Uma Mulher Vestida de Sol

Uma Mulher Vestida de Sol Ariano Suassuna




Resenhas - Uma Mulher Vestida de Sol


12 encontrados | exibindo 1 a 12


Niele 23/09/2014

uma mulher vestida do sol
é uma peça importante,não somente pelos valores próprios,não somente pelos seus valores próprios,mas também porque,historicamente,é a primeira grande tragédia produzida no nordeste.daniele
Luizinho 26/02/2020minha estante
Quero mais resumo agora.




Sthe 06/05/2020

Talvez esse tenha sido a peça que mais fiquei desconfortável em ler, saí TOTALMENTE da minha zona de conforto.
comentários(0)comente



cfsardinha 26/07/2011

Mais um texto voltado para o teatro. Uma Mulher Vestida de Sol foi a primeira grande tragédia produzida no Nordeste. Foi o que deu início à carreira de autor teatral de Ariano Suassuna.
Nessa história, o autor tentou recriar um romanceiro popular nordestino. Baseado num romance popular do sertão, Ariano o remodelou de forma a parecer mais dramático e, ao mesmo tempo, poético
A personagem principal era filha de um romanceiro nordestino e neta de um ibérico. A história possui uma atmosfera de amor e violência comparável à das histórias elisabetanas, que une elementos como sangue, honra, família e incesto, em suas precisas medidas dramáticas. Misturado a isso, sempre um toque cômico, vindo dos personagens Orlando de Almeida Sapo e do Delegado de Policia, que são figuras um tanto ridículas e se contrastam em relação a estrutura dos demais personagens. É, sem sombra de dúvida, uma das obras mais trabalhadas pelo autor, que se dedicou em profundos estudos da cultura nordestina e espanhola.
comentários(0)comente



Natalie 29/01/2017

Ariano é estandarte de Pernambuco. É carro-chefe. É personificação. Por onde quer que andemos no Recife, existe uma marca sua. Se o Movimento Armorial é distintivo do Nordeste, Uma Mulher Vestida de Sol é o escudo do meu Estado. Não há como fazer um passeio cultural pela capital pernambucana e não se deparar com a imagem majestosa estampada pelo chão ou parede de algum lugar.

Entre os católicos a devoção por Nossa Senhora é grande. Entre os católicos nordestinos eu ouso dizer que é ainda maior. Aproveitando-se disso, o escritor usou a figura do Apocalipse e criou a primeira peça dramática nordestina.

Composta por três atos, a peça fala da rudeza árida de pessoas movidas pela ganância da terra, rixas familiares e belicosidade à flor-da-pele. Dura apenas uma noite - do pôr ao nascer do sol. Nela, podemos antever os traços característicos de comicidade e flagelo que alcançariam o auge no Romance da Pedra do Reino. Muito boa.
Marta 29/01/2017minha estante
Durante anos O auto da compadecida foi um dos meus livros prediletos, até que li O santo e a porca, aí passei a ter um coração dividido.
Agora preciso ler esse aí...


Natalie 29/01/2017minha estante
Você já leu o Romance da Pedra do Reino? É excelente.


Marta 29/01/2017minha estante
Tenho na pilha tem um bocado de tempo. Uma amiga de minha mãe que me deu.


Wagner 29/01/2017minha estante
Saudações Natalie. Parabéns.


Natalie 29/01/2017minha estante
Obrigada, Wagner.


Ana Paula 29/01/2017minha estante
Vou ler por causa da sua resenha.


Ana Paula 29/01/2017minha estante
Também já li A Pedra do Reino. Uma epopéia!


Natalie 29/01/2017minha estante
Leia mesmo, Ana Paula! É curtinha. :)
Pensei em reler este ano A Pedra do Reino, mas como é grande e ainda me lembro de muitos detalhes resolvi deixar mais pra frente.




Flávio 30/06/2020

A realidade é seca
Personagens principais: a morte e a palavra.
Outros personagens: as cantorias, os retirantes, a seca, a brutalidade, as intrigas, o ciúme, o desespero, a honra, a "lei", a ambição, a angústia, a inveja, o medo, a revolta, a pobreza, a fé e por fim, o amor.

Na obra, grandes pesares das famílias sertanejas, seja com a existência de alguém que por um falso poder provido do dinheiro, sobrevivem da desgraça alheia e/ou seja a servidão a uma falsa honra que subsiste apenas no seu âmago egoísta e pobre; seja a pobreza em si e/ou seja simplesmente, gigantemente, obra natureza - destinos, fatalidades.

Ariano, grande joia desse nosso nordeste enorme em cultura nos apresenta em sua primeira obra muitos ícones conhecidos por todos; alguns, infelizmente, conhecemos na pele. Ele nos mostra um pouco mais sobre as desventuras e rixas que - mesmo tendo escrito a peça em 1947 e a editado 10 anos depois - ainda hoje existem em nossa região.
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



Isotilia 14/08/2016

Excelente peça dramática!
É uma peça dramática. Primeira obra de Ariano Suassuna. Ela já antecipa muito do estilo consagrado do autor. Saiba mais no blog.

site: http://500livros.blogspot.com/2016/08/uma-mulher-vestida-de-sol-ariano.html
comentários(0)comente



Felicity 17/04/2017

Simplesmente gostoso de ler
Sobre o autor dispensa apresentações , sua escrita nos abre um novo universo teatral , li com uma rapidez enorme , queria q durasse mais . História de amo de Rosa, vale a pena ler todos os atos ??
comentários(0)comente



monique.gerke 06/09/2018

"(...)
- Ó de Casa!
- Ó de fora!
- Minervinha, o que me guardou?
- Eu não lhe guardei mais nada:
nosso amor já se acabou.
*
Na primeira apunhalada
Minervinha estremeceu
na segunda, o sangue veio,
na terceira, ela morreu.

Eita, que sol!"

... ôÔÔÔôô teatrin trágico!
Ultimante tem sido bem triste o que tenho lido da literatura brasileira! ai meu coração.
comentários(0)comente



Lipe 16/09/2018

Ariano Suassuna, rei do Movimento Armorial!
comentários(0)comente



Nivia.Oliveira 12/05/2019

Uma mulher vestida de sol” é uma tragédia para teatro de Ariano Suassuna (autor de Auto da compadecida) que contempla a época dos “cabras machos” do nordeste brasileiro. O autor inicia e termina o livro com um trecho do Apocalipse de São João. Com certeza não foi em vão. Precisei das minhas aulas de teologia para fazer a correlação. Rosa (personagem) será a Jerusalém de hoje? Autor brilhante!
comentários(0)comente



Léo 25/09/2019

Uma tragédia fascinante, cujo enredo tem como base um confronto familiar por terras. Dentro desta perspectiva, Ariano trata sobre o valor da família em relação à posse de terras, sobre uma relação amorosa proibida, sobre a influência coronelista, a pobreza, etc
comentários(0)comente



12 encontrados | exibindo 1 a 12