Meus Melhores Rascunhos

Meus Melhores Rascunhos Chris Melo




Resenhas - Meus Melhores Rascunhos


11 encontrados | exibindo 1 a 11


Adriana 17/09/2016

Já perdi a conta de quantas vezes li esse livro, atualmente ocupa (por tempo indeterminado) o posto de livro de cabeceira e alguns trechos sou capaz de recitar sem ter cola :)

A escrita da Chris sempre 'conversou' direto com meu coração, é algo que não sei explicar bem, mas me vejo em muito do que ela escreve. Já havia lido outros três livros da autora e esse, um pouco diferente dos demais, só fez aumentar minha admiração pela sensibilidade da escrita e a ternura de sentimentos expressos no desenrolar dos pequenos textos.

Eu costumo dizer que Chris é amor.
Hoje reitero a afirmativa e complemento declarando que Meus Melhores Rascunhos também é amor! Muito amor!
comentários(0)comente



Mayra 14/07/2015

Só um sentimento
Neste livro, a autora nos presenteia com diversos sentimentos, por vezes contraditórios. Ora felicidade, ora tristeza, mas sempre o amor... E assim é a vida: feita de altos e baixos, o importante é nunca perder a esperança de que dias melhores sempre virão...
comentários(0)comente



Leitora Viciada 20/01/2013

Este é um dos livros mais agradáveis que já li.
São quarenta textos preciosos selecionados entre os escritos da Christine durante dez anos como escritora. Embora ela tenha três livros publicados em tão pouco tempo, ela já era "escrevedora" (como a própria autora se define) muito antes de Sob a Luz dos seus Olhos. Sempre fez parte dela, isso está estampado nos pensamentos, contos, crônicas e poemas de Meus Melhores Rascunhos. É notável que a Christine é mais que escrevedora, é uma escritora de alma e coração.

A capa representa exatamente o que o livro é: simples, porém recheado de lirismo e romancismo. São textos pincelados de delicadeza e sensibilidade raras de serem encontradas. É na pureza e simplicidade dessa capa que encontramos a doçura íntima da escritora, que embora já seja mãe, mantém a inocência de uma criança. Ela tem a capacidade de sonhar e enxergar em detalhes a beleza das dores e amores do mundo.

Uma autora que possui o dom de transformar os mais singelos atos e simples situações em verdadeiros momentos fantásticos. Ela encontra no comum a beleza secreta e aparentemente indecifrável. Ela expõe a poesia presente no cotidiano que nem sempre estamos prontos para encontra-la e degustá-la.
Através de textos muito variados encontramos amores, dúvidas, anseios e os sentimentos mais íntimos de qualquer ser humano. Christine destaca a alma feminina com muita graciosidade, mas não é um livro apenas para mulheres, porque os textos são sobre a vida.
Qualquer cena comum do dia-a-dia ou cenário cinza pode ser transportado pela autora para linhas de texto e se transformar em uma linda e admirável crônica. Uma mistura de Clarice Lispector com Marina Colasanti. Christine M. parece uma fada com varinha de condão abrilhantando e iluminando os sentimentos de cada palavra.

Mas não se deixe enganar com a simplicidade e a fofura de seus rascunhos. Existe uma força e intensidade entranhadas em cada linha capaz de fazer o leitor sorrir, soltar lágrimas ou refletir. Um leitor de verdade não lê esse livro nem o devora vorazmente; na verdade, se delicia e saboreia cada texto, para, reflete, imagina e sonha junto às letras. Textos para serem lidos, admirados e interpretados não apenas com o raciocínio lógico, mas também com o coração.
Eu me emocionei claramente com alguns textos e fui surpreendida pela leitura. Minhas expectativas eram que eu teria um passatempo agradável em mãos e que o livro seria bom. Porém, a leitura me fez viajar nas memórias, pensamentos e sonhos próprios. Eu flutuei em vários textos e me perdi em lembranças e desejos meus. Retornei ao passado e imaginei o meu futuro. Como isso aconteceu com Meus Melhores Rascunhos? Eu não sei. Apenas sei que foi uma delícia.

O livro possui um sumário com os títulos dos textos, porque é o tipo de livro que você lê e guarda na estante para folhear de vez em quando e reler algo ao acaso ou de acordo com o momento.
No começo do livro existe a parte de agradecimentos. A autora colocou o nome de todos os leitores que curtem sua página no Facebook como uma representação de todos, uma forma de agradecimento especial e diferente. Como se isso já não bastasse e já não fosse lindo o suficiente (tem meu nome ali!) o último texto do livro é Carta ao Leitor.
Um charme do livro são pensamentos surpresa destacados entre um texto e outro em páginas com estrelas, trazendo mais pausas reflexivas como, por exemplo: "Fingir ser feliz dá mais trabalho do que ser triste." Essa frase me marcou e eu fiquei ali parada, relendo-a com as estrelinhas embaixo.

Embora os textos sejam cheios de harmonia e delicadeza a dura realidade da vida se faz presente, como os amores que terminam e os momentos que não voltam mais. Mesmo sendo um livro gracioso, existe uma realidade palpável e explícita.
Em outros textos percebe-se o quanto eles são íntimos e pessoais, não apenas na personalidade da escrita da autora, mas sim na observação de que são coisas vindas de suas próprias experiências, vindas de seu coração.

Só pra Mari é uma carta que emociona; Dias de Mãe me fez chorar com saudades da minha; Invisível me fez reparar como tenho um sentimento inquieto dentro de mim; Feliz de quê? é um apelo para não nos deixarmos abater sob a tristeza; Falemos de Amor é um desabafo que eu apoio; Desencontro é um tipo de relação que muitas pessoas encontram; Qual o Peso da Saudade? me fez chorar; O Tempo, O que te Define e Um Teto Todo Seu foram os que mais me fizeram refletir; em Eu Não Escrevo Poemas e Não é Dia de Escrever encontramos confissões de escritora; Arteira é definitivamente o meu texto preferido do livro, como o adorei! Eu deveria lê-lo todos os dias ao sair da cama. E ainda existem outros vinte e seis textos no livro.

O livro possui textos pessoais, que comovem e trazem reflexões e bem-estar a qualquer pessoa. Outros são segredos da autora, outros da mãe, outros da mulher. Todos os textos são belos, alguns são românticos, outros nostálgicos e existem ainda os revolucionários, as confissões e até homenagens.
Você encontra tudo neste livro, se souber enxergar as entrelinhas.
Uma leitura que prova que mulheres podem ser fortes, independentes e feministas; e ainda sim continuar a serem delicadas, sentimentais e femininas.
Reflexão disfarçada de diversão. Diversão que leva à reflexão.

Trechos:
"Eu queria que você me olhasse com aquela expressão infantil de quem espera por bolo de chocolate ou por um passeio no parque." - Só pra Mari.

"A parte cruel é saber que em alguns momentos ela terá que cruzar pontes vacilantes sem mim, sem segurar a minha mão e que eu terei que deixá-la só para que saiba de sua própria capacidade." - Dias de Mãe.
"A vida segue, as indagações permanecem e não haverá respostas." - Invisível.

"As histórias de amor costumam ser chamadas de "livros de mulherzinha" e, por esse motivo, não têm o respeito da maioria dos homens. Infelizmente, nem o sexo feminino apoia o gênero: as mulheres intelectuais querem distância e as moderninhas dizem não se interessar por esse tipo de literatura." - Falemos de Amor.

"Saudade dos tempos de escola e dos tempos em que eu acreditava ter absoluta certeza de quem eu era. O mundo era pequeno e eu que impulsionava o seu girar." - Qual o Peso da Saudade?

"O tempo me fez aprender a ser mais calma, mas não mais mansa. O tempo me ensinou a falar menos e acabei pensando demais." - O Tempo.

"Ai que vontade de fazer uma arte! Invadir um sonho, virar o balde, espalhar purpurina, derramar alegrias e revirar gargalhadas." - Arteira.
comentários(0)comente



Ceile 26/12/2012

Resenha retirada do meu blog - www.estejali.com
Eu flutuei mesmo com esta leitura ou foi só impressão?

Meus Melhores Rascunhos é uma reunião de crônicas escritas pela já conhecida autora de Sob a Luz dos Seus Olhos. Eu já tinha me apaixonado à primeira vista por Sob e depois de sair gritando ao mundo virtual meu amor pela escrita da Chris, li umas três resenhas falando que o livro tinha um enredo muito hollywoodiano, fantasioso. Concordo. Acontece que a Chris narra com sinceridade: ela transforma situações novelísticas em acontecimentos verdadeiros. Para comprovar que eu não havia me enganado com o primeiro livro da autora, li MMR. Ele comprovou e reafirmou meu amor e apego pelas palavras desta escrevedora.

São quarenta crônicas narradas com lirismo que falam ora de ficção, ora de realidade. São críticas à sociedade, são relacionamentos desastrosos. São cartas, são discursos. São poemas, são prosas. É reconhecimento, é admiração. São tantas coisas, é tanta ambiguidade, mas em tudo, o que é unânime: são sentimentos.

A Chris tem esta coisa de misturar o concreto com o subjetivo. Ela redimensiona os acontecimentos. Algo rotineiro, se torna trágico; algo sensacional, se torna simples. Tudo depende do que ela quer expor, por qual ângulo ela quer que o leitor veja.

Eu destaquei três crônicas - duas que me tocaram mesmo e mais um - "Eu não escrevo poemas." que consegui identificar com muita clareza a Chris. Suas definições batem com a minha imaginação - o que imaginei dela.

São inúmeros "quotes quotáveis", mas vou deixar aqui alguns daquelas duas crônicas que mais gostei:


"Faz de conta que o mundo é bonito, que as pessoas se importam e que o amor existe. Faz de conta que a gente se cuida, que pensa no outro e que o crescimento é sustentável. (...)
Só por hoje, farei de conta que o barulho é música, que o cheiro é de flor e que as palavras pichadas são apenas recados gentis" Faz de Conta.

"Estou com vontade de roubar uma estrela, de roubar um beijo, de roubar um coração. Vontade de pegar carona com um anjo, num jato, num balão. (...)
Hoje quero cometer o deslize de ter esperanças e de andar com isso bem estampado na testa." Arteira.

O trabalho gráfico do livro está lindo: a capa com a estrela irregular na varinha, as páginas cinzas com frases da autora entre algumas crônicas. A revisão também está ótima e não encontrei erros ou incoerências.

É, isto não parece uma resenha, parece mais uma carta de amor à autora - e talvez seja mesmo.
comentários(0)comente



Leo Antan 24/11/2012

O tocante "Meus Melhores Rascunhos", que me fez sonhar
Sou um grande fã da autora Christine M., desde seu primeiro romance o "Sob a luz dos seus olhos" (que já foi resenhado aqui). O primeiro livro dela me conquistou e o segundo foi ainda melhor...

“Meus Melhores Rascunhos” traz uma coleção de crônicas, contos, versos e aforismos retirados do antigo blog da autora, além de inéditos. Textos que falam sobre a vida, relacionamentos humanos, desejos, medos, textos humanos acima de tudo.



"O amor escorre pelos meus dedos e nasce em palavras." (pág.108)

Eu nunca gostei muito de livros de contos, histórias curtas são um bom passatempo, mas são os romances que sempre me tocam. Por isso, não dava muito por este livro, esperava ótimos textos, mas não muito além disso. Ledo engano, minha gente, ledo engando. Comecei com um conto curto, gostei, passei pra outro, para outro e em dois dias li o livro todo. Os textos de "Meus Melhores Rascunhos são bem curtos e isso faz toda a diferença, em poucas linhas minha atenção foi presa, levando minha mente para longe, num lugar cheios de devaneios e questionamentos. Em um tom extremamente intimista, a autora, em alguns textos, chama o leitor para uma conversa gostosa cheia de confissões desvairadas. Me senti muito tocado em vários momentos do livro, alguns pensamentos pareciam que eram meus de verdade! A maioria dos textos me disseram tanta coisa, conseguiram traduzir em palavras tanta coisa que eu sinto, que eu nunca imaginaria que alguém poderia sentir também. Pareciam escritos pra mim, e fim! Sem exageros.

"Há partículas de infinito para cada um de nós." (Pág. 28)

Os textos de Chris me fizeram rir, chorar, pensar, sonhar e me trouxeram sentimentos extremamente prazerosos. O modo sincero em que tudo é tratado também me encantou, uma coisa muita nova pra mim. Eu senti verdade em tudo.

Tudo o que eu vir a escrever parece tão pouco, que vou parando por aqui. Mesmo que pareça pouco. Para isso deixo o seguinte trecho:

Termine de ler em: http://apauliceia-desvairada.blogspot.com.br/2012/11/nostalgia-premiada-o-tocante-meus.html
comentários(0)comente



Leonardo Drozino 10/10/2012

Pensem em um ponto de interrogação. Pensaram? Agora, expandem-no. Ou melhor, abra o seu Word e digite um. Selecione-o e coloque a fonte em 1.500. Ficou enorme, não?

Pois então.

Foi isso que apareceu na minha cabeça quando li Meus Melhores Rascunhos.

E não, isso não é uma crítica ao livro, que é singularmente e exemplarmente bem escrito. O livro reúne as crônicas, pensamentos e poesias da autora de Sob A Luz dos Seus Olhos, um fantástico livro que me levou à loucura.

O meu ‘interrogação’ é quanto aos motivos que me levaram a lê-lo. Simplesmente não entendo o porquê o comprei, e por que o li. Meus Melhores Rascunhos é praticamente um diário. Tanto, que acho que ele dispensa um título, bastando o nome da escritora. O livro é a tradução em palavras da vida e sentimentos da escritora.

Agora, por que me interessa ler sobre a vida de uma pessoa que não conheço, e provavelmente nunca irei conhecer? E por que eu gostei tanto do livro, que virei as páginas até que o fim?

Tenho muitas teorias quanto a isso. Será se a compulsão de comprar livros da Underworld, por terem capas bonitas e belas diagramações (tenho algo a falar sobre isso depois), mesmo que não tenha o menor interesse de ler o livro, querendo somente tê-lo na estante? Provavelmente, já que só o comprei por que seria edição limitada (o que é quase uma abominação, levando em conta a qualidade dos textos e suas reflexões).

Talvez eu tenha comprado por ter gostado muito de Sob A Luz dos Seus Olhos, e querer ter um bis da sensação avassaladora que foi ler um romance como aquele?

Ou talvez eu tenha sido atraído inconscientemente para as diversas reflexões sobre mim mesmo que o livro me proporcionou? A autora é uma mulher comum, mãe, esposa, como todos nesse mundo. Acho que a teoria mais provável para mim, sobre comprar o livro e o ler, é sobre a necessidade de ler sobre a vida de uma pessoa comum, que obteve tanto sucesso e merecido respeito devido a sua incrível obra.

Por que, com Meus Melhores Rascunhos, chegamos à conclusão de que qualquer um de nós poderia estar no lugar da autora. Vivemos a magia de nossa vida cada um de uma forma, e como não poderia ficar satisfeito com a felicidade de outra pessoa?

Falando em magia, toda vez que aparece um poema no livro, ele tem como plano de fundo uma imagem de uma varinha e umas estrelinhas. Muito legal. Talvez isso tenha sido o ponto alto da parte gráfica do livro - que dessa vez, estava uma porcaria para os padrões da Underworld.

Pelo que descobri observando o Twitter da autora, a imagem da capa tem um significado especial para ela. Tanto, que em um dos primeiros textos, a autora conta que era tão pequena que seus pés não alcançavam o chão. Na hora a imagem da capa preencheu minha mente, e ela fez completo sentido.

O grande problema é a fonte do título que é simplória demais, e não está de acordo com a imagem da capa. A fonte do nome da autora é sofrível, tendo em vista que provavelmente é uma fonte comum do Windows.

Outro ponto grave é o sumário do livro. Os contos estão numerados e ao longo do livro, eles aparecem sem numeração. Imagino que isso seja um tremendo erro gráfico e de falta de atenção. Pouco é o talento do diagramador do livro, que ultimamente tem utilizado a capa em escala de cinza como folha de título EM TODOS os últimos livros da editora.

Saudades da Marina e do extremo bom gosto dela.

Foram esses problemas gráficos que fizeram a interrogação em minha cabeça aumentar consideravelmente.

Senti-me desrespeitado ao ler esse livro. Como a editora nos acostuma a excelentes trabalhos gráficos por meses e nos entrega um trabalho de última hora como esse? Sinto que a produção do livro poderia ter recebido um destaque maior, levando em conta o seu conteúdo maravilhoso.

Concluindo, eu adorei demais Meus Melhores Rascunhos como obra literária, mas detestei a sensação que esse livro provocou em mim. Odeio não ter certeza quanto aos meus sentimentos, o que prova que a fabulosa Christine M. não perdeu o talento de deixar os leitores com o coração desenfreado.

Max Cerqueira 18/10/2012minha estante
É, eu também gostava mais das capas da Marina. =(




Mirela L. 05/10/2012

Resenha que eu fiz para o Inteiramente Diva
Eu já havia tido a oportunidade de ler e me encantar com a escrita de Christine M. em Sob a Luz dos Seus Olhos *suspiros*, e, geralmente, eu não tenho o costume de me interessar por livros de contos e/ou crônicas. Eu gosto de “histórias grandes” e bem construídas com personagens que tem um passado, de quando eu tenho “aquele tempo” para ser conquistada por algum personagem e fico sentindo falta da história quando o livro acaba, e por isso Meus Melhores Rascunhos foi mais que uma surpresa.

“Assim, a gente se esbarra e oferece o que há de mais puro um do outro: eu, a minha escrita; você, o seu olhar. E isso basta!" [Horizonte de expectativas]

Um livro que reúne diversos pensamentos e reflexões, ora com um toque de romantismo e nostalgia, ora com diálogos inteligentes e que deixam um risinho escapar dos lábios do leitor. Christine consegue transformar, em linguagem poética, situações corriqueiras e que apresentam simplicidade, mas que marcam de um jeito inexplicável. Alguns textos nos falam sobre expectativas ou refletem o nosso “eu”, outros são sensoriais, daqueles que conseguimos sentir cheiros, presenças; vemos o colorido e até o preto e branco de algumas situações da vida.

“Ah! Eu gosto de ser mulher e gosto por tudo o que digo e por todo o resto que silencio. Gosto porque acredito que toda mulher é céu e abismo, com toda a divindade e perigo que esses termos implicam.” [Mulheridades]

A linguagem de caráter intimista nos traz num tom confidencial os pensamentos mais secretos da alma e o que se passa em nossas mentes, como individualidades. Ler Meus Melhores Rascunhos é como uma conversa com um amigo ou com os nossos próprios pensamentos; é como se as palavras escritas estivessem conversando com todos nós, leitores, conversando com os nossos sentimentos.

“Não falemos de tristeza, não agora que me perco em você. Tampouco falemos de felicidade. É no silêncio que o impossível acontece.”

Esta obra foi dedicada aos leitores que acompanham o trabalho dela, e tem até um último texto que é dedicado especialmente para o leitor, que eu achei fascinante, assim como cada um dos outros textos, pois eles também me tocaram de alguma forma. Outro ponto, que eu não poderia deixar de comentar, é sobre a capa e a arte gráfica que são encantadoras e conseguem transmitir a sutileza que é a escrita da autora. Chris, como sempre te falo, sua escrita é suave e seus textos são inspirações, retalhos doces e prazerosos de ler e de se "degustar" cada palavra.

Querida Chris, ler você é…

“… como cruzar com um velho amigo e , na despedida, sentir uma brisa boa te invadir.” [Horizonte de expectativas]

Então se você também tem esse apego pelos "livrões" e acaba deixando de lado os "livros com textinhos", dê uma chance a essa leitura e se encante! *-*

Confira: http://inteiramentediva.blogspot.com.br/2012/10/resenhando-73-meus-melhores-rascunhos.html :)
comentários(0)comente



Flávia 02/10/2012

Esse foi meu 1° contato com a escrita da Christine. Fiquei muito feliz por ter lido.
Me vi em vários textos, me emocionei em várias partes !!
Super recomendo !
comentários(0)comente



Lygia 01/10/2012

Palavras singelas...
Estou na vibe para ler crônicas. Depois de me surpreender positivamente com 'Apaixonada Por Palavras', da Paula Pimenta (resenha aqui), reparei nesse livro de crônicas da Christine M. Já havia lido inúmeros elogios ao seu livro, 'Sob a Luz dos Seus Olhos', e por isso, além dessa capa maravilhosa, comprei 'Meus Melhores Rascunhos' para conhecer um pouco da escrita da autora.

Não me arrependi um segundo sequer de ter garantido meu exemplar. Estou, agora, arrependida de não ter autografado o livro quando a autora esteve em um shopping, aqui no RJ. 'Meus Melhores Rascunhos' reúne 40 crônicas da autora, com no máximo 3 páginas cada, e são muito singelas. Algumas me emocionaram bastante, como 'Dias de Mãe', e fiquei morrendo de vontade de ir em MG dar um abraço apertado na minha. Outras, são extremamente românticas, como 'Desencontro', que, de forma curta e muito linda, narra o término de um relacionamento (pelo menos eu entendi assim, rs).

Em algumas das crônicas, Christine fala diretamente com o leitor, inclusive, a última chama-se 'Carta ao Leitor', e também a achei belíssima. O reconhecimento e carinho que a autora teve com seus leitores chega a ser quase palpável, se eu pudesse colocar dessa forma.

Vale muito apena conferir o novo livro da Christine. Com certeza vou querer conferir o outro livro da autora.
comentários(0)comente



Luciana Silva 26/09/2012

Resenha: Meus Melhores Rascunhos - Christine M.
Atenção: resenha suspeita! Sou fã...
“Escrever é jogar os dardos no escuro e torcer – desesperadamente – que eles atinjam o alvo.”
Meus Melhores Rascunhos, publicação fresquinha da Editora Underworld, é a reunião de quarenta textos, escritos pela escritora brasileira Christine M. Esses textos são o resultado de quase dez anos de escritas na internet, que foi onde começou a escrever. É uma coleção de crônicas, contos, versos... Alguns são inéditos e espere encontrar neles muito romance e sensibilidade. Este é o segundo livro de Chris. O primeiro é Sob a Luz dos Seus Olhos, um romance incrível que você pode conferir a minha resenha aqui.
A autora, que já foi bailarina e sempre sonhou em ser artista, depois de vivenciar uma profissão no ramo empresarial rendeu-se ao inevitável: as letras. Há muito tempo denomina-se “escrevedora”, mas recentemente tem descoberto o prazer da palavra “romancista”. É casada e mãe de uma menina.
“Assim a gente se esbarra e oferece o que há de mais puro um do outro: eu, a minha escrita; você, o seu olhar. E isso basta!”
Essa autora tem um diferencial muito peculiar. Ela consegue tocar nossa alma com sua escrita. Seus livros são muito bem escritos, sua influência gostosa nos gestos e na descrição faz com que a gente mergulhe de cabeça na história. Isso se revela, ao final, de um prazer indescritível para o leitor. Sua escrita é fluida e a narrativa leve, com um jeito simples e tocante.
“O amor escorre pelos meus dedos e nasce em palavras.”
Então, resolvi fazer uma resenha diferente das demais e vou enchê-la com citações do livro para que vocês possam ter ideia do que os espera ao ler essa autora tão talentosa. E, se eu pudesse descrever em uma só palavra o que foi ler Meus Melhores Rascunhos, eu diria que ele é sábio. São tantas as citações, que acreditem, tive que escolher e até mesmo retirar algumas, pois os livros dela são assim mesmo, cheios de lindos trechos.
Também admirei demais a generosidade da autora ao nos presentear com seus rascunhos antigos, que demonstram seus sentimentos mais profundos e fazem com que a gente perceba que ela nasceu pra isso, mesmo. Esse é sua verdadeira vocação: transmitir seus sentimentos pela escrita e isso é realmente um dom. A simplicidade com que abre o coração e nos expõe o seu melhor, permitiu que conhecêssemos de forma mais ampla uma escritora que muitos dos fãs a denominam, a “Sparks” de saia.
“No final, inventaremos uma solução, escreveremos mais uma linha, escutaremos mais uma canção e a vida do papel terá sentido. E, entre um instante e outro, é o suficiente.”
Meu texto preferido é “Falemos de Amor” onde fala da predileção pelos romances. Foi incrível a minha identificação com esse trecho. Se eu algum dia escrevesse sobre o que li, leio e gosto de ler, seria dessa mesma forma. Adorei e aqui vai mais um trechinho:
Quer ler o resto: acesse www. sobrelivros.com.br
comentários(0)comente



Mariana Mortani 25/09/2012

"Eu sempre li. Não consigo ter memória do tempo em que as letras nada mais eram do que símbolos obscuros. Em minha cabeça ou, mais provavelmente, na minha alma mora a ilusão verdadeira de que nasci lendo." - Falemos de Amor, pág. 48
Conheci a talentosa Christine M. ao ler Sob a Luz dos Seus Olhos no inicio de 2012. Me apaixone pelo livro, pela história e pela escrita simples e encantadora da autora. Começamos a conversar, Chris escreveu um texto para o blog intitulado "Só Pra Mari" com eu-lírico masculino. Nem preciso dizer que fiquei super feliz ao ver que não era um texto como os outros, era um texto sobre mim e para mim. Mais feliz ainda, fiquei ao saber que o lançamento do livro Meus Melhores Rascunhos, que contém uma coletânea de textos dos 10 últimos anos da autora, seria aqui no Rio e que o texto que foi escrito só para mim, agora faria parte do livro e seria de todos.

Em Meus Melhores Rascunhos podemos conhecer mais sobre Christine M. Conhecemos seus pensamentos, suas teorias e um pouco de sua história. Em cada texto ela nos faz refletir sobre determinado assunto e nos transmite todos seus pensamentos com clareza É como se ela escrevesse esse livro para que cada leitor pudesse se identificar com algum de seus textos e pensasse: Ela me entende.

"[...] leio o que me der na telha. Não defino um livro pela quantidade de exemplares que vendeu, pelo nome que assina a capa ou pela opinião alheia. Mesmo porque, se eu levasse, a última em consideração me sobrariam pouquíssimas opções" - Falemos de Amor, pág. 49

Não quero colocar muitas quotes aqui, mas não posso deixar de comentar sobre um dos meus textos preferidos, que é "Falemos de Amor", que fala um pouco sobre o que alguns pensam sobre histórias românticas. No texto, Chris escreve: "Acho engraçado quando me vêem lendo uma história de amor. Sempre tem uma sobrancelha se arqueia, um lado da boca que se estica em ironia e questionamento que pula para fora de tão indignado; porque raios alguém perderia tempo em ler algo tão meloso". Me identifiquei com essa parte porque nunca fui romântica, mas sempre gostei de uma história de amor (há quem me entenda..) e sempre que leio algum livro que tenha um título romântico, algum amigo sempre pergunta: "Você lendo isso?". Acho que eles ainda não se acostumaram com o fato de que a literatura nos envolve tanto, a ponto de nos fazer ler tudo o que der na telha e é justamente sobre isso que Chris fala nesse texto. Sobre o "preconceito" que existe com o romance, e foi a frase final que me fez refletir ainda mais: "A literatura é livre de preconceito, que nós aprendamos também a ser."

CONTINUE LENDO EM: http://magia--literaria.blogspot.com.br/2012/09/meus-melhores-rascunhos-christine-m.html
comentários(0)comente



11 encontrados | exibindo 1 a 11