos personagens também é bem interessante, assim como a forma como pensam (aliás, a narrativa do ponto de vista dos dois é bem explorada). Vale a pena de ser lido, em contraste com os outros dois.
comentários(0)comente



Bia Rodrigues 18/12/2012

Mais um livro hot, bom acho que quem sempre lê as minhas resenhas sabe que eu gosto do gênero e não tenho receio de assumir isso, porem que não é por gostar do gênero que acho qualquer livro dele bom. Quando a editora LeYa lançou esse livro pelo selo Lua de Papel eu fiquei louca para ler ele só pela capa, que desde já tenho que dizer que foi um trabalho maravilhoso.

Dylan é uma escritora de sucesso e uma mulher de personalidade forte que se considera controladora e independente em todos os aspectos da sua vida e isso fica claro desde o começo do livro, o que me fez gostar da personagem e querer continuar a leitura. Já Alec é o tipico homem de romances do gênero, alto, lindo e que só com seu olhar já mostra o quanto é dominante. Ele também é escritor e se mostra sempre um homem inteligente. Essa combinação lindo e inteligente me fez não resistir e acabar me encantando por ele também.

Como já deu para perceber o livro tem ótimos personagens, ambos adultos e independentes que acabam se envolvendo para provar seu ponto de vista um para o outro, porem acabam se apaixonando, tudo bem que isso é cliché, mas é o tipico cliché que a gente gosta e aceita. Luxúria é um bom livro, tem um bom enredo e bons personagens - como já disse - porem não deixa de ter suas falhas e uma delas é que Dylan acaba cedendo ao estilo de vida de Alec muito rápido e com a descrição da personagem no inicio do livro eu não esperava isso.

O livro é narrado em terceira pessoa, o é ótimo, pois assim você pode ver tanto a percepção da Dylan quanto do Alec. Eve é uma boa escritora, tem uma escrita boa e fluida, o que ajudou o livro ser bom mesmo com essas pequenas falhas, afinal eu não consegui largar ele até o final e com certeza lerei a continuação.
comentários(0)comente



94 encontrados | exibindo 46 a 61
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7