Trilogia da Fundação

Trilogia da Fundação Isaac Asimov




Resenhas - Fundação


105 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7


LeandroBurla 20/03/2019

Alicerce fundamental para a ficção científica
Respeitando a tradição dos nerds, joguei muito RPG. Narrei mais do que joguei e quem conhece o ofício sabe que os referenciais fazem toda a diferença para a criação das histórias. Dentre muitos cenários, narrei muito um RPG nacional chamado Millenia. Em meio às referências, constava a trilogia Fundação, do ícone Sci-fi Isaac Asimov. Consumi conteúdo do autor em várias mídias, mas me arrisco a dizer que só agora tive uma experiência mais imersiva para comprovar a reputação é procedente.
Ficam os seguintes registros: a narrativa é leve, extremamente simples para o gênero. As histórias possuem diferentes núcleos em momentos diferentes, mas todos interconectados e coerentes. Personagens carismáticos e astutos. A trama é tensa, porém coesa e atrativa. E sim, é possível narrar um futuro sem muitos rodeios, altas invenções e conceitos metafísicos complexos.
Sem exageros, uma obra imperdível para os admiradores do gênero e uma boa porta de entrada aos que se desejam enveredar os universos do sci-fi.
comentários(0)comente



Amigas da Literatura 02/03/2019

A história nos coloca em um futuro distante, onde homens conquistaram a galáxia e fundaram o império galáctico que já perdura há doze mil anos, quando um grande cientista, Hari Seldon, usa a psico-história (ciência que envolve história, sociologia e matemática estatística para prever acontecimentos futuros a partir de grandes massas populacionais, que é o caso do império galáctico) para prever a queda do império e o declínio da humanidade para um grande período de caos e barbárie que durará trinta mil anos.

Essa informação causa grande medo nos governantes, mas Seldon tinha uma solução para a diminuição desse período caótico: a enciclopédia galáctica. Essa enciclopédia reúne todo o conhecimento da humanidade para que não fosse perdido.

Seldon e seu grupo de cientistas são exilados nos confins da galáxia, no planeta Terminus, para prepararem sua enciclopédia, longe do centro do império. Lá, Seldon constrói uma sociedade e, mesmo após sua morte, o cientista continua orientando o planeta através de gravações que deveriam ser usadas nos períodos de crise e perigo.

Terminus passa por grandes dificuldades, principalmente após o fim do império, mas consegue - através da diplomacia, estratégia e política - se firmar como uma importante sociedade.

A Fundação é primeiro livro da trilogia, fala sobre evolução, poder, conhecimento, política, religião e como todas essas coisas podem ser usadas ao nosso favor nos trazendo crescimento; ou contra nós, nos trazendo a destruição.

site: https://www.instagram.com/p/Bmftq2wHQyk/
comentários(0)comente



Carolina 10/02/2019

Ótimas ideias, execução duvidosa!
Então, não gostei... sabe aquele livro que não fala por si só, pois é, a "proposta" não é entregue, foi assim que senti a leitura. Lendo comentários e vendo vídeos sobre a obra, ela se tornou muito mais interessante, porém, durante a leitura, não foi assim: achei mal escrito, truncado, confuso, sem desenvolvimento de personagens... bem chato.
comentários(0)comente



Timóteo 26/01/2019

Fundação - Fundação #1
Existem alguns livros que quando adquirimos o hábito de leitura é quase impossível não nos depararmos ao longo da vida. Quem gosta de Literatura Clássica Brasileira em algum momento da vida vai ler a Trilogia Realista de Machado de Assis. Quem gosta de Fantasia em algum momento vai ler O Senhor dos Anéis (ou pelo menos tentar). Quem gosta de livros Young-Adult com certeza lerá Harry Potter. Quem gosta de ficção científica, em algum momento vai ler Fundação.

Considerada a obra prima de Isaac Asimov, a trilogia Fundação certamente ajudou a definir o gênero de Ficção Científica. Acho até difícil encontrar algum paralelo para a importância dessa obra para o gênero (creio que apenas Duna, de Frank Herbert, e os romances de Philip K. Dick poderiam dividir a prateleira com essa obra). Provavelmente no ramo da ficção especulativa, o prêmio mais importante que um autor pode ganhar é o prêmio Hugo (farei uma postagem acerca desse prêmio nos mesmos moldes que fiz do Nebula ainda esse mês). Pois bem, o prêmio teve seu início em 1953, dois anos após a publicação do primeiro volume da trilogia na forma de livro, em 1951 (ele já havia sido publicado ao longo da década de 40 em revistas). Para corrigir o “erro” de algumas obras fundamentais não terem concorrido ao prêmio, em 1966 a World Science Fiction Society criou uma categoria especial chamada literalmente de “Melhor Série de Todos os Tempos”. A trilogia Fundação venceu essa categoria desbancando a série Barsoom, do Edgar Rice Burroughs (série que se inicia no livro A Princesa de Marte), História Futura, do Robert E. Heinlein e O Senhor dos Anéis, de J.R.R. Tolkien.

Pois bem, mas do que se trata o livro? O livro se inicia com a chegada de um matemático que recém obteve seu PhD chamado Gaal Dornick no planeta de Trantor, capital de um Império Galático de 12 mil anos. Gaal chega a Trantor para trabalhar em um projeto do lendário Hari Seldon, um matemático e psicólogo genial que, unindo as duas ciências foi capaz de desenvolver a Psico-História: Uma ciência capaz de, através de análises históricas, estatísticas e sociológicas, realizar previsões muito acuradas sobre o comportamento conglomerados humanos contendo um grande volume de pessoas.

Através das análises psico-historiográficas de Seldon, ele determina que o Império Galático irá colapsar em cerca de 300 anos e, após esse período a Galáxia enfrentaria aproximadamente 30 mil anos de Barbárie. Seldon também chega a conclusão de que parar o processo de declínio do Império é completamente impraticável, porém seria possível, com bastante esforço, reduzir os efeitos dessa queda. Surge aí A Fundação, um grupo de cerca de cem mil pessoas, em sua maioria cientistas, que deverão, ao longo do próximo milênio, minimizar os efeitos da Barbárie e lançar bases para o ressurgimento da civilização.

A estrutura do livro é de uma “fix-up novel”, uma novela construída através da união de várias histórias menores. O livro é composto de cinco partes e cada parte meio que funciona por si só e nos conta um acontecimento marcante na história da fundação. Os personagens irão mudar, pois essas cinco partes cobrem aproximadamente 200 anos de história, então os personagens que são protagonistas de uma parte, na outra parte serão velhos e na outra parte serão figuras históricas da fundação. O texto é narrado em terceira pessoa e é muitíssimo fluido. A maior parte do texto é composta por diálogos, o que geralmente fornece bastante dinamismo para a história. E mesmo sem lançar mão de extensas descrições, Asimov consegue nos transportar para os ambientes do livro de forma muito fácil: um dos melhores exemplos de “Show, don’t tell.” (Mostre, não conte.) disponíveis.

“As estrelas podem não mudar mesmo em séculos, mas fronteiras políticas são fluidas demais.”

Devido à própria estrutura do livro, os personagens não são largamente desenvolvidos. Em geral tem características bastante marcantes e possuem voz própria. Ao longo da leitura, pouquíssimas vezes precisei reler as falas porque não tinha certeza de quem estava falando, ainda que o livro seja em sua maioria composto justamente de diálogos. Já havia lido críticas duras ao Asimov em relação ao desenvolvimento dos personagens mas aqui, embora não seja a característica mais notável, achei longe de ser ruim. A qualidade dos diálogos do livro é boa também. É um livro que todos os aspectos contribuem para criar o cenário certo na sua mente, dar o tom exato da história.

12b93589fa545f20cc02e3f89c0d9585
Artista: Alexander Wells

Ao longo da leitura desse livro pude perceber um fenômeno curioso. Fundação foi meu primeiro contato com a obra de Isaac Asimov e em mais de um momento ao longo da leitura fui surpreendido com um sentimento de “nostalgia” pela história. Se isso não é um atestado do impacto que essa obra teve na formação do imaginário coletivo da ficção científica, eu não sei o que é.

O livro é curto, tem 240 páginas, é uma leitura bem rápida. Li na tradução do Fábio Fernandes, gostei bastante do texto. A edição da Aleph ainda tem um adendo: é a versão revisada pelo próprio Asimov no fim da década de 80. Explico: No fim da vida, Isaac Asimov decidiu organizar todos seus livros de ficção científica em uma mesma linha do tempo. A série Fundação seria uma parte fundamental desse universo unificado. Então ele fez algumas alterações, principalmente em questões de datas, para evitar incongruências. Essa edição é a primeira publicada no Brasil que contém essa adequação.

No momento de publicação dessa resenha se encontra em pré-venda, também pela editora Aleph, uma nova edição de colecionador da série. Essa edição conta com um volume único da Trilogia, bem como uma série de ilustrações do artista Alexander Wells. Também está em produção pela Apple uma série de 10 episódios baseada na obra de Asimov para o serviço de streaming da empresa, em uma tentativa de rivalizar com as gigantes Netflix e Amazon. O estúdio responsável pela série de TV foi o mesmo responsável por Carbono Alterado, da Netflix.

Fundação é um clássico quase inigualável da Ficção Científica. Leitura obrigatória para quem é fã do gênero. Recomendadíssimo, tanto para curtir a história quanto para conhecer uma das maiores influências do gênero.



site: https://leitoresvigaristas.wordpress.com/2019/01/25/resenha-fundacao-isaac-asimov/
comentários(0)comente



Jon Snow 12/01/2019

A ficção cientifica em seu sentido mais puro.
O livro é simplesmente magistral, a forma com que Isaac Asimov cria a mitologia deste mundo, a forma com que a historia é contada, os personagens que apesar de não terem grandes capítulos conseguem ser fantásticos em suas ações e em suas respectivas personalidades, não a muito a escrever, apenas que esta obra é maravilhosa, obrigatória para todos os amantes da boa literatura, NOTA MÁXIMA!!!
comentários(0)comente



Dalves 16/11/2018

Diferente... acima de tudo, muito político!
Gostei bastante.

O livro descreve muitos contextos políticos, os quais, inclusive, se somam quase que inseparavelmente à ficção científica naturalmente embutida; como eu não estava muito preparado para este tipo de narrativa, demorei um pouco para me habituar.

A leitura até que corre de maneira fácil (o livro também não é muito extenso) mas os muitos detalhes, às vezes, acabam exigindo algumas releituras.

Recomendo. Porém, junto com a recomendação, envio um alerta para que você já se prepare para as inúmeras maquinações políticas (nem sempre dinâmica e divertidas) descritas no livro.

Status para a leitura do livro 2: ... loading!
comentários(0)comente



Bells 02/11/2018

Curioso
Não era nem um pouco o que eu estava esperando, mas mesmo assim me agradou. Gostei dos pulos de tempo e muitos personagens e estou curiosa para o final da série. Foi certamente um tipo de livro que nunca li antes, digo pela premissa e a maneira que a história é contada. Entretanto, como mulher, tenho que fazer uma ressalva grande sobre, pelo menos, esse primeiro volume. Durante 238 páginas, só fomos agraciados com a presença de apenas UMA personagem feminina, que não teve a mínima importancia e deve ter tido em torno de 5 falas como a ?esposa de alguem?. É inaceitavel, mesmo que tenha sido escrito no passado, que Isaac Asimov, um gênio, não tenha pensado que as mulheres ganhariam mais poder, autonomia e responsabilidade dentro de 12 mil anos no futuro. Chega a ter frases no livro como ?se os fogões pararem de funcionar, as mulheres vão enlouquecer?, como se daqui a 12 mil anos, o lugar de mulher ainda fosse apenas na cozinha. Além disso, houveram momentos durante o livro que o personagem precisava falar sobre um acontecimento com um personagem que já conhecia o acontecido. Mas como o leitor ainda não, o personagem o descrevia para um personagem que já sabia. Sou fã da frase de escritores: ?não conte, mostre!?. Esse defeito foi melhorando no decorrer do livro e não me atrapalhou tanto. Com relação aos pulos no tempo, achei interessante, mas ao começar mais uma fase do livro, ficava bem confusa no início, ainda mais sem saber qto tempo havia se passado, nem em que situação estávamos, o que ia sendo explicado lentamente. Mesmo com esses furos terríveis no livro, ainda achei que a leitura fluiu e me entreteu o suficiente para dar 4 estrelas.
Jeyziel 15/11/2018minha estante
No segundo livro tem uma protagonista mulher ^^.




Elberton 22/10/2018

É necessário ter bastante paciência
Conheci Azimov na época de escola com uma coleção de contos chamada "Mistérios". Desde então, venho procurado por livros do autor, pois adorei a temática ficção-científica futurística, mesmo que sejam livros escritos há algum tempo atrás.
Depare-me um dia com "Fundação", livro robusto e de aparência imponente, composto por uma trilogia. De cada já fiquei interessado e comprei em um sebo.
Comecei a ler e desisti por duas vezes.
Não duvido que seja um livro fantástico, tanto é que comprei as outras edições relacionadas a Fundação e pretendo ler todos, mas sabe, há algo realmente complicado nesse livro.
A estória se passa por um longo tempo, algo em torno de 1000 anos e nesse tempo, tudo se desenrola conforme previsto por um cientista, que afirmou que o império galáctico iria ruir.
Você é apresentado a tantos personagens que vivem suas vidas dentro desse período de 1000 anos que você se perde (pelo menos, eu me perdi um pouco). Eu ficava com a sensação de que havia deixado passar alguma informação importante, porque sempre ficava naquela "isso aconteceu com quem mesmo?".
É complicado se ater aos detalhes em uma história tão grandiosa, densamente povoada e tão longa, mas isso não é uma crítica, já que para contar essa história, é necessário que seja dessa maneira.
Termino essa resenha fajuta (fajuta porque eu ainda não li a obra completa) dizendo que eu quero e vou ler esse livro de cabo a rabo, mas é necessário ter bastante paciência e calma.
comentários(0)comente



Sandro Borges - Experiencia_Leitor 28/09/2018

Clássico!
Não é á toa que o livro é tido como um clássico. Muitas analogias e críticas aos costumes e estruturas sociais. Impossível terminar o livro igual como começou se você se permitir ler contextualizando. Livro bom é assim mesmo.
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



Alan Martins 22/07/2018

A queda do Império Galáctico
Título: Fundação
Autor: Isaac Asimov
Editora: Aleph
Ano: 2009
Páginas: 240
Tradução: Fábio Fernandes

“Nunca deixe seu senso moral impedir você de fazer o que é certo!” (ASIMOV, Isaac. Fundação. Aleph, 2009, p. 142)

Com um início promissor, cheio de reviravoltas, revelações e mistérios, ‘Fundação’ faz a famosa trilogia de Isaac Asimov começar de maneira bastante animadora, já deixando o leitor com vontade de conhecer os próximos livros.

BOM DOUTOR
Assim ficou carinhosamente conhecido Isaac Asimov, um dos maiores e mais populares escritores de ficção científica de todos os tempos. Ele nasceu na Rússia em 1920 e três anos depois sua família emigrou para os Estados Unidos, onde tornou-se um cidadão naturalizado em 1928.

Autor de séries de sucesso, como a ‘Trilogia da Fundação’ (que mais tarde transformou-se numa série, expandindo-se) e a série ‘Robôs’ (que inclui o livro ‘Eu, robô’), Asimov foi um dos mais proeminentes nomes da chamada Era de Ouro da Ficção Científica, ao lado de grandes nomes como Robert A. Heinlein (‘Tropas estelares’) e Arthur C. Clarke (‘2001: uma odisseia no espaço’).

Em 1966 a ‘Trilogia da Fundação’ venceu o prêmio Hugo de melhor série de ficção científica e fantasia de todos os tempos, desbancando concorrentes de peso como ‘O Senhor dos anéis’ de Tolkien. Isaac Asimov faleceu em 1992, por complicações causadas pelo vírus HIV, contraído em uma transfusão sanguínea, ao passar por uma cirurgia em 1983.

“Para ter sucesso, apenas o planejamento não é suficiente. Deve-se improvisar também.” p. 175

HUMANIDADE CONQUISTA A GALÁXIA
A história começa em Trantor, o planeta que é a capital do Império Galáctico, um império que já tem 12 mil anos de existência. A humanidade chegou a esse ponto, conseguiu conquistar e colonizar toda a Via Láctea, formando um vasto império, com um governo único e central.

Todavia, um império assim, tão vasto e tão antigo, pode ruir a qualquer momento (é o que a História nos mostra, vide o Império Romano). Hari Seldon, um psico-historiador, prevê a queda do Império Galáctico com sua Psico-história, uma nova ciência, uma espécie de psicologia capaz de prever eventos futuros, baseando-se em cálculos matemáticos e nos movimentos sociais e econômicos das massas.

Além de prever a queda do Império, Seldon também previu que a humanidade passaria por 30 mil anos de barbárie após esse evento. Para evitar isso, ele e seus colaboradores decidem criar a Fundação, uma colônia composta por cientistas que se encarregariam de escrever uma enciclopédia contento todo o conteúdo científico adquirido até então, o que evitaria que populações futuras ficassem “no escuro”.

Com o aval do imperador, essa Fundação é estabelecida no planeta Terminus, que fica na borda da Galáxia. Porém, os planos de Seldon guardam muitos outros segredos, que só serão descobertos décadas depois.

“Um inimigo conhecido é relativamente seguro.” p. 221

CONTOS CONTÍNUOS
O livro é dividido em cinco partes. Quatro dessas cinco partes foram publicadas na Astounding Science Fiction, na década de 1940, uma revista especializada na publicação de contos de ficção científica. Foi apenas em 1951 que esses contos foram reunidos e organizados de forma cronológica para a publicação em um único livro, sendo adicionada mais uma parte, que é a primeira parte de ‘Fundação’.

Cada parte (ou conto), é dividida em diversos capítulos, o que deixa a leitura bem dinâmica e rápida. O início acontece como descrito acima, com Hari Seldon propondo a criação da Fundação. As demais partes se passam alguns anos após a criação dessa Fundação, contando como ela se desenvolveu e os perigos que enfrentou nos primeiros tempos de existência.

Sendo assim, as partes não são diretamente conectadas, mas há um espaço de tempo entre uma e outra, seguindo um enredo, uma linha do tempo. Conhecemos diversos protagonistas, cada qual com suas respectivas virtudes, todos personagens cativantes, que despertam o interesse do leitor. Ao longo das narrativas, muitos segredos serão revelados e a Fundação enfrentará diversas crises. Não será fácil levar o plano de Seldon adiante.

“Insulina traz um diabético ao normal sem a menor necessidade de uma faca, mas apendicite precisa de uma cirurgia.” p. 94

SOBRE A EDIÇÃO
Edição comum. Brochura, capa com orelhas, miolo em papel Pólen Soft 80g/m². A diagramação poderia ser melhor, a fonte é um pouco pequena, mas também não chega a ser um problema. O design da capa é muito bacana, com a toda a série adotando o mesmo padrão.

Tradução de Fábio Fernandes, que já traduziu vários livros de ficção científica para a Aleph, obras de grandes autores como o próprio Asimov e Philip K. Dick. Um bom trabalho de tradução, feito por um profissional experiente. A edição já foi reimpressa mais de dez vezes (a minha foi a décima primeira), porém ainda há alguns erros que a revisão deixou passar.

“A verdade científica está além da lealdade e deslealdade.” p. 35

CONCLUSÃO
Um ótimo início para uma trilogia, apresentando um enredo muito interessante e personagens legais, que cativam o leitor, além de conter reviravoltas e mistérios que deixam a leitura empolgante. A escrita não é complicada, apesar de Isaac Asimov ter escrito alguns livros de Hard Sci-fi, a Trilogia da Fundação segue moldes mais leves, não há muitos termos técnicos ou complicados. Trata-se de uma grande aventura, recheada de elementos de mistério e intrigas políticas, com muitos diálogos, não sendo uma narrativa muito descritiva. Após essa leitura, fica fácil entender o porquê de muitos fãs considerarem Fundação a melhor série de ficção científica de todos os tempos. Não é apenas um livro de ficção científica, temos algumas reflexões econômicas e sociais que desempenham um papel importante no enredo, o que enriquece ainda mais essa aventura.

“Era infantil se sentir decepcionado, mas a infantilidade é uma coisa que acontece quase tão naturalmente a um homem quanto a uma criança […]” p. 15

Minha nota (de 0 a 5): 4,5

Alan Martins

Visite o blog para ler outras resenhas!

site: https://anatomiadapalavra.wordpress.com/2018/07/22/minhas-leituras-78-fundacao-isaac-asimov/
comentários(0)comente



Madaxe 30/06/2018

Uma Obra de Ficção Científica Inovadora
O livro é simplesmente incrível, ele lida com os problemas de disputa territorial, étnicos, políticos, etc, sem usar armas, apenas a velha política, religião e ciência como armas e sem uma única luta de verdade.

O livro me surpreendeu, além de Star Trek, nunca pensei ver uma obra de Ficção Científica que abordasse formas alternativa de solução de problemas, logo vou continuar lendo os outros livros da série Fundação.

Como sempre, o texto de Isaac Asimov é super simples e fluido, o entendimento da história é bem tranquilo, ele não se prende à técnicas científicas.

O livro é dividido em Capítulos e Subcapitulos, onde cada capítulo narra uma época diferente da Fundação e seu grande conflito é os homens inteligentes que usam seus neurónio para solucionar problemas que parecem não haver solução.

Tramas políticas, religiosas e comerciais são as armas destes homens para manipular os bastidores e derrubar os seus inimigos e evitar o domínio ou destruição da Fundação.

Que venha o livro "Fundação e o Império"...
comentários(0)comente



Fran 05/06/2018

Política e Ficção Científica
Resenha: Fundação de Isaac Asimov

Fundação é o primeiro livro de uma trilogia de Ficção Científica criada por Isaac Asimov e que se tornou um dos grandes clássicos do gênero sendo aclamada por crítica e público.

Nesse primeiro livro a humanidade conquistou toda a galáxia e ocupa diversos planetas do sistema e tudo isso é governado pelo Império Galáctico. Mas o cientista Hari Seldon faz uma previsão catastrófica que em alguns milhares de anos o Império vai ruir e a humanidade vai entrar em um período de barbárie.

Toda a história parte dessa premissa e Asimov nos conta sobre a queda e ascensão de um Império. É uma verdadeira aula de estratégia e jogo político. Todas as artimanhas que você já viu são mostradas no livro e tudo se passa em uma Space Opera com naves e tecnologia avançada.

Uma ótima leitura que me surpreendeu além do que eu esperava e me fez repensar a nossa sociedade e o sistema em que estamos inseridos. Uma leitura que discute ética, religião e mostra o jogo político da forma mais crua e real que já vi.

site: https://www.youtube.com/c/ProsaseAlgoMais
comentários(0)comente



Thiago 23/05/2018

Fundação, literalmente.
Ainda não havia lido nada de Asimov e com certeza esse livro conquistou meu interesse.
É fantástico a sensação que temos durante a leitura de "eu já vi isso em algm filme ou livro antes" e nos damos conta que na verdade Asimov foi a inspiração para tanta coisa. Uma leitura prazerosa, que exige do leitor o compromisso de buscar entender a história, não adianta ler e esperar que tudo acontecerá de forma clara.
É um livro sem pontos negativos, mantém alto nível de texto e literatura do início até a última página.
Kathlen 25/07/2018minha estante
Estou relendo, pois como parei faz tempo eu nem ia me lembrar. Pretendo terminar essa trilogia. Asimov é maravilhoso




MoisesMota 01/05/2018

Livro maravilhoso
Asimov é genial, quanta coisa há nessa história que é atual. O livro levanta diversas discussões, é incrível como tudo se encaixa nesse universo que ele criou e como a narrativa te prende.
comentários(0)comente



105 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7