Luxúria

Luxúria Eve Berlin




Resenhas - Luxúria


93 encontrados | exibindo 76 a 91
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7


Anabia 07/11/2012

Curtinha
Apesar das cenas mais hot não serem de todo ruins a personagem principal é chata e o final do livro é previsível. Não considero uma cópia de 50 tons de cinza não. Mas também não vou comprar os próximos dois livros.
comentários(0)comente



Vivi 04/11/2012

Vídeo Resenha!
Olá pessoas, dessa vez voltei trazendo uma resenha em um formato diferente do que vocês estão acostumados a ver aqui no blog.

A resenha de hoje fala sobre o primeiro livro de uma trilogia erótica a "Trilogia Luxúria" que conta a história de Dylan, uma renomada escritora de romances eróticos e o misterioso Alec dominador sadomasoquista e também escritor.

E então vamos descobrir o que essa blogueira que vos fala achou da leitura de Luxúria?

Vídeo Resenha em: http://emporiodoslivros.blogspot.com.br/2012/11/video-resenha-luxuria-eve-berlin.html

Abaixo meus comentários durante a leitura no Skoob.

Histórico do progresso da minha leitura.
31/10/2012 - 14% (37 de 256)"Hmm, até agora é apenas mais do mesmo... bem clichê pra falar a verdade.

"02/11/2012 - 26% (67 de 256)"Começou a melhorar... mas sou só eu que sinto falta de mais romance nesses novos eróticos? Pelo menos os dois protagonistas não caíram direto na "cama", mas já agem como se um fosse o oxigênio do outro! Só acho isso meio forçado..."

03/11/2012 - 50% (127 de 256)"Okay, vou confessar algo aqui... já li alguns livros sobre BDSM (Bondage, Discipline, Sadism, Masochism) e não, não é meu gênero favorito, até agora o livro mostrou sim uma pequena (muito pequena) parcela do que seria a relação no BDSM. Estou exatamente na metade do livro e só agora fui me acostumar com o ritmo "água com açúcar" da história (entendam aqui que, por água e açúcar quero me referir ao Sadomasoquismo mesmo, achei um pouco leve de mais). Não sou especialista nesse tema; não curto dor e não acho saudável esse estilo de vida..."

04/11/2012 - 100% (256 de 256)"Depois da página 127 o livro evoluiu bastante, continua com toda aquela relação Sadomasoquista (já que o livro trata disso mesmo), mas a partir desse ponto a história passa a ter, digamos, mais "romance" e os personagens ficam um pouco mais interessantes, mais humanos diria. Realmente não sei o que raios vou dizer na resenha em vídeo que pretendo gravar, só sei que boa coisa não vai sair. kkk"

Playlist - Bad Things - Jace Everett

Bjokas!!!
comentários(0)comente



Milla 03/11/2012

Um saco!
Sério,q livro chato!!!
Em pouquíssimas partes ele realemnte prendeu a atenção. Não sei como um livro teoricamente de literatura erótica conseguiu ser tão chato!
A história vai se repetindo no decorrer das páginas,os personagens não tem grande carisma,parece q foi escrito as pressas,sei lá.
E pra mim,começou falando em amor a primeira vista,já perde pontos,então quando comecei a ler,vi q seria cansativo.
Não gostei,acho q ele só veio por causa do boom desse tipo de literatura,perda de tempo e dinheiro.
Mas a capa é bonita e bem feita.
comentários(0)comente



Leandro 01/11/2012

http://www.leandro-de-lira.com/
Ultimamente, a quantidade de livros com o tema "erotismo", publicados aqui no Brasil é impressionante. Alguns são ótimos e fazem jus ao seu gênero. Outros são completamente previsíveis, enfadonhos e apenas "mais do mesmo". Ainda bem que "Luxuria" foi um bom livro, apesar de alguns pontos negativos que eu encontrei durante a leitura.

[SINOPSE] Quando achava que era hora de parar... Ela então pediu por mais... Quando Dylan Ivory, escritora de romances eróticos, recebe o contato de Alec Walker, nem imagina o quanto esse homem pode mexer com seus pensamentos. Conhecido por ser um famoso dominador em relações sadistas e sadomasoquistas, Alec tenta convencer Dylan de que a melhor forma de se aprofundar no assunto - e então escrever um livro o mais próximo possível da realidade - é viver uma experiência como submissa e sentir na pele a sensação desse tipo de relação. Para Dylan, essa proposta será difícil de ser aceita - uma vez que ela é fanática por ter o controle de tudo em sua vida. Embalados por um misto de prazer e apreensão, o casal se vê em uma situação tentadora enquanto evitam entregarem-se ao sentimento que nasce entre eles.

O livro começa narrando a história de Dylan, uma escritora de romances eróticos, que está planejando escrever seu próximo livro. Porém, essa nova ideia que ela pretende transformar em livro não é apenas uma ideia comum. Ela quer escrever um romance erótico sadomasoquista. No entanto, mesmo com algumas pesquisas feitas, ela precisa se aprofundar ainda mais no assunto. E para isso, ela busca ajuda de um homem, e esse homem é Alec.

Alec é um escritor também. Porém, ele escreve sobre ficção, ficção policial... Enfim, escreve sobre gêneros completamente diferentes dos que Dylan escreve. E é sadomasoquista. E justamente por isso, que Dylan entra em contato com ele, para que ele possa ajudá-la. E no primeiro encontro, a proposta que ele oferece é que, para que ela de fato, possa escrever o livro, ela precisa viver todas as experiências que o mundo BSDM (Bondage, Disciplina, Dominação, Submissão, Sadismo e Masoquismo) oferece. E Dylan aceita.

À partir desse ponto, eles começam a viver experiências intensas, onde um sentimento inevitável vai surgindo entre eles. Mas será que eles conseguirão superar esse sentimento tão forte e seguir adiante? Só lendo para saber.

"Ele abaixou-se na direção do rosto dela e foi distribuindo longos, lentos e doces beijos na face, no queixo, na testa e nas pálpebras. Beijos que a deixaram tremendo. Não de desejo. Mas de algo mais. O que seria?
Não pense. Pare. Apenas seja.
Mas ela sabia. Sentiu o arrepio na barriga, no peito, no pulso acelerado. Não tinha a ver com sexo, embora tivesse sido incrível, como disse o próprio Alec. Significava mais. Era algo mais profundo."
Pág.: 206

O livro é recheado de cenas de sexo e a autora é bem explícita; não poupa detalhes em momento algum. O grande ponto positivo da história são as personagens. Dylan não é aquela mulher ingênua, que nunca transou na vida. Não. Ao aceitar a proposta, ela já tinha uma noção do que estaria por vir.

Alec é incrível. Ele não é um neurótico sadomasoquista, como muitas autoras retratam em seus livros. Não mesmo. Ele explica tudo à Dylan, de uma maneira clara, para que ela possa compreender perfeitamente como geralmente funciona as práticas sadomasoquistas.

Porém, devo esclarecer que, o sadomasoquismo abordado nesse livro é bem, digamos, "light".

O que me deixou impressionado é que parece que o Alec é insaciável. Quase todas as vezes que ele saía com a Dylan, eles transavam. E ela quase sempre queria também. Ou seja, ambos eram insaciáveis demais. Acho que se a autora tivesse diminuído um pouco o apetite sexual deles, a história teria melhorado um pouco.

O livro é narrado na terceira pessoa do passado, e em nenhum momento prejudicou a história. A autora soube construir bem cada personagem, mostrando suas dúvidas, anseios e medos.

Outro detalhe sobre o Alec é que, ele é muito dominador. Ele sabe como satisfazer a parceira no ato sexual. E ele tem uma pegada incrível também. Enfim, caso queira conhecê-lo melhor, só lendo mesmo.

Contudo, o livro é bom sim. Não é um livro incrível, com uma história surpreendente. Não. É apenas um bom livro erótico, para quem busca algo do gênero. A narrativa flui de forma natural e de maneira alguma, o livro torna-se cansativo. Esse é o primeiro livro da trilogia Luxuria e eu gostei.

Recomendo!
Silvia 13/11/2012minha estante
Apesar de eu não ter nenhum interesse sobre este livro, e não vou ler mesmo, gostei da sua resenha, como sempre vc escreve super bem, pelo menos já sei sobre o que se trata. E que capa linda!


Leandro 17/11/2012minha estante
Obrigado por ler minhas resenhas e pelos elogios, Silvia! (:
Beijão!


Tamires 12/12/2012minha estante
Ótima resenha, bem realista. Estava em dúvida se deveria ler ou não o livro e acabei decidindo por comprá-lo.


Leandro 12/12/2012minha estante
Obrigado Tamires! (:
Espero que curta a leitura.
Abraço!




MEIRE 01/11/2012

PARA BAIXAR!!
http://trocasdeebooks.blogspot.com.br/search/label/EVE%20BERLIN
comentários(0)comente



Lílian 29/10/2012

Para uma leitura rápida.
Dylan é escritora de romances eróticos e precisa conhecer mais do universo da dominação, sadomasoquismo e afins para escrever a sua nova história.

Alec é escritor também, mas tramas de suspense, é também um dominador. É ele quem vai propor a Dylan uma experiência como sua submissa para melhor compreender esse universo e ter um ponto de vista mais apropriado para o desenvolvimento do seu livro.

Ambos são controladores e têm dificulades para assumir relacionamentos amorosos. Nenhum dos dois chega a acreditar no amor e ambos devem aprender com essa relação que na vida não se pode determinar tudo.

Li Luxúria em poucas horas. Não provoca arroubos literários, mas distrai com competência.
comentários(0)comente



Glaucia 25/10/2012

Resenha de Luxúria publicada no Mix
Luxúria é o primeiro livro de mais uma trilogia erótica que entra nesse mercado competitivo e cheios de livros que abordam o tema erótico. A narrativa ocorre em terceira pessoa, mas expõe o ponto de vista de cada uma das protagonistas. Comparando com outros livros sobre submissão que li até o momento, acho que esse foi o mais característico e fidedigno até agora. Isso deixando claro que não li todos, apenas alguns e essa é uma opinião minha.

Dylan é uma escritora de contos eróticos solitária, independente e controladora. Quando começa a pesquisar sobre o tema Submissão, para seu novo livro, recebe a indicação de entrevistar um dominador profissional Alec Walker. Logo no primeiro encontro, Dylan sente uma atração irresistível por aquele homem enorme, altivo, que exala poder e sensualidade.

Alec Walter é um escritor, aventureiro que curte esportes radicais, vivido e viajado, mas acima de tudo, é um dominador experiente e profissional, que leva a sério do “jogo” de poder entre dominador/submissa. Ele vai encontrar com uma atraente escritora de contos eróticos, Dylan Ivory, e logo no primeiro contato, percebe que aquela mulher é diferente e mexe com ele como nenhuma outra.

Alec propõe a Dylan que seja sua submissa, pois só assim, ela entenderia como é a mente de uma pessoa no subespaço, quando entra na dominação e é atingida pelo transe. Dylan nega ter característica submissa, pois gosta de estar “por cima” e é extremamente controladora. Mesmo assim, ela, movida por uma imensa atração sexual, concorda com o acordo e aceita fazer parte do jogo. Contudo, se Alec não conseguir submetê-la, ele é quem será o seu submisso. Cartas são colocadas sobre a mesa e o jogo iniciado.

Esse é um livro extremante sensual e HOT. As protagonistas são comedidas em seus temperamentos, mas quando estão no ato sexual, ficam totalmente entregues à situação. O negócio é tão bom, que deixa o leitor entrando, literalmente, em combustão. Tudo começa a querer explodir.

Diferentemente de outros livros, Alec é cavalheiro, educado e preocupado com sua submissa. Ele não é o tipo que vai logo dizendo que quer “comer” ou oferecendo contrato absurdo para a submissão. A introdução de sua submissa é calculada e cuidadosa, levando em consideração o lado psicológico da coisa.

Outra coisa que tenho que destacar é, Alec me lembra muito os machos-alfas, totalmente dominantes, de livros de lobo. Tem uma cena em que seu subconsciente chama por Dylan como os lobos fazem com suas companheiras... Minha! Ele é muito protetor e preocupado, apesar de ser muito GOSTOSO, e saber usar muito bem as mãos para bater e praticar o ato sexual. O cara bate bem e excita ao extremo. Olha, a coisa é uma loucura!!! rsrs

A autora cria um vínculo emocional entre as protagonistas, que no final acabam entrando em conflito com seus dramas, traumas e conceitos, para se entregarem um ao outro. Como não poderia deixar de ser, cada um tem suas razões psicológicas para ter o lado controlador e avesso a relacionamentos; e a entrega é bem complicada. Dylan fica em conflito, sofre muito e chora pra caramba, mas o repele. Já Alec tenta entender os próprios sentimentos e quase surta. Achei tudo muito fofo... Mas não posso contar mais. rsrs

O único ponto negativo do livro, em minha humilde opinião, é que Dylan acaba ficando muito submissa e de forma rápida demais. Apesar de Alec perceber, no primeiro momento, que era uma submissa nata, eu esperava que ela desse muito trabalho e lutasse contra a dominação, já que tem uma personalidade tão peculiar. Acho que seria mais interessante se houvesse mais resistência da parte da protagonista. Outra coisa, que não é exatamente um ponto negativo, mas não gostei da capa. Acho que não representa a personalidade do livro.

Sinceramente, AMEI “Luxúria” e quase entrei em combustão com as cenas hots, bem escritas. Quando terminou, o livro me deixou com um gosto de quero mais. Fiquei muito decepcionada por ter acabado tão rápido. Queria que a autora houvesse explorado um pouco mais sobre submissão, e essa relação dominador/submissa.

Para esse livro dou 5 estrelas(*****) e um lindo coração!
Espero que gostem!

Publicada em http://www.mixliterario.com/2012/10/resenha-luxuria-eve-berlin.html
Marina 21/11/2012minha estante
Concordo com absolutamente TUDO que vc escreveu !!! :D


Larissa 21/11/2012minha estante
Ao contrário do que muitos estão comentando, eu gostei muito do livro e estou realmente ansiosa para a continuação.
Concordo absolutamente com você.




Jaqueline 23/10/2012


Luxúria, livro escrito por Eve Berlin e publicado no Brasil pelo selo Lua de Papel, é mais um daqueles romances eróticos que vêm enchendo as prateleiras de nossas livrarias após o sucesso da trilogia “50 Tons de Cinza”.

Em busca de informações sobre sadomasoquismo e dominação sexual para o seu próximo trabalho, a escritora de romances eróticos Dylan Ivory entra em contato com Alec Walker, um dominador da cena de Seattle que mexe com as suas convicções. Independente e controladora de suas ações, ela recebe uma proposta tentadora: se tornar a submissa de Alec a fim de obter maior conhecimento sobre as práticas sadistas que pretende descrever em seu romance. Segundo ele, Dylan somente conhecerá o que é este mundo se vivenciar as emoções e sensações que ele proporciona, despertando a curiosidade da escritora.

Com uma bela capa e uma revisão mais ou menos satisfatória - são muitos os erros de pontuação no início do livro -, Luxúria nos brinda com muitas, mas muitas, muitas cenas de sexo quente. A voltagem sexual do livro é altíssima e agrada em cheio quem prefere erotismo à romance, ainda que ele tenha se espaço neste livro. As cenas de BDSM são bem escritas, mostrando que a autora fez bem o seu trabalho ao pesquisar o tema. Não se trata de nada muito chocante, o que é interessante para quem ainda não leu nada do gênero, mas ainda assim acredito que nem todas as pessoas se sentirão confortáveis ao ler sobre correntes e tapas na bunda. Como sempre, trata-se de uma questão de gosto.

O mocinho Alec merece um parágrafo à parte: sedutor, inteligente, másculo e ainda assim gentil, ele é o modelo ideal de qualquer romance erótico. De um lado, ele é um escritor de thrillers psicológicos que ama andar de moto e viajar pelo mundo. Por outro, um homem grande, sarado e dominante na cama (e também no chuveiro, no balcão da cozinha, em cima da mesa, em público, etc). Vocês não entenderão quão delicioso é o bofe até ler este livro, pessoas. Virei tiete de Alec Walker!

É claro que o livro também apresenta alguns problemas: de algum modo, me pareceu muito forçada a atração irresistível entre Dylan e Alec. Muito antes de pularem na cama, os dois já estavam completamente obcecados. Do creu frenético ao amor, acredito que Eve Berlin pecou pelo óbvio. A profunda conexão entre os dois durante o sexo mexe com traços profundos da personalidade individual deles, mas instantaneamente todo este “incômodo” se transforma em uma comédia romântica do TNT, com direito a muitas lágrimas, declarações apaixonadas e beijo na chuva. Entediante.

Pensando um pouco sobre o sucesso e a polêmica de “50 Tons de Cinza” & amigos, achei muito curiosa a insistência destes “novos romances” calcados no BDSM em colocar o praticante dessas modalidades sexuais como uma pessoa traumatizada, principalmente durante a sua infância. Em Luxúria não é diferente: tanto Dylan quanto Alec trazem feridas que não parecem muito óbvias no início do livro, mas que logo são reveladas e passam a funcionar como justificativas para a atração que os jogos de poder e dominação exercem nos dois. Ao invés de buscar naturalizar o tema ou discutir a satisfação que ele proporciona, eu venho pensando que, no fundo, todos estes livros acabam nos apresentando uma versão suja ou “deturpada” do fetiche – algo como se ele fosse digno apenas de pessoas que, com todo o respeito, deveriam procurar ajuda especializada e deitar em um divã antes de se envolver em um relacionamento. O que vocês acham?

>>Resenha publicada no site www.up-brasil.com
comentários(0)comente



Priscila 21/10/2012

Li Luxúria após ler os dois livros da triologia 50 tons e Toda Sua. Impossível fazer qualquer comentário sem comparar a esses três livros e pensar que todos se encaixam na nova "febre" dos romances eróticos (onda que veio e espero que não murche!).

No entanto, esse livro não prende o leitor como os outros. Li resenhas positivas e não se trata de uma leitura insuportável. Mas, para quem gosta do bom e velho romance, com muitas cenas sensuais, esse livro não possui esse elemento.

Trata-se de uma escritora de livros eróticos que procura um homem considerado referência no mundo do sadomasoquismo para ajudá-la em sua pesquisa sobre o tema. E realmente se mergulha nesse universo, com detalhes mínimos, mas sem aquele enredo que te envolve, ou seja, o romance entre os protagonistas não rende.

Ao final ainda é possível perceber um início daquele sentimento que gostamos, da entrega, do passional. E aí descubro que é uma triologia! Bem, ainda estou pensando se o livro dois será incluído na minha listinha de próximas compras.
comentários(0)comente



Isabel 18/10/2012

MUITO RUIM
A história é fraca, cansativa, o relacionamento entre os protagonistas cresce rápido demais, e extremamente superficial no que se refere ao BDSM.

A autora fez uma pesquisa muito rasa sobre o BDSM, o que a levou a cometer erros grosseiros, tanto no comportamento do dominador e submissa, quanto na execução das cenas de jogos. Qualquer pessoa, pesquisando um pouquinho o BDSM no Google, vai poder ver claramente estes erros.

O livro é uma grande perda de tempo.
comentários(0)comente



Fulana Leitora 17/10/2012

Resenha feita por Kezia Martins para o blog Fulana Leitora: http://fulanaleitora.blogspot.com.br/2012/10/resenha-luxuria-eve-berlin.html
Luxúria conta a história de Dylan, uma escritora de romances eróticos, que quer aprofundar o seu conhecimento sobre o mundo do sadomasoquismo e dominação para escrever o seu novo livro. Em sua busca por informações Dylan conhece o Alec, um homem bonito, imponente e extremamente sedutor.

Dylan, como nos é apresentada no início do livro, é uma mulher jovem, bonita e controladora. É muito independente, desde criança, e se orgulha disso. Mas, ao conhecer Alec, se vê tentada com a sua proposta de que ela seja sua submissa, por que só assim ela teria uma visão melhor do mundo BDSM para escrever seu livro.

Não preciso nem dizer o que acontece a seguir não é?! Eu li Luxúria por que, como já cansei de dizer, eu gosto muito de romances eróticos. Eu criei muitas expectativas a respeito dele, talvez seja por isso que me decepcionei um pouco. O livro acabou sendo mais do mesmo.

A autora tenta dar alguma profundidade a história trazendo a tona os traumas emocionais dos personagens. Mas, ficou só na tentativa. E, de novo, eu digo: Mais do mesmo. Uma das inúmeras semelhanças que são visíveis em romances eróticos, o fato do praticante de BDSM ter traumas emocionais, quase sempre ligados a infância.

“Ela era perfeita. E ele sabia muito bem que esse poderia ser mesmo o fim do controle que passara sua vida inteira aperfeiçoando.” - Alec

Mas, para quem lê romances eróticos simplesmente pelo erotismo, Luxúria é um prato cheio. O livro está repleto (e quando digo repleto quero dizer exageradamente) de cenas eróticas.

O começo parece um pouco forçado, essa atração instantânea que ambos sentem. De inicio eu não consegui captar isso. Eles se apaixonam tão rápido que não dá tempo de nos apaixonarmos por eles. Mas, no decorrer da história, o romance vai ganhando certa relevância e a intensidade da relação deles vai ganhando o leitor.

“Maldito fosse seu coração traidor. Ela estava apaixonada por ele. E não havia nada que pudesse fazer a respeito.” - Dylan

Eu achei o enredo um pouco fraco, acho que isso prejudicou o livro. A Eve é uma boa escritora, tem uma escrita fluida e detalhista, o que me agrada muito. Mas, faltou história. Eu senti falta de outros personagens ou que, ao menos, os personagens secundários fossem mais explorados. O livro é, praticamente, Dylan e Alec e nada mais.

Uma coisa eu não posso negar, por mais que eu não tenha achado o livro perfeito, eu não consegui largar até terminar de ler. A narrativa da Eve é muito boa. O fato de ser em terceira pessoa torna a leitura mais envolvente. Por que assim você pode ver tanto a percepção da Dylan quanto do Alec.

Apesar de tudo, eu gostei do livro. Estou botando fé, mais uma vez, que a continuação vai ser melhor. Para quem não sabe Luxúria é uma trilogia. Então, só nos resta esperar pelos próximos.
comentários(0)comente



Semiramis 13/10/2012

Educativo
Algumas cenas nesse livro não me agradaram. Acho que pq minha mente é realmente conservadora,rs
Mas a história em si é boa, foi bem explorada e os aspectos românticos não deixaram nada a desejar, apesar do mote obviamente erótico.
O casal conseguiu me conquistar e a autora teve toda uma preocupação "educativa" em suas obra,rs. Mas antes de ficar chato ela conseguiu engrenar a história de novo.
Ah, essas história de "entrar no subespaço" é que achei muito louco,kkk. Sabia que existisse um negócio desses não,hehehe
Mas foi muito bom, aguardando anciosa pela continuação!
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



Sweet-Lemmon 12/10/2012

Luxúria é mais um lançamento com temática erótica vindo na esteira do sucesso de Cinquenta Tons de Cinza. Não há como negar, é isso mesmo. Se o livro de E.L. James muito, mas, MUITO dificilmente livros como esse seriam lançados aqui no Brasil. Bem, podemos dizer que 50 tons serviu para alguma coisa, né? Hehehe

Tudo bem, não vou mentir que me incomoda o fato de quê quase todos esses lançamentos “HOT” tem um subtexto BDSM. Eu gostaria de ver mais variedades. Existem tantos tipos de modalidades sexuais, não? Mas, de qualquer forma, qualquer livro adulto é sempre bem-vindo. Ainda mais sendo de qualidade.
Já estava na hora das editoras perceberem que nem só de YA e fantasia vivem os leitores.


O meu problema é que eu, pessoalmente, não consigo achar o BDSM sexy; principalmente, não acho a dor simplesmente pela dor, “estimulante”. Não que eu abomine a prática (caso de zoofilia e watersports, eu confesso). Eu apenas não me excito com alguém apanhando, mesmo que seja num contexto erótico. Quando há o sexo ainda pode haver um grau de excitação, mas a dor pela dor... E isso, acho, tira um pouco do meu barato em livros como este.

Mas mesmo com o BDSM fora do meu Hall de taras Favoritas, Luxúria é um livro extremamente hot e, sim, excitante. Eu nem pensava eu comprar esse livro, mas ele estava tão lindo e formoso na Livraria Cultura- e com um bom preço- que não resisti. E não me arrependo.

Dylan Ivory é uma escritora de livros eróticos que precisa saber mais sobre o universo sadomasoquista para uma próxima obra; por meio de algumas pesquisas ela acaba chegando à Alec Walker, também escritor, só que thrillers psicológicos. Alec é um conhecido dominador na cena sadomasô e, obviamente, seria o “material de pesquisa” ideal para ela. Alec está mais do que disposto à ajudá-la mas com uma condição, ou talvez uma proposta: que ela se submeta à ela e mergulhe no submundo do sadomasoquismo e da escravidão sexual. Dylan, sem pensar muito (na verdade, ela não pensou nada!).

Sim, Luxúria é mais um daqueles tantos livros do estilo “BDSM para Iniciantes”, porém, mesmo que a estória soe um pouco didática no começo, eu percebi que a autora tem bons conhecimentos no assunto e, principalmente, não se mostra moralista ou preconceituosa em relação ao assunto. Os personagens do livro não dissimulados, tarados ou possuem algum desvio de conduta simplesmente porque curtem algo diferente do “papai-e-mamãe”.

Devo avisar, entretanto, que o BDSM, aqui é bem vanila, então, acho que Luxúria é um bom começo para quem nunca leu algo do gênero.

Como já’ era de se esperar, o que começa em “é apenas sexo” , apenas se transformando em paixão e depois amor; é justamente esta questão do surgimento do amor que diferencia livros como Luxúria de um pornô “comum”. Eu achei que Alec começou a se interessar por Dylan muito rapidamente (não estou falando da questão sexual) , quase que como uma paixão à primeira vista e isso não fez muito sentido com a proposta do livro. Mas, sério, quem está ligando pra sentindo quando se tem Alec Walker?

Ah, não falei sobre ele, né?

Pense, David Gandy.


Nu.


Alec é basicamente isso. E apesar de ser um dominador, de maneira alguma ele é um ogro troglodita. Pelo contrário! Pode até parecer um paradoxo o que vou dizer mas Alec é dominador fofix!

E sabem o que mais? A mocinha também é gente boa! Não desmaiem, por favor, mas, Dylan é mais velha e não é nenhuma virgem lesa! Sim! Ela já tinha dado bastante antes de se entregar à Alec! Só por isso, o livro o livro já ganhou pontos positivos comigo.

Outro ponto a se destacar é que o livro é narrado em terceira pessoa (quase uma raridade, hoje em dia) e, com isso, conhecemos melhor os pensamentos e sentimentos tanto de Dylan quanto de Alec.

Luxúria é um livro bem escrito, de leitura rápida e carregado de cenas de sexo. Todavia, mais interessante ainda do que a alta carga sexual é ver como aos poucos a paixão vão aflorando entre eles e todas as barreiras, as guardas vão sendo derrubadas. Sim, este é um livro erótico, mas, em última instância é simplesmente uma estória de amor.

Recomendo.


***

A Série

Luxúria (Edge)
Cada livro é sobre um casal diferente.

1. Luxúria (Pleasure's Edge)
2. Desire's Edge – inédito no Brasil
3. Temptation's Edge – inédito no Brasil

Leia a resenha completa, com os links ativos, capa original e fotinhos (!) no meu blog:

http://umaconversasobrelivros.blogspot.com.br/2012/10/luxuria-de-eve-berlin.html


Leandro 12/10/2012minha estante
Adoro suas resenhas! *-*
Preciso comprar urgentemente "Luxuria". rs
Pelo menos eu acredito que a protagonista desse livro não seja uma "virgem lesa"! kkk
Adorei!


Tati 23/10/2012minha estante
Só por ler o que você disse, estou ansiosa para ler o livro. Resenha perfeita e atraente. =) !!!


Jacy Coelho 10/02/2013minha estante
eu pensei em Joe Manganiello só que não tem olho azul...mas quando ela fala que ele é grande, muito grande, só pensava nele.




Naty 11/10/2012

www.meninadabahia.com.br



Ele iria possuí-la. Espancá-la.
Transaria com ela naquela noite.
Muitas e muitas vezes.
E permaneceria no controle, como sempre.
No controle. Como sempre.
Pág. 111



Já falei que estou a-d-o-r-a-n-d-o essa onda hot? Eu estou! Mas, ao mesmo tempo fico com medo dos livros caírem na mesmice, histórias parecidas ou somente com sexo, sem conteúdo. Porém, estou com sorte, estou gostando muito do que ando lendo. Não fiz resenha de Cinquenta Tons de Cinza e nem de Toda Sua, não consegui descobrir qual gostei mais, cada um tem sua particularidade e defeito, ao mesmo tempo são parecidos! Falsa Submissão é super diferente, é um thriller de suspense erótico, tem cenas pesadas e chocantes, mas o enredo é fantástico.

Em Luxúria, de Eve Berlin (Lua de Papel, 256 páginas, R$ 29,90), conhecemos os escritores Dylan Ivory (Dylan aqui é um nome feminino) e Alec Walker. Alec escreve thriller psicológico, enquanto Dylan escreve romances eróticos. Eles não se conheciam, mas durante uma pesquisa sobre seu novo livro, que tem como base BDSM (Bondage, Disciplina, Dominação, Submissão, Sadismo e Masoquismo) - ela já havia abordado sadomasoquismo, mas sempre superficialmente, dessa vez ela queria ir a fundo -, Dylan entra em contato com uma submissa que recomenda Alec, um conhecido e experiente dominador. Ele seria a pessoa perfeita para ajudá-la.

Tem um porém, Alec faz juz à fama e para ajudá-la ela precisará se entregar, se submeter a ele, sua palavra será lei. Mesmo que seja uma pesquisa, ela precisará aceitar seus termos, dominação, subserviência e sexo estão entre eles. Dylan está mais excitada do que nunca e aceita, mas também tem uma condição: se ele não conseguir fazê-la se submeter, ele será submetido a ela.

Nesse duelo de poderes, quem ganhará?

Fiquei impressionada com a escrita, cada capítulo é visto do ponto de vista de um dos personagens e a autora explora os sentimentos. Não é apenas sexo e prazer, e sim como eles se sentem diante da exposição íntima, das suas necessidades e como isso afeta o psicológico. Não há regras, não há lei para os sentimentos e o que eles despertam em cada um.

É curioso observar quando os dois personagens são fortes e obtusos (lembra o casal de 'Toda Sua'). Dylan tem traumas (nenhum de abuso sexual) e ela não quer deixá-los dominarem sua vida. Alec é um aventureiro e está disposto a tudo, até a amar.

Espere “corações e flores” (quem leu 'Cinquenta Tons Mais Escuros' irá entender), espere um romance erótico fofo e contagiante. O BDSM, apesar de presente, não é o principal, o relacionamento entre os personagens é mais forte e intenso. Mal posso esperar para ler a continuação.

Eve Berlin é pseudônimo da escritora Eden Bradley.

P.S: As cenas de BDSM não são pesadas.
P.P.S: Já ouviram falar de ovo vibratório cromado? rs
Série Edge:
1. Luxúria
2. Desire's Edge
3. Temptation's Edge
comentários(0)comente



93 encontrados | exibindo 76 a 91
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7