Eu, meu pai e os meus outros amores

Eu, meu pai e os meus outros amores Lilian Reis




Resenhas - Eu, meu pai e os meus outros amores


42 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3


Bella Martins 02/11/2016

Resenha - Eu, meu pai e meus outros amores
Quantos tipos de amores existem? E quantos vocês, ou eu, conhecemos? Podemos enumerá-los? Amor de irmãos, amor fraterno, amor materno, amor paterno, amor de amigos, amor de pessoas inesquecíveis e tantos outros...
É estranho e, ao mesmo tempo, incrível falar do amor. Um sentimento puro, que chega de varias formas em nossas vidas. Podemos amar de tantas maneiras, que ele acaba nos consumindo e nos fazendo respirar de outros feitos e viver de outros tantos jeitos.

“Eu, meu pai e meus outros amores” retrata a vida de Jade, uma linda moça de 17 anos, nascida no Rio de Janeiro que, após perder sua mãe e seu padrasto em um terrível acidente de carro, se vê obrigada a morar com seu pai, com quem não convivia desde a infância, em uma fazenda no interior de Minas Gerais. Para Jade, que já estava sem chão por ter perdido sua mãe, melhor amiga e confidente, teria que se acostumar com uma nova vida, um novo mundo, onde não queria estar.
Após sua chegada na fazenda, Jade descobre que não será tão ruim assim morar em um lugar tão belo e aconchegante, mas muitas coisas a impedem de se adaptar. Uma delas é a magoa que sente por seu pai, por tê-la abandonado, não ter presenciado os momentos mais importantes de sua vida e por ter se dedicado aos filhos de sua segunda esposa.
Jade só quer ficar sozinha, mas todos parecem vigiá-la, e isso acabava fazendo com que ela trate todos muito mal. Porém, ela também não facilita e sempre que pode é mimada e irritante, se deixando levar pelo que quer sem pensar no próximo.
É difícil contar sobre o enredo sem colocar minha opinião em cada ponto. O comportamento de Jade em relação a todos, e principalmente a seu pai, Bernardo, é extremante mimado e irritante, mas, ao mesmo tempo, compreensível. Não sei se me entenderam! Mas, depois de tudo que ela sonhou em uma família perfeita, com um pai que a acompanhasse, como os de seus amigos, e ter a percepção de que aquilo nunca aconteceria, e se conformar com isso, ai depois ter seu mundo virado de cabeça para baixo e ser obrigada a conviver com Bernardo, é extremante confuso de se entender, e isso mexe com a cabeça de qualquer pessoa.
Com o tempo, Jade se conforma com a nova realidade e passa a entender como é ter um irmão, já que Eduardo, podendo ser chamado de Du ou Duke, um dos filhos de Isolda, atual esposa de seu pai, é extremamente carinhoso e amigo. Tenho que confessar, se eu não tivesse lido algumas resenhas e opiniões de leitores, diria que o Du seria o par amoroso de Jade, entretanto, à medida que a leitura ia fluindo, percebi o amor de irmão em suas palavras e atitudes que eram retratadas. E fiquei encantada em constatar como ele era perfeito e completava Jade nesse ponto.
Ela descobriu, também, um novo amor materno, e um amor verdadeiro, aquele que sempre sonhou: Fred. Com tantas descobertas, ela passa a aceitar seu pai e a entender os motivos de seu afastamento. E quando isso acontece, Jade tem seu mundo virado de cabeça para baixo novamente!
É tudo tão intenso do inicio ao fim. O enredo vai retratando a nova vida de Jade, sua adaptação em um novo lugar e as novas pessoas. E claro, a aceitação de seu pai, e o amor por Fred. Fiquei um pouco sentida pela autora não ter aprofundado tanto o romance de Jade com Fred, entretanto, pude perceber que o seu intuito era mostrar quantos tipos de amores podem envolver uma pessoa, e isso me encantou muito a cada página lida.

Sofri e ainda sofro de uma relação de amor e ódio com o Fred. Um cara legal, três anos mais velho que Jade, calado e misterioso, além de, como seu irmão, lindo de morrer, com aqueles olhos azuis. Jade e Du o comparam com o Damon, de The Vampire Diaries. Porém, apesar de ser mais velho que ela, suas atitudes parecem de um adolescente aprendendo a conhecer a vida, e não como um homem deveria ser. Há passagens onde é abordada a primeira vez de jade, e não consegui entender varias de suas atitudes, e isso me deixava extremamente irritada. Em alguns desses trechos, tive vontade de largar o livro por essa causa! Entretanto, em outras, como quando Jade passou por certas dificuldades, me sentia envolvida e amando Fred com as mesmas forças e possibilidades que Jade. Isso era tão confuso, e ainda é, já que nunca conheci um personagem assim!

“Eu, meu pai e meus outros amores” é narrado em primeira pessoa, muitas vezes do ponto de vista de Jade, mas vemos também pelos “olhos” de Fred, Bernardo, Duke e Isolda, seus modos de verem cada situação em relação a Jade. Dentro de suas 318 páginas, temos a percepção clara do amadurecimento de cada personagem, de como eles evoluem dentro de suas individualidades e como, juntos, realmente se tornam uma família, que cresce e se fortalece perante as dificuldades.

Outra coisa que não posso deixar de comentar é que já havia lido “A garota de treze”, que é o último livro publicado da autora Lilian Reis, e, após terminar “Eu, meu pai e meus outros amores”, que foi seu primeiro livro publicado, pude fazer a comparação da sua escrita, e fiquei impressionada com a evolução e claro seu “toque” de falar com perfeição sobre as fases da adolescência, sobre os paradigmas e conflitos que existem na cabeça da maioria das adolescentes.

Recomendo a todos os amantes de romances, aos leitores que buscam uma leitura fluida e ágil, e também aqueles que buscam um livro envolvente. Porque é isso que “Eu, meu pai e meus outros amores” proporciona: um romance de várias formas e jeitos, uma leitura rápida e envolvente.
comentários(0)comente



Dayana 07/03/2015

Fofinho!
Lilian Reis conseguiu a incrível façanha de me fazer gostar de TODOS personagens do livro.Achei incrível isso! A maneira que descrevia as sensações, sentimentos e razões dos personagens, foram muito bem construídos.Jade é uma garota rebelde, marrenta, mas é daquelas encrenqueiras que a gente adora.Ela é cativante, cheia de vontades e possuí uma forte ligação espiritual com seres divinos.Carrega uma imensa raiva do seu pai por tê-la "abandonado" e ao mesmo tempo nutri uma saudade imensa dele e tenta entender os motivos de seu pai para tal ato.Contudo, algo inesperado acontece e ela somente irá poder contar com a ajuda dele.Longe da cidade e de suas modernidades, a garota irá ter que viver com seu pai em uma fazenda em Minas Gerais.E é lá que ela apronta várias travessuras, faz as pazes com seu pai e seu passado, conhece a família que ele construiu depois de ter se separado de sua mãe e se vê diante de todas as formas de amores.De início achei a história comum e aquela velha sensação de que já tinha visto isso em algum lugar, porém, com a narração da história e apresentação dos personagens, esse pensamento ficaram para trás.O que posso dizer é que a história é única, fofa, simples, mas ao mesmo tempo grandiosa e emocionante.Achei a escrita da Lilian muito cativante e bem construída.É daquelas de você não querer parar de ler.Demorei um pouco lendo porque não queria me despedir dos personagens, que ganharam meu coração.
comentários(0)comente



Fernanda 10/01/2015

Olá querido leitores!

Eu, Meu Pai e Meus Outros Amores da escritora Lilian Reis é sua primeira obra publicada. Hoje vocês conhecerão mais esta obra nacional e espero que gostem. Pelo que sei ainda teremos mais dois livros. O segundo é “Amores Impossíveis”, só esperar para ver o que nos aguarda.

Neste primeiro livro conhecemos Jade. Ela é apenas uma garota revoltada, não com a vida, mas com o pai que a deixou há muito tempo. Ela o culpa pelo afastamento e a distância que ele mantém dela. Até porque a mãe falava muito mal dele e ela acabou crescendo e nutrindo um sentimento de raiva do pai. Mas, ao mesmo tempo, o queria por perto, embora o orgulho e a raiva não permitissem.


Um dia qualquer Jade, sua mãe e o padrasto Thomas sofrem um acidente. Antes da tragédia, Jade divagava em seus pensamentos românticos, pois acreditava no amor e quer encontrar o seu, assim como sua mãe encontrou. Não que tenha inveja dela, mas sim porque admira o amor entre sua mãe e Thomas.

Mas o que menos espera aconteceu e Jade perdeu as únicas pessoas que considerava sua família. Afinal de contas, ela nem ao menos se importou com o pai que a amava e que sempre se preocupou demasiadamente com ela. Um pai que sofreu por amar demais a filha e ter que deixá-la para trás, em busca de sua felicidade e seus sonhos, já que vivia um casamento fracassado e com tendências de piorar a cada dia.


Após as perdas, Jade ainda precisa enfrentar as mudanças que virão na sua vida. Ela sempre viveu na cidade e odeia a ideia de viver com o pai na fazenda. Mas como é menor de idade precisa aceitar, até que possa mandar em si mesma, mas as tragédias e as boas mudanças sempre trazem coisas novas e ela precisa se adaptar a tudo. Aprender a amar sua nova família, seus novos “irmãos”, sua casa e ainda aprender a perdoar o pai que esteve por muito tempo ausente.


Entretanto, ela é uma garota mimada e sempre maltrata as pessoas que apenas lhe quer bem. Sinceramente não a entendi, pois ao invés de se achegar a sua nova família, ela tenta de todas as formas afastarem e ficar se sentindo a vítima de tudo. E, nem ao menos pensa que as outras pessoas podem estar sofrendo tanto ou mais que ela.

Quanto aos outros personagens eu confesso que gostei muito do Du – Eduardo -, ele é romântico, lindo e divertido. Além de estar sempre disposto a ajudar. Mas o Fred é só um cara besta e lindo demais, mas isso não tira sua tolice. Em certos momentos eu até acreditei que ele forçaria a Jade a fazer coisas que ela não estava com vontade. Eles são os dois irmãos postiços da personagem e Du é quem mais se dá bem com ela, por ser extremamente divertido e acessível.


Em suma, não entendi se a autora Lilian quis levar o livro para o lado mais romântico, drama ou sobrenatural. Tem um pouco de cada coisa, mas fiquei meio perdida. O romance eu achei que ficou muito a desejar, pois às vezes me parecia que ia ter uma cena bacana, mas logo depois, não acontecia nada.

Bom, mas nos resta saber o que acontecerá entre Jade e Fred. Afinal de contas este amor meio maluco e possessivo dará frutos? Ou eles sempre fugirão um do outro e se maltratarão por acharem que um não gosta do outro? Venha ler e descobrir.

Resenha feita especialmente para o blog Lost Girly Girl por Fernanda do blog Amor Literário e Colaboradora do blog Lost Girly Girl - http://www.lostgirlygirl.com/2015/01/resenha-507-eu-meu-pai-e-meus-outros.html#sthash.xq7DoQgE.dpuf

site: http://www.lostgirlygirl.com/
comentários(0)comente



Fer - Mato Por Livros 13/07/2014

Superação, amizade, amor...
Sua vida estava desmoronando.

Parece que o sofrimento de uma vida toda viria a tona de uma só vez.

Quando tudo isso iria acabar?

Quando Jade poderia voltar a sorrir?



Jade tinha a vida perfeita, ou quase perfeita.

Morava com sua mãe, que além de mãe era uma ótima amiga e com seu padrasto, com o qual se dava muito bem. Adorava sua vida no Rio de Janeiro, e gostava muito de seus amigos, principalmente de sua melhor amiga, Melissa. Mas o que faltava para completar sua vida era o amor de seu pai. Jade sentia muita falta dele, e desde que havia se separado de sua mãe, ela o havia visitado poucas vezes, não gostava do lugar que ele morava, e não achava que ele ainda a amasse como antes. Apesar dessa grande dor, Jade tinha uma vida quase plena.



Até que um trágico acidente porá um fio em tudo o que Jade amava e tudo o que fazia parte de sua vida.

A vida de sua mãe e seu padrasto se foi naquele terrível acidente e apesar dela ainda estar viva, não se sentia assim, sua vida se foi junto com eles naquele dia.



Sem ter para quem ou para onde voltar, Jade se vê obrigada a se mudar com seu pai para a fazenda onde ele vive, e conviver com sua nova família.

Toda sua vida ficou para trás, junto com sua felicidade...



Jade precisa aceitar que tudo mudou, e de que sua vida precisa de uma nova chance, mas como se adaptar aquele novo mundo?



Para sua sorte seu novo “irmão”, Duke, filho da sua madrasta, a esposa de seu pai, é um encanto, e se mostra um grande amigo, logo eles estão muito próximos, e essa amizade cresce a cada dia, fazendo com que assim, Jade se recupere um pouco de seus dramas.

O que ela não contava era que teria tantos problemas com Fred, irmão de Duke, porque ele não pode ser como o irmão, porque insiste em atormentá-la? E fazer da sua vida um inferno?



Jade faz de tudo para mudar a convivência entre eles. Fred também não entende porque se comporta como um canalha. Mas ambos, entre erros e acertos, podem vir a conhecer algo maravilhoso. Pena que os sofrimentos de Jade parecem não ter mais fim...





Eu gostei muito da história. Jade e Duke são meus personagens preferidos. Apesar de entender um pouco do comportamento de Fred, minha nossa, acho abominável algumas de suas atitudes e fico meio chateada com ele. Mesmo assim torço para que as coisas deem certo. Mas mesmo assim prefiro Duke a ele, rs.



A história é bem construída, e adoro o tema familiar envolvido com o restante da história. Ver o amadurecimento de Jade junto com suas mudanças de humor, nos faz ver o quanto somos mesmo suscetíveis a tudo o que acontece em nossa volta, e por mais que sejamos fortes, em alguns momentos e inevitável deixar que a dor nos derrube.



Acompanho os sorrisos e as lágrimas, de Jade junto com ela. E torço para que tanto sofrimento acabe logo.



Leila Reis construiu uma ótima história, mas em alguns momentos me sinto meio perdida, alguns pontos da narrativa são meio confusos, e acontecem alguns erros. A narrativa acontece sob o ponto de vista de cada personagem, em sua maioria de Jade e Fred, mas parecem que esses papéis se confundem as vezes. Em alguns momentos também a história dá alguns saltos, tudo acontece meio que rápido demais.

Mas mesmo assim a história flui muito bem, e ficamos presos aos acontecimentos na vida desses personagens. Estou louca para ler a continuação, mas confesso que pelo que li na sinopse estou com um pouco de medo. Mas isso é ótimo afinal o bom da história é nos surpreendermos.

site: http://www.matoporlivros.com.br/
comentários(0)comente



Camilla 20/06/2014

Resenha postada no blog Segredos e Sussurros entre Livros
Uma surpresa deliciosa: é o que eu diria sobre Eu, meu pai e meus outros amores. O nacional escrito pela Lilian Reis e publicado pelo selo Novos Talentos da Literatura Brasileira é um exemplar que, ao contrário de algumas leituras do selo, agrada bastante até mesmo na parte da revisão, que costuma ser falha nesses casos. Trata-se de um romance com um pequeno indício de paranormalidade, mas acima de tudo, de um amor muito específico como o dos pais e filhos.

Jade está quase terminando o Ensino Médio, mas quando acha que só tem a comemorar, uma tragédia a encontra, levando sua família. Seu pai, um fazendeiro, vem para levá-la com ele para o interior, algo que a deixa apavorada, porém sem escolha. Logo, a garota se vê distante do mar, do ballet moderno, de sua melhor amiga e tendo que lidar com a saudade em um lugar que nunca curtiu. Na fazenda, Jade terá que conviver com a madrasta, Isolda e seus dois filhos, Du e Fred. Estes dois, aliás, serão parte da diversão, e das encrencas que parecem farejar a garota à distância...

Basicamente, a história, narrada em primeira pessoa pela própria Jade, aborda sua relação com a nova família e sua evolução após a perda de quem mais amava. Mimada e magoada com o pai, ela age com relutância, repelindo qualquer contato de carinho da parte de Bernardo (seu pai). Aos poucos, naturalmente, algumas coisas vão mudando, mas tudo tem seu preço. Ao mesmo tempo, um certo romance parece surgir, mas complicado. Jade pretende terminar a escola e, assim que completar 18 anos, voltar para o Rio e recomeçar sua vida no lugar ao qual pertence, mas vários fatores prometem atrapalhar sua decisão.

De uma forma geral, gostei muito do livro, que aliás ainda está em promoção na Saraiva Online, especialmente por se tratar de uma história bem finalizada. Os personagens são encantadores e o desenrolar dos fatos é bem natural.

Como de praxe, por ser resenha de um livro lido durante a maratona literária #EuSouDoideira, escolhi a música que mais relacionei ao livro, neste caso, Never Grow Up, da Taylor Swift.

“Tire fotos na sua mente do seu quarto de infância
Memorize o som de quando seu pai chega em casa
Se lembre dos passos, lembre-se das palavras ditas
E todos as músicas preferidas do seu irmão menor
Eu acabei de me dar conta de que tudo que tenho um dia irá embora...”

(Trecho traduzido de Never Grow Up)



site: http://ssentrelivros.blogspot.com.br/
comentários(0)comente



Amanda's Tale 10/05/2014

Resenha do Amanda's Tale

Olá queridos leitores, tudo bem? Então, venho trazer mais uma resenha para vocês, é de um livro brasileiro que comprei em uma promoção que houve na saraiva, o livro estava apenas R$10,00 reais sem frete, então não pude perder tempo em comprar, tinha ficado com aquela vontade de ler, pois a capa e a sinopse me chamaram atenção.
Porém, quando o livro chegou eu me desanimei e a vontade desapareceu, porém, depois de alguns meses eu decidi ler. Vamos ao assunto do livro?
Nesse livro temos como protagonista a personagem Jade, que acaba de passar por um trágico acidente que acaba por levar sua mãe e seu padrasto que ela tanto amava. Assim, Jade entra em uma crise, com pesadelos e tudo mais. Até que seu pai que ela considera que a abandonou, volta em sua vida, dizendo que ela terá que morar com ele em sua fazenda.
Jade não gosta nenhum pouco dessa novidade, porém, como ela é menor de idade terá que ir contra a sua vontade. Ela chega a fazenda e é recebida por sua doce madrasta Isolda e depois de um tempo ela conhece os dois filhos da mesma Fred o irmão mais velho, sério, porém, muito bonito e Duke mais novo, engraçado, que logo vira amigo de Jade.
A protagonista faz de tudo para se afastar do pai, vive reclamando de tudo. E sempre se mete em encrenca, e é sempre salva por Fred, um garoto que aos poucos ela vai sentido uma grande antipatia e uma grande atração. Será que eles se renderam à paixão?
Bom, o livro não me agradou tanto, pois, me decepcionou em alguns quesitos, algumas cenas eu achei forçada demais, desnecessária demais, nada haver demais, porém, houve cenas que me comoveu e fez com que eu ficasse triste.
Eu até pude entender a tristeza de Jade, mas teve momentos que ela parecia uma menina mimada, que queria que tudo fosse do seu jeito.
A capa é bonita, porém não tem haver com os personagens do livro, a diagramação é simples, na estória há visão de outros personagens, porém, a maioria das cenas é pela visão da Jade, as folhas são amarelas, a numeração das páginas é simples,à direita embaixo possui uma linguagem simples, não recomendo para crianças pois tem princípios de cenas inadequada para menores.
O livro trás assuntos como: perda, família, amizade, amor, primeira vez, descobertas... É um livro bem leve. Espero que vocês tenham gostado, beijos, até o próximo post.

Título: Eu, meu pai e meus outros amores
Editora: Novo Século (selo novos talentos)
Edição: 1° - 2012
Gênero: Romance/ literatura brasileira
Páginas: 318
Avaliação: 3/5
ISBN: 978-85-7679-850-7


site: amandastale.blogspot.com
comentários(0)comente



LetíciaBaldez 16/04/2014

[Resenha] #Eu, meu pai e meus outros amores
Jade é uma garota que sente muita mágoa do pai, que foi embora e se separou de sua mãe quando ela era criança. Um dia Jade, sua mãe e padrasto voltam de uma festa de casamento, e eles sofrem um terrível acidente, que mata a mãe e o padrasto que ela tanto amava.

“Queria estar com você cada milésimo de segundo, queria sentir seu perfume e tocar sua pele macia, queria tantas coisas, no entanto consigo apenas alguns minutos e só assim, com você dormindo, embora mesmo sendo apenas assim, tá valendo”!

Jade fica em coma por vinte e oito dias, quando acorda seu pai está lá apoiando-a depois de tudo que aconteceu. Ela não gosta nada da presença dele e fica muito incomodada com sua doçura ao trata-la com carinho. Ela descobre que sua família morreu e fica completamente arrasada sem saber o que fazer.

“Meu pesadelo começou quando perdi minha mãe”.

Mas seu pai tem a solução, vai leva-la para Minas Gerais para morar junto dele, da esposa e dos filhos dela na fazenda. Ela não quer ir de forma alguma, mas ainda é menor de idade e não pode ficar sozinha na cidade, sem um adulto responsável.



Depois de muita conversa Jade não tem escolha e viaja com o pai para Minas e por consequência, passa a viver na fazenda. Chegando lá ela conhece a esposa do pai, que se mostra uma mulher muito gentil e educada. Jade aos poucos vai se instalando na fazenda e faz amizade com o filho mais novo de sua madrasta. Eduardo, mas todos o chamam de Duke ou Du.

“Houve um tempo eu que eu era um homem e ela, uma mulher, mas nosso amor cresceu até não existir mais nem ela nem eu. Lembro-me apenas vagamente que antes éramos dois e que o amor, intrometendo- se, nos tornou um só”. (Poema persa)

Ambos cultivam uma forte amizade pelo outro, mas com Frederico ou Fred, Jade já não tem a mesma afinidade. Fred é um rapaz sério e Jade passa boa parte do livro achando que ele a desteta. Mas na verdade ele é muito tímido e não tem a cara de pau do irmão que já foi fazendo amizade de cara com ela.

“Um detalhe: não pude ficar com você e é por isso que não somos próximos, mas te amo, filha! Sempre a amei e agora espero que sejamos amigos. Espero que me ame tanto quanto te amo”.

Jade começa a se adaptar a nova vida e graças a Du ela vai começando a se sentir parte da nova família que ela entrou. Aos poucos tudo começa a se encaixar e seu relacionamento conturbado com o pai só fica melhor depois da metade do livro.

Bom gente, eu fiquei um pouco decepcionada quando terminei de ler este livro, não que o livro seja horrível, mas acho que coloquei muita expectativa e não consegui gostar tanto quando achei que fosse.

A protagonista só falava mal do pai, em quase todas as cenas, chegava a ser enjoado, parecia forçado. Ela não conseguiu me cativar como protagonista, a achei um pouco previsível saindo a toda hora e se perdendo como se fosse uma criancinha.

Faltou desenvolvimento em cenas importantes, algumas cenas ficaram vagas e não conseguiram me comover. Fred que eu amei desde o início tomou uma atitude que me desapontou muito, ele parecia um príncipe, mas pra mim virou sapo.

Não gostei do final do livro, mas quando terminei de lê-lo, percebi que Duke se transformou no meu personagem predileto da estória, e só vou comprar a continuação pra saber o que acontece com ele.
Não amei a capa, pois não tem nada a ver com os personagens, Jade é loira e uma adolescente de 17 anos, na capa é uma mulher já adulta e com cabelo cacheado, sendo que o da Jade é liso. O homem também já é adulto não tem nada a ver com um rapaz jovem feito o Fred.
A diagramação é simples, e não vi erros na escrita. Algumas partes me deixaram confusa, mas consegui ler o livro sem dificuldade. Mas eu recomendo este livro, pra quem quer ler uma trama cheia de perdas, amizades e mudanças para crescer na vida.

Este livro foi escrito por Lilian Reis
Tem o total de 320 páginas
Nota: ★★★

site: http://sobangulos.blogspot.com.br/2014/04/eu-meu-pai-e-meus-outros-amores.html
comentários(0)comente



Vivendo Mil Vid 14/04/2014

Nada Demais
Este livro conta história de uma menina chamada Jade, carioca acostumada as regalias de se viver em uma cidades abençoada por Deus e ter uma mãe e um padrasto perfeitos, acaba tendo a vida transformada por um acidente de carro. Neste acidente o padrasto e a mãe morrem e ela se ve obrigada a ir morar com o seu pai ausente, sua madrasta e seus dois filhos em uma fazenda no interior de Minas Gerais. Um dos irmãos é receptivo e carinhoso já o outro a trata com indiferença e vive a criticá-la.
Logo no início do livro a escritora acaba fazendo a loucura de entregar a história toda na minha modesta opnião, ela já de cara acaba narrando o motivo de Fred tratar Jade com indiferença, para mim acabou todo o mistério, não contente achei que a história fosse melhorar com o decorrer da história porém, nada disso aconteceu.
Não sei quem fez a revisão do livro, só sei que fez um trabalho horrivél, em certas partes não dá para entender quem está narrando os fatos, tudo fica atrapalhado, fiquei em vários trechos relendo para entender o que era fala do personagem e o que era apenas história.
A história em si é otima mas o modo como foi construida poderia ter sido melhor, um pouco de suspense e aventura só iria enriquecer o livro e outra coisa a beleza está na imperfeção e nas diferenças e um lugar fantastico com um monte de gente de olhos azuis maravilhosos e perfeitos, com carros fantásticos, casas deslumbrantes com empregados maravilhosos, fica tudo muito exagerado tornando se uma hipérbole. Peço desculpa aqui para a escritora e espero que ela entenda e melhore no próximo. Este livro não entra na lista dos melhores.
comentários(0)comente



Platina23 29/03/2014

"Meu pesadelo começou quando perdi minha mãe..."
O livro começa com a história de Jade, uma patricinha mimada e indecisa que tem uma vida perfeita com a mãe e o padrasto no Rio de Janeiro. Certa noite, quando eles voltavam de um casamento no interior do Rio, é então que os três sofrem um terrível acidente que leva os dois adultos e deixa Jade totalmente ferida fisicamente e emocionalmente.

Quando Jade acorda ela está em um leito de hospital sendo observada pelo seu pai, Bernardo, que havia saído da sua vida após o divórcio anos atrás. Jade fica confusa e começa a falar sobre anjos que levaram sua mãe e padrasto diversas vezes e é sempre sedada não querendo acreditar na dura verdade.

Depois que ela finalmente encara essa parte de sua nova vida, seu pai lhe avisa que ela terá que se mudar para a pacata cidade de Estrela do Campo( pois ela inda tem 17 anos e não pode viver sozinha) junto com ele, sua nova madrasta chamada Isolda, e os filhos dela, Fred e Duke.

Após muitas discussões Jade acaba indo forçada para a fazenda do pai.

E é a partir desse ponto que toda a história amorosa e familiar começa a se desenrolar. Principalmente com Fred, o filho mais velho de Isolda, um jovem sério, nervoso e carrancudo que já havia salvado Jade de uma cobra quando ela era pequena e foi com o pai até a fazenda. Agora, ambos estão mais velhos e mais bonitos, de acordo com a visão que cada um tem do outro.

O livro me lembrou muito "A última música" de Nicholas Sparks, porém, nesse livro a linguagem, as expressões e as referências culturais são mais adolescentes, chegando a ser infantis, e de culturas americanizadas, em certas partes eles até falam em inglês. Outro ponto negativo foi a repetição de termos genéricos ou gírias típicas de adolescentes.

Um ponto interessante no livro foi o amor fraterno tão bem feito e descrito na pele de Jade e Duke. Eles tem uma amizade tão bonita e divertida que eu achei que a autora realmente conseguiu fazer eles agirem e se sentirem como verdadeiros irmãos. O mesmo pode ser dito do amor pelo pai dela e a restauração da amizade entre os dois( sério isso é muito "A Última Música"!) e até toda a questão do perdão e da madrasta não ter que ser necessariamente má.

Infelizmente o livro não me conquistou como eu queria, mas depois de ler a última página corri para o site da autora e descobri que ele tem uma continuação em forma de Chik-Lit!(Obs: Eu amo Chik-Lit, ou seja mais uma chance da autora tentar me conquistar) O nome é "Amores Complicados" e está disponível para E-Book pela Amazon.

site: http://livrosenipon.blogspot.com/2014/03/resenha-eu-meu-pai-e-meus-outros-amores.html
comentários(0)comente



Gunnar 08/02/2014

[RESENHA #10] Eu, Meu Pai e Meus Outros Amores
A felicidade pode estar em um lugar que lhe causa tristeza.

É mole esse começo aí em cima? Não está no livro Eu, Meu Pai e Meus Outros Amores - Lilian Reis, mas foi uma das mensagens que a autora quis nos passar. O livro conta a história de Jade, uma garotinha mimada do Rio de Janeiro que sofre uma reviravolta e acaba indo parar no lugar que mais lhe causa tédio e tristeza: a casa do pai.

Jade era filha de Laura e Bernardo. Eles brigavam muito, quase que todos os dias. Foi inevitável a separação e nesse momento, Jade tinha apenas cinco anos. Na divisão dos bens, Laura ficou com as coisas na cidade e Bernardo com a propriedade da fazenda, em Minas Gerais. Lá, ele se casou novamente e Laura não ficou para trás e arranjou um gringo norte-americano chamado Thomas.

Claro que a figura paterna faz muita falta, mas tudo estava indo muito bem para Jade. Por influência da mãe, ela começou a repulsar o pai após a separação, este que sempre se importava com a filha e jamais perdeu o contato com as duas. Entretanto ela viu em Thomas essa ausência ser preenchida e a mãe parecia, realmente, ter encontrado a cara-metade. Os dois viviam muito bem e o padrasto tratava a afilhada como se fosse uma filha. Nessa família feliz, também tinha Melissa, uma grande amiga de Jade, cuja amizade iniciou-se na escola e atingiu proporções maiores, com uma frequentando a casa da outra como se fossem parentes.

Do lado de lá, Bernardo também parecia ter encontrado a esposa ideal. Diferentemente de Laura, Isolda (sua nova esposa) era calma, serena, tranquila e amava a vida no campo. Laura era metropolitana compulsiva e Isolda amava flores e o contato com a natureza, o que fez com que Bernardo se identificasse rapidamente.

Bernardo e Isolda lá, Laura e Thomas aqui. Para Jade, essa "vidinha" cheia de nada era o paraíso. Até que sua vida sofre uma reviravolta: após assistirem a uma cerimônia de casamento, os três voltavam para casa tranquilamente. Exausta, com frio e encolhida no banco de trás, Jade adormeceu. Sonhou que um anjo a tirava de dentro de destroços de um carro capotado, a enrolava em um cobertor e a colocava no chão ao lado, fora de perigo. Quando ela acordou, estava na cama de um hospital, com seu pai ansioso ao seu lado.

Acesse o link abaixo para ver a resenha completa!

site: http://www.gnrgunnar.com.br/2014/02/resenha-10-eu-meu-pai-e-meus-outros.html
comentários(0)comente



Paula 28/11/2013

Eu meu pai outros amores... é....
Bom, o livro é um romance muito teen e super água com açucar.. o relacionamento conturbado com o pai e a morte da mãe, já deixa um pouco a mostra que set trata de uma patricinha super rebelde. (kkkkkkkkkkkkkkkkkkkk) não foi o que eu esperava, mas foi uma leitura rápida...
comentários(0)comente



S. Entre Amigas 14/10/2013

O que você faria se descobrisse que lhe falta o chão?
Quer uma prova de que a literatura brasileira não está para brincadeira e que vem cativando os leitores cada vez mais? Leia EU, MEU PAI E MEUS OUTROS AMORES. O livro é um romance que aborda também o drama familiar.

JADE é uma jovem de 17 anos que perde sua mãe e seu padrasto em um acidente de carro, sozinha no Rio de Janeiro é obrigada a se mudar para Estrela do Campo, cidade do interior de Minas Gerais onde BERNARDO, seu pai, mora. Bernardo havia abandonado Jade e sua mãe quando ela ainda era muito pequena, desde essa época sua mãe envenenava sua mente contra seu pai, e apesar de demonstrar um desagrado a presença de Bernardo, Jade ainda o amava como quando era pequena e ele a colocava para dormir após um pesadelo.

Ao chegar na fazendo de Bernardo em Estrela do Campo, Jade se depara com uma família feliz: ISADORA, esposa de seu pai e um amor de pessoa, EDUARDO ou DUKE ou DU, filho caçula de Isadora e FRED, filho mais velho de Isadora e uma completa incógnita para Jade. A principio ela acredita que Fred tem apenas uma cisma por ela estar estragando a família perfeita, mas com o tempo tudo vai se explicando.

Lilian flui na escrita tão bem que a leitura fica uma delícia. O livro é narrado por Jade, mas vez ou outra muda de foco, e passa por boa parte do círculo de personagens principais da história. Também existe o envolvimento de um certo misticismo, envolvendo anjos e espíritos, mas isso não faz da história uma fantasia ou um livro espírita, são nuances, coisas de um parágrafo ou dois.

O livro também leva o leitor a uma boa reflexão sobre o medo que se tem de sair do comodismo, mudar de ares, arriscar novas experiências; bem como fala sobre a retensão de sentimentos ruins, como uma mágoa passada pode afetar o futuro, e como na maioria das vezes o arrependimento, ou perdão, pode vim tarde de mais.

Definitivamente uma história que trata romance, perdão, culpa, companheirismo e amizade de uma forma fácil e expressiva, gostoso de se ler e que traz grandes reflexões ao leitor. Uma obra que merece, e muito, ser lida.
Lilian Reis 15/10/2013minha estante
Obrigada pela linda resenha. Acompanhe pelas redes sociais, a continuação está pronta. Aguarde publicação. Beijos. Lilian




Anna Gabby - L&V 06/09/2013

Romance e emoção
Quando Jade tinha cinco anos, ela era muito ligada ao pai que era seu herói e protetor. Como os pais dela não se davam bem, veio o divórcio, que foi o melhor para o casal, mas a Jade sofreu muito e afastou-se o máximo que pode do pai. Mas lá no fundo, não era isso que seu coração queria. Muitos anos depois, Jade perde o que tinha de mais importante por causa de um acidente, sendo obrigada a morar longe de tudo que conhecia e gostava.
Ao chegar nesse lugar ela conhece Duke, Fred e Isolda, que formam a "nova" família do pai dela. Aos poucos ela vai conhecendo eles e principalmente, vai se reaproximando do pai, ou pelo menos tentando fazê-lo.
Os personagens em sua maioria são fofos. Vou falar um pouco sobre os nossos principais: a Jade me irritou um pouco, ela é meio mimada. O Duke é super fofo e divertido. Fred me pareceu meio doido em alguns momentos. Isolda sempre delicada e gentil. E Bernado é adorável, mesmo sendo meio ausente.
A autora escolheu uma narrativa em primeira pessoa, com vários narradores. Em alguns momentos tive a sensação que a narrativa deixava a primeira pessoa e ia para a terceira, (Era o próprio personagem falando dele em terceira pessoa?), e depois voltava para a primeira.
A diagramação do livro é bem simples, tendo uma fonte agradável e as páginas amarelas. Cada vez que muda o narrador seu nome aparece em destaque. A capa é bonita, mas não me lembrou os personagens, os modelos são mais velhos... rsrs
Eu indico esse livro para quem gosta de romances e histórias emocionantes! :)

site: http://anna-gabby.blogspot.com.br/2013/04/eu-meu-pai-e-meus-outros-amores-lilian.html
comentários(0)comente



Cyssah 25/07/2013

O amor em todas as suas formas
Jade parecia ter uma vida perfeita. Uma alegre e jovial decoradora de sucesso como mãe, um simpático fotografo americano como padrasto, um melhor amiga para todas as horas, uma bela casa no Leblon, notas boas na escola, ótima dançarina,juventude, beleza e finais de semana preenchidos com passeios ao shopping, baladas, raves e festinhas de pijama... Contudo, no fundo do coração de Jade, havia um espaço vazio que ela insistia em fingir que não existia... A presença de seu pai, o fazendeiro, Bernardo, que após muitas discussões com sua mãe, por incompatibilidade de objetivos, digamos assim, acabou indo morar definitivamente em sua fazenda em uma cidadezinha de Minas chamada Estrela do Campo e se casando com Isolda, que já tinha dois filhos do primeiro casamento, Duke e Fred.

Jade nunca superou a separação, embora seu pai sempre ligasse, de vez em quando a visitasse e nunca lhe deixasse faltar nada. Ela o tratava com frieza achando que ele era o culpado da separação. E os comentários ruins que sua mãe fazia sobre seu pai, também de nada ajudavam para fazê-la superar.

Um dia depois de um trágico acidente de carro, Jade fica 28 dias em coma e perde a mãe e o padrasto. Seu pai, Bernardo fica com sua guarda e mesmo contrariada, vai morar com seu pai na fazenda.

A fazenda é um lugar lindo, a esposa de seu pai é doce e prestativa, há empregados por todas as partes e animais lindos. Jade tem um belo quarto só para ela, é matriculada em uma escola onde será acompanhada pelo filho mais novo da madrasta, Duke, que é descrito como uma espécie de Zac Efron e vem a se tornar o melhor amigo de Jade. Há também o filho mais velho de Isolda, Fred, descrito como Damon da série Vampire Diaries só que mais alto e de cabelos mais claros. Este é sério, quase não interage com Jade.

A adaptação de Jade é bem conturbada, ela é mimada e teimosa, no inicio trata todo mundo mal e se mete em muitas confusões por ser tão desobediente. Ela chega a ser tão "Patricinha" que irrita até o leitor! Há partes engraçadas, como quando ela está conversando com a própria consciência e sobrenaturais quando diz sentir a presença e até ter visto uma vez, seu anjo da guarda Sitael e tem sonhos e sensações que remetem a acontecimentos futuros.

No decorrer da história Jade vai descobrindo outros amores, amores em todas as suas formas que acabam por torná-la uma pessoa melhor...

O interessante deste livro é que os personagens tem emoções bem próximas do real, Fred, por exemplo, não é aquele mocinho romântico que bate a cabeça na rocha gritando o nome da amada, que fala coisas absurdas, do tipo irei morrer sem ter você e adoece mesmo. Não nada disso. Fora isso, a menção a bandas, músicas, livros, filmes, séries e atores como favoritos dos personagens fazem o leitor se ver ainda mais inserido na história. O final desta história não é nada previsível, e os últimos capítulos são bem emocionantes... É, chorei mesmo!

O livro trata de conflitos internos, crenças, amizade, amor e família de forma bem envolvente.

Estes são dois dos meus trechos favoritos:

- E o que é paixão para você, Fred? - quis saber.

- É... é isso, tocar na mão e sentir eletricidade, é respirar sem conseguir aspirar todo o ar, é tremer quando se pensa na pessoa, é pirar de saudade, é querer... bem, querer estar ao lado da pessoa, sentir o corpo flutuar..."

Eu, meu pai e outros amores de Lilian Reis p. 210

"Amores eternos existem sim, e superam qualquer coisa, mesmo quando ninguém mais acredita neles, eles continuam sempre à espreita, esperando apenas um olhar, um retorno, uma reconciliação". Augusto Branco

Eu, meu pai e outros amores de Lilian Reis p. 289

PS: Senti falta de uma descrição mais detalhada da primeira noite de amor de Jade e Fred... rs
comentários(0)comente



Allison Feitosa 25/06/2013

Eu, meu pai e meus outros amores - Lilian Reis
Já conseguiu descobrir o amor a sua volta?

Tudo parecia estar finalmente perfeito para Jade: apesar do distanciamento do pai, sua mãe e seu padastro supriam a carência da melhor maneira possível e Jade já começava a sentir uma raiva muito grande por Bernardo ter trocado ela e sua mãe por outra família.

É em um domingo que o que Jade pensava estar perfeito acaba. Ao voltar de um casamento, Jade, sua mãe e seu padastro sofrem um acidente de carro e Jade entra em coma por 28 dias. Quando acorda, ela visualiza aqueles olhos que estiveram tão ausentes durante praticamente toda a sua vida, os olhos que ela aprendera a odiar, os olhos que desde sempre ela nunca conseguiu esquecer e deixar de sentir falta. Os olhos de seu pai. É nesse momento que a garota descobre que foi a única sobrevivente do acidente e que agora só pode contar com o único vínculo familiar que lhe restou.

Sua vida muda radicalmente em vários aspectos. Como é menor de idade, ela vai ter que ir morar com o pai em sua fazenda e ter que se acostumar com o jeito mineiro de ser, coisa que a carioca vai estranhar muito no começo. Terá também de se acostumar com a família de seu pai: sua esposa e seus dois filhos: Fred e Duke.

Bernardo não tem muito tempo para a família pois tem que administrar muitas coisas no trabalho e o relacionamento com a filha (mesmo que morando na mesma casa) ainda é distante. Isolda é carinhosa, atenciosa, e apesar de que nunca irá conseguir substituir o lugar da mãe de Jade, faz tudo para a garota se sentir feliz e acolhida. Duke é o irmão que Jade pediu aos deuses: brincalhão, sabe escutar, cuida como se Jade fosse realmente sua irmã e acaba se tornando um confidente. E por fim, temos Fred: de poucas palavras, mas Jade já percebe ser uma pessoa arrogante. Com um olhar que penetra na mente de Jade e a faz estremecer.

Vemos toda a questão da adaptação (ou não) de Jade na sua nova casa e vemos também a tentativa de reaproximação do pai, que mesmo que lenta e disfarçada, percebemos que é verdadeira. Como o título opina, Jade vai descobrir que nem tudo é ruim na fazenda e que ela pode sim encontrar o amor por lá. Gostei muito da narrativa. Lilian Reis escreve de uma forma em que os sentimentos das personagens se tornam bem verdadeiros e você sente a alegria e/ou a tristeza emanar das páginas. Outro ponto forte é a construção de personagens humanos: cheios de erros, cheios de arrependimento, mas sempre com uma mensagem de amor e perdão a passar.

''Ser normal. Minha mãe sempre falava que ser normal era ser normal.
- Como assim? - perguntava rindo.
- Chorar, sorrir, sofrer, se divertir, amar, ganhar, perder, se encontrar, descobrir coisas novas, descobrir que erramos às vezes. Reconhecer os próprios erros e tentar acertar. Ser normal é ser humano!
- Nossa, mãe! Você é sempre tão... normal! - sorrimos as duas com uma panela de brigadeiro, comendo de colher.
- Todos nós somos, embora existam aqueles que queiram ser diferentes, e esses sofrem porque não se adaptam à normalidade, se acham melhor do que os outros, são extremamente arrogantes e não aceitam seus erros. Continuam assim até que um dia possam aprender; se é que aprendem. Alguns morrem tentando.'' Pág. 231/232

É uma leitura muito válida e recomendada! 4 estrelas.

Playlist: My Immortal - Evanescence, Bon Jovi - Maybe Someday, Whitin Temptation, Jota Quest, Paula Fernandes.
comentários(0)comente



42 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3