A Probabilidade Estatística do Amor à Primeira Vista

A Probabilidade Estatística do Amor à Primeira Vista Jennifer E. Smith




Resenhas - A Probabilidade Estatística do Amor À Primeira Vista


445 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 |


Isabelle 01/06/2018

Surpreendente
Iniciei a leitura achando que seria só um romance adolescente bobo. Estava enganada; a história trata de temas muito mais profundos. Você consegue entrar na vida e nas emoções dos protagonistas. Apesar das coisas entre eles acontecerem rápido o romance é muito bem explicado, acredito que pelas circunstâncias em que se conheceram. Acho que faltou um pouco apenas do protagonista masculino.
comentários(0)comente



Lois 18/05/2018

"Será melhor ter alguma coisa e perdê-la, ou nunca a ter tido?”

É um livro amorzinho. Ele é curto, fácil de ler e fofo. Mas apesar disso, e apesar de ser protagonizado por adolescentes, não é um livro bobo. Ele também trata, de uma maneira mais leve, problemas e relações familiares e como isso pode afetar a nossa vida, como momentos perdidos podem nunca ser recuperados e como o silêncio pode se tornar muito pior do que palavras duras que foram ditas.

“Apesar de saber que não passava de uma coleção de minutos, um após o outro, nunca percebeu, como hoje, o fato de que minutos viram horas, de que meses poderiam rapidamente ter virado anos, o quão perto esteve de perder uma coisa muito importante para o movimento incessante do tempo.”

Todo um pedaço da sua vida pode ser quebrado sem você ter culpa nenhuma nisso, sem partir de você. Mostra como tudo o que você conhece, tudo o que você está habituado, pode ser modificado sem a sua permissão, sem o seu conhecimento... Como as decisões de outras pessoas podem transformar a sua vida. Da mesma forma que poucos minutos podem fazer a diferença, da mesma forma que uma pessoa desconhecida pode mudar tudo, da mesma forma que algo inesperado pode acontecer e melhorar tudo... tornar tudo mais leve e mais fácil.

“É de muita utilidade nesse mundo aquele que torna mais leves os sofrimentos do outro.”

Nos mostra como na vida sempre há dois lados. Como nem sempre tudo está perdido e como a gente deve tentar. Sempre. Porque o desconhecido nunca vai fazer a diferença, se você simplesmente escolher não falar, não fazer... Você nunca vai saber.

As questões familiares talvez tenham me apertado o coração mais que o normal, talvez tenham mexido comigo mais do que normalmente aconteceria, por questões pessoais. Mas gostei da abordagem da Jennifer com esse tema.

“No final das contas, não são as mudanças que partem o coração, e sim esse quê de familiaridade.”

É um livro ótimo! Ele vai te tirar da ressaca literária e não só isso, vai aquecer seu coração e com certeza acrescentar algo de positivo na sua vida.

Só não dei uma nota maior porque acho que ela deveria ter acrescentado mais algumas páginas e dado um pouco mais de espaço para o desenrolar do final...

“Há dias, nesta vida, dignos da vida e outros, dignos da morte.”

Nota: 4.0
Tamy 10/06/2018minha estante
o livro tem cenas de sexo //?/





Vivi 01/05/2018

Encantador
Um livro muito Bom, com uma história encantadora... mas eu queria mais... o final foi muito curto e sem detalhes.
comentários(0)comente



Dani 07/04/2018

A probabilidade estatística de se gostar de um livro à primeira vista
Sem delongas, que livro mais gracinha!
Eu entrei em 2018 com um bloqueio literário e simplesmente não sabia por onde começar!
Peguei este sem muitas expectativas e em pouco tempo, finalizei a leitura com um sorriso bobo no rosto.
Adorei o fato do livro não ter todo aquele "mimimi" por se ter personagens adolescentes. Entendo Hadley, imagina ter seu pai, a pessoa que você mais ama "arrancado" de sua vida? Não vi drama desnecessáeio na história,.pelo contrário, vi dramas bem reais que só quem.passou por isso, entende.
O que dizer de Oliver? Ele com certeza seria o tipo de cara que ganharia fácil meu coração (e que, de fato, ganhou).
História na medida certa, leitura gostosa e que me motivou enfim, minha saga de leituras!
Super recomendo!
comentários(0)comente



letih 03/04/2018

Leitura leve e gostosa, daquelas que aquece o coração. Muito simples, fácil de ler e bem escrita. Os personagens são fáceis de se relacionar visto que passam por situações reais/palpáveis, mesmo que não concorde com todas as atitudes.
comentários(0)comente



Biahhy 30/03/2018

24 horas e a probabilidade estatística do amor a primeira vista
Fofura é o que define essa história de amor escrita por Jennifer E. Smith não só pela sua escrita maravilhosa, mas como ela conseguiu conectar cada ponto da história e nos deixar apaixonada por Hadley e Oliver. Pode ser difícil imaginar mas 7 horas ou se considerando até menos do que isso na companhia de alguém pode mudar muita coisa no seu dia e na sua própria vida o que acaba acontecendo com Hadley e Oliver. Quando os dois se encontram no aeroporto ela depois de ter perdido um voo e uma ligação começa a crescer entre eles.

Provando que nem tudo que as pessoas dizem acontecer realmente acontecem, que em situações mais inusitadas possíveis você pode encontrar um amigo,companheiro e até mesmo um amor que aparece e o sentimento se constrói pelas pequenas coisas que a pessoa fala, faz ou até mesmo deixa por demonstrar.


Com uma escrita simplesmente linda, leve e divertida conhecemos não só o presente dos personagens, como um pouco da história de Hadley com a família, principalmente com o pai e a mágoa que ela tem querendo ou não dele e como Oliver muda muita coisa para ela tudo em 24 horas. Com a probabilidade estatística do amor a primeira vista comprovada!!!
comentários(0)comente



Jéssica | @_literacia 18/03/2018

Um amorzinho de livro!
"Quem diria que quatro minutos poderiam mudar tudo?"
_
Chegou o dia de Hadley enfrentar o que mais andava temendo: sua viagem para o casamento do pai em Londres. Ainda ressentida pela separação dos pais, tudo o que Hadley mais quer é não ter que viajar para Londres e ver seu pai se casando com uma mulher que ela nem conhece. E por míseros 4 minutos é o que ela acha que vai acontecer, porque perde seu vôo. Mas a essa altura, já desistiu de abandonar o casamento e magoar os pais, e se vê obrigada a esperar o próximo vôo.

Nessa espera interminável conhece o encantador e bem-humorado Oliver, que se torna um ótimo companheiro nessa viagem que tinha tudo para ser desastrosa.
_
"As pessoas que se encontram em aeroportos têm 72 por cento mais chance de se apaixonarem que as pessoas que se encontram em outros lugares"
_
Pode ser que os dois nunca mais se vejam, mas também pode ser que este encontro mude a vida de ambos...
_
"Quando você chega ao final dos 52 anos, parece que foram apenas 52 minutos. Da mesma maneira que quando você é jovem e está apaixonado, sete horas num avião pós parecer uma eternidade."
_

Jennifer E. Smith criou uma história romântica, leve, divertida e que ainda tem um toque reflexivo.
O livro não é um mero envolvimento romântico, antes disso existe amizade e ainda o enfrentamento dos dramas familiares de ambos.

Além disso, é uma leitura super rápida, em umas 3 horas você lê tudo.

Um livro ótimo que recomendo a todas as idades!
_
"O amor é a coisa mais estranha e sem lógica do mundo"
comentários(0)comente



brunauemura 16/03/2018

Recomendado para ressacas literárias
Este é aquele livro que te tira da ressaca. Com certeza não é um livro que marcou a minha vida. Depois de algum tempo já tinha até esquecido do casal. Mas foi bom porque me prendeu de um jeito que nenhum livro tinha me prendido há um tempo (li hoje durante tarde).
A história é da Hadley, que foi obrigada pela mãe a ir para o casamento (os pais são separados) do pai com a tal Charlotte, com quem tinha muito desgosto (na verdade, tinha do pai e da noiva). Após uma série de coisas que a fizeram se atrasar 4 minutos, Hadley perde o vôo. É aí que a mocinha encontra Oliver, um garoto bonito e galanteador, que ajuda ela com as malas e consegue tirar todos esses pensamentos ruins da garota. É perceptível no começo que ele também tem problemas, mas o mundo pode estar despencando e os dois estão rindo quando estão juntos.
A história é narrada por Hadley, e não achei que foi preciso ter um ponto de vista do Oliver. A capa (desculpa mesmo por isso) é horrorosa e não tem nada a ver com o livro, tanto esses sapatos, que na verdade são mencionados outros na narrativa e a vestimenta. Meu deus! Eles poderiam ter muito bem mantido a capa internacional. Esse vestido branco só pode ter vindo de Marte, porque na história o vestido vai até os joelhos e é de SEDA, e não de tule. Aff.
Bom, de qualquer jeito, o livro poderia ganhar o prêmio de casos de família (quero dizer de um jeito bom, porque estava procurando exatamente isso) e provavelmente vai cair um cisco no olho, então prepara um lencinho porque algumas cenas são de apertar o coração e arder os olhos.
O livro foi bem genial, apesar de nunca tinha lido um livro com esse problema de atraso de avião para a mocinha conhecer o mocinho, apesar de saber que é meio clichê. Recomendo para todos, pois tem casos de família, romance e reflexões!

Aproveite a viagem!

============================SPOILER!===================================
NÃO LEIA DAQUI PARA BAIXO SE NÃO QUISER SPOILER!

Sinceramente, achei o final um pouco decepcionante. Poderia ter algo a mais no final, mas achei que valeu a pena ler. Como disse lá em cima, o livro me prendeu muito e não consegui largar de vez! Às vezes o coração apertava, e era um pouco melancólico por causa das frases e reflexões. O casal é fofo, mas o final exigiu uma estrelinha a menos. Para você que está lendo isso pra procurar spoilers- eles ficam juntos, e é fofo, mas esperava mais, mas recomendo, o final é um pequeno detalhe. Adorei o nome do título! O final foi bem fechadinho, sem deixar fios soltos e tudo se resolveu direitinho. Foi um amorzinho o primeiro beijo deles e adorei os personagens (todos, pra falar a verdade!), principalmente o pai dela e a velhinha do avião, apesar de ter sentido muita raiva do pai. Poderiam ter deixado algum gancho para ter um spin-off da história amorosa da Violet, ela se decepcionando e descobrindo novas coisas e surgindo uma nova opinião na sua mente.
Gabriela.Sofia 20/03/2018minha estante
Casos de família ?


brunauemura 22/03/2018minha estante
Sim... Haha, o prêmio do programa Casos de Família...




Maria.Fernanda 03/03/2018

O que falar desse livro tão amorzinho que esquentou meu coração? Nem parece que é a mesma autora de A Geografia de Nós Dois (que foi uma decepção para mim). Foi uma leitura tão rápida quanto Tudo e Todas as Coisas e com certeza é um livro que eu indico. Achei o livro tão delicado e tão fofinho, tudo na medida certa e traz uma temática muito importante que é a separação dos pais, o sentimento de abandono, só que sem ser pesado demais, então para quem está na adolescência e quer ler algo sobre o assunto, super aconselho.
O livro é narrado em terceira pessoa e é, teoricamente, passado num período de 24 horas. Mas teoricamente por quê? Durante a leitura, a personagem principal vai lembrando momentos de sua infância e adolescência com os pais e por isso a linha do tempo vai se alternando, porém, a história principal se passa dentro de 24 horas.
Acabei dando 4 estrelas para ele porque tenho problemas com narrativas em terceira pessoa, mas é um livro que eu recomendo para todo mundo que gosta de um romance levinho e que não é forçado e para todas as pessoas que tiveram dificuldades em lidar com a separação dos pais.


site: https://www.instagram.com/formiguinhasliterarias/
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



Mands 07/02/2018

A Probabilidade Estatística do amor a primeira vista
Um livro leve, escrita boa, não tem muito aquele romance meloso. Gostei de que o autor focou mais na história da garota do que no romance propriamente dito, mas para quem queria ver o romance, não se preocupe que tem sim e as últimas páginas são bastante cativantes.
comentários(0)comente



Débora Pizzio 25/01/2018

Infelizmente, não gostei tanto como esperava. Sempre ouvi falar muito bem desse livro e achei que seria um romance maravilhoso. Entretanto, foi bem água com açúcar. O livro girou mais em torno da história com o pai dela. E eu acredito que as pessoas podem se apaixonar rapidamente, mas do jeito que é colocado parece que eles eram muito íntimos e que a menina tinha sofrido muito pelo menino, sendo que eles ficaram juntos por algumas horas e foi isso. Então no final eu achei tudo muito forçado e clichê. O bom é que esse livro dá para ler bem rápido e flui bem, então é uma leitura ok de se fazer.
comentários(0)comente



Luciana 16/01/2018

A Probabilidade Estatística do Amor a Primeira Vista, Jennifer E. Smith
O que pode acontecer por causa de um atraso de 4 minutos? E se Hadley não tivesse perdido seu voo? E se ela não tivesse aceitado ir ao casamento de seu pai? E se? São tantas dúvidas e pensamentos perdidos, que no final, até podemos acreditar em probabilidades ou simplesmente no destino. O que você acha? Eu acredito que tudo na vida tem um propósito e neste livro Hadley e Oliver se encontraram por algum objetivo. Com certeza não foi por acaso, pois diante de seus próprios problemas e dilemas, cada um conseguiu a sua maneira, ajudar um ao outro. Por coincidência ou não, os dois acabam se sentando um do lado do outro, dentro do avião destinado à Londres. Neste percurso, eles conversaram bastante e acabaram, inevitavelmente, se envolvendo mais do que imaginavam que fosse possível. O leitor se vê totalmente envolvido nesses diálogos dinâmicos, sendo que faz uma aproximação e deixa a narração bem mais leve, divertida e ágil.

Até metade do livro, vemos nascer uma amizade entre estes dois adolescentes desconhecidos, que declaram os seus motivos de viagens, ambos bem íntimos. Hadley vai ao casamento do pai, que não o vê há mais de um ano e nem conhece Charlotte, a sua futura madrasta. Oliver afirma que também vai a um casamento mas numa localidade diferente, por isso é impossível comparecerem ao mesmo. Quando ambos aterram, a despedida aproxima-se e num ato impulsivo, os jovens beijam-se e separam-se. Não há promessas, nem trocas de números de telefone, e-mail, nem revelações de apelidos. Apenas sabem o nome um do outro e que de alguma forma estão apaixonados. Cada um segue a sua vida e passamos a acompanhar Hadley que mesmo atrasada, apresenta-se no casamento, mas não se sente bem pois tudo em que consegue pensar é em Oliver e numa forma de encontra-lo. E será que consegue?
No entanto, os dois ficam calados. Um minuto se passa, depois outro, e, depois de certo tempo em silêncio, começam a rir. - pág. 80
Jennifer nos envolve em uma realidade na qual o acaso faz uma parte do trabalho, e o amor, a esperança de um reencontro, faz a outra. A simplicidade das conversas e das situações dão ao livro um ar diferente, arrisco dizer que mais bonito e apresentam aos leitores uma pureza pautada em sentimentos despertos de forma tão rápida e, incrivelmente, tão verdadeira. Não se trata de personagens muito complexos e profundos. Não tomamos conhecimento do que vai além do necessário. Não passamos páginas apreciando uma enrolação gostosa. Lemos fatos, o importante para justificar a viagem e os sentimentos de Hadley (e até mesmo de Oliver, ainda que não em sua totalidade). Jennifer mostra uma transformação, explica como tudo que precisamos é apoio. Resumindo em uma frase presente no próprio livro, mesmo que retirada de "Nosso Amigo Comum", último romance completo de Dickens: "É de muita utilidade neste mundo aquele que torna mais leves os sofrimentos dos outros." Talvez o amor seja simples. Talvez o importante seja entender como, em sua complexidade aparente, ele pode ser belo. E, talvez, Oliver e Hadley sejam um pouco de tudo que realmente procuramos em uma relação. Não porque na sua forma são perfeitos, mas porque notamos que não o são.
Há dias, nesta vida, dignos da vida, e outros, dignos da morte. - Charles Dickens " Nosso Amigo Comum"
A trama se passa em exatamente 24 horas A diagramação do livro está perfeita e de primeiro momento, me vi encantada pela capa do livro e até pelo título, que mesmo sendo grande para os conceitos habituais, exerce uma grande influencia para os leitores. O livro é fofo e aconchegante ao mesmo tempo, a forma como a autora nos envolve em sua reta final nos mostra que ainda podemos nos impressionar com os finais literários, que nem toda história é um clichê. Eu super indico o livro para quem gosta de uma leitura leve e encantadora ao mesmo tempo.

site: www.ventosdemaio.com
comentários(0)comente



Cristina 07/01/2018

“Detesto aeroportos.
— Sério? — pergunta Oliver. — Amo aeroportos.
Hadley fica na dúvida se ainda está zombando dela, mas ele continua a falar com seriedade.
— Eu gosto da sensação de não estar nem lá nem cá. E de que é um lugar para se esperar por alguma coisa. Você fica meio... em suspenso.”

“E agora ia se casar com uma mulher qualquer, como se nada disso tivesse importância. Como se fosse mais fácil começar tudo de novo do que consertar o que havia sido estragado.”

“Leva certo tempo entre a ferroada, a dor e a consciência do que aconteceu”

“— Então como consegue entrar em aviões?
Hadley encolhe os ombros.
— Fico com medo e torço para que dê tudo certo.
— Boa tática — responde ele, rindo. — Funciona?”

“— Não, é que você está me zoando.
— Um pouco, talvez — diz com um sorriso —, mas estou conseguindo?
— Conseguindo me deixar com vontade de te dar um tapa?
— Não — responde com calma —, conseguindo distrair você.
— Do quê?
— Da sua claustrofobia.
Ela sorri para ele agradecida.
— Um pouco — responde —, se bem que piora quando o avião está no ar.
— Por quê? — pergunta ele. — Tem bastante espaço lá em cima.
— Mas não tem para onde fugir.
— Ah, então você está procurando uma saída.
Hadley concorda.
— Sempre.”

“Para Hadley, não havia meio-termo: era tudo ou nada, sem lógica, sem pensar, mesmo que no fundo soubesse que não seria tão difícil, apesar de tudo ser impossível.”

“— O que você quer ser quando crescer?
Ela franziu o rosto.
— Que pergunta de criança.
— Não necessariamente — disse ele. — Todo mundo tem que ser alguma coisa um dia.
— O que você quer ser?
Ele encolheu os ombros.
— Perguntei primeiro.
— Uma astronauta — disse ela. — Uma bailarina.
— Sério.
— Você não acha que eu posso ser uma astronauta?
— Você poderia ser a primeira bailarina na Lua.”

“Para Hadley — presa numa eterna luta entre tentar se lembrar e tentar se esquecer —, isso ajudou a fortalecer a ilusão de que estavam progredindo.”

“Neste instante, só deseja que as coisas fossem diferentes. Não da maneira como vem desejando há meses; não é um desejo amargo, meio ruim, mas o tipo de desejo que você faz de todo o coração. Ela não sabia que era possível sentir saudade de uma pessoa que está na sua frente, mas é: sente tanta falta dele que fica sem reação.”

“— O que você estuda de verdade?
Ele se afasta para olhar para ela.
— A probabilidade estatística do amor à primeira vista.”
comentários(0)comente



AB 23/12/2017

Bom, pra começar já vou dizendo que é um livro muito fácil de se ler, você vai sendo levado pela história e é ótimo quando o livro é assim.

Hadley começa sendo uma jovem comum revoltada com o segundo casamento do pai, porém ao decorrer da história ela vai aprendendo muito e revendo seus conceitos. Oliver é um garoto mega simpático e claro lindo.

O que acontece entre os dois é um elo logo de cara e enquanto conversam no avião e contam histórias um pro outro, eles desenvolvem em pouquíssimo tempo algo muito especial, que você vai gostar de descobrir junto com eles.

O livro que se passa em um dia, é simples e bonito, a melhor definição.

A resenha foi simples, só pra dizer pra vocês que vale a pena ler, no mais vocês descobriram lendo haha

site: http://www.abobrinhacomchocolate.com.br/2015/10/a-probabilidade-estatistica-do-amor.html
comentários(0)comente



445 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 |